História Let me go see the light - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bendy and the Ink Machine
Personagens Alice Angel, Bendy, Boris the wolf, Henry, Joey Drew, Personagens Originais, Sammy Lawrence
Visualizações 14
Palavras 1.558
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 1 - Ato 1 - ovelha má


Meus olhos estavam começando a se abrir aos poucos logo se acostumando com a luz do local, que por sinal era bem pouca


Consegui me levantar por completo logo em seguida colocando minhas mãos sobre minha cabeça, realmente aquela queda doeu demais parece que minha cabeça está girando, olhei para baixo estava em cima do tal ritual que alguém fizera ali Joey o que diabos você está aprontando


Dei uma olhada para os lados e avistei o machado que tinha encontrado pelo menos tenho alguma coisa para ajudar a sair daqui… aquela coisa na máquina, parecia ser o Bendy… balancei a cabeça tirando esses pensamentos e comecei a andar procurando um meio de sair desse estúdio



Não me lembrava que o estúdio era tão grande assim bastante coisa mudou depois que eu saí, só não pensei que essa loucura iria vir junto com as mudanças, continuei andando e parei assim que vi que para poder proceder tinha que passar por um local cheio de tinta, o que não foi fácil a tinta estava começando a secar e ficava difícil de se mover por alí, porém parei na hora assim que vi uma sombra passar olhei atentamente para esse ser, estava usando uma espécie de avental e deixava seus músculos de fora e estava totalmente coberto de tinta e para completar, estava segurando enfeite feito de papelão do Bendy


Esperei o tal ser passar e prossegui com mais cautela afinal não faço a menor ideia se aquilo é amigável, quando consegui sair da tinta o ser no qual eu tinha visto tinha sumido, provavelmente deve ter entrado por um desses buracos na parede, e logo vi aquele enfeite do Bendy na parede logo na frente de um símbolo de estrela, não pensei duas vezes e o quebrei, olhei para trás para ver se nada estava atrás de mim e quando voltei meu olhar para a parede o enfeite de papelão estava restaurado, estava perfeito sem um arranhão, me assustei com aquilo e recuei para trás me encontrando com a parede


Eu quero tanto sair daqui, só quero ir para casa nem sei mais em que parte do estúdio estou direito esse lugar está caído aos pedaços e toda essa tinta só piora, sem falar que estou faminto meu estômago está roncando tanto, virei minha cabeça para o lado vendo uma prateleira e nela tinha algumas sopas, me levantei e fui em direção a elas pegando uma e vendo sua data de validade… aquilo já tinha vencido a dois dias, pensei comigo mesmo se valia a pena ou seria melhor passar fome, fechei meus olhos abri a lata e virei o líquido em minha boca


O gosto estava estranho mas nada muito desagradável, talvez seja porque estava frio, espero que isso não me cause uma dor de barriga mais tarde, vi mais algumas latas de sopa e fiz a mesma coisa pelo menos não iria passar fome talvez sede só um pouco mas nada muito sério, por um momento veio em minha cabeça beber a tinta mas nem ferrando que eu iria fazer isso, balancei a cabeça me concentrando no objetivo de sair desse lugar e fui até a próxima sala, não tinha nada difícil nela somente um enigma bobo de achar botões


A próxima sala era realmente intrigante, era um estúdio de áudio não me lembro ao certo desse lugar direito sem contar que era difícil identificar onde você está com tanta tinta correndo para lá e pra cá, me pergunto quando que Joey gastou com toda essa tinta acho um milagre o estúdio não ter falido


Encontrei uma escada que estava totalmente alagada de tinta, e tinha uma porta com um letreiro de saída em volta de luz LED um problema já foi agora tenho que descobrir uma maneira de drenar toda essa tinta e poder sair daqui, resolvi sair dali e ir explorar a área talvez eu consiga achar algo que ajude


Quando coloquei meu pé para fora da sala em que eu estava várias manchas de tintas começaram a aparecer, me desesperei com aquilo e do nada essas manchas começaram a se mexer e pareciam ter o formato de pessoas, uma delas acabou me tocando e minha visão começou a ficar escura, me recompus e a ataquei com o machado, a mancha tinha se partido em pedaços e escorreu junto das outras manchas pelo chão indo para outro local


-mas o que caralhos foi isso… merda Joey - gritei comigo mesmo e fui para outra sala





Se meus cálculos não falham acho que consegui fazer a tinta escorrer para outro lugar, outras daquelas coisas de tinta me atacaram alguns minutos atrás foi fácil acabar com elas graças a esse machado, mas por alguma razão tenho a impressão de que estou sendo vigiado e não são por esses enfeites de papelão do Bendy, balancei a cabeça e fui na direção das escadas, estava passando pelo salão central do estúdio de áudio quando senti um forte tapa em minha cabeça


Tudo começou a ficar zonzo e eu acabei caindo no chão, minha visão começou a ficar escura antes de eu apagar por completo consegui ver alguém me encarando parecia ser a mesma pessoa que vi antes de entrar nessa sala, e estava usando uma máscara do Bendy totalmente rasgada e destruída



-pela manhã você acordará ou pela manhã você morrerá - ele disse essas palavras com sua voz rouca e logo em seguida meus olhos se fecharam por completo




-vamos querida ovelha hora de acordar - abri meus olhos aos poucos se acostumando com a claridade do local, tentei me mexer mas minhas mãos estavam amarradas em uma viga de madeira junto de meu quadril, ele colocou seu dedo indicador em minha boca pronunciando um “shhh” - é hora da ovelha ir dormir, me sinto tão lisonjeado por você ter vindo lá de cima só para me ver, pelo menos agora o que eu vou fazer não será tão cruel - tentei falar alguma coisa mas minha boca foi tampada por um pano - o sacrifício está quase completo, você consegue ouvi-lo lá em cima não consegue, se eu lhe entregar seu corpo ele poderá me libertar dessa prisão escura que eu tenho o desprazer de chamar de corpo… espera seu rosto, me parece tão familiar… essa textura… - suas mãos passaram sobre meu rosto indo de encontro com meu cabelo - é tão macio… - sua língua saiu de sua boca indo diretamente  para meu pescoço me dando uma sensação de tremendo desconforto e vergonha - eu poderia me divertir com você antes… não, não posso terei minha vida de volta em troca desse sacrifício, fiquei quieto ele já irá chegar


A criatura que estava na minha frente colocou o machado em uma viga de madeira e saiu da sala por uma porta e logo pude escutar as caixas de som sendo ligadas e novamente era sua voz rouca, estranhamente ela me era familiar


-ovelha, ovelha, ovelha é hora de descansar  descanse sua cabeça é hora de dormir, pela manhã você acordará ou pela manhã você morrerá… me escute Bendy eu sou seu profeta eu lhe entrego um sacrifício vivo em troca de minha liberdade eu imploro me libertar dessa maldita prisão… vamos demônio de tinta pegue a vontade minha oferenda… não espera eu sou seu profeta… não, não… - um grito muito alto foi ecoado pelas caixas de som, a viga que estava me prendendo acabou se partido e com isso consegui me livrar das cordas e pegar meu machado saindo por um portão que tinha sido aberto porém deu um pausa e comecei a respirar


Eram tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo… eu não estava conseguindo pensar direito, estava tão confuso o que diabos tinha acabado de acontecer a minutos atrás, quem era aquela pessoa e porque estava me oferecendo como um sacrifício - sai de meus pensamentos quando notei que meu machado tinha quebrado - maravilha minha única forma de me defender acabada de ser destruída


Olhei para frente vendo uma grande poça de tinta e uma porta, tentei me aproximar da mesma mas novamente aquela criatura que eu vi quando estava na máquina de tinta apareceu na minha frente, estava com um sorriso macabro em seu rosto com tinta por todo seu corpo cobrindo seus olhos, ao seu redor várias manchas de tinta apareciam nas paredes e no teto, não pensei duas vezes e corri para o lado oposto


O caminho em que eu estava tinha sido bloqueado já que o teto tinha caído porém outro caminho tinha sido liberado, minha única chance de poder sobreviver a esse inferno é isso corri pro esse caminho vendo uma porta e abrindo a mesma e fechando logo em seguida, vendo a criatura batendo com tudo na porta me jogando para trás


Seus gritos ecoavam pelo local, e a sua volta tudo estava começando a ficar escuro sai dali indo para outro lugar, porém escutei outro barulho e vi uma lata de sopa rolando até meu pé


-... Eu sei que tem alguém aí… pode sair de onde você está - quem quer que estivesse lá se revelou e meus olhos se arregalaram na hora - Boris… - como… como que ele está vivo ele deveria ser apenas um desenho animado igual a Bendy se bem que desde que eu entrei nesse lugar varias coisa tem ficamos bem estranhas…


Joey no que você me meteu…



Continua.....





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...