1. Spirit Fanfics >
  2. Laços. - Giyushino. >
  3. Laços. - Capítulo Único.

História Laços. - Giyushino. - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Alow :)

Essa não é minha primeira historia, mas é a primeira que vou postar nesse formato, eu não sou muito experiente, mas mesmo assim, espero que tenham uma imersão agradável <3

Fic inspirada na música "Laços" do Lucas A.R.T, o álbum lançou ontem (Ou anteontem, depende de quando isso vai sair ksksksk) e só consegui pensar nesses dois quando ouvi a música, pensei em 1001 motivos pra não postar, mas meu veredito foi um "Por que não?" então cá estou, sem mais delongas, fiquem com o cap.

Capítulo 1 - Laços. - Capítulo Único.


Fanfic / Fanfiction Laços. - Giyushino. - Capítulo 1 - Laços. - Capítulo Único.

"Quando se ama, tem que deixar partir... 

Mas por que que dói tanto assim?

 Você é fraco demais, 

só mais um prisioneiro 

incapaz de fugir dos pecados capitais... 

Se esse laço te machuca,

 você vai ter força...

Pra cortar?"



'Desde quando que eu to bebendo?' 


A pergunta martelava na cabeça de Giyuu, que olhava o copo com um conteúdo suspeito em sua mão, levou-o aos lábios mais uma vez, fazendo uma leve careta ao ingerir o que ali continha, a bebida amarelada trazia junto de seu efeito as memórias com a mulher que tanto queria esquecer, havia sido uma ideia de Sabito, sair para beber e esquecer por pelo menos uma noite da falta que Shinobu Kochou fazia em sua vida. 


O grande problema era: A noite estava tendo o efeito contrário do esperado. Sabito havia arrumado uma moça nas primeiras horas naquela balada, enquanto deixara um Tomioka plantado no meio de estranhos suados, e fora exatamente ali, que o rapaz teve um lapso do início do fim de sua sanidade. 


Alguns meses antes...


- Ara, ara! Então seu nome é Tomioka Giyuu? 


Se Giyuu soubesse o que aquele simples início de conversa traria, ele teria fugido imediatamente. 

Estava no casamento de uma amiga de infância, e então uma amiga de sua amiga ficou sem uma mesa para sentar, é claro que Sabito não deixaria a oportunidade de conhecer uma nova mulher passar, e logo convidou a moça para que se juntasse à eles, juntamente com suas amigas. 


A garota em questão, se tratava de Shinobu Kochou, ela pareceu interessada no jeito introvertido do moreno, que se contentou em cumprimenta-la apenas com um assentir de sua cabeça, todos passaram a interagir ali, mas Tomioka se manteve impassível durante toda a cerimônia, nem mesmo quando foi cumprimentar os recém casados sua expressão se aliviou de forma que passasse alguma vontade de estar ali, parecia até mesmo uma criança que estava ali contra a sua vontade, a menor não pôde deixar de soltar uma risadinha ao pensar nisso, estava se divertindo com o outro, mesmo que não tivessem trocado uma palavra sequer. 


Quando a festa começou de fato, Giyuu se manteve sentado na mesa, hora mirando pontos aleatórios do salão, hora olhando mensagens repetidas no Whatsapp, verdade seja dita, o rapaz estava extremamente entediado, ao olhar pra Sabito, viu o amigo cortando a gravata com noivo - Agora marido - e seus amigos, pedindo dinheiro de mesa em mesa, não pôde deixar de soltar um contido e mínimo sorriso quanto àquilo, no fundo, quero ter a capacidade extrovertida do melhor - e único - amigo, não é como se ele fosse uma fortaleza completa, tinha la seus colegas de trabalho na escola, mas ninguém que considerava próximo de fato, mesmo Makomo que era quem se casava, Tomioka já havia descartado como amiga, não sentia que as pessoas se agradavam em sua presença. 


Depois de alguns minutos em seus devaneios, finalmente notou que não estava sozinho na mesa, outra garota estava ali com ele, 'Shinobu, não é?' pensou ele enquanto olhava a garota pelo canto dos olhos, lembrando-se do nome por uma conversa que ouviu antes. 


- É estranho ficar encarando as pessoas assim, sabia? - A garota que mexia distraidamente no celular, agora tinha suas orbes arroxeadas focadas em Giyuu, que a encarou de volta, com seu típico olhar apático. 'Intenso...' a Kochou pensou e mordeu levemente o interior de sua boca. 


- Sinto muito, eu estava... Distraído. - Tentou justificar, grande erro. 

- Ara, estava distraído olhando para mim? Não me diga que se apaixonou. - Ela tinha um tom irônico, a resposta desconcertou o rapaz, que apenas desviou o olhar.


'Vamos ver até onde essa calmaria vai...' Shinobu pensou e arrastou a cadeira até o lado de Giyuu, aproximou seu rosto do maxilar do rapaz, era o máximo que poderia chegar, por conta da diferenca de tamanho. 


- Vai mesmo ignorar o que eu disse? Quem cala, consente. - Provocou, o arco desenhado em seus lábios escondia uma língua venenosa.


- Não é isso, eu só estava entediado, nem tinha te visto, se quer saber. - O moreno tentou justificar mais uma vez. 

- Ah... Então me achou interessante o bastante para nutrir seu tédio? - Continuou com as provocações. - Me chamo Shinobu Kochou, qual é o seu nome? 


- Giyuu, Tomioka Giyuu. - Decidiu ignorar a primeira parte, quem sabe dessa forma ela parasse de falar. 


- Ara, ara! Então seu nome é Tomioka Giyuu? - Perguntou, como se não tivesse acabado de escutar isso, o maior crispou os lábios, estava conseguindo irrita-lo? Já havia ultrapassado os limites? 


Giyuu olhava para um ponto distante no salão, a falha tentativa de ignorar a garota ao seu lado, não podia negar que ela era de fato atraente, mas aquele pequeno ser conseguia ser tão bonito quanto irritante, uma música agitada começou a tocar, era do gosto de Tomioka, o balançar de sua cabeça ao ritmo da música não passou despercebido para a menor, que ainda observava o outro.


- Por que não vem dançar um pouco? Seu amigo está se divertindo, que tal entrar na onda? 


Giyuu olhou Sabito, ele usava apenas o seu colete, sua camisa estava amarrada na cintura, ele dançava em cima da mesa com uma garrafa de whisky na mão, o moreno sabia que fim isso teria, sentiu tonturas só de imaginar ter que carregar o amigo pra casa, virou um copo com a mesma bebida que o amigo tinha em mãos, Shinobu exclamou um "É assim que se faz!" e puxou Tomioka pela mão para a pista. 


Os dois começaram tranquilos, Giyuu se sentia estranho por estar tão à vontade com alguem que havia conhecido a pouco tempo, mas lá estava, dançando uma música eletrônica junto de Shinobu, que o olhava com a mesma expressão sempre, aquele sorriso, o maior olhou seu rosto com mais atenção agora, constatando que a garota realmente era muito bonita. Shinobu por sua vez, fazia o mesmo, olhava o rosto de Giyuu com seu interesse mascarado pela face serena, em seu âmbito, se perguntava como seria aquela expressão rígida se contorcendo em prazer. 


Como se o destino conspirasse, uma música mais lenta e intensa se iniciou, os toques de ambos iam aos poucos se tornando mais ousados, Shinobu que tinha as mãos na cintura do companheiro, deslizou suas mãos para as costas dele, o puxando mais para perto, tragando seu inebriante cheiro amadeirado. 


Giyuu por sua vez, abaixou sua cabeça até afundar o rosto no pescoço da menor, suas mãos na cintura dela, perigosamente perto de suas nadegas, a respiração do maior contra sua pele lhe causava arrepios, fechou os olhos inconscientemente quando deixou que sua imaginação fosse um pouco além do que acontecia ali, Tomioka subiu uma de suas mãos pelas costas expostas de Kochou, passando o indicador de forma provocativa por sua pele, até entrelaçar os dedos na nuca da menor, puxou levemente sua cabeça para o lado, expondo ainda mais o pescoço da garota para si, depositou um beijo ali, seu último fio de consciência se perguntou se aquilo era efeito da bebida, mas constatou que não havia bebido o bastante para aquilo, havia encontrado outro tipo de entorpecente, e este tinha nome e sobrenome. 





Sua mente era sua maior inimiga agora, estava sentado no balcão do open bar, limpou o suor das têmporas, assim como havia feito naquele dia, as caricias terminaram com os dois em seu carro, as janelas embaçadas e o cheiro da libido que inebriava os dois la dentro.


Giyuu chacoalhou sua cabeça, estava sabotando a si mesmo daquele jeito, olhou em volta, aquela balada lhe dava ansia, precisava tomar um ar. 


Ao abrir a porta da boate, Giyuu teve outro deja vu, jurou que pode ter a menor saindo junto dele, e lembrou-se do dia em questão, a primeira briga dos dois, apenas uma semana após o dia em que se conheceram. 


- Ah, então eu sou apenas mais um que você pega e dispensa na primeira oportunidade? - O tom de voz elevado pela bebida e pela irritação era evidente.


- O que?! Com quem você acha que 'tá falando? Acha que eu sou uma dessas vagabundas que você 'tá acostumado?! - O tom de voz dela igualmente alto e intimidador. 


- Vagabundas? Você mal me conhece! E não era eu quem estava me esfregando em outro! - Exclamou o homem, lhe apontando o dedo. 


- Abaixa essa mão, Tomioka! - Shinobu deu um tapa na mão do rapaz. - Eu não lembro de ter algo com você! E aponta esse dedo pra mim de novo?! Aponta pra ver onde vou enfiar ele! 


- Ah, então é assim?! Você não reclama quando sou EU quem enfia. - Ele constatou, o sorriso irônico não combinava com aquela face serena de sempre.


- Como você é baixo, escroto. Quer saber? Cansei. Eu 'tô indo embora, peço um uber, passar bem! - Saiu sem deixar que o outro dissesse qualquer outra coisa. 


Tomioka se arrependeu no outro dia, enviou uma mensagem a convidando para resolver isso com calma e maturidade, como dois adultos. 


Não se lembrava ao certo como havia iniciado aquela conversa, mas lembrava exatamente de ter o corpo da mais nova preso contra a parede, enquanto tomava seus lábios com volúpia, era sempre assim, brigavam, até que um dos dois cedesse para a saudade do corpo alheio, o mais difícil era passar pelo que passava agora, haviam brigado no dia anterior, mais uma vez porque Shinobu queria algo sério, mas Giyuu não achava que estavam prontos para isso ainda, a briga terminou com cada um indo para o seu lado, o rapaz suspirou, apoiado na amurada enquanto olhava para lugar nenhum. 


- Eu odeio você garota... - Ralhou entredentes, como se quisesse se convencer disso. 


Seu celular vibrou em seu bolso, e então pegou-o, olhando a mensagem pela barra de notificação. 


"Tomioka-san, desculpe ter sido egoísta, pode vir aqui para conversarmos? Podemos chegar num consenso..." 


Giyuu soltou uma risada seca ao ler aquilo, ficou fitando a tela por alguns segundos, a ironia da situação chegava a ser irritante, o mundo parecia conspirar para que acabassem mais próximos, Giyuu abriu a conversa, e encarou a tela por mais alguns longos segundos, ponderando se iria mesmo fazer aquilo ou não.


- Eu odeio amar você garota. - Constatou enquanto respondia com um "Estou a caminho". 


Sabito poderia se virar para ir embora, Tomioka pediu um uber para ir até a casa da garota, sabia como aquela noite terminaria, sabia que transariam intensamente e discutiriam no dia seguinte, sabia que ficariam mais vários dias sem se falar, e então repetiriam o ciclo, sabiam que aquilo machucava a ambos, mas nenhum deles tinha forças para cortar aqueles laços, ou melhor, não queriam ter.




Notas Finais


É isso meu povo, eu estou feliz de ter terminado isso, por mais que eu vá me quebrar um pouco por conta do horário mskskssdkkkdk

Dêem suas opiniões sobre, por favor, eu aceito críticas construtivas, mas se for pra ofender, talvez seja melhor guardar, né? Kdkzkzjkdkdj

Até uma proxima vez, see ya! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...