História Legend (Taekook) - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpe os erros..

Capítulo 3 - Seu pai quer te matar.


Fanfic / Fanfiction Legend (Taekook) - Capítulo 3 - Seu pai quer te matar.

2015 ...

00:15 PM


Após ter visto meus pais serem enterrados por de baixo da terra eu saí que nem louco do cemitério. 

Entrei no meu carro e comecei a rir..

Eu avia ficado paranóico com isso, e resolvi fazer uma loucura. 

Primeiro eu fui em um posto de gasolina e roubei dois litros do líquido. 

Fui na casa em que meus familiares moravam e joguei todo o líquido envolta. Após ter espalhado tudo joguei um esqueiro e deixei a casa queimar, mas eu fiz um estrago, envés de tacar fogo só na minha casa, o fogo se espalhou e passou para casas vizinhas, fugi do local de carro. 

Eu ia ser procurado pela polícia, como o pai do presidente armou para mim, falando que matei todos eu deveria sumir, e a única forma de sumir rápido e sem dinheiro é se matando. 

Então forjei minha morte.

Descidi ir no penhasco mais perto jogar fogo no carro e empurrar o mesmo de lá.

Como minha casa e meu carro já estavam virando pó, fui atrás de uns amigos. 

Eles são profissionais em terrorismo. 

Cheguei no coviu dele e fui falar com o chefe. 

- Jp, preciso de ajuda.

- Com oque?

- Acabei de incendiar minha casa e meu carro, fingi que me matei e agora sou um fantasma. 

- Hum.. entendo, você quer mudar?

- Preciso de uma identidade nova para ir para o México.

- Tá beleza.

Passei dois dias fazendo coisas importantes. 

Mudei meu cabelo, eu pintei ele de preto e coloquei um piercing no canto da boca. Eu sei que não muda muda muito, mais quando você diz que é asiático, todos pensam que deve ser tudo igual, então agora eu sou americano. 

Me entregaram minha nova carteira de identidade com o nome de Mike Pymes de vinte anos, minha idade real o Taehyung antigo está morto. 

Depois de fazer isso, eu fui para o México, arrumei encrenca com uns cangaceiros e voltei arrebentado para os Estados Unidos.

Mas lá no México, eu conheci un  hombre muy guapo.

Jimin, jovem asiático cabelos rosas e pele clara, ele era chique e sofisticado, eu queria ter virado amigo dele, mas saí do México as pressas.

Depois de quase ter morrido no México, eu fui atrás do pai do presidente. 

JJ, mais fácil pronunciar "jei jei" . Eu matei ele com minhas mãos, e eu não me orgulho disso, na verdade eu não me orgulho de nada, porque não se paga mal com mal. 

Mas o meu corpo está sobre ódio e vingança.

Para matar ele eu tive que matar mais de vinte homens. Armei um plano em uma festa e quando ele estava sozinho perto do jardim e fui até ele por trás e coloquei um saco na sua cabeça. 

Após tentar sufocar ele o mesmo me bateu com um pedaço de ferro, e quando ele largou o mesmo e saiu correndo e fui atrás dele com o pedaço de ferro e bati na sua cabeça, ele caiu no chão e só ficou seu sangue no jardim. 

Eu avia arrastado ele  para bem longe.

Assim que ele acordou o mesmo estava preso em uma cadeira, minhas armas estava sem munição eu só tinha uma corda. 

- Quem é você!? Oque quer de mim?

- Eu quero vingança velho. 

- Quem é você?

- Não reconhece a voz do homem que você matou a família?

- Er.. 

- Claro que não, é tão imbecil que já matou mais de uma família, como você não vai passar dessa noite, eu vou te mostrar. 

Tirei a máscara branca e ele me olhou estranhando.

- Você não morreu?

- Se eu tô aqui imbecil.

- Você quer dinheiro? Eu ligo para o Robin tra-

- Eu já matei o Robin. 

- Você quer dinheiro?

- Dinheiro? Nada disso, já passei todos seus documentos para mim, aliás seu filhinho e o filho dele, serão os próximos. 

Fui andando até o mesmo amarrei a corda no seu pescoço e tirei ele da cadeira.

- A gente tá em um local de armazenamento de porco sabia? E aqui que você vai morrer. - Fiz ele subir na cadeira e amarrei a corda na superfície do ferro. -   Adios hijo de puta. 

Empurrei a cadeira para o lado e ele morreu, claro.

Não senti meu coração inteiro, mas eu deveria sair rápido dali, porque tem sangue. E eu matei os homens na festa, vão estranhar quando ver, pessoas com tiro na cabeça largadas no jardim.

Foi assim que eu fui embora de máscara e capa. Eu estava andando no beco quando vi o filho do presidente encurralado. 

Eu queria tentar matar ele.. 

Mas eu fui um idiota e fiz salvar.

Eu espantei os cara de lá. Ele estava chorando, nunca achei que esse garoto iria chorar por causa de ladrões.

Eu tinha a chance de matar ele mas eu não fiz isso..

Eu apenas peguei a arma no chão e segurei com força.

- Obrigada por salvar. - Ele me abraçou, eu me afastei e sai andando sem falar nada. 


2019

05:00 AM


Estava bem cedo, e hoje eu tenho muitas coisas para fazer, vou ir no banco sacar todo o dinheiro do JThur  e do outra cara que eu sempre esqueço o nome.

Me levantei do sofá e fui me arrumar, coloquei um terno preto, um óculos escuro, uma boina , uma máscara de boca e claro, um bigode falso.  Quanto mais você parece ser gentil mais Horrível você vai se tornar. 

Peguei meu outro carro e fui para o banco com duas bolsa. 

- Boa Tarde eu preciso do dinheiro do JThur, ele morreu a dois dias atrás e passou seus documentos para mim.

- Claro, por favor me siga.- Vou andando com a mulher de saia preta e blusa preta. Ela me levou até um caixa e saiu andando, fiz os processos bem rápido e logo o dinheiro estava saindo, consegui encher metade de uma bolsa com o dinheiro do JThur e a do outro cara era pouco mais já estava ótimo. 

- Você pode me ajudar a tirar mais um pouco do dinheiro? Eu sou secretário do presidente e ele me mandou um mandato de tirar quinhentos mil do caixa. 

- Isso tudo?

- Sabe como é ele né? Bem gastador, aliás ele ajuda na cidade. 

- Ela fez uma senha que eu conseguir ver atrás do espelho, o número era 010997  isso lembra o código da sala secreta que tem em baixo da casa dele, talvez seja isso. 

- Aqui. - Ela abriu o cofre e eu comecei a pegar, enchi a segunda bolsa e agradeci. - Como posso deixar seu nome aqui?

- Mike Pymes. 

- Certo. - Sai do banco e dei de cara com jungkook. Ele não sabe que sou eu, então não disse nada. 

Ele me encarou e passou a mão no queixo. 

- Oi.

- Oi.

- A gente se conhece? 

- Eu tenho certeza que não. 

- Oh.. desculpa então.

- Pera. - Ele estava acompanhando com uma mulher estranha. - Quer tomar café?

- Preciso tirar um dinheiro. 

- Tá bom. - Ele entrou e eu fiquei observando ele de longe. Enquanto fazia sua senha eu consegui olhar e era a mesma que a mulher colocou. 

Ele voltou e fomos para o estacionamento. 

- Vocês vieram andando? 

- A gente veio com meu segurança.

- Vamos no meu carro. 

- Tá bom. - Abri o porta malas e joguei as bolsas lá. Entramos no carro e ele veio na frente comigo.

- Que cafeteria gostaria de ir?

- Uma bem chique. 

Gastador de dinheiro.

- Tá bom. 

Levei ele para uma mais cara do bairro e entramos. 

Sentei de frente para os dois. 

- Como pode sair com alguém que nem conhece? 

- Não sei também. 

- Vou no banheiro gente. - Ela saiu como se fosse armar alguma coisa. 

- Quem é ela?

- Não sei, meu pai pediu para ela vir comigo.

- Seu pai? - Vish, o próprio pai quer matar o filho. 

Levantei e fui até a moça que estava falando no telefone, escutei de longe e ela falava sobre o lugar que estava cheio de homens armados, e uma bomba na nossa mesa. 

Fui até Jungkook e puxei ele pelo braço. 

- Oque foi?! 

- Vamos sair daqui rápido. - saímos da loja e no mesmo instante a bomba explodiu a frente do local. Conseguimos ficar salvos. 

- O que foi isso?! - Ele diz arrumando seu terno. 

- Já te falaram que alguém querendo te matar?

- Já. 

- Vamos sumir rapidinho, as pessoas estão te caçando. - Coloquei ele dentro do carro, entrei do outro lado e sai do lugar em alta velocidade. 

Ainda vou matar o Jungkook, mas preciso de toda sua confiança, mas tá difícil. Toda hora que preciso ser legal com ele, aparece alguém querendo matar o mesmo, eu deveria matar o pai dele primeiro?

Parei em um beco e estacionei. 

Vou fazer tudo diferente agora. 

- Que saco, toda fez que eu quero fazer amizade com alguém, ou ele morre, ou ele me salva, que nem ontem com um homem super bonito e misterioso, daria tudo para ver ele de novo. - Vou aproveitar que ele tá estressado e vou tentar deixar ele falar mais sobre oque ele viu no homem mascarado, no caso eu. - Se algum dia meu pai descobrir que eu gosto de homem e mulher, ele vai me enforcar. 

- Seu pai é um otário.

- Porque diz isso?

- Não Interressa. 

Ele olhou para mim, colocou a mão no meu queixo e virou meu rosto para ele. 

- Você é totalmente igual ao homem de ontem.. 

Eu não vou mais mentir, vou falar a verdade e deixar ele na minha mão, ele não vai fugir porque se ele fugir eu vou sequestar o mesmo. 

- Jungkook sou eu. 

- Sério? Mostra seus  olhos.. 

Tirei os óculos, a máscara e tirei a boina. 

- Porque disse que não era você? Sabe como eu ia ficar triste sem te ver?

- Eu não sou alguém legal e eu também não quero seu bem.

- Não quer? É a segunda vez que me protege. 

- Tô te protegendo porque não quero que ninguém te mate a não ser eu. 

- Entendi, mas ainda não posso dizer que é você.

- Porque?

- Sua boca, você me beijou ontem.. eu quero saber se é você é mesmo o mascarado.

- Quer que eu te beije? É isso?

- É.. 

- Jungkook, você vai beijar quem quer te matar? Você tem noção?

- Perdi minha noção quando te conheci.

Perfeito.

- Então você se entrega para mim?

- De que forma?

- Responde minha pergunta.

- Sim..

- Ótimo. - Me aproximei dele e dei um selinho no mesmo. - Viu? Sou eu. 

- É. 

Talvez eu mate ele por último, vai ser bom ter um refém para conseguir oque eu quero. 

- Vou te levar para um lugar, e você vai ficar lá até seu pai te procurar.

- Porque?

- Porque ele quer te matar. 

- Que mentira. 

- Liga para ele.

- Porque? 

- Vai logo. - Ele discou o número e eu comandei o telefone. 

- Alô? Presidente. 

- Quem é? 

- Kim Taehyung, Lembra? 

- Você morreu.

- Longa história. Mas enfim, eu matei seu filho. - Tampei a boca de jungkook com minha mão, e deixei que ele ouvisse claramente que seu pai quer te matar. 

- É? Hum, que bom, estou tentando fazer isso a anos, quanto quer por isso? 

Olhei para jungkook que estava surpreso e sorri. 

- Eu quero dez milhões. 

- Eu não tenho tudo isso aqui.

- Problema é seu, quero isso até amanhã a noite, se não você será o próximo, já matei seu pai, seu filho, e só falta você, Adios Bastardo. 

Desliguei o celular dele e joguei para fora da janela. 

- Você não existe por enquanto. 

- Porque fez isso?

- Porque eu odeio você e sua família. 

- Oque a gente te fez? 

- Matou minha família todinha, agora você cala a boca se não te mato antes do prazo.



Notas Finais


Estão gostando? Espero que sim..
Até a próxima atualização 😔💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...