História Law and order : SVU - Segunda Temporada - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Lei & Ordem: Unidade de Vítimas Especiais, Once Upon a Time, Orange Is the New Black
Personagens Alex Vause, Det. Amanda Rollins, Det. Odafin "Fin" Tutuola, Det. Olivia Benson, Emma Swan, Henry Mills, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Personagens Originais, Piper Chapman, Rafael Barba, Regina Mills (Rainha Malvada), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Alexvause, Amandarollins, Detetives, Emmaswan, Investigação, Lanaparrilla, Lawndordersvu, Lésbica, Lgbt, Mariskahargitay, Oliviabenson, Onceuponatime, Orangeisthenewblack, Reginamills, Rolivia, Swanqueen, Vauseman
Visualizações 34
Palavras 2.096
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Policial, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 12 - Preconceito- PT1


Fanfic / Fanfiction Law and order : SVU - Segunda Temporada - Capítulo 12 - Preconceito- PT1

Ep5 - PT1


6 meses depois...


Olivia e Amanda estavam vivendo uma outra realidade. Com Noah em suas vidas, Rollins precisou ficar em licença até o quito mês. Benson se desdobrava entre ser a Capitão da UVE e mãe, todos os dias. Como prometido, Olívia sempre tira folgas a cada mês e volta para casa mais cedo. Alex está feliz com a filha que irá nascer, mas Piper teve alguns problemas e Benson resolveu dar uma licença para ela assim que Amanda voltou a trabalhar.


Regina e Emma descobriram que a loira não podia ter filhos, segundo Penélope, quando Emma sofreu o acidente e ocorreu um aborto, os médicos não tomaram boas decisões, dessa forma o útero dela estaria debilitado. Já Regina, pela sua idade, não quis arriscar complicações. Mas isso não foi um desastre na vida do casal, Henry estava sendo um filho maravilhoso e as mulheres conversavam sobre talvez adotar uma menina mais tarde.


Noah era esperto, fazia varios barulhos tentando falar com Olivia, todos os dias em que a Capitão chegava em casa. Ser mãe fez com que Olivia ficasse ainda mais cuidadosa com casos que envolviam crianças. Amanda se tornou uma mulher ainda mais madura e forte com o nascimento de seu primeiro filho, ao contrário do que muitos imaginavam em casa a Capitão não era Olívia. Rollins era rigorosa com os horários e com os alimentos, Benson achava engraçado o jeito como a noiva se tornou mandona. Mas já passava da hora de enfim casarem de vez.


- Oh amor... - Diz Benson, se inclinando sobre a arquibancada. Amanda estava preparando a mamadeira para Noah, já que elas iriam sair logo.


- Hm? - Diz Amanda, concentrada para não passar a medida certa na mamadeira.


- Você ainda quer casar comigo? - Amanda ri.


- Ah não sei Benson... Acho que tenho que analisar as opções que a vida está me apresentando. - Amanda estava provocando a noiva.


- Ah é? - Olivia levanta uma das sombrancelhas e faz uma cara de deboche. - Também vou analisar minhas opções. - Benson põe uma das mãos no queixo fingindo pensar em algo. - Fraudas sujas ou choros de madrugada? - Amanda nega com a cabeça e ri.


- Falando nisso... Eu fico tão chateada por você ser tão perfeita. - Benson ri. - Sério... Se o nenem chora a noite você sempre vai lá cuidar dele.


- Amor... Você vive tendo que dar mamá para ele. É o mínimo que posso fazer. - Amanda dá a volta na bancada, abraçando Olívia por trás e beijando seu pescoço.


- Eu te amo sabia? - Benson fecha os olhos aproveitando aquele carinho.


- Aham... Eu também me amo. - Amanda dá um tapa no braço da Capitão. - Eu amo você também.


- Respondendo sua pergunta... - Benson se vira para ficar frente a frente com Amanda. A loira abraça o pescoço da noiva. - É óbvio que ainda quero casar com você. Acha mesmo que iria perder a oportunidade de ser sua mulher? - Benson trás Amanda para mais perto, colando seus corpos.


- Você já é minha mulher. - Quando as duas começam a se beijar Noah chora.


- Ele adora acordar nesses momentos. - Diz Amanda. As duas riem.


- Estoi aindo! - Diz Benson.


Quando Olivia chega no quarto do bebe, Noah está se mexendo no berço. A Capitão pega o filho no colo com cuidado e começa a trocar sua fralda.


- É... Acho que não prefiro fraudas sujas. - Benson ri e Noah também sorri banguela.

Unidade de Vítimas Especiais...


- Chegaram as mamães. - Diz Regina.


- E ai? Como está o nosso afilhado? - Pergunta Emma.


- Esta muito bem. - Diz Benson abraçada com Amanda.


- Ele praticamente só come,dorme, suja as fraudas e chora. - Diz Amanda. Todas riem.


- Temos novidades. - Diz Olívia. - Eu e a Amanda decidimos que iremos casar ainda esse ano. - Regina e Emma batem palmas. Elas se olham e Regina começa a falar.


- Eu e a Emma queremos cuidar de todos os preparativos para vocês lá na fazenda Mills. - Benson e Amanda ficam lisonjeadas por aquilo. - É mínimo que podemos fazer depois de tudo o que fizeram por nós nosso casamento.


- Se você Olívia não tivesse ficado na nossa frente e a Amanda ter tirado a arma da mão do Rafael, ele teria atirado na Regina. - Diz Emma.


- Tenho certeza que a Zelena ficará feliz em fazer toda a decoração. - Diz Regina.


- Meninas... Vocês não precisam fazer isso. - Diz Benson.


- Considerem um presente das madrinhas. - Elas se abraçam em agradecimento.


Apartamento Emma e Regina.


- Tia Mary? - Henry fala com sua babá.


- Sim Henry...- A mulher percebe que o garoto está com uma expressão confusa.


- Eu vejo meus amigos brincando de carrinho , eles gostam das roupas que vestem. Porque eu não?


- Como assim querido? - Mary senta no sofa com Henry do lado.


- Eu acho as roupas das minhas mães tão lindas, os cabelos, a maquiagem. E sinto vontade de ser como elas.


- Como uma garota?


- Sim. Isso é errado? - O menino estava olhando para o chão.


- Claro que não querido. - Mary abraça ele. - Mas... Precisamos falar com suas mães, assim elas podem ajudar você a entender melhor sobre isso.


- Tudo bem. - O Garoto continua brincando.



O esquadrão da UVE, recebe um chamado importante, segundo eles, uma mulher havia sido atacada em frente a um bar LGBTQ . A princípio Emma e Regina foram designadas para ir analisar o caso.


Em frente ao bar LGBTQ


- O que houve oficial? - Pergunta Emma para uma polícial.


- Mulher, 28 anos, saiu do Bar onde trabalha e foi atacada por um homem.


- Ok! - Diz Emma. Ela e Regina vão até a ambulância onde a mulher estava sendo carregada.


- Como ela está?  - Pergunta Regina.


- Não muito bem... Precisamos levar ela para o hospital urgente. - Diz o Socorrista.

Hospital Mercy...


- Emma,Regina... - Benson chega com Amanda.


- Então... - Começa Regina. - Não temos muitas informações, ela está passando por uma cirugia, levou uma facada.


- Alguma testemunha? - Pergunta Amanda.


- Aparentemente não. - Responde Emma.


- Ok! Emma e Amanda, vão até o local e vejam se conhecem a vítima.


As Swan e Rollins se retiram e vão de carro até o Bar LGBTQ . Em poucos segundos o médico responsável aparece.


- Bom dia! - Diz Ele. Estendendo a mão para Benson e Mills.


- Somos da UVE. Sou a Capitão Olívia Benson e essa é a Sargento Regina Mills. - Diz Olívia.


- Sou o doutor Frederich Brason. - Se apresenta o médico. - Ela estava com um grande ferimento feito a faca, tem hematomas pelo corpo e seu se penis está com cortes também.


- Espera... Ela? Penis? - Diz Regina. É um homem Então.


- Regina! - Repreende Benson. - É uma mulher Trans, qual é a dúvida? - Mills faz uma careta e cruza os braços. O doutor faz uma expressão chateada. - Desculpe doutor... Continue.


- ELA. - O médico diz de forma lenta e com o tom mais alto, olhando diretamente para Mills. - Vai se recuperar bem da cirurgia, em alguns minutos acredito que ela vai estar acordada.


- Podemos falar com ela? - Pergunta Olívia.


- Olha... Só tomem cuidado com a reação dela. Está muito fraca ainda.


- Sem problemas... - Benson sorri. A Capitão olha feio para Regina. - Qual é o seu problema? - Regina revira os olhos.


- O que Olívia?


- Falar daquele jeito. Não é um órgão genital que faz alguém homem ou mulher.


- Eu não acho isso... Sei lah. Simplesmente não acredito que isso seja possível. - Benson fica indignada.


- Mills. Fala sério! Você é transfóbica?


- Eu não... É só a minha opinião,Olívia.


- Opinião? Está parecendo aqueles idiotas preconceituosos. Se fere a existência de alguém ou ofende, não é opinião, é preconceito. - Diz Benson.


- Quer saber... Chega! - Mills sai de perto de Benson.


- Eu não acredito. - Diz Olívia com as mãos na cintura e negando com a cabeça.

Bar LGBTQ ...


Emma e Amanda chegam em frente ao bar e observam uma mulher fumando perto da porta.


- Oi! - Amanda Fala com a mulher.


- Oi! - Responde ela.


- Sou a detetive Amanda Rollins e estou com a Detetive Emma Swan. Somos da Unidade de Vítimas Especiais.


- Vieram falar sobre a Cindy? - As detetives se olham.


- Acho que sim... - Diz Emma. - Ela não estava com nenhum documento, apenas achamos ela aqui perto, no beco.


- Eu liguei para a polícia. - Diz a mulher, de forma fria, fumando seu cigarro.


- Você sabe o que houve? - Pergunta Amanda.


- A Cindy brigou com um gay no bar. Ele disse que não gosta de homem vestido de mulher. - Emma pensa por alguns segundos.


- Espera... Ela é Drag Quee? - Pergunta Swan.


- Não... - Responde a mulher. - Ela é Trans. - Drag Queen é um homem que se veste e se maquia como mulher para fazer performance. - Amanda Afirma com a cabeça. - Uma Trans, é uma mulher que nasceu em corpo masculino e passa ou não por uma redesignação com hormonios para se sentir no corpo certo.


- Eu sempre me confundo. - Diz Emma.


- É normal. Também não entendia bem sobre isso. - Diz Amanda. - Eu e a Olivia já trabalhamos em um caso que os pais agrediam uma menina por ela não se identificar com o genero masculino em que nasceu. Tivemos que lutar para tirar a guarda dos pais.  Agora que tudo está certo e que enfim podemos chamar de Ela, a Olivia sempre recebe mensagens, com noticias sobre ela e como está a nova familia. Ela agora tem 17 anos.


- Humm... - Diz Emma.


- Então... Podemos falar com outras pessoas que trabalhavam com ela? - Pergunta Amanda.


- Claro! - Diz a mulher. Abrindo a porta para que as detetivea entrassem.

Hospital Mercy...


- Voltamos amor... - Diz Amanda. Vendo Olivia sentada em uma poltrona. - Ué... Onde está a Regina? - Pergunta.


- Eu e ela tivemos um pequeno desentendimento. - Emma olha surpresa para Olívia e manda mensagem para a esposa, indo atrás dela em seguida.


- Eu vou ir atrás dela. - Diz Emma.


- O que aconteceu? - Pergunta Amanda, vendo que a expressão facil da noiva não estava nada boa. Olívia conta tudo para Amanda. - Nossa... Bom. Sabiamos disso, falamos com alguns funcionários que trabalham no bar. A Emma não me pareceu transfóbica, ela só se confunde o que é normal para quem não conhece.


- Pois eh... A Regina foi tão transfóbica. Lembrei da Marina. - Olívia estava falando da garota que elas ajudaram no passado, a mesma que Amanda havia comentado com Emma.


- Eu contei para a Emma. - Diz Amanda.


- Eu acho que deveriamos pedir para ela vir pra cá. - Diz Olívia.


- Para Manhattan? Por que?


- Não vamos ter exito nesse caso se a Regina ficar com essas atitudes. - Diz Olívia. - Lembra como eu pensava, antes de conhecer a situação dela?


- Nós duas, né amor? - Diz Amanda. - Nós não entendiamos, mas ao ficar mais tempo convivendo com o sofrimento dela, conseguimos ver que ser trans é algo normal.


- Vou ligar para ela. Quem sabe isso ajude.


- Só se ela ficar lá em casa. - Diz Amanda. Olívia sorri.


- É por isso e outras coisas que te amo. - Diz Olívia. Dando um selinho na noiva.


Fora do Hospital...


- Gina? - Emma chama a esposa que estava debruçada sobre um muro.


- Oi, amor! - Diz Regina.


- O que houve entre você e a Olívia? - Pergunta Emma. Regina conta sua versão sobre os fatos mas Swan consegue observar que na história, Olívia tinha razão. - Amor... Me desculpe mas... A Olívia tem Razão.


  - O que? - Regina fica reta e olha para a mulher.


- Amor... Eu até confundo algumas vezes, Trans e Drag Queen. Mas... Eu não acho que é errado. - Regina nega com a cabeça.


- Emma. Por favor! Chega de falar sobre isso. Vamos voltar para a UVE. - Regina saí andando na frente e Emma manda uma mensagem para Amanda avisando.


Continua...





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...