História Laços - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Hyoyeon, Jessica, Seohyun, Sooyoung, Sunny, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Girls' Generation, Snsd, Taeny
Visualizações 58
Palavras 2.831
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção Científica, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpa a demora pra atualizar. Eu ia postar ontem mas a historia deu PT T.T
Alguém sentiu minha falta ? Não ? Tudo bem u.u

Capítulo 4 - Sacculina


Fanfic / Fanfiction Laços - Capítulo 4 - Sacculina

Ela me olhou de um jeito desconfiado.
    — Tem certeza Taeyeon?
    — É que... Tem razão, deixa pra la.
    — Não, tudo bem. — Disse ela caminhando até se deitar do meu lado, virada de costas pra mim.
    Aproveitei aquele momento para apreciar cada detalhe do corpo de Tiffany, aquela camisola valorizava suas curvas e eu tive que fechar os meus olhos para conseguir controlar aquele calor que estava começando a subir pelo meu corpo.
    Tiffany não demorou a dormir. Mas ao longo da noite ela acordou tendo pesadelos.
    — Tiffany, Tiffany acorda. — Disse balançando ela calmamente para que a maior despertasse.
   Ela abriu os olhos e eu tentei acalma-la. O sonho parecia ter sido muito ruim, porque ela não disse nada.
    Comecei a afagar o seu cabelo fazendo cafuné enquanto a olhava. Ela sorriu permitindo aquele contato e eu pedi que ela fecha-se os olhos. Depois disso ela não teve mais pesadelos.
    (...)
 Quando acordei já eram 6:00 e eu tive que me arrumar correndo para ir trabalhar. Tomei um café da manha reforçado e dei uma chinelada na bunda de Sunny e Yuri que haviam chegado de madrugada e agora não queriam levantar. Deixei um bilhete dizendo a Tiffany que aquele dinheiro que estava ali era pra ela pegar um taxi para ir embora e fui até a recepção do hotel pagar pela hospedagem. Como tínhamos reservado o quarto depois das 10:00 do dia anterior ainda tínhamos mais um tempo para ficarmos ali.
   Quando cheguei na delegacia, me deparei com uma Yoona alegre e orgulhosa.
    — Taeyeon, veja isso.
   Ela me deu o jornal com a matéria do dia anterior .
   " Foram presos no dia de hoje, Chun Li e Yan Sun. Os dois integrantes da máfia chinesa foram capturados em Jeolla pelas forças especiais SNSD. Com eles foram encontradas cargas ilegais e armas de fogo, os policias continuam suas investigações"
  — Fico feliz em te ver assim coronel.
  — Nosso trabalho finalmente esta sendo reconhecido Taeyeon, e por falar em trabalho — A maior pegou duas sacolas que me eram familiares — Acho que isso é seu.
   Ela colocou na mesa as sacolas que eu e Tiffany havíamos guardado nossos uniformes quando fomos para o depósito.
  — Obrigada.
  — Quero que se troque e vá até a universidade.
   — Mas e aqueles dois caminhoneiros e a escola ? — Perguntei
    — Eles foram presos ontem, até descobrimos a ligação deles com a máfia. Tenho certeza que eles sabiam com quem trabalhavam. E quanto a escola, não tem necessidade de você ir até lá — A maior fez uma pausa se levantando de sua cadeira  caminhando pela sala — Quero que você fale com Cecília Namizawa.
   — A mulher pra quem as cargas eram endereçadas?
   — Isso mesmo, quero saber oque ela tinha haver com tudo isso.
    — Sabe oque tinha naquelas caixas ? — Perguntei.
     — Algumas peças mecânicas que não sabemos ainda para que servem. Agora preciso que você vá
   Fiz sinal de continência e sai da sala. Ao ir me trocar me deparei com Yuri e Sunny aparentando serem duas zumbis, com olheiras e um cabelo penteado as pressas, talvez nem isso.
   — Oque aconteceu com vocês duas ?
   — Nós viemos a pé do hotel até aqui — Respondeu a morena com uma voz furiosa.
   — Tae, meus pés estão doendo — Disse Sunny de um jeito manhoso se apoiando em Yuri para tocar os pés .
   — Eu sugiro que vocês duas se troquem rápido, pois se Yoona ver vocês assim vai tirar sua dor no pé de uma maneira incrível.
  Me virei e fui até o vestiário me trocar, logo em seguida fui para o pátio.  Arrumei alguns papeis da investigação sobre o depósito e olhei para o banco. Pude visualizar criando em minha cabeça, a imagem de Tiffany naquele banco, pude sentir até mesmo o cheiro da Fany, quando o som de uma porta se abrindo me tirou dos meus pensamentos.
   — Oque quer aqui ? — Perguntei.
   — Tiffany esta de folga e eu não vou deixar você ir sozinha — Respondeu Yuri.
   —Aigoo,ela se importa — Disse eu pegando nas bochechas da morena.
    — Vou te ajudar mesmo você não merecendo, porque foi malvada comigo — Yuri estava tão fofa que eu quase perdi minha pose de capitã.

  Dei a partida na viatura e pouco tempo depois já estávamos na universidade, os estudantes já haviam entrado, mas eu achei estranha a presença  do carro da SM que estava ali.
  Fomos até a recepção e uma mulher gorda de cabelos grisalhos nos atendeu. Ela tentou nos barrar não permitindo a nossa entrada.
   — Porque não podemos falar com ela ? — Perguntei
   — Ela não esta em condições de atendê-los.
   — Eu sei que você é uma pessoa esperta, e que sabe que nos impedir de entrar não é a coisa certa a se fazer — Yuri falou com tanta firmeza que eu senti orgulho da morena.
    A mulher finalmente nos deixou entrar e começamos a procurar por Cecília, preguntamos para algumas pessoas onde ela se encontrava e nos informaram a localização do laboratório onde ela dava suas aulas. Ao chegarmos lá, encontramos as luzes apagadas e o local totalmente vazio.
  
  — Cecília, você esta aqui ? — Perguntou Yuri enquanto procurávamos por ela.
  Notei que havia uma pasta em cima da mesa e comecei a folheá-la.
  
   " Paciente 226 - Foi aplicada uma quantidade significativamente alta de sacculina na corrente sanguínea do paciente. O parasita colonizou o cérebro e pouco tempo depois houve contato com o núcleo. No entanto a resposta da sacculina ao núcleo não foi a esperada e o paciente teve que ser sacrificado.

Paciente 191 - A sacculina invadiu o sistema digestivo do paciente, causando danos gravíssimos ao seus órgãos internos, ignorando totalmente as ordens do núcleo e o paciente veio a falecer pouco tempo depois , devido a não ter sobrevivido ao processo"
 
 Não pude continuar lendo, pois Yuri me chamou para que continuássemos procurando pela cientista. Peguei aquela pasta e coloquei ela por dentro de minha farda. Aquelas coisas pareciam assustadoras e ao mesmo tempo importantes.
  
   Saímos do laboratório e fomos até o corredor dos banheiros onde passamos a ouvir o som de alguém chorando. O som vinha do banheiro feminino onde um pranto pesado se estendia.
   — Olá, quem esta ai ? — Perguntou Yuri batendo na porta.
    Esperamos alguns segundos e não obtivemos resposta. Então peguei um grampo que eu carregava comigo justamente para situações como esta. Usei ele para destrancar a porta e entrei no banheiro. Me deparei com uma mulher com um jaleco branco e longos cabelos negros, que possuía traços orientais e usava óculos de grau.
   — Cecilia? — Perguntei, ela não respondeu, mas o crachá em seu pescoço já havia a entregado.
   A mulher permaneceu com os olhos voltados para o chão enquanto lágrimas grossas desciam por suas bochechas. Seus olhos estavam vermelhos e ela nem sequer olhou para nós.
  — Ei, vamos tomar uma agua. Vai ficar tudo bem. Deixa a gente te ajudar.— Disse Yuri se ajoelhando e colocando a mão sobre o ombro daquela mulher.
    Cecília olhou para Yuri e eu pude sentir a dor em seu olhar. Por algum motivo aquela mulher estava arrasada.
    — É tarde demais — Cecília disse e se levantou saindo do banheiro.
     — Tarde demais ? Oque quer dizer ? — Perguntei indo atrás dela.
      Cecilia correu em direção aos elevadores que para nosso asar já estavam no local certo. Ela entrou dentro dele e apertou os botões.  Tentei ser mais rápida mas não pude evitar que as portas se fechassem. Eu e Yuri fomos obrigadas a esperar para ver em qual andar ela iria descer, pois não podíamos pegar  o elevador ao lado sem saber para onde teríamos que ir. Ela desceu no vigésimo andar. Pegamos o elevador ao lado e fomos até lá. Quando descemos, batemos de porta em porta até um senhor de cabelos negros e com um grande bigode nos atendeu. Ele era o faxineiro no prédio e nos informou que Cecília havia entrado na sala 212. Eu e Yuri batemos na porta mas ela estava trancada. Sem pensar duas vezes, arrombei a porta e entrei naquele lugar.
   — Taeyeon, você não devia ter feito isso.
    Eu não respondi a morena, pois meus olhos estavam arregalados e focados a minha frente. Um arrepio gelado subiu pela minha coluna até a minha nuca e o terror tomou conta de mim. Yuri olhou para o mesmo lado que eu e começou a gritar.
    Cecília havia pegado uma corda e se enforcado. Ela estava suspensa e seu corpo balançava de um lado para o outro lentamente.  Corri e peguei uma cadeira, peguei em seguida uma faca que eu sempre levava comigo e cortei a corda. Yuri evitou que o corpo da cientista se chocasse com o chão no momento em que a corda foi rompida e eu tentei prestar os primeiros socorros.
    — Rápido Yuri, uma ambulância! Peça ajuda.
    Yuri pegou seu radio e pediu urgentemente a presença de uma viatura, informando onde estávamos e a situação. Fiquei tentando reanimar Cecília, mas ela respirava com extrema dificuldade. Demorou 12 minutos até que os socorristas chegassem. Eles usaram uma bomba de oxigênio para ajudá-la a respirar e um colar cervical foi colocado em seu pescoço.
     Eu e Yuri tivemos que explicar tudo que aconteceu e voltamos para a delegacia. Yoona ficou furiosa por termos deixado que a mulher se enforca-se .

   — Vocês são duas idiotas ! Como foram deixar isso acontecer ? Logo você Taeyeon, eu pensei que pudesse confiar em você  — Esbravejou  ela gritando bem na minha cara.
   — Eu não podia parar a mulher a força coronel. Não tínhamos um mandato de prisão ou algo do tipo.
   — Eu não quero desculpas ! Eu quero resultados! — Gritou ela ainda furiosa.
   Yuri abaixou a cabeça e murmurou algo.
   — Eu....a culpa foi minha coronel. — Disse a morena que parecia estar muito assustada com os gritos de Yoona.
   —É melhor você me contar essa historia direito Kwon. — Yoona foi fria e autoritária como sempre.
    — Eu deixei aquela mulher entrar na sala...eu deveria ter impedido.
    — Negativo. Ela passou por mim e eu não quis parar ela a força porque ela estava chorando até soluçar quando nós chegamos. Tentamos dar apoio e a acalma-la, mas ela recusou e quis ficar sozinha. Por isso eu não quis para-la a força — Disse eu intervindo.
   — É melhor isso ser verdade Kim Taeyeon, ou vocês duas estão muito encrencadas.
    — Não se preocupe coronel, eu não costumo mentir — Falei de maneira firme e áspera batendo de frente com Yoona.
    — Agora saiam as duas da minha sala ! — Gritou Yoona.
    Eu e Yuri fizemos sinal de continência e saímos da sala de Yoona. Yuri estava muito magoada e seus olhos estavam marejados. Pude notar alguns oficiais achando graça do escândalo que aquela idiota fez, pena que pra eles eu ainda era a capitã. Eles estariam ferrados na minha mão.
   Tomei um café junto de Yuri e notei que a viatura de Sunny havia acabado de chegar. Deixei as duas conversando sabendo que Sunny iria cuidar bem da morena e fazer ela se animar. Pouco tempo depois o meu celular tocou. Era Hyoyeon, oque será que a loira queria comigo ?
   — " Capitã? Você esta ocupada ? Preciso  falar uma coisa urgente com você"
   — Acredito que não sejam boas noticias, mas pode falar.
   —" O  homem que prendemos no depósito, ele é um farsante. Nós acabamos de encontrar o corpo do verdadeiro Chun Li."
   — Como assim ? Você tem certeza disso Hyo ?
   — Sim senhor, nós buscamos pelas digitais quando encontramos o cadáver e depois que saiu o resultado fizemos um exame de DNA através do registro que apareceu. Não tem erros capitã, esse que esta preso não é o verdadeiro Chun Li."
   Fiquei muda durante alguns instantes. Aquele dia estava sendo um inferno, a noticia da loira realmente veio para bagunçar as coisas.
  — Certo, vou informar todas as unidades. Parabéns pelo seu ótimo trabalho Hyo.
   — " Obrigada capitã. Pela ordem e por Seul"
  — Pela ordem e por Seul. — Respondi a loira sorrindo, esse era o grito de guerra da SNSD — Hyo....eu preciso ver você pra te mostrar uma coisa. Não posso te falar por aqui — conclui.
   — " Tudo bem capitã. A gente pode se encontrar na sua casa?"
   — Sim, se for possível  hoje mesmo.
   — " Ok, eu estarei lá as 21:00"
   — Obrigada Hyo, é por isso que eu te amo. — A loira sorriu e eu desliguei


        (...)
    O dia seguiu  com um clima nada agradável, quando informei Yoona que Chun Li estava morto e aquele era um farsante ela quase teve um treco. Fui até o presídio onde ele estava preso e chamamos ele para um interrogatório. O desgraçado adorou saber que havíamos descoberto ele. Eu fui até a sala que tinha uma luz sobre a mesa onde eu e o farsante pudemos nos sentar, ele estava me olhando com um sorriso debochado em seu rosto. Yoona ficou atrás do vidro da sala de onde ela poderia ver tudo. Olhei para ele com vontade de esmurra-lo até que comecei as perguntas.
   — Quem é você ? Foi você quem matou o verdadeiro Chun Li não é mesmo? — Perguntei e ele começou a rir.
    — Sua função é descobrir isso, então porque esta me perguntando ?
    Ele respondeu de maneira fria, aquele sujeitinho não era um criminoso qualquer.
   — Conhece este homem? — Comecei a jogar as fotos do homem encontrado morto antes do seu falecimento. Embora o farsante e o homem morto fossem parecidos eles não eram idênticos.
  — Não, eu deveria ? — Ele fez pouco caso e voltou a me encarar.
  — E agora, conhece ?
   Coloquei as fotos do corpo deformado do homem encontrado morto e ele desviou o olhar mostrando  repugnância.
   — Nós somos apenas parecidos eu acho.
   — A perícia constatou que a arma utilizada no homicídio desse homem, foi a mesma utilizada por você no dia em que nos conhecemos no depósito, quando você matou aquele homem gordo. — Olhei bem em seus olhos franzindo a testa, mostrando a ele que ele estava encurralado. Ele nem sequer pareceu se abalar.
  — Eu me  lembro, também foi a mesma arma que eu ia usar pra matar você não é mesmo ? Eu me recordo do medo em seus olhos, você esta tentando parecer forte agora mas continua sendo a mesma garotinha assustada.
  Aquelas palavras fizeram meu corpo todo se enrijecer, como ele podia ser tão desprezível?
  — Então você confirma que é culpado pela morte de Chun Li ?
  — Sim, e posso matar você também se você não calar a boca e parar de encher meu saco  — Disse ele cruzando as pernas em ar de deboche.
  — Sabe que eu posso acabar com essa sua pose num piscar de olhos não sabe ? — Perguntei dando um sorriso irônico, eu só fazia aquilo quando estava realmente furiosa.
  — E você sabe porque eu estou com essas algemas capitã ?
  — Porque você é um maldito doente e eu tive que te prender ?
  — Não, é porque você sabe que se eu não estivesse com elas eu iria te bater até acabar com esse rostinho lindo e depois eu iria te foder, como se você fosse uma vadia qualquer.
   Eu não tive tempo de raciocinar, quando dei por mim meu punho já tinha se chocado com a cara daquele homem com tanta violência que ele caiu da cadeira e quando se virou seu nariz estava sangrando. Os policiais que estavam presentes caso algo acontecesse me seguraram e eu fui obrigada a encerrar o interrogatório ali. Quando sai Yoona nada disse, apenas nos retiramos. Só quando entramos na viatura que iniciamos uma conversa
  — Eu no seu lugar teria feito pior .  — Ela falou mas eu nada respondi.
  Abaixei minha cabeça e senti uma angustia muito forte tomar conta do meu peito, eu sabia oque era aquilo. Eu estava esgotada e havia chegado no meu limite
  — Vá para casa Taeyeon. Amanhã quando estiver com a cabeça no lugar nós retomamos as investigações.
  — Me desculpe coronel, eu estraguei tudo. Eu ...
  — Taeyeon, só existe um motivo pra eu não ter te demitido até hoje. Eu não me livrei de você ainda porque você é a melhor, não existe outra como você — Disse a maior me interrompendo, olhando nos meus olhos.
  Eu olhei para ela surpresa, nunca esperava ouvir isso de Yoona.
  — Agora vá, eu quero te ver bem amanhã. Algo me diz que será ainda mais difícil.
   — Obrigada, Coronel.
 
    (...)
 Quando cheguei em casa, tirei meus sapatos e fui tomar um banho demorado, logo Hyoyeon iria chegar e eu não estava em condições de recebê-la. Em meu banheiro existe um grande espelho que fica de frente pra mim enquanto a agua cai sobre meu corpo. Eu olhei para aquela garota loira na minha frente e comecei a chorar, as palavras daquele homem, o olhar de Cecília na minha cabeça. Eu me odiava tanto, eu estava sentindo tanta dor. Eu não consegui ajudar aquela mulher, não consegui nem mesmo conversar com ela. Mas não era aquilo que me machucava, eu me odiava por ser uma mulher fraca. Foi assim também quando meu pai deixou eu e minha mãe sozinhas, mamãe vivia dizendo que não era feliz e eu prometi a ela que iria fazer isso mudar. Eu não consegui.


Notas Finais


Yoona ta mostrando que tem coração? Como assim Brasil?
Tae precisa da Fany ;-;
Hyoyeon investigadora fodona u.u
Yuri cute cute
oque vocês estão achando do tamanho dos capítulos ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...