1. Spirit Fanfics >
  2. Ladynoir - Uma ajuda do Gatinho - Miraculous >
  3. Se você a machucar...

História Ladynoir - Uma ajuda do Gatinho - Miraculous - Capítulo 22


Escrita por:


Notas do Autor


Um draminha pra variar.
Para uma melhor esperiência, sugiro ler escutando musicas tristes ou dark/edge soundcloud audios.
<3

Capítulo 22 - Se você a machucar...


Fanfic / Fanfiction Ladynoir - Uma ajuda do Gatinho - Miraculous - Capítulo 22 - Se você a machucar...

Cat Noir: Não se preocupe! Eu vou dar um jeito. – Me aproximei, puxando-a pela cintura até tê-la colada ao meu corpo, e pousei-lhe um beijo em seus lábios. – Te amo, gatona!

Ladybug: Também te amo, gatinho!

Assim que nos despedimos, pulei da torre em direção à minha casa. Meu coração estava acelerado, não sabia exatamente como meu pai iria reagir. Era a primeira vez que ele me pega fugindo à noite. Só espero que ele não fique de tocaia pelas próximas noites.

....

Cheguei perto da minha casa e me destransformei em um ponto cego. O portão estava aberto, provavelmente por estarem me procurando. Respirei fundo e adentrei-no. Entrei na mansão e estava vazia. Eu sabia que meu pai não teria saído à minha procura e que poderia estar no escritório. Abri a porta e espiei, procurando por alguma figura humana à minha espera. Enquanto eu tentava enxergar, escutei uma voz familiar atrás de mim.

Gabriel: Onde você estava? – Falou de forma fria. Nem ao menos demonstrou preocupação pela minha ausência.

Adrien: Desculpe, eu... – Respirei e dei-lhe a resposta mais plausível que encontrei na hora. – Eu estava nervoso para o desfile de amanhã e resolvi tomar um ar fresco, só isso. Eu voltei, eu não iria perder o desfile! – Gabriel respirou fundo.

Gabriel: Não era com isso que eu me preocupava. É perigoso para uma pessoa, famosa como você, sair sozinho à noite. Sempre haverá aqueles que terão inveja do seu sucesso e que irão querer te machucar. – Por mais que ele não demonstrasse de primeira, ele realmente parecia preocupado comigo. – Se quisesse ir à algum lugar, poderia ter pedido à mim. Eu teria permitido que seu guarda-costas tivesse te acompanhado. À menos que... você quisesse ter ido à um lugar que eu não permitiria... – Gelei. – Adrien, você foi ver aquela padeira, não foi?

Adrien: Eu... ahn.. e-eu n... – A voz dele, quando dirigida à mim pela descoberta do meu encontro, foi em um tom tão repleto de ódio que eu não queria contar a verdade e acabei gaguejando. Eu estava trêmulo e já esperava o pior.

Gabriel: EU AVISEI QUE QUERIA ELA FORA DA SUA VIDA!

Adrien: Pai, eu amo ela demais! Ela tem um bom coração! Eu até sugeri que fugíssemos, mas ela não quis pois não queria que eu e você ficássemos brigados.

Gabriel: VOCÊ IA FUGIR?! – Acho que esse detalhe eu não deveria ter dito.  – NÃO SEI O PORQUÊ ESPERA QUE EU VÁ CONSIDERAR ESSE RELACIONAMENTO SENDO QUE SÓ VEJO MAUS EXEMPLOS SEUS VINDO SOBRE ESSE RELACIONAMENTO.

Adrien: VOCÊ NÃO ENTENDE! EU NÃO QUERO DEIXÁ-LA! EU NÃO POSSO DEIXÁ-LA, principalmente agora!

Gabriel: Principalmente agora? Adrien, o que está me escondendo? – Suspirei, me acalmando.

Adrien: Ela está grávida. Nós vamos ter um filho! Por mais que isso possa ter sido um acidente, não foi um erro. Quero passar minha vida com ela e que você esteja feliz com isso. Quero sua presença nessa família, como avô e como meu pai! – Ele parecia pasmo e incrédulo. Eu não conseguia distinguir sua expressão. Ele ficou parado, me olhando, pensando. Devia estar explodindo por dentro. Eu não sabia se ele estava pensando em considerar ou se queria me matar.

Fechou os olhos e suspirou, se acalmando. Pegou seu celular e se direcionou para o seu escritório, fechando a porta, sem nem ao menos me dar uma resposta. Fiquei plantado, de pé, na sala. Fui até o pé da escada e me sentei. Alguns minutos depois, Nathalie e o Gorila entraram. Meu pai saiu de seu escritório e ficou de pé, diante da porta pela qual saíra. Eu não sabia exatamente o que ele iria fazer, mas Nathalie e o Gorila pareceram esperar suas ordens.

Gabriel: Nathalie, isole o quarto e, Gorila, certifique-se que ele não fuja.

Adrien: Espera, o que?! – Antes que eu pudesse reagir, dois grandes braços me agarraram, me impossibilitando de correr. Pude ver a Nathalie subir a escadas até meu quarto enquanto eu me contorcia na esperança de escapar. – O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO?!

Gabriel: Se você não consegue me obedecer e ficar longe daquela garota, eu irei me certificar que você não consiga vê-la por um bom tempo! – Eu o joguei um olhar de ódio.

Adrien: Você não pode fazer isso! Você não tem o direito! E não será uma porta trancada que irá me prender!

Gabriel: É o que veremos! E, sobre sua amada... Eu irei dar um jeito nela e nessa história! Vou tomar as providencias necessárias para pôr um fim à essa história.

Adrien: SE VOCÊ A MACHUCAR EU JURO QUE TE MATO!!

Gabriel: E por esse seu comportamento que eu irei me cerificar que ela não seja mais um problema para nós.

Nathalie: Me certifiquei de trancar cada canto, cada janela, cada porta, devidamente como o senhor pediu.

Gabriel: Levem-no até lá e o tranquem! Não abram a porta a menos que eu permita. Ah, e tomem o celular dele para que não fale com aquela padeira de forma alguma. – Se virou, em direção à porta para entrar, ficando de costas para mim.

Adrien: VOCÊ É UM MONSTRO! VOCÊ ACHA QUE EMILY IRIA GOSTAR DISSO? – Ele parou por alguns segundos, mas não se atreveu a responder. Apenas adentrou a porta e a fechou.

 Fui arrastado, contra minhas forças, até meu quarto. Me jogaram lá dentro. Tentei correr até a porta, mas esta se fechou na minha cara. A soquei com todas as minhas forças, implorando para que abrissem.

Plagg: Adrien, se acalma! – Falou saindo da minha blusa.

Adrien: EU NÃO POSSO ME ACALMAR! ELE VAI MACHUCAR ELA! ELE VAI MACHUCÁ-LA, PLAGG! EU PRECISO SAIR DAQUI ANTES QUE ELE FAÇA ALGO!

Plagg: Se acalma, ele não irá machucar ela, por mais que ele possa parecer sinistro e cruel.

Adrien: Eu não sei o que ele pretende fazer, mas sei que será algo ruim. – Olhei para as janelas e todas estavam devidamente trancadas.

Plagg: Tenta quebrar alguma. Daí você se transforma e vai até ela.

Adrien: Meu pai sempre comprou tudo do bom e do melhor. Essa janela é blindada e eu jamais conseguiria quebrar. À menos que eu use o cataclismo! Plagg, mostrar as....

Plagg: Hei! Pode ir parando por aí! Qualquer um que visse os restos da janela deteriorada no chão iria perceber que era ação de um cataclismo. Você não pode colocar sua identidade em risco!

Adrien: Mas Marinette corre perigo!

Plagg: Ela é a Ladybug, ela sabe se defender! – Esbravejou.

Adrien: *suspiro* Ela nem sabe que estou preso... Só espero que isso não dure muito.

....

*Autor on*

Gabriel: Você sabe exatamente o que fazer!

Nathalie: Sim, senhor.

Gabriel: O show está apenas começando!


Notas Finais


Eu sei que estou postando alguns capítulos meio curtos, mas se eu alongar, acabo demorando mais ainda apara postar.
Se estão gostando da história, adicione ela aos seus favoritos e, para não perder outros capítulos, me siga :3
Qualquer coisa, deixe sua crítica, boa ou ruim, nos comentários!
<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...