História Letters - YoonLisa - Capítulo 3


Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink
Personagens Lisa, Min Yoongi (Suga)
Visualizações 13
Palavras 1.925
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Último capítulo!

Capítulo 3 - A descoberta


Lalisa tossiu, respirando o ar empoeirado. Deduziu que estivesse em um porão ao ver a escada ao lado e vários entulhos jogados no canto. Estava com o rosto ferido, os cabelos úmidos e os pulsos amarrados ao pé de uma mesa. Sua cabeça doía assim como seu corpo. Mesmo com dor, buscou um meio de escapar, até escutar um gemido. Observou o corpo a frente e arregalou os olhos ao perceber quem era. Rosé levantava seu rosto devagar, e a loira notou que a mesma estava com sangue seco no canto da testa.

- Rosé?

- Lalisa?

As duas escutaram uma risada vindo da escada e viraram suas cabeças em direção ao som, vendo a figura de preto, sorrindo.

- Uma jornalista e uma policial. Isso não é maravilhoso? Minha última obra vai ser espetacular... 

 

...oOo...

 

- Bom dia. – Jeon Jungkook abriu a porta de sua casa com um semblante confuso ao ver os dois policiais a sua frente. A cidade estava em feriado e preparava-se para sair, por isso não esperava visitas. Já conhecia o azulado, mas o outro de cabelos castanhos ainda não...

- Sou o delegado Kim Namjoon e esse é meu detetive Min Yoongi. Temos um mandato para investigar a sua casa. Será que poderíamos entrar?

O mais novo arregalou os olhos, completamente assustado. Mesmo assim, acenou, deixando com que os dois entrassem.

- P-por que a m-minha casa? – Gaguejou, sentindo-se nervoso, e Yoongi sorriu, sabendo que o outro estava nervoso. Namjoon começou a olhar o quarto do outro, enquanto Min começava as perguntas.

- Ano passado você esteve em uma clínica psiquiátrica. Pode me explicar o motivo?

- Tenho tendências suicidas devido a minha depressão e fobia social. Fui internado assim que minha família soube que eu poderia colocar a minha vida em risco. – O azulado ficou calado com sua explicação, olhando bem em seus olhos para ver se a história era real.

- Você tem como provar isso? – Jungkook acenou, indo até sua estante e procurando sua pasta com boletins médicos. Pegou um laudo de sua psiquiatra e entregou ao mais baixo, que observou tudo com uma expressão nada boa.

- Como você conseguiu entrar no Jornal?

- Jin é meu amigo e, na época que eu fui liberado da clínica, disse que abriram duas vagas. Assim nós dois tentamos e conseguimos.

- Como era o tratamento de Jennie com vocês? – Jungkook sentiu-se mal ao lembrar do tratamento da outro consigo.

- Ela me chamava de doentinho e debochava do meu estado mental. Com Seokjin ela não era tão malvada porque ele respondia ao sarcasmo dela, mas os dois viviam se bicando.

- O que é isso senhor Jeon? – Jungkook encarou o objeto nas mãos de Namjoon.

- É meu arco. Eu e Seokjin treinávamos quando éramos mais novos.

Yoongi e Namjoon se encararam, não gostando de sua explicação.

- Então Seokjin tem um igual na casa dele? - O outro não entendeu a pergunta, mas confirmou. - Onde você esteve nos últimos finais de semana?

- Preciso ficar na clínica para atendimento psicológico nos momentos em que estou sozinho para não tentar nada contra minha própria vida. Inclusive, estava indo para lá agora.

- Foi você que escreveu essa redação? – Jungkook pegou o papel das mãos de Yoongi e lembrou que aquela era a letra do amigo.

- Não. Seokjin precisou escrever ela para entrar no Jornal. Eu só precisei mostrar meus desenhos. – Jungkook respondeu e Yoongi arregalou os olhos. Sua visão clareou e logo ele entendeu tudo que acontecia ao redor de si.

Seokjin era o assassino.

Ele teve aulas de arco e flecha quando novo assim como Jungkook. E nas noites das mortes, dizia ter ido beber sozinho, mas Min nunca havia ido checar seu álibi. Agora, sabia que o outro estava mentindo.

Plantou provas falsas para incriminar seu cartunista, assim não seria visto como um possível suspeito. E mantinha-se sempre por perto para saber como andavam as investigações, para então estar um passo à frente.

- Merda... Merda. – Resmungou alto. – Hoje é Segunda e ele provavelmente só vai agir daqui cinco dias.

- Isso não quer dizer nada Yoongi. Jisoo me disse que ele matava as vítimas no local em que elas eram encontradas, mas ele as levava para outro lugar, para cuidar dos corpos, e depois os largava.

- Onde Seokjin mora? – Perguntou a Jungkook que pensou um instante antes de responder:

- É em Jung Gu, perto do...

- Monte Namsan, onde foi encontrado o primeiro casal. – Yoongi complementou, enquanto Namjoon dirigia-se a porta.

- Vamos. – Acenou, agradecendo ao rapaz mais novo, enquanto corria ao lado de Namjoon atrás do verdadeiro assassino.

 

...oOo...

 

- Seokjin? – Lalisa perguntou, não acreditando na visão que estava tendo. O que ele estava fazendo segurando uma arma? Era ele o assassino? Mas...

- Olá Lalisa. E Rosé... – Aproximou-se devagar das duas.

- Por que está fazendo isso?

- Ainda não adivinhou quem eu sou? – Lalisa arregalou os olhos e fez outra pergunta:

- Por que matou aquelas pessoas?

- Agora descobriu, acertei? – Sorriu para a loira. - A insanidade é uma coisa maravilhosa. Eu não sabia disso até matar pequenos animais com o meu arco e flecha. Era tão bom ver eles se debatendo e sangrando até a morte. – Lalisa teve vontade de vomitar ao ouvir palavras tão macabras e sombrias. – Então pensei em tentar com pessoas. Foi melhor ainda. – Sorriu melancólico. – Eu não era assim. Mas trabalhar como jornalista em uma área tão brutal é desgastante para a sua mente. – Virou-se para a ruiva. – Igual aos outros casos, ninguém me encontrou e me senti tão bem. Você deve ter sentido a mesma coisa, certo? Quando matou Jennie.

Rosé arregalou os olhos, mas Lalisa já sabia desse fato e manteve um semblante inexpressivo. Era ela que estava no vídeo do taxista...

- Você trabalhou lá antes de mim, não? – Seokjin sentou-se entre as duas. – Deve ter se cansado de ouvir as merdas daquela cobrinha. Eu iria matá-la de um jeito bem mais divertido, como vou fazer com vocês, mas você chegou primeiro. E ainda usou o mesmo método que eu, para me incriminar.

- Eu não sabia que era você. – A garota se pronunciou e Seokjin sorriu.

- Viu Lalisa, - encarou a loira – foi ela. Eu só matei seis pessoas até agora. – A loira sentiu nojo.

- Me desculpa Lisa, eu... Não queria ter feito o que eu fiz.

- E porque fez Rosé? Por quê?

- Aquela arrogante me fez passar tanto ódio quando eu estava lá dentro. Ela adorava me jogar para cima de seu pai e aquele velho nojento adorava passar a mão em mim. Eu não aguentava mais e quando tentei revidar, eles me demitiram. Eu não consegui segurar a raiva que tinha.

- E o Yoongi, Rosé? E o Yoongi? – Lalisa repetiu, com lágrimas nos olhos ao imaginar seu amigo descobrindo sobre o que sua namorada tinha feito.

- Ele nunca iria descobrir. Eu não deixaria. – As duas choravam e Seokjin começou a ficar entediado com a cena.

- Mas agora vai. Vou fazer questão de dizer a ele quando nos encontrarmos. Mas eu já estou ficando com sono, vendo essa cena. - Levantou-se em um pulo, levando a arma consigo. – Por que não começamos a brincadeira? – Pegou um galão de gasolina que estava no canto e começou a jogar ao redor, logo acendendo um fósforo. Escutou um barulho vindo do andar de cima e resmungou, colocando fogo nas coisas.

Abriu uma pequena janela que tinha ali e sorriu. Mas antes...

- Só porque você matou Jennie. – E atirou na cabeça de Park Chae-young, fazendo a garota cair, morta. Lalisa gritou e Seokjin riu. – Eram para as duas pegarem fogo até morrer, mas Rosé me fez um favor e eu agradeci suprimindo sua dor. Já você... Se divirta. – E riu alto, saindo do local.

Escutou a porta sendo aberta, quando o fogo começara a chegar perto de si e viu a figura de Yoongi aproximar-se.

- A Rosé... – Lalisa tentava falar, mas Yoongi precisava ser firme. Park estava morta, mas sua amiga ainda estava viva. Conseguiu desamarrar a garota depois de muito esforço e retirou uma das blusas que vestia, colocando em cima do nariz da loira. Os dois tossiam forte enquanto passavam pelas chamas e chegavam ao andar superior.

Yoongi chamou uma ambulância enquanto Lalisa tentava respirar. Ainda não acreditava que a de cabelos vermelhos estava morta, e tentou falar algo, mas a dor no peito era grande, então permaneceu parada, chorando pelo casal, agora separado para sempre, e pela agonia que sentia em seus pulmões.

Viu o amigo se aproximar do porão e depois de instantes estava com o corpo inerte e sem vida em seus braços. Viu lágrimas rolarem por sua face, mas permaneceu em silencio.

- O Namjoon foi atrás do Seokjin. – Min falou baixinho, acariciando o cabelo ensanguentado da garota em seu colo. - Não sei que rastro ele seguiu, mas tenho certeza que o encontrará.

- Yoongi...

A ambulância apareceu e Lalisa recebeu primeiros socorros, antes de ser obrigada a compareceu a um hospital. Não havia inalado muita fumaça, mas sentia dor em seus pulmões e isso poderia ser perigoso.

Rosé havia sido colocada em um saco e levada ao IML, mas seu amigo preferiu ir consigo, para não a deixar sozinha.

Quando chegaram a clínica, a loira passou por diversos exames, até Taehyung aparecer, completamente preocupado com a amada. Ficou com ela o tempo inteiro, até mesmo quando Yoongi precisou retirar-se.

Teria muito o que preparar para o enterro de sua namorada.

 

...oOo...

 

Seokjin foi encontrado horas depois, e Namjoon teve prazer em lhe prender. Fizeram perguntas a ele e tentaram descobrir a sua motivação para matar oito pessoas, mas não havia.

Às vezes, algumas coisas não precisam de uma explicação plausível. Era o que dizia, fazendo o sangue de Nam ferver. Declaram ele como culpado e lhe jogaram em uma solitária para refletir sobre os seus atos por muitos anos. Gritava na cela que não havia sido ele que matara Jennie, mas quem acreditaria em si, agora que estava condenado?

Rosé foi zelada da forma que Yoongi achou mais apropriada. Seus parentes choravam em volta de sua imagem e agradeciam ao azulado por ter sido um bom parceiro para garota, apesar do que aconteceu.

O caso estava acabado e Seokjin havia sido responsabilizado pela morte de Jennie também. Lalisa sabia que Rosé havia matado a Kim, mas não falaria a Yoongi. Seu amigo sofrera demais com a morte da garota e não deixaria que ele se abalasse com mais esse fato. Por isso o abraçou forte e disse palavras bonitas, que dessem força a ele. Taehyung fez o mesmo e lhe disse que estava ali para o que fosse necessário.

Quando todos foram embora e só sobrou o azulado ali, ele deixou as lágrimas caírem.

- Eu sei que foi você Rosé... Naquela noite em que jantamos juntos você estava muito nervosa. – Tentou controlar os soluços, que saíam alto. – Depois eu vi na sua ficha que você trabalhou no Jornal de Seoul e fiquei assustado com a possibilidade de ser você a assassina. E tudo se confirmou quando vi o vídeo de você carregando o corpo de Jennie até a Catedral. – Respirou fundo, buscando acalmar-se. – Não fico triste pelo que você fez, mas também não fico triste pela sua morte, afinal, o karma existe. Mas eu ainda te amo. E vou sempre te amar.

O tempo curaria suas feridas e cicatrizaria seu coração. Tinha Lalisa, Namjoon e agora Taehyung consigo. Nada mais lhe faltava...
 


Notas Finais


Obrigado por lerem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...