História Lens of Love - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias X-Men
Personagens Dr. Henry "Hank" McCoy (Fera), Elizabeth "Betsy" Braddock (Psylocke), En Sabah Nur (Apocalypse), Erik Lehnsherr (Magneto), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), James "Logan" Howlett (Wolverine), Jean Grey (Garota Marvel / Fênix), Jubilation Lee (Jubileu), Kurt Wagner (Noturno), Ororo Monroe (Tempestade), Pietro Maximoff (Mercúrio), Professor Charles Xavier, Raven Darkhölme (Mística), Scott Summers (Ciclope), Warren Worthington III (Anjo)
Tags Beastsilver, Charles Xavier, Cherik, Erik Lehnsherr, Hank Mccoy, Kurt Wagner, Nightangel, Peter Maximoff
Visualizações 109
Palavras 2.068
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Lemon, Luta, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sério que ninguém pensou nele como Fanático ainda? 😻 Último round...

Capítulo 39 - Quatro de Ouros


Fanfic / Fanfiction Lens of Love - Capítulo 39 - Quatro de Ouros

  - "Olá, Cain." - Sentir o vento bater no rosto depois de meses foi um alívio mas a voz em sua mente não era bem vinda. 

- Cadê você? - mesmo sem precisar falou em voz alta, olhando os arredores. A única semelhança entre os irmãos era a careca.

- "Seguro." - o telepata estava dentro do Cérebro. - "Cain eu... eu sinto muito pelo que fiz você passar." - pediu com toda a sinceridade que a situação exigia. Manipular Cain de novo só tornaria as coisas piores, além de decepcionar ainda mais seus alunos.

- Obrigado por dizer isso depois de me trancar por um ano naquela maldita ilha. - Marko avançou dois passos na direção da mansão. Encontraria pessoalmente Xavier. Com ou sem Magneto no caminho.

No meio do trajeto um raio, caído muito próximo, o fez parar e encarar a figura imponente de Tempestade. Com um branco ameaçador nos olhos a queniana aterrissou, ganhando a companhia de Ciclope, Jean, Noturno, Mercúrio, Fera, Mística e Wolverine. De todos Logan parecia o mais disposto a uma revanche, exibindo um sorriso feroz para meio-irmão de Charles.

- Saco! Vocês não tem mais o que fazer não? Isso é assunto de família. - Cain revirou os olhos. Adoraria amassar a cara do "nanico" outra vez, mas paciência pra lidar com um bando de colegiais era coisa que ele não tinha no momento.

- O Professor X "É" família. - Raven falou para o homem que em circunstâncias mais amenas trataria como um irmão em vez de um inimigo. - Mesmo escondendo as merdas que faz. - acrescentou, arrancando um risinho abafado de Peter. A séria e contida Mística falando palavrão era novidade.

- Ah, então vocês já sabem que o "querido professor" de vocês colocou o próprio irmão num lugar que faria Alcatraz parecer a Disneylândia... - o maior cerrou os punhos, extravasando a raiva e a mágoa que sentia. - ...POR CAUSA DE UMA HERANÇA? - gritou. 

Flashback...

- Eu não sei como começar... - sentado em sua cadeira de rodas Charles olhava para os próprios pés, tal qual um garotinho pego cometendo uma travessura perigosa. - Não posso fazer isso, Remy. Vão pensar que sou um monstro.

Os dois estavam a portas fechadas no escritório do diretor. Do lado de fora um grupo muito específico de alunos e professores, aqueles com "X" maiúsculo, aguardavam ansiosamente explicações sobre os motivos que levaram o telepata a acordá-los de madrugada.

- Non. Vão achar que você apenas errou e perdeu o caminho. - Remy deu-lhe um sorriso reconfortante, lembrando dos dizeres que o mais velho costumava transmitir para seus alunos. - Como qualquer pessoa. - o francês abriu a janela, despertando a curiosidade do telepata, e como um gato a escalou.

- Gambit! - o professor chamou a atenção do cajun, aos poucos se acostumando com o fato de LeBeau não ser tão previsível como gostaria. - O que está fazendo? Por que não usa a porta feito gente?

- Hank está do outro lado, cherie. - Remy salientou colocando os dedos sobre a marca roxa em seu pescoço, grande demais para ser de uma mão humana. - Non quero os cumprimentos dele uma segunda vez. - o diretor riu, assistindo o francês escapulir pela janela.

Assim que o outro foi embora Charles respirou fundo e, reunindo a coragem que tinha, abriu a porta. Tomado por um pequeno sobressalto o telepata quase esqueceu que não estava mais sob o efeito do soro de Hank quando o ser verde e repleto de BOBs no cabelo surgiu. Por um segundo Charles acreditou ser um aluno novo.

- Oi, Jean. - Xavier deu espaço para que a pupila, usando nada além de uma camisola do Pernalonga, adentrasse com os demais.

- Professor, sabe que confio no senhor... - o mais velho engoliu em seco com as palavras da ruiva. Velhos medos. - ... mas isso é realmente necessário? - a jovem apontou para o creme de abacate no próprio rosto. - Talvez o senhor não entenda, mas tem coisas que uma garota faz pra ficar bonita que NÃO devem ser vistas pela escola inteira.

Xavier entendia sim, embora nunca fosse admitir que, assim que retornaram do Cairo, foi correndo até a melhor loja de perucas da cidade e descartou a idéia por se sentir igualmente ridículo. Aquele segredo, literalmente cabeludo, seria mantido.

- Desculpe acordar todos vocês desse jeito, mas acredito que, em algumas horas, estaremos sob ataque. - Charles explicou no tom mais calmo possível pra não assustar os mais novos.

- Como assim, Charles? - Mística, em sua forma humana, foi a primeira a se manifestar. - O governo vai nos ameaçar de novo? - questionou, preocupada.

- Não, Raven. Isso tem a ver com a nossa família. - o telepata fez um sinal para que Scott mais próximo da porta a fechasse a fim de terem mais privacidade.

- Não Charles. Isso tem a ver com a sua família. - a loira não quis fazer pouco caso do irmão, mas sabia que sua legitimidade na família Xavier era legalmente questionável.

- Com licença mas... - a porta foi empurrada pelo poder de Erik antes que Summers tivesse a menor chance de atender o pedido do diretor. - ...poderiam deixar sua incompatibilidade sanguínea de lado e me explicar porque estou aqui em vez de estar na minha cama? - o alemão não veio desacompanhado, e a julgar pelo contorno revelador nas calças não precisava ser gênio pra perceber que o canadense andou se "exercitando" com Erik enquanto Xavier ganhava tempo.

Ororo, Jean e Kurt correram a vista pelo abdômen desnudo e suado do professor e coraram instantaneamente. As lentes de quartzo-rubi de Scott se limitaram a ficar incandescentes enquanto Peter deu um assobio atrevido para o namorado do pai, recebendo na nuca um merecido peteleco de Hank.

- Para de olhar. - rosnou o cientista, transformado em Fera mais tempo do que realmente gostaria.

- Ai! Brincadeirinha... - o prateado fez uma careta.

- Antes de ser interrompido por devaneios juvenis inadequados eu tinha algo importante a dizer. - o irritadiço telepata pigarreou pra se fazer notar. - Dá pra pôr uma camisa, Logan?

- Não! - Erik e o canadense responderam em sincronia. - Desembucha, Charles. - o dobrador de metais exigiu, ignorando o olhar nada amigável que o ex direcionava a Logan, e vice versa.

- Pra saber quem é o nosso... adversário, vou ter que falar de um assunto muito delicado. Sobre a situação financeira da escola. - o telepata girou a cadeira de rodas até se ajeitar respeitávelmente na frente da escrivaninha.

- Charles, não... - sabendo a que o outro se referia McCoy tentou persuadi-lo a não tocar naquele assunto, já superado por ambos.

- Tudo bem, Hank. - Xavier prosseguiu antes que mudasse de ideia. - Há um ano a empresa da minha família estava afundada em dívidas. Eu perderia tudo, inclusive a mansão. A escola ia fechar e a única diferença entre nós e os Morlocks* seria a aparência.

- Hank e eu concordamos que era melhor não contar a ninguém até que o problema fosse, com alguma dificuldade, resolvido. Costumam dar crédito a mim por muita coisa, mas a verdade é que a escola, desde o começo, deve muito ao Hank. Sem sua inteligência e persistência teríamos afundado no ano passado. - um sorriso acanhado despontou nos lábios de Hank com as palavras e o olhar de gratidão do amigo de tantos anos. - Sempre fui péssimo com números. - admitiu.

- Por isso fez a gente reconstruir a escola depois da explosão... - Jean matou a charada.

- Certo, já entendi a parte da falência, Charles. Qual é a relação com a tal visita indesejada? - Raven foi ansiosamente direto ao ponto.

- Sim, Charles. "Quem" é ele? - Erik pressionou, mesmo já sabendo a resposta. A rusga anterior com o telepata ainda estava fresca como tinta.

Pela segunda vez naquela noite Xavier respirou fundo, uma parte sua desejando que Remy tivesse ficado pra lhe dar algum apoio.

- Na época um homem que alegava ser meu parente me procurou pra reivindicar seus direitos como herdeiro. - Charles abandonou a posição de diretor atrás da mesa e se aproximou do grupo. - Disse que tinha provas. Cartas de amor e cheques que o meu pai mandava. Até aí nenhuma novidade pra mim. Aos 9 anos eu já acompanhava telepaticamente os brigas dos meus pais, embora ainda não entendesse o que "adúltero de merda" significava. - deu uma risada desgostosa.

- Uma possível briga judicial reduziria consideravelmente meu patrimônio e as chances de salvar a escola. - o calmo e confiante Charles Xavier tinha agora o olhar tão perdido quanto o de alguns alunos quando chegavam. - Me senti tão pressionado que deixei o medo me vencer e fiz algo que eu mesmo reprovaria.

- Eu apaguei temporariamente as memórias dele e o mandei pra longe. Bem longe, numa prisão pra criminosos mutantes chamada Ilha Muir, na Escócia. - Charles fechou os olhos, incapaz de encarar os presentes. - Pelo menos até restabelecer a empresa e a escola. Não pretendia mantê-lo na ilha por mais do que algumas semanas, só que as coisas fugiram do controle.

- Fiz tudo sozinho. - acrescentou, isentando Hank de qualquer culpa. - Não suportaria manchar a imagem perfeita que têm de mim.

- Então acho que podemos cirandar juntinhos no inferno, meu chapa. - as atenções se voltaram para Logan, que não parecia tão surpreso ou decepcionado como os outros. - Quê foi? Não é como se alguém aqui fosse santo. Eu era um assassino.

- Você foi obrigado a... - Charles foi cortado, não por garras mas por palavras.

- Eu matei, Chuck! Antes e depois da lavagem cerebral do Stryker. E, mesmo não desejando, talvez volte a fazê-lo pra defender meus colegas de equipe. - o canadense falou. - Pergunte a cada um aqui se eles não têm nada do qual se arrependam.

- Eu ajudei um maluco que ia destruir a Terra. - Ororo tomou a palavra. - O cara destruiu meu lar e não fiz nada. Tipo, eu era uma supervilã.

- E eu pulverizei ele mas não pense que me senti ótima depois. - a jovem Grey também se posicionou.

- Eu roubava compulsivamente. - Peter. - Agora só roubo beijos. - o velocista piscou para Hank, cujo rosto superaqueceu debaixo da forma azul, enquanto um metalocinético muito ciumento fazia cara de poucos amigos pra cena.

- E eu costumava bancar o cientista maluco de vez em quando. - McCoy aproveitou a deixa, sem precisar entrar em detalhes. A própria imagem dizia tudo.

- Eu brigava com meus pais adotivos. - Scott contou na sua vez. - E eles nem eram ruins, só estavam preocupados comigo.

- Eu feri alguém que amo, mas fui perdoado. - Kurt disse timidamente, ganhando um olhar atento da transmorfa.

- Eu... abandonei minha família. - a loira olhava para Charles mas também se referia ao teleportador.

- Tenho uma longa biografia pra escrever. - o Mestre do Magnetismo cruzou os braços, pensando seriamente na possibilidade.

- Ninguém é perfeito, Chuck, então pare de cobrir seus defeitos com essa imagem enganosa de mentor intocável e certinho e mostre seu lado humano, ao menos pra quem se importa de verdade com você. - Logan falava por todos ali. - Agora nos diga como vamos chutar a bunda indestrutível do seu irmão babaca.

Fim do Flashback...

- VALE A PENA ARRISCAREM SUAS VIDAS POR UM SUJEITO MANIPULADOR E MENTIROSO? - Cain berrou, apontando para a Mansão onde o telepata se escondia.

A resposta veio num zumbido. Em algum recanto do gramado o Abafador, perdido por Hank durante a luta com Cain, emitiu o tardio pulso energético que alcançou praticamente todo o terreno da escola, neutralizando o gene X. Num instante Fera e Mística perderam a forma azul e a força do meio-irmão de Charles foi reduzida aos padrões humanos.

- Opa! O natal chegou mais cedo. - Logan, cujas garras se retraíram involuntariamente, foi um dos primeiros a entender o que acabara de acontecer, sorrindo de orelha a orelha. - Dá licença que, como a Jubi diz, eu vou LACRAR! - com uma voadora giratória o canadense plantou um chute certeiro no rosto de Cain. O maior bambeou duas ou três vezes antes de tombar prá trás, inconsciente.

Continua...


Notas Finais


*Morlocks, mutantes habitantes dos esgotos nas hqs. Lembram deles em Evolution e no desenho clássico? Também tiveram uma(lamentável) adaptação em X3.
Beijos e até o próximo... 😙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...