1. Spirit Fanfics >
  2. Last 7 Years - Vmin >
  3. Divórcio

História Last 7 Years - Vmin - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Aniônrracêio!!! Mamá Omma imnidá!

Como vcs tão, meus bebês? Turo boum? Espero que sim, porque Last 7 Years está na reta final! Finalizada essa fic maravilhosa com muitas emoções daqui a alguns capítulos retomamos Born to Kill e logo em seguida Ghost, enquanto outras novidades vêm vindo também! Fiquem de olho então, tá amores, pra não perderem nada!

P.s.: se eu vivo, é pra que vcs tenham a melhor experiência de leitura possível, J-hope you enjoy.

Capítulo 16 - Divórcio


— Então vocês vão mesmo...

— Não, claro que não, ele só... — Os olhos de Jimin encheram de lágrimas, de novo; ele virou um gole de cerveja da caneca grande na boca pra disfarçar, mas foi tão afoito que deixou um pouco de bebida escapar no canto. — É claro que a gente não vai divorciar, ele só quer... Morar... Sozinho...

— E não é a mesma coisa? — Jin perguntou, ao que ele bateu a caneca tão forte na mesa que a cerveja pulou pra fora numa onda. 

— E eu sei lá se é a mesma coisa, tô pouco me fudendo, o que importa é que eu vou cuidar dele, não importa aonde ele esteja. — tomou o que sobrou da cerveja, apesar de mais da metade estar na mesa agora. — E ele não vai embora, a gente mora juntos desde... — fungou, voltando a chorar — desde o primeiro semestre da faculdade... — fungou de novo. — Não é possível, depois de todo esse tempo, ele nem sabe arrumar a cama ainda, eu... — Soluçou, passando a manga da blusa no rosto pra espantar as lágrimas. — Eu preciso cuidar dele... Quem vai cuidar se eu não cuidar dele?

— Escuta, Jimin. — Namjoon resolveu se pronunciar, vendo que Hoseok e Jin estavam quase chorando junto com o mais novo, dando-lhe palmadinhas nas costas e afastando a caneca vazia pra que ele não a tacasse no chão de novo, como fizera da última vez que ficara bêbado naquele bar. — O Taehyung não é seu pet, e talvez seja por você estar o tratando como um mascote que ele esteja pedindo um tempo. 

— Hah!... — Jimin exclamou longamente enquanto arregalava os olhos, e os amigos até suspiraram de alívio, achando que ele tinha entendido. — É isso, um tempo! O Taehyung não quer divórcio, só está pedindo um tempo! — É, ele definitivamente não tinha entendido, estava bêbado demais pra isso, afinal. 

— “Pet”, como assim um “pet”? — Mas ainda ficou resmungando num tempo depois, ao mesmo tempo em que Taehyung pensava precisamente sobre a mesma coisa, em casa.

— Ele acha que pode chegar em casa a hora que quer sem a menor das explicações e ainda me encontrar abanando o rabinho pra ele. — Resmungava de si pra si, guardando o restante da pizza que tinha comprado depois de comer uns pedaços. — E dessa vez nem janta pronta ele deixou pra mim... Não que ele deva fazer isso... — “Mas ele normalmente faz”, pensou, guardando a vasilha na geladeira. — Bom, é melhor eu continuar buscando um apartamento... uh?

Seu celular vibrou dentro do bolso da calça; puxou pra olhar.

“O Jimin saiu pra beber com a gente”: era uma mensagem do Jin: “Ele te avisou?” 

“O que você acha?”, respondeu, rapidamente.

“É... Imagino. Bem, ele saiu já faz um tempo, se não chegar aí é porque escorregou no vômito ou caiu num bueiro”

Ou seja, ele tá bem bêbado.

“Clássico. Tá bem, obrigado por me avisar, Jin hyung”

“Ei, qualquer coisa que precisar... é só chamar”

Eu sei, Jin hyung, eu sei, muito obrigado: era o que iria responder, até ouvir Jimin destrancando a porta; na verdade, falhando miseravelmente em fazê-lo; deixou o celular na bancada da cozinha e foi ele mesmo abrir a porta. 

— Caralho, você está tão ruim que nem pra acertar a chave na fechadu-

— TaeTae!...

— Ji-Jimin! 

Taehyung foi literalmente atacado, quase que derrubado pra trás quando Jimin o abraçou pela cintura e jogou o peso do corpo todo em cima dele.

— Jimin... Argh, você tá fedendo a álcool, sabia? É gasolina o que você bebeu?! 

— Taehyung... — Ele o apertou com o pouco de força débil que tinha naquele estado, esfregando a testa na curva do seu pescoço. — Eu voltei... Voltei pra fazer janta pra você...

— Ah, quanta consideração sua! — Ralhou com ele, sarcástico. — Mas eu já me resolvi quanto a isso, agora sai de cima de m-

— Tae-ah... — Mas Jimin só continuou esfregando o nariz no seu pescoço, cheirando e o deixando arrepiado com aquilo. — Eu esqueci de preparar comida pra você hoje... Me perdoa... Eu sempre deixo comida pronta pra você... 

— Jimin, m-me solta. — Ele só está bêbado, Taehyung. — A-agente vai cair desse jeito. — Ele só está bêbado, não caia nessa. — Vamos, me solta e vai tomar um banho pra dormir.

— Mas eu voltei pra preparar sua janta. — Choramingou, o apertando ainda mais no abraço e agora cheirando atrás da sua mandíbula. — Eu voltei pra cuidar de você, Tae-ah!...

— Ok, ok, eu já entendi, agora vamos pro quarto? — Merda, mais um pouco os dois iam cair ali no corredor da entrada e não ia ser nada gostoso. — Sim?

— Pro quarto?

— É, pro quarto. 

— Vamos.

— Uoh! — Quando menos esperava a força daquele bêbado desequilibrado, Jimin apenas contornou suas pernas nos braços e o jogou pra cima do ombro como um saco de batatas. — Jimin! Me solta!

— Quarto, quarto, quarto... — Ele foi resmungando. — Quarto, quarto, quarto...

— Ai, porra...

— Quarto, quarto... — O jogou na cama e imediatamente começou a engatinhar por cima. — Quarto — Piscou os olhos pesados repetidas vezes. — Chegamos, Tae-ah, agora nós podemos...

— Po- podemos o quê?!? — Se encolheu contra a cabeceira da cama quando Jimin chegou mais perto, afundando o rosto na curva do seu pescoço novamente. — Não, Jimin, você está bêbado, pelo amor de Deus!...

— Você não quer fazer? — Perguntou, manhoso, de novo esfregando a franja no seu ombro, como um gatinho carente. — Você não quer mais fazer comigo, TaeTae?...

— Nã- não é que eu... nã- não queira... — Ah, droga, por que estava gaguejando?!? Era só Jimin nas suas pós crises de bebedeira, quantas vezes não passou por aquilo antes? — Ma- mas você tá bêbado e...

— Eu não tô bêbado.

— É o que um bêbado diria.

— Mas eu quero fazer com você, Tae! — Falou, com uma determinação absurda, de repente podendo arregalar os olhos e o encarar firmemente. — Eu quero com você, e é só com você que eu quero! 

— Uhmmmm.... — Escondeu o rosto queimando de vergonha nas mãos, e mais tarde ainda escondia o rosto no travesseiro, enquanto Jimin entrava por trás naquele ritmo instável mas estranhamente delicioso de quando ele estava alto. Droga, droga, droga! Era por isso que tinha de sair, que tinha que encontrar um lugar pra morar sozinho e aprender a se virar, longe de Jimin, o mais rápido possível. 

— Por que eu sou tão fraco...?... — Choramingou, apertando ainda mais e mordendo o travesseiro a que estava agarrado, enquanto Jimin segurava sua cintura com força e abusava das suas costas com a boca, mordendo e chupando, e beijando e passando a língua longamente pela linha da coluna. — Uhum...mhg!... — Sentiu as lágrimas escorrendo pelo rosto quente: lágrima de prazer, de decepção, de apreço e desespero. 

— Tae-ah... — Jimin alcançou sua orelha e sussurrou no seu ouvido. — Tae-ah!... — Longamente, apaixonadamente. 

— Mmmh!!... — Por isso que era fraco, Jimin o fazia fraco, fraco por ele. Ocupado 24 horas por dia, 7 dias por semana, ou trabalhando na academia, ou no celular resolvendo seus assuntos, ou dormindo, ou pior, num lugar que Taehyung nem sabia aonde era, literalmente sem tempo pra ele, o deixando puto e na beira da total desesperança e descrença, mas quando achava tempo, ah!... Quando Jimin achava tempo pra ele conseguia provar que o amava, Taehyung conseguia sentir, no calor dos lábios fartos, no coração batendo no peito encostado às suas costas. Jimin o amava, era apaixonado por ele, era louco por ele, mesmo que só nos poucos minutos que encontrava pra ele em meio àquela tormenta sem rumo que virou sua vida. 

Como um pet, sim, Taehyung se sentia apenas um cãozinho quando pensava nisso, um bichinho de estimação que é deixado sozinho em casa mas que serve de consolo quando o dono chega do trabalho.

— Taehyung-ah... — Mas como ficar revoltado com aquilo naquele instante, naquele instante em que Jimin o fazia sentir-se como um príncipe, como o alguém abençoado com o mais abundantemente amor entre os homens? — Tão lindo... Tae-ah!... 

"Não fala meu nome assim", tinha vontade de pedir, mas toda vez, quando estava prestes a dizer, Jimin cobria seus lábios nos dele e o beijava intensamente. Ah! Era tão bom... Era tão bom e ele era tão trouxa, meu Deus, por um beijo, um só, numa semana inteira, era tão difícil de conseguir, mas quando conseguia era tão bom. 

— Mhg... — Jimin o girou na cama, sem separar as bocas e praticamente sem precisar se retirar dele: apenas o pôs de frente pra si e continuou estocando, não com força, mas fundo, não com pressa, mas rápido o suficiente pra fazer seus gemidos escaparem pelo beijo várias vezes. — Mmmh... — Passou os braços pelos seus ombros e cruzou as pernas nas suas costas: seu ponto doce sendo constantemente estimulado enquanto Jimin o beijava sem descanso e corria as mãos inquietas pelo seu corpo suado. — Ji- Jimin... — Mesmo assim fugiu do beijo por uns instantes. — Jimin, você... — Mesmo que aquele curta ilusão pudesse durar pra sempre antes de acabar. — Você ainda me ama? 

Jimin parou de se mover, se escorou com os cotovelos na cama e o olhou nos olhos, daquele jeito que só Jimin sabia olhar, direto nas suas pupilas, como se fosse possível o ler completamente.

— Cada dia mais. 

Seu coração falhou uma batida, ele abriu a boca mas não soube o que dizer, mas Jimin nem esperou uma resposta, apenas colou os lábios no seu ouvido e voltou a se mover, arrancando tantos gemidos da sua garganta que ele se sentiu rouco logo.

— Não me deixe aqui sozinho, Taehyung. — Ele sussurrava sem parar. — Não me deixe aqui sozinho, não vai embora, eu prometo cuidar melhor de você.

— Ãh! Anm! Jimin! Jimin... — E Taehyung não conseguia mais conter os gemidos, mesmo mordendo seu ombro com força, mesmo lhe arranhando as costas e puxando os cabelos. — Jimin, amh!

— Eu faço tudo por você, Tae, eu cuido de você, então não vai embora... — Não sabia o que estava acontecendo, só que estava falando tudo que estava no seu coração, desenfreadamente. — Eu vou morrer de preocupação... Vou morrer sem acordar com você do meu lado. — Ah, Taehyung tinha gemidos tão gostosos...estava virando música nos seus ouvidos. — Sem sentir seu cheiro... — E tão apertado, ah!... Merda, tudo estava girando. — Sem você...

— A- ah!... — Tremeu todo, gozando forte entre os abdomens enquanto sentia Jimin gozar dentro. — Ah!...Ah, porra... — Um arrepio intenso subui pela espinha e terminou nos cabelos da nuca. — Ah... — Suspirou longamente, abraçando Jimin enquanto se deixava escorregar no travesseiro. — Jimin?...

Jimin caiu num sono pesado: estava exausto, exausto de tanto trabalhar, exausto de tristeza desde que Taehyung anunciou que ia procurar um apartamento pra morar sozinho. Era culpa dele, ele sabia, mas o que ia fazer? Ele estava quebrado, psicologicamente despedaçado, e já fazia um bom tempo. Não sabia o que era ser feliz mais, não sabia o que era ter sonhos, não sabia o que era certo e errado, suspeitava inclusive não saber o que era amor, porque amor pra ele era Taehyung, e Taehyung estava tão distante, tão confuso, na sua cabeça. 

Mas era Taehyung: tinha certeza de que era Taehyung, porque ele deixava um caminho de luz por onde passava; porque era inevitável sorrir quando pensava no sorriso dele; porque seu coração batia forte só de estar perto dele, como se fosse a primeira vez, o primeiro encontro, mesmo depois de tantos anos. 

— Tae... — Murmurou ao acordar, apertando os olhos à luz branca da manhã que vinha das cortinas abertas da janela. — Tae? — Passou o braço pelo lado da cama: vazio, e frio. Taehyung já não estava lá já fazia um tempo. — Tae. — Chamou, e ouviu desespero na própria voz. Se levantou de uma vez, e mesmo se sentindo meio tonto correu pra fora do quarto. — Tae! 

— Ah, bom dia, amor. — Taehyung estava arrumando a mesa da sala com o café da manhã: os cabelos vermelhos molhados, uma toalha de rosto pendurada no pescoço, o torso nu ainda brilhando em umidade, a calça de moletom larga na cintura fina deixando a barra da box à mostra. — Está com fome? Eu fiz café.

— Tae... — Sentiu os olhos se enchendo de lágrimas, tanto que não conseguiu evitar que escapassem. — Tae, você... Nã- não foi embora...

— O quê? — Taehyung o olhou confuso, deixando a chaleira com água quente sobre a mesa — A- amor, o quê?... Meu Deus! — e quando o viu chorando correu para o abraçar. — O que foi, meu bem? Que história é essa?

— Vo- você... Disse que ia embora... Nã- não vai embora!... Eu fiquei com tanto medo quando acordei e não senti você do meu lado!... 

— Jimin... Amor... — Taehyung escorregou os dedos pelos seus cabelos por uma das têmporas, puxando de leve pra que ele levantasse o rosto. — Você teve um pesadelo? 

— Pesa... — Pesadelo? Não tinha como aquilo ter sido um pesadelo, Taehyung estava há semanas chegando em casa com panfletinhos de imobiliárias e ele finalmente tinha quebrado, tinha bebido até morrer e chorado horrores, não tinha como não ser real! — Não foi um pesadelo, ontem...

— Ontem a gente comeu pizza, lembra? — Taehyung pegou sua mão gentilmente, beijando-lhe as costas enquanto o apertava no outro braço, em torno da sua cintura. — Eu tô tão feliz que você comeu direitinho, amor, mas precisamos continuar nesse ritmo agora, ok? 

— Eh? — Taehyung afastou sua franja pra trás e beijou-lhe a testa. — Pizza?... — Comeram pizza...?...ontem...?

— Vem, vamos tomar café; foi só um pesadelo, não deixe isso tirar seu apetite, sim? 

— Taehyung... — Então olhou pra mesa e entendeu, assim que viu um copo d'água cheio e cartelas de remédios ao lado. Foi uma memória tão forte e tão intensa que por uns instantes ele voltou a ser o Jimin de uns meses antes. Meses? Ou anos? Não sabia nem de que época era aquela memória, mas  era uma memória, com toda certeza, tanta certeza que pela primeira vez não duvidou de que podia ter sido só um sonho. — Taehyung, alguma vez... — Tanta certeza que não conseguiu conter aquela angústia. — Alguma vez nós dois... Chegamos a nos separar? 


Notas Finais


E aí, u enjoy? Se sim, eu quero compartilhar com vcs um curso de Coreano que eu tenho feito, o IKorean, ler, falar e escrever coreano em 10 dias!
Eu não aprendi tão rápido pq eu sou muito noob kekeke mas em duas semanas eu já tô escutando as músicas dos meninos sem legenda e entendendo muita coisa, além de já estar conseguindo cantar no banho bem mais certinho ㅋㅋㅋㅋㅋ
Isso aqui não é plub tá, gnt, é só um jabá honesto de um curso que eu tenho gostado muito e que quero compartilhar com vcs, pq vcs são lindes e merecem a oportunidade de ter acesso a um curso de Coreano tão legal quanto esse!
https://go.hotmart.com/F47471403G?dp=1

Espero que gostem tanto quanto eu!

Surtos e pedidos de spoiler: me segue no twitter, @mamahopeuenjoy, (tem au's pra ler também):
https://twitter.com/mamahopeuenjoy?s=09

meu Instagram, pra quem quiser: @mamahopeuenjoy:
https://instagram.com/mamahopeuenjoy?igshid=ljzl2mxn69gy

Vejo vocês lá, hein? Um kisses e até o próximo cap ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...