História La Kamé House - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Androide Nº 18, Bills, Bulma, Freeza, Goku, Kuririn, Marron, Nappa, Vegeta, Whis, Yamcha
Tags Bulma, Burlesque, Dragon Ball, Freeza, Gangsters, Goku, Saiyajins, Vegebul, Vegeta
Visualizações 344
Palavras 2.743
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oie, gente! Capítulo novinho para vocês!

O que será que vai rolar no encontro de Bulma e Yamcha? Será que alguém mais vai aparecer?
E se na verdade, ela tiver um encontro não programado?

Espero que gostem!

ps: art by @vegetapsycho

Capítulo 5 - Encontros (in)esperados


Fanfic / Fanfiction La Kamé House - Capítulo 5 - Encontros (in)esperados

O dia passou como normalmente, eu correndo semi atrasada pela casa, o Whis me torturando durante os ensaios e o falatório de sempre com as meninas. E aqui estou eu, com um vestido preto justo, com o cabelo preso e uma bela maquiagem e um grande desânimo em uma entediante noite de segunda-feira. E para completar, esperando o príncipe encantado, que na verdade, não é bem o belo rapaz que eu esperava vir me despertar após longos anos adormecidos.

- Chi Chi, você pode me lembrar o porquê eu estou fazendo isso mesmo?

- Primeiro, você é doida. Segundo, você ficou sem jeito de dispensá-lo pela milésima vez. E terceiro: não faço ideia. Hahahah.

- Ha Ha Ha. Acho que a senhorita anda passando muito tempo com o Goku. Já está fazendo piadas sem graça que nem ele, hein dona Chi Chi?!

- Hahahaha. Ai, só uma piadinha para você desamarrar essa cara. Como pretender ir a um encontro com todo esse mau humor? Por que não diz que está gripada e simplesmente desmarca, Bulma?

- Ai... Se fosse simples assim. É que... Fiquei sem graça de só rejeitar ele toda hora. Aliás, ele vai me levar em um lugar maravilhoso e de gente bonita. Vou aproveitar, né querida?

- Hahaha. Bulma, Bulma. Você não tem jeito.

De repente, o interfone toca.

- Senhorita, Briefs. Tem um rapaz lhe aguardando aqui embaixo.

- Tudo bem, Louis, já estou descendo. Ai, amiga, me deseja sorte. Eu tenho que conseguir sobreviver a essa noite.

- Boa sorte, Bulminha! Não vá morrer de tédio! Hahahah

- Hahaha. Palhaça! Tou indo. Até mais!

Quando cheguei ao saguão, Yamcha estava me esperando com um belo buquê de rosas. Até que ele estava bem atraente. Mas, eu achava que faltava um algo a mais nele.

- Nossa, você está mesmo deslumbrante, Bulma! – disse Yamcha.

- Hahaha. Obrigada, Yamcha! Você também está bem elegante.

- Hehehe. Obrigada. Ah, trouxe isso para você. – ele disse, me entregando o buquê de rosas.

- Ai, são lindas. Muito obrigada!

“Ai, rosas? Nossa, quanta criatividade”

Não me levem a mal. Eu adoro flores. Mas, eu já estava meio cansada de receber sempre o mesmo presente dos homens. Podiam pelo menos variar um pouco. Tipo, um chocolatezinho aqui, um colar de diamantes ali, coisas básicas, sabe? Hahaha. Brincadeirinha, eu apenas não queria receber flores toda hora.

Então, fomos ao bendito jantar. Eu imaginava que seria um espaço gourmet, com um jantar preparada por um chef super conceituado. Mas, para o meu engano, fomos a um restaurante mexicano, conhecido como "El Pancho". Era um espaço não muito glamouroso, mas era bem organizado. Tinha uma decoração rústica, com mantos, sombreiros e violões em algumas paredes e as toalhas das mesas eram floridas. Uma das áreas tinha um desenho meio psicodélico de caveiras mexicanas. Uma banda super animada estava tocando e tinha muita gente jovem e bonita. Bem, um bom lugar para um encontro.

Sentamos em uma das mesas e o garçom nos trouxe o cardápio. Era costume na casa a distribuição de shots de tequila de boas-vindas aos clientes. E eu aproveitei e virei tudo de uma vez, já imaginando que precisaria de uma motivação para sobreviver.

- Eita, vai devagar, senão vou ter que te carregar para casa. Hahaha – disse Yamcha.

-Ah, não se preocupe, não costumo ficar bêbada com facilidade.

- Humm... Então, quer dizer que a grande Saphir está acostumada ao consumo exagerado de bebidas? – perguntou Yamcha.

- Shiiiiii! Tá maluco? Ninguém pode saber que eu sou a grande dançarina do Kamé House. Por isso que usamos máscaras!

- Ops! Desculpa! Hahaha. É que eu esqueço que isso é um segredo. – disse Yamcha.

Fizemos nosso pedido, alguns tacos, fajitas e bebidas. Eu pedi um mojito, enquanto Yamcha preferiu ficar no whisky. Logo, o garçom nos trouxe a comida.

 – Então, Bulma, por que resolveu aceitar sair comigo dessa vez?

Claramente, eu não estava esperando uma direta dessas. Então, depois de quase morrer engasgada, eu consegui falar alguma coisa.

- Como assim, Yamcha? Hahahha. Não entendi.

 Eu estava tentando fugir do assunto, mas não deu muito certo.

- Não precisa se preocupar. Eu sei que não só o tipo de partido que você esperava. Além disso, acho que aquela história que nossos pais inventaram de casamento arranjado não favoreceu muito também.

- Não, não é isso. Você é uma boa pessoa Yamcha. É educado e gentil, mas...

- Mas...?

- Mas, não acho que a gente combine. É como se faltasse alguma coisa, entende? Não fica chateado, mas é o que eu penso.

- Ah, Bulma, relaxa. Na verdade, eu não vou mentir que gostaria de ter uma chance, mas só de ter sua amizade, já seria muito feliz. Mas, eu tinha esperança que com o tempo, você mudasse de ideia em relação a mim. Hahaha.

- Ai, Yamcha! Você é mesmo uma pessoa maravilhosa. Tenho certeza que achará alguém especial para você!

- Bem, que tal então sermos amigos? O que acha? – disse Yamcha, estendendo a mão para mim. Eu gentilmente retribuí o gesto.

- Por mim, tudo bem! Amigos!

Enquanto conversávamos, quando percebi dois rostos bem familiares entrarem no restaurante.

 “Já sei, são aqueles dois que estavam com o Vegeta naquele dia. Engraçado, ele não está com eles hoje.”

Confesso que fiquei um pouco ansiosa, esperando que ele aparecesse por lá, mas do resto de tempo que fiquei, não vi nenhum sinal dele. Uma pena, realmente.

Yamcha pagou a conta e estávamos saindo quando escutei meu celular tocando. Abaixei a cabeça para atender, quando me bati em alguém. Preciso parar com essa síndrome de desastre ambulante.

- Me desculpe, é que eu estava...

Quando eu levantei a cabeça, meu olhar se encontrou com aqueles olhos escuros e misteriosos. Quando me toquei, senti suas mãos fortes me segurando pelos ombros. E o cheiro dele... Nossa, era tão bom. Eu me perdi um pouco na hora.

- Ora, você de novo? Parece que anda sempre distraída, pelo visto. – ele me disse, esboçando um sorriso no canto da boca.

-Ah... – fiquei parecendo uma idiota de boca aberta por uns instantes, depois me toquei que estava fazendo papel de louca. – Hahaha. Me desculpa, moço, é que estava distraída e acabei me esbarrando em você.

- Humpf. Pelo menos, não vou ficar com uma camisa manchada dessa vez. – disse Vegeta.

- Algum problema, Bulma? – perguntou Yamcha, se aproximando.

-Não, está tudo bem, Yamcha. Eu que sou desastrada mesmo. Hahaha.

- Hum... Nos vemos por aí, senhorita desastrada. – disse Vegeta, que encarou Yamcha por alguns instantes, colocou a mão nos bolsos e saiu andando em direção a seus colegas.

- Minha nossa... – eu fiquei sem palavras na hora. Não que eu ligue por tê-lo visto... Não mesmo! Ele ainda é um grosseirão e indelicado. Mas... Ele é bem cheiroso...

- Podemos ir? – perguntou Yamcha.

- Ah, sim... Claro. Vamos!

Yamcha me deixou na frente do meu prédio. Antes de sair do carro, ele segurou minha mão e a beijou.

- Boa noite, bela Saphir. – ele disse, sorrindo.

Eu fiquei super sem graça. Por mais que ele tivesse vindo com aquele papo de amigos, sei que por dentro ele deve ter um pouco de esperança.

- É... Boa noite, então, Yamcha, E obrigada pela noite divertida. Tchauzinho!

Claro, saí o mais rápido possível. Vai que ele resolvia querer beijar outra coisa? Uii...

Subi para o apartamento doida para contar a novidade para Chi Chi, mas ela já estava no quinto sono. Eu guardaria a ansiedade para o outro dia.  Me joguei na cama e fiquei pensando um pouco naqueles olhos escuros e misteriosos. Com certeza, ele devia guardar muitos segredos. E pela sua proximidade com Freeza, ele também deveria ser perigoso. Mas, tinha algo naquele homem que me intrigava. O cheiro dele tinha ficado impregnado na minha pele. Estava delirando ou aquele homem estava me perseguindo? E por que o acaso fazia o possível para nos colocar no mesmo lugar? E por que estava sentindo algo diferente aqui dentro do peito? Eu, hein. Devo estar surtando. Só pode!

No dia seguinte, consegui milagrosamente acordar cedo. Então, consegui me arrumar tranquilamente e descer sem risco de morrer de uma queda da escada. Encontrei Chi Chi arrumada, tomando um chá.

- Bom dia, Chi Chi!

-Ummm... Olha só, acordou com um bom humor matinal. Então, parece que o encontro não foi tão ruim, afinal...

- Hum, não viaja Chi Chi. Bem, na verdade, não foi tão ruim. Lógico que eu esperava algo mais glamouroso, elegante, mas foi divertido. Fomos a um restaurante de comida mexicana. Tinha boa música, boa comida, pessoas jovens e bonitas...

- E?

- E o que, Chi Chi?

- Vai, alguma coisa interessante deve ter acontecido para que você esteja toda assanhada pela manhã. Rolou algo entre você e o Yamcha?

- Hã? Ah, não. Decidimos que vamos nos manter só amigos. Apenas conversamos durante a noite toda. Ele é legal, Chi Chi, mas não é para mim.

- Então, não estou entendendo essa sua felicidade toda, Bulma.

- Você não acredita com quem eu trombei, literalmente, quando eu estava de saída.

- Não me diga que...

- Isso mesmo! Era ele. Era o Vegeta Sadala! Eu estava olhando o celular, quando eu acabei me batendo de frente com ele. Mas, dessa vez, ele não gritou comigo. Até ganhei um meio sorriso. Ai, amiga, ele estava tão cheiroso!

- Gente, estou chocada. Como assim? Vocês se esbarraram de novo? Bulma, Bulma. E se esse cara anda te seguindo?

- Ai, desencana, Chi Chi. Claro que não. Acho que é só coincidência. Eita, precisamos fazer as compras. Não ficou quase nada para a gente comer.

- Caham... Isso porque é a SUA vez de fazer as compras. Lembra, bonitinha?

- Hahahaha. Desculpa, Chi Chi, eu prometo que vou fazer as compras assim que acabar o ensaio.

-Ótimo, até porque eu não quero ficar toda hora gastando dinheiro na cafeteria. Tenho que juntar dinheiro para o futuro. Não vou ser dançarina para sempre. Quero terminar meu curso de designer de moda e abrir minha própria loja de roupas de marca. E você, Bulma? Nunca pensou no que seria se não fosse dançarina? Nunca pensou no futuro?

- Não sei, Chi Chi, não parei para pensar nisso.

-Olha que você não será jovem para sempre...

Na verdade, eu já parei várias vezes para pensar nisso. Se não tivesse me rebelado contra as opiniões da minha família, provavelmente estaria na empresa e seria uma cientista como meu pai. Mas, acho que sempre fui uma pessoa de espírito livre. Então, ficar presa em um laboratório na minha juventude não seria meu primeiro plano de futuro. Eu até terminei meu curso em robótica que paguei com o dinheiro da dança, mas não acho que seja a hora de me aposentar dos palcos.

- Tá, eu sei, Chi Chi. Na hora certa eu penso nisso. Bem, hora de ir.

Saímos do nosso prédio e estávamos passando em frente da cafeteria, quando decidi comprar algo para comer. Chi Chi resolveu ir na frente. Quando entrei, peguei logo um cardápio e enfiei na cara. Decidi que compraria um expresso e um pão de queijo para a viagem. Quando baixei o cardápio e olhei para o atendente, eu tomei um grande susto.

“Será que eu estou sonhando? Alguém me belisca”

Era ele. Vegeta Sadala mais uma vez na minha frente. Ele usava uma bela camisa social azul e quando ele me viu, ele esboçou um olhar de surpresa, mas logo deu um sorriso malicioso discreto.

- Vejam só. Será que tem alguém me perseguindo agora? – ele disse.

- É... Ah.. O-olha só. Quem es-está por aqui. Que coincidência! – eu fiquei super nervosa e comecei a gaguejar. O mundo de repente já estava ficando pequeno demais para que ocorressem tantos encontros inesperados. - Então... Você trabalha aqui?

- Hahaha. Não, na verdade, eu comprei esse lugar. Um dos funcionários teve que se ausentar e tive que ocupar o lugar dele. Então, já sabe o que vai pedir, moça desastrada?

- Ah, meu nome é Bulma, muito prazer.

- Umm... Bulma, não é? Prazer, Bulma desastrada. Eu sou Vegeta Sadala. – ele disse, estendendo a mão para mim.

Trocamos um aperto de mãos, firme e forte, e ficamos nos encarando por alguns instantes. Eu senti meu rosto corar. Delicadamente, ele soltou a minha mão e soltou um sorriso discreto.

- E então, Bulma, o que vai querer para hoje? – ele perguntou.

- Você tem alguma sugestão?

- Que tal você provar nosso chocolate quente? É uma receita nova e tem um ingrediente secreto. Para acompanhar, você pode levar alguns pães de queijo que acabaram de sair. – ele disse.

- Um... Ingrediente secreto? E o que é?

- Hahaha. Se eu te contar, deixa de ser secreto. – ele disse, piscando o olho para mim.

A conversa estava ficando interessante, mas o tempo passou tão rápido e se eu não corresse iria me atrasar. Ainda bem hoje seria a Madame Uranai. Ela me auxiliava a aperfeiçoar meus solos.

- Minha nossa, eu preciso ir, senão vou me atrasar. Aqui está o valor. Pode preparar para mim para a viagem?

- Obrigado. Sim, aqui está.

- Obrigada, bem, te vejo por aí. Até mais!

- Eu estava saindo, quando ele me gritou.

- Ei, rainha do desastre, espera!

Quando eu virei, ele já estava bem próximo de mim, bem na minha frente.

- Olha, você ia esquecendo sua bolsa. – ele disse, me entregando a bolsa com as duas mãos.

Eu estendi as mãos para pegar a bolsa e quando eu a toquei, ele segurou minhas mãos por alguns instantes, enquanto me encarava. Ai, quase morri nessa hora!

- Escuta, você deveria ter mais atenção no que faz. Parece que vive em outro planeta... Me diz uma coisa, você mora aqui perto?

- Hahaha. Eu sou mesmo meio desligada. Obrigada. Ah, sim, eu moro bem próximo daqui.

-Então, vem por aqui amanhã de novo. Eu vou te dar um café de cortesia pela minha grosseria do outro dia. Estava nervoso com alguns problemas. – ele disse.

- Ah, tu-tudo be-bem. Sem problemas. Isso já passou. Mas, aceito sim seu convite. Obrigada! Ai, minha nossa, eu vou me atrasar. Obrigada, Vegeta. Nos vemos depois! Tchauzinho!

- Até mais! – ele respondeu.

Eu saí correndo feito a louca de sempre, mas dessa vez, o motivo do atraso valeu super a pena. Eu ainda achava que estava sonhando ou que tinha enlouquecido de vez. Ele me convidou mesmo para me pagar um café? AAAh! Nem acredito! Vou ter um treco de felicidade.

BULMA BRIEFS, SE CONTENHA! Ai, estou parecendo aquelas adolescentes descontroladas quando recebem um oi do menino que elas gostam. Mas, não vou mentir que estou super animada. Preciso contar a Chi Chi o que aconteceu.

Depois do ensaio, encontrei com as outras meninas no camarim. Elas estavam terminando de provar a roupa do show da noite.

- Oie, meninas! Bom dia!

- Bom dia? Ué, o que aconteceu, Bulma? – perguntou Lunch, que estava retirando o espartilho.

- Como assim “o que aconteceu”? Eu só dei um bom dia...

- Ai, Bulma, conta outra! Você nunca chega bem-humorada pela manhã. O que foi? Teve uma noite interessante? Hihihi. - perguntou Lazuli.

- Ai, não foi nada disso. Só está sendo um dia bom, ué. – Eu aproveitei para tirar meu copo de chocolate quente da sacola e logo provei. – Nossa, isso está divino. Bem que ele falou que tinha um ingrediente secreto.

- AHÁAA! Eu sabia, quem é esse ele, hein dona Saphir? – disse Marron, que estava terminando de se vestir.

- Hã? O que? Eu n-não disse nada!

- Hahahaha. Você não sabe esconder as coisas, Bulma. – disse Chi Chi.

- Ai, gente, desencana!

- Hahahaha. – Todas começaram a rir da minha cara, quando alguém bateu na porta.

- Ei, posso entrar? Estão todas vestidas? – era Tenshinham.

- Sim, pode entrar.

- Olá, meninas, bom dia! Eu trouxe essa mensagem do Monsieur Kame para vocês. Lunch, você pode receber?

- Cla-claro! Eu re-re-cebo, Tenshin.

- Muito obrigado! Até mais, meninas. – disse Tenhsinhan, saindo do camarim.

- Ummmm... Tenshin? Desde quando vocês têm essa intimidade toda? – perguntou Marron.

-É, parece que tem mais gente aí suspirando alto. – disse Lazuli.

- Tch... Parem com isso, somos apenas bons amigos. – disse Lunch, sem graça.

- Aham, tá bom. – disse Chi Chi.

-Ei, então lê a mensagem para a gente, Lunch. Deve ser algo importante.

- Está bem, eu vou abrir. – disse Lunch.

Continua


Notas Finais


O que acharam do capítulo? Dessa vez, ele foi um pouquinho maior. Vou passar uns dias fora, então talvez o próximo demore. Vamos descobrir o que tem na mensagem misteriosa! Obrigada para quem está acompanhando! Amando os comentários! Beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...