1. Spirit Fanfics >
  2. Laço e Espora >
  3. A culpa é da bebida!

História Laço e Espora - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Aviso: Este capítulo contém descrição de nudez e conteúdo sexual.
Se esse tipo de conteúdo te incomoda ou gera desconforto, favor não ler 😊

Capítulo 7 - A culpa é da bebida!


Fanfic / Fanfiction Laço e Espora - Capítulo 7 - A culpa é da bebida!

 Yuri estava vivendo uma porção de pesadelos. Quando Victor e Yuuri chamaram a visita de castigo, Yuri nunca poderia imaginar o tamanho do seu sofrimento. Ter que passar tempo com Jean era um castigo pior do que qualquer trabalho braçal, Yuri trocaria aquela tortura por 50 carregamentos cheios de ração de cavalo ou por limpar 15 dias de bosta de cavalo do estábulo, até ser perseguido pelos cães pastores seria mais suportável do que encarar um minuto de conversa com Jean.

- YURI! - Gritou Isabella de maneira estridente.

- Oi, Bella - Respondeu sem nenhuma empolgação.

Jean estava na cozinha com Nikolai, mas quando ouviu a namorada gritar, automaticamente apareceu na sala e abriu o seu típico sorriso debochado.

- Como vai, Yuri?! - Disse se aproximando sem nenhuma cerimônia e abraçando o garoto como se fossem íntimos.

- Estaria melhor na Rússia, com certeza! - Respondeu, afastando-se dos braços de Jean.

- Yurochka - Gritou o avô da cozinha - Venha tomar um café com a gente! Jean e Isabella tem várias novidades!

Yuri revirou discretamente os olhos e acompanhou o casal até a cozinha, Nana tinha montado uma impecável mesa de café da tarde com bolos, biscoitos, lanchinhos e uma infinidade de outras coisas. Nikolai estava sentado na ponta da mesa, Yuri tomou o assento à sua esquerda e Jean sentou-se de frente para Yuri, encarando curioso:

- Ouvi dizer que você despirocou de vez e decidiu tentar se matar! - Comentou Jean de maneira ácida.

- Achei que você tinha novidades e não que ficaria especulando o que acontece na minha vida! - Devolveu.

- Yuri! - Nana repreendeu.

- Não se preocupe, Nana, anormal seria ele me tratar bem! - Disse de maneira dramática.

Antes que pudessem retomar a conversa, Otabek entrou na cozinha, o cabelo ainda úmido do banho, vestia a camisa que Yuri sugeriu. Jean tinha ocupado a cadeira que de costume era de Otabek, mas o moreno pareceu não se incomodar, sentou ao lado de Yuri e cumprimentou os dois visitantes:

- Quanto tempo, Otabek! - Comentou Isabella medindo o rapaz de cima a baixo.

- Como vocês estão? - Perguntou desconfortável com os olhares dela.

- Melhor impossível - Respondeu Jean, parecendo repentinamente incomodado com a presença de Otabek - Meu pai deixou a maior parte dos negócios em minhas mãos e é claro que eu tripliquei os números! O sucesso foi tão grande que decidimos fazer algumas parcerias mais duradouras, inclusive com a fazenda de Nikolai!

Jean passou longos minutos falando sobre seus métodos e como tinha um dom para os negócios, a palestra parecia durar uma eternidade. Sem interesse nenhum, Yuri se concentrou em Otabek, ele estava lindo como sempre, curiosamente a presença dele acalmou os ânimos do loiro, mas ele precisou disfarçar, Isabella tinha notado as trocas de olhares entre os dois e estava analisando a situação. Otabek por sua vez se fez de sonso, estava prestando falsa atenção ao que Jean tagarelava, já tinha notado os olhares de Yuri e Isabella e estava completamente preocupado com a guerra fria que estava armada alí, se a garota sonhasse que algo estava acontecendo entre eles, Otabek sabia que ela não iria segurar a língua e que o circo estaria armado.

- O que vocês tinham de tão importante para falar? - Perguntou Yuri cortando Jean em mais um de seus contos de sucesso.

- Ah, claro! - Isabella disse alegre - Conte a eles, amor!

- Depois de todo o sucesso na direção dos negócios, conversei com os meus pais e com a família da Bella, nós vamos nos casar! - Disse com a animação de quem ganha um milhão de dólares.

A mesa se encheu de alegria, Nikolai e Nana abraçaram e parabenizaram os dois, Otabek também felicitou o casal e Yuri até forçou um sorriso.

- Por que a cara azeda? - Sussurrou Otabek.

- Você está mesmo perguntando? - Respondeu mantendo o tom baixo - Estou tão surpreso e emocionado pelo casal óbvio! - Disse fazendo cara de felicidade - Eles fazem o mesmo alarde todos os anos, Jean se aproveitou de cada festa nos últimos 3 anos para pedir ela em casamento, esses dois noivaram pelo menos duas vezes por ano, espero que dessa vez casem de uma vez!

Os dois riram discretamente, Otabek sabia o quanto Jean adorava ser o centro das atenções e para Yuri aquilo tudo era um saco. Isabella notou que os dois conversavam baixo e perguntou chamando a atenção de todos:

- O que vocês estão tramando aí?

- Nada - Respondeu Yuri voltando para o tom ácido.

- Estávamos apenas conversando sobre a festa - Comentou Otabek - Um anúncio desses merece uma bebida especial, o que acha Nikolai? Ganhamos alguns tonéis de um alambique brasileiro na última negociação, podíamos colocar um pra jogo!

- Excelente ideia! - Comemorou Nikolai.

- Já viu as reformas na fazenda, Jean? – Perguntou Otabek mudando o foco.

- Ainda não, por que Yuri não mostra pra gente? – Pediu sorridente.

- Não, ele vai ajudar a Nana com a festa – Respondeu Nikolai – Eu e Otabek levamos vocês, venham!

Salvo pelo avô Yuri abriu um sorriso animado, mas a expressão de Otabek era de derrota, antes de sair o loiro comentou baixinho perto dele:

- Boa sorte!

- Engraçadinho! – Reclamou – Não comemora muito, não... Ainda tem a noite toda de festa!

- Você quer mesmo acabar com o meu humor, não é?

- Na verdade eu estou feliz por ter você aqui, não vou ficar entediado sozinho – Comentou abrindo um sorriso.

Otabek saiu andando e deixou o garoto com cara de bobo, se o moreno continuasse sorrindo assim o coração de Yuri não ia aguentar por muito tempo. Decidiu ajudar Nana, assim podia se livrar da imagem sorridente de Otabek.

Ajudar Nana na cozinha tinha sido uma terapia para Yuri, se sentia mais relaxado e pronto para enfrentar uma noite de festa. Ajudou a governanta a montar uma mesa com comida, os doces ficariam para mais tarde, dispuseram alguns pratos descartáveis e talheres. A carne era por conta da fazenda, o loiro procurou ignorar que veria um porco e uma vaca a menos pelo pasto, se ignorasse o fato de que tinha alimentado e cuidado daqueles animais, talvez não sentisse desespero em comer eles.

O avô e os convidados chegaram pouco depois, Otabek estava com um olhar esgotado, parecia implicância, mas lidar com o ego de Jean era realmente desgastante, Jean não era uma pessoa horrível, mas tinha uma personalidade complicada, quando o olhar dos dois se encontraram Otabek pareceu um pouco aliviado em encontrar cumplicidade.

Os funcionários encheram o pátio, alguns trouxeram instrumentos, tocavam e cantavam animados para dar algum movimento à festa, muitos dos homens que trabalhavam para Nikolai trouxeram suas esposas e filhos. Yuri estava quieto em seu canto, encontrou conforto em uma pequena mesa, onde beliscava alguns petiscos e assistia à festa:

- Quando seu avô disse que você não era de festa, eu não esperava que fosse o cara que se esconde no canto e observa - Brincou Otabek chegando por suas costas - Aqui!

O moreno entregou um copo de plástico, Yuri reconheceu o cheiro de morango:

- O que é isso? - Perguntou curioso.

- Os brasileiros que conheci chamam de caipirinha, praticamente é um coquetel com frutas, gelo e pinga!

Yuri tomou um gole e suas bochechas coraram, a bebida era doce, mas a pinga era mais quente que as bebidas que estava acostumado na Rússia, era um bom concorrente da vodca russa que o loiro costumava beber, mas esquentou seu rosto muito mais rápido.

- É bem gostoso! - Comentou dando mais um gole.

- Devagar aí, isso sobe bem rápido! - Comentou Otabek que estava com uma long neck de cerveja, o moreno sentou ao lado dele, ofereceu a garrafa para um brinde - Um brinde a uma longa e tediosa noite!

Yuri brindou com ele e deu mais um gole na bebida:

- É claro que a princesa ia preferir bebida de menina! - Comentou Jean, aparecendo repentinamente e sentando com os dois na mesa, Isabella não estava com ele - Não mudou nem um pouco, continua parecendo uma mocinha!

- Vá se foder Jean! - Retrucou com tom feroz - Eu não to com paciência pra você, não!

- Paz, princesa! - Disse erguendo as mãos em rendição - Foi só brincadeira.

- Engraçado como todo babaca precisa reafirmar masculinidade zombando de outras pessoas, não é? - Comentou Otabek de maneira ácida.

- Desde quando você é o guarda-costas dele, Beka? - Perguntou em tom irônico.

- Não me chame assim, é asqueroso! - Reclamou.

Yuri estava de saco cheio do clima, notou que repentinamente a música animada dos violeiros foi substituída por um pop conhecido e dançante, não demorou e Isabella apareceu para puxar Yuri para dançar:

- Vamos Yuri!! - Pediu com olhos brilhantes - Pelos velhos tempos…

O loiro pensou em recusar, mas adorava aquela música e ir dançar com Isabella era o pretexto perfeito para sair de perto de Jean, virou o restante de sua bebida, levantou da mesa e pegou a mão da garota se dirigindo ao centro do pátio onde antes outras pessoas dançavam. Quando os dois começaram a se mover, algumas pessoas mais jovens se juntaram à pista.

Otabek ficou olhando hipnotizado por vários minutos enquanto Yuri dançava de maneira descontraída, o corpo magro e flexível inventava uma porção de coreografias, que eram seguidas de forma atrapalhada pela noiva de Jean, nos raros momentos em que Yuri e Otabek encontravam o olhar um do outro, o loiro abria um discreto sorriso de canto:

- Você pode pelo menos fingir que não está de quatro por ele! - Comentou Jean de maneira venenosa.

- Você está vendo coisa onde não tem! - Respondeu sério - Nikolai mandou eu ficar de olho nele, é meu trabalho…

- Não acho que era esse tipo de olhar que Nick esperava de você! - Continuou.

- Escuta aqui…

- Estão se divertindo meninos? - Nikolai chegou animado à mesa com pequenos copos e duas garrafas de bebida - Trouxe bebidas para melhorar os ânimos!

Nikolai colocou as doses na mesa e as garrafas, uma vodca russa conhecida e a pinga do alambique brasileiro que Otabek havia mencionado, o velho já tinha bebido alguma coisa, as bochechas rosadas não enganavam. O velho serviu os dois meninos primeiro com a vodca, Jean não parecia muito resistente à bebidas mais fortes, quando virou a dose corou e fez careta, Otabek estava mais acostumado, acompanhava Nikolai mais vezes do que deveria nas doses de bebida.

Passaram muito tempo falando de negócios e da fazenda, quando Nikolai serviu a outra bebida, Jean já parecia um pouco alto e Otabek, apesar de não demonstrar, começava a sentir o efeito do álcool. Pouco depois Jean decidiu fazer companhia para Yuri e Bella no pátio onde dançavam, a aproximação dele gerou o automático afastamento de Yuri, que voltou para a mesa, pegou a dose da mão de Otabek e virou sem rodeios.

- Só assim pra aguentar! - Disse sentando de frente para o moreno.

Nikolai tinha saído da mesa um instante antes de Yuri chegar, alguns funcionários o chamaram para conversar, estavam sozinhos de novo. Otabek pegou um shot limpo e serviu uma dose para ele e outra para Yuri, os dois brindaram e viraram os copos:

- Gostou do show? - Perguntou com olhar malicioso.

- Posso ter prestado mais atenção do que deveria, mas seus sorrisos deixaram tudo muito óbvio, até mesmo para o Jean! - Reclamou.

- Eu tinha até esquecido da existência dele - Suspirou cansado - Quanto tempo isso ainda vai durar?

Era pouco mais de 23h da noite, Yuri tinha certeza que não iam parar até o sol raiar. Viraram mais uma dose e continuaram a conversar sobre trivialidades, os dois estavam cada vez mais próximos e envolvidos, todo o tempo que passavam juntos era bem aproveitado.

- Preciso ir ao banheiro! - Disse Yuri já bastante corado pela bebida.

O rapaz caminhou até a casa, depois de sair do banheiro ficou alguns minutos em frente ao espelho, analisando o rosto corado e o cabelo levemente bagunçado pelo tempo na pista de dança, arrumou a roupa e o cabelo e saiu em direção ao pátio.

Fora da casa já era possível ouvir que os violeiros voltaram a tocar. Quando passou próximo aos estábulos notou uma figura o aguardando próximo do portão que dava acesso às baias, no escuro e com algumas doses na cabeça, acreditou que era Otabek, então abriu um sorriso receptivo para o rapaz, que se desmanchou automaticamente ao se aproximar e notar que era Jean, tarde demais para corrigir a expressão, o rapaz segurou Yuri pelos pulsos e o encostou na parede:

- Você devia ser mais cuidadoso, sorrindo por aí desse jeito! - Falou baixo perto do ouvido do garoto.

- Me solta Jean! - Reclamou, as mãos apertaram ainda mais seus pulsos.

- Não seja assim - Disse beijando o pescoço de Yuri - Eu sei que você sente falta!

Yuri estava estático, sentiu uma pontada de dor insuportável no estômago, o corpo gelou, ele era incapaz de se mover ou de gritar, estava paralisado. Jean continuava pressionando o corpo contra o dele:

- Me solta! - Implorou quase num sussurro - Eu não quero! Isso acabou há muito tempo, Jean!

- Vai chorar, mocinha? - Zombou - Foi você que correu atrás de mim, feito cadela no cio por anos e quando eu vou te dar o que você quer, fica choramingando que nem uma menininha? - As palavras saíram com raiva de sua boca, ele continuava apertando os pulsos de Yuri a ponto de machucar.

Jean soltou uma das mãos e apertou o rosto de Yuri entre seus dedos, colando seus lábios aos dele com brutalidade, o loiro não conseguia se mexer, as lágrimas corriam fartas pelo rosto, era incapaz de lutar contra Jean. Pensou que nunca veria o fim daquele beijo asqueroso, quando um flash forte e rápido assustou Jean que o soltou e encarou na direção da luz:

- O que você fez?! - Perguntou com ódio na voz.

- Um registro - Era a voz de Otabek, só de escutar o corpo de Yuri cedeu e ele caiu sentado no chão - Aposto que muita gente ia querer saber do que se trata, talvez seja um pouco difícil de explicar…

- Seu…

- Nem um passo, você sabe que tem mais a perder do que Yuri se eu enviar essa foto! - Vendo que Jean parecia pensar de maneira mais racional, continuou - Você vai voltar para sua noiva e fingir que não é um pedaço de bosta! Avise Nikolai que Yuri bebeu demais e que eu fui levar ele pro quarto, porque estava indisposto.

- Escuta…

- Não quero saber, Jean! - Ele parecia a ponto de socar a cara do rapaz - Você passou dos limites! Eu devia socar você, mas estou sendo gentil e te dando a oportunidade de sumir da minha vista!

Assustado e irritado Jean passou por ele, esbarrando em seu ombro com força, quando o rapaz saiu de sua vista correu até Yuri estendendo a mão:

- Você está bem? - Disse ajudando o menino a se levantar e dando apoio a ele.

- Acho que sim.

Otabek ajudou Yuri a caminhar até a casa, na cozinha pegou um copo de refrigerante e serviu um pouco a ele:

- Coisas doces vão te ajudar.

- Eu não estou bêbado - Respondeu - Só um pouco tonto e bastante irritado agora.

Mesmo assim Yuri pegou o copo e bebeu, Otabek sentou de frente para ele, pelo seu olhar estava esperando uma explicação:

- Tem algum motivo pra tudo isso?

- É uma história bem longa - Disse em tom cansado.

- Vamos deixar para outro dia, vou te deixar no quarto! - Disse de forma solícita.

Os dois subiram as escadas, Yuri estava bastante tonto, apesar de ter dito que não. O loiro decidiu tomar um banho para se livrar do cansaço da festa, Otabek ajudou a desmanchar as tranças e ajustou o termostato do chuveiro, depois saiu do banheiro e deixou que Yuri tivesse seu tempo.

O loiro saiu do banheiro um pouco mais sóbrio, enrolado na toalha. Otabek entrou em seguida, estava cansado e precisava tomar um banho e cair na cama, tinha bebido mais do que imaginava e sabia que, apesar de manter muito bem o controle, estava bem alto. Tinha sido muito difícil não socar a cara de Jean, lembrar do beijo forçado que deu em Yuri despertava raiva e repulsa, como ele se atreveu a encostar os dedos no seu Yuri?!

- Meu? - Otabek riu - Eu devo estar ficando maluco!

Saiu do banheiro e foi em direção de seu quarto, olhou para a porta do quarto de Yuri e conteve o impulso de ir ver como o garoto estava, com álcool na cabeça provavelmente seria difícil dizer não ao loiro. Abriu a porta e acendeu a luz e por um minuto pensou que estava mais bêbado do que imaginava, talvez tivesse entrado no quarto errado?

Olhou em volta apenas para chegar a conclusão de que aquele era mesmo seu quarto, mas então o que ele fazia em sua cama?

- Yuri? – Otabek se aproximou e tocou o ombro do garoto que parecia adormecido.

Yuri estava apenas de camiseta e cueca, Otabek tinha certeza que aquela camiseta era dele, estava bem larga no garoto. O loiro se moveu levemente quando ouviu Otabek chamar seu nome, o moreno não conseguia tirar os olhos dele.

- Você demorou, Beka! – Disse com tom sonolento.

- Você está no quarto errado, Yuri! – Respondeu tentando manter a calma, ver Yuri daquela maneira estava acabando com ele, podia sentir o membro pulsando dentro da calça.

Yuri levantou da cama, a camiseta larga era mesmo de Otabek, em pé lhe caía como um vestido, na altura das coxas. Sem olhar para o moreno caminhou até a porta, fechou e passou a chave.

- Yuri – Protestou.

- Eu já disse uma vez, se você vai me rejeitar, tenha certeza de o seu corpo não te contradizer.

- Você está bêbado, eu estou bêbado, nada de bom pode sair dessa situação! – Disse tentando se manter nos eixos.

Yuri se aproximou e abraçou Otabek, jogando os braços sobre seus ombros e encarando os olhos castanhos de forma intensa:

- Ótimo, a gente pode por a culpa na bebida amanhã! – Disse tocando os lábios do moreno com os seus de maneira delicada.

- Você vai se arrepender de me provocar! – Sentenciou.

Otabek segurou Yuri pelas coxas e o pegou no colo, o loiro enroscou as pernas em volta de sua cintura e os dois se beijaram com paixão, quando se aproximaram da cama Otabek deitou-se sobre Yuri distribuindo beijos e mordidas por seu rosto, pescoço e ombros.

- Beka! – Gemeu de maneira provocante arranhando as costas do moreno enquanto ele beijava seu pescoço.

Otabek tinha certeza de que nunca mais ia conseguir ouvir o apelido sem ter uma ereção, o tom de voz baixo e rouco, gemendo seu nome ao pé do ouvido era uma das melhores sensações que já tinha experimentado. De forma ágil tirou a camiseta que Yuri usava e jogou no chão parando alguns minutos para olhar para a obra de arte que era o corpo esbelto e alvo, a cueca box vermelha, já levemente umedecida, escondia a ereção.

- Por que você tinha que ser tão lindo? – Resmungou.

Os olhos azuis o encararam profundamente, Yuri parecia cansado de esperar, inverteu a situação, ficando por cima do moreno e distribuindo beijo pelo dorso. Com pressa arrancou a calça e a cueca do rapaz vislumbrando mais uma vez o membro ereto que pulsava em suas mãos:

- Não importa quantas vezes eu veja, é impressionante – Disse em tom provocante.

- Você ainda vai arruinar a minha vida! – Disse com um meio sorriso.

- Você já arruinou a minha! – Respondeu divertido.

Otabek assistiu perplexo Yuri encostar os lábios finos e úmidos em seu membro, a boca delicada era muito ágil e mesmo com dificuldade se esforçou para colocá-lo inteiro na boca, o moreno deixou escapar um gemido pesado de prazer, incentivado pelos sons agradáveis Yuri começou a se movimentar mais rapidamente. Maluco de prazer, Otabek deslizou os dedos pelos cabelos finos, segurando com força e empurrando um pouco mais a cabeça do loiro que não se distraiu por nem um minuto de seu trabalho.

- Yuri para! – Pediu perdido de prazer – Se continuar desse jeito eu vou...

Tarde demais, Yuri acelerou ainda mais o ritmo e Otabek se derramou em sua boca. O loiro o encarou com os olhos marejados, um pouco de líquido escorria pela boca, mas sem objeções o garoto engoliu tudo. Um arrepio de prazer percorreu todo o corpo de Otabek.

- O gosto é horrível – reclamou sorrindo.

- Pelo menos tira da boca o gosto do beijo do Jean – Disse ressentido.

- Isso é ciúmes? – Zombou abrindo um sorriso animado - Vem aqui! – Disse puxando Otabek pela nuca e o beijando intensamente.

Yuri tinha razão, o gosto amargo era desagradável, mas Otabek não conseguia rejeitar os lábios ávidos do garoto.

- Me deixe fazer o mesmo por você – Pediu ao pé do ouvido, mordendo o lóbulo da orelha de Yuri.

- Agora não – Respondeu determinado – Tem outra coisa que eu quero de você!

Yuri se debruçou sobre ele e abriu a primeira gaveta, pegou alguma coisa e entregou para Otabek. O moreno finalmente entendeu a ida à farmácia, Yuri tinha acabado de entregar a ele lubrificante e preservativo.

- É minha primeira vez – Disse com a voz doce – Seja gentil, ok?

- Você é um pequeno e ardiloso demônio – Respondeu Otabek tomando ele pelos lábios novamente.

Ansioso Otabek removeu a cueca de Yuri, o garoto apoiou os cotovelos na cama e empinou o quadril, a vista por si só deixou o moreno duro de novo. Pegou um pouco de lubrificante e espalhou delicadamente pela entrada, Yuri protestou um pouco, mas quando Otabek inseriu o primeiro dedo ele gemeu, a medida que o moreno movimentava os dedos, Yuri balançava os quadris e gemia alto de prazer.

- Yuri – Sussurrou no ouvido dele – Mesmo que estejam todos na festa, se você fizer tanto barulho alguém pode notar.

- Mas... Hn... É tão bom... Não consigo conter...

Otabek desmontou, a voz falhada e cheia de desejo de Yuri despertava seus instintos mais primitivos. Deitou o garoto na cama e tomou seus lábios de forma gentil, no meio do beijo inseriu um segundo dedo em Yuri, que gemeu em seus lábios, enquanto preparava o garoto descia beijos pelo pescoço e clavícula, até chegar em seu peito, chupou com vontade os mamilos inchados e sensíveis de Yuri, que gozou em espasmos ritmados, mordendo os lábios para conter o gemido.

- Pra uma primeira vez, você parece perfeitamente bem com isso – Disse com malícia enquanto beijava sua boca.

- Chega – Disse com a voz ainda trêmula – Eu quero você – Pediu tocando o membro do moreno – Eu te quero agora!

Otabek vestiu a camisinha e se debruçou sobre o corpo de Yuri, beijando delicadamente seus lábios, o loiro o enlaço pelo pescoço, aprofundando o beijo. Yuri estava tenso e parecia sentir dor:

- Você quer que eu pare? – Perguntou preocupado – Podemos deixar isso pra uma próxima vez...

- Não, eu estou bem! – Disse sorrindo – Não se preocupe comigo, eu já disse que eu quero.

- Então tente relaxar um pouco mais, ok?

O interior de Yuri era apertado e quente, Otabek mal se segurou quando começou a se mover, o loiro cravou as unhas nas costas dele enquanto ele se movia cada vez mais intensamente, os gemidos se misturaram:

- Beka... Eu vou...

- Yuri...

Os dois gozaram juntos, Otabek deitou ofegante, Yuri debruçou a cabeça no peito do moreno e respirou, ainda cansado:

- Duvido que eu aguente minhas costas amanhã – Falou rindo.

- Não adianta usar como desculpa para não trabalhar! – Reclamou.

- Da um desconto, você acabou comigo!

- A culpa é toda sua, foi você quem pediu por isso! – Brincou Otabek.

Yuri virou para encarar os olhos dele e sorriu:

- Não me arrependo de nada!

- Espero que não se arrependa mesmo – Provocou - Não quero ser a pessoa que estraga o clima, mas você precisa voltar para o seu quarto – Disse com a voz triste, tirando uma mecha de cabelo do rosto de Yuri.

- Só hoje Beka – Pediu fazendo beicinho.

- Como eu vou explicar...

- Não começa! – Reclamou – Deixa pra se preocupar com isso amanhã!

Otabek suspirou, mas cedeu. Abraçou Yuri com carinho e o beijou delicadamente:

- Segundo round? – Perguntou Yuri com malícia ficando por cima de Otabek. 

 Os dois riram e voltaram a se beijar. A noite seria longa.


Notas Finais


Obrigada a todos que têm acompanhado, desculpa pelo atraso xD
Semana que vem tem mais, prometo postar na hora certa 🥰


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...