História Lenda urbana - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hunter x Hunter
Personagens Chrollo Lucilfer, Feitan, Gon Freecss, Hisoka, Illumi Zoldyck, Killua Zoldyck, Kurapika, Machi, Shalnark, Shizuku
Visualizações 21
Palavras 1.705
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 3 - Creme


Fanfic / Fanfiction Lenda urbana - Capítulo 3 - Creme

Pariston senta em sua mesa na delegacia. Ele estava com uma expressão cansada.

-Café? –Cheadle oferece uma bebida para o mais velho

-Muito obrigado.

-Faz cinco dias da morte do zelador, você tem dormindo esses dias?

-Não. Nada me tira da cabeça que o assassino é um dos alunos.

-Eu também penso assim, mas não temos provas.

-Logo você que diz que todos são inocentes até que se prove ao contrario.

-E só achismo, não é afirmação. E também eu devia ter contando antes, mas não parecia nada relevante na hora.

-O que?

-No dia que o dedetizador morreu e a gente foi lá investigar. Quando fomos embora eu olhei para o andar de cima do dormitório e vi uma pessoa com o moletom preto que a menina descreveu.

-Devia ter contado isso antes!

-Eu sei, mas...

-Eu sei que é triste quando encontramos um criminoso tão jovem, porém, não podemos deixar passar, pessoas estão morrendo.

-Eu sei por isso te contei agora. Quem eu vim na janela poderia ser o criminoso, porém eu não vi seu rosto.

-Ele não daria tanta bandeira assim.

-E os exames? Já descobriram o que matou o zelador?

-Vão ficar pronto à tarde. –O oficial Hills da um gole no café. -A gente vai conseguir pegar esse bandido, nem que para isso eu preciso ter quer morrer.

-Sim a gente vai. -Cheadle sorrir.

XXX

Kurapika estava sentado na varanda do dormitório.

-Posso sentar?

O loiro olha para o Kuroro

-Pode sim.

-Como você está hoje?

-Bem. O menor fala ríspido, e se afasta um pouco.

Kuroro fica encarando a paisagem.

-E você, como está?

-Mais ou menos. Acho que vou demorar a me acostumar a ficar sem o velho brigando comigo.

Kurapika passa a mão pela costa de Kuroro.

-Vai ficar tudo bem.

-Eu espero que sim.

-Kurapika venha até o quarto.

O loiro nem precisava se virar para ver quem estava lhe chamando.

-Seu namorado.

-Eu sei.

Kurapika se levante e vai para seu quarto.

Kuroro e deixado a sós por alguns segundos.

-Gosta de provocar brigas, né?

-Cuide de sua vida, Neon.

-Nem sei como Illumi não tem ciúmes de você com Hisoka.

-Ele não tem ciúmes, por que os dois não são namorados. E se os dois fossem o Illumi não sentiria ciúmes por que ele se garante.

Neon senta ao lado do moreno.

-Não sei por que você fica correndo atrás de homem, é um desperdiço. Esse corpo lindo e másculo se atracar com outro corpo lindo é másculo.

-Eu não sou gay. Sou bi. Pra mim tanto faz se é homem ou mulher, se eu gosto eu vou atrás.

-Por que você não corre atrás de mim?

-Por que eu não gosto de coisas faceis. Kuroro levanta-se é vai embora.

XXX

Leorio da um soco na mesa. –O que você estava conversando com ele?

Kurapika se encolhe no canto.

-Nada de mais. Só estava falando de como ele estava triste pela morte de Zeno.

O maior suspira. –Eu vou ser claro. Não quero você perto de Kuroro, ele não presta. Estou nessa faculdade há mais tempo que você e sei das coisas.

-Chega Leorio! Não me importa se ele não presta, não é só porque eu falo com ele que vou acabar transando com o garoto. Acha que sou tão fácil assim?

O loiro ofegava. –Eu estou cansado desse seu ciúme possessivo. Se não consegue confiar em mim e melhor terminarmos. Kurapika deixa o quarto furioso e sai correndo pelo corredor e quase atropela Neon.

-Cuidado!

-Desculpe.

A azulada observa o loiro descer as escadas, ela sorrir mentalmente. –Coitado, continue brigando assim que Kuroro consegue o que quer. Você pelado e de quarto na cama dele.

Neon entra em seu quarto.

-Olá Shizuku!

-Oi Neon.

-Seu irmão está fazendo um casal brigar.

-A morena revira os olhos. –E eu com isso? E o jeito dele, eu já avisei para ele parar com isso, mas ele não me escuta.

-Eu acho que isso vai parar quando ele encontrar o verdadeiro amor

-Me deixa adivinhar. O amor da vida do meu irmão é você.

-Talvez. Neon sorrir.

-Acho difícil.

A azulada tira suas roupas e vai para o banheiro. Depois do banho a jovem se olha no espelho. Neon idolatrava a beleza, para ela um rosto bonito era a coisa mais importante do mundo. Por isso a quantidade enorme de produtos de beleza na sua parte da pia.

Corretivo, rímel, batom, esmaltes, base, e uma quantidades enormes de cremes para a pele.

-Eu uso tudo isso, porque ele não me nota? -A garota suspira. Sabia que Kuroro nunca mantinha um relacionamento serio com alguém, porém, acreditava fielmente que conseguiria fazer ele se apaixonar por ela.

E para conseguir isso ela abusaria de cremes.

XXX

3 dias depois

A companhia toca

-Bom dia. –Shalnark atende a porta

-Bom dia. A Neon Nostrad mora aqui?

-Sim, mas ela está em aula.

Aonde eu posso deixar essa encomenda.

A gente coloca nos armários das entregas.

Você pode assinar?

-Claro.

O carteiro entrega o pacote para o loiro.

-Obrigado.

-De nada.

Shalnark coloca o pacote no armário, quando Neon chega ela vai direto ao embrulho e depois sobe para o seu quarto.

-O que é isso Neon?

-É uma cesta cheia de produtos de beleza. E tem um cartão.

Que isso realce ainda mais sua beleza.

-Parece que tenho um admirador secreto. Será que o Kuroro?

-Não é meu irmão. Ele não saberia comprar produtos de beleza.

-Estraga prazeres.

-O que tem ai?

-Tudo o que já tenho, só que de que tem algumas marcas que eu não conheço. Isso aqui e da China?

-Sei lá? Também não reconheço o idioma.

Tem um papel nesse creme.

Use a noite depois do banho. Para um efeito melhor tome banho com agua quente.

A noite chega é assim que Neon sai do chuveiro resolve passar o seu creme.

Ele tinha uma coloração bege, possuía umas bolinhas brancas e um cheiro agradável.

A jovem passa o creme por todo seu rosto

-Vai demorar muito?

-Não Shizuku! Já pode até entrar.

-Que felicidade é essa?

-Fiquei mais bonita. ?

-Talvez depois que você tirar o creme do rosto. E sinceramente, não sei o porquê dessa fixação em ser bonita. Você já é linda.

-Obrigada Shizu. Mas tudo nessa vida pode melhorar.

-Ou piorar

-Neon olha feio para a colega de quarto. –Mudei de ideia, saia!

-Está bem!

XXX

-Cadê a Neon?

-Vindo ai atrás.

-Falam de mim?

Todos olham para a azulada.

-Fez algo no rosto?

-Você percebeu Paku. Foram os produtos de beleza que eu ganhei.

Neon senta em sua cadeira ao lado de Machi.

Apesar o horário de comer ser sempre calmo, o clima de calmaria que estava instalado não era nem um pouco agradável. Todos comiam em silencio, e de vez em quando olhavam para a cabeceira da mesa onde Zeno costumava se sentar.

O pensamento de que ele nunca mais desceria as escadas resmungando e sentaria em sua cadeira enquanto brigava com alguém. O clima estava tão triste que afetava até os calouros que nem tinham tanta intimidade com o falecido.

XXX

Manhã seguinte no prédio de psicologia.

-Feitam!

-Professor.

-Sabe aquele artigo que escreveu no semestre passado.

-Sei.

-Eu entre em contado com uma revista de psicologia e eles ficaram interessados em publica-lo.

-Mesmo?

-Eles virão aqui conversar com você. Isso fará super bem ao seu currículo.

O baixinho sorri e sai feliz do prédio de psicologia.

-Que sorriso é esse?

-Uma revista de psicologia quer publicar o meu artigo.

-Parabéns meu amor! Eu e Machi também queremos publicar algo.

-Sobre a evasão escolar que vem ocorrendo nos últimos anos.

-Parece legal.

-E o seu artigo é sobre o que?

-Nada de mais. Eu só tracei algumas diferenças na personalidade de três jovens psicopatas. Sendo um psicopata original e dois pseudo psicopatas.

-Bacana! E qual é... Ai!

Killua esbarra em Machi

-Desculpe. –Diz ele com uma voz antipática.

-Esse garoto é tão estranho. Ele não parece ser irmão do Illumi.

-Eu sou irmão dele, mas não me pareço nada com ele! -Grita o albino.

-Qual é o problema dele?

-Meu irmão falou que o Killua não aceita a opção sexual do Illumi.

-Serio?!

-Sim, mas não conte para ninguém. Kuroro me contou em segredo.

-Babado!

-Ele parecia ser um garoto legal, quem diria que é homofobico.

-Nem todos são aquilo que aparentam. –Comenta Machi.

XXX

Neon estava sentada se olhando no espelho. A jovem tocava seu rosto fazia dias que ela começou a usar o creme, mas ela começou a sentir-se estranha.

-Shizuku você acha eu meu rosto está estranho?

A morena olha por cima do livro.

-Não, parece normal.

-Eu acho que ele está meio duro.

-Talvez seja uma reação alérgica.

-Serio? Mais minha pele ficou tão bonita.

-Realmente, porém, se está fazendo mal deveria parar de usar.

-Shizuku! –Feitam que falar com você. Kuroro entra no quarto.

-Estou indo. E Neon pare de ser preocupar com a aparência. –Shizuku deixa o quarto.

Kuroro fica encarando Neon. –Algum problema, Neon?

-Você acha que meu rosto está estranho?

-Não. Na verdade pra mim ele está mais bonito.

-Não precisa me dizer. -A azulada fala com desdém, mas assim que Kuroro retira-se do quarto ela vai direto para o banheiro.

A garota da vários gritinhos. Foda-e a reação alérgica, eu estou ficando linda.

XXX

Amanhece

A primeira coisa que Neon faz e tocar seu rosto, ele estava mole, porém, a sua pele estava descascando.

A jovem vai até o banheiro e para o seu desespero a sua pele estava horrível.

Neon puxa cada pelezinha com todo cuidado e percebe que a pele debaixo estava mais vermelha que o normal.

Cada camada arrancada era um susto novo, porém o pior estava por vim. Neon começou a sentir coceiras em seu rosto.

-O que é isso?

Bichinhos começaram a sair dentro da pele de Neon.

Pequenos vermes escorriam para fora dos poros da azulada. Assim que percebe seu rosto tornou-se morada de vermes, ela sai correndo desesperada para pedir ajuda.

Um grito e ouvido por todos no dormitório.

O grupo de estudante se reúne ao pé da escada, e para a surpresa de todos lá estava o corpo sem vida de Neon.


 


 


Notas Finais


Já tem alguma ideia de quem é o assassino?
Eu devia ter avisado antes, mas as outras lendas que postei foram adaptações de duas lendas.
A primeira foi a lenda do corpo no tanque de coca cola
e a segunda sobre a agulha infectada com o vírus da AIDS.
Essa que eu postei hoje, foi uma adaptação de uma creepypasta que eu li a anos.
Eu infelizmente não lembro o nome da creep se eu lembrar aqui eu coloco nas notas dos próximos capítulos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...