História Le Tenébrès Du Noir Pur - Capítulo 11


Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Félix, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Jalil Kubdel, Lila Rossi (Volpina), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain, Wayzz
Tags Adrinette, Mistério, Novos Heróis
Visualizações 5
Palavras 1.266
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção Adolescente, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Nudez, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Elementar meus caros leitores, por mais que Alya tenha demonstrado não gostar muito da Luíza e seus amigos no primeiro encontro, ela não podia ficar parada com algo como aquilo acontecendo.
E aqui vamos nós para onde a Alya se mete a partir desse capítulo, quero ver as apostas de vocês em relação aos portadores dos miraculous alma.
Dica, vai ter muito além do que os sonhos e visões entre esses dois, graças a Attenia e Renné que vão dá um empurrãozinho em relação a fuga mais esperada da história.
Deixa eu parar de ajudar vocês a juntarem as peças, tenho que começar a pensar o que fazer em Legendary Magic, nosso mundo cheio de dragões está muito inativo por tempo demais pro meu gosto.

~podem ler

Capítulo 11 - Investigação


Fanfic / Fanfiction Le Tenébrès Du Noir Pur - Capítulo 11 - Investigação

Alya teclava freneticamente no seu telhado, tablet, computador e celular, procurava sem parar por informações que lhe fossem úteis, estava a mais de uma hora em frente aos seus aparelhos eletrônicos, vasculhava tudo quanto era tipo de site, e tentava hackear os sistemas das câmeras de segurança de todas as cidades que podia localizar pelo seu equipamento.

— Eu preciso ajudar eles... Mas como? – a mesma continuava a olhar cada um dos sites até que encontrou algo de estranho em uma das imagens de um vídeo em Londres, Luíza e Gabriela andando sendo escoltadas praticamente por dois homens imensos, que as colocaram dentro de uma van preta, algo nada de importante aos olhos de outras pessoas, mas para ela, ali e agora era uma pista muito importante para a salvação daquelas pessoas – O número da placa WB34-FH6. Tenho uma pista, só basta eu conseguir achar o rastro dessa van.

— Tikki, estou preocupada com a Alya, ela está muito estranha desde que encontramos aquelas pessoas no trem para Roma. – Marinette desabafava com sua kwami, já se faziam três meses após o encontro com aqueles jovens nas ruas de Roma –

— Marinette, você mesma ouviu, Alya quer tentar ajudá-los a se libertarem, nem que para isso ela tenha que investigar a localização de cada um deles, que pelo jeito é o que ela tá fazendo.

Os anos se passaram, dois anos pra ser exata, Alya estava cada vez mais próxima de encontrar aquelas pessoas, e isso deixava os sequestradores à alerta para a mesma, que não sabia que era seguida por alguns desses homens que apenas esperavam o momento certo de a pegarem.

— Attenia... Cadê você? Onde essa kwami foi se meter... – sem perceber acabou tropeçando e caindo de joelhos no chão, e sua mente viajou nos pensamentos de outra pessoa –

****Pensamentos****

Eu estava em uma cidade que se fosse pra mim reconhecer, eu acho que era Seattle, pelo tamanho, não tão grande quanto New York City, mas era uma bela cidade.

Acabei por me esbarrar em alguém, espera... É possível isso!?

— Você está bem? – alguém que pela voz percebi ser um menino perguntou para mim –

— Estou bem... Acho que não quebrei nada. Me desculpe. – ele a puxou pelas mãos, para mesma se por de pé novamente, e ao encontrarem os olhares notaram quem eram –

— Está a me perseguir My Life?

— Que perseguir o que... Eu estava andando pelo corredor, e acabei tropeçando acho que acabei invadindo sua mente –

— Tanta saudade assim de mim? Falando em corredor, por que nunca me disse que estava presa? – ao dizer isso, ele notou o espanto no olhar dela para si, e acabou se arrependendo por ter perguntado, a mesma tentou correr, mas foi impedida pela mão dele em seu pulso onde estava seu miraculous –

— Me larga! – ela tentava se soltar das mãos do maior, no que não adiantou muito, pois o mesmo a puxou e a prensou no tronco de uma árvore do parque em que estavam –

— Isso não vai acabar bem... – Attenia falou para o amigo ao seu lado que via a reação dos dois portadores dentro do parque –

— Ele não esqueceu disso nunca, até desenhou no caderno de desenhos dele, esse garoto vai fazer ela falar de qualquer maneira.

— Você quer parar de se debater, apenas te fiz uma pergunta! – ele por acidente acabou elevando o tom de voz, e ao perceber por conta do rosto dela surpreso – Desculpa, você sabe que eu jamais gritaria com você. – ele tocou levemente o rosto dela com as pontas dos dedos.

— Como...você descobriu? – ela não conseguia encarar o maior, que já havia afastado um pouco o corpo do seu –

— Uma visão, quer me falar sobre isso? – ele apenas viu ela afirmando com a cabeça –

— Quando eu tinha três anos... Fui tirada dos meus pais, e levada a força da minha cidade e levada para aquele lugar que você viu. – ela chorava sem consolo, pela primeira vez em anos lágrimas escorreram por seu rosto e seu corpo escorregou pelo tronco da árvore em que estava –

— Hey, não chora minha vida. – ele se sentou ao lado dela, e a abraçou se lado a puxando para mais perto de si, acariciava levemente os cabelos azulados dela, tentando a acalmar – Você passou por tanta coisa, nunca se esqueça que... Eu vou estar ao seu lado sempre... – ele levantou o rosto dela lentamente limpando o rosto da mesma –

— Obrigada, por estar ao meu lado... – ela o abraçou fortemente, mantendo seu rosto escondido no pescoço dele – Muitas das pessoas não entenderiam o que eu e meus amigos estamos passando naquele pesadelo.

— Sabes que pode contar comigo sempre. – ele olhava diretamente nos olhos dela, dourado no castanho com resquícios de azul anil, se separaram do abraço, e a garota retirou do braço uma pequena pulseira com um pingente com a inicial de seu nome ”M” colocando no pulso do rapaz a sua frente, que fez o mesmo coma pulseira em seu braço com a letra “B”, e assim terminou –

****Pensamentos****

—Cara, você está bem? – um dos amigos do portador do miraculous morte perguntou para o amigo que já estava olhando pro nada a bastante tempo, e isso chegava a ser meio bizarro –

— Estou sim, apenas acabei pensando alto demais... Onde estávamos?

— Descobrimos que Marianne terminou com o Gustav, quer dizer que o caminho está livre pra você amigão. – Mark esperava ver uma alegria extraordinária no rosto do amigo, mas não foi o que houve ele se manteve indiferente perante a notícia – Não gostou da notícia?

— Se eu te contar que deixei de gostar da Marianne a muito tempo, o que vocês diriam? – ele olhou para os três amigos, Mark, Ferdinand e Pitter, que estavam estáticos olhando para o amigo a frente –

— Como assim? Você sempre foi caidinho por ela, o que houve agora? Já sei gosta de garotas difíceis... – Ferdinand se calou ao ver o olhar do amigo –

— Acho que nunca gostei dela de verdade, apenas queria negar a mim mesmo o que sentia por outra pessoa. – seu olhar se moveu lentamente para seu caderno de desenho onde estava as imagens de sua lobinha branca – Apenas queria negar isso, estou começando a notar ultimamente isso.

— E quem é ela? A gente conhece? – Pitter perguntou, mas o amigo negou com a cabeça – Como assim? Você quase nem fala com as garotas da escola...

— Ela não é daqui da escola, conheço ela desde criança... – ele levantou o pulso direito onde estava a pulseira que a mesma lhe deu em menos de alguns infantes atrás, mostrando a letra “M” perfeita presa como pingente – Ela me deu isso... Meus dias se tornam melhores quando a vejo, e já não aguento de saudade quando lembro dela.

Ele mal notou que seus olhos brilhavam ao falar dela, seus amigos perceberam a paixão com o qual ele falava, e ela sim, teria sorte quando descobrisse o que ele sentia... Mas adivinha, não vai ser tão fácil juntar esses dois, ou pelo menos dizer que a ama, em sonhos podem até conseguir dizer muita coisa, mas na vida real não seria tão fácil dizer tais palavras na presença um do outro... Como em breve aconteceria.

Em uma noite, Alya caminhava de volta para sua casa depois de um dia cheio com os amigos na Padaria dos pais de Marinette, havia sido divertido e com muita bagunça, e não estava percebendo que estava sendo seguida de perto por alguns homens e uma van preta, da mesma placa que havia descoberto a uns anos atrás.


Notas Finais


Tenso, mas fofo em certo ponto.
O garoto é mais atencioso com ela do que aparenta, nem vai dar pra crer quando esses dois se encontrarem na vida real, estou pensando seriamente em fazer algo em relação a isso, se chegarmos a 20 favoritos eu faço um especial de como eles conseguiram seus miraculous e se conheceram, interessante, mas vamos deixar algumas partes ocultas, quero usá-las para um episódio que está sendo planejado na minha cabeça, até amanhã heróis do universo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...