História Let me love you - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Grey's Anatomy
Personagens Addison Montgomery-Shepherd, Alexander "Alex" Karev, Alexandra "Lexie" Grey, Amelia Shepherd, April Kepner, Arizona Robbins, Calliope "Callie" Torres, Mark Sloan, Meredith Grey, Sophia Robin Sloan Torres, Theodora "Teddy" Altman
Tags Arizona Robbins, Callie Torres, Calzona, Greysanatomy
Visualizações 273
Palavras 3.143
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, LGBT, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola morecxs! Voltei com mais um cap, quero dizer que não estou muito satisfeita com esse mas fiz o meu melhor, e obrigada por todos os comentários dos capítulos anteriores.

Boa leitura..

Capítulo 4 - Just a misunderstanding


-- Amélia, você viu a foto do pôr do sol? Eu não estou encontrando.

Lúcia estava parada a frente da mesa de Amélia Shepherd, que trabalhava com ela e era recepcionista de sua galeria.

-- Pôr do sol? - franziu o cenho confusa. -- Ah já sei de qual foto a senhora está falando, ela foi vendida. - Disse e Torres revirou os olhos.

-- Como vendida? Amélia eu avisei a você e especifiquei exatamente a foto, pendido pra não fazer isso. Você não supervisiona os outros funcionários?

-- Eu..

-- Olha aqui, Callie pediu especificamente que essa foto fosse somente exposta, não era pra vender! - Sua voz se alterou e Shepherd permanecia paralisada. -- É especial pra ela. - Pausou. -- Era.

-- Fiz besteira, Sra.torres. - Se levantou de onde estava sentada. -- Mil desculpas. Eu acho que na correria da exposição eu acabei vendendo essa, junto com as outras.

-- Você sabe pelo menos pra quem você vendeu? - Perguntou.

-- Se a senhora me der uns minutinhos, eu vou procurar aqui nos registro. - Respondeu nervosa, sentando-se novamente.

-- Poxa Shepherd.

-- Não não não, a senhora não se preocupe que eu vou resolver tudo. - Olhou a tela do computador.

-- Eu acho bom, porque a Callie está vindo pra cá buscar essa fotografia. - Retirou-se de onde estava claramente com raiva, saindo da visão da mais nova.

-- Sim senhora. - Elevou um pouco a voz para que a mais velha pudesse escutar, já longe.

Calliope torres

Sua mente estava uma confusão sem fim, o amor... o que ele não faz com você? Quando mais você não quer pensar, mais pensa, Quando mais você não quer sentir, mais sente, é uma completa loucura.

A noite anterior foi um turbilhões de sentimentos. Depois daquele momento com a Arizona no banheiro, ficou conturbada. Não sabia o que pensar ou agir, claramente seu amor pela loira não tinha morrido. O sorriso nos lábios que se formará só de ver robbins é automático, não consegue evitar, é impossível evitar. O que aconteceu naquele banheiro foi intenso, muito intenso, esqueceu-se de tudo e de todos, esqueceu-se do mundo, parecia só existir a loira, só existia aquele ser com intensos olhos azuis. Como pode um amor que mesmo depois de anos, que mesmo depois de tudo que passou ainda prevalecer dentro de si?

Essa pergunta ecoava em sua mente.

Fechou a porta do quarto de Sofia após ver que ela ainda estava dormindo, hoje a pequena não iria a creche pois foi lhe informado que a professora tinha pego um resfriado. Sua noite de sono foi horrível, o que a fez se acordar com um péssimo humor. Pra ser sincera, seu humor matinal nunca foi um dos melhores.

Estava na sala, assistindo um programa de culinária aleatório que se passava na televisão, na verdade nem estava prestando atenção direito pois encontrava-se concentrada em seu celular, vendo suas redes sociais.

A campainha soou fazendo-a tomar um pequeno susto, e franziu o cenho se perguntando quem era aquela hora da manhã. Bloqueou do celular o jogando no sofá e levantou-se indo até a porta, quando abriu deparou-se com Mark todo suado, definitivamente tinha ido correr, Callie fechou a cara.

-- O que está fazendo aqui? - Revirou os olhos dando passagem para o homem entrar.

-- Bom dia pra você também morena. - Seu melhor amigo disse irônico.

-- Não enche, Sloan. - Seguiu seu amigo que estava indo em direção a cozinha e viu o mesmo enchendo a garrafa de água para em seguida beber, olhou-o incrédula. -- Você é um folgado.

-- Ah, eu já sou de casa. - Deu de ombros. -- Sabe o que é isso? - Perguntou referindo-se ao seu mau-humor.

-- O que?

-- Falta de sexo. - Susurrou fazendo-a revirar os olhos indo novamente para sala. -- A queridissíma Penny não está dando conta do recado? - Seguiu a morena. -- Se eu não fosse casado até..

-- Pode parar, não tem nada a ver com a Penny. - Sentou-se no sofá. Mark fez menção de se juntar a ela sentando-se também. -- Hey! - Gritou assustando-o e seu amigo levantou-se rapidamente. -- Não vai se sentar no meu sofá caríssimo, estando banhado de suor.

--  Ah pelo amor de Deus. - Ignorou-a complemente e sentou-se. -- Que se dane.

-- Você é mesmo um folgado. -- Mumurrou.

-- Estou com saudades de caminhamos juntos pela manhã, é bem mais divertido e faz tempo que não fazemos isso. - Declarou sincero. -- Vai ver esse seu humor elevado deve ser por isso, você precisa relaxar mais Torres.

-- Apenas noite mal dormida e eu estou complemente normal. - Suspirou. -- E não tenho mais pic pra essas corridas.

-- Noite mal dormida ou uma loira que anda tirando seu sono? - Mark arqueou uma das sobrancelhas.

A latina ao ouvir sua frase, jogou a  almofada que estava em seu colo na direção de Sloan, o fazendo resmungar.

-- Você está tão engraçadinho hoje. - Falou ironicamente.

-- Você ainda é completamente apaixonada pela loira. - Deu de ombros e mudou o canal da televisão para um de esporte.

-- Está falando besteira atrás de besteira. - Mumurrou.

-- Não adianta negar, Torres, te conheço o suficiente para saber que está mentindo.

-- Não vamos falar sobre isso. - Pediu por fim.

-- Mama.

Escutou uma voz doce invadir seus ouvidos, inclinou a cabeça para o lado deparando-se com a cara sonolenta de sua filha esfregando os olhinhos. Um sorriso surgiu em seu rosto ao vê-la indo em sua direção e jogando-se contra o seu corpo.

-- Bom dia mocinha.

-- Ela é tão parecida com você que até me assusta. -  Falou vendo menina se encolher e fechar os olhos novamente. -- Princesa, não vai falar com o tio Mark?

Sofia abriu os olhos se aconchegando ainda mais em Callie.

-- Titio. - Sua voz soou preguiçosa. - Tô com soninho ainda eu titio, shiu. - Levou o dedo indicador até a boca e juntando os lábios formando um bico em um pedido de silêncio voltando a fechar os olhos.

Tanto ele quanto Callie gargalhou com a menina, e a morena a apertou ainda mais contra ela fazendo Sofia resmungar.

Arizona robbins

Depois da noite agitadas de ontem, Arizona dormiu com as emoções a flor da pele. Não tinha entendido direito o que tinha acontecido. Era tudo muito errado mas, naquele momento tudo pareceu certo.

Seu coração acelerava só de ver a latina, suas mãos suavam, seu nervosismo se fazia presente. Parecia uma boba apaixonada. Apaixonada, ela era completamente apaixonada pela morena. Nunca a esqueceu, mas como esquecer a pessoa que foi amor da sua vida? Como esquecer todos os momentos que passaram juntas? Dos sorrisos, das juras de amor. Era impossível, mas tinha dito pra si mesma que a esqueceria pois Calliope estava com outra, namorando outra, amando outra.

Tomava seu café da manhã tranquilamente, sozinha. Sempre seria assim? Se perguntou. Foi tiradas dos seus pensamentos com Joana chamando.

-- Arizona? Um homem esteve aqui mais cedo e trouxe esse embrulho pra você. - Disse.

-- O que é isso? - Franziu o cenho, para logo lembra-se do que se tratava. -- Ah, uma fotografia que eu comprei na galeria.

-- Uma fotografia? - Indagou joana.

-- Sim, coloque na minha sala por favor. - Pediu.

Terminou de tomar seu café e caminhou até seu escritório. Encarou o embrulho em cima da mesa e foi em direção, pegando-o. Rasgou o embrulho revelando a foto e sentiu-se feliz por ter aquela fotografia.

Olhou ao redor procurando um lugar pra colocar, ergueu a foto vendo onde estaria melhor e andou até uma parede ao lado da porta, onde ficava bem a sua frente, logo virou-se para trás indecisa mas decidiu que seria ali mesmo. Depois que colocou a foto afastou-se e olhou de longe e sorriu com o que viu.

Calliope torres

Estacionou o carro em frente a galeria de sua mãe. Virou-se para pegar sua bolsa que estava no banco traseiro. Entrou no local guardando o celular na bolsa após ter pego pra conferir as horas, e foi de encontro a sua mãe.

-- Callie. - A mais velha disse envolvendo-a em seus braços em um abraço, para logo solta-lá. -- Eu estou tão orgulhosa de você, a exposição foi um sucesso.

-- Sim, graças a você. - Sorriu. -- Obrigada pelo apoio, mamãe.

-- Fiquei muito feliz de ter dado tudo certo.

-- Eu também, mas eu não vim falar sobre isso. Cadê a foto da paisagem do pôr do sol?

-- A foto? - Pausou. -- Callie, houve um imprevisto. A foto foi vendida.

-- Poxa mãe, eu avisei que essa foto não era pra ser vendida e que tinha um significado importante pra mim. - Sua expressão tornou-se fechada.

-- Eu sei minha filha, eu sei. Eu avisei a Amélia que não era pra ser vendida mas ela anda tão atrapalhada, ela é tão distraída Callie. Eu já estou chegando em um ponto que.. Filha não fica assim, a gente vai descobrir quem comprou essa foto, vai ter uma solução.

-- Eu espero que sim. - Balançou a cabeça desacreditada.

-- Olha ela aí. - A mais velha falou ao avistar Amélia indo na direção delas.

-- Oi Callie, boa tarde. - Shepherd cumprimentou.

-- Boa tarde, Amélia.

-- Pela foto, mil desculpa, foi erro meu. - Desculpou-se. -- Mas eu já estou consertando. Então, o comprador não deixou nem nome e telefone mas ele deixou o endereço. Estou indo lá agora mesmo. -- Falou com um papel na mão, onde estava anotado.

-- Não, pode deixar que eu vou. - Falou interromprendo-a.

-- Tem certeza? - Lúcia perguntou.

-- É melhor, assim eu já explico o que aconteceu. Bom, Já vou indo. - Despediu-se.

Entrou novamente no carro abrindo o papel que estava em sua mão.

-- Conheço esse endereço. - Franziu o cenho para logo sorrir não acreditando.

Deu partida. O trânsito não estava muito movimentado, as ruas estavam calmas e tranquilo o que a fez não demorar muito pra chegar. Não estava surpresa quando parou o carro em frente a casa robbins, ela já imaginava e como pensou antes, já sabia que estava indo de encontro a Arizona.

Desceu do carro e tocou a campainha, esperou até que viu porta se abrir.  foi surpreendida quando Joana apareceu lhe dando passagem, logo um sorriso largo brotou em seu rosto.

-- Joana! - Foi de encontro a mulher a abraçando. -- Não sabia que ainda trabalha aqui, senti tanta saudade de você. -- Sorriu desfazendo o abraço.

-- Menina Callie, que surpresa te ver. - Falou sorridente. -- Está mais magra, continua linda. - Elogiou-a sorridente.

-- Obrigada, joana. Realmente senti saudade.

-- Eu também, entre. - Deu passagem para Callie entrar, encaminhando ela para sala. -- Fique à vontade, irei chamar Arizona.

-- Obrigada. - Agradeceu sentando-se no sofá.

Arizona robbins

-- Arizona, você tem visita. - Joana disse e Arizona franziu o cenho.

-- Visita?

Fechou o notebook e levantou-se da cadeira para ir até a sala, ao chegar e ver quem estava a sua espera paralisou.

Callie levantou-se do sofá, com um sorriso no canto do rosto.

-- O que você está fazendo aqui?

-- Bela maneira de se receber uma visita. - A latina brincou, observando-a com um brilho nos olhos.

-- Desculpe-me. - Sorriu. -- Pode se sentar.

Ela sentou-se no sofá novamente, já Arizona sentou em uma das poltronas.

-- Você comprou uma das minhas fotos?

-- Não é educado ir em uma exposição e não prestigiar o artista. - Respondeu educamente.

-- Então foi só por educação? - Indagou.

-- Sim. - Mentiu.

-- Acontece que aquela foto, não está a venda.

-- Não? - Abaixou os ombros.

-- A Amélia cometeu um engano.

Uma raiva tomou conta do seu corpo, não sabia explicar o porquê. Só levantou-se brutalmente de onde estava sentada indo até seu escritório novamente.

-- Vou buscar a foto.

-- Não!

-- Não, Callie, eu entendo. Só espera um minuto. - Disse mais calma e sorriu sem mostrar os dentes.

-- Arizona.. - A seguiu e quando entrou no seu escritório, a latina sorriu ao ver a fotografia já na parede. -- Nunca vou me esquecer desse dia. E eu sei que se você comprou a foto, é porque você também ainda não esqueceu.

Parou e a olhou intensamente, mirando os seus olhos castanhos. A vontade era de abraça-lá, dizer o quanto está mais linda. Mas ao invés disso, em um instalo arrancou o quadro que estava na parede a entregando.

-- Pronto, pode levar.

-- Não, pode ficar com ela. - Disse.

-- Eu.. só comprei por prestígio mesmo, não estava a venda então ela é sua. - Falou de forma rápida.

Estava segurando um lado da tela e sem perceber, Callie estava segurando a outra.

-- Arizona. - A morena sorriu pela teimosia da loira. -- Se fosse qualquer pessoa que tivesse comprado essa foto, eu ia querer ela de volta. Mas como foi você que comprou, eu digo que ela é sua.

Viu a latina colocar novamente a foto da parede, e ela a olhou incrédula.

-- Se foi só isso, ótimo, já pode ir embora. - Suspirou.

-- Na verdade eu quero conversar com você. - Arizona fez menção de falar, mas Callie continuou. -- Sobre a Sofia.

Seu coração bateu mais rápido e ela a encarou com seu olhos arregalados, surpresa.

Ela não podia acreditar.

-- Sobre Sofia? - engoliu em seco.

-- Sim.

-- Vamos.. nos sentar pra conversar melhor. - Pediu desconcertada.

Foram até a sala e sentarão-se novamente dessa vez no mesmo sofá, de frente uma para outra.

-- Então, eu sempre deixei claro pra ela que ela tinha outra mãe e que essa mãe era você. - Sua boca se abriu desacreditada. -- Sim, eu sempre mostrei fotos suas, vídeos nossos e ela sabe quem você é.

-- Como..

-- Me deixe continuar, Arizona. A uns dias atrás eu conversei com ela, dizendo que você tinha voltado e perguntei se ela queria te conhecer.

-- Meu deus. 

-- Arizona! - A morena a repreendeu por interrompe-lá mais uma vez e robbins se encolheu como se pedisse desculpada. -- Como eu disse, eu perguntei e ela disse que sim e nossa, eu nunca a vi tão feliz como ficou. - Ambas abriram um sorriso largo se encarando.

-- Você está falando sério? Eu achei que..

-- Ela ainda é pequena, vai fazer três anos, mas entende algumas coisas. - Disse.

-- Não acredito, Calliope! - Em um ato impensado e repentino, abraçou-a com um sorriso largo. Estava tão feliz que quando se deu conta do que havia feito, se afastou constrangida. -- Desculpa é que, meu deus.

A latina sorriu com sua felicidade, sentiu-se bem por ver Arizona assim.

-- Muito obrigada, sério. Eu estou tão feliz que eu.. obrigada Calliope. - Seu sorriso era de longe o mais bonito e Alegre.

Finalmente iria poder conhecer sua menina, sua garotinha que tanto sonhou em ver. De repente sentiu lágrima se formarem em seus olhos, sempre esperou por esse momento, sonhou com isso todos os dias e agora iria conhece-lá.

Torres ao ver como a loira ficou a puxou para mais um abraço, dessa vez mais demorado. Ambas suspiraram ao sentirem o corpo uma da outra, Arizona fechou os olhos, ainda estava desacreditada. Calliope sorriu e moveu um pouco a cabeça, inalando o cheiro da loira e céus, como sentia saudades desse cheiro.

Percebendo que ficaram tempo demais nos braços uma da outra, se afastaram e sorriram..

Seu coração explodiu ao ver o sorriso gosgantesco da latina.

-- É só marcamos um dia pra vocês puderem se conhecer. - Callie falou e Arizona assentiu.

Ouviram a campainha tocar e olharam pra porta, Arizona iria atender, mas joana foi mais rápida e abriu a porta revelando lexie.

Grey ficou surpresa quando viu que
Callie estava na sala.

-- Lexie. - Arizona foi até ela e a abraçou. E após solta-se do corpo a guiou até onde estava Torres. -- Não avisou que viria, mas estou feliz em ve-là.

-- Quis fazer uma surpresa e nossa, quanto tempo eu não entro nessa casa. - Falou sorrindo. -- Callie, não acredito que até aqui eu te encontro. Está me perseguindo? - brincou.

-- Sua idiota, eu que lhe pergunto. O que faz aqui? - Perguntou a morena.

-- Vim fazer apenas uma visita. - Respondeu mirando a loira.

-- Se é assim, deu minha hora. Obrigada por me receber Arizona. - Sorriu para ela. -- E você Lexie Grey, cuide do seu maridinho. Ele apareceu lá em casa hoje de manhã.

-- Ele me falou, e disse também que o tratou muito mal. - Semicerrou os olhos. -- E espere, o pessoal vai se reunir no sábado para saímos e já que vocês estão aqui juntas, quero convida-las.

-- Sloan me avisou, não sei se vou mas mandarei minha resposta por mensagem. - Pergou sua bolsa em cima do sofá. -- Tchau meninas. - Despediu-se indo até a porta e a loira a viu sumir da sua visão.

-- E você mocinha, está aqui por quê? - A loira perguntou.

-- Já respondi essa pergunta, não se faça de tonta. - Falou lexie revirando os olhos.

-- Está cada dia mais grossa. - Se fez de ofendida.

-- Você é uma fingida.

-- E você me ama. -- Rebateu convencida.

-- O que Callie estava fazendo aqui? - Sorriu maliciosamente pra Arizona.

-- Veio resolver um negocio da exposição de ontem, e me disse que Sofia quer me conhecer. - Sorriu e sentiu os olhos manejados novamente. -- Eu vou conhecer minha filha, Lexie.

-- Minha afilhada é uma criança tão adorável. - Falou orgulhosa ao ver a felicidade da loira.

-- Estou ansiosa pra conhece-lá, será que ela irá gostar de mim? Ou me aceitar como mãe? - Perguntou duvidosa. -- E você é a madrinha dela?

-- Aposto que sim. - Disse. E ficou feliz ao ver sua melhor amiga daquele jeito. -- Eu e meu marido somos os padrinhos.

-- Sempre deixei claro que a queria como madrinha. E sobre o Mark, diga que eu estou com saudade, ontem nem deu tempo de nos falarmos direito.

-- Avisarei. E já que estamos falando sobre isso, quero pedir que você seja a madrinha do Christopher. - Falou pegando-a de surpresa.

-- Está falando sério? - Lexie assentiu. -- Não dá pra mim, é muita emoção pra um dia só. - Declarou ainda mais feliz do que já estava. -- Obrigada.

Tinha como seu dia ficar melhor?

-- Não precisa agradecer Ari. Eu a esperei esse tempo todo, pra fazer esse pedido, sempre quis que você fosse e desde que nos conhecemos falamos que seríamos madrinha uma do filho da outra. - Disse sincera.

-- Obrigada, de verdade.

Lexie abriu a bolsa tirando seu celular de dentro dela.

-- Quer ve-lo? - Grey perguntou e ela assentiu chegando mais perto. -- Ele ainda irá fazer um ano.

-- Ele é lindo, Lexie. - Falou admirada.

-- Eu acho ele a cara de Mark.

-- Já eu acho uma mistura dos dois. - Sorriu. -- Estou tão feliz de ter voltado.

-- Você ainda não me falou o porque de ir embora, mas eu posso imaginar o motivo. Que tal você contar com detalhes agora, Arizona robbins?

Suspirou antes de contar a mesma história pela milésima vez, e sorriu sentindo-se realmente feliz.


Notas Finais


Digam o que acharam, please.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...