História Laços - Capítulo 52


Escrita por:

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Alfredo, Ámbar Benson, Benício, Delfina, Emília, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo Balsano, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Ramiro, Simón, Yam
Tags Luna, Ruggero Pasquarelli, Sou Luna, Soy Luna, Universo Alternativo
Visualizações 104
Palavras 2.759
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Postei e saí correndo!
Amo vocês demais!

Capítulo 52 - CAPÍTULO EXTRA - Casamento - Parte 1


Ela está atrasada! Pensei enquanto andava em círculos pelo altar da igreja. Todos os convidados já estavam ali, o prefeito e sua família, os amigos de Luna da Partum, algumas pessoas da Balsano, senhor Alfredo, Tamara e outras pessoas da família de Luna, meus familiares, exceto minha mãe que assim como Mônica, Âmbar, Delfi e Nina estavam com Luna no salão de beleza, todos sem dúvida alguma estavam ali, mas não havia nenhum sinal dela, nem mesmo uma mensagem, nada. Me escorei em um arranjo de flores, mas não consegui permanecer assim por muito tempo, então voltei a andar em círculos, era mais fácil me manter concentrado assim.

- Você vai acabar furando o chão da igreja desse jeito. – Gastón brincou se colocando ao meu lado.

- Ela está seis minutos atrasada. – Apontei fitando o chão.

- Desde quando você é tão rígido com horários?! – Arqueou a sobrancelha debochado.

- Não estou sendo rígido, acontece que ela já devia estar aqui. – Murmurei nervoso e meu amigo riu.

- Ela chega. – Ele deu os ombros. – Se bem que se Luna parar para pensar um pouco talvez opte pelo bom senso e desista. – Debochou e eu bufei, me virei e voltei a caminhar em círculos pelo altar. Ela virá, ela está chegando. Repeti internamente e voltei meu olhar para frente à procura de algum sinal dela.

- Nervoso?! – Meu pai se aproximou de mim com um sorriso esperto no rosto.

- Não faz ideia do quanto. – Suspirei e esfreguei minhas mãos uma na outra.

- Hum. – Ele encarou o a frente da igreja. – Sabe filho, houve um momento em que eu não acreditei que isso fosse acontecer.

- Achou que eu terminaria meus dias como um solteirão?! – Olhei para ele surpreso.

- Não, mas não acreditava que você se casaria com uma moça que sua mãe e eu aprovássemos, e muito menos que estaria trabalhando feliz e por vontade própria nos nossos negócios. – Ele explicou satisfeito.

- É, durante algum tempo eu também achei que isso fosse impossível. – Concordei sério. – Mas depois de trabalhar tanto tempo na construtora e de tudo o que fizemos ali, e principalmente depois de conhecer Luna, acho que esse foi o meu melhor caminho.

- Estou orgulhoso filho, não só porque isso é algo que me agrada, mas porque você está realizado assim. – Meu pai apertou meu ombro.

- Obrigado pai, por tudo. – Agradeci olhando nos olhos dele e ele sorriu.

Conversamos por mais um tempo isso acabou me distraindo um pouco, mas quando eu vi Delfi entrar na igreja, apressadamente, com seu vestido de dama de honra, meu coração parou.

- Vocês viram o tio Miguel?! – Ela perguntou olhando para os lados.

- Ele foi ao banheiro. – Respondi rápido. – Por quê?! Aconteceu alguma coisa com Luna?!

- Aconteceu. – Ela disse simplista e eu congelei. Ela desistiu. – Minha prima está na porta quase surtando para entrar na igreja e o tio não está aqui. – Delfi completou brava e saiu em direção ao banheiro.

- Está vendo noivinho, Luna está tão ansiosa quanto você para se amarrar. – Ramiro, meu segundo padrinho, debochou.

- É Matteo, chegou a hora, a festa acabou. – Gastón me cutucou quando Miguel saiu da igreja. Olhei para trás e vi o ministro se colocar em seu lugar, voltei meus olhos para porta da igreja e então minha sogra e minha mãe entraram rindo juntas.

- Filho. – Minha mãe sorriu para mim quando se aproximou. – Estou tão feliz por você! – Ela exclamou afagando meu rosto. – Sua Luna está tão linda, meu bebê. – Disse e eu sorriso tolo escapou dos meus lábios. – Eu vou ficar com seu pai. – Apontou para ele. – Seja feliz meu amor e a faça feliz.

- Sim, mamãe. – Aproximei-me dela e beijei sua testa. – Eu te amo.

- Eu também te amo. – Minha mãe beijou meu rosto e partiu.

- Sogrinha. – Chamei Mônica. – Ela chegou né?!

- Claro. – Ela riu. – Luna perguntou a mesma coisa sobre você. – Contou divertida. – Acho que está na minha hora. – Mônica olhou para cerimonialista.

- Ah, sim. – Assenti e ela foi até o seu lugar.

- Matteo fique aqui. – A cerimonialista me colocou mais a direita. – Vocês dois à esquerda do noivo. – Apontou para Gastón e Ramiro. – Isso! Perfeito, agora sorria Matteo sua noiva está vindo! – Exclamou e se colocou logo abaixo do altar. – Noivo e padrinhos prontos. – Falou em seu fone de ouvido. – Noiva pronta?! – Interrogou e meu coração fervilhou. – Ok, vamos começar, então. – Disse e deu um sinal para os músicos que começaram a tocar Wonderwall, e então toda a igreja se levantou.

A primeira a aparecer foi Delfi que cruzou a igreja com um pequeno buquê, logo depois foi à vez de Nina e Âmbar que estavam vestidas igualmente, elas passaram por mim e sorriram, quando tomaram os seus lugares como madrinhas, foi então que Gastón me cutucou, no mesmo instante todo o meu corpo travou, não sentia mais o ar ao redor e foi então que ela apareceu de mãos dadas com o pai sorrindo para mim. Lembrei então da primeira vez que a vi a imaginei naquela época vindo em minha direção no altar, entretanto minha fantasia não se comparava em nada com o que estava acontecendo. Luna estava mais do que linda, havia mais do que felicidade entre nós, em seus olhos eu podia ver toda minha vida, meu presente, passado e futuro se resumiam a ela, como nos conhecemos, o que somos e o que viveremos pelo resto de nossas vidas. As lágrimas caíram dos meus olhos sem que eu as contivesse, dei um passo em direção a ela, mesmo sabendo que não estava na hora. À medida que Luna se aproximava as batidas do meu coração se tornavam ainda mais dolorosas no momento em que finalmente estávamos frente a frente, Miguel estendeu a mão da filha e a deu a mim.

- Deixo minha filha com você Matteo. – Ele me encarou sério. – Confio em você para cuidar dela e jamais magoa-la, espero que faça isso.

- Sim senhor. – Disse com a voz trêmula.

- Filha. – Ele se virou para Luna e sussurrou algo para ela que assentiu. – Eu te amo filha.

- Eu te amo papai. – Declarou, ele beijou sua testa e nos deixou. Então rapidamente levei a mão dela aos lábios. – Amor, você está chorando. – Ela limpou minhas lágrimas.

- Estou feliz. – Falei enquanto nós dois caminhávamos até o altar.

- Eu também estou. – Ela confessou baixinho.

Quando nos ajoelhamos perante o altar o ministro começou a nos dizer algumas palavras, conselhos e recomendações. Talvez de tudo que ele tenha dito o que mais me marcou foi “perdoar deve ser uma decisão diária de vocês”. Eu sabia que mesmo que nos amassemos muito, nós teríamos problemas como qualquer casal, mas eu tentaria superar a todos com essa frase.

- Então vamos aos votos. – O ministro anunciou. – Luna, primeiro você. – Ele entregou o microfone a ela.

- Matteo, quando nos vimos pela primeira vez eu te achei um abelhudo. – Começou e todos riram. – Mas meia hora depois eu já era grata a você, dois dias depois eu já amava estar em seus braços, uma semana depois eu soube que amava você, e isso é uma das coisas que me faz amar você, sua capacidade de tocar o coração dos outros ao seu redor. Você é muito mais do que eu sonhei um dia, você me tornou alguém melhor, seu amor me faz forte, obrigada meu amor. – Ela agradeceu derramando algumas lágrimas. – Eu te amo, e é por isso que eu prometo a você que a cada dia das nossas vidas estarei ao seu lado, prometo não ir dormir brigada, prometo que seu despertador será um beijo de bom dia, prometo te apoiar e permanecer firme nos momentos difíceis, e principalmente prometo colocar nosso amor acima das nossas dificuldades. – Luna finalizou e a cerimonialista me entregou um lenço para que eu enxugasse meu rosto.

- Agora você Matteo. – Ele me entregou o microfone.

- Linda, de todas as coisas que me aconteceram você foi, é e sempre será a melhor de todas elas. Eu te amo, acho que poderia passar o resto da minha vida falando apenas isso. Eu amo você, amo a forma que sorri, amo a forma que franze a sobrancelha quando está brava, amo te ver fazendo yoga, amo ver o seu amor pelo o que faz, amo a forma com que você trata a sua família, amo tudo em você, mas recentemente amo algo mais. – Olhei para sua barriga e ela sorriu. – Você me deu o maior presente que eu poderia ganhar, nosso filho, o reflexo do nosso amor, então aqui e agora prometo a você que cuidarei de vocês dois, serei o melhor pai para o nosso Lucca e serei o melhor marido para você. Prometo continuar te dando flores sem um motivo especial, prometo segurar sua mão no primeiro dia de aula do nosso filho, prometo não te deixar matar a primeira namorada dele, prometo enxugar suas lágrimas quando ele for para faculdade, prometo te abraçar no dia do casamento e prometo te amar, meu amor, todos os dias, nas horas boas e ruins, mesmo quando enfrentarmos nossos maiores desafios. Cultivar e conservar nosso amor serão o trabalho da minha vida. – Finalizei, estendi o braço e sequei delicadamente os olhos de Luna.

- Eu te amo. – Ela murmurou baixinho.

- Eu te amo. – Sorri de volta.

- As alianças. – O ministro pediu e eu olhei para Gastón e Ramiro. Eles estavam responsáveis por trazer as alianças, entretanto ao invés de entrega-las a mim, os dois apenas se encaravam apreensivos.

- Está com você. – Ramiro afirmou. – Combinamos que você entregaria.

- Não. – Gastón contrariou nervoso. – Combinamos que você entregaria.

- É melhor que vocês estejam com as alianças. – Falei bravo.

- Cara, acho que não estão aqui. – Gastón apertou os lábios e eu fui a outro mundo.

- O que eu vou falar com minha mulher?! – Interroguei irado. – Que perdi as alianças?!

- Amor. – Luna chamou e eu me virei para ela rápido.

- Eu estou resolvendo amor, só um instante. – Falei e me voltei para meus padrinhos. – Eu mato vocês se essas alianças não aparecerem aqui em um segundo.

- Não precisa Matteo. – Nina veio até mim. – Não quero ficar viúva antes dos quarenta. – Ela brincou. – As alianças estão comigo. – Disse e me entregou uma caixinha. – Aprenda Matteo, nunca dê a um homem o trabalho de uma mulher. – Aconselhou.

- Podemos voltar?! – O ministro questionou, eu assenti e lhe passei a caixa. – Então vamos começar por Luna. – Ele entregou uma aliança a ela. – Repita comigo. – Falou e começou a sussurrar em seu ouvido.

- Eu, Luna Valente. – Ela pegou a minha mão para colocar a aliança e eu tremi. – Diante dessas testemunhas, prometo a você, Matteo Balsano, que lhe serei fiel companheira, na alegria ou na tristeza. – Luna colocou um pouco da aliança em meu dedo. – Na saúde ou na falta dela. – Continuou com a voz embargada. – Nos bons e nos maus momentos, por todos os dias que me forem concedidos. – Ela fez uma breve pausa, respirou fundo e voltou a olhar em meus olhos. – Com essa aliança eu te desposo. – Terminou e beijou a aliança em minha mão. – Eu amo você. – Luna disse e eu dei um passo para beija-la.

- Ainda não, Matteo. – O ministro me interrompeu. – É a sua vez. – Ele me entregou o microfone e começou a dizer as mesmas palavras para mim, então eu tomei a mão de Luna e a encarei profundamente, ao ver seu lindo rosto tomado pela emoção fui transportado para um mundo onde apenas nós dois existíamos.

- Eu Matteo Balsano. – Comecei com o coração acelerado. – Diante dessas testemunhas, prometo a você, Luna Valente, que lhe serei fiel companheiro. – Coloquei a aliança até a metade do seu dedo. – Na alegria e na tristeza, na saúde ou na falta dela, nos bons ou maus momentos, por todos os dias que me forem concedidos. – Nós dois compartilhamos um sorriso. – Com essa aliança eu te desposo. – Falei e colei meus lábios na aliança por alguns segundos. – Eu te amo mais do que minha própria vida. – Declarei olhando em seus olhos.

- Então pelo poder investido a mim, eu vos declaro marido e mulher. – O ministro disse, e meu coração explodiu. – Pode beijar a noiva. – Declarou e eu não esperei nem um minuto, tomei a cintura de Luna, e a puxei para mim, acariciei seu rosto levemente.

- Eu te amo Luna Balsano. – Beijei-a com amor, ela tocou meus ombros, e minhas mãos firmaram ainda mais em sua cintura. A igreja foi tomada por aplausos, quando Luna e eu precisamos de ar nos soltamos um pouco, eu segurei seu rosto, e uni nossas testas. – Eu sou o homem mais feliz do mundo por ter você.

- Eu amo tanto você. – Ela falou afagando meu rosto.

...

- Como minha esposa está linda. – Abracei Luna enquanto esperávamos nossa entrada no salão de festas.

- Você já disse isso. – Ela sorriu e tocou minha bochecha.

- Desculpe, mas não consigo parar. – Selei nossos lábios. – Assim como não consigo parar de falar que te amo.

- Por que você tinha que ser tão romântico?! – Luna fingiu-se de brava. – Isso é jogo sujo.

- Não é não. – Maneei a cabeça e beijei seu pescoço. – Jogo sujo aqui, é você ser tão linda, isso me desarma.

- Olha só, está vendo, você está fazendo de novo. – Ela deu um tapa em meu ombro. – Isso não é justo. – Disse e eu ri.

- Estão prontos noivinhos. – A cerimonialista se aproximou de nós. – Está na hora da entrada de vocês.

- Prontos, prontos, estamos, mas acho que prefiro pular a recepção e ir logo para a lua de mel. – Falei e Luna franziu o cenho.

- Não dê ouvidos a ele. – Ela se afastou de mim. – Estamos prontos sim. – Arrumou o vestido. – Amor, eu planejei essa festa com todo carinho, minha mãe e eu quase nos matamos para reorganizar tudo, então coloque seu melhor sorriso e vamos descer. – Pegou minha mão e me puxou para a porta.

- Noivos prontos. – A organizadora disse em seu fone. – Ok, Luna e Matteo podem descer. – Avisou e abriu a porta. – Não se esqueçam que o primeiro compromisso de vocês é a valsa dos noivos.

Luna e eu saímos do quarto dos noivos, e eu fiquei completamente surpreso em como o salão estava bonito, decorado com velas, o que fazia tudo ficar mais aconchegante, mas o mais impressionante de tudo foi ver que Luna tinha trago para festa detalhes de decoração que tínhamos planejado para nossa casa, e isso fez com que tudo ali parecesse nosso. Guiei Luna pelo salão, à medida que caminhávamos víamos os rostos das pessoas que tanto amávamos. Olhei de canto para Luna e a vi em um momento especial, ela mandava um beijo para o avô que na minha opinião era a pessoa mais animada daquele casamento. Quando passamos por Gastón ele abriu um sorriso malandro e balbuciou um “enjaulado”, mas logo levou um cutucão de Nina, que logo depois sorriu e piscou para Luna. Chegamos ao meio do salão, e então eu girei minha esposa e a puxei para mim.

- Minha primeira dança como Luna Balsano. – Ela recostou a cabeça em meu peito. – Acho que estou sonhando.

- Quer que eu te belisque. – Brinquei apertando seu corpo contra o meu.

- Fique a vontade, se quiser morrer antes da noite de núpcias. – Ela olhou para mim com olhos flamejando.

- Às vezes acho que não irei sobreviver até o nascimento do nosso filho. – Cutuquei e ela revirou os olhos. – Não é, filhão?! – Olhei para baixo e Luna parou de dançar. – Linda, está tudo bem?!

- Diz de novo. – Ela pediu absorta.

- O que?! – Interroguei confuso.

- Converse com Lucca de novo. – Pediu e eu sorri.

- Filhão, eu acho que sua mãe não está bem. – Falei e Luna deu uma risada emocionada.

- Ele entende você. – Ela colocou as mãos na barriga. – Matteo, Lucca reconhece sua voz. – Explicou e rapidamente eu me coloquei de joelhos pousando minha cabeça sobre sua barriga.

- Filho, você está me ouvindo?! – Perguntei e beijei a barriga de Luna, e nesse momento senti um chute, meu coração se eletrizou. – Ele me entende. – Olhei para Luna e Lucca se mexeu novamente. – Ele me entende. – Me levantei, abracei Luna e girei-a no ar, nos gargalhamos juntos.

- Eu te amo. – Ela declarou olhando em meus olhos.

- Eu te amo, meu amor e vou te amar por toda a vida. – Afastei seu cabelo e me inclinei e a beijei.


Notas Finais


Opinem! Postei por que amo vocês!
Espero que tenham gostado!
Amo vocês demais e até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...