História Laços de amor - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Jared Padalecki, Jeffrey Dean Morgan, Jensen Ackles, Mark Sheppard, Misha Collins, Robert Patrick Benedict
Personagens Jared Padalecki, Jeffrey Dean Morgan, Jensen Ackles, Misha Collins, Personagens Originais, Robert Patrick Benedict
Tags Alexander Calvert, Alma Gemea, Amor, Jared Palecki, Jensen Ackles, Jensen Ross Ackles, Mishacollins, Robert Benedict, Romance, Sobrenatural, Supernatural
Visualizações 85
Palavras 2.031
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Literatura Feminina, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 24 - Deja vu


Fanfic / Fanfiction Laços de amor - Capítulo 24 - Deja vu

Por quanto tempo ela estava lá parada?.
Os olhos de Emily queimavam a minha pele.
Rapidamente ela veio na minha direção,ela veio tão rápido que não consegui me defender quando ela desferiu um tapa no meu rosto.
-sua garotinha insolente..devolve-falou raivosa-devolve o que é meu-Ela parecia descontrolada tentando arrancar o anel do meu dedo.-você não pode roubar ele de novo Millie.-falou puxando o anel dos meus dedos.

Ela me chamou de Millie,não a reconheci pois parecia hipnotizada.

-eu mato você..mato!.
Ela o abraçou como se fosse uma criança recém nascida,levou o anel até o peito passando pelo pescoço até os lábios onde passou lentamente ainda no seu transe.
Emily Taylor era louca.

Eu não tinha dúvidas.
Total e definitivamente louca!

-você é louca,Emily?-foi tudo que consegui falar-é só um anel..

-não é um anel,primeiro o anel e depois ele?-ela falava cuspindo ódio-você é uma sonsa...eu sei que você quer tomar ele...você não vai..não vai!.

Nunca tinha visto Emily fora de controle,ela estava irreconhecível e não parecia a doce e odiosa amante do meu tio...os olhos dela injetavam ódio.

Ela me chamou de Millie.

Eu não tive reação até ela tentar avançar em mim novamente,desferi um tapa no seu rosto,um tapa de mão aberta fazendo com que ela virasse o rosto.

Meus dedos estavam marcados no seu rosto.

-você nunca vai ter a vida dela..nunca vai ter a minha vida-falei ficando em alerta,afinal ela poderia revidar.

Emily me olhou com os olhos lacrimejantes é ficou parada,quase em transe me olhando como se eu tivesse feito alguma coisa errada,ela me olhava como se de fato não me olhasse..como se eu fosse outra pessoa.

A única coisa que consegui fazer foi sair correndo de lá enquanto ela falava coisas desconexas.

Eu estava com medo.


-então por isso estava tão aérea na nossa volta lá no jardim?.

-foi,sabe Alex..por um segundo eu temi os olhos dela..toda a obsessão que ela tem com meu tio...é insano.Mais insano é ele não notar que ela é louca!.

-mas ela tem motivos?-ele me olhou sem graça-desculpa Ella ,mas por que ela teria medo você?.Ele é seu tio..e é só anel..uma cópia.

-parecia um anel de verdade,antigo até...não parecia uma cópia.

Todo o clima sexual com tio Jensen passou na minha cabeça,sacudi a cabeça afastando as lembranças..o sonho,ou como era de fato ótimo é quente ter meu corpo colado ao dele.

-a questão é aquele anel,tem alguma coisa naquele anel.-falei roendo a unha do dedo mindinho.

-entendi..-ele sorriu-então eu não preciso perder as esperanças..

Não sabia o que responder Alex era tão direto.

A conversa foi de zero a cem em um segundo.

Foi a mesma coisa no jardim,fiquei sem reação quando andávamos por entre as flores e ele abriu seus sentimentos para mim.

Disse que não parava de pensar em mim, nem o quanto esperou pra me ver,que só não mandou mensagens ou fez uma visita por não saber de fato o que eu iria achar da investida.

Por milagre,quando Alexander estava próximo de mim,próximo o suficiente para que eu sentisse seu hálito adentrando por minhas narinas,May apareceu salvando o dia.

O restante do passeio foi nós três,lembrando das coisas que fizemos durante os tempos de escola...algo supérfluo.

Ainda bem que May percebeu o clima tenso.

Alex andava do meu lado,com as mãos nos bolsos,a tarde estava quente mas com uma leve corrente de ar,quase uma brisa,o que fazia os cabelos loiros escuros dele balançarem.

O que havia de errado comigo?.

Ele era extremamente atraente,fazia o meu perfil e eu estava aqui..falando dos meus problemas com tio Jensen.

Por mais que fosse estranho,por mais que eu estivesse gostando de estar aqui eu ainda tinha os pensamentos voltados para ele,era inegável que nossa relação nunca mais seria a mesma depois do nosso beijo..nunca mesmo.

Respirei fundo,meus cabelos esvoaçantes cobriram meu rosto,não notei,mas era o primeiro passeio oficial na cidade.

Alex segurou minha mão com timidez,entrelaçando seus dedos nos meus e caminhamos assim por mais um tempo em silêncio.

Meu coração ainda estava acelerado,ainda tinha alguma coisa que me incomodava e me deixava irritada,eu só não sabia o que.

Mas todos os pensamentos eram voltados para o mesmo lugar..Jensen Ackles.

Jensen Ackles.

Jensen Ackles..

-que tal um sorvete?.Assim você desestressa um pouco.-ele falou me trazendo de volta do meu devaneio.

-acho que concordo,mas quero ligar antes para casa.

-trouxe o celular?.

-não,pode emprestar o seu?.

-claro-ele me entregou o celular.

-vou pegar nosso sorvete.

Alex me deixou sozinha .

Disquei para o número do meu tio.

Para minha surpresa ele atendeu no primeiro toque.

-onde ela está,moleque?.

A voz dele parecia tensa,ele estava irritado?.

-sou eu Jensen.

-você é maluca garota?.Faz três horas que estou atrás de você?-bufou-onde você está?.

-qual a parte que sua namorada me agrediu você não entendeu?.Eu estou bem,Alex está me mostrando a cidade.

-Quero você agora em..

Desliguei.

Não iria receber mais ordens dele.

De ninguém.

Alex tinha voltado.

-tudo bem Ella?-Alex me alcançou o sorvete.

-ah ele vai sobreviver.

Dei uma boa olhada em volta,não sei se por destino,ou por coincidência eu estava lá.

Melhor a floricultura estava lá,os letreiros gigante de cor alaranjada “FLORICULTURA TAYLOR” pareciam a única coisa na rua.

Alex notou que eu olhava para lá.

-que ir lá?.Conhece alguém lá?

-quero sim..quero.-sacudi a cabeça de forma positiva.

Atravessamos as ruas ainda de mãos dadas.

-quase derrubei meu sorvete Ella.

-desculpa Alex.-falei desacelerando o passo.

Entrei rapidamente,Hotel Califórnia tocava em um velho gravador empoeirado atrás do balcão.

Uma moça de cabelos vermelhos sorriu nos dando boa tarde,respondemos em uníssono.

-aqui é a floricultura Taylor..da senhora Cindy?.

-é sim-ela respondeu fazendo uma bolinha com o chiclete.

-ela está?.

A moça me olhou  com curiosidade, me senti um pouco estranha,alguma coisa nesse lugar era tão familiar,me senti dentro de um sonho.

-eu sou Ella Benedict...ela é sogra do meu tio Jensen Ackles.-falei tentando me explicar.

-ah sim...o namorado na Emily.

“O esposo da Millie”.

-Felicia,deixa que eu atendo-a voz suave da senhora taylor me fez sorrir.-que bela surpresa,Ella.

-senhora Taylor,como é bom ver a senhora-falei me aproximando-meu amigo e eu passamos em frente e por coincidência achei a senhora.

-seja bem vinda-ela me abraçou.

Um sentimento de pesar me deixou triste,não sabia explicar mas estava emocionada.

-esse é meu amigo-falei com a voz trêmula-Alexander Calvert.

-seja bem vindo também.

-obrigada senhora Taylor,é um prazer.

Olhei em volta,memorizado,na verdade decorando,ou melhor relembrando detalhes desse lugar..como se eu conhecesse...como se eu conhecesse esse lugar.

Era um déjà vu..óbvio.

Os olhos da senhora taylor eram tão doces e nada lembrava os olhos frios da filha.

-Cindy..prefiro Cindy.-passou as mãos pelos meus ombros,sorrindo timidamente.

Eu não sabia porque,mas me sentia estranhamente confortável com ela.

-você está abatida,Jensen fez algo?.

-não..só estava passando e tive vontade de entrar.

-ah sim!.É muito bom passear..quando eu era jovem também fazia longas caminhadas com meu esposo.

-não somos um casal-tratei de me explicar.

-ainda-Alex tomava seu sorvete calmamente.-ainda não.

-garoto decidido-ela sorriu.

Queria falar algo depois dessa reação dele, tudo que consegui fazer foi me calar e focar minha atenção na senhora Taylor.

Estava encantada,cada detalhe deste lugar me transportava para outro lugar,era louco de entender,mas nem eu mesma entendia.

O cheiro das flores misturadas,as músicas velhas no rádio e Cindy Taylor..tudo era tão agradável que por segundos esqueci das coisas ruins que tinham acontecido horas antes,era como se não importasse por um segundo.

Conversamos por alguns minutos,Alex e Felícia a garota do caixa estavam alheios às nossa conversa.Era estranhamente agradável ver Cindy falar de como abriu a loja,como sua filha ficou aqui por tanto tempo a ajudando,mesmo depois de casar com Jensen ,não desistiu de cuidar da mãe e nunca a abandonou até sua partida.

-sua filha era uma boa pessoa-falei observando a pequena estufa.

- ela era sim,uma boa mulher.Ficou do meu lado até seu último dia..claro que viajava com o esposo,mas na maioria das vezes ele ficava aqui,os dois na verdade.

-aposto que onde ela estiver está olhando pela senhora.-sorri timidamente-assim como meus pais por mim..

-é o que peço em minhas orações..é difícil sem ela aqui.

-é como é com a Emily?.

Ela me olhou intrigada,não sei porque fiz a pergunta mais precisava saber.

-Emily é mais complicada..ela era muito ligada ao pai,depois que ele faleceu ela ficou mais rebelde..

-espero que ela tenha mudado.

-eu amo minha filhas,todos os pais amam seus filhos..-falou como se isso explicasse as atitudes da filha.

-a senhora deve ser uma excelente mãe..-falei segurando sua mão levemente-eu preciso ir..queria  ficar mais tempo mas preciso ir..

-espero que volte mais vezes..

-eu também senhora Taylor..suas flores são lindas.

-você gosta mesmo de flores.

-gosto sim..desde pequena eu sempre amei.

Trocamos mais algumas palavras de gentileza e eu me fui.

Minha vontade era ter ficado..e eu queria muito isso.



(...)


-que horas são?-falei olhando o céu.

Particularmente estava uma noite bonita e agradável.

-quase nove.

-sério?.-suspirei-nem vi o tempo passar!.

-nem eu.-ele sentou do meu lado.-isso é o nosso primeiro encontro?.

-na verdade é mais uma fuga..eu acho.

-gostei!.

-nem sei como agradecer o dia de hoje,Alexander..você foi muito paciente..

-você precisava.

-nem nos conhecemos bem..

-me pergunte o que quiser-ele abriu os braços-eu respondo o que quiser.-passou as mãos nos cabelos-assim você esquece a loucura que é a sua vida

-quando você faz aniversário?-perguntei casualmente.-você disse qualquer coisa.

-onze de novembro..

-jura?-falei espantada.

-eu saberia minha data de aniversário, não acha?.

-é a mesma que a minha..-falei espantada.

-isso é uma surpresa.

-por que escolheu morar com seu tio?.-estava gostando da brincadeira.

-tá brincando?-ele deu um sorriso de lado-eu amo morar com um cara de quase quarenta que parece ter doze anos..na verdade acho que não era bem vindo na casa da minha mãe..-ele me encarou-parece que o John não gosta muito de mim.

-e ela preferiu ele..sinto muito.

-acredite,nem eu sinto.É como se ela não fosse minha mãe..

-deve ser horrível isso.

-me acostumei.E na sua família,como era?.

-meu pai era o cara mais incrível do mundo..um pouco doido..mas me mimava muito..acredita que ele me deixou fazer uma tatoo quando fiz quinze?.

-sério?.

-muito sério-fiz uma careta-já minha mãe quase surtou..

-nunca convivi com meu pai..não tanto quanto um filho deveria..na verdade Misha é meu pai..como se fosse.

-acho que não tivemos uma vida tão fácil..

-mas superamos.

-não sei,você mora com seu tio ovelha negra.

-ele não é tão ruim quanto parece.

Um arrepio me percorreu por pensar que ele “não é tão ruim quanto parece”,isso só me fazia querer mais e mais…

Jensen Ackles está fudendo meu psicológico de uma forma que eu não conseguia entender.

A briga com Emily,o “encontro” com Alex e com Cindy Taylor só me fez aflorar sentimentos complicados que eu não sabia entender..coisas que no meu íntimo mais profundo estava escondido..tudo acontecia tão rápido,tudo foi tão inesperado desde minha mudança para a casa do meu tio que nem eu mesmo conseguia..

Alex e eu conversamos mais um pouco,lugares,comidas,amigos de infância..foi o que mais falamos.

Embora não houvesse nenhum desejo,nenhuma vontade da minha parte em aprofundar nossa recente amizade em algo a mais, eu me sentia bem perto dele,bem de uma forma peculiar.

As horas passaram tão rapidamente que não notei,eu sabia que não queria voltar para casa nesse momento,embora fosse necessário e principalmente..Jensen me daria um sermão daqueles..

Contra minha vontade acabei indo para casa,para minha sorte passava da meia-noite,não teríamos mais visitas e melhor..ele estaria dormindo.

Amanhã será outro dia e seria melhor para falar com ele.

Alex estacionou o carro na frente da casa,deu a volta e me ajudou a descer do carro.

-obrigada pela noite..pelo dia inteiro..foi bom ter sua companhia-tentei escolher as palavras certas.

-foi um prazer..Cinderela..Ella..você está entregue.

-obrigada Príncipe.

Lá vem..Príncipe..Jensen”.

Eu queria agradecer por ele não falar das coisas que aconteceram,por não falar do meu tio nem da Emily.

Mas do nada ele vinha na minha cabeça,era como se ele estivesse plantado dentro da minha mente.

Por mais supérfluo quem tenha sido nosso passeio eu sabia que teria que voltar para a realidade...a minha realidade neste momento não era das melhores.

Pensar que Emily poderia estar lá dentro me deixou arrepiada até o último fio de cabelo.

Aquele anel..eu tinha que descobrir exatamente o por que ela tinha surtado por causa do anel.

Uma coisa de cada vez e eu tinha uma lista em mente.

-boa noite,Alex-falei o abraçando.

-boa noite,Ella-ele retribuiu,respirando o perfume do meus cabelos.

Alex se inclinou,quase tocando meu lábios.Dei um salto rápido,quase me desequilibrado.

Não consegui falar nada,apenas me afastei acenando.

A dia foi cheio e eu precisava deitar,dormir e amanhã iria tratar de resolver tudo.

Passei pela porta da cozinha assim que tirei os sapatos e deixei Alex acenando e voltando para o carro.

A casa estava tão silenciosa,não me importei fui andando pé a pé até a escadaria.

Uma luz acendeu na sala,ficava de frente para a escada principal.

Me virei rapidamente,e lá estava ele.

Tio Jensen estava sentado na sua poltrona,ele passeava  um cigarro entre os dedos,levou até os lábios e mordeu o filtro,levando aos lábios e liberando a fumaça pelo nariz.

Fiquei imóvel com os sapatos nas mãos,vendo ele sentado com as pernas largadas e só de calça de pijama,sem camiseta.

O jeito que ele me olhava..

Não seria uma conversa agradável.

-pode começar a falar,Ella-falou irritado.-onde você estava com aquele garoto?.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...