1. Spirit Fanfics >
  2. Letters - Jikook (ABO) reescrevendo >
  3. Dia ruim.

História Letters - Jikook (ABO) reescrevendo - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Ain gente, eu estou amando escrever esta fic e possivelmente em breve teremos uma capa novinha! Eu só estou meio chateado pois não temos tantos favoritos quanto vizualizações isso desanima, mas tudo bem.

Afins, espero que gostem do capítulo, bjs 🥀💕

Capítulo 5 - Dia ruim.



Park Jimin


O ômega rodava no jardim de sua casa dançando uma música que ele não sabia o nome e muito menos se importava em conhecer naquele momento mágico para si. Suas mãos se encontravam em sua barriga já com um pequeno volume devido ao filhote que carregava. Era primavera e o pequeno garoto dançava ao som da música ao que sentiu algo segurar sua perna.


– querida, cadê seu papai bobão?


– papai não quis deixar eu dançar na sala mamãe, então eu vim aqui, posso dançar com você?


O ômega ao ver sua filhote tão inerte naquele pensamento, não pensou duas vezes e a pegou no colo e começou a bailar com sua filha ouvindo as risadas da menor, seus dentes de coelho herdados do pai eram um charme assim como suas bochechinhas esmagando seus olhos os deixando como dois rosquinhos.


– meu amor, a cada dia me encanto por você!


O Alfa ditou se aproximando de seu então marido e sua filha.


– minha princesa, será um dançarino que nem seu omma?


– sim papai! Serei uma dançarina e irei encantar a todos com meus passos! – ela ditou convencida e saiu pelo jardim enquanto "dançava" igual seu omma.


– como você está Jeon Jimin? Nosso garotinho está bem? – ditou me abraçando por trás pondo a mão sob minha barriga.


– nosso filhotinho está bem, Jeon JungKook.


Sonho off.


Maldito dispertador; eu o xingava mentalmente. Eu amava ter sonhos com Jeon JungKook, onde estamos juntos, onde minhas fantasias se tornam realidade, e o melhor; onde eu posso dizer pra ele que eu o amo. Onde eu posso carregar nossos filhotinhos em meu ventre e dançar com nossos possíveis filhos, se um dia eu pudesse ter um desejo, era de realizar este sonho de ter uma família com o Alfa.


Últimamente esses sonhos estão mais recorrentes e um sentimento de ansiedade me consumir, como se eu esperasse por isso acontecer, pode ser coisa da minha cabeça mas eu tenho um pressentimento de que isso é um dejavu mas eu ainda não o vivi; será que um dia eu estarei ao lado dele?


Se dispertou novamente ao que ouviu algo quebrar, se levantou rapidamente de sua cama e desceu as escadas encontrando seu appa e sua omma, no chão havia cacos de vidros de um copo que parecia ter acabado de cair no chão, sua omma se encontrava com lágrimas nos olhos e seu pai com os olhos em um vermelho sangue que eu poderia jurar ver o inferno queimando bem ali em seu olhar.


– mulher não contrarie seu Alfa! Este filhote pouco me serve para algo, pelo menos assim estará servindo para alguma coisa! – esbravejou ao que viu o olhar repreendedor da ômega.


– não vou deixar que o venda para aqueles ordinários! Eu sou omma dele! Eu decido o que é melhor, e eu não vou deixar você o dar para aquele homem só por causa da sua empresa!


– não fale assim com seu alfa! Lembre-se que não fez ele com o dedo! E eu sou o Alfa desta casa a última palavra é a minha, e ele irá sim se casar com o filho dos Lee! A empresa é o que paga as contas desta casa e isso é o melhor pra ela e o melhor pra nossa família, ele nunca irá encontrar um alfa sabemos disso de qualquer forma ele já terá alguém.


Só então eu percebi do que aquela conversa se tratava olhei para meu pai incrédulo; eu sei a forma que meu pai é mas ele chegar a este ponto?


Sai da cozinha em direção ao meu quarto entrando no mesmo e trancando a porta me permitindo chorar; ele venderia o próprio filho?


Sequei minhas lágrimas e fui tomar banho para ir ao colégio. Merda! Eu estou atrasado.


Fui em direção ao meu guarda roupa com a toalha cobrindo meu corpo e observei meu guarda roupa, minhas calças haviam sumido; meu Deus, hoje o dia está destinado a dar errado.


No guarda roupa só restava minhas saias, sem opção pego uma das minhas box a vestindo juntamente de uma saia na cor azul pastel; já que é pra usar saia, que eu use o look completo. Peguei uma meia 3x4 branca as pondo junto de um allStar preto e uma camiseta branca, peguei uma touca e minha mochila correndo em direção a porta sem me importar com o que aquele velho gritava pra mim.


Eu já me encontrava chorando novamente só de pensar no que poderia acontecer; o que eu vou fazer?


.

.

.


– senhor Park? Atrasado de novo? – o professor me repreendeu assim que adentrei a sala, fiz um gesto de desculpa e me dirigi ao meu lugar a frente do Jeon que não se encontrava lá, diferente de seu material que estava sobre a mesa.


– Jimin, Jimin, se eu fosse um Alfa te pegava! – o Min disse me fazendo rir minimamente.


– Ji, você estava chorando?


Taehyung perguntou ao perceber meu rosto inchado, logo a porta é aberta revelando um Jeon com uma cara nem um pouco boa e uma garota com o decote que os peitos quase saiam pra fora.


"Depois conversamos"


"Disse" ao Taehyung que apenas assentiu apreensivo e logo tomo meu olhar pra frente novamente.



Jeon JungKook


Meu Deus, como a Hyuna é persistente! Não entendo o que está ômega tanto quer de mim! Porque ela insiste? Não entende o que é a palavra não?


Entrei na sala furioso pela menina ter tentado algo no corredor ao que eu fui levar ela para a sala da diretora para ver seus horários. Estava explodindo de raiva mas novamente me alcamei ao que senti aquele doce cheiro, fui de encontro com o dono daquele cheiro e vi o Park com o rosto meio inchado; meu ômega estava chorando?


Fui em direção ao meu lugar atrás do garoto e botei as mãos sob seus fios fazendo uma carícia tentando o reconfortar.


– querido, poderia se levantar? Este é o meu lugar. – a voz da Hyuna ressoou no ambiente direcionada ao Park a minha frente, este que apenas olhou com desdenho a moça.


– ele não vai levantar daqui Hyuna, este é o lugar dele.


– mas Jeon, eu sou sua ômega, eu-----


– você não é minha ômega, e nunca será, se não quiser que o professor lhe tire da sala por favor sente-se. – disse seco vendo a menina revirar os olhos e indo se sentar, olhei para minha mesa e percebi que havia um bilhete sobre a mesma do Park


"Obrigada JungKook-ah"


Sorrio ao ler o conteúdo e me aproximo de sua nuca deixando um beijinho na mesma e por um breve segundo pude ver a roupa do garoto me fazendo arregalar os olhos e me sentei corretamente na cadeira e pude ver de relance o olhar de Hyuna sobre o ômega.



Hoje não seria um bom dia.
















Notas Finais


Capítulo curto né? Apenas não queria deixar vocês sem nada, até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...