História La Vie Commune de Marinette - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Lila Rossi (Volpina), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Mylène Haprèle, Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Tikki, Tom Dupain, Wayzz
Visualizações 31
Palavras 1.904
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Finalmente as crianças vão aparecer! Prontos para isso? Boa Leitura!

Capítulo 3 - Uma Noite Muito Agitada - Marinette


Cheguei a casa por volta das 16h da tarde e por pouco não fiquei molhada. Chovia forte na rua, mas continuava muito frio. Quando entrei, deparei-me com o barulho habitual, mas não o das crianças e sim o das duas mulheres, uma loira e outra morena. 

- Bem vida, filha. - Disse a minha mãe, entregando-me Noah com os olhinhos vermelhos de chorar. - O Ethan estava com saudades da mãe. - Disse, aconchegando a bochecha do neto.

- Mãe, é o Noah. - Disse, rindo e massajando as costas do meu pequeno. - A mamã também estava com saudades tuas. - Disse, abraçando-o. Chloé e Alya gritaram de novo no andar de cima, acompanhadas de gritos infantis desta vez. - O que está a acontecer?

- O costume, filha. - Disse a minha mãe, sentando-se ao lado do meu pai no sofá.

- Desde que chegamos elas estão assim. - Disse o meu pai. - Já agora, bem vinda. - Disse, sorrindo.

- Onde estão a Brigd e o Nico? - Perguntei, tirando o casaco e pousando a mala.

- O Nico avisou que ia chegar mais tarde e a Bridg está a fazer o jantar. - Disse a minha mãe. 

 Fui até há cozinha com o meu pequeno ainda no colo. Não me podia esquecer de lhe dar banho e de ir ver como é que as minhas 2 amigas e os meus restantes filhos estavam. Pelos gritos, acho que a situação não era a das melhores.

- Bridg? - Chamei, entrando na cozinha. Lá estavam Nino (namorado de Alya), as gêmeas Luna e Irís e os trigêmeos Robin, Luccas e Julietta. Julietta ajudava a tia enquanto os restantes faziam os deveres de casa com o tio Nino.

- Sim, Nette? - Disse Brigditte. 

- MAMÃ! - Assim que as crianças me viram, vieram a correr até mim e abraçaram-me.

- Olá meus amores. - Disse eu, dando um beijo e um abraço a cada 1. - A mamã não pode ir buscar vocês hoje há escola porque teve uns problemas. Vocês ficaram chateados? - Perguntei, olhando para aquelas carinhas redondas e fofas.

- Não. - Disse Luccas, dando-me mais um beijo da bochecha e voltando a sentar-se na mesa.

- O tio Nino está a ajudar com os nossos trabalhos de casa. - Informou Robin, sorrindo orgulhoso enquanto mostrava a sua folha cheia de letras, para ele treinar.

- E já acabaram? - Perguntei, indo até há mesa e olhando para as folhas de todos.

- Eu e a Julietta acabamos mais cedo. - Disse Luna, parando de desenhar no seu bloco. - A Ju está a ajudar a tia Bridg a fazer o jantar! - Disse Luna, orgulhosa da irmã.

- É verdade! - Disse Bridg, sorrindo para a minha pequena. - Eu e a Ju estamos a fazer muitas coisas boas, não é, querida? - Perguntou para a sobrinha.

- Sim, tia Bridg! - Disse Julietta.

- Eu já dei a comida há Tikki, mamã! - Disse Robin, referindo-se há nossa coelha.

- O Noah ajudou. - Disse o pequeno, um pouco mais calmo. 

 Aqueles eram os meus filhos mais calmos (tirando Irís do grupo dos calmos). Desde bebés, Luna, Julietta, Robin, Luccas, Noah e por vezes Viollet eram calmos e fáceis de lidar. Claro que tinham personalidades fortes, mas comparados com os restantes 6, eram completos anjinhos. Já Irís, Bella, Heidy, Rose, Ethan e Oliver eram como verdadeiros desastres naturais. Estavam sempre em movimento, partindo ou derrubando alguma coisa, e não me admirei nada ao perceber que eram eles que estavam a causar discórdia no andar de cima. Mas a minha Irís estava estranha, algo devia ter acontecido...

- Obrigada Nino. - Disse, realmente agradecida por ele estar a ajudar os meus filhos.

- Eu não consigo dizer que não aos meus sobrinhos preferidos! - Disse Nino.

- Nós também te adoramos, tio Nino. - Disse Luccas, não desviando os olhos do bolo que a irmã e a tia faziam.

- Sabem se o Nico demora para chegar? - Perguntei e sentei Noah no colo de Nino.

- O Nico? - Perguntou Bridg. - Ele chegou até primeiro que eu! - Disse ela, olhando-me com cara confusa.

- Mas o pai e a mãe disseram que ele ia chegar tarde! Eles disseram que ele até avisou! - Disse eu, indo ver o que as duas estavam a fazer para o jantar.

- Ele chegou mais tarde que o habitual, mas está ai desde que a Chloé chegou. - Disse Nino. Mas um grito vindo de lá de cima e o barulho de algo a cair.

- Eu vou ver o que se passa. - Disse saindo da cozinha e subindo as escadas. Ia já a meio, quando fui parada por Irís. - O que foi, meu amor? - Perguntei.

- A tia Alya contou a mim e há Luna o que é que a mamã tem. - Disse ela, com voz baixa para ninguém mais ouvir. - Eu e a mana ficamos muito preocupadas hoje e tivemos de ajudar as tias e o tio a acalmar todos os pequenos. - Disse ela. - Mamã, está tudo bem. Nós somos muitos, mas vamos amar muito os novos bebés! - Disse Irís, abraçando-me.

- Obrigada princesa! - Disse, abraçando-a. Ouvir aquilo dela significava muito.

 Por algum motivo (que eu desconfiava ser pela ausência de uma figura paterna na vida de Irís), a minha segunda filha mais velha era muito fechada, não se abria muito facilmente e não recorria muito aos sentimentos, por ser difícil para ela os expressar. Apesar de eu saber que muito provavelmente Luna a tinha ajudado a preparar aquele pequeno texto que ela se dera ao trabalho de decorar para me dizer, eu sentia-me um pouco mais segura quanto a isto. Se as duas mais velhas já aceitavam, mesmo que algum dos mais novos não o fizesse, seria questão de tempo.

 Irís voltou para a cozinha, sem antes me dar um grande beijinho na bochecha. Assim que completei o último degrau, encontrei, claro, um completo caos. Rose e Ethan corriam pelo corredor, completamente nus, enquanto Alya os tentava pegar. Heidy e Bella, para variar, estavam a discutir, e pela cara do meu irmão, teria de comprar cortinas e abajures novos para o quarto das duas. Oliver e Chloé discutiam um com o outro, enquanto Chloé segurava Viollet no colo.

- A BONECA ERA MINHA! - Gritou Bella.

- SUA MENTIROSA, ERA MINHA! - Gritou Heidy. - E TU ESTRAGASTE! - Gritou, agarrando violentamente o cabelo castanho da irmã e puxando com força.

- AI! - Gritou Bella, agarrando o cabelo da irmã também.

- Quietas meninas! Eu compro outras duas bonecas iguais para vocês se pararem agora! - Gritou Nicollas.

- MAS EU QUERO AQUELA QUE ELA ESTRAGOU! - Gritaram as duas ao mesmo tempo.

- Rose! Ethan! Já chega! - Gritou Alya. - Parem com essa brincadeira imediatamente! 

- Não nos apanhas! - Disse Rose.

- A tia Alya é tão lenta! - Disse Ethan. O que me deixava bastante orgulhosa de todos os meus meninos era a forma como eles falavam. Nunca nenhum teve problemas de fala, ou palavras mal pronunciadas. Acho que perdi essa parte fofa!

- EU NÃO QUERO VESTIR ISSO! - Disse Oliver. - APERTA!

- Não sejas desmancha prazeres! - Disse Chloé. - A Rose vestiu! AGORA, VESTES TU! - Disse Chloé, agarrando Rose no seu colo com um braço e mostrando uma peça de roupa formal com a outra. - A tia Amelie pediu para vocês experimentarem e todos os teus irmãos já o fizeram, só faltas tu!

- Mas isso é piroso! - Choramingou o meu lourinho. - E aperta! EU NÃO VOU VESTIR!

 Toda aquela confusão estava já a dar-me dores de cabeça. Aquela situação não acontecia todos os dias, mas quando acontecia.... Houve uma das vezes em que Heidy e Bella destruíram o quarto com a ajuda de Oliver, que se revoltou com o barulho das duas gêmeas mais novas. Rose e Ethan uma vez desapareceram no parque, e quando os encontramos estavam a brincar atrás de uma árvore. Como eu os deixei de castigo dessa vez, riscaram as paredes do quarto. Enfim, eram verdadeiras pestes quando queriam. Inspirei com força três.

- TODOS QUIETOS AGORA MESMO! - Gritei e todos, até os adultos pararam.

- A mamã voltou. - Disse Viollet, inocentemente.

- Eu só vou perguntar uma vez. O que está a acontecer? - Perguntei. Todas as minhas crianças abriram a boca, mas eu calei-os. - Os adultos explicam, os mais novos dirigem-se para a banheira grande para irem tomas banho! - Disse, um pouco menos severa.

- Sim, mamã. - Disseram todos, com voz arrastada, dirigindo-se ao meu quarto.

- Mas antes eu quero um beijo de cada um! - Disse e eles correram até mim, mais alegres, dando vários beijos. - Pronto, pronto. Agora banho! - Disse e eles correram animados para o meu quarto.

 Depois de Alya, Nico e Chloé me contarem o que é que estava a acontecer, eu pedi para que eles descessem e chamassem os restantes para o banho. Alya ofereceu-se para me ajudar, enquanto Nico foi ajudar Bridg com o jantar e Chloé argumentou que, como aniversariante da noite, tinha de ter um tempo para relaxar. Sim, estava todos em minha casa para o aniversário de Chloé. Amelie e Raul chegariam mais tarde.

 Dei banho aos meus filhos, o que foi um pouco complicado. Primeiro dei nos que estavam a fazer aquele caos de há pouco e depois nos outros (apesar de Irís e Luna preferirem tomas banho sozinhas, cada uma no seu quarto). Vesti-os logo com os pijamas, pois afinal estavam em casa e a festa era entre familía.

 Amelie e Raul chegaram antes de eu terminar o meu banho. Falei um pouco com cada um dos dois sobre o casamento deles (que eu tinha sido encarregue de organizar) e sobre outros assuntos, como a familía de Amelie.

 Depois do jantar e cantarmos os parabéns para a Chloé, eu decidi dar a noticia que estava grávida. Não foi surpresa, pois já estavam há espera. Assim, todos os convidados foram embora. Os meus pais ainda se ofereceram para me ajudar a colocar as crianças nas suas camas, mas eu dispensei e mandei-os ir embora enquanto a chuva  dava uma trégua. Foi fácil deitar os pequenos, que mal se aguentavam em pé, não que eu estivesse diferente.

 Vesti um pijama confortável e deitei-me na minha confortável cama. Preparei-me mentalmente para sábado. Daqui a 2 dias era sábado, e teria que levar os meus filhos (todos, sem mais nem menos), para o trabalho, que era apenas ver o salão onde ocorreria a festa de casamento, a 2 prova de vestidos (Amelie não gostou de nenhum da primeira vez) e outras pequenas coisas, como a roupa dos padrinhos, damas de honra, etc... Alya, Bridgitte, Nicollas e Nino iriam comigo, e Chloé já estaria lá, com o amigo de infância, irmãos de Amelie e a namorada deste, visto que Chloé apesar de ser a responsável pela decoração do casamento (sim, a Chloé também trabalhava na Miraculous), seria a madrinha de Raul.

 Fechei os olhos e para minha surpresa, sonhei com um certo loiro de olhos verdes que tinha conhecido hoje no parque e me tinha ajudado a sentir melhor com a situação da gravidez. Será que eu o ia voltar a ver?

 

Notas Finais


Até ao próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...