História Letais - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Jikook, Jimin!bottom, Kookmin, Memória Fotográfica, Yoonseok, Ysskookie
Visualizações 230
Palavras 2.256
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tá tarde? Tá.
Mas né...

Capítulo 6 - Possibilidade


  " - As coisas se tornam difíceis quando a gente mais precisa..."




  Os olhos escuros analisaram os quatro cantos daquele cômodo.  Jungkook estava novamente em um leito de hospital. Sua cabeça parecia ter dez vezes mais o seu peso normal e sua visão demorava alguns segundos para se chegar a nitidez. Mas de uma coisa ele tinha certeza. 



 Nunca gostara de hospitais. 



 Olhando ao redor checando se nenhum médico sairia do nada e acabasse o assustando como da outra vez arrancou a agulha de seu braço resistindo a vertigem que o atingiu olhando para o filete que escorria lentamente de sua veia. A vontade de vomitar era grande, entretanto a de sair dali era maior.


 Com os cabelos totalmente desgrenhados o rapaz pulou daquela maca e não deu cinco passos quando fora surpreendido por uma médica,  se xingou mentalmente e à mulher também por ter atrapalhado sua 'fuga' daquele quarto; até porque não teria como fugir daquele lugar. 


- Oh, não me assuste assim garoto. - a médica o repreendeu. Jungkook continuou em silêncio a analisando. Ela parecia ser bem nova para uma médica,  não que o garoto fosse um expert na área,  porém jurava que medicina era o curso que exigia mais tempo. A moça percebendo a confusão do menino, sorriu de lado estalando a língua no céu da boca.


- Entrei para a faculdade aos dezesseis anos. Não quero me gabar, mas fui a melhor da turma. Tenho vinte e um. Lisa, prazer. - se apresentou sem estender a mão andando para o lado oposto da maca em que o garoto estava pegando seu aparelho celular e clicando em algumas funções. - Pronto. Jin já sabe que você acordou. - viu o rapaz cemicerrar os olhos. - Dessa vez você dormiu por muito mais dias, a dose foi relativamente forte. Você é bem corajoso rapazinho. 


- Jungkook. 


- Hum. - desviou seus olhos do celular para fitar o mais novo.


- Meu nome é Jungkook. 


- Eu sei. - deu um peteleco na testa dele      - Porém não me é permitido falar seu nome, 0119. Sei o nome de todos os garotos, inclusive do menininho que invadiu minha sala. Uma pena. -  Jungkook baixou a cabeça suspirando. 


- Sabe. Geralmente, você teria morrido por ter matado aquele rapaz no banheiro, isso só é permitido nas provas. Fora delas a punição é severa. Só que... o Jin sismou com você... que mesmo perdendo seu parceiro... - a frase ficou no ar com a médica observando um ponto aleatório naquele quarto tentando por seus pensamentos em ordem    - Eu não sei dizer, isso nunca aconteceu antes, entende? - perguntou recebendo um aceno por parte do moreno, mesmo ele não entendendo coisa nenhuma. 


- O que vai acontecer comigo? - indagou olhando fixamente para a moça. Observou a mesma morder a parte interna da bochecha.


- Pra falar a verdade, vai depender do Jin. Ele quem manda aqui, depois da morte do pai dele.


   De alguma forma aquela moça despertou o interesse em Jungkook. Como uma luz que se acende na escuridão a mente de Jungkook clareou, queria saber mais sobre as coisas que o rodeavam, inclusive sobre como funcionava as coisas por ali.


- Há quanto tempo trabalha para o Jin? - perguntou tentando ocultar seu alto interesse no assunto, porém falhando, pois Lisa era sagas e percebeu o pequeno brilho nos olhos do garoto.


- Ha quatro anos.


- E você é a favor do que ele faz? 


- Não posso dizer que sou a favor, porém também não posso deixa-lo... - deixou a frase no ar deixando Jungkook levemente confuso. 


- Como assim?


- Sabe 0119,  Jin não é tão mal quanto parece. Ele já passou por muita dificuldade e muita dor por ser filho do Sr. Jiho. 


 Percebendo que a face confusa do garoto não desaparecia, Lisa achou que poderia dizer, já que Jin demonstrava de alguma forma certo apreço pelo mesmo. 


- Ele já esteve em seu lugar, Jungkook. 


  A afirmação o pegou desprevenido, entretanto não viera explicação mais aprofundada deixando um ponto de interrogação na mente de Jungkook. 


 - Mesmo eu tendo um cérebro mais desenvolvido, ainda tive muitos obstáculos em minha vida de universitária e um deles foi quase perder minha bolsa... Eu não tinha mais dinheiro para pagar o resto e quase cheguei a  me prostituir. E em um dia que sofria pois não era o que eu queria, o Jin apareceu se tornando assim minha válvula de escape. Ele pagou todo o curso para que eu trabalhasse para ele, como um estágio. Me contou sobre tudo após ter aceitado, ou seja eu trabalho para ele sabendo de tudo isso desde o começo. Devo muito ao Jin. - um simples sorriso adornou a face da moça se desfazendo lentamente - Me desculpe se o que eu penso não condiz ao seu, porém não esperava algo diferente disso, afinal... estamos em lados diferentes. 


- Sem problema. 


- Então... Eles irão servir o almoço daqui a pouco. Vá,  tome um banho e fique longe de encrencas. - sorriu e bagunçou um pouco mais os fios negros do garoto. 


 Jungkook acenou e fez o que a jovem médica pediu. Voltou para o quarto pegou suas coisas andando para o banheiro do segundo andar dando graças aos céus por ele estar vazio naquele momento.  Ligou o chuveiro deixando que a água morna o molha-se, baixou sua cabeça fechando os olhos e pensou que talvez a partir daquele dia tudo desandasse na sua vida já ferrada. Como um garoto de apenas doze anos fora para naquela situação.  



  Era algo tão surreal para Jungkook; uma hora estava reclamando de seu pai 'bebum' e noutra brigando para proteger um garotinho fofinho que agora estava morto por incompetência sua. 


 Mas pudera, o que um garoto de doze anos poderia fazer num lugar desconhecido como aquele?  


Proteger Jimin fora um desejo extremamente distante.


 Um barulho o chamou sua atenção, fazendo-o erguer o olhar ainda com o corpo sob a água do chuveiro.  Fechou o registro e se arrumou com o que seria sua única vestimenta naquele lugar, camisa cinza, calça e botas ambas na cor preta.


 Andou pelo corredor silencioso parando em frente a sua porta, só percebendo naquela hora que as iniciais de Jimin já não estavam mais junto às suas.


 Não teria como fugir,  tudo o lembraria do garotinho de olhos claros e bochechas fartas.


 Assim que cruzou o final do corredor entrando no refeitório todos os olhares deslocaram-se em sua direção, deixando o garoto levemente incomodado empurrando a língua contra a bochecha enquanto sua face ainda transmitia descaso e andava até o balcão pegou seu almoço e sentou numa das mesas. Mesmo que alguns dos olhares não estavam mais focados em si, Jungkook sentia o peso daqueles que permaneciam, no entanto preferiu ignorar caso um rapaz que estava no grupo de JiHyo tivesse se sentasse ao seu lado com um sorriso debochado. 


- Fiquei sabendo que seu tempo aqui está contado, é mesmo?  - perguntou presunçoso. 


 Jungkook apenas continuou a encarar sua comida tentando não dar motivos para que o indivíduo não se exaltasse, as provocações só aumentariam a partir dali, se é que ele não seria morto também. Porém sua ação seguinte fora inevitável quando o rapaz citou Jimin no meio daquela 'conversa'.


- Agora o que será que vão fazer com você? 


  Seu sangue ferveu e sem nem perceber Jungkook forçou o garfo que estava em sua mão para próximo do rosto alheio parando a poucos centímetros, o rapaz se assustou ficando paralisado. O mais novo ergueu o olhar quase coberto pelos fios escuros e encarou friamente o rapaz. Em nenhum momento sentira tremor ou compaixão,  de alguma forma Jungkook estava se tornando alguém diferente e não queria admitir o verdadeiro motivo desta.


- Se não quer ficar sem um olho, sugiro que cale a boca e volte para sua mesa. - ditou com no garfo ainda bem próximo do rapaz que a encarava assustado, na sua mente não tinha possibilidade de um menino de apenas doze anos agir daquela forma; uma natureza seletiva e caçadora.  Os olhos de Jungkook chamuscavam de vontade de empurrar aquele garfo mais para frente e fazer aquele rapaz agonizar. Desviou seu olhar dele para o garfo e soltou o ar num riso     - Sabe que não terei pena,  com licença. - fez sinal com o utensílio para que ele vazasse daquela mesa ouvindo-o murmurar a passos pesados. 


 Os burburinho voltou a tomar conta daquele salão novamente, porém da mesma forma que começou também seçou chamando a atenção de Jungkook que estranhou o fato do silêncio repentino, revirou os olhos ao ver a médica Lisa que assim como todos usava calça preta e botas com o diferencial de seu jaleco branco,  estava acompanhada de mais dois homens e caminhavam em sua direção, o trio parou bem ao seu lado e a moça sorriu para ele.


- Não é porque estou sorrindo que somos amigos, lembre-se que é o meu trabalho,  0119. - afirmou com um ar divertido. 


- Nem passou por minha cabeça. - respondeu com uma sobrancelha levantada. 


  A moça desmanchou o pequeno sorriso sendo acompanhada pelo garoto, olhou ao redor e falou:


- Preciso que venha conosco. 


 Jungkook acenou se levantando para sair dali, andando lado a lado com a médica se permitiu analisa-la um pouquinho mais. Mesmo ela trabalhando e fazendo parte de algo completamente errado como aquilo, parecia ser uma boa moça e com uma ótima personalidade.   Ao contrário de Jungkook, os passos da garota não faziam um som sequer. Ficou tanto tempo distraído que nem percebera o caminho que faziam e muito menos para onde iam. Pararam em frente uma porta e Jungkook olhou para Lisa altamente confuso.


- O Jin está te esperando. - disse calma saindo.


 Ele abriu a porta dando de cara com um Seokjin alvoroçado e um Namjoon que faltava entortar os olhos de tanto que os revirava. 


- Onde está? - revirava algumas gavetas de forma quase desesperada. 


- Jin,  se acalma. -  Namjoon andou até ele segurando em seus ombros fazendo-o se sentar na poltrona suspirando. Sorriu ao perceber que Jin estava mesmo se acalmando. Ambos se viraram para a porta quando o mais novo imitou uma toce para chamar atenção.


- Ah, Jungkook. Entre. - pediu Jin e o mais novo obedeceu. 


 Se sentou na segunda poltrona observando Namjoon que havia acabado de se jogar sobre o sofá colocando os braços atrás da cabeça o mesmo ao perceber estar sendo observado olhou para o garoto e lançou um sorriso sem dentes, Jungkook piscou vezes seguidas engolindo aquilo. 


- Não liga, ele é assim mesmo,  até porque a conversa não é de seu interesse e muito menos diz a ele. - afirmou Seokjin fuzilando o outro com os olhos, este fechou os seus fingindo que a fala não fora com ele.


  O de cabelos róseos ainda ficou mais alguns segundos xingando o outro até voltar a atenção para o mais novo dali. 


- Então, Jungkook! - suspirou   - Não pense que vamos lhe matar,  Já descarte essa idéia. Primeiro, o Jimin não foi morto em prova, portanto você está isento da regra que se aplica a morte da dupla.  Segundo, você continuará com as aulas e treinamentos, porém no final da tarde virá para minha sala e eu te levarei para outra, entendeu? 


Recebeu um aceno positivo.


- O Jimin é especial. E eu quero que você o visite, que converse com ele.  Sinto muito por não ter dito antes. Me siga. - pediu se levantando,  Namjoon que estava quase dormindo se levantou também os acompanhando,  andaram até o quarto andar no Bloco II e entraram em um quarto que tinha senha. Jungkook até estranhou, no entanto todas as suas dúvidas, desconfiança e um possível medo de que Seokjin pudesse estar mentindo e estivesse o levando para a morte se dissiparam ao ter a visão de uma cabeleira loira sobre a maca naquele quarto. 


Era Jimin.


  O baixinho estava ligado à vários aparelhos e sua pele estava um pouco mais pálida. Ambos andaram até a maca sorrindo.


- Eu nem acredito que ele sobreviveu. - disse Seokjin alisando com as costas da mão a bochecha do pequeno, sua voz parecia carregar um alívio imenso.


 Um médico entrou no quarto e chamou Jin deixando Jungkook ali ao lado da cama com o coração acelerado e face surpresa. O corpo de Jimin parecia bem mais pequenino sobre aquela maca enorme. Pegou com sua mão a gordinha que descansava na lateral do corpo dele com a esperança de que ela respondesse ao seu toque; apertando ou mexendo os dedinhos. Mas não,  não fora oque aconteceu. Mesmo com os olhos grudados em sua dupla adormecida, Jungkook focou sua audição no que Jin e médico conversavam. 


- Ele tem uma pequena placa de aço acima da nuca,  justo onde levou o tiro, ela não deixou que o matasse amortecendo-o. No entanto ele ainda pode ficar com sequelas, de qualquer forma ela ainda o atingiu, é uma possibilidade. O que deve ter acontecido com ele para que recebesse essa placa? - o médico mordeu o dedão da mão retirando uma cutícula. 


  Jin pegou o celular ligando para alguém. Fosse o que fosse ele iria descobrir.


- Baekhyun,  quero que investigue a vida de Park Jimin. Tudo, desde os pais adotivos dele e sua infância. Quero saber como ele conseguiu essa placa. De toda forma ela salvou a vida dele. - afirmou o mais velho apreensivo. 


 E Jungkook depois de ouvir aquilo agradeceu aos céus por Jimin estar ali, mesmo que numa maca ele ainda estava vivo. Jungkook poderia vê-lo. 





Notas Finais


Boa noite. *-*
Beijos ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...