1. Spirit Fanfics >
  2. La Luna >
  3. Familia

História La Luna - Capítulo 56


Escrita por:


Notas do Autor


Bom e esse é o último.. É triste acabar mas vem mais história por aí,
Boa leitura!!

Capítulo 56 - Familia


Fanfic / Fanfiction La Luna - Capítulo 56 - Familia

Lua Selene POV

Estava na cadeira piscina, tinha sol e era fim de semana, tia Tessa e Natiely estavam escondidas do sol na sala lá em cima, alguns parentes do Cristiano estavam na churrasqueira e ele na piscina, senti uma coisa diferente na barriga, que já estava aparente. Ele estava me olhando e eu coloquei o livro de lado e a mão na barriga.

- O que foi Lua? - Ele perguntou preocupado e eu franzi a testa sentindo de novo, era um chute. Cristiano saiu da piscina de pressa e parou na minha frente todo molhado - O que foi? O que aconteceu? Tá sentindo alguma dor? - Neguei com a cabeça comecando a me emocionar.

- Não tem dor nenhuma não - Peguei sua mão e coloquei na barriga -  Eles estão chutando - Uma lágrima escorreu e Cristiano começou a chorar também.

- Estão mesmo - Cris beijou a minha barriga e depois me pegou no colo girando com cuidado.

- Porque estão tão felizes? - Dolores perguntou sorridente se aproximando de nós.

- Eles estão chutando - Falei sorrindo e Cris me colocou no chão - Quer sentir? - Dolores assentiu e eu peguei a sua mão colocando em minha barriga.

- Viu mãe? É lindo não é? - Dolores abriu um enorme sorriso.

- É sim, oh meu Deus, não vejo a hora de nascerem - Cris me abraçou de lado e ficou com a mão na minha barriga.

Depois disso eu resolvi ir comer, estava comendo bem mais agora, e mais a cada dia que meus bebês cresciam. Subi para o quarto quando escureceu e Cristiano apareceu minutos depois.

- Ah, você está aqui, achei que tinha acontecido alguma coisa.

- Não, estou bem, mas Cris, temos que escolher o nome - Ele me olhou e deitou na cama ao meu lado.

- É, você tá certa, é que nenhum deles parece bom o suficiente - Coçou o rosto.

- Eu sei, mas logo eles vão nascer, e precisam de um nome - Me virei e fitei seus olhos - Eu gosto de Mia, gosto de Luísa, Annie, Carol - Cristiano ficava me olhando confuso.

- Você tá me deixando perturbado - Ele respirou fundo - E se o menino fosse Cristiano Ronaldo Júnior? - O olhei.

- Sério? - Cris assentiu - Tá, eu gosto de Cristiano, de verdade, só espero que ele goste de ser júnior, o garoto tem que te admirar.

- Pode deixar - Ele me abraçou e enterrou sua cabeça em meu pescoço.

- Ei não fuja, a gente ainda tem uma menina sem nome aqui - Ele riu.

- Ah, isso é muito difícil.

- Eu sei, e ela não vai poder chamar Lua - Cristiano riu de novo e se virou para mim.

- Tá, Mia acho muito curto, que mais que você falou?

- Tá, tem Luísa, Annie e Carol.

- Luísa não me convence, não sei porque - Eu ri - Carol é bonitinho, parece que é o nome de uma menina meiguinha e Annie também - Eu sorri.

- E de qual você gostou mais? - Ele me olhou pensativo.

- Eu não sei - Me sentei na cama.

- E se fosse Alina? - Ele sorriu - Gostou? - Assentiu.

- Alina é perfeito - Ele se sentou também e me beijou - Cristiano e Alina.

- Cristiano e Alina - Eu repeti colando nossas testas e sorrindo.

 

...

Já tinha se passado mais de um ano desde o nascimento dos meus bebês, e eu não sabia expressar tudo o que senti durante esse tempo. Cristiano era o melhor pai do mundo, sempre tão carinhoso e se estava em casa, ficava sempre com a Alina e o Cristianinho por perto.

Às vezes ele acordava no meio da noite e ía até o berço só para ficar olhando aquelas preciosidades, e já estava com ideias de mudar de casa, para uma maior e com mais quartos para ter mais espaço para os nossos filhos, eu não achei necessário, mas Cristiano é bem insistente.

Dolores estava enlouquecida também, ela amava demais os netos e estava sempre dando um jeito de ir vê-los. Tia Tessa e tia Margie eram outras duas corujas, Mateus amava os sobrinhos demais e Naty estava encantada com os bebês, mas com ideias de casamento, afinal, quase quatro anos de namoro com Sérgio Ramos não era pouco.

- Mas Cristiano eu acabei de chegar, e você passa o dia com eles - Ouvi Dolores falar quando cheguei à escada.

- Você quer levar logo os dois, eu estava tocando para os meus filhos - Desci rápido e vi Cristiano na frente dos meus dois amores que estavam sentados no piano sem entender nada.

- Cris, que foi? - Perguntei adentrando a sala.

- Eu estava tocando para o Cris e a Alina quando ela chegou tentando pegar eles de mim - Cristiano apontou para Dolores e se sentou no banquinho em frente ao piano.

- Deixa ela pegar um pouco, você pode tocar outra hora, a sua mãe não tá sempre aqui - Cris revirou os olhos e tocou algumas teclas do piano.

Cristiano júnior, ao ver aquilo abaixou o bracinho até alcançar uma das teclas e pressionou com o dedinho, fazendo um som que fez Alina sorrir e nós três ficamos só babando no que ele tinha feito. Cristianinho levantou a cabeça e olhou para o pai.

- Pode tocar filho - Ele pegou o bebê e colocou em seu colo, e aquelas maosinhas ficaram apertando tecla por tecla.

- Como ele é fofo - Me aproximei do meu filho - Você tá tocando para o papai é filho? - Ele me olhou com aqueles olhos lindos.

Meus filhos vieram morenos de olhos azuis, eram a coisa mais linda do mundo, e às vezes a gente pegava eles no colo, e na verdade todo mundo novo que pegavam eles no colo, os dois ficavam olhando para a pessoa com aqueles olhos tão lindos e Alina já era mais espertinha e até tocava no rosto de quem a pegava.

- Papai - Ele sorriu e tocou de novo - Eu tô fazendo igual o papai.

- Ah filho - Cristiano o abraçou e eu reparei que Alina estava olhando os dois sem parar, como aqueles dois gostavam de olhar.

- E você filha? Tá olhando o seu irmão tocar, é? - Ela assentiu e eu a peguei no colo - Olha só a vovó, ela veio te ver - Dolores sorriu para ela.

- Oie Alina.

- Oie Vovó - Ela respondeu sorrindo e abriu os braços para Dolores que a pegou no colo.

- Você quer ir brincar com a vovó um pouco? - Ela assentiu - Ah, toma Cristiano, ela quer, você ouviu isso?

- Mãe, ela te quer porque acabou de chegar - Dolores revirou os olhos.

- A Alina ama muito o papai e a vovó, né? - Ela assentiu toda fofa - Viu, e você consegue escolher quem prefere? - Alina negou com a cabeça.

- Eu te amo vovó - Ela deu um beijo no rosto da Dolores e a mesma ficou sorrindo igual boba - Também te amo papai - Alina esticou os bracinhos na direção de Cris e Dolores se aproximou dele que recebeu um beijinho no rosto.

- Também te amo filha - Ele beijou a bochecha de Alina e Dolores saiu da sala com ela.

- Você não pode implicar da sua mãe querer pegar a sua filha para brincar um pouco.

- É porque você não viu, ela chegou aqui, mal falou comigo e já foi pegando os dois no colo - Eu ri.

- Ela estava com saudades, você faz a mesma coisa quando chega do treino - Ele revirou os olhos e eu olhei para baixo percebendo que Cristianinho estava nos olhando - Tem dois olhões nos encarando, Cris - Ele me olhou e depois fitou Cristianinho.

- Que foi filho? - Cristianinho ficou olhando para a gente e nós dois o agarramos rindo.

Peguei meu Cristianinho no colo e ele ficou mexendo no meu cabelo enquanto me olhava de rabo de olho as vezes.

- Que isso aqui filho? - Perguntei pegando uma folha de grama da sua roupa - Você andou jogando bola lá fora com o seu pai hoje? - Ele assentiu.

- A Alina também - Cris falou enrolando os dedinhos no meu cabelo.

- Cristiano! - Reclamei olhando para o grandão e meu marido que estava me olhando.

- Ele é lindo, eu sei - Desconversou se levantando do piano.

- Eu estou falando do Cristiano Ronaldo pai, que levou os filhos para o jardim escondido hoje.

- Ah, esse é um gato também - Parei na sua frente.

- Eu sei que é, me casei com ele, e ele é mais do que só gato, porém muito desobediente, eu já falei para não ficar jogando com eles, são pequenos demais ainda - Cris suspirou e me abraçou.

- Desculpa, vou me controlar da próxima vez.

- Tá bom - Ele me deu um beijo e nós deixamos a sala.

Na hora do almoço os dois ficaram nas cadeirinhas da sala de jantar e eu sentei do lado do Cris para ajudar ele comer, e Dolores do lado da Alina.

- Será que eu vou poder pegar o Cristianinho depois do almoço? - Dolores perguntou sorridente.

- Pode sim - Eu respondi.

- Contanto que deixe a Alina comigo - Cristiano murmurou.

- Cris, para com isso - Eu ri de lado.

- Para com isso papai - Cristianinho falou me imitando e nós rimos.

- É, para com isso papai - Alina falou também, me fazendo apertar aquelas bochechas, de tão fofa - Ai mamãe.

Alina era muito bonitinha os dois tinham a mesma idade, mas ela era mais espertinha que o Cris, porém, o Cris era maiorzinho, mais pesado e mais alto.

- Ela reclama igual você, Lua - Cristiano comentou me fazendo sorrir.

- Claro, ela é igual a mamãe, não é? - Alina assentiu.

- E o Cris é igual ao papai, não é? - Cristiano olhou para o Cristianinho que assentiu - Ótimo, então vamos no trocar para entrar na piscina? - Ele falou animado levantando da mesa e olhando para os dois.

- Vamos! - Eles falaram animados e Cristiano pegou os dois no colo e levou lá para cima.

- Ah, deixa ele - Suspirei olhando para Dolores - O Cristiano não larga esses dois um minuto, sério, ele fica o tempo inteiro com os dois, até quando estão dormindo.

- Ele ama crianças.

- É, ele ama.

Subi para checar como as crianças estavam e encontrei Cristiano adormecido na cama junto com os nossos filhos. Era a coisa mais linda essa ligação que ele tinha com aqueles bebês, os dois estavam um de cada lado do Cris, dormindo como anjinhos e eu fiquei só observando aquela cena, os amava demais.


Notas Finais


Muito obrigada a todos que acompanharam, fico muito feliz de coração!! Significa muito para mim <3
Até a próxima..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...