História Leave My Heart Out Of This - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Shawn Mendes
Tags Camila, Camren, Laucy, Lauren, Norminah, Shawmila
Visualizações 71
Palavras 4.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vocês estão gostando galera? Comentem, deixe seu like e não esquece de compartilhar. Isso ajuda bastante no crescimento da fic.
Qualquer coisa falem comigo pelo tt.
@DydaCabeyo

Capítulo 4 - Stitches


PVO CAMILA

Acordei após sentir um enorme peso em minhas costas e constatei ser Sofi, abri os olhos com dificuldade e encontrei o rosto de minha irmã e nele um enorme sorriso.

- Você está gorda demais para subir nas minhas costas Sofi, e eu já estou velha demais para aguentar seu peso.

Disse rindo fraco e senti o peso sumir das minhas costas assim conseguindo me virar e encarar a cara de uma Sofi curiosa. Eu já sabia oque ela iria perguntar, de certo modo seria engraçado falar para ela como foi minha noite.

- E então? comece a falar logo mila! como foi a noite? com quem dormiu, e não me diga que não foi com ninguém porque eu sei que chegou de madrugada em casa.

Disse ela com um sorriso nos lábios me encarando esperançosa. Eu queria rir da sua cara mas sabia que ela me bateria por isso, então apenas respondi sua pergunta.

- Eu não dormi com ninguém Sofi, e não começe um escandalo por isso irmãzinha.

Disse rindo de leve e vi seu rosto com um misto de confusão e curiosidade me olhar com uma sombrancelha arqueada.

- Impossível, você chegou de madrugada e não ficou com ninguém ? Camila você está desonrando o sobrenome dos Cabello's.

Foi impossível não rir com aquilo, ouvir ela falar dessa maneira parecia mais deprimente que o normal, mas me dava um certo alívio saber que a noite não havia sido um desperdício graças a Lauren .. é tão estranho .. enfim.

- Se lembra da garota da cafeteria do Rice's? então, foi com ela que eu passei a noite. Quer dizer, nós bebemos e conversamos, ela me trouxe em casa, e ela foi uma ótima companhia. Foi agradável.

Enquanto eu falava, via o rosto de Sofi mudar mais do que tendência de moda em Paris, e isso me causou uma grande vontade de rir, mas me contive com apenas um sorriso fraco no canto dos lábios.

- Eu não sei se surto por você ter passado a noite com essa doida ou se surto por não ter ido pra cama com ninguém. Eu não acredito que disperdiçou sua noite com uma estranha. Pra falar a verdade isso é bem estranho, já que você estava com sangue nos olhos quando falou dela.

- Apenas uma primeira má impressão irmãzinha, apenas isso. Por incrível que pareça ela é uma pessoa agradável de se conversar. Pra falar a verdade a noite com ela foi quase melhor do ficar escutando homens burros me falando o quanto eles pegam de peso na academia.

Minha gargalhada e a de Sofi ressoavam pelo quarto, momentos assim eram ótimos com ela, me faziam pensar em como valia a pena tudo oque passei para que nossas vidas dessem certo.

- Você não tem aula de piano hoje mocinha? Vá tomar banho e comer algo antes de sair. Enquanto você faz tudo isso eu fico o dia todo de molho hoje.

Disse com um sorriso nos lábios enquanto via uma Sofi emburrada na minha frente.

- Ok sua velha, bom dia, antes de sair eu passo aqui pra falar com você e mais tarde quando eu chegar eu vou querer saber mais de como foi sua noite.

Após dito isso ela me deu um beijo na testa e saiu do meu quarto. Resolvi levantar e tomar um longo banho, iria comer algo e passar o dia deitada.

Flash Back On

Eu havia acabado de chegar em casa, Shawn estava no quartel e Sofi provavelmente estava no seu quarto. Deixei minha jaqueta no sofá junto com a bolsa com os trabalhos da faculdade. Fui em direção ao meu quarto, iria tomar um longo banho e comer algo logo em seguida. Eu estava exausta, com fome e com sono. Após sair do banho vejo Sofi entrar no meu quarto. Eu não sei porque, mas todos os pelos do meu corpo se arrepiaram ao ver o rosto de Sofi, havia algo diferente, e não era algo bom. Vi ela dar um sorriso fraco e se sentar na cama.

- Está tudo bem Sofi?

Havia receio no meu tom de voz e eu sabia que ela havia percebido isso. Ela desviou o seu olhar do meu diversas vezes até que então ela falou.

- Mila, você realmente ama o Shawn? Tipo, um amor com o qual você não consiga respirar direito se ficar sem, ou então como a história de Romeu e Julieta ..

Senti meu corpo ficar tenso na mesma hora, Sofi nunca fez esse tipo de pergunta, e o tom de voz dela, havia algo nele que eu não conseguia identificar mas que me dava um enorme aperto no peito.

- Eu estou casada com ele Sofi.

- Eu não perguntei se você está casada com ele, eu perguntei se você o ama.

- Não teria porque não ama-lo Sofi. Porque essa pergunta agora?

Ela estava nervosa, sabia disso pois vi ela brincar com os próprios dedos enquanto buscava uma resposta. Por algum motivo eu não estava gostando daquela conversa, algo estava errado.

- E ..  Você é feliz com ele ? Digo, o casamento de vocês é tão bom assim?

- Sofia casamentos são complicados, não é só porque algo deu errado aqui ou ali que devemos jogar tudo pro alto de dessistir.

Eu dizia isso mais para mim mesma do que para ela .. minha cabeça estava uma bagunça, do dia pra noite eu me vi casada, me vi orfã e tive que me virar para cuidar de Sofi, então Shawn apareceu. Não vou dizer que foi um mar de rosas, muito pelo contrário eu corria do Shawn como o diabo corre da cruz.

Sofi viva dando forças para que eu desse uma chance para ele, mas era tão complicado confiar em um homem depois do que havia acontecido tantas e tantas

vezes comigo no passado. Saí dos meus devaneios e voltei minha atenção a Sofi.

- Porque todas essas perguntas Sofi?

- As vezes eu acho que o Shawn não te ama tanto como vive dizendo... Eu acho que ele traí você Mila.

Eu queria saber em qual parte da história eu me perdi, a uma semana atrás Sofi estava na cozinha comigo me dando um sermão de que eu deveria ser mais carinhosa com Shawn, que eu deveria ser uma esposa melhor e mais atenciosa, e hoje está aqui no meu quarto dizendo achar que ele me traí.

Minha cabeça deu um nó enorme naquele momento, eu não sabia oque dizer e nem como reagir.

- Porque você acha isso Sofi? Shawn parece uma mosca morta no quesito "conquistar uma mulher" e você sabe bem disso.

- Não sei Mila, quando vejo ele olhando você eu não consigo enxergar verdade no olhar dele.

- Tire essas ideias da cabeça Sofi.

Disse e lhe abracei pelos ombros lhe dando um beijo na testa.

- Está tudo bem Sofi. As coisas estão começando a entrar no eixo.

Flash Back Off

Eu sentia a água morna bater sobre minhas costas, minhas unhas estavam quase cravadas na parede do box, eu não conseguia conter as lágrimas. Elas caiam em uma velocidade que eu não conseguia conter. Aquelas lembranças, aquelas palavras. Cada uma daquelas coisas eram como cicatrizes pelo meu corpo, mesmo que anos se passasem elas continuariam ali para me lembrar que eu falhei com Sofi, que eu falhei comigo mesma. Elas sempre estariam ali.

Sempre estariam ali para me lembrar que não fui forte o suficiente para proteger Sofi da mesma coisa na qual eu sofri por tanto tempo, eu achei que já havia me machucado antes, mas ninguém me deixou tão ferida quanto ele.

Quando estavamos casados eu sentia como se estivesse afundando, como se estivesse me perdendo de mim, óbvio que não haviam só momentos ruins, mas os momentos bons eram tão ... eu não tenho uma palavra específica para definir, mas pensem em vazio .. isso, era assim que eram os momentos com ele.

Eu não estava feliz, mas também não estava infeliz. Eu me sentia incompleta, na verdade, eu não sei como explicar.

Sai do banho enrolada em uma toalha e senti meu corpo se arrepiar devido a diferença de temperatura. Me olhei no espelho e vi meus olhos um tom de castanho um pouco mais claros que o normal, meus olhos estavam inchados e vermelhos devido ao choro. Durante o banho ouvi Sofi entrar no quarto e dizer um breve tchau e fechar a porta em seguida.

 Eu estava sozinha no apartamento. Coloquei uma roupa e fui até a cozinha com o celular na mão, iria comer algo e iria ler minhas mensagens.

Estava sentada em um banco que havia no balcão da cozinha, comia um sanduíche e olhava minhas mensagens, havia duas mensagens de Ally, uma de um número desconhecido e outras do grupo da faculdade.

Acabei por responder Ally e ignorei as outras, fui até minha lista de contatos e enquanto rolava os nomes pela lista, me deparei com um em especifico e

resolvi que mandaria uma mensagem.

Camila: Oi, tudo bem Lauren?

Era bem provável que ela ainda estivesse dormindo, então apenas bloqueei a tela do celular e fui para a sala de piano, na verdade não era uma sala de piano, havia um piano, uma estante enorme com vários livros e uma mesa com uma cadeira e um notbook. Era como um pequeno escritório/biblioteca/sala de música.

Era meu cômodo preferido na casa, sem dúvidas. Eu conseguia relaxar, era como se quando eu passase por aquela porta meus problemas ficassem do lado de fora.

(...)

As horas se passaram como um jato, eu estava no quarto deitada assistindo Tv quando senti o celular vibrar ao me lado. Dei um sorriso involuntario e peguei

o celular para ler a mensagem.

Lauren: Oi Camila. Desculpa a demora, estava meio enrolada aqui.. estou bem sim, e você? Não está de ressaca não né? kkkk

Camila: Não, não estou de ressaca. Talvez com uma preguiça enorme ...

Lauren: Hmm..  que bom, então, conseguiu se destrair ontem a noite ?

Camila: Por incrivel que pareça, sim. Foi bom conversar com você e rir das coisas idiotas que você dizia.

Lauren: Fico feliz com isso. Se você quiser podemos fazer isso mais vezes. Oque acha?

Ergui uma sombrancelha com a resposta dela e demorei um pouco mais do que  deveria para responder, saber que ela é lésbica e aparentemente está me chamando para sair parecia estranho, por mais idiota que isso pareça. Mas decidi ignorar isso e apenas aceitei o suposto convite.

Camila: Bem ..  pode ser, aonde pretende ir? estou aberta a novidades.

Lauren: Ok, então será 'surpresa', que tal se for hoje? posso te buscar as 20:00 Horas, não se preocupe porque será algo casual e de certo modo, do seu agrado.

Camila: Hmm .. Tudo bem.

Após enviar essa mensagem ela apenas se despediu e parou de me responder. Bem, eu não tinha a menor ideia do que faria no restante do dia, então apenas

coloquei na Netflix e comecei a assistir Dr.House.

PVO LAUREN

Após deixar Camila em casa dirigi calmamente até a minha casa assim que cheguei fui para o banheiro tomar um belo banho quente. Quando sai do banho

vi um pequeno corpo sobre minha cama e dei um sorriso fraco ao ver Cris com um dos moletons de minha mãe e agarrado ao meu travesseiro.

O deixei deitado no mesmo lugar e fui em direção ao quarto de meu pai e constatei oque já esperava, ele não estava em casa. Não me surpreenderia se ele estivesse em algum motel barato com alguma vagabunda. Solto um longo suspiro e sinto lágrimas brotando nos cantos dos meus olhos, respiro fundo e tento em vão afastar as lembranças que vinham em minha mente.

Eu sentia tanta falta dele, falta do pai que ele sempre foi, mas parece que ele se perdeu no meio do caminho. Eu sinto falta do café da manhã nos domingos, da forma como ele me acordava junto com o Cris. Sinto falta de simplesmente me sentar com ele durante a tarde e conversar sobre a escola ou sobre minha vida, sinto falta dos concelhos de pai. Eu sinto falta do meu pai, o pai que sempre vi como um Super-Heroi. Eu .. eu só queria que nada do que está acontecendo fosse real, que fosse apenas um sonho, eu não gosto de acreditar em tudo oque ele fez com minha mãe, não consigo lembrar sem ao menos chorar da dor que

ele me causou quando ficou tanto tempo sem me olhar na cara como se eu fosse um verme nojento. Com tudo isso a imagem de Pai Super-Herói que eu tinha dele foi se desmoronando como um castelo de cartas. Muitas das vezes me lembro de como minha mãe falava de como ele era quando eu era criança, e ai eu me pergunto como ele se perdeu tanto de si mesmo?.

Enxugo uma lágrima teimosa que sismou de cair, fecho a porta de seu quarto e vou em direção ao meu quarto. Me deito ao lado de Cris tentando não acorda-lo

afinal já estava muito tarde, mas não adiantou muita coisa.

- Lolo, que horas são ?

- Está tarde meu amor, apenas durma.

- O papa já está em casa?

Comprimo meus lábios e o abraço colocando sobre meu peito para fazê-lo dormir novamente.

- Não se preocupe com isso Cris. O papa já já estará em casa, apenas durma ok?

Dito isso apenas o vi fechar os olhos novamente antes de cair em um sono profundo. Eu não consegui dormir, passei a noite praticamente toda em claro após fazer Cris domir. Fiquei pensando em como minha vida havida ficado de cabeça pra baixo do dia pra noite. Pensei na minha mãe, na saudade que estava sentindo dela, me lembrei das brigas dela com meu pai. minha cabeça havia dado um nó.

(...)

Senti um pequeno corpo subir em cima de mim, eu não sei quando peguei no sono, só sabia que o céu já estava claro quando dormir. Abri os olhos com dificuldade e vi um Cris sorridente me olhar.

- Lolo, levanta, já está na hora. Eu estou com fome e Tay não quer acordar para me preparar o café e o papa ainda não está em casa. Vamos Lolo.

- Primeiro, pare de pular na minha cama antes que você a quebre. Segundo, você já tomou um banho, escovou os dentes e penteou esses cabelos?

Disse com uma sombrancelha arqueada e o vi fazer uma careta, oque me deu uma enorme vontade de rir mas me segurei.

- Lolo eu ainda não fiz isso, eu sei que você vai brigar, mas foi por um bom motivo, eu estava ocupado.

- Ocupado com oque senhor Cris ? Assistindo desenho?

-Não Lolo, estava fazendo isso ..

O vi se levantar da cama e ir até a mesa do computador que havia no meu quarto e pegar uma folha. Foi involuntário o Awn que eu soltei.

Ele havia feito uma carta, a letra está maravilhosa para não dizer outra coisa .. Mas relevei isso, na carta estava escrito; Obrigado por cuidar de mim e da Tay, eu amo você Lolo, mesmo que você seje chata. Ass: Cris <3.' Ao lado de seu nome havia um enorme coração, dobrei a carta com cuidado e coloquei na gaveta do criado mudo que havia ao lado da minha cama e logo em seguida distribui vários beijos pelo rosto de Cris enquanto escutava uma gargalhada tão gostosa.

- Eu não sou chata Cris, mas vou relevar isso, eu te amo pequeno. Eu tive uma ideia, que tal ir ao parque e tomar um café da manhã lá?

Vi um enorme sorriso brotar em seus lábios e ele pulou no meu pescoço dizendo 'sim, sim, sim'.

- Ok, já entendi mocinho, agora vá tomar seu banho e se arrume para irmos ao parque, eu irei acordar Taylor, não demore para se arrumar.

Dito isso vi ele sair em disparada pela porta do quarto, me levantei rindo e fui em direção ao quarto de Taylor para acorda-la, oque era uma tarefa nada fácil, diga-se de passagem.

Me sentei na ponta de sua cama e a chamei diversas vezes e ela apenas reclamaval. Me levanti bufando e abri as cortinas do quarto, liguei a luz e tirei a coberta dela.

- Agora levante-se, vamos ao parque fazer um piquinique e tomar café. Vá se arrumar, você tem uma hora para aparecer pronta na sala.

Sai do quarto e ouvi Taylor xingar alguma coisa que por sorte dela eu não havia entendido. Fui tomar um banho mas antes fui ver se meu pai já havia chegado .. mas não havia. Resolvi ignorar isso, então apenas fui me arrumar.

(...)

Eu estava sentada em uma das tipicas toalhas vermelhas xadrez observando Cris correr pelo parque com o nosso cachorro. Ele ria dessesperadamente enquanto o cachorro corria atrás dele e da bola de futebol, Taylor estava sentada junto comigo comendo uma maçã. Resolvi pegar meu celular e ver se havia alguma mensagm. 

Haviam mensagens de Dinah me xingando por estar tanto tempo offline, havia duas mensagens de minha mãe, uma de Lucy oque me fez revirar os olhos, e uma de Camila. Resolvi ler a da minha mãe primeiro.

Mãe: Oi filha, como estão as coisas por ai? Eu vou tentar ir ver vocês durante essa semana ok? O Cris está melhor?

Lauren: Oi Mama, as coisas estão boas, o Cris está bem, vai ser muito bom se você conseguir vir. Vê se me liga mais tarde. Bjs.

- Lolo, o Juca não quer soltar a bola, como eu vou brincar agora?

Ele estava com um bico tão fofo nos lábios que dava vontade de morder, soltei uma risada nasal bloqueando o celular e em seguida me levantei para brincar com Cris.

- Vamos, eu vou dar um jeito nisso, não se preocupe meu amor.

Eu estava exausa, devo confessar, mas era tão bom passar momentos como aqueles com eles. Eu perdi a noção do tempo, já era tarde quando fomos para casa.

Mandei Cris para o banho e pedi a ajuda de Taylor para preparar o almoço. Enquanto ela ia ao mercado comprar algumas coisas que faltavam eu estava sentada no sofá respondendo as outras mensagens que havia ignorado.

Lauren: Oi Camila. Desculpa a demora, estava meio enrolada aqui.. estou bem sim, e você? Não está de ressaca não né? kkkk

Decidi abrir a mensagem de Lucy, mas me arrependi assim que comecei a ler a maldita mensagem.

Lucy: Eu sinto muito ter dito tudo aquilo pra você no Rice's, nós podemos nos encontrar para conversar melhor sobre tudo isso?

Eu não sabia se jogava o celular na parede, se tinha vontade de matar Lucy ou se eu me matava. Apenas passei a mão pelo rosto tentando me acalmar, ignorei a mensagem, respondi Camila e larguei o celular em seguida.

Ouvi passo vindos da escada e vi meu pai descer a mesma com uma cara de sono e de quem havia bebido durante uma noite inteira.

- Lauren?

Ouvi sua voz ao pé da escada e me virei o fitando sem demonstrar emoção.

- Sim?

- Aonde você estava com seus irmãos hoje mais cedo? eu cheguei e não encontrei ninguém em casa, fiquei preocupado.

- Nós estavamos no parque pai.

- Poderia ter me ligado para avisar ao menos.

- E você poderia ter passado a noite em casa para ter ido conosco.

Ele abriu a boca várias vezes mas não saia nada, até que caminhou em direção ao sofá e se sentou ao meu lado.

- O almoço já vai sair.

Disse e me levantei em seguida indo em direção a cozinha não dando tempo de que ele falasse algo a mais comigo.

(...)

Já era tarde e eu estava largada na cama com o violão em mãos tocando músicas diversas enquanto respondia as mensagens de Camila.

Lauren: Sua velha, ainda está largada na cama vendo House?

Camila: Primeiro eu não sou velha, segundo eu só estou até agora vendo House porque além de ser uma ótima serie eu não tenho mais nada pra fazer.

Lauren: Pensa que você vai ter minha ilustre presensa hoje a noite com você.

Camila: KKKK claro Lauren.

Lauren: Assim você machuca meu pobre coração Camila.

Camila: Enfim. Oque você ta fazendo?

Não respondi de imediato a mensagem porque larguei o celular e fui tocar o violão.

- Give me love like her. Cause lately I've been waking alone. Pain splattered teatsdrops on my shirt told you i'd let them go.

Não se passaram nem 15 minutos desde que comecei a tocar e escutei meu celular tocar. Me surpreendi quando vi o nome de Camila na tela do celular, deslizei o dedo sobre a tela e atendi.

- Oi?

- Oi .. É que você parou de responder e .. e então pensei em ligar. Fiz errado?

- Não, não que isso. É .. tu bem, eu não respondi porque estava tocando violão.

- Hmm, qual música?

- Uma na qual sou apaixonada, Give me love do Ed.

Eu tive que afastar o celular um pouco do ouvido devido ao berro que ela deu e eu comecei a rir.

- Eu amo o Ed, eu sou apaixonada por ele, meu Deus. Seria muito abuso pedir para você cantar pra mim?

- É.. Tudo bem eu acho ..

Dei uma risada nasal e comecei a dedilhar as notas pelo violão e em seguida o som da minha voz ressoava pelo meu quarto.

(...)

- Meu deus, Lauren ..

- Oque foi?

- Isso foi simplesmente perfeito.

- Obrigada ..

(...)

Nós ficamos conversando a tarde quase toda pelo celular, de um modo estranho era confortavel ficar ali atoa com ela jogando conversa fora. Os minutos foram passando e eu nem ao menos percebia.

- Nós ja estamos a mais de uma hora no celular Camila.

Digo rindo fraco e escuto o som da sua risada do outro lado da linha.

- Se você quiser eu posso desligar.

- Não, tudo bem.

No mesmo momento que disse isso o visor do celular ligou mostrando que havia outra ligação e então vi que era minha mãe.

- Camila, eu vou ter que desligar, minha mãe está me ligando e eu realmente preciso falar com ela.

- Tudo bem, até mais tarde.

- Até mais tarde Camila.

Desliguei a ligação com ela e atendi logo em seguida a da minha mãe.

- Oi Mama.

- Oi Lolo, que saudade minha filha, como estão as coisas por ai?

- Tantas coisas Mama, as coisas estão indo bem. Tantas coisas aconteceram só essa semana.

- Me conte tudo, e aquela garota com a qual você estava namorando filha, como estão as coisas com ela? Quando vou poder vê-la novamente ?

- Mama, você não vai vê-la, ela me deu um pé na bunda. E nós não namoravamos antes, era complicado, você sabe.

- Como assim ela te deu um pé na bunda Laur?  Você está bem filha?

- Sim Mama, não se preocupe com isso. Quando você vem para Londres?

- Ainda não sei Laur, ainda não consegui arrumar um emprego fixo aqui em Boston. As coisas estão complicadas querida.

Solto um longo suspiro e passo os dedos entre meus cabelos.

- Tudo bem Mama, você está precisando de dinheiro ou algo do tipo?

- Não minha querida, está tudo bem. Agora eu tenho que desligar, vou sair com sua avó para ir até a casa de uma amiga. Beijos querida amo você.

- Beijos Mama, amo você.

Desliguei o celular e me joguei de costas na cama, fiquei ali durante um bom tempo até que me levantei e vi a hora. Já estava na hora de me arrumar, então fui para o banho, enchi a banheira e entrei, senti cada parte do meu corpo relaxar assim que entrou em contato com a água quente da banheira.

(...)

Já estava dentro do carro a caminho do apartamento de Camila. Eu usava um vestido preto que ia até a altura da minha coxa, um salto preto e meus cabelos presos em um rabo de cavalo. Me olhei rapidamente pelo retovisor e a maquiagem estava impecavel.

Estacionei o carro em frente ao apartamento de Camila e peguei o celular ligando pra mesma, não demorou nem cinco minutos e ela ja estava na porta do prédio.

Meu queixo quase caiu ao vê-la. Ela estava linda, ela usava um salto preto, uma calça jeans clara e uma blusa de meia manga tomara que caia branca, ela estava com os cabelos soltos e deu um sorriso ao me ver.

- Oi ..

- Nossa, você está linda, e Oi.

Disse rindo fraco e vi as bochechas dela ficarem um pouco vermelhas.

- Então, aonde vamos?

- Surpresa.

Disse enquanto abria a porta do carona e em seguida me dirigi até a porta do motorista saindo com o carro dali.

Havia um silêncio no carro, mas não era algo desconfortante, uma música ressoava baixo pelos auto-falantes do carro e eu batucava com os dedos no volante conforme o ritmo da música e então eu comecei a cantarolar baixinho a música.

- So if you're out there I swear to be good to you. But I'm done lookin', for my futere someone, cause when thhe time is right you'll be here, but for now

dear no one, this is your love song.

- Eu gosto quando você canta.

Quase dei um pulo ao ouvir a voz de Camila e escutei sua risada baixa devido ao meu susto repentino. A olho pelo canto do olho e dou um sorriso fraco.

Estaciono o carro em frente a um restaurante e desligo o carro.

- Prontinho.

- Pensei que iria me surpreender e não ser clichê.

- Isso se tornou um encontro então ?

Digo com uma sombrancelha arqueada e vejo ela ficar vermelha.

- Você me entendeu Lauren. Não seja idiota.

- Só estou brincando, relaxa um pouco. Vamos entrar e você vai ver a surpresa.

Saimos do carro e fomos em direção ao enorme predio a nossa frente. Comprimentei a recepicionista e entrei sem precisar me pronunciar.

Logo em seguida um garçom apareceu e nos levou até a mesa. Ficamos em frente ao palco de apresentações.

- Isso ainda está clichê Lauren.

- Não seja apressada Camilinha. A pressa é inimiga da perfeição se lembra?

Pedi duas taças de vinho e começamos a conversar sobre vários assuntos banais. Me assusta que em um espaço de tão pouco tempo eu e Camila tenhamos nos aproximado tanto.

 De certa forma ela está se tornando uma companhia muito agradavel, isso é algo notório.

Ficamos ali jogando coversa fora até que um garçom chegou e me disse que já estava na hora.

- Oque houve?

Camila perguntou enquanto eu me levantava, apenas dei um sorriso e fui em direção ao palco.

- Olá, boa noite. Grande parte dos presentes aqui já me conhecem, mas para os que não, meu nome é Lauren Jauregui e eu iriei me apresentar aqui para vocês hoje, então espero que apreciem o show.

Escutei alguns assobios vindo dos fundos do enorme restaurante enquanto me dirigia até o enorme piano. Olhei Camila e vi que ela estava com uma expressão de confusão no rosto, oque me causou um sorriso no canto dos lábios.



Notas Finais


Espero que tenham gostado, eu vou sempre tentar postar todos os dias, esses capitulos ja estavam escritos, eu to só corrigindo pra postar aq.
Bjs e até a próxima.
Talvez eu poste outro hj.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...