1. Spirit Fanfics >
  2. Laços >
  3. Capítulo 7

História Laços - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Capítulo 7


Sasuke pov 

Meu despertador em cima da cômoda tocava cada vez mais alto me deixando incomodado, meus ouvidos já estavam quase criando boca e começando a gritar em protesto dizendo que não mereciam aquilo, e ainda assim, continuei deitado por alguns minutos sem mover um músculo. Depois do dia anterior, que já tinha sido bem cansativo, eu estava me sentindo ainda mais indiposto que já ficaria normalmente às sete horas da manhã. Sem abrir os olhos, levantei meus braço esquerdo o erguendo até a minha frente e encerrei aquele som agonizante de uma vez por todas. 

Me sentei na cama esfregando os olhos com as costas da mão, e mastigando o nada, cometi o erro de abrir os olhos e ver aquilo que quase me provocou um ataque cardíaco. Ou um infarto de vez. Juro que faltou muito pouco para a morte. 

– AAAAAAAAAAAH! – Gritei em alto e bom som, segurando o Cléber, meu ursinho de pelúcia que afasta os pesadelos, e me escolhi todinho entre os lençóis olhando assustado para a garota a minha frente.

– Calma – Ela me olhou como se eu fosse um alienígena, seu tom de voz era magoado como se estivesse ofendida com minha reação – Bom dia para você também. 

Ela acenou com uma das mãos incrivelmente pálidas, e em seguida me deu um sorriso que deveria servir para me passar confiança, mas só me deixou ainda mais assustado. Ela estava sentada na cadeira de minha escrivaninha, no final da cama, me encarando com uma expressão misteriosa que estava me deixando cada vez mais assustado. Seus cabelos eram loiros e estavam presos em uma trança lateral muito bem feita, usava o uniforme da escola e tinha uma mochila aos seus pés, mas o que mais me causava medo na figura eram os chamativos olhos vermelhos. 

– Quem é você? – Perguntei engolindo em seco, depois de alguns segundos, apertando Cléber ainda mais. Eu estava com medo.

– Ah, me desculpe a falta de educação – Ela se levantou e eu quase morri de medo, achei que ela iria avançar para cima de mim – Eu sou Gelda Smith, ou, sua cunhadinha, como preferir me chamar. 

– Hã?

Fiz uma careta... cunhadinha?

E como se as coisas já não estivessem estranhas o bastante e meu coração acelerado demais, um capiroto bateu na porta com tanta força que eu até vi um filiminho da minha vida passando rapidamente.

– SASUKE!

Sim, era a Guila, e ela quase me fez matar o Cléber com o super abraço que dei nele depois desse susto. Essa menina é o inferno na Terra, como é que pode?

– TA GRITANDO AÍ, POR QUÊ? SE OLHOU NO ESPELHO?

Olha só quem fala. 

Minha porta começou a ser forçada como se alguém quisesse abrir, mas eu sempre passo a chave antes de dormir para loiras estranhas que ficam ao pé da minha cama não entrarem. 

– ANDA LOGO! O TIO MADARA QUER FALAR COM VOCÊ.

Eu ainda estava assustado e confuso demais para dar uma resposta, ou pensar no que responder, e o olhar intrigante da garota misteriosa deixava as coisas ainda piores. E quando vi, a chance de pedir ajuda para Guila se foi, consegui ouvir seus passos saindo do corredor. 

– Já que fui lindamente ignorada, eu vou continuar. Me chamo Gelda, tenho dezessete anos e sou a futura esposa do seu irmão Itachi.

Eu escutava tudo com atenção, mas era como se o gato tivesse comido minha língua. 

– Olha, não precisa se sentir culpado por ter se assustado comigo, fiquei ofendida mas isso pode se resolver com o tempo. Tenho certeza de que seremos bons amigos, e nossa família viverá em paz e feliz – Sorriu gentil, mas nem toda a simpatia do mundo me faria deixar de pensar que ela é uma louca! – Pronto.

– O-O-o q-q- b-b – Eu tentei falar, mas estava assustado demais e o que saiu da minha boca foi um amontoado de palavras desconexas. 

– Quê? – Novamente, aquele olhar que claramente quer dizer "você tem algum probleminha?"

Reuni toda a minha força naquele momento, eu precisava defender a mim e o Cléber, precisava ser forte. 

O que você está fazendo aqui? – – Apontei. Minha voz ainda era fanha e desesperada. Parecia uma galinha assustada.

...quero dizer, o Cléber parecia uma galinha assustada. Cof, cof. Eu sou macho! 

– Relaxa, não sou uma tarada – Se defendeu colocando os braços para cima, e eu soltei um gritinho por escutar a voz dela de novo – Eu só queria saber se você tem notícias do seu irmão. Ele não responde minhas mensagens e suas últimas postagens no Instagram foram só divulgações de show's. Eu tô preocupada. Ele não vai mais mostrar o tanquinho sarado dele?

Ela se abaixou até a mochila, e fica o sinal da cruz achando que ela iria sacar uma arma e atirar em mim. Mas a coisa fixa ainda mais bizarra quando ela me mostra uma pôster meio amassado do último CD que a banda do meu irmão lançou. 

– Esse aqui, óh – Ela apontou para o meu irmão na fotografia, que estava fazendo um careta estranha tentando parecer sexy. Para mim 'tava parecendo mais com um gambá atropelado.

Peguei – Com as mãos trêmulas e o coração perto de ter um AVC – o papel que ela tinha em mãos e fiquei olhando para o pôster, em seguida para ela. Fiz isso diversas vezes até finalmente a ficha cair... ela era uma fã lunática. Lunática pelo Itachi, e não por mim. Graças a Deus! 

– Hã... é... – Tentei achar uma boa resposta, o que se diz para uma fã fascinada pelo seu irmão famoso? Estava com medo de começar a dizer que o Itachi não era de namorar e o motivo para ele só postar coisas de divulgações era porque era o trabalho dele. Ele tinha milhões de fãs, obviamente não receberia as mensagens – Então...

Ela cruzou os braços e ficou me olhando como se estivesse esperando uma resposta. 

– Eu... – Engoli em seco – Posso ver as mensagens que ele não te respondeu? Haha – Cocei a nuca de maneira nervosa soltando uma risada mais nervosa ainda. 

Mas, assim que ela passou o celular para mim aberto na conversa do Instagram, percebi que eu realmente estava certo. Eram mensagens mandadas de uma fã lunática que queria a atenção do ídolo de qualquer jeito. Não de uma namorada fofa preocupada com o tapado do meu irmão. Só uma louca mesmo para querer namorar o Itachi. Não via meu irmão desde a morte dos nossos pais, ele e banda tinham ganhado o tempo deles para o luto e o motivo de suas últimas publicações serem todas divulgações era porque sua agência teve que reagendar todos os eventos pela perda dele que o impediu de trabalhar. 

– Então, haha – Me levantei da cama devagar vendo ela me seguir sinuosamnete com os olhos. Meus passos eram bem devagar e planejados assim como minhas palavras – Cunhadinha – Tentei agradar, mas ela apenas continuou me olhando sem expressão emoção enquanto eu ia discretamente até a porta e a destrancava – Você... É LOUCA!

Gritei assustado, antes de sair correndo para o corredor e ir até a cozinha onde Guila e o tio Madara estavam tomando café. No meio do caminho, acabei escorregando no nada e fui com tudo para o chão.

– Sasuke! – A voz preocupada e severa do meu tio ivandiu minha cabeça enquanto eu via as coisas ficarem um pouco zonzas. Outra coisa que era bem audível eram as risadas de Guila. Essa praga! – Você está bem?

Ele me ajudou a levantar, e quando retomei os sentidos vi o Cléber sentado em uma das cadeiras na mesa, ele deve ter voado durante a queda. Guila estava ao seu lado com uma expressão risonha enquanto bebia seu chá com leite, Madara ainda me encarava esperando uma reação estranha da minha parte. Demorei um tempo para me lembrar do motivo de toda aquela correria. 

– AAAAAH! Tio, Madara! Tem uma maluca no meu quarto e disse que vai se casar com vc Itachi.

Ele e Guila trocaram um olhar, antes de me encararem franzindo a testa.

– Como é?

– Sim! Ela é loira, muito pálida e 'tava falando que...

– Sasuke, todos temos pesadelos – Passou a mão pelas minhas costas antes de deixar dois tapinhas e me soltar – Está tudo bem agora. Se arrume que você tem aula e...

– Não! Não foi um pesadelo – Fiz um biquinho magoado por não acreditarem em mim. Guila tinha voltado a rir – Você não estava lá – Apontei para ela – Foi horrível, eu... eu...

– Precisa de café – Suspirou meu tio me levando para uma cadeira e me servindo numa xícara – Quero falar com vocês, recupere suas forças. 

Fiz uma careta e fiquei esperando a loira aparecer e provar que eu estava certo, mas nada disso aconteceu, acho que ela foi embora com medo de mim. 

– O que é?

– Devo lembrar à vocês que dois membros muito importantes da família Hyuuga está aqui? Sob nossa proteção? – Iniciou nosso tio, e ambos negamos com a cabeça – Bom mesmo. Espero que também não se esqueçam de que essa família está investindo fortemente na nossa educação e que a imagem que deixamos para eles é de extrema importância. Hiashi é um homem de muito respeito na sociedade e é bom que ele aprove nosso colégio.

Afirmamos com a cabeça.

– Seus sobrinhos devem ser tratados com toda cordialidade e respeito permitida – Olhou para Guila – Assim como todos os outros alunos. Entenderam?

– Sim, tio Madara – Respondemos em uníssono. 

Minha irmã sorriu se fazendo de Santa. 

– E outra coisa – Ele continuou, bebendo um pouco de seu café fumegante – Entrei em contato com Itachi ontem à noite. E ele me garantiu que nos fará uma visita em breve e que tem uma surpresa esperando por nós, estejam prontos. 

Ele que se cuide, se tiver mais como aquela tal de Gelda ele tá é ferrado.

– Estou tão ansiosa para ver Itachi-kun novamente – Os olhinhos de minha irmã mais nova brilharam e eu sorri de canto. Seria muito bom ver meu irmão novamente, admito. 

– Bom, era só isso. Eu preciso ir – Se levantou ajeitando a gravata – Não se tardem para chegar no horário e respeito os professores e os funcionários. E claro, os alunos, não quero saber de nenhum mal comportamento se vocês enquanto estiverem aqui, isso é para ser levado a sério. 

– Pode deixar, tio Madara – Mais uma vez, juntos. 

– Então é só. Até mais – Ele deixou uma beijo no topo da minha cabeça fazendo o mesmo com Guila, e nos deixou a sós. 

Me arrumei o mais rápido possível para sair com ela e não andar sozinho por aí. Estou com medo daquela lunática aparecer. Mereço!

...

Elaine pov 

Eu sempre amo os primeiros dias de aula no Colégio. Gosto quando a rotina ainda está se criando e ainda é novidade. Mas esse ano sinto que estou ainda mais animada do que o normal. Começando pela fato de que agora as coisas já não são as mesmas e que as mudanças nos trazem uma sensação diferente, com a expectativa de que tudo vai mudar e trazer algo diferente. Sempre gosto de ser positivo quanto a isso – e a tudo, também kkk - as meninas até me provocam dizendo que, tem vezes, em que pareço a versão feminina do Naruto. Não isso ruim, sendo bem sincera. 

– Pronto – Suspirei vendo minha cama arrumada, e coloquei minha mochila nas costas me virando para a minha colega de quarto – Quer ajuda? 

Sorri ao ver o jeito desengonçado como a menina de longos cabelos escuros estava. Hinata Hyuuga vinha de uma família muito rica e era bem evidente que nunca tinha que se preocupar em arrumar uma cama antes, ela estava olhando para os lençóis, um pouco confusa e constrangida, tentando entender o que fazer com eles. 

– Por favor, Elaine-chan.

Ela me pediu com a voz baixa e o rosto corado, logo me aproximei com um sorriso gentil para ela, lhe ajudando e ensinando. Sua atenção depositada em minha fala e movimentos me deixava animada, ela realmente parecia estar disposta a aprender e não jogar nas mãos de outras pessoas. Hinata e eu tínhamos nos conhecido no dia seguinte, mas eu já a considerava uma pessoa muito fofa. Era tímida, reservada e não falava muito embora sempre respondesse minhas perguntas com muita educação. Conversamos um pouco antes de dormir e descobri que era a primeira vez dela estudando em um colégio interno, aquilo me fez lembrar da minha primeira noite dentro dessas paredes, senti empatia e não dou difícil de render um bom assunto entre nós duas.

– Viu? Não é tão difícil – Tentei parecer otimista mais uma vez enquanto ela colocava uma almofada muito fofa sobre cama. Estava escrito "Believe in yourself" em um lettering olográfico, fiquei apaixonada. Tanto por achar que a mensagem era importante, e por conta de ser realmente muito linda – Com o tempo você pega o jeito. 

– Obrigada, Elaine-chan – Sorriu para mim.

– Não precisa me agradecer, senhorita.

– Preciso sim – Se virou pegando sua própria mochila e colocando sobre as costas – Você vai para o refeitório? – senti uma certa insegurança em sua voz, mas deixei passar. 

– Isso. Alguma problema?

– Não – Ela respondeu baixinho olhando para baixo.  

Sorri recolhendo minhas coisas e em seguida saímos do quarto. 

As meninas já estavam no corredor esperando por mim, Diane tinha sua careta de quem odeia o mundo e mascava um chiclete de menta, Elizabeth olhava para os próprios pés pensando em alguma coisa aleatória. Me aproximei delas com Hinata ao meu alcance, ela me parecia um pouco nervosa e olhava para baixo. 

– Bom dia, meu amores! – Disse sorridente abraçando Diane, e vi ela retribuir meu abraço revirando os olhos. Ela acha que não mas eu sei que ela me ama. 

– Bom dia, Elaine – Elizabeth deu um bocejo antes de me apertar entre seus braços – Olá, senhorita Hyuuga! – Acenou.

– Eai? – Diane moveu a cabeça.

– Bom dia – Ela respondeu.

– Hinata-chan, essas são a Elizabeth e a Diane de quem eu falei. São minhas melhores amigas. Meninas, essa é a Hinata Hyuuga, minha colega de quarto. 

– Legal – Murmurou Elaine. 

– É um prazer conhecer vocês!

– Igualmente – Elizabeth sorriu antes de se virar para mim – Eu também adoraria apresentar a Gelda para vocês, mas quando eu acordei ela já não estava no quarto. 

– Essa gosta de estudar – Diane se espantou arregalando os olhos – Vamos para cantina? Eu tô com fome. 

E saiu andando na nossa frente. No caminho, fomos escutando as reclamações da morena sobre sua colega de quarto dizendo o quanto seu perfume tinha um cheiro horrível, cumprimentando nossos colegas que ainda não tínhamos visto, e também comentando sobre coisas normais do dia a dia. Coisa bem comum entre nós três. Hinata permanecia em silêncio mas parecia escutar tudo com atenção, as vezes fazia careta e em outras eu via ela segurar o riso. 

Quando finalmente pisamos no refeitório, entramos já fila, que estava pequena, pegando nossas bandejas e nos preparando para o que seria nossa meia hora de refeição antes da primeira aula começar. Eu tinha de admitir que Diane não era a única com fome ali. 

– Algum problema, Senhorita Hyuuga? – Elizabeth perguntou e nós duas nos viramos percebendo que Hinata continuava parada apenas olhando para as refeições.

– Não. Só estou sem fome – Ela negou baixinho balançando a cabeça delicadamente – E por favor, senhoritas, me chamem de...

– Hinata! 

Olhamos por cima do ombro da garota vendo Neji Hyuuga se aproximar acompanhado Meliodas e Zeldris Blossom, atrás deles estava o Pendragon que era famosinho. Mas ele conversava com outras duas garotas e sequer nos deu atenção. 

– Neji – A prima o cumprimentou e nós fizemos o mesmo formalmente. 

– Eai, meninas? Tudo em cima? – Meliodas pegou sua bandeja indo para o lado da Ellie.

– No seu caso, tudo em baixo né? – Ela provocou e o restante de nós riu, deixando o baixinho irritado. 

– Tá cortando fila por quê? – Diane ficou brava o empurrando para fora do seu caminho. 

– Ei! E a nossa amizade? Não conta? – Fez birra cruzando os braços.

– Como é dramático – A platinada revirou os olhos. 

– Bom dia, Elizabeth – Zeldris passou por mim e Diane, segurando a mão da nossa amiga e beijando as costas da mesa. Elizabeth pareceu tão surpresa quanto nós – Está linda está manhã. 

– Obrigada, Zeldris... eu acho – Fez uma careta estranhando aquilo. 

Meliodas fechou a cara e empurrou Zeldris que riu parecendo se divertir com aquilo. O loiro ficou de frente para a mais alta que foi impedida pela segunda vez de pegar uma maçã.

– Ei! Onde está aquela sua colega de quarto gostosa?

– A Gelda? Não sei. Não vi ela ainda, quando acordei já não estava no quarto – Deu de ombros. Sabia que Elizabeth tinha algum interesse romântico no amigo desde muito novos. Ouvir esse tipo de coisa deveria doer. 

– Aposto que ela foi me procurar. Quando vê-la, diga que estou ansioso para conversarmos novamente – Disse malicioso. 

– Se com "conversarmos" você quer dizer "levar outro fora na frente de todo mundo", com certeza ela aceita – Provocou o moreno mais uma vez. Seu irmão partiu para cima dele começando uma briguinha infantil. 

Eu fiquei em silêncio apenas observando tudo. Num geral, Meliodas e Zeldris eram vem respeitosos comigo já que sua amizade com minhas amigas era bem forte e estávamos sempre juntas. Até chegamos a sair todos juntos. Mas eles não gostavam de pessoas da minha classe social e eu sempre achava melhor ficar em silêncio esperando o momento certo para falar, acho que meu namorado e meu irmão fazem o suficiente para irritá-los. Inclusive, os três estavam sentados em uma mesa ao fundo conversando e rindo, como já era costume. Naruto e Ban estavam falando sobre alguma coisa enquanto King resmunagava e fazia caretas. Adoro aqueles idiotas. 

Depois que pegamos nossas refeições, nos despedimos dos gêmeos que seguiram para a mesa do centro – Já que adoravam ser as atenções de qualquer lugar – e nos juntamos a Naruto e o restante de seus amigos. Os meninos podiam não gostar dele e preferir comer com Arthur Pendragom e Neji Hyuuga que estavam no "seu nível", mas nós gostávamos da companhia dos meninos e não víamos problemas em ter os dois grupos como amigos. Até mesmo porque dois deles eram meu irmão e namorado, seria estranho se não nos falássemos. 

– Bom dia, amor! – Ban sorriu levantando da mesa e me abraçando, ele olhou ao redor tendo a certeza de que não tinha ninguém olhando e me roubou a um beijinho rápido – Como você está?

– Bem – Ri de sya travessura me sentando entre ele e o Naruto – Bom dia, meninos!

– Bom dia, tebayo – Naruto fez um joinha com as mãos – Bom dia, senhorita – Ele piscou para a Hinata que ficou vermelha dos pés a cabeça, ela estava sentado entre o King e a Elizabeth, e de frente para o loiro.

– Ohayo – Respondeu baixando a cabeça. 

King parecia incomodado por estar perto dela, e eu já imagino o porquê. Sofrendo tanto Bullying por causa da nossa renda dentro dessas paredes, é sempre difícil tentar entender como pessoas tão ricas comi Hinata Hyuuga não se incomodam em ficar conosco. Mas ela parece legal, e o seu primo também. 

– Bom dia, King! De boa? – Diane perguntou fazendo um High five com ele, com Naruto e por fim com meu namorado. Depois disso ela prestou atenção na comida, mas não antes de resmungar mais uma vez do perfume da Sakura Haruno. 

A rosada não estava no refeitório.

Naruto comia e falava ao mesmo tempo, essa praga come tanto que parece uma esfomeado. Nem parece que nunca passou fome na vida, vai entender?! 

– Estão animados? – Ele perguntou bebendo um gole de suco.

– Não – Ban, King e Diane responderem juntos na maior naturalidade possível. 

– Sim! – Juntei as mãos na frente do peito, suspirando – A primeira aula é do processo Kakashi. Adoro as aulas dele.

Elizabeth e Diane sorriram cúmplices e maliciosas, nos três rimos.

– Eu também gosto – Diane arqueou uma sobrancelha.

– Das aulas, Diane! Aulas – Frisei bem a palavra e rimos novamente.

– Aff. Eu sou muito mais bonito que esse cara – Ban fez uma pose passando seu braço pelo meu ombro – Mas confesso que as aulas deles são as melhorzinhas. 

– São incríveis, a matéria ajuda muito também – Elizabeth argumentou. 

– Você não vai comer nada? – Naruto apontou para Hinata, ela tinha sido a única que não pegou nada da cantina, mas seus olhos não paravam de encarar os alimentos. De um jeito bem sutil, claro.

– Não, estou bem – Sorriu nervosa. 

– A próxima refeição é só na hora do almoço – Ele insistiu, pegando uma maçã de sua bandeja e oferecendo para ela – Coma. Está limpinha, prometo.

Todos olhamos para ela, que pareceu um pouco receosa, mas, por cima, aceitou. 

– Arigatô – Fez uma referência.

– Tá suave, mermão – Respondeu ele sorrindo abertamente. Ah se ele soubesse que seus dentes estão todos sujos de pão. 

Que nojo! E quem fala "Suave, mermão" para uma princesa? Cabeça oca.

Ela soltou um risonho e vi ela dar uma mordida na maçã antes de desviar meu olhar para o outro lado do salão, não demorei para reconhecer a garota que tinha dado um fora no Meliodas no dia seguinte vindo em nossa direção somente com uma caixinha de suco nas mãos. O Blossom estava ocupado demais brigando com Zeldris para notar sua presença, mas todos nós notamos quando ela pediu licença e se sentou ao lado de Naruto que desejou bom dia e também sorriu para ela. 

– Bom dia, Gelda – Desejou Elizabeth. 

– Bom dia – Ela sorriu colocando um fone na orelha esquerda, a música não estava tão alta mas eu conseguia ouvir uma melodia conhecida. Se não me engano, era uma música da banda Akatsuki, adoro o som deles. 

– Perai... – Ban se virou para ela – Você é a que deu um fora no Meliodas. 

Todos olhavam para ela agora.

– Céus, ninguém vai me perdoar não? – Ela parecia séria, mas podíamos sentir um tom brincalhão na sua voz – Parece até que eu parti o coração do cara. 

– Na verdade, é como se você tivesse feito isso mesmo – Eu ri – Meliodas Blossom odeia que machuquem seu ego.

– Ela arrasou, isso sim – Disse Diane – Eu já gosto de você – Apontou e a loira lhe mandou um beijinho no ar. 

– Eu confesso, Meliodas mereceu. Sou o Naruto Uzumaki – Ergueu a mão para ela. 

– Gelda Smith – Respondeu sorrindo e aceitando o aperto de mãos. 

– Harley Xavier – Disse meu irmão em um tom neutro, mas eu sabia que ele devia estar amando ficar na mesma mesa que a pessoa que fez o Blossom passar vergonha na frente de todo mundo.

– É um prazer – Sorriu, e se virou para mim, logo entendi o que ela queria. 

– Elaine Xavier.

– Vocês são parentes?

– Gêmeos – Respondemos em uníssono. 

– Diane Lodge – A morena fez um High five com ela.

– Hinata Hyuuga.

– Bom, eu iria apresentar você para os meus amigos, mas acho que não precisa mais – Elizabeth disse sorridente. 

– Eu já gostei deles – Garantiu colocando o outro fone no ouvido, ela dançava com a cabeça no ritmo da música. 

Quando o sinal de retirada tocou, todos nós nos levantamos e seguimos para nosso destino. Estava muito ansiosa. King, Diane e Naruto estavam conversando sobre alguma coisa da qual eu não entendo. Gelda tinha compartilhado seu fone com Elizabeth e agora elas riam e dançavam juntas pelo corredor. Ban estava com o braço sobre meu ombro, enquanto eu abraçava sua cintura, não deixando grudadinhos. Hinata caminhava pouco afastada segurando um livro nas mãos. 

– Bom – Naruto começou, quando todos nós finalmente entramos na sala de aula – Que comecem os jogos! Deixa acontecer naturalmente – Cantarolou.

.


Notas Finais


"Só uma louca mesmo para querer namorar o Itachi" Eu escolhendo até o vestido de casamento: 🤡

Turu bom com vocês, mores? Tava com uma saudade dessa fic kkkk espero que tenham gostado do capítulo.

Beijos e bebam muita água ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...