1. Spirit Fanfics >
  2. Lavender Eyes >
  3. Indiscreta

História Lavender Eyes - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Boa noite!
🦋

Capítulo 4 - Indiscreta


Fanfic / Fanfiction Lavender Eyes - Capítulo 4 - Indiscreta

"Eu quero ser seu amante, eu quero transformá-la, enlouquecê-la, a noite toda, fazer você gritar. Oh, amante! Sim, eu quero ser o único para quem você vem"

♧♧♧

Hinata apoiou o queixo na palma da mão ao olhar pela janela do carro em movimento, as cores, os sons, as luzes, tudo naquele lado de Nova Iorque a fazia pensar que estava em outra cidade, era absolutamente diferente do que estava acostumada, menos o cheiro, tudo tinha o odor clássico de uma grande metrópole, mas quando chegou ao subúrbio o aroma do perfume caro deixou de mascarar a realidade, estava quase em casa, podia sentir, pneu queimado, poluição e… Hambúrguer? O cheiro era delicioso e aquilo fez seu estômago roncar mais alto do que esperava.

— N-Não feche! — pediu assim que o Uchiha fez um sinal para Hiruzen erguer os vidros, incomodado do o ar carregado.

— O quê?

— Padrinho, o senhor poderia parar ali rapidinho? — como uma criança apontou para um estabelecimento simples e pequeno na esquina de sua casa, as unhas arranhado o couro no estofado.

— Não, não mesmo, siga logo para a casa dela, quero sair desse fim de mundo.

— Por favor, padrinho — ignorando completamente o homem ao seu lado naquele carro, apelou ao juntar as mãos no peito — Mirai adora os hambúrguer da dona Wanda.

Sarutobi… — entre os dentes, Sasuke lançou um olhar mortal para o motorista.

— Não vejo a minha neta tem uma semana, Sr. Uchiha.

— Não demorem — esfregando dois dedos entre as sobrancelhas, escorregou no banco largo.

Hinata o olhou preocupada, Sasuke parecia meio aéreo desde que saíram daquele evento, embora em sua ótica, tudo tinha ocorrido perfeitamente bem, ficou feliz com sua própria desenvoltura, porém, o Uchiha demonstrava sinais claros de exaustão emocional.

— Dor de cabeça?

— Cansaço.

— Senhor, não o vi comer hoje — delicada, segurou a mão fria do homem fazendo-o olha-la na penumbra do carro — Apenas bebeu o dia todo.

— Alguns copos aqui e ali, Hyuuga, nada fora do comum.

— Todos com o estômago vazio, Sr. Uchiha — Hinata soltou sua mão e ele se atentou a perceber só então que o toque era macio e quente — Me contratou para organizar sua vida...

— Não para ser minha mãe.

— Se o senhor morrer não terei mais um trabalho — Inocente, moveu os ombros e a cabeça, desatenta ao olhar intenso que recebia.

Hm

Sasuke sentiu que talvez a bebida estava começando a fazer efeito, sua língua coçava para que pequenos flertes saíssem por entre seus lábios, jamais o faria em estado sóbrio e jamais o faria em frente ao Sarutobi que tinha o olhar fixo em seu rosto acompanhando cada uma de suas ações.

Era um saco.

— Chegamos, querida.

Hinata foi a primeira a sair, como uma garotinha feliz e o Uchiha lembrava-se a todo instante que de fato, ela era quase uma menina, vinte e dois anos recém complementados e esquecidos quando ele flagrava aquele corpo movendo-se tentadoramente em direção à lanchonete.

— Não precisa vim, se não quiser — a moça o disse pela janela.

Hm.

Hiruzen saiu do carro e encostou-se na lataria para acender um cigarro, com a fumaça manchando a região com sua cor esbranquiçada, acenou para ela.

— Você deveria ir.

— Entrar naquele lugar? — Sasuke não queria sujar seus sapatos ou pegar uma infecção alimentar.

— Não seja um fresco.

— Não é frescura, mas sim realismo — olhando a mulher sumir por entre as portas de vidro, arrumou o terno — Tenho certeza que a vigilância sanitária não anda por aqui.

— Está sendo preconceituoso. 

Tsc... Por quê não entra?

Com um gesto curto mostrou a placa na entrada "proibido fumar" em letras vermelhas e garrafais. O Uchiha olhou em volta, era fim de agosto e o tempo sempre estava frio naquela do ano, o ar tomava forma, pequenas nuvens ao redor da boca, como fumaça de cigarro, puxou as luvas em uma tentativa vão de protege-se, o sobretudo negro já o envolvia por completo.

Com a cabeça erguida e o nariz em pé, seguiu em direção ao estabelecimento comum e simplório, os sapatos lustrosos refletiam as luzes na placa de entrada e ele pode ouvir a risada baixa do Sarutobi ao vê-lo caminhar. O lugar quente, cores vibrantes em um estilo oitentista, desde o chão quadriculado aos quadros em Neon, acolhido pela voz aguda de Prince, torceu o rosto quando o odor forte de fritura oscilou por todo o ambiente.

Sua pose austera atraiu os olhares para si, inexorável, as roupas claramente destoando do lugar, altivo e orgulhoso, olhou ao redor, não conseguiu encontrar o que procurava, frustrado e com raiva por sua decisão precipitada de entrar naquele recinto. Não havia muita gente, alguns gatos pingados no balcão e adolescentes nas mesas redondas e vermelhas, buscou um lugar onde pudesse sentar-se em paz.

Abrigado naquela noite gélida e escura, Sasuke queria algo quente, um whisky envelhecido e amarelado para queimar e matar aquela ansiedade gritante que tinha consigo desde muito novo, o Uchiha não conseguia, de maneira alguma, mante-se inerte, embora por fora, quem o via, imaculado, com o rosto sempre tão conspícuo. Paciente, esperou alguém, os dedos trabalhando em rodar os anéis em suas mãos.

Sozinho, encarou as peças em seus dedos, o anel negro em seu indicador, o símbolo em vermelho e branco ostentava pequenos rubis, fora de Itachi, o símbolo de uma família milenar reduzida a três integrantes, enquanto as outras duas joias eram puro status, uma do seu doutorado e a outra pelo título de barão, que também era de seu irmão. Sasuke sentia-se um usurpador, ficara com os títulos, joias e herança de Itachi, em troca, era uma marionete nas mãos do pai.

Nos fundos da lanchonete, Hinata estava alheia ao alvoroço entre as garçonetes, conversava animada e distraída com sua melhor amiga, Tenten, era filha de dona Wanda, a proprietária e fora graças a ela que teve como ajudar em casa, embora o emprego fosse cansativo, ver e conversar com Tenten fazia seu dia melhor.

— Ei, o que está havendo aí? — A jovem Mitsashi colocou as mãos sobre a cintura depois que a Hyuuga franziu as sobrancelhas diante da bagunça na cozinha.

As duas garçonetes pareciam em meio a uma disputa pela janela arredondada na porta dupla que os separava do salão, mas logo voltaram-se em direção à Tenten.

— U-Um… Cliente…

— Um cliente não… O simplesmente cliente — a moça com cabelos laranja apontou.

— O que estão dizendo? — curiosa, se pôs na ponta dos pés — Minha nossa senhora dos homens bonitos! A-Aquele… aquele é Sasuke Uchiha!

Os olhos castanhos se voltaram para a melhor amiga, que antes estava concentrada na montagem dos sanduíches que levaria, Hinata abriu os orbes em espanto, o seu patrão havia dito que não sairia do carro e a moça tinha absoluto conhecimento sobre sua aversão a lugares pobres e baratos.

— Sr. Uchiha?

— Sim, Sonya está lá, atendendo ele! 

Que vaca exibida! — o comentário de uma das meninas foi ouvido e logo a porta aberta, uma jovem tipicamente americana passou por ela, os olhos azuis vibrantes, cabelos loiro pálido e um sorriso despretensioso — O que ele pediu?

Álcool — com um olhar displicente moveu a mão para os cabelos lisos — Mas não bebe nada do que temos aqui.

— Que coisa.

— Se ele quiser, posso levá-lo a um bar bem legal — uma das meninas parecia muito certa  — Nunca vi um homem tão bonito de perto.

— Ele parece que saiu de um comercial de perfume — Hinata segurou o riso, Sasuke, de fato, era muito charmoso e elegante, mas a personalidade odiosa o fazia quase intragável.

— Vamos deixar de babar, saiam da porta, o Uchiha não vai comprar nada, eu mando uma cópia da câmara de segura para que vocês o vejam em casa por quanto tempo quiserem — Tenten olhou para a amiga, vestido caro e bonito escondido pelo casaco grande e velho, as mãos da Hyuuga seguravam as sacolas e parecia pronta para ir — Agora, saiam, saiam, a Hinatinha quer passar, precisa ir encontrar o chefe dela.

As meninas só não esperavam que o empresário era o atual patrão da jovem Hyuuga. Sasuke era ridiculamente alto, Hinata mal chegava em seu peito, ninguém estava pronto para aquela sorriso galante que nasceu nos lábios finos e desenhos, o Uchiha sabia muito bem o efeito que causava no sexo feminino, passou os dedos nos fios sedosos. Tenten não era indiferente a um homem tão bonito quanto o empresário, sentia as bochechas quentes.

— Essa é minha melhor amiga, Tenten Mitsashi — Hinata sentiu-se deixada de lado, os olhos negros como uma noite sem lua estavam fixos na moça — Ten, esse é meu atual chefe, Sasuke Uchiha.

Ah, eu o conheço… Quer dizer, conheço pela televisão, revistas e internet…

— É prazer, Srta. Mitsashi — cavalheiro, beijou a mão pequena e  cheiro de óleo.

Hinata ouviu quando a amiga sussurrou um "meu deus" e revirou os olhos sutilmente.

— O prazer é meu, Sr. Uchiha.

— Receio que tenha que ir agora, mas digo, seu estabelecimento é... Adorável.

Que ultraje, a Hyuuga via a mentira clara nos olhos dele, o brilho lascivo e hediondo, mas apenas sorriu e acenou para a melhor amiga quando saíram. No carro, Sasuke mexia no celular, os dedos frenéticos em um digitação continua. A moça limitou-se sentir a brisa gélida, a cidade passava com pressa, as luzes refletindo em seu cabelo.

Quando o carro parou em frente à resistência de muro baixo e tinta descascando, sentiu todos os em si, chegar Creta preto não era nada comum naquela rua suburbana, ouvia os comentários, em um mês trabalhando para o Uchiha havia chegado em casa em cinco modelos diferentes de carros, nunca tinha descido a garagem, porém, ouvia na empresa que Sasuke era um colecionador.

O cheiro de café e fumaça de fumo estavam espalhados pelo bairro, Hinata segurou a sacola a sala entre os dedos, os olhos de lavanda presos no rosto do chefe ainda concentrado no que digitava, o viu sorrir e franzir o cenho ao olhar a hora.

— Sarutobi — chamou quando o mais velho desligou o carro.

— Sim, senhor?

Hidan está vindo ao meu encontro — colocando a mão sobre o queixo, olhou para Hinata, mas ainda falava com Hiruzen — Irei sair, você pode ir para casa depois daqui.

— Poderia me dizer para irá? — havia uma fina linha tênue entre cuidado, curiosidade, mas a preocupação era visível.

Tsc… Quer mesmo que eu diga? 

O Uchiha arqueou uma sobrancelha, os olhos de ônix em puro divertimento cravados na imagem refletida do seu motorista que por sua vez desviaram-se para uma Hinata perdida em um diálogo mudo.

— Não...

Hm.

— Cuide-se, Sr. Uchiha — Hinata pulou para fora do carro alto, o vestido subindo pelas coxas roliças relevando a meia-calça preta, atraindo os olhos negros para si.

— Até, Hyuuga.

 

♧♧♧

 

Alguns dias depois.

 

Hinata caminhava despreocupada pelo condômino de luxo, os fones de ouvido abafando os ruídos externos, era cedo demais para ter fluxo, apenas algumas pessoas faziam sua caminhada matinal, na praça central, sorriu de forma genuína com idosos praticando Taisou, os movimentos eram leves e lentos, relaxante como a brisa fresca que corria por aquela manhã quente do início de janeiro.

Parada em frente à grande porta, observou a própria imagem refletida pelos vidros laterais, fora com grande relutância que acabou por aceitar as roupas que ele tinha lhe comprado, mas o Uchiha tinha sido enfático, não andaria com alguém mal vestido ao seu lado. No fim, o resultado a agradava, a saia era elegante, preta e cinturada em harmonia com a blusa de seda vermelha com botões.

Arrumou a franja e apertou o rabo de cavalo, Sasuke presava pela aparência e estava ao seu redor tinha que está em um padrão equiparado. Com calma, colocou a chave e empurrou a madeira pesada enquanto relembrava a agenda, o ar estava gélido dentro daquele ambiente enorme, os saltos baixos ecoavam pela mármore clara, procurou na cozinha, na academia, piscina, escritório e sentiu o peito doer.

E se Sasuke estivesse demasiado?

Pelo que lembrava, o Uchiha sofria com enxaqueca crônica, embora a moça tivesse obtido sucesso em fazê-lo reduzir a quantidade de álcool que ingeria diariamente, ele ainda o fazia em uma frequência absurda.

Temerosa, subiu os largos degraus, detestava aquela escada circular, o designer fluente lhe dava dor de cabeça apenas em supor os cálculos que tinha que ser feitos para coloca-la ali de forma tão centralizada no ambiente, a vista era de tirar o fôlego e Hinata sempre perguntava quando de dinheiro ele havia gastando para ter uma reserva ambiental particular.

Dentro do corredor extenso, largo e minimalista, perdeu-se na quantidade de portas e decoração espelhada, as pequenas mudas de plantas medicinais e orientais ocupavam jarros em pilares, no fundo destacado no branco, o símbolo Uchiha em vermelho sangue. Olhou para a porta, vagarosamente e com cuidado, abriu, não havia muita luz, as cortinas pesadas impediam a luz do Sol, conseguiu com custo vislumbrar a cama desarrumada, garrafas de bebida e roupas pelo chão enrolada nos lençóis. Com passos lentos e curtos aproximou-se de onde ouvia um som estranho, o banheiro, com a porta entreaberta, espiou para congelar no lugar em que estava.

Sasuke estava fazendo sexo com uma mulher.

Quis sair, da meia volta e fingir que nada daquilo tinha acontecido, seguir sua vida como sempre fazia, no entanto, suas pernas pareciam feitas de chumbo, os olhos de lavanda, inocentes, acompanhavam perplexos e fixos no ato carnal e indecente. Uma mão grande firme segurava o quadril feminino fazendo-o chocar contra o dele, forte, enquanto a outra mantinha a mulher cativa pelo pescoço, Hinata ouvia os sons, os corpos suados, sussurros vulgares e cada gemido rouco e profundo do homem enviava sensações estranhas para o seu corpo.

Era imoral, inescrupuloso se manter a observar a intimidade de uma pessoa, mas a jovem não conseguia ir embora, mesmo que suas bochechas queimassem de vergonha e desejo, continuava naquele impasse, era terrivelmente errado, mas nunca ninguém havia tocado seu corpo como o Uchiha fazia com aquela mulher loira, Hinata quis saber como era ser desejada, fodida como nos livros que Tenten costumava ler, seu ex-namorado, Tokuma, nunca pareceu querê-la com ardor.

Sasuke empurrou a mulher contra a pia de mármore negro, esmagando os seios fartos contra a peça fria, a Hyuuga viu o desenho de um dragão oriental detalhadamente tatuado nas costas largas e arfou, através do espelho, observou o dorso trabalhando, a água pelo banho recente escorria dos cabelos molhados em direção aos pelos ralos no baixo ventre masculino, o som de um tapa estalado ecoou e o coração da pobre assistente parou.

Sasuke a viu.

Mesmo que o vapor da água quente tivesse embaçado o vidro espelho, ele cravou os olhos de ônix, negros como as penas de um corvo, no rosto corado e infantil de Hinata, que modificada, sentiu-se congelada no lugar, ele sorriu e foi o pior dos sorrisos, uma linha fina e debochada, quase como se perguntasse "está apreciando o show, Hyuuga?", com os pelos do corpo totalmente arrepiados, sentiu um calor incomum tomar conta do corpo miúdo e um calafrio involuntário a infligiu quando o ouviu rugir como um animal e soube, Sasuke Uchiha tinha gozado e aquele som era o mais excitante e viril que já havia escutado em sua vida inteira.

Com a razão correndo pelo sangue corpo mais uma vez, correu em direção ao banheiro observando a imagem a sua frente, corada, os olhos turvos e lábios trêmulos. Envergonhada quis chorar e nunca mais sair daquele banheiro, era tão grande, até daria para morar ali dentro se quisesse de fato.

No quarto, Sasuke trocava de roupa, o sorriso cafajeste não saia do rosto levemente avermelhado, abotoou a camisa preta, enquanto os olhos negros vasculham o quarto encontrando a Senju calçando os sapatos de salto, não era de sua índole transar com as amigas de sua mãe, abrira uma única exceção para a loira, havia encontrado a mulher em uma casa noturna, solteira convicta, depois de algumas doses, os flertes deixaram de ser inocentes e ele assumiu, tinha fora do comum uma tara nos seios fartos e macios.

— Tsunade…

— Fique tranquilo, ninguém vai saber, Mikoto me mataria se soubesse que o filho dela me fodeu gostoso… — o balançar dos quadris o atraía, colocando os braços envolta do pescoço masculino — Você é delícia, Sasuke.

Tsc… Eu sei… — colocando as mãos envolta do rosto da mulher, ele a beijou brevemente — Vai comer querer comer algo?

— Você é um canalha, Uchiha.

Sasuke riu, os dedos a procura do celular, foi gostoso, mas foi apenas uma noite, havia matado a curiosidade que tinha quando adolescente em relação aos seios da Senju.

Uh, escuto muito isso.

— De qualquer forma tenho plantão em menos de duas horas — olhando o relógio, caminhou para a porta, porém, parou com a mão no trinco — Tem notícias da Sakura?

— Ela me ligou semana passada, infelizmente, não pude atender, mas minha assistente marcou uma visita na próxima quinta-feira.

Hm… Seus amigos precisam marcar hora?

— Meus amigos não, Sakura sim.

Aquilo bastou, a Senju havia entendido entre as linhas, o homem havia colocado limites com medo do que pudesse ocorrer tudo como da outra vez.

— Bom, até mais, Sasuke, foi prazer revê-lo.

— O prazer foi meu, Senju.

Quando desceu em direção à cozinha encontrou uma moça terrivelmente acanhada, os olhos de lavanda presos em qualquer ponto que ele não estivesse, mas Sasuke era conhecido por sua insistência e falta de escrúpulos, impiedoso, rondou como uma cobra prestes a dar o bote, envolvendo-a com sua perfume marcante.

Hinata estava focada nas anotações de eventos que o Uchiha tinha para fazer naquele semana, entrevistas para um jornal matutino e outra para uma revista sobre economia, o corpo miúdo apoiado no balcão de madeira branca, fingia ler, mas era impossível quando sentia aquele olhar negro em si, queimando-a viva. 

— Hyuuga — a mulher tremeu, Sasuke estava logo atrás de si, muito próximo.

— S-Sim… S-Senhor? — Por que soava tão erótico aquela simples frase dita pela voz trêmula e doce daquela mulher?

— Você está bem? 

Hinata virou-se, era adulta e poderia lidar com aquela situação, foi que pensou antes de ver os olhos tão escuros encarando seu rosto.

— S-Sobre o que vi… S-Senhor, por favor… Por favor, me perdoe, n-nunca foi intenção… Meu padrinho... Hiruzen, ele…. Ele havia dito que o senhor  sofria de enxaqueca e tinha desmaios… Então… Então... Eu…

Embora a cena fosse cômica e fofa por vê-la espremer os dedos com os olhos nervosos e tão vermelha quanto a blusa que vestia, a gagueira estava lhe dando dor de cabeça.

— Tudo bem, Hyuuga, era apenas sexo — com um gesto balançou a mão no rosto — Espero que tenha apreciado o show, quem sabe te faço um particular, te foder deve ser ainda mais gostoso.

— S-Senhor Uchiha! — Exclamou horrorizada e quente — Isso não é coisa que se diga para uma funcionária

Tsc! Falando assim, até daria que é um garotinha virgem e inocente.

— N-Não sou virgem! — Hinata sentiu os olhos saltarem do rosto.

— E também não é inocente, não tanto assim…

Ele riu, segurou o rosto pequeno e corado, a moça deu alguns passos para trás encontrando a parede, o que era pior, agora estava presa. Hinata era linda como uma princesa oriental, delicada e doce, hipnotizado, deslizou o polegar contra os lábios rosados sentindo a maciez contra seu dedo, Sasuke abaixou apenas um pouco fazendo os fios úmidos tocarem o rosto singelo, a respiração ofegante e cálida contra a sua, aos poucos os olhos de lavanda tornam-se turvos, um mar leitoso, as pálpebras foram fechadas e ela esperou, enquanto o homem pensava no que estava fazendo.

— Sasuke! — O grito masculino e agudo desfez toda a tenção que os circulava, os olhos de Hinata acompanharam o momento que o Uchiha fechou os dele e deslizou a língua pelos lábios mordendo-os em seguida — Sasuke, onde você está? Merda de casa gigante do caralho!

— Estou aqui, idiota.

A moça queria ter a capacidade de fingir e mentir tão bem quanto aquele homem, tinha certeza que sua expressão a entregava pelas bochechas coradas e olhar confuso. Respirou três vezes bem fundo antes de sair do próprio cantinho, os passos eram lentos de quem não queria chegar a lugar algum. Na sala, Sasuke conversava com dois homens, um loiro, forte e com um sorriso alegre, Hinata já o tinha visto algumas vezes na empresa, sabia que era Naruto Uzumaki, o outro, estava de costas e a moça apenas viu os cabelos alaranjados e ombros largos.

— Srta. Hyuuga! — Naruto era, de fato, energético — Você está aqui, meu deus, Sasuke isso é trabalho escravo.

— São onze da manhã, Uzumaki.

Aquela voz, Hinata a conhecia, o homem ergueu-se, muito alto e sombrio, os olhos de um tom estranho entre preto e roxo, brilhavam em sua direção, havia três pequenos piercings em cada lado do seu nariz, era bonito e exótico.

— Hinata, meu bem, não sabe a honra que é para mim, enfim, conhecê-la — delicado, tomou a mão feminina levando-a aos lábios — Eu tinha razão, sua aparência condiz com sua voz.

— Sr. Uzumaki… — ela sorriu mais uma vez, Nagato a achou solar — Não precisa de tanto.

— É claro que precisa… Me chame de Nagato, meu bem.

— Acabou o flerte? — Sasuke estava de pé, as mãos dentro dos bolsos e os olhos frios, como sempre.

— Estava apenas elogiando-a…

Ei, estão deixando a menina envergonhada — Naruto puxou uma pasta de couro — Estamos aqui para isso, negócios.

Tsc, certo… Vamos — apontando para a escada, Sasuke fez um sinal antes de se dirigir a mulher — Hinata, faça um roteiro com perguntas e respostas para as entrevistas dessa semana.

— Sim, senhor.

Sozinha no andar de baixo, levou as mãos para a cabeça. O que havia feito? Beijaria Sasuke Uchiha? Deus, onde havia se metido? 

"Com você eu só sou selvagem, eu não quero te pressionar, gata, não! Mas tudo que eu sempre quis fazer, eu quero ser seu amante, eu quero ser aquele que faz você vir correndo — I wanna be your lover"


Notas Finais


Gente.
Então.
Sasuke pegou a Tsunade? Pegou, não foi um pega aleatório, precisou acontecer para ter impacto em uma cena futura. Enfim, o Sasuke é um cachorro, canalha e vários outros adjetivos.
Nagato aqui tem a aparência do Pain, no anime eles meio que são a mesma pessoa, mas achei que o nome Nagato tinha uma sonoridade melhor que a do Pain, como eles estão nos EUA colocar o cara com nome "Dor" não ficaria bom.
Hinatinha olhando o Sasuke transar, morri, mas a intenção foi boa.
Significados dos anéis, Dedo mindinho significa riqueza, então lá fica o anel de graduação. Indicador relacionando a família, herança, no polegar é poder e status.
Sasuke vai começar a jogar indiretas não tão indiretas assim para Hinata, cerca-la sutilmente, porém, será que ele não cairá no próprio feitiço?
Ele com coleção o de carros é tudo para mim.
É quase assim que imagino a casa do Sasuke:
https://pin.it/5S0UeTD

Tatuagem dele:
https://pin.it/1XebSWM

Digno será atualizada nesse fim de semana.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...