1. Spirit Fanfics >
  2. Labirinto de Emoções >
  3. Um Pouco de Amor Não Machuca

História Labirinto de Emoções - Capítulo 25


Escrita por:


Capítulo 25 - Um Pouco de Amor Não Machuca


Fanfic / Fanfiction Labirinto de Emoções - Capítulo 25 - Um Pouco de Amor Não Machuca

������������������������������

No Outro Dia

~pov Sasuke~

-Responde só o que você achar necessário – Meu pai diz tentando me acalmar enquanto esperamos sermos chamados – Oi meu amor – Ouço uma voz grossa ao pé do meu ouvido e um arrepio sobe minha espinha, mas mantenho a postura – Naruto – O observo pelos ombros – Nossa, que recepção calorosa. Cadê meu beijo? – Não respondo, fazendo-o abraçar minha cintura e morde meu pescoço, tento me soltar, todavia, ele o faz por conta própria indo para o bebedouro rindo, enquanto toco a marca trincando os dentes – Não ligue, é isso o que ele quer, te tirar do sério – Confirmo me sentando – Caso número 15 – A recepcionista diz e nos dirigimos a sala do juiz – Apenas o casal, por favor – A mulher diz a minha família – Ah, tudo bem – Me chateio, mas sigo para a sala com o loiro – Boa tarde à todos – O homem diz – Boa tarde – Respondemos em uníssono – Estamos aqui reunidos para decidir o futuro de uma criança indefesa, feita do amor, acredito, de Naruto e Sasuke – Nos entreolhamos por um momento – O Sr. Uzumaki solicitou ontem uma ordem de “Guarda Compartilhada”, que revisando a vida dos dois, me fez decidir, 15 dias para cada – Engulo seco – O consentimento precisa ser dos dois, caso contrário a criança continuará sobre nossa tutela – Abaixo o olhar – Por quê? Por quê? – Aperto minha calça – POR QUE QUER FICAR COM MEU BEBÊ?! – Grito com o loiro me levantando – VOCÊ NUNCA SE IMPORTOU COM ELE! ATÉ TENTOU MATÁ-LO EM MEU VENTRE DIVERSAS VEZES! POR QUE ESTÁ FAZENDO ISSO COMIGO?! – Se levanta abruptamente – Porque essa é a minha vingança. Eu disse que te faria sofrer, mas não se preocupa, porque isso é só o começo e sabe por quê? – Caminha me fazendo andar para trás – Porque você vai pagar por ter escolhido ELE, AO INVÉS DE MIM, SEU COMPANHEIRO, SEU MARIDO! – Sinto a parede e ele soca a mesma me fazendo tremer com os olhos marejados – Você preferiu uma pessoa que nem conhece, que não sabe nem o que vai virar, que só atrapalha, dá trabalho, prejuízo, do que seu parceiro, que sempre esteve lá por você... – As lágrimas também o alcançam – Que te ajudou quando você precisou, secou suas lágrimas, te salvou da sua solidão, lutou por você. Sasuke, por você eu moveria céus e terras, mas a Srta. Ingrata, não quis isso, então agora – Se afasta – Aguente as consequências – Limpa o rosto – Naruto, para de ser injusto, eu já havia dito que meu mundo era você, o Menma era meu sonho, porque eu queria ver o nosso amor em pessoa, ele somos nós – Explico vendo ele desviar o olhar – Eu sei que sentiu algo quando ele te chamou de papai. Naruto, isso é lindo – Sorrio – Por que não vamos embora e nos tornamos uma família? – Aperta o olhos – Não, eu já disse que com ele não. Então assina logo esse documento para eu voltar a trabalhar, porque de qualquer forma, se não o fizer, nunca mais verá esse maldito pirralho – Abaixo o olhar vendo que é inútil conversar – Eu aceito os termos – Vejo ele se afastando e assinando o papel – Vai, assina logo – Me entrega a caneta e faço minha assinatura – Tudo bem, mesmo com os ânimos exaltados chegamos a um acordo, por isso, pode levar o seu filho Sr. Uzumaki – O juiz declara e me viro para sair do local, entretanto, sinto meu cabelo ser segurado e puxado de volta – Escuta bem Sasuke, não pensa em fazer nenhuma gracinha, entendeu? Porque como eu disse, é apenas o começo. Eu vou conseguir a “Guarda Unilateral” daquele bastardo e aí você vai se arrepender de ter me pedido para sentir minha porra nesse seu rabo – Me solta sem cuidado e o encaro assustado – Está avisado – Cruza os braços – Você é um monstro – Saio correndo da sala deixando minha tristeza ganhar forma – O que houve querida? – Minha mãe pergunta me recebendo em seus braços – 15 dias para cada – Me aperta forte – Que pena meu bem – Ouvimos a porta se abrir e meu ex sai com meu filho nos braços – Mamãe! – Fica animado e sorrio por vê-lo bem. O menor estica os braços em minha direção, mas o maior nega os abaixando, ele fica triste e se deita no ombro alheio apenas acenando para mim, que faço o mesmo – Meu bebê... – Choro me ajoelhando. Nós vamos para casa e o loiro passa em minha residência para pegar as coisas do pequeno – Quando ele for no banheiro, limpa bem o bumbum dele. Uma hora antes do almoço e janta, nada de leite ou porcarias. Ah, se esforça um pouco e conta uma história para ele – Rola os olhos – Sabe que não vou fazer nada disso – Entrego a mochila de roupas – Por favor – Peço – Me beija – Nego – Viu? Tem coisas que nos dói fazer – Suspiro e ele entra no carro indo embora.

~pov Naruto~

-E eu lá vou limpar bunda de criança? Espera, sentado, porque de pé vai cansar – Dirijo de volta para casa e respiro fundo por ter que dar uma explicação aos meus pais. Entro vendo algo que me faz cair para trás – Quem é o bebê mais lindo da vovó? Quem é? – Minha mãe brinca distraidamente com o menor – Sou eu – Riem – Mãe! – Se assusta abraçando o moreninho – Oi filho, se reconciliou com a minha nora? – Estranho sua pergunta – Sasuke? Não – Fica confusa – Então, por que meu neto está aqui? – Me surpreendo – Como sabe que é seu neto? – Pergunto cruzando os braços – Por favor, não zombe da minha inteligência. Ele é idêntico a você, além de que... – Olha a criança – Quem é a Sasuke? – Pergunta – Mamãe! – Responde alegre – E ele? – Aponta para mim – Papai! – Sorri – Não negue Naruto – Jogo a mochila no sofá – Está bem, está bem, Sasuke e eu temos um filho – Vou para as escadas – E é por isso que se separaram e agora quer se vingar dela usando a “Guarda Compartilhada” – Arregalo os olhos voltando alguns passos – Como-como sabe? – Coloca o bebê no chão – Menma, pode ir lá fora um pouco? – Confirma – Filho, eu conheci meu neto na formatura da Sasuke, só não te disse nada, porque sabia que ficaria bravo, ainda mais se soubesse que ele passa todos os fins de semana conosco desde então – Aperto os punhos, mas ela não percebe – E queria que eu ficasse contente com você confraternizando com o inimigo? – Se levanta – Inimigo? – Ri – Minha nora é a maior vítima dessa história, ela fez tudo por você, pisou em cima do próprio orgulho, se humilhou, mas você continuou com seus planos de vingança. Eu sei tudo o que fez com ela, por isso não tente fazer minha cabeça – Desvio o olhar – Vai ficar contra mim? – A encaro tristemente – Naruto, você precisa ouvir isso de mim, mesmo que machuque, você tem que me ouvir – Toca meu ombro – Parabéns, por tudo o que você conquistou até agora, para o bem, ou para o mal, você conseguiu sozinho, mas, eu NUNCA vou ter orgulho de você – Sinto meu coração trincar – A moça de imobiliária ligou, é para você buscar as chaves da sua casa, por isso, quero que arrume tudo o que é seu e saia daqui, você deixou de ser meu sangue, no momento em que abandonou sua família como um covarde – Me olha com repulsa indo para trás – Sua esposa precisando de você aqui para segurar a mão dela na hora do parto, e você dando uma de gatão nos quintos dos infernos – Cruza os braços – Por isso fora, Naruto – Fico desolado com as palavras de minha mãe – PIRRALHO! – Pego sua bolsa – Oi papai – Responde alegre ao chamado – Pega e me espera lá fora – Lhe passo a bolsa e subo para arrumar minha mala – Isso é sua culpa Sasuke – Soco a parede. Arrumo rapidamente minhas coisas, jogando tudo dentro de uma mala – A gente não vai ficar papai? – Ouço o pequeno me chamando – Eu não pedi para você me esperar lá fora? – Abaixa o olhar – Desculpa – Fecho tudo e me levanto – Vamos embora – Caminha comigo até a porta da frente – Tchau vovó – Acena para a ruiva – Vai logo! – O empurro grosseiro – NARUTO! – Me repreende – ME ESQUECE! VOCÊ NÃO É MAIS MINHA MÃE! – Fica sentida, mas logo engole a tristeza e me olha superior – Faça como quiser – Vira as costas e saio sentindo a ferida em meu peito. Coloco tudo no carro me dirigindo até a mulher que me vendeu a residência. Óbvio que não seria fácil, por isso assino uns papeis para liberar a moradia. Assim, depois de um pouco de burocracia pude retornar e chamar a construção de minha.

☯️☯️☯️☯️Quebra de Tempo☯️☯️☯️☯️

-Papai, estou com fome – Menma aparece ao lado do sofá que estou esparramado vendo TV – Fome? Que hora você comeu? – O encaro dobrando o pescoço – Não sei – Fica triste – Agora são 20h, porque não dorme, acho que você tem aula amanhã. A sua mãe te levava para escola? – Confirma e rolo os olhos – Vai bagunçar todo o meu horário – Pego meu celular e ligo para a desocupada – “Alô?” – Sorrio – Oi vida, como você está? – Falo cínico – “Como uma mãe que perdeu seu bebê” – Funga – Está chorando? – Assente – Cholando? Não chola mamãe – O pequeno diz, mas quando o encaro ele se esconde – Meu amor, onde fica a creche do pirralho? – Pensa – “Desce minha rua reto, uns 10 quarteirões, depois vira para direita, mais dois você vai ver uma praça, seguindo a rua do meio tem uma casa amarela de esquina, desce essa rua, vira a esquerda e chegou – Encaro a TV com cara de paisagem – Não entendi nada – Bufa – “Mais fácil explicar para o nosso filho, porque já tivemos que ir a pé uma vez, acho que semana passada” – Rolo os olhos – Repete tudo – Ele o faz e sorrio gravando o caminho – Tá, entendi – Digo desligando o aparelho em minha frente – “Certeza?” – Assento – “Ok. Cuida direitinho dele Naruto, por favor” – Rolo os olhos – Pode deixar – Desligo jogando o celular no sofá. Me levanto estralando as costas – Para a cama – Digo andando, todavia um barulho me para – Que foi isso? – Observa o moreninho corar tocando a barriga – Droga, você só me dá trabalho – Treme um pouco e vou para a cozinha preparar uma rápida mamadeira – Toma – Empurro para si fazendo ele segurar – Papai, posso tomar no seu colo? – Nego subindo as escadas – Como eu detesto esse moleque – Digo me jogando na cama.

������������������������������

No Outro Dia

~pov Autora~

O loiro acorda e vai fazer sua higiene básica, desce já arrumado. Faz seu café normalmente, pega sua pasta e vai para seu trabalho como qualquer segunda-feira manda. Entretanto, com sua mente diabólica focada em como destruir mais vidas, esquece de seu filho, que ressona baixinho. O pequeno tem um sono tão pesado, como o de Naruto antigamente, que quer dizer, quando dormia junto ao Sasuke, que apenas percebe a ausência do maior na hora do almoço, que foi quando despertou, já que, sem sua mãe teve que dormir na marra – Papai! – Coça os olhinhos – Papai! – Chama, mas não recebe resposta, isso porque está sozinho – Estou com fome – Toca o estômago e observa as escadas. Em sua casa usava as grades do corrimão como apoio para descer devagar, na casa de sua avó ela jamais permitiu que ele descesse só, todavia, na residência de seu pai, o corrimão é de vidro – E agora? – Se senta esperando o loiro retornar. Mal sabe ele que isso não acontecerá tão depressa, ainda mais se depender daquela memória fraca.

☯️☯️☯️☯️Quebra de Tempo☯️☯️☯️☯️

Naruto assina despreocupadamente um relatório de seu funcionário quando Gouki adentra sua sala com quatro pastas em mãos – Eu sempre amei o Brasil, aqui é cheio de esposas enganadas – Sorri deixando os documentos com o chefe – Para você ver – Estrala os dedos bocejando – Como está a convivência com seu filho? – Pergunta fazendo o loiro descansar o rosto na mão – Filho? – Se questiona – Ah, me esqueci dele – O outro o repreende – DEIXOU UMA CRIANÇA DE 3 ANOS SOZINHA?! VOCÊ É MALUCO?! – Agarra a gola do patrão – Não, apenas inconsequente – Solta o Uzumaki sem acreditar – Naruto, no que essa vida te tornou? – O outro aperta os olhos se levantando – Bom, hora de fechar. Cuida do resto? Ótimo – Sorri se retirando. 18h é o momento em que a cidade ganha vida com as luzes de boates e bares, que ofuscam com facilidade a mente ocupada do Engenheiro, que se senta em um dos estabelecimentos e toma uma, ou duas cervejas para acompanhar o camarão torrado e seu coração ferido – E aí, quer se divertir garotão? – Uma mulher atraente debruça sobre a mesa e o loiro nem se dá ao trabalho de olhá-la – Não – Responde seco – Mas você está tão sozinho, por que não quer companhia? – Fala manhosa deslizando o braço pela madeira até a mão do maior, que a esconde irritado pela insistência – Eu não tenho quedas por mulheres da vida. Sou um homem casado, ponto – A garota se sente ofendida e cruza os braços – Então vá para casa mal-educado – Se retira empinando o nariz – Pena, que ele não vai estar lá me esperando – Encosta no banco e encara seu petisco tristemente – De qualquer forma é melhor eu ir mesmo – Suspira deixando o dinheiro na mesa e vai para o carro estacionado – Que cansaço – Pega sua chave e destrava o veículo. Entra para colocar a mesma na ignição, mas se desconcentra e a bendita cai em seus pés – Oh DROGA! – Se debate no pequeno espaço fazendo por consequência sua cabeça se chocar com o vidro fortemente – Ah, que inferno – Enfia a mão entre suas pernas procurando seu único modo de ir para casa com o carro, mas não encontra. Bufa descendo e se ajoelhando para procurar melhor – Para onde essa porcaria foi? – Coloca sua mão por debaixo do banco e finalmente a puxa de lá, podendo assim voltar ao objetivo principal.

~pov Naruto~

Leva alguns minutos para eu estacionar na garagem, mas valeu a pena depois de aliviar meus pés dos apertados sapatos sociais. Afrouxo a gravata e removo meu terno o jogando no sofá, mas quando me foco ao pé da escada, uma cena me paralisa – Pirralho? – Me ajoelho vendo marcas de batida em seus braços e um filete de sangue, que sai de um raso corte em sua testa – O que houve? – Toco sua testa e ele está congelando, pois a noite está um pouco mais fria que o normal – Droga pirralho – O pego no colo e ele está até mole. Tiro suas roupas e o coloco embaixo do chuveiro para remover a camada fria de seu corpo. Enquanto isso ele se remexe – Papai? – Respiro fundo – Quê? – Me encara com os olhinhos azuis apagados – O que você fez? – Observa o chão e aproveito para passar sabão em suas costas – Tentei descer... – Suspiro e ouço sua barriga roncar – É, eu sai e esqueci de te dar comida – Digo como se estivesse falando com um cachorro. Depois de aquecê-lo um pouco, o visto com roupas compridas e faço um miojo – Come – Lhe entrego a colher e a bacia – Bigado papai – Sorri e posso ver sua cor bronzeada como a minha retornando aos poucos com cada colherada – “Que bom” – Mentalizo. Permaneço na sala vendo TV até ele terminar o jantar, o que não demora muito. Levo as coisas para a cozinha e desligo tudo para subir, mas ele permanece enrolado em minha manta – Vamos, hora de dormir – Comento e ele estende os braços com uma carinha triste, me fazendo rolar os olhos e ir pegá-lo. O levo até seu quarto e removo minha coberta para usar a dele – Não! – Segura – É minha moleque – Puxo forte – Deixa eu ficar só hoje com ela – Nego – A sua está aqui – O cubro – Eu quero a sua – Sentencia batendo no colchão – Quer um tapa? – Ergo a mão o fazendo deitar negando – Então cala a boca e dorme – Sorrio me retirando – Se meu amor souber do que aconteceu – Rio – Me mata – Tomo um refrescante banho e me visto só com uma cueca, pois o termostato está ligado.

������������������������������

No Outro Dia

Diferente de ontem evito cometer os erros passados, por isso dou café para o pequeno e seguindo a orientação de Sasuke deixo Menma na escolinha, para depois ir para meu serviço, do qual sou dono e não preciso me preocupar em chegar atrasado – Senhor, precisa urgentemente fazer a checagem mensal da empresa – Rolo os olhos – Por que você não faz? – Joga a prancheta sobre minha caneta, pois nem estou o encarando, fazendo a mesma trilhar um risco na folha. Ergo minha cabeça perigosamente e o encaro furioso – Se eu fizer a checagem, que é uma de suas pouquíssimas obrigações, não precisa mais vir esquentar a cadeira, Chefe – Bufo – Depois eu faço isso, preciso terminar de redigir esses documentos, depois vou responder alguns e-mails e 12:30 tenho que buscar o pirralho – Olho para o relógio vendo o quanto o tempo voou – Eu queria mesmo conhecer seu filho pessoalmente, se parece muito com você? – Dou de ombros – O jeito é trazê-lo para cá mesmo – A curta memória de ontem atravessa minha vista me fazendo suspirar – “Foi cruel demais, até para mim” – Amasso a folha que rasurei e imprimo outra vendo meu funcionário se retirar com um sorriso.

☯️☯️☯️☯️Quebra de Tempo☯️☯️☯️☯️

-Sr. Uzumaki, até que enfim – A inspetora me encara séria, pois como não sou pontual, estou 30min atrasado para buscar o pequeno – Sou ocupado sabia? – Solta a mão do moreninho e vira as costas – Oi papai! – Se abraça as minhas pernas – Quer saber o que eu fiz hoje? – Sorri alegre – Tanto faz – Me viro indo para o carro – Papai! Papai! – Puxa minha mão – CALA A BOCA! ME ESQUECE POR CINCO MINUTOS! – Me irrito e ele se entristece soltando meus flagelos – Entra no carro – Abro a porta e ele se senta na cadeirinha que instalei. Entro pelo motorista e como a cadeirinha está no banco do meio, afivelo o cinto de onde estou – A gente vai para casa? – Nego – A gente vai na mamãe? – Insisto na resposta – Eu não terminei meu trabalho ainda, fui obrigado a vir te buscar – Comento grosseiro – Desculpa... – Diz em um fio de voz. O restante do caminho é em silêncio para minha felicidade, logo estaciono o carro na garagem e no elevador, aciono rapidamente o último andar, para que eu não tenha nenhuma “surpresa” – Papai, está mexendo – Se abraça as minhas pernas – Me pega – Estica os braços batendo levemente em meu terno – Senta no chão, é divertido – Ele suspira fazendo o que falei e logo começa a rir fechando os olhos. A lata para abrindo as portas e caminho para fora olhando meu celular.

~pov Autora~

Naruto anda até sua sala, mas Menma continua sentado no elevador distraído com seu próprio riso – Podemos ir de novo? – Abre os olhos encarando o vazio – Papai? – Olha para os lados e vê o loiro quase entrando em sua sala – PAPAI! – O Engenheiro observa suas costas e o outro se levanta para segui-lo, entretanto, as portas se fecham – PIRRALHO! – O elevador desce para atender o chamado de outra pessoa – Papai! – Se encolhe no canto assustado com lágrimas nos olhos. A máquina se abre e uma das funcionárias do Uzumaki se espanta com a criança – Minha nossa, o que faz aqui pequeno? – Funga se encolhendo mais ainda – Não, não tenha medo – Sorri – Se perdeu da sua mamãe? – Acena que sim – Pa-papai – A outra confirma – Sabe onde seu papai está? – Nega – Venha, eu te ajudo a procurar – Estende a mão e ele a segue pela empresa. A mulher não se importa muito com a aparência do bebê, pelo simples motivo de nunca ter visto seu Chefe desde que começou a trabalhar, na verdade, apenas 1/3 dos 500 empregados de Naruto o reconhecem como dono da empresa. Enquanto isso Naruto desce as escadas como um doido atrás do menor, que de acordo com o número na máquina, está no sétimo andar – Droga pirralho! – Voa pelas escadas pulando degraus e como são em ziguezague se arrisca a pular de uma para a outra. Passa pela porta do andar tentando recuperar o fôlego e seus funcionários o encaram surpresos – Senhor, está tudo bem? – Um homem se aproxima tentando ajudar – Claro – Afrouxa a gravata – Viu uma criança de 3 anos passar por aqui? – Pergunta observando os lados – Não senhor, eu estava arrumando minha mesa – Uma mulher se aproxima encantada com a beleza do patrão – Boa tarde, o-o senhor é o dono? – Fica tímida ao se pronunciar – Não fomos apresentados? – Nega – Prazer, sou eu que assino sua folha de pagamento. Viu uma criança passar por aqui? – A morena sorri e assente – Minha colega Takota acaba de passar com um garoto e foi para lá – Aponta o corredor – Valeu, de volta ao trabalho – Corre para tentar alcançá-la. Vasculha todas as salas em busca da mulher e nada, sendo sincera, ele nem sabe como essa funcionária é para estar procurando por ela, todavia, não encontra seu filho também, então resolve descer e revirar todos os outros andares, o que demanda um excesso absurdo de tempo e energia. Durante a busca falha de Naruto, Takota tenta acalmar o bebê que está chorando pensando que nunca mais verá seu pai novamente – Olha, Menma, eu prometo que vamos encontrar seu papai, não precisa se desesperar – Dá um copo d’água para o menor, que tosse tentando conter seus soluços – Respira, calma – Sorri deixando o moreninho em uma das poltronas de espera do térreo, enquanto pede informação para a recepcionista – Papai, estou com medo – Funga limpando o rosto ao mesmo tempo que Naruto despois de intermináveis horas chega em terra firme mais que ofegante e sorri pela primeira vez, ao ver seu sangue em segurança. Se aproxima sendo cumprimentado pelos seguranças e logo Menma o observa e sorri com olhos marejados – PAPAI! – Corre até o loiro, que se ajoelha sem energia e o abraça fortemente sendo estranhamente retribuído – Papai, eu fiquei com medo – Diz encarando os olhos azuis como os seus – Tudo bem, mas agora não precisa mais ter medo, o papai te achou e vai te proteger – O pequeno sorri pelas palavras do maior e volta a agarrar seu pescoço, entretanto, Naruto desfaz sua alegria para abrir espaço para a confusão, por que disse isso ao menor? Por que seu coração apertou quando viu o elevador levar Menma embora? Era possível que seu coração em pedaços esteja se deixando levar pelo amor novamente? O amor de ter um filho, de ouvir um ser minúsculo correr por aí o chamando de papai. Naruto? Isso é impossível, sua única cola é Sasuke, que se recusa a começar o trabalho de restauração, só que, por que ele sente o desejo de amar esse ser, que inocentemente o ama sem saber que é odiado? – Ele é seu pai? – A boa samaritana se aproxima para resolver o mistério – Sim, é ele, meu papai – Abraça mais uma vez o Engenheiro, que se levanta com a cria no colo – Você trabalha em qual área? Nunca te vi aqui na empresa – Pergunta normalmente – É que eu não saio muito da minha sala. Já conheceu o dono? – Sorri para o menor, que tampa o riso – Não, trabalho aqui a cinco meses e nunca vi nem a sombra do cara, sei só o nome, para não falar que sou desinformada – Riem – Menma também sabe, sabia? – A mulher sorri – É mesmo? Como é inteligente – O menor ri e diz – Naruto Uzumaki, né papai? – Assente acariciando os cabelos rebeldes – Parabéns – Coloca as mãos na cintura – Também, quem esqueceria o nome do próprio pai? Estranho né? – A outra paralisa um instante – Pa-pai? – O Engenheiro confirma – Eu sou Menma Uzumaki, igual o papai – Toca a testa do maior. Na hora a funcionária se ajoelha colando a testa no chão – Perdoe minha insolência senhor, e-e-eu não sabia que era o senhor, mil perdões – O Chefe sorri – Tudo bem, eu nem conheço as pessoas que pago, não posso cobrar que me conheçam, por isso levante-se – Ela o faz – Agradeço que tenha ajudado meu filho, em troca te deverei um favor, portanto, se um dia necessitar de uma folga para qualquer tipo de fim, fale comigo e me recordarei desde dia – A mulher sorri pela benevolência – Bom, no próximo fim de semana meus parentes... – É cortada – Viaje, sua folga é sexta, não é? Não te conheço, mas sei que anotei esse dia para as meninas do setor administrativo – Confirma – Então, saia na sexta e pode passar todo o fim de semana com sua família, aí volte ao trabalho na segunda depois do almoço, que é seu horário habitual – Os olhos da empregada reluzem – Obrigada senhor, é muito gentil – Faz uma reverência e retorna ao seu serviço – Quer almoçar? – Pergunta ao pequeno, que confirma – Tá mais para café da tarde, por ser 15h, mas você entendeu – Riem indo para a porta – Não vamos de carro? – Nega – Não, o restaurante é aqui pertinho – Explica – Meu pé dói papai – Faz bico – Mas você vai no lugar mais legal – Revela – Onde? – Ergue o bebê o deixando em seus ombros – Cavalinho – Sorri para o moreninho – De verdade? – As lágrimas se acumulam enquanto o outro concorda – Eu te amo papai – Deita nos fios loiros fazendo o Uzumaki se surpreender com a frase e sorrir começando o trajeto.

☯️☯️☯️☯Quebra de Tempo☯️☯️☯️☯️

Menma permanece com Naruto na empresa até o horário de fechamento, ou seja 18h – Vamos embora? – Chama pelo pequeno, que está a vários minutos focado em um desenho – Sim – Se ajoelha observando sua obra de arte – Posso ver? – Fica inseguro puxando para o lado – Você não vai gostar – O loiro sorri – Se eu nem vi, como não vou gostar? – Pega o papel e olha para as cores não ficando muito contente – Arrume essa bagunça – Fala frio rasgando o papel em pedacinhos, para depositá-los no lixo, deixando o menor triste. Pegam tudo antes de partir e logo o carro os ajuda a chegarem mais rápido – Papai, por que não gosta da mamãe? – O Uzumaki é pego desprevenido ao desligar o motor – Eu sou apaixonado pela sua mãe – Confessa – Então, por que ela não está aqui? – O loiro abaixa o olhar – Porque o papai é complicado, não sei nem o que sinto por você... – Fala a última parte num sussurro – Quê? – O Engenheiro balança a cabeça em negação – Esquece, vamos entrar – O solta da cadeirinha e entram – Vou tomar um banho. Tem tarefa? – O pequeno tomba a cabeça – Ah, você está no Jardim, nem sabe o que é isso – Rola os olhos – Assiste TV – Liga o aparelho e coloca em um desenho qualquer para o menor se distrair – Posso tomar banho com você? – O patriarca estranha e o moreninho se agarra a suas pernas antes dele dizer algo – Tudo bem – Sobem para o banheiro e no chuveiro eles se banham, o mais divertido nisso é que Menma imita tudo o que o pai faz, até na hora de enrolar a toalha na cintura, arrancando risos do mais velho – Assim você cair – Pega o pano e joga na cabeça alheia – A mamãe vai ficar muito orgulhosa quando souber que eu tomei banho sozinho – Caminha até seu quarto – Você não faz isso? – Nega – A mamãe me dá banho de banheira – Revela – Aqui vai ser diferente, por isso se troca para jantarmos – O moreninho assente e vai para seu quarto. Logo após os dois descerem a janta é servida e Naruto percebe o quanto foi pai hoje, e se assusta ao saber que seu coração ainda bate. Assim que suas barrigas se estufam eles sobem para dormir, um descanso mais que merecido – Boa noite papai – Naruto sorri beijando a testa do filho, que ruboriza feliz e logo pega no sono.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...