História Last Night - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, Lu Han
Personagens Lu Han, Sehun
Tags Hunhan, Lu Han, Sehan, Sehun
Visualizações 28
Palavras 1.399
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Magia, Misticismo, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bem estou apenas colocando o lado do Sehun, me senti inspirada pra escrever.
Voltarei a postar na terça, vai ser algo especial. Especial demais pra mim! Bem espero que gostem 💕

Capítulo 2 - O Ceifador Frio - Extra


Fanfic / Fanfiction Last Night - Capítulo 2 - O Ceifador Frio - Extra

A semana começou com uma singela garoa, o inverno estava começando, as ruas de pequim estavam frias e naquele momento nada podia piorar a minha situação, sabe aquele momento  da vida que você está prestes a quebrar a sua cara?

Então no momento eu estou exatamente nessa situação, o motivo? Idiotice! Apenas isso, eu não suporto o quanto os reis dos céus e os seus principais servos são mesquinhos. Eu vou dizer porque no momento eu estou completamente nervoso e furioso a ponto que quebrar a cara do primeiro que me aparecer, fazendo qualquer pergunta idiota, eu queria projetar um grande tornado capaz de destruir absolutamente tudo, porém os poderes me dados não são esses e eles nunca me dariam já que "Oh Sehun não tem responsabilidades"

Bem eu sou um Ceifador, mas o que é um ceifador? Geralmente vem aqueles clichês de cinema quando eu ainda era humano, um homem alto com uma capa preta e uma foice?! Os filmes de Hollywood deveriam ser mais criativos, mas isso já tem tantos anos, onde eu estava? Há sim! Os Ceifadores são pessoas que sofreram em terra, pessoas que são incapazes de lembrar do seu passado humano, pra ser sincero a única coisa que me lembro é da agonia que senti minutos antes da minha morte. A questão é que eu passei a ter raiva dos humanos e principalmente dos sentimentos humanos, raiva de absolutamente tudo voltado para eles, pra que nascemos?!  A final de contas para que os huma nos servem? Nós não servimos de nada, para que viver?! Qual o sentido de viver?! O que me irrita mesmo são os humanos problemáticos e tristes.

 "Ah mas ele está sofrendo Sehun" as pessoas sofrem por que querem, é isso o que eu penso, não tem motivo algum de sofrimento! Céus como isso é chato. Voltando ao assunto principal:

Eu o Ceifador que mais detesta humanos fui forçado a cuidar de um até o momento de sua morte. O motivo?! Frescura do Junmyeon, líder do clã dos Ceifadores nobres que obviamente não teve uma boa noite, uma boa transa, junto com seu amado Yixing.

"Não existe absolutamente nada de agradável em um humano, todos vão morrer mesmo, não existe motivos para perder tempo selecionando anjos para protegê-los de suas vidas medíocres."

"OH SEHUN! ELES NÃO SÃO MEROS HUMANOS, HÁ UMA RAZÃO PARA OS HUMANOS EXISTIREM, MAS PELO QUE VEJO ISSO VAI ALÉM DA SUA COMPREENSÃO"

"Tanto faz Junmyeon, você anda tão estressadinho, quer que eu chame o Yixing pra te acalmar porque pelo jeito ele não te fodeu direito?"

 Bastou eu dizer apenas isso para o plano ele se enfurecer comigo, jogar sua chinela de coelho na minha cara e me confinar a cuidar de um humano. No momento a única coisa que eu queria era quebrar a cara de Junmyeon, porém isso me traria mais problemas, minhas atitudes não são nada erradas, o problema são os outros, eu fui confinado a cuidar de um garoto humano, sério? Eu queria chorar de raiva pois eu preferia ser cozido por 30 dias, prefira ser jogado em lava, ser torturado ou qualquer punição dolorosa possível que exista naquele livro de punições que o Junmyeon escreveu - do qual ele se gaba tanto também- do que ter que cuidar a vida de um humano.

Argh sinto ate ranco de pronunciar a palavra "humano".

Eu estava indo a caminho da onde o garoto morava, retirei o pepel com as informações que eu recebi do antigo responsável por ele, vulgo Minseok, um nanico metido a besta que andava pra cima e pra baixo com Jongdae, eu garanto que eles são mais que amigos, tá na cara até porque é o Minseok abrir a boca pra falar alguma coisa que o Jongdae cora e se sente desconfortável. Bem vamos ver o que me espera...

- Huuum vejamos- Murmurei sozinho.

Nome: Luhan

Idade: 18 anos

- Eu pensei que ia ter que cuidar de um pirralho?! Bem menos mau, mas ainda sim é um humano - fiz uma careta de nojo e revirei os olhos.

- Não é como se o que tivesse escrito aqui fosse me interessar não é?! - amassei o papel com os dados de "Luhan" o jogando em qualquer lixeira que estava no caminho, a garoa fina e gelada só fazia com meu humor piorar, eu queria matar o garoto hoje mesmo porém tem o "mimimimimimi" das regras que o Junmyeon insiste em tanto jogar na minha cara. Sair do plano dos Ceifadores para ir até o mundo humano era rápido, porém eu tinha uma certa quantidade de horas para frequentar a casa do garoto: 00:01 até as 4:22.

Eu só tinha que impedir o garoto de morrer - cometer suicídio - antes da hora, a única coisa que eu sei é que ele tem apenas mais alguns meses. Então se eu parar para pensar não vai ser tão difícil assim. Já estava na minha hora, fui descendo lentamente me transportando até a casa do garoto, pelo que percebi Luhan era muito bem de vida, mais um motivo para ele largar de frescuras. Adentrei o quanto o humano e sentindo um cheiro doce invadir minhas narinas e me deparo com um pequeno garoto encolhido entre as lágrimas, ah ótimo ele estava chorando, como se não bastasse aguentar o garoto terei de aguentar as lágrimas dele também. Até que algo me chamou atenção, ele pareceu notar minha presença ali - o que é impossível, um humano jamais poderia ver um Ceifador a não ser que sua vida seja triste o suficiente o que faz ele carregar em si o cheiro da morte também - olhei mais uma vez para o garoto e me pareceu que ele estava dormindo já, enquanto ele dormia eu percebi o quanto seus traços eram delicados e o quanto Luhan era bem desenhado, parecia ser feito a mão, com sua linda pele de porcelana.

Vocês já devem imaginar o que aconteceu nos próximos meses não é mesmo?! Bem minhas visitas ao Luhan se tornaram mais estranhas! Eu juro eu tenho certeza que ele é capaz de notar minha presença ali ou até mesmo de me ver. A cada noite também eu reparo em como ele é bonito e me pergunto qual o motivo de um garoto tão jovem e com praticamente tudo para dar certo na vida morreria tão cedo. Até que um dia algo que eu não poderia imaginar, ele falou comigo.

"Quem é você?! O que você quer de mim? Me visita todas as noites por quê?"

E eu me lembro do que respondi perfeitamente olhando para aqueles lindos olhos que pareciam carregar um oceano de dor.

"Você pode me ver? Oh, sua vida deve ter sido muito triste"

Bem foi assim que começou, começamos a conversar e Luhan contou para mim sua história, da morte do pai, a morte da mãe e por último sobre seus tumores cerebrais. O que realmente me doeu o coração, por que alguém tão doce assim deveria sofrer? Luhan não fez mau algum a ninguém, tão gentil e tão doce, por que ele tem que sofrer assim?! Eu me perguntei sobre isso durante muito tempo, pois tudo que eu queria fazer era trazer um pouco de felicidade a vida do pequeno Luhan.

Então sempre que eu vinha ver ele eu lhe recitava alguns poemas de autoria minha, para por um sorriso naquele lindo rosto e fazer suas pequenas ruguinhas aparecerem. Foi assim durante todos últimos meses de vida dele, mas infelizmente uma hora ou outra hora dele iria chegar não é mesmo?

Triste por ter que levar a vida do garoto que eu mais amava, porquê sim eu estava apaixonado por ele de uma forma inacreditável, e aliviado por ver o ele livre da dor e do sofrimento desta vida, eu estava ciente de que ele poderia vir a me odiar, mas tudo que eu mais queria naquele momento era a paz dele.

Eu estava pronto para surpreender o menor, mas foi o contrário, foi ele que me surpreendeu com uma confissão de amor. Eu nunca me senti tão feliz e aliviado ao longo desses anos como me senti feliz hoje ao levar o pequeno Luhan ao seu local de descanso, ao trazer paz aquela pequena criatura que jamais mereceu tamanho sofrimento em toda sua vida. Esta será minha função pelo resto da felicidade, eu fui confinado a fazer o Luhan feliz e creio que não haja punição melhor para mim.


Notas Finais


Até a próxima 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...