História Lágrimas ao mar - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Kuroshitsuji
Personagens Personagens Originais, Sebastian Michaelis
Tags Cruzeiro, Demônio, Kuroshitsuji, Lágrimas, Mar, Navio, One-shot, Sebastian Michaelis, Tragedia
Visualizações 28
Palavras 1.663
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola pessoal, novamente aqui com as fanfics de Kuro hehe. Dessa vez fiz meu primeiro One-Shot, fiquei com muita vontade de escrever essa história pois foi baseada num sonho meu. É curta, porém quis compartilhar com você. Beijos e boa leitura.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Lágrimas ao mar - Capítulo 1 - Capítulo Único


Sebastian estava naquele cruzeiro a trabalho com Ciel, ele faria suas investigações e seguiria às ordens de seu jovem mestre. Com esses pensamentos o mordomo não esperava encontrar nada de interessante durante a viagem, pelo menos era o que pensava já sabendo de suas devidas obrigações. O homem caminhava discretamente no convés do navio em busca de algo suspeito que pudesse estar ligado ao que Ciel procurava, porém uma cena um pouco estranha acabava chamando atenção do demônio o fazendo mudar seu foco para uma bela moça que estava de braços abertos na popa do navio.
A tal garota olhava fixamente para as águas calmas do mar, no seu rosto escorria lágrimas que eram levadas pelo vento e assim como suas lágrimas eram levadas a mesma desejava que sua dor também fosse levada para longe. A jovem tinha lindos cabelos castanhos claros presos num coque por uma simples fita vermelha, seu vestido era da cor de um lindo verde como o das folhas na primavera, seus olhos tomados pelas lágrimas tinham um maravilhoso tom de azul, sua pele era branca como um floco de neve. 
Mas por que uma simples humana chamaria atenção daquele demônio? Simplesmente não era comum ver uma jovem desacompanhada num cruzeiro chique como aquele, enquanto todos se divertiam no salão de festas, por qual razão ela estaria lá triste e olhando fixamente para as águas do mar? Podia parecer motivos bobos para o ser perder o foco de sua missão, mas Sebastian sentia que aquela moça estava com intenções de fazer algo arriscado.
A garota começou a subir por entre barras de proteção na intenção de se jogar nas águas frias do mar, porém antes de cometer seu último ato foi impedida pelo mordomo que segurou gentilmente o quadril da moça que tomou um pequeno susto por não está esperando a presença de alguém já que todos se encontravam no salão. A jovem ficou sem reação diante do mordomo que a olhava seriamente e a fez ficar no chão novamente, os olhos da moça ainda brilhavam por causa das lágrimas que insistiam escorrer por seu rosto.
— Senhorita, por que ia fazer aquilo?
Perguntou o mordomo enquanto tirava de seu bolso um lenço para enxugar as lágrimas da garota.
— E-eu… do que adianta dizer? Não vai mudar nada pra mim ou pra você.
— Insisto que diga por favor, pode não fazer diferença agora, mas se eu ajuda-la com certeza vai significar bastante pra mim.
A jovem ficou pensativa sobre as palavras do mordomo e também em dúvida se devia conta sua triste história. Sebastian notou que a mesma tremia de frio com a brisa forte dos mares, cavalheiro como sempre tirou seu fraque o colocando cuidadosamente na jovem.
— Obrigada, teria mesmo esse tempo para me ouvir?
O mordomo tirou o relógio de bolso conferindo quanto tempo teria disponível, o guardou no bolso novamente e sorriu de maneira carismática para a mulher.
— Sim, tenho. Pode começar.
— Eu me casei recentemente, essa viagem era pra ser a minha lua de mel com o meu marido, mas o peguei com outra e descobrir que o casamento era só por causa do meu dinheiro. Pensei que ele me amasse, e o pior é que ele dizia que dinheiro não importava pra eles.
— Olha, não sou muito bom ou especialista nessas coisas de relacionamento. Mas sei de algumas pequenas coisas que podem ajuda-la.
— E o que seria?
— Primeiro de tudo senhorita, me permita apresentar-me: Me chamo Sebastian Michaelis e você, doce jovem?
— Meu nome é Celiny, é muito bom conhecer você, Sebastian.
O homem sorriu para Celiny estendendo a mão para a mesma esperando que ela o acompanhasse até o salão, um pouco tímida a garota aceitou o convite do mordomo indo até onde estavam as pessoas dançando, conversando, outras se desfrutavam do bufê. Sebastian preparou uma bandeja com alguns doces e salgados, como a comida estava recebendo muitos elogios dos convidados, o mordomo achou conveniente oferecer doces para a jovem que permanecia triste e que até aquele momento não teria dando nenhum sorriso.
— Coma! Deve está com fome, senhorita Celiny.
— Não, obrigada. Acho que não vou comer nada essa noite.
Sebastian não aceitava receber um não como resposta, especialmente sabendo que a garota devia estar com fome, ele cortou um pedaço pequeno do bolo o colocando no garfo e o oferecendo para Celiny que acabou aceitando para fazer a vontade do mordomo.
— Nossa, é muito bom. Vou comer mais um pouco.
Celiny colocava um pouco mais de bolo no prato enquanto saboreava o pedaço de bolo oferecido pelo mordomo.
— Pelo visto doce anima qualquer um, quando o meu jovem mestre está triste costumo oferecer doces pra ele.
— Ainda não tinha provado a comida daqui, fiquei tão angustiada com aquilo.
Após a moça se servir do bolo que estava delicioso e o mesmo fez com que seu humor melhorasse um pouco, ela decidiu observar os casais felizes que dançavam e comemoravam aquela belíssima noite que mal havia começado. Celiny voltou a ficar um pouco triste, pois todas as mulheres estavam felizes com seus maridos e ela apenas podia observar a felicidade dos outros não podendo se juntar a eles. Para sua surpresa, assim que a garota desviou sua atenção para o lado notou que Sebastian fazia uma pequena reverência com sua mão estendida: Era um convite para que fossem dançar e o mesmo foi muito bem aceito por Celiny que novamente sorriu de forma sincera caminhando com o mordomo para o centro do salão.
Dançaram durante alguns minutos trocando olhares e sorrisos durante a dança, a garota parecia ter esquecido toda a tristeza que havia incomodado seu coração e mente, tudo o que ela desejava naquele momento era relembrar aquela dança e não esquecer nenhum detalhe. Quando acabaram de dançar foram até o convés para se despedirem, já que o tempo livre de Sebastian havia acabado e com certeza Ciel deveria estar furioso com ele por não ter comprido suas obrigações, não era comum um demônio ajudar alguém daquela forma e o mordomo não se arrependia nenhum um pouco do bom tempo que passou com a jovem.
— Adorei os cuidados que teve comigo, você é fantástico.
— Por favor, senhorita apenas sou um mordomo e tanto. Vai ficar bem sozinha?
— Vou sim, você me mostrou que devemos superar os momentos difíceis e seguir em frente. Posso abraça-lo antes de ir?
— Claro, espero que fique bem e encontre alguém que mereça seu coração.
Os dois se abraçaram firmemente como se soubessem que aquela seria a última vez que se veriam, mas será que eles tinham tal conhecimento disso? Sebastian nunca esquecia das pessoas que conhecia pois algumas despertavam sentimentos tanto de ódio, raiva ou angústia, mas ele não sabia que tipo de sentimento sentir por Celiny. Antes que pudessem se solta do abraço, o mordomo puxou a garota para o outro lado junto com ele fazendo se desviarem da serra elétrica de Grell, o ruivo estava rangendo os dentes e praticamente com os dedos “coçando” agoniados para que sua foice acertasse a pobre Celiny. Infelizmente o shinigami não estava sozinho, seu outro companheiro Ronald estava ao seu lado, porém o mesmo tinha objetivos diferentes não estando interessado em acertar a garota e sim o mordomo. Sebastian pediu para que a garota se afastasse e fugisse de lá, mesmo um pouco relutante e sem entender a situação a mesma foi correndo para outra direção do navio.
Em seguida começou uma briga entre demônio e shinigamis, nada que fosse novidade para o mordomo que estava acostumado com tudo aquilo. No meio daquela briga algo inesperado aconteceu: Por motivos desconhecidos o navio foi de encontro a um iceberg fazendo todo o veículo tremer, Celiny não tinha entrado na cabine do navio pois queria esperar por Sebastian, porém a mesma perdeu o equilíbrio e como estava perto das barras de segurança acabou sendo jogada ao mar com o impacto sofrido antes. A temperatura congelava e a infeliz garota iria afundando cada vez mais, tudo ia escurecendo como se o vazio estivesse tomando conta dela, não sentia metade do seu corpo que era levado para o fundo sem piedade, seus sentidos estavam sumindo aos poucos. Quando o mordomo finalmente se livrou dos shinigamis por um tempo, conseguiu sentir que algo ruim tinha acontecido com Celiny e que a mesma não estava mais no barco.
— Celiny!
O demônio se jogou contra ao mar nadando o mais rápido que podia para encontrar a jovem, ao encontra-la a mesma já estava desacordada e o mordomo temia que ela tivesse morrido. Ele a levou para a superfície e fez todos os procedimentos para tenta reanima-lá, Celiny acordou, mas continuava não sentindo seu corpo e para piorar gritos foram escutados do salão de festas com algumas pessoas que corriam para o convés do navio. Sebastian sabia que precisava abandonar Celiny naquele momento, ele não tinha escolha e precisava manter sua palavra no contrato com Ciel.
— Eu… queria ter retribuído o que fez por mim…
Falava Celiny com suas poucas forças, olhando diretamente para o mordomo.
— Faria qualquer coisa?
— Sim, faria.
Após a garota confirma suas palavras, os olhos de Sebastian ficaram vermelhos brilhantes na sua cor demoníaca, ele apenas se aproximou do ouvido da garota falando baixo e calmamente.
— Sinto muito…
Ele planejava devorar a alma da inocente garota que estava partindo aos poucos, infelizmente ela havia aberto um convite para o demônio que não hesitou de beijar os lábios congelantes da garota sugando a alma da mesma tornando aquele beijo a última memória de Celiny. Ele precisava daquela alma, pois não sabia o que o aguardava dentro do navio, uma alma seria o suficiente para continuar forte e manter a regeneração mais rápida. Alguns diriam que ele cometeu uma atitude errada se aproveitando daquela moça, para Sebastian aquela foi uma alma que guardaria e continuaria protegendo de alguma forma, protegendo da sua maneira e a mantendo no doce momento da dança que ocorreu entre os dois anteriormente que ficou gravada para sempre nas memórias de Celiny.
 


Notas Finais


"Diferente dos livros, a gente não pode voltar na melhor parte."


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...