1. Spirit Fanfics >
  2. Laços Eternos Furry: Segunda Temporada >
  3. Capítulo 8: Amor incessante

História Laços Eternos Furry: Segunda Temporada - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Mais um capítulo pra vocês, ainda estou ocupado com as atividades mas não vou desistir da minha fic. Boa leitura

Capítulo 8 - Capítulo 8: Amor incessante


Fanfic / Fanfiction Laços Eternos Furry: Segunda Temporada - Capítulo 8 - Capítulo 8: Amor incessante

Cayde On

 

Ufa, finalmente hora de ir pra casa, eu me sentia sufocando dentro da faculdade, estranhamente, os alunos ficaram me olhando bastante, será que eles ja sabiam? Ou eles estava estranhando meu modo de agir, já que eu ficava batendo meus dedos em cima da mesa e permanecia inquieto. Eu não sei... Será que os outros furrys devem achar estranho um macho engravidar? Ou será que não, já que sou um ômega e ômegas machos podem engravidar. Droga, minha mente está uma bagunça.

Tantos pensamentos e uma vontade imensa de transar. Tudo culpa por ser um ômega, mas não reclamo nem um pouco de ser quem sou. Ao entrar no carro e sentar no banco do motorista, um alívio imenso percorreu meu corpo, como se eu estivesse seguro dentro dele de todos aqueles olhares que eu imaginava serem direcionados a mim. Deitei minha cabeça no volante com cuidado para não ativar a buzina do veículo e chamar mais atenção do que recebi hoje.

Continuei com minha cabeça ali por um tempo, apenas... Pensando em como as coisas mudam em pouquíssimo tempo. Sou desperto dos meus pensamentos pelo som da chuva que batia na lataria do carro, olhei pela janela e via os alunos restantes saindo as pressas da faculdade. Peguei meu celular e liguei pro Chris, mas o mesmo não atendia, devia estar ocupado com alguma coisa. Senti a dor do cio me fazer efeito e um baixo gemido escapou de mim, mesmo com todos esses anos sentindo essa dor, eu ainda a sentia e sempre forte como sempre. 

Respiro fundo me recuperando do efeito e me olho no retrovisor do meio. Vejo meus olhos brilhando em vermelho, porém, vejo também que em meu pescoço, havia algo como se fosse pintado de azul, passei minha pata sobre a estranha tinta mas não tinha nada lá, pisquei um pouco meus olhos e sacudi minha cabeça pra voltar às raciocinar direito.

Me olhei novamente e... Estava normal, meus olhos azuis como safiras e nada da estranha tinta em mim.

-Hurrf, eu devo estar cansado -Bufei para mim mesmo, estava vendo coisas? Minhas patas estavam meio trêmulas e minha respiração começou a acelerar um pouco -Melhor ir logo pra casa -Assim eu fiz, girei a chave no contato ligando o veículo e saindo da faculdade

Durante o caminho, eu tive que dar a volta, por causa que havia caído uma árvore no meio da pista. O problema era que a chuva se tornou mais forte, eu podia sentir a agressividade no qual os pingos dela batiam na lataria, fazendo um alto barulho ecoar pelo carro. Comecei a ficar meio tonto e as dores voltaram com tudo... Merda, eu preciso tomar a porra do remédio, aproveitei e estacionei o carro e começando a tatear o porta luvas do carro em busca da minha cartela de comprimidos e eu a achei... Vazia. Meu desesperou aumentou um pouco e mais um gemido escapou de minha boca. Tirei o cinto e comecei a revirar o carro de cabeça pra baixo só para encontrar um comprimido para acabar com minha dor e agora junto ao desespero, me veio o enjôo. 

-Cacete... Tem como piorar? -Me perguntei parando de procurar o remédio e saindo do carro e o trancando, vi uma lanchonete aberta, devia ser aquela que ficam abertas 24 horas, fui de maneira apressada até lá cruzando a porta do estabelecimento e correndo com meus olhos até achar o banheiro no qual eu entrei e nem tranquei a porta já preparando para a sensação horrível de vomitar

Aargh, vomitar é muito ruim, mas por incrível que pareça, quando vomitei, parece que as dores do cio se cessaram. Após colocar pra fora meus rins, fígado e coração, soltei um suspiro aliviado. Dei a descarga e o cheiro já empesteou o ambiente, urgh que nojo, melhor sair logo daqui. Lavei minhas patas e boca na pia do banheiro saindo do mesmo logo após isso. Fui até o balcão onde  me sentei nele.

-Boa noite, vai querer alguma coisa? -Me perguntou um coelho que era um dos atendentes

-Um café descafeinado por favor e um... Não só isso mesmo -Falei e ele se retirou dali assentindo com o meu pedido

Só agora que eu fui notar, haviam outros furrys no local, mas não eram tantos assim. Eu me olhava no vidro que havia ali na minha frente, passei uma pata pelo meu rosto e dei um longo bocejo. A chuva estava mais fraco, ainda bem, olhava lá para fora e eram possível apenas ter de luminosidade, as luzes do postes na rua e uma lojinha de penhores que... Teve algo que me chamou a atenção.

-Senhor... Senhor...

-Ah, o-oi -Falei sem jeito, a quanto tempo será que ele me chamava 

-Eu esqueci de perguntar, era pra viagem?

-Sim

-Ah, então dei sorte  hihi -O coelho sorriu pra mim -São 4,90

-Barato... -Lhe dei uma nota de 10,00 que tirei da minha carteira -Pode ficar com o troco, tenha uma boa noite -Me levantei pegando meu café e saindo da loja sentindo apenas a garoa sobre mim

Atravessei a rua indo até a loja de penhores. Lá dentro, mais específico pendurado na parede, estava o que me chamou a atenção, um belíssimo arco recurvo e olhe só, aljava... Será que vem junto? Estava apenas olhando pelo vidro da loja e entrei no estabelecimento fazendo com que o sonho da porta, soasse pelo ambiente. Um grande Dobermann saiu de uma das portas e sorriu de canto para mim.

-Boa noite, é difícil vir cliente a essa hora, algo aqui lhe interessou? -Ele não desviava seu olhar de mim

-Sim... -Apontei com meu dedo, e o vendedor o acompanhou com os olhos

-Hummm, olha rapaz, eu iria acabar descartando ele da minha loja amanhã, ninguém vem aqui pra comprar um arco, e como seria amanhã, eu vou fazer um preço bem razoável pra você

-Eatou ouvindo

-O que acha de... 950,00

-E que tal 900,00? -Sugeri e ele pensou por um tempo

-Okay, pode ser... Nós não aceitamos cartões -Engoli em seco, ele leu meu pensamento? 

-Eu não esse valor agora aqui comigo -O Chris vai me matar....

-Então vamos fazer o seguinte, você tem até 12:00 pra trazer o dinheiro, e o arco é seu, fechou?

-Fechou -Apertei a pata dele... Agora só consigo imaginar a bronca que vou levar do meu alfa

Olhei uma última vez para o arco recurvo e sai da loja, ainda com o café nas patas, eu entrei no carro virando-o na garganta logo de uma vez. Liguei de novo o veículo e fui pra casa.

Ao chegar, estava tudo escuro dentro de casa, destranquei a porta com minha chave e entrei. Não haviam ruídos ou barulhos por lá, apenas o silêncio que reinava. Fui até o quarto e me joguei na cama sentindo meus músculos relaxarem aos poucos e finalmente sentir que vou poder descansar.

É ruim hein, mais uma leve pontada foi o que eu senti em minha entrada querendo ser preenchida. E pra piorar, o Chris não estava em casa... É... Acho que vou transar com ele, vai que a bronca seja menor pro meu lado e eu não me sinta mal por isso. Mais uma pontada, só que essa foi como se alguém me chutasse de dentro. O único chute interno que quero sentir, é do meu filhote que ainda não tem nome....

-É mesmo, ainda não parei pra pensar no nome humm... Gary? Taylor, acho tão bonito, Diego? E uma junção do nome do Chris com o meu... Chris Hernandez? Cayde Mason? Preciso decidir isso com o alfa. Aí porra! -Gemi em dor pela outra pontada

Minha entrada vazava lubrificante e meu membro já de endurecia.

-Aahh -Meu corpo esquentava e eu tirei toda a minha roupa tentando manter apenas a cueca, mas ela apertava meu membro então tive que retira-la também

Minha entrada vazava lubrificante que atingiam os lençóis e o cobertor na cama, meu membro liberava pré gozo, estava ofegante e quente. Meu rosto escorria suor e meu coração estava acelerado. Agarrei meu membro e comecei a me masturbar devagar. Lambuzei três dedos de minha outra pata e deixei eles bem molhados com minha saliva inserindo eles em minha entrada.

-Aanh Chris... Hunnf -Me masturbava imaginando o husky me fodendo -Ohh -Acelerei os movimentos, tanto na minha pata que me masturbava e também nos meus dedos que me penetravam 

Não era o suficiente, eu quero mais... Eu preciso de mais... Eu preciso do Chris.

-Pois eu estou aqui meu amor -Ao ouvir essa voz, eu imediatamente parei o que estava fazendo e olhei pelas minhas pernas que estavam abertas, ali estava ele, meu alfa sorrindo maliciosamente, meu rosto com certeza se avermelhou -Então... É meu pau que você quer meu lobinho? -Ele foi subindo na cama e ficando por cima de mim, nosso contato visual me hipnotizada -Responda ao seu alfa

-S-sim... Eu... Eu quero -Disse e ele logo me atacou na boca com seus lábios em um beijo selvagem e frenético

Suas patas logos deslizavam possessivamente o meu corpo além de apertar meu corpo inteiro. Ao se separar do beijo, o maior começou a morder o meu pescoço.

Minhas patas tocavam os músculos do alfa que possivelmente arrancava gotinhas de sangue do meu pescoço e lambia limpando o líquido vermelho. Meus gemidos já eram meio audíveis e sentia o alfa roçar seu membro coberto em mim. Ele se pôs de pé novamente.

-ANDA ÔMEGA, TIRE MINHA ROUPA -Ele usava sua voz de alfa, eu apenas concordei e me ajoelhei na frente dele. Comecei pela camiseta dele que não dizia mais nada.

Ao ver seu peitoral e abdômen a mostra, meu tesão apenas aumentou e meu membro pulsou, Chris então levou minha pata até seu peito ondeu eu acariciei sentindo sua musculatura que me excitava tanto. O maior apenas sorria sacana pra mim que apenas devolvia do mesmo jeito, apertei aquela área e ouvi um suspiro de parte dele.

Queria sentir mais, então levei meu rosto até lá onde eu destribui beijos lambidas, mordi com minhas fortes presas.

-Cayde... Mmf -Ouvia ele gemendo e suspirando

Desci mais até seu abdômen chupando e beijando seu tanquinho definido. Ele levanta meu rosto pelo meu queixo e me olha nos olhos.

-Está esperando o que amor... Me beije com toda... -Ele mais uma vez foi agressivo comigo e me beijou enquanto me pegava no colo mas antes retirando seu cinto

O maior bateu minhas costas na parede e voltou ao meu pescoço, rodeeei minhas pernas atrás do maior que apertava minha bunda e separava e juntava minhas nádegas. Ele estava selvagem... Como eu na maioria das vezes gosto e essa é uma dessas vezes. Eu gemia próximo ao ouvido do husky que não me desgrudava de nada. Com meus pés, eu empurrei sua calça pra baixo e parece que isso animou ainda mais o husky que agora roçava sua cueca em minha entrada.

-Sente ele... Não sente? -Perguntou ele com sua voz rouca e sedutora roçando seu pau em minha entrada já que ele separou minhas nádegas uma da outra

-S-sim alfa... -Meu lubrificante não parava de sair e consequentemente sujava o maior que não reclamava -A-ahh -Gemi pois ele passou suas garras em mim, sutilmente ele desencostou minhas costas da parede apenas para beter de novo, ouvia ele rosnando isso queria dizer que ele era guiado pelos seus instintos

-Quanto lubrificante amor.... Seu cuzinho deseja tanto minha rola te penetrando... -Simulou uma estocada com seu membro coberto -Te arrombando com toda minha força?

Olhava ofegante para o maior que ofegava também, nos beijamos de novo e travavamos uma guerra frenética de línguas. Chris me levantava e eu abaixava sua cueca sentindo seu membro ejetar e tocar minha entrada. O alfa retirou sua cueca e sua calça por completo sem me largar. Ele me posicionou em seu pau e sem permissão, ia descendo meu corpo por toda sua extensão, mordi o ombro do husky para conter meus gemidos de prazer, já que, isso era o que eu queria desde o começo. 

-Grrr... Mmff... Que cuzinho apertado e gostoso -Disse roucamente e deixando todo seu membro dentro de mim

Me sentia cheio, meu desejo era esse, agora vem a melhor parte. Ele logo de início mexia sua cintura pra frente e pra trás lentamente, ainda estava apoiado na parede e sentia ele indo devagar porém indo até o talo e seu nó querendo entrar dentro de mim.

-Ããnn Chris...

-Seu lobinho delicioso... Quero te encher todinho... Haahh -Ele parou de se mexer e m deitou na cama. Abri minhas pernas e ele lambeu os próprios lábios, devia estar se deliciando por estar tão exposto para o maior

Ele levantou meu corpo e farejou minha entrada me deixando meu constrangido, isso até sentir uma longa lambida em minha entrada. Fechei meus olhos desfrutando a sensação da língua do maior acariciando e penetrando minha entrada. 

-< Até o gosto do seu lubrificante é gostoso amor... Tudo em você é >-Disse ele se auto corrigindo

-Alfa, volte a me fuder... Me dê o que eu quero -Implorei fazendo manha, o maior parou de lamber minha entrada e agarrou firmemente minhas coxas -Mmff -Suspirei pelo forte aperto que ele me deu

-Então... Você terá o que quer... Ômega -Posicionou seu pau em mim de novo e mais uma vez, entrou de uma vez só mantendo apenas o knot de fora, mas ainda sentia ele querendo entrar dentro de mim. Sentia sua força bruta investindo contra mim

Meus gemidos eram mais altos do que antes, meu corpo se divertia com a sensação de ter meu alfa me fodendo, minhas próstata era sempre atingida e isso me fez gozar mais uma vez, sujando meu corpo, incluindo meu rosto onde o maior lambeu com sua língua.

-Mais... Alfa... Me dê aaaahhh mais -Ele sorriu malicioso pra mim e abraçou meu corpo jogando seu pescoço em meu ombro

Ele repirou um pouco fundo, antes de me foder novamente sem dó nem piedade. A velocidade com qual nossos corpos se chocavam junto e a força que ele investia, fazia o som ecoar pelo quarto junto com meus gemidos altos

-Chris aaarrrgh mmmff -Eu mordia meus lábios tentando conter os meus sons mas era em vão, estava entregue a ele e a luxúria que já me dominavam, ele não parava de ir com tudo isso impedia de eu ter um segundo sem sentir seu pau entrando e saindo freneticamente de dentro de mim. Ele não gemia pois estava ocupado de mais mordendo meu ombro.

-Grrr ômega... Você é tão gostoso eu... Haaa eu vou te encher com minha PORRA -Sem avisos de novo ele me enfiou o knot 

-AAANNN ALFA! -Gritei por ele ter entrado em mim e também por ele ter me feito gozar novamente

O maior mesmo dentro de mim, ainda fazia um pouco de força empurrando e sentia minha barriga crescendo pela imensa quantidade de esperma que era depositado em mim. Nós dois recuperação nossos fôlegos que tanto perdemos no ato, ele beijava e lambia meu pescoço e rosto. Até que eu beijei ele apaixonado por uns 30 segundos devido ao oxigênio que não havia voltado ainda. Mesmo com minha visão um pouco embaçada, conseguia ver meu alfa e algumas estrelas e de resto, não via nada, apenas Chris e eu estávamos presente no universo. Jatos de sêmen saiam do pau do maior que gemia a cada jorrada.

-Ummf estou... Cansado hehe -Sorriu brincalhão pra mim que apenas revirei os olhos

-Estou marcado por um bobão -Disse e ele deu um tapa na minha bunda -Okay desculpa -Ficamos trocando selinho até que ele se deitou na cama enquanto estava atado a mim, encostei minha cabeça no peitoral do alfa que afagava minha cabeça delicadamente, hora do pedido -Amor... -Olhei o alfa nos olhos

-Diga meu lobinho... -Aargh, essa voz dele e esse olhar me hipnotizavam

-Eu... Preciso de... $900,00

-Vai comprar o que? Uma bicicleta? Pra que precisa de tanto dinheiro -Obviamente ele estava confuso

-Bem... Eu vi um... Arco e flecha... Faz isso por mim amor?

-Vai me flechar? Não obrigado, você não vai comprar um arco e flecha -Deviou o olhar de mim

-Aaa vai amor... Por favor, a gente transou agora... E depois eu compro o arco

-Então você estava me enrolando Cayde? -Voltou a olhar pra mim querendo me repreender

-Não foi isso o que eu quiz dizer, eu só quero ele... É um belo arco recurvo... Compra pra mim vai

-Não

-Então me dá o dinheiro que eu compro

-Não

-Tsc, seu chato... Amor... Eu só tenho até o meio dia pra pegar o arco, caso contrário ele vai descartar... Vai amor -Comecei a sacudir ele um pouco que resmungou alguma coisa

-Tabom tabom, eu deixo -Revirou os olhos e eu beijei seu peitoral

-Obrigado obrigado obrigado Chris eu te amo -Apertei o maior

-Ta tá tá... Eu também te amo 

-Ah Chris, seja romântico

-Tsc okay, eu também te amo meu lobinho lindinho, fofinho, amavelzinho, carinhosinho...

-Okay, chega, isso é muito meloso

-Meu gozo também é meloso haha

-Idiota -Falei e ele me deu um selinho demorado -Te amo

-Eu também te amo

Estava muito feliz, consegui o que queria, não tudo... Queria um segundo hound... Mas até agora está tudo ótimo.

-Cayde... Será que vc agora... Tem chance de ficar gravido de novo, tipo... Meu esperma te faz engravidar em dobro?

-Cala a boca a vamos dormir, depois a gente vê isso amor -Ele assentiu depois que eu o abracei, repousando minha cabeça sobre seu peito aconchegante e caloroso.


Notas Finais


Obrigado a todos que estão lendo, comentando e favoritando. Vocês são d+ e até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...