1. Spirit Fanfics >
  2. Ladrão; >
  3. One Shot

História Ladrão; - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Essa é a primeira vez depois de muitos anos que eu parei pra realmente escrever algo. Não sei se seria o recomeço para voltar a escrever, mas apenas gostei um pouquinho e resolvi postar, espero que gostem também. 🤍

Eu sou muito apaixonada em Seongsan, Woosan, Seongwoo, então provavelmente, se voltar a escrever, devo seguir por esses shipps. Obrigada desde já!

Capítulo 1 - One Shot


Fanfic / Fanfiction Ladrão; - Capítulo 1 - One Shot

Choi San não aguentava mais; desde seus 16 anos — lembrando que agora possuía lá seus 20 anos de idade —, o garoto trabalhava naquela bendita loja de conveniência, no turno de 20 às 04 da manhã. Claro que isso lhe carregava muitas noites mal dormidas e dificuldades em sua época de escola, mas também foi por seu emprego que conseguiu pagar sua faculdade de moda. Sim, moda, porque além de tudo, Choi San se achava o próprio Karl Lagerfeld, o próximo dono da Chanel ou coisa do tipo. Mas tudo ia embora quando olhava ao seu redor.

Céus.

San tinha seus 20 anos, cursava moda, mas trabalhava numa loja de conveniência. Em que mundo o garoto conseguiria destaque de uma hora para outra para se tornar alguém influente? Além de ser novo, havia aprendido na faculdade que era um ramo extremamente elitista. Se não tem dinheiro, visibilidade menos ainda.

Seus pensamentos foram interrompidos pelo som do microondas, avisando que seu lamen estava pronto. Ah, aquele bendito lamen. Abriu o aparelho e retirou com cuidado o pote quente, se sentando na mesa e pegando o hashi, misturando o macarrão ao caldo. Só o cheiro que subiu era o suficiente para lhe embrulhar o estômago, não aguentava mais sentir o cheiro do caldo de legumes, misturado a frango e alguns temperos estranhos, já que aquela havia sido sua janta por… adivinhe. Sim, 4 anos. Colocou a primeira porção do macarrão na boca e já pode sentir sua vida perder alguns meses e com sorte, sequer chegaria aos 30, de tanto tempo que comia aquilo.

Na verdade, era triste.

O garoto nunca fora de ter muitos amigos e normalmente os poucos que tinham nunca duravam muito tempo. Quando não estava no trabalho, estava estudando ou ajudando sua mãe no pequeno restaurante dela, que mais dava prejuízo do que qualquer outra coisa. Enquanto as pessoas de sua idade saíam para festas, baladas e resenhas, tudo que San fazia era ficar sentado na loja de conveniência e esperar alguém entrar, fazendo em seu pequeno caderno, esboços de roupas.

Assim que terminou de comer recolheu as coisas, odiava que o ambiente ficasse bagunçado, porque sempre sobrava pra ele. Os trabalhadores dos turnos anteriores sequer se importavam em manter o local em ordem, fazendo com que San tivesse trabalho em dobro, sem ao menos ganhar por isso.

Pegou seu celular e ficou mexendo no mesmo por um tempo. Em dado momento acabara por se distrair tanto com aqueles típicos vídeos de "5 minutes craft" que sequer ouviu o sino da porta tocar, apenas de dando conta quando uma movimentação muito suspeita o fez erguer os olhos.

Levou um susto assim que viu uma pessoa com um capuz preto em sua frente, tentando tomar o celular de sua mão. Deuses, nem fodendo que ele levaria aquele celular, suou muito para comprá-lo. Segurou o aparelho de modo forte em suas mãos e disputava a força com o outro rapaz, que tentava a todo custo roubá-lo.

Em meio a tanta agitação e confusão, San estava perdido e não sabia bem o que fazer e como agir quando de repente puxou o assaltante pela gola do casaco, juntando seus lábios. Quase instantaneamente a guarda do bandido abaixou por completo, fazendo com que o Choi aprofundasse aquele contato, iniciando um ósculo. Era com certeza a maior loucura de sua vida.

O beijo não durou pouco mais que alguns segundos, fazendo que ao fim dele, San encarasse totalmente confuso o rapaz a sua frente, que aparentemente desistiu do assalto e saiu apressado dali, com uma pressa jamais vista.

Aparentemente Choi San ficou em estado imóvel por umas incríveis 2 horas, já que nem se deu conta quando o próximo atendente chegou, o tirando do transe. Lhe deu boa noite e sem falar mais nada apenas pegou sua bicicleta, indo a caminho de sua casa, com os pensamentos no rapaz assaltante.

^°^

Duas semanas se passaram e o tal do assaltante não apareceu. Não que San esperasse alguma coisa, sabia que provavelmente o garoto sequer pisaria na conveniência novamente, o que não queria admitir, mas o deixava um pouco triste. Talvez estivesse um pouco hipnotizado por ele e além de ladrãozinho de celulares, de certo ele era um ladrãozinho de pensamentos. Havia tomado quase todo o espaço que San tinha disponível em seu cérebro para "momentos de ficar no ócio" fazendo com que até mesmo ele tentasse desenhar o dito cujo de todos os ângulos que ele lembrava.

A realidade é que estava completamente morto por dentro e precisava de um café. Isso, um café lhe faria acordar e voltaria ao seu estado normal. Caminhou por alguns metros até encontrar uma cafeteria do outro lado da rua e não demorou em atravessar, agradecendo aos céus por ter começado a chover assim que entrou no estabelecimento. Pelo menos ali estaria protegido até a chuva passar, já que sempre se esquecia do guarda-chuva.

Caminhou a passos lentos até o caixa, já que seu olhar se mantinha no telão com o cardápio, vendo os diversificados tipos de café, aquele sim era o paraíso.

– Boa tarde… eu vou querer um frappucino…– Começou a falar, tirando o olhar do telão e o levando até o caixa, levando um susto ao ver quem era.– VOCÊ! – Exclamou num tom de voz alto, reconhecendo imediatamente o rosto que lhe atormentou por semanas.

– E-eu posso explicar! Por favor, o café é por minha conta! Foi um mal entendido!!!! – O garoto falou rapidamente, balançando suas mãos desesperadamente na frente do corpo. San podia muito bem fazer um escândalo e coisas do tipo, mas sinceramente, havia sonhado com a boca do bandidinho desde aquele dia, então achava que poderia ouví-lo. Ponderou por alguns segundos, antes de finalmente concordar.

– Certo…– Falou meio desconfiado, vendo o rapaz, que descobriu se chamar Park Seonghwa pelo crachá em seu peito, sair para falar com alguém, voltando acompanhado de seu amigo, que ficou encarregado pelo caixa.

Seonghwa caminhou até o fundo da cafeteria, se sentando numa mesa acompanhado por San, que mantinha uma distância segura.

– Você sai beijando todo mundo que tenta te assaltar? – Seonghwa perguntou com um risinho, logo vendo a cara fechada do outro.– É talvez não seja hora para piadas ainda…

– Acho que não.

– Olha… eu não ia te assaltar, ok? Eu estava bêbado e meus amigos também, fizemos uma aposta e eu perdi. Eles me desafiaram a fingir aquele assalto e por isso… bom, você sabe.– Explicou calmamente, agradecendo assim que viu Mingi colocar o pedido do Choi na mesa.

– De onde vocês tiraram essa grande ideia????? Podiam ter me causado uma parada cardíaca, sei lá! – Revirou seus olhos, completamente indignado pela falta de responsabilidade de Seonghwa.

– Bom, você também quase me causou uma...– O de fios pretos comentou, ao lembrar San do beijo que havia lhe dado, fazendo as bochechas do rapaz ganharem uma coloração vermelha quase que instantaneamente.

– E-eu... D-desculpa…

– Não, tudo bem...– Riu baixinho.– Não foi de todo ruim. Digo, eu tinha acabado de ver meu ex-namorado me traindo, meus amigos acharam que seria uma ótima ideia beber e eu ainda beijei um rapaz bonito? Foi uma noite e tanto.

– Então... Não foi ruim? – O mais novo perguntou, visivelmente interessado. Já havia percebido a essa altura do campeonato que não precisava de joguinhos entre eles, já que tinham se resolvido em partes.

– Eu gostei…– Seonghwa sorriu, vendo que o amigo lhe chamava no balcão.– Eu acho que tenho que voltar pro serviço…– Pensou por um estante, pegando um guardanapo e a caneta que estava no bolso de seu uniforme, anotando seu número ali.– Até depois…?

– San. Meu nome é San.

– Certo. Seonghwa.– comentou apontando para o crachá.– Até depois, San.– Falou com um sorriso no rosto, enquanto se levantava, caminhando em direção ao balcão.

^°^

Desde o momento da cafeteria, a mente de San ganhou vários novos ângulos para desenhar Seonghwa. Havia salvo o contato alheio em seu celular, mas ficava meia hora encarando a tela do aparelho, pensando se de fato deveria ou não chamá-lo. Talvez fosse uma boa ideia?

Suspirou cansado e apoiou a cabeça entre suas mãos, grunhindo baixinho. Por que a vida era tão difícil???? Ou simplesmente ele que apenas deixava tudo tão complicado? Seus devaneios foram dispersos ao ouvir o sino da loja de conveniência, erguendo o olhar, vendo Seonghwa se aproximar. Diferente da primeira vez, o rosto do garoto não estava coberto, o que causava um alívio no Choi.

– Hum… oi? – San falou, com um sorriso de lado.

– San? Bom, oi… sabe eu acho que…– Seonghwa comentou, sorrindo de lado, se aproximando do balcão.– Eu queira roubar um beijo seu.

E talvez,

Só talvez,

Seonghwa tenha roubado também o coração do Choi.

Park Seonghwa definitivamente era um ladrãozinho.


Notas Finais


Se alguém leu até aqui, muito obrigada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...