História Letting Go - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Mina, Tzuyu
Tags Chaeyu, Drama, Stay
Visualizações 151
Palavras 1.383
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ayoo!

Que felicidade, amanhã não tem aula ~bate cabelo loucamente

Fazer maratona de anime, junto com o amor da minha vida, meu travesseiro obviamente <3.

Aeeee porrã vinhado!!

Viciada em daddy issues...

Ignorem os erros e BoA leitura~

Capítulo 3 - I know that you got daddy issues


Fanfic / Fanfiction Letting Go - Capítulo 3 - I know that you got daddy issues

Depois, deixou a garota na esquina de sua rua, porque segundo Tzu, seu pai era bem rígido e não era muito simpático, não queria que ele interrogasse a mais baixa. 

 

Chae ficou preocupada já que a garota não respondia suas mensagens e nem atendia suas ligações faz exatamente três dias. 

Estacionou o carro sem tirar os olhos da casa, apenas a luz da sala e do que parecia ser o banheiro no segundo andar estavam acesas, desligou o rádio, checou sua aparência no retrovisor, tirou a chave do contato e saiu. 

Limpou suas mãos na calça, estava nervosa porque conheceria provavelmente o pai de TzuYu. Já havia visto ele nas festas, mas nunca parado para prestar atenção. 

Bateu na porta mesmo com a campainha ao lado, simplesmente não sabia o motivo, apenas quis. 

Quando a porta foi aberta, inconscientemente Chae prendeu a respiração, um homem alto com algumas mechas grisalhas na lateral lhe atendeu. Ele estava com um olhar sério, mas assim que viu a garota abriu um sorriso gentil e lhe desejou um “Boa tarde” animado. 

Ele era magro e parecia cuidar de sua aparência, era um homem na casa dos 40, mas muito bem conservado a atraente. Chae perguntou sobre Tzu, viu o sorriso do homem vacilar por alguns segundos, ele lhe disse que ela estava em Taiwan e havia ido visitar seus avós. 

Chae soltou a respiração, nem ao menos percebeu que estava segurando durante tanto tempo. 

A garota fez o caminho de volta para o carro lentamente e com uma marca de expressão surgindo no meio de suas sobrancelhas, olhou novamente para a casa e viu a luz do segundo andar se apagar. Tinha mais alguém ali, era impossível ser o pai dela, ele havia acabado de fechar a porta. Tzu havia comentado que sua mãe morrera a alguns anos. 

Talvez fosse a namorada dele. 

Mesmo sem óculos, avistou algo na lixeira dos Chou que lhe chamou a atenção. Olhou para os lados se certificando de que ninguém estava lhe espionando e correu para a lixeira. 

Seus olhos se arregalarem ao avistar algo preto, retirou com o coração à mil do meio daqueles sacos cheios de lixo, prendeu a respiração pelo odor desagradável. Era ali, a sua jaqueta preferida de couro, que havia comprado com um dinheiro suado, não queria que fosse com o dinheiro de seus pais, então fez alguns bicos para os vizinhos, desde cortar a grama até passear com os cachorros. Já tinha essa jaqueta a quase três anos, era seu xodó. 

Procurou o motivo para a jaqueta ter sido jogada fora tão facilmente, mas não encontrou nada, a jaqueta estava em perfeito estado, apenas fedendo. 

Cerrou os punhos e olhou novamente para a casa, havia achado o homem bem falso, e algo lhe dizia que tinha um dedo dele nessa "tragédia". 





Estava novamente, praticamente quase deitada, em uma das cadeiras caríssimas do salão de festas, seus pais lhe “arrastaram” e dessa vez ela não estava nem um pouco ansiosa. Não havia mais tentado contato com TzuYu depois da tragédia com a sua jaqueta, sim ChaeYoung era rancorosa. 

Claro que ela jamais assumiria, mas seus olhos buscavam pela garota mais linda dessa festa, com traços tão finos e tão bem polidos, de sorriso tão puro, que fazia o tempo parar. Sua silhueta alta e bem definida, davam o toque final para a obra de arte chamada Chou TzuYu. 

- Chaeng olha quem encontramos! – Sua mãe falou afobada com um sorriso de rasgar as bochechas. 

Atrás de sua mãe surgiu um homem, alto, bonito e com um sorriso bem aberto. 

Chae não via nada mais do que a encarnação do próprio capeta ali parado ao lado de sua mãe. Travou a mandíbula se recordando de cada momento vivido ao lado desse homem. 

- Park Bo Gum! – Seu pai apareceu sabe-se lá da onde e apontou orgulhoso para o rapaz. 

- Oi Pequena moranguinho! – Ele disse simpático, o olho direito de Chae tremeu de nervoso, ele teve a audácia de chamá-la pelo apelido que ela mais odiava. 

As cicatrizes no pulso, na testa e no pescoço do homem estavam visíveis, tudo obra da garota. 

Ele só sabia irritar a coitada na infância, colocava seus brinquedos em locais altos, atacava terra nela, lambia todos os doces da mais nova, arrancava a cabeça de suas bonecas, entre muitas outras travessuras de criança. O problema é que ele não saia da cola dela. 

- Bo Gum. – Chae praticamente rosnou o nome do mais velho. 

Se lembrou da pedrada que atacou na testa dele, da mordida no pescoço, quando fechou a porta no pulso do garoto, quase enfiou um giz no ouvido dele, entre outras vinganças. 

Chae desde pequena era o cão, e o garoto gostava de cutucá-la com a vara curta, não uma onça, mas uma tigresa rebelde. 

- Filha, não vai desejar parabéns para ele? – Chae levantou uma sobrancelha, estava perdida, sabia que o aniversário dele era no começo do ano e eles já estavam praticamente no final. 

- Bo Gum vai se casar daqui a cinco meses. – Chae arregalou os olhos. 

- Quem é a maluca que aceitou isso? – Saiu instantaneamente da boca da mais nova, sua mãe lhe deu um puxão de orelha constrangida, Bo Gum só riu, era assim a “relação” deles. Cheia de alfinetadas. 

- Uma mulher linda e de muita sorte. – Ele sorriu orgulhoso. 

Logos eles engataram uma conversa e Chae se esgueirou por baixo da mesa, fugindo daquele tédio. Ficou ao lado da grande mesa de bebidas, pegou um ponche sem graça e bebeu forçada. Seus olhos caíram em um homem que estava rodeado de convidados, todos riam de algo que ele havia falado. 

Ele parecia simpático demais, atraente demais, gentil demais. 

Falso demais... 

- Quanto tempo, Chae Chae. – Chae se arrepiou inteira com essa voz, que ela conhecia muito bem. 

Se virou encontrando Myoui Mina com uma taça de champagne na mão, em um vestido verde caríssimo que valorizava suas curvas, lhe deixando ainda mais elegante e sexy. 

Nem Chae sabia como havia dormido com uma mulher tão linda como aquela, ela não se lembrou no dia, mas passados alguns dias, ela sabia todos os detalhes de como haviam ajuntado seus corpos naquela noite. 

Chae agradece aquela garrafa de vodka até hoje, por ter lhe dado coragem. 

- Mina. – Cumprimentou de leve com a cabeça. 

- E o Minari? – Mina colocou um sorriso provocativo, Chaeng sempre lhe chamava por esse apelido. 

- Isso ficou no passado. – Mina pareceu surpresa. – Assim como muitas coisas. – Enfatizou sua voz sem emoção. 

- Eu já estava com o casamento marcado a alguns meses, não poderia contrariar meus pais... 

- Nós sempre temos a opção de recusar, mas parece que as pessoas não estão preparadas para as consequências de escolherem o que realmente querem. – Cortou a mais velha. – Além do mais você não me deve satisfações, afinal, foi você quem pediu para eu esquecer tudo e seguir em frente. 

Chae errou ao ter esquecido na manhã seguinte após o ocorrido, mas ela havia feito amor com a ex-castanha que agora estava ruiva, ela ainda amava Mina quando bateu na porta dela naquela madrugada. E o que mais lhe deixava chateada, era Mina ter se enganado de que não sentia nada por ela e mesmo sabendo que Chae lhe amava, magoou-a sem dó. 

A ruiva olhou para o conteúdo em sua taça, a mais nova tinha razão, ela teve a chance de se opor contra a ideia do casamento, mas escolheu ficar calada como a maioria dos presentes naquela festa. 

- Quem é ele? – Foi despertada de seus devaneios com a voz doce de ChaeYoung, olhou na direção do olhar da mais nova.

Chae iria jogar verde.


- Chou Shao Wu, um empresário bem-sucedido no ramo de entretenimento, mais voltado para modelos se não me engano. – Chae parecia interessada e Mina não desperdiçaria essa oportunidade de conversa. – A esposa morreu faz dois anos, acidente de carro. Ele tem uma filha, muito bonita, mas ela não parece muito sociável. 

Chae se segurou para não rir da última frase. 

- E onde ela está? – Chae perguntou como quem não queria nada. 

- Ela não veio hoje. – Mina ficou encarando a mais nova, até seus olhares se encontrarem. Mina ainda ficava sem ar quando olhava para aqueles olhinhos vesgos e tão selvagens.


Notas Finais


Música --> https://www.youtube.com/watch?v=3zYI4gKQKtA#t=0m8s


Se alguém quiser saber a aparência do Bo Gum, me inspirei nessa coisinha fofa --> https://smallslicesoflife.files.wordpress.com/2013/03/flower-boy-ramyun-shop-park-min-woo.jpg
https://kpoplessons.files.wordpress.com/2014/03/fbrs_fbrs3.jpg

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Há algo de podre no reino da Dinamarca...

See ya~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...