História Lern Jergi camren oneshot - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Visualizações 289
Palavras 3.526
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


SINOPSE

[ONE SHOT]
Dinah, após ler o texto que Camila fez para o aniversário de Lauren, se vê extremamente curiosa sobre o que aconteceu entre as duas colegas de banda. Estará Camila disposta a viajar pelo passado e contá-la sobre tudo que tenta esquecer?

Capítulo 1 - Capítulo Único


camila_cabello: "LERN JERGI. AGORA É O SEU ANIVERSÁRIO. VOCÊ TEM 18 ANOS. ESSE É O MOMENTO PELO QUAL VOCÊ ESTAVA ESPERANDO. SE VOCÊ COLOCASSE A LÍNGUA NO AR AGORA, VOCÊ PROVAVELMENTE SENTIRIA O GOSTO DOCE E PICANTE DA LIBERDADE DA TATUAGEM DE LIBÉLULA, PIERCING NO NARIZ E DIREITO DE VOTAR. Passamos por altos e baixos na nossa amizade, e durante esses altos e baixos eu fui abençoada o bastante para 'experienciar' seu gosto musical bombástico que estou TÃO FELIZ QUE VOCÊ TENHA ME APRESENTADO porque nos divertimos muito nos shows interagindo sobre as bandas, e tem muitas outras a vir, SE JESUS QUISER. Posso ir até você por qualquer coisa e esperar a pura, honesta e rara verdade, e eu sempre estarei ali para te dizer que estará tudo bem quando você chorar no meu ombro, quando se sentir sozinha ou machucada. Eu pude ver em primeira mão o seu incrível senso de justiça; quando você vê algo injusto ou errado acontecendo, você levanta a voz e luta pela pessoa com a bravura que eu, e muitas outras pessoas (apesar de não admitirem), queríamos ter. Eu amo a forma apaixonada como você luta pelo que acredita ser certo e todo mundo deve te lembrar todo dia que isso é uma força, e não uma fraqueza. Eu não posso nem te dizer o quanto é confortante saber que alguém como você me defenderá e me protegerá, e eu espero que você saiba que eu sempre farei o mesmo. eu te amo, sempre".

"Esse foi o texto mais lindo que você já escreveu"

A menina, antes concentrada no livro que lia, ergueu os olhos num misto de confusão e curiosidade.

"O que?" perguntou.

"O de aniversário" respondeu. A outra ergueu as sobrancelhas, claramente sem entender. Dinah revirou os olhos com a lentidão. "O texto para a Lauren"

"Ah" Camila voltou a olhar para o livro. "Obrigada".

"É sério, eu achei tão bonito" continuou, bloqueando o celular após dar uma última lida nas palavras da amiga. "Por mais que eu saiba que tudo aquilo aconteceu, eu..."

"Você... ?" murmurou, fingindo estar mais concentrada no livro no que na menina sentada a sua frente, o que era uma bela mentira.

"Eu tenho curiosidade de saber o que aconteceu nas entrelinhas" Dinah admitiu, passando os olhos pelo rosto de Camila, procurando qualquer coisa diferente do que... nada.

Camila lançou um rápido olhar para a amiga.

"Explique."

Dinah suspirou, prendendo o cabelo num rabo de cavalo. "Tipo, todos que convivem com vocês sabem que vocês tiveram alguns problemas nos últimos meses, e... Bem, até quem não convive sabe" comentou, falando sobre os fãs. Camila manteve-se em silêncio, lendo e relendo a mesma frase do mesmo parágrafo. "Mas o real motivo pelo afastamento de vocês, ninguém sabe de verdade."

"Há especulações".

"Sim, mas elas são relacionadas aquele assunto."

Camila respirou fundo, marcando a página com uma folha de papel antes de fechar o livro e encarar Dinah, que tinha uma sobrancelha erguida e uma expressão completamente acusadora no rosto.

"Por acaso... ?"

"Você quer realmente saber?" Camila cortou-a, seu tom de voz quase que implorava para a amiga guardar a curiosidade bem fundo dentro de si, quase como ignorando esse assunto para sempre.

"Claro!" exclamou, aproximando-se mais de Camila. "Mas se você não quiser contar, eu entendo".

Camila soltou o ar, fechando a mandíbula. "Eu sei que você vai me encher até eu te contar, então..." falou a mais magra.

Dinah sorriu de canto. "Tome seu tempo, nós podemos ter a noite toda".

Camila fechou os olhos, relembrando. Suas mãos começaram a tremer, seu peito acelerar. Ela se perguntava se era a coisa certa a fazer, se estava preparada. Guardara aquela estória tão fundo dentro de si, fechada a sete chaves, coberta com a capa de invisibilidade do Harry Potter com medo de que, em algum momento, alguém conseguisse enxergar a verdade.

"No primeiro momento que eu pus meus olhos nos dela, eu soube que aquilo não era normal..." buscou as palavras corretas. "Eu lembro de pensar 'provavelmente não é nada', mas parecia como se fosse um mundo de emoções reunidas numa só. O que era estranho porque, primeiro: era uma garota, segundo: eu nunca tinha a visto antes em toda a minha vida"

Camila mantinha o olhar sobre seu colo, sem coragem de ver como Dinah reagia sobre suas palavras.

"E eu sabia que nunca na vida uma garota tão linda e, obviamente, daquele tipo de garota popular que fala com todos e tem uma maravilhosa vida social, iria conversar com uma menina esquisita e magrela" continuou "Eu me senti mais nervosa ainda, porque, meu Deus, eu queria tanto que ela falasse comigo, que olhasse nos meus olhos e pensasse 'eu preciso conversar com ela', quando, na verdade, qualquer um que olhasse me acharia estranha demais".

"Eu a observei o tempo todo, e umas duas vezes ela me pegou observando-a" Camila riu "Obvio que eu desviei os olhos e fiquei num estado critico de vergonha, mas eu achava que ela estava acostumada com pessoas encarando-a porque... merda, ela é tão linda" sussurrou.

Dinah ajeitou sua postura na cama, forçando-se a não fazer nenhum comentário até a amiga acabar.

"Mas ela se aproximou sozinha, deixou aquele grupo e desconhecidos para trás e veio atrás de mim.

'Ei' ela disse, e eu pensei que os seus olhos fossem me sugar para dentro deles.

'Oi', eu respondi.

'Você está nervosa?' perguntou, e eu achei estranho ela querer puxar conversa comigo. Oras, tantas pessoas melhores e mais interessantes e ela... Veio até a mim.

'É como se eu fosse mij...' parei bruscamente, medindo minhas palavras. Ela percebeu o que eu iria falar, e em vez de dar alguma desculpa e ir embora, ela riu. E eu me apaixonei por aquele sorriso." contou, mordendo o lábio. "Desde aquele dia, eu senti como se eu pudesse contar com ela para qualquer coisa. Ela me fez acreditar nisso, todos os dias, dali em diante. Ela confiou em mim quando nem eu mesma confiava, e foi impossível não me sentir diferente toda vez que ela se aproximava. Era como se todas as outras pessoas sumissem, e só eu e ela existíssemos'".

Camila respirou fundo, passando a mão pelos cabelos suados.

"Nós nos aproximamos rapidamente. No começo eu me sentia mal porque o que eu sentia por ela era muito mais forte do que eu sentia por vocês, mas depois eu entendi que era diferente". Camila justificou-se, olhando para Dinah pela primeira vez. Dinah sorriu de canto e deu de ombros. "Eu tentei esconder e ignorar o sentimento que crescia, mas era meio que impossível. Ela é um imã, os olhos dela são um imã, o sorriso, tudo. Ela me chamava mesmo sem dizer, e eu ia, mesmo sem concordar. Não era algo do mal, era algo puro, inimaginável, e eu amava todas as partes daquilo".

"Até que ela começou a falar dele" a expressão dela se fechou. "E eu tinha que ouvir o quanto ele era bonito, o quanto ele beijava bem, o quão a voz dele era sedutora e todas essas malditas coisas que garotas falam quando estão apaixonadas por garotos. E eu, como uma boa amiga, escutava, guardando o ciúme no bolso".

"Ela era realmente chata quando o assunto era Keaton" Dinah comentou, ouvindo uma risada sarcástica sair da garganta de Camila.

"Era insuportável". falou "Sabe, a coisa toda. Eu queria gritar para que ela calasse a boca porque eu não estava nem um pouco interessada em saber se ele se excitava quando ela mordia puxava a merda do lábio inferior dele, ou todas as outras coisas que eu fico enjoada só de lembrar"

"Mas aí eles terminaram. E foi o meu ombro que ela veio chorar, foram as minhas palavras que ela escutou, o meu abraço que ela sentiu, a minha voz que a acalmou até ela dormir. E eu acho que naquele dia eu passei tanto amor para ela que um pouco daquele meu sentimento fugiu e achou um novo lar para crescer: o seu coração".

"E ela agiu completamente diferente do que eu. Obvio que no começo ela se assustou também, e fingiu que era apenas... Uma atração. Mas aos poucos ela foi vendo que aquilo era forte demais para ser apenas uma mera atração adolescente. Eu lembro até hoje quando nós..."

Dinah sorriu ao ver a amiga corar.

"Se beijaram?" Camila balançou a cabeça em concordância, sentindo suas bochechas se avermelharem mais ainda.

"Foi no nosso primeiro ano novo juntas" contou, desviando o olhar da amiga por estar com vergonha. "Eu percebia os olhares significativos que ela me mandara a noite toda, mas sabia que não aconteceria nada porque, bem, a família toda dela estava lá e, senhor, ela nunca faria isso. E então, na hora de dormir, quando dividíamos a cama de casal de seu quarto, ela me chamou baixinho, quase como se sentisse medo de que eu ouvisse e do que ela faria a seguir.

'Camz?' chamou.

'Hm' murmurei, virando o corpo para o seu lado da cama.

'Você acredita nessa coisa de que beijo a meia noite de ano novo trás sorte pro resto do ano?' perguntou num tom tão doce que eu demorei um tempo para responder, pois estava ocupada demais me deliciando de sua voz.

'Depende' respondi. 'Tipo, não precisa ser necessariamente a meia noite, pode ser antes, na noite do dia 31, ou depois, na madruga do dia primeiro. Mas, se for com de amor verdadeiro, daqueles puros e singelos, trará sorte sim'.

E ela se manteve em silêncio por um bom tempo, quase cheguei a pensar que ela tivesse caído no sono ou estivesse perdida em sua própria mente, mas aí ela me beijou. E eu senti o meu mundo cair. Naquela hora eu não ligava para o fato dela ser uma garota, e de estar no mesmo grupo que eu, e que provavelmente iria ser bem estranho quando a gente se afastasse, e, meu Deus, eu nem sabia beijar!" exclamou "Ela que me ensinou."

Camila não controlou o sorriso.

"Eu tive muitas aulas" admitiu, ouvindo Dinah rir. "Durante o ano seguinte inteiro, nós vivíamos de altos e baixos, idas e vindas. E bom, você sabe que nós brigamos muito, muito mesmo. Muitas vezes eu pensava que não iria aguentar mais, que nós tínhamos que terminar o que quer que fosse 'camren', mas ela sempre voltava e pedia desculpas. Dizia que queria mais, que não podia abandonar agora. E eu aceitava, senhor, eu aceitava tudo. Eu queria que ela ficasse comigo, eu estava tão apaixonada".

Dinah arregalou os olhos. Ela não fazia ideia de que tudo isso acontecera bem embaixo de seu nariz... E de todos os outros.

"Até que ela começou a distribuir patadas aos fãs que falavam de Camren, ou que se mentiam em sua vida social. Okay, isso é irritante, mas se eu fosse tratar mal e me irritar com qualquer pessoa que se metesse na minha vida eu tava fodida" Camila continuou, mudando de posição na cadeira. "E eu dei um aviso. Mas ela, teimosa como sempre, entendeu aquilo como um ponto final".

Camila passou a mão pelo cabelo, tomando um pequeno tempo antes de voltar a falar.

"Ela surgiu com outro menos de um mês depois disso. Eu sabia que o que tínhamos não era um namoro, mas eu me senti traída, até porque vocês todas já sabiam dele há muito tempo, menos eu" Camila falou amargurada, sorrindo irônica ao se lembrar de como soube da novidade. "E foi aí que tudo piorou."

"Foi naquela época que vocês pararam de se falar?" o tom de voz que Dinah usou pareceu mais uma afirmação do que pergunta.

Camila concordou com a cabeça.

"Eu preferi ignora-la. Ela fez as escolhas dela, e uma hora eu tive que parar de sofrer e fazer as minhas. Então, eu comecei a dar uma chance para o Austin, ver até onde isso iria" contou "Mas, sei lá, não era certo. Eu sinto como se ele fosse um grande amigo, apenas isso".

"Mas, em vez dela se calar, ela pirou, falou que eu tinha que me afastar dele que ele só queria meu corpo, e que não deveria confiar nele porque garotos naquela idade 'só pensam em uma coisa'. Eu fiquei irritada, pra cacete. Um, porque ela sabe que eu não me entregaria pra ninguém que eu não amasse. Dois, Luis não é o tipo de garoto que não liga pra sexo."

"Nós duas discutimos feio naquele dia. Foi quando eu sai para ver o show sozinha. Precisava esfriar a cabeça e tirar um tempo só para mim" explicou "E aí, você sabe, tudo foi de mal a pior. Eu comecei a me odiar por ainda amá-la, e soquei mais ainda o amor dentro do coração e o ignorei. Mas quando ela o trouxe para cá foi... Foi horrível, eu necessitava sair de perto, fugir, não ver. Acho que eu nunca te agradeci o suficiente por ter me levado ao show aquele dia, se não fosse por ele, eu teria pirado".

"De nada" Dinah sussurrou, chocada demais para dizer qualquer outra coisa.

"Normani percebeu que alguma coisa tava rolando" Camila disse, cruzando braços embaixo dos seios. "Ela nos puxou para conversar numa noite em que você tinha saído para fazer sabe sei lá o que e Ally estava no salão conversando com Troy.

'Eu não faço a mínima ideia do que tá rolando ou rolou entre vocês duas, mas eu estou avisando que isso tudo tem que acabar'. Normani apontou o dedo para nós, pegando-nos desprevenidas com suas palavras.

'Chega a ser ridículo como nenhuma outra percebeu, e se percebeu não diz. Mas nada é mais ridículo do que essas brigas' ela continuou, e nós duas nos mantivemos em silêncio. Não tinha como mentir, Normani parecia certa demais do que falava.

E ela estava.

'Eu não estou pedindo, não estou implorando; estou ordenando. Eu vou descer e arranjar alguma desculpa para Ally e Dinah não subirem por um tempo, e durante ele, vocês vão conversar o que quer que tenha que conversar e acabar com essa merda de palhaçada'.

E com isso, Normani levantou-se do sofá e pegou o casaco. Ela olhou no relógio e disse 'vocês tem meia hora e alguns bocados'."

"Gastamos 'alguns bocados' caladas. Eu tinha tantas coisas para falar, mas no fundo tanto ela quanto eu sabíamos que aquele dia era o meu dia de ouvir.

'Desculpa' ela começou. 'Desculpa por tudo'.

'Ok'.

'Não, é sério.' Girou seu corpo para ficar de frente para mim no sofá. 'Eu agi como uma idiota. Não soube lidar com o fato de ser, de certa forma, uma pessoa pública e que um bando de pessoas observa cada passo. Fiquei com medo de descobrirem sobre...'

'Nós' murmurei.

'É' ela concordou. 'Fiquei com medo de descobrirem sobre nós e estragar com Fifth Harmony. Eu não queria arriscar o nosso grupo e eu sei que você também não.' Concordei com a cabeça, ainda sem olhar para ela. 'Eu magoei você, e eu me arrependo de tantas coisas...'

'Você se arrepende de ter começado?' perguntei. Ela franziu as sobrancelhas. 'Digo, ter começado com Camren.'

'Não' falou. 'Foi a melhor época da minha vida. Você me fez tão feliz, Camila. Você me ensinou a amar, a respeitar e a me aceitar, por mais que eu ainda esteja aprendendo essa última coisa. Você me ajudou e ajuda até hoje com os meus defeitos, e me ensina a cada dia a aprender com eles, por mais que às vezes eu finja que não'. Ela tomou um grande folego. 'Eu me arrependo de ter tido medo e ter tomado escolhas que trouxeram dor para você. Eu fui realmente uma estúpida inúmeras vezes, e eu entendo que talvez você não queira nunca mais falar comigo direito novamente.'"

"Ela foi direta ao ponto" Dinah comentou, cortando a estória ao meio.

"Sim, nós só tínhamos poucos minutos" Camila explicou, encostando as costas na cadeira. "Eu lembro de nessa hora olhar para os seus olhos e encontrar a Lauren do primeiro dia novamente, aquela que estava disposta a me conhecer, a me amar, me aceitar. Aquela que não tinha me machucado inúmeras vezes só pra me machucar mais algumas. Eu vi aquela que estava disposta a me fazer feliz. E eu a perdoei"

"Mas ela foi bem clara sobre seus sentimentos. Ela disse que ainda me amava, mas que não era a coisa certa a fazer, até porque eu ainda estava frágil, e ela, num relacionamento." Camila olhou para Dinah. "Ela gosta do Luis, e eu gosto da felicidade dela." Disse. "Doeu, é claro, saber que ela estava o escolhendo em vez de lutar por nós duas novamente, mas eu entendi o seu ponto de vista e o motivo de muitas de nossas brigas. Ela é covarde, de certa forma, mas também é o forte o suficiente para guardar o nosso amor bem no fundinho do coração para não arriscar tudo".

"O grupo é o que impede vocês duas de ficarem juntas?" Dinah perguntou de cenho franzido.

"É um conjunto de coisas que nos impedem" esclareceu "No começo eu me senti mal por isso, e admito que as vezes eu tenho vontade de puxá-la para o canto e pedir para voltarmos, que a nossa ida já está ficando grande demais, mas eu sei não é a hora. Tudo está calmo e organizado, bem. Nós estamos nos tratando como melhores amigas, e não brigamos faz um bom tempo. Acho melhor continuar assim do que trazer um maremoto de estresses".

"Você acha que um dia vocês possam..."

"Voltar?" Dinah concordou com a cabeça. "Quem sabe, DJ. Mas ela está feliz com o Luis, e eu o agradeço por isso, por mais que o inveje" .

"Você a ama de verdade" Dinah observou, apoiando o peso o corpo sobre os braços, "Digo, você 'abandonou' o seu amor porque sabe que a melhor coisa a fazer agora é deixa-la com ele".

"Ele a faz feliz" repetiu "Eu sei que faz, de certa forma."

Dinah sorriu para ela.

"Você merece toda a felicidade do mundo, Chancho" falou "Eu me orgulho tanto de você. Só estou um pouco irritada por você nunca ter me contado isso antes".

"Você nunca perguntou" sorriu, dando de ombros.

Dinah observou a amiga passar a mão pelo cabelo e olhar para o porta retrato em cima da escrivaninha. Era uma foto 'Camren', tirada pelas quase um mês atrás.

Alguém bateu na porta antes dela fazer algum comentário.

"Ah, se não é a aniversariante!" Dinah exclamou, vendo Lauren botar a cabeça para dentro do quarto. "Ou talvez parte dela".

"Você não presta, DJ" Lauren respondeu, rindo por conta da expressão indignada de Dinah. Os olhos verdes encontraram com os castanhos da outra menina, que exibia um sorriso carinhoso no canto dos lábios. "Nós vamos cantar parabéns agora, e eu vim avisa-las porque, bem, vocês tem que vir".

"Claro que sim, nós somos as mais importantes" Dinah levantou-se da cama "Seu parabéns não teria um terço do brilho sem a minha doce voz e presença".

"Seria sem harmonia" Camila comentou, pronunciando-se pela primeira vez. 2

"Com certeza!" Lauren concordou.

Dinah observou as duas, sorrindo de canto ao vê-las se silenciar, trocando alguns olhares que fizeram tanto uma quanto outra corarem.

"Vamos lá então" Camila falou, levantando da cadeira. Lauren assentiu e virou-se de costas, apertando a mão de Dinah ao passar em direção à sala.

"Nem ouse fazer qualquer comentário, Dinah Jane" Camila sussurrou no ouvido da mais alta.

"Eu não falei nada!"

"Mas pensou".

Dinah riu, passando o braço sobre o ombro de Camila. Juntas, caminharam para a sala soltando em meio de provocações e brincadeiras. Quando chegaram lá, avistaram a família Jauregui, Normani, Ally e Luis, namorado de Lauren.

"Hey Luis" Camila cumprimentou.

"Olá" respondeu, sorrindo e apertando a mão da mesma, "Tudo na boa?".

"Sim" desviou os olhos do mesmo, sentindo o braço de Dinah escorregar para sua cintura "E você?".

"Melhor impossível" ele sorriu, botando as mãos dentro do bolso e sorrindo para Dinah, que sorriu sem mostrar os dentes. Luis respirou fundo, balançando o corpo para frente e para trás. "Ela está tão bonita" ele comentou.

Camila seguiu o seu olhar, vendo Lauren conversar com seu pai. Ela vestia um vestido listrado preto e branco, seus cabelos estavam soltos e caiam em cachos sobre os ombros. Um sorriso brilhava em seu rosto, mostrando a todos o quanto ela estava feliz.

"Uhum" concordou, repreendendo seu coração por acelerar.

Antes de cantarem parabéns, Lauren pediu um minuto.

"Eu queria agradecer por estarem aqui nessa simples comemoração" ela começou, sorrindo. "Eu sempre achei que necessitava de uma festa giga com um bando de pessoas que eu mal falava para comemorar o meu aniversário, mas hoje eu vejo que o que eu mais preciso, na verdade, são as pessoas que eu amo, que eu prezo". Lauren fechou os olhos por um momento, antes de abri-los e encontrar com os de Ally. "Vocês são as melhores partes de mim, as que me ajudam a crescer e amadurecer, as que me fazem a pessoa que eu sou e a pessoa que um dia eu vou ser. Quero pedir desculpas por qualquer momento que eu possa ter magoado um de vocês, e prometo tentar ao máximo ver os meus erros e concerta-los. Eu não tenho palavras para agradecer tudo que vocês fazem por mim, mas eu só quero dizer que eu os amo mais do que tudo nesse mundo, cada um de vocês aqui hoje. Obrigada". Finalizou, arrancado palmas da sala inteira.

Eles cantaram parabéns, e antes dela apagar as velhinhas, Taylor gritou.

"Faça um pedido!"

Ela olhou para Luis, sorrindo e se preparando para soprar. Então, seus olhos se encontraram com os de Camila, e ela passou a ser tudo que ela via.

Lauren sorriu para ela, fechando os olhos e soprando.

Amor.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...