História Laços de sangue - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Abo, Bruxa, Bts, Casamento Arranjado, Jikook, Jimin, Jimin!bottom, Jimin!ômega, Jungkook, Jungkook!top, Jungkook!vampiro, Kookmin, Namjin, Taeyoonseok, Vampiro
Visualizações 207
Palavras 1.704
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Uma boa leitura

Capítulo 3 - Terceira Mordida


Fanfic / Fanfiction Laços de sangue - Capítulo 3 - Terceira Mordida

— Pela enésima vez, Yoongi. Cala. A. Porra. Da. Sua. Boca. 

— Finalmente vou ter algo pra te encher o saco. — falou rindo enquanto seu namorado fazia a refeição em seu pescoço — Qual será o gosto do Jimin? 

— Eu estou interessado mais no irmão. — Taehyung lambeu os beiços enquanto diz em meio ao olhar feio do mais velho — Não me olhe assim, você também quer provar aquele sangue. 

— Não se metam a besta com o Hoseok, o irmão mais velho tem cara de ser bem violento. 

— Está com medinho? — sorriam enorme e taquei a almofada na direção de ambos — Se você puder apresentá-lo, seríamos gratos por toda a eternidade. 

— Vão à merda. Ele é meu amigo, não pretendo entregá-lo à forca. 

Subi para o meu quarto todo escuro e me joguei na cama. Por ainda ser considerado novo e não ter me acostumado muito com a rotina de humanos, então sinto um pouco sonolência ao longo do dia. Eu sou considerado um humano preguiçoso que gosta de tirar uma soneca da tarde. 

Temos formas de inibir a sensação de queimação quando estamos em contato com o sol e a coceira na garganta por conta da sede de sangue, mas a sonolência ainda permanece. Aliás, não pensem que não podemos nos alimentar com comida normal porque somos capazes de ingerir pequenas quantidades. 

Vampiros existem desde que nosso Pai, um homem que foi amaldiçoado e expulso do Inferno junto com sua mulher, tentou tirar o reino do governante. É um pecado que nos fará lembrar que não devemos tomar posse de algo que não é seu sempre que tocarmos em algo muito quente. 

Eu sou o que consideram como Nobre, por ser descendente direto do Pai, então sou mais tolerante e não sinto tanto desejo por sangue, mas aqueles que nasceram entre um cruzamento de nobres com humanos ou humanos que foram transformados por nobres precisam se alimentar ao menos uma vez por semana ou enlouquecem. 

Fui desperto dos meus pensamentos quando um miado alto se fez presente em meio ao silêncio e meu gato pulou na minha barriga.

— O que foi? — recebi o miado como resposta, a cabecinha se esfregando no peitoral — Você quer carinho, Soul?

O coloquei pra deitar ao lado, acariciando sua cabeça e barriga em meio aos olhos já pesando. Acabei adormecendo sem perceber. 

(...)

Uma semana se passou depois da festa do conselho comunicando a todos sobre o acordo entre famílias e a quantidade de visitas noturnas que recebemos em casa não era brincadeira. 

Alguns aconselhavam continuarmos fechados aos Park e outros mostravam total apoio ao acordo, mas de nada adiantava quando quem mandava na porra toda era o meu avô. Ele não apenas faz parte do Conselho como também é o representante da nossa espécie na Tríade. 

Hoje, sendo um sábado à noite, tive que cancelar uma live por culpa de toda essa trapalhada das famílias se unindo para um casamento. O pior de tudo: nosso casamento já estava marcado para o final do mês e hoje era o jantar de noivado. 

Terminei meu banho sem um pingo de vontade e vesti a roupa social, pensando em formas de fugir sem ser notado. A primeira opção era pela janela, mas mal a abri e dei de cara com Taehyung acenando lá de baixo com um sorriso, indicando que era o guarda-costas da minha janela.

Tentei fugir por todas as janelas dos outros cômodos, mas sempre tinha alguém de vigia, irritando-me até desistir.

— Mesmo que consiga sair da nossa marcação seu avô colocou guarda-costas espalhados num raio de 3 km. — minha mãe apareceu sorrindo, terminando de arrumar todo seu cabelo para um único lado — Melhor não irritá-lo, Jungkook. Parece que houve uma discussão mais cedo na nossa Central.

Central é o lugar que chamamos onde acontecem as decisões de cada espécie. Se vovô discutiu então é porque houve alguém que mostrou desconforto em relação ao meu casamento. Seja lá quem for, tem o meu total apoio.

Quis ir com meu próprio carro, mas fui obrigado a entrar no do meu pai. Taehyung insistiu em ir conosco porque segundo ele "já é da família", então acabou ficando apertado porque tanto meu irmão como cunhado sentaram cada um do meu lado pra irritarem com as demonstrações de afeto. 

Ameaças nunca serviam porque ambos são mais fortes, o jeito foi aguentar em meio a cotoveladas. O caminho era um pouco longo, pois a família Park residia numa área afastada da cidade, mas decidi tirar uma soneca pra fingir que não existo e acalmar os nervos. 

Moravam num condomínio fechado e que descobri ser habitada somente pelos seus familiares. Imagina viver num lugar assim, sem um pingo de privacidade; ficaria louco. Para a minha surpresa, todos nos esperavam na entrada da casa. Uma enorme casa e que lembrava muito aquelas de florestas.

— Bem vindos à nossa casa. — uma mulher sorridente nos recebeu e logo atrás estava o patriarca se aproximando

— Jeon. — o Sr Park esticou a mão para o meu pai e ambos se encaravam com uma cara sem muita expressão, dando passagem para nós

Jimin estava sorridente perto da porta e fez um pequeno aceno com a mão, mas foi puxado pelo irmão mais velho pra que ficasse longe de mim. Esse grandão fedido não deveria nem se preocupar porque não tenho um pingo de interesse em lobos, logo seu irmão estará a salvo das minhas presas.

Hoseok desceu as escadas em seguida, correndo e balançando um cabo USB até bater com tudo nos meus braços. Foi uma atitude tão repentina que dei um pulo pra trás e as unhas acabaram crescendo instantaneamente pronto pra atacá-lo. Todos os lobos da casa entraram em alerta e a única coisa que percebi foi o olhar mortal da minha mãe mandando me controlar.

Ficou um clima tão pesado que já pensava no acordo entre as famílias sendo dissolvido, mas Hoseok se aproximou e apaziguou o ambiente.

— Seu puto! — o humano gritava — Como é que vou editar o seu último vídeo com você usando só cueca? — tentei lembrar o último que havia lhe mandado e acabei rindo por ser verdade 

— Foi mal, eu tinha acabado de tomar banho e me chamaram pra uma partida. Não ia dar tempo de colocar roupa.

— Mas tempo pra ajeitar a porra da câmera teve. 

Com todo mundo mais calmo, acabei sendo puxado para o quarto do Hoseok e sendo seguido pelos outros dois irmãos mais o Yoongi e cunhado. Esses dois últimos nunca conversaram com ninguém aqui do meio e mesmo assim nos seguiram; o que caras de pau atrás de sangue fresco não fazem, não é mesmo?  

Agora pense num quarto enorme e com três computadores espalhados pelos cantos, uma cama enorme e confortável ao lado da janela e um pequeno guarda-roupa de madeira maciço ao lado contrário da porta: é o quarto dele. O ar condicionado estava bem gelado pra não aquecer as máquinas e me senti bem confortável com a temperatura, eis o ambiente que gosto.

Fui direto para um dos computadores que estava aberto na edição, dando de cara comigo sentado provavelmente xingando algo e com uma espécie de adesivo na parte da cueca.

— O que você está reclamando? Olha aí, já resolveu o problema e ainda me bateu com o cabo. 

— Não é porque eu consigo resolver que você pode abusar da minha boa vontade.

— Isso mesmo, Jungkook. — o traíra do Taehyung concordava — Como você pode ser tão insensível com ele? Aliás... — se virou para o meu amigo com um sorriso e esticou a mão — Prazer, eu sou o Taehyung, cunhado desse idiota.

— Fique longe dos meus irmãos. — o tal Chanyeol entrou na frente antes que Hoseok pegasse na sua mão — A gente sabe como sanguessugas adoram um sangue fresco.

— Pare com isso, Chanyeol hyung. Eles só estão sendo gentil. O que o Jungkook vai pensar de mim?

Jimin estava com cara feia enquanto o mais velho tentava se desculpar. A verdade: eu não me importava com a imagem do ômega, afinal só estava ali por conta de um acordo. Por isso achei certo pedir pra conversarmos a sós e deixar claro o que pensava sobre nosso casamento. 

Jimin aceitou mesmo a contragosto do irmão mais velho. Indicou a varanda e puxou a porta de vidro, esperando que passasse para assim fechá-la. 

Podia ouvir seus batimentos cardíacos bem acelerados; ele estava bem nervoso.

— O que você acha sobre esse casamento? — apoiei os braços na grade de ferro, olhando para todas as casas menores ao redor — Está tudo bem pra você seguir o plano dos mais velhos?

— E-eu não tenho nada contra. — o olhei e ele me encarava com um pequeno sorriso — Graças a isso eu pude encontrá-lo. Parece surreal estarmos conversando nesse exato momento.

Suspirei derrotado.

— Eu posso ser sincero com você? — concordou rapidamente num aceno — Eu não quero me casar. 

— É por minha causa?

— Não. — o assegurei. Ômegas tem a tendência de se colocarem para baixo quando rejeitados e eu já sou conhecido como alguém que não tem paciência, aí já viu — Só não acho correto. Deveríamos ser nós quem escolhe nossos parceiros, não por um bando de velhos que só pensam no melhor para eles.

— Hm... Entendi.

Toda a sua alegria havia ido embora, e era claro que foi pelo o que disse. Jimin chegava a ser quase como aqueles meus seguidores histéricos que faziam basicamente juras de amor eterno sem ao menos me conhecer além do que veem nos vídeos; Hoseok ainda reforçou a ideia na última vez. 

O ômega estava tão sem graça que começou a abaixar a cabeça e não mais olhar pra mim, parado no mesmo lugar sem ao menos mexer um músculo. Olhá-lo desse jeito parece até que eu sou um monstro que acabou com a sua vida, e poderia até ser, mas ainda continuo achando que estou certo.

Coloquei a mão no topo da sua cabeça como um pedido de desculpa silencioso, tendo o olhar curioso sobre mim. Se ele realmente nutre algum sentimento por mim, então vou fingir que não sei de nada até que confesse para não magoá-lo.

Com o casamento já marcado e hoje sendo um jantar de noivado, então só espero que possa ter uma boa convivência com o lobo.

Ao menos deixei clara a minha opinião.


Notas Finais


A partir do próximo as coisas vão começar a esquentar~

Desculpa a demora, acabei demorando para atualizá-la por alguns motivos pessoais.
Acredito que agora consiga voltar normalmente com as postagens~

Deem uma chance para minhas outras fics, são todas Jikook:

*O preço do orgulho (ABO):
https://www.spiritfanfiction.com/historia/o-preco-do-orgulho-abo-13262837

*11:11 (OS):
https://www.spiritfanfiction.com/historia/1111-13236325

*Eu te amo (ABO):
https://www.spiritfanfiction.com/historia/eu-te-amo-13196081

Curiouscat pra quem quiser conversar comigo: https://curiouscat.me/byun_unicorn

Beijos de morango!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...