1. Spirit Fanfics >
  2. Let Me Be The One >
  3. Quebrada

História Let Me Be The One - Capítulo 42


Escrita por:


Capítulo 42 - Quebrada


Pov's Any

Me seco e me enrolo na toalha para ir em direção ao meu quarto. Chegando lá abro meu armário e procuro uma roupa. Acabo optando por uma calça jeans clara e um cropped bem larguinho verde claro, também calço meu velho aliado, um tênis branco. Depois vou até o espelho e faço uma maquiagem bem simples.

Assim que me sinto pronta, desço e encontro Josh sentado na sala enquanto mexe no celular. Ele percebe minha presença e fica um tempo me encarando com a boca semi aberta. 

- Josh: V-você tá linda <eu me sinto corar> 

- Obrigada. Você também não está nada mal. 

- Josh: Muito engraçado Gabrielly, eu sei que você me acha o cara mais gostoso do mundo <ele diz convencidamente> 

- Em que mundo você vive? É no mesmo que o meu? <eu rio da cara de decepção dele> 

- Josh: Nossa, não precisava agredir <ele faz um beicinho> 

- Que dó do neném <me aproximo do seu ouvido> você sabe que é cara mais gostoso que eu conheço <sussuro em seu ouvido e percebo ele se arrepiar>

Depois disso seguimos para o carro, que estava em frente a casa. Josh ficou fazendo mistério sobre onde iríamos almoçar. 

Quando finalmente estacionamos o carro, pude ver que era um restaurante francês. Sua arquitetura era bem clássica e o prédio todo claro. Pegamos uma mesa perto da janela e nos sentamos, fizemos nossos pedidos e ficamos conversando.

- Josh: Eu nem falei para a minha mãe que você tá viva ainda, ela não vai acreditar. 

- Ela já sabe <eu rio e ele me olha desentendido> eu fui lá ontem. 

- Josh: Nem me avisou, que chata. 

- Você iria querer ir? 

- Josh: Claro <ele sorri> Faz um tempinho que não vou lá. Mas me fala, você pretende voltar para Viena?

- Vou ser bem sincera, eu pretendia. Agora não sei mais... <solto um suspiro> 

- Josh: Porque a indecisão? 

- É que toda a minha vida está lá, trabalho, apartamento, carro... mas Los Angeles é onde eu me sinto realmente bem, aqui eu sinto que é realmente minha casa. 

- Josh: Então fica. Tenho certeza que vai conseguir arrumar um emprego. E outra, seria complicado mudar tudo para Viena. 

- Como assim mudar tudo? <fico confusa>

- Josh: Eu precisaria achar um apartamento, achar uma gravadora, tudo isso... 

- Não entendi ainda.

- Josh: Você acha mesmo que eu iria deixar você voltar para Viena sozinha? <olho surpresa> Como já te disse, não quero passar nem mais um segundo longe de você. 

- E-eu não sei o que dizer.

- Josh: Não precisa dizer nada, só vamos aproveitar o momento.

Nossos pedidos chegam e, assim como Josh disse, aproveitamos o momento. Conversamos sobre as coisas mais banais, sobre nossas vidas, como um casal normal... ficar ao lado dele me faz me sentir feliz, amada. Desde que eu o reencontrei, eu só tive certeza de uma coisa, eu ainda o amo. 

Depois de almoçarmos resolvemos voltar para minha casa. Prometi fazer brigadeiro para o Josh então antes passamos no mercado para comprar as coisas. Tivemos que sair correndo depois que uma fã reconheceu ele no meio da fila de pagamento. 

Finalmente chegamos na minha casa. Josh ficou procurando um filme na TV enquanto eu fazia o doce para ele. Assim que terminei, fui para a sala e me aconcheguei ao seu lado. 

Ficamos assistindo "Megarromântico" enquanto comíamos brigadeiro. O filme acabou e ele levou o prato para a pia.

- O que vamos fazer agora? <pergunto a ele enquanto volta para a sala> 

- Josh: O que você quer fazer? <ele me olha e ri> 

- O que foi? 

- Josh: tá sujo <ele limpa o canto da minha boca com seu dedo e depois lambe> brigadeiro <ele diz com sotaque> 

- Owwwwwnnnnnnt, meu coração <coloco a mão no peito, fazendo drama> 

- Josh: O que? <ele estranha>

- Seu sotaque, eu tinha esquecido como amava seu sotaque. 

- Josh: Vou me lembrar disso depois. 

- O que você tá planejando? 

- Josh: Não falei nada <ele levantou os braços como se estivesse se inocentando> 

- Tá bom, tá bom. Eu preciso tirar essa calça, já tá me incomodando. <digo e puxo ele pelos braços até meu quarto>

Ele se senta na minha cama enquanto eu procuro nas minhas roupas. Encontro um shorts de moletom e vou ao banheiro para trocar. 

Quando volto para meu quarto, Josh está parado em frente a penteadeira do quarto. Quando ele percebe minha presença, se vira e me olha com algo na mão.

- Josh: Você ainda guarda? <vejo minha aliança em suas mãos> 

- Bom, guardo <coro> e a sua? 

- Josh: Nunca parei de usar <ele levanta uma corrente escondida atrás da blusa, a aliança está presa nela>

Quando ele mostra a aliança eu fico totalmente sem palavras, minha única reação é ir até ele e o abraçar o mais forte que consigo. Depois de um tempo abraçados ele pega meu queixo suavemente fazendo com que eu olhasse para ele.

- Josh: Eu te amo, Any <ele roça nossos lábios> 

- Eu também te amo, Josh <inicio um beijo>

Eu inicio um beijo calmo, de saudade, mas logo Josh segura minha cintura e me puxa para mais perto, fazendo com que nossos corpos ficassem colados. Eu seguro sua nuca e entrelaço meus dedos em seu cabelo, aprofundando mais aquele beijo. 

Quando ficamos sem ar, Josh afasta meu cabelo e começa a dar beijos molhados por todo o meu pescoço, me fazendo arrepiar. Com o fôlego recuperado voltamos a nos beijar intensamente. 

Quando percebo, minhas pernas se encontram com a cama e eu me deito. Sem pararmos o beijo, Josh se deita sobre mim apoiando seu peso sobre um dos braços, enquanto o outro ainda segue apertando minha cintura. 

Começo a brincar com a barra da sua camiseta e ele entende o recado, então ele tira sua blusa ficando com aquele tanquinho definido a mostra. Começo a traçar um caminho com os dedos por todo o peitoral e percebo ele se arrepiar.

- Josh: Você tem certeza? Podemos parar aqui <ele para os beijos para perguntar> 

- Tenho, só continua <puxo ele pela nunca, voltando a beijá-lo>

Voltamos a nos beijar, dessa vez com mais intensidade. Ele puxa a barra da minha blusa e com facilidade a retira por completo. Ele desce os beijos por toda a extensão do meu pescoço e do meu colo, apertando um dos seios ainda por cima do sutiã. 

Não percebi o momento em que ele tirou aquela peça, mas quando me dei conta ele já estava brincando com meus seios enrijecidos de prazer enquanto eu arravanhava suas costas nuas. 

Ele tira sua calça, ficando apenas com uma boxer branca, e depois o meu shorts também foi parar em algum canto daquele quarto. 

Puxo ele pela nuca, fazendo-o voltar a me beijar com intensidade. Nossas linguas batalhavam por espaço, por domínio. 

Ele desce a mão, lentamente, até chegar a minha intimidade, encharcada, ainda coberta pelo fino tecido da calcinha. Então ele começa a fazer movimentos circulares ainda por cima da peça de roupa, me fazendo arfar durante o beijo. 

- Josh: Posso? <ele se refere a minha última peça>

Não respondo nada, apenas assinto com a cabeça. Ele se ajeita na cama, se deitando ao meu lado. 

Ele volta a brincar com minha intimidade, dessa vez sem nenhum empecilho e enquanto isso, ele brinca com meus seios usando a boca, me fazendo soltar gemidos de prazer que o estimulam cada vez mais. 

Minha felicidade quase não cabe no peito, pela primeira vez desde o estupro eu sinto que vou "chegar lá" com outra pessoa. 

Sinto Josh largar meus seios e ficar apenas com a mão em minha intimidade. Depois percebo meu rosto queimar. Quando eu abro os olhos, ele está lá, com aqueles encantadores olhos azuis me encarando. Todo o prazer que eu estava sentindo vai embora. 

Como uma resposta do meu subconsciente, fecho minhas pernas imediatamente e corro colocar alguma coisa para me cobrir. 

Olho para Josh, que me encara com uma feição de surpresa e dúvida.

- Josh: O que aconteceu? Eu fiz alguma coisa? Eu te machuquei? <ele se levanta vindo até mim no banheiro> 

- N-não. Você não fez nada, aliás, você fez muita coisa por mim, obrigada. <saio do banheiro sem coragem para encará-lo> 

- Josh: Any, o que aconteceu? Eu posso te ajudar. 

- Ninguém consegue me ajudar, não acho que você consiga, eu estou quebrada <percebo que fui grossa> desculpa... não queria ser grossa com você.

- Josh: Me deixar tentar, Any. Eu quero poder te fazer feliz, mas se você não conversar comigo, e tenho certeza que você não está quebrada... <abro um espaço para ele se sentar ao meu lado na cama> 

- É complicado... Mas basicamente, desde o acontecimento eu não consigo, sabe? Eu não consigo chegar lá <ele me olha confuso> eu não consigo ter um orgasmo <digo quase sussurrando> 

- Josh: Mas você parecia... 

- E eu estava, estava quase lá, foi o mais longe que consegui ir com alguém, acredite. Mas quando você começou a me olhar, todo o tesão foi por água a baixo. 

- Josh: Eu não sabia, Any, me desculpa. 

- Não é culpa sua. Eu fiz 6 anos de acompanhamento psicológico e ela sempre dizia que era um exercício de confiança. Que depois do estupro eu não conseguia confiar em alguém tão intimamente. 

- Josh: Entendi... mas se lembre que eu sempre vou estar aqui, para o que você precisar <ele me abraça, mergulhando seu rosto em meu cabelo>

- Eu quero fazer isso, quero fazer isso com você. Vamos tentar de novo? 

- Josh: Podemos fazer o que você quiser, mas hoje não. Acho que já fizemos o suficiente por hoje. 

- Mas e você? <eu olho para sua cueca e rio>

- Josh: Isso eu resolvo depois. <ele ri>

Decidimos não falar mais sobre o acontecido por enquanto. Fomos para a sala e ficamos conversando e assistindo alguns canais aleatórios.


Notas Finais


◇ Tadinha da Any... não sei se alguém que já leu percebeu, mas me inspirei em uma fanfic chamada "O Acordo" do wattpad, procurem, é muito boa 😙
◇ Vocês também estão em quarentena? Vou aproveitar para tentar escrever bastante para vocês ❤
◇ Próximo capítulo sai no Sábado 🥰


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...