História Level Up ( Park Jimin, Kim Taehyung and Jeon Jungkook) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias (G)I-DLE, Bangtan Boys (BTS), Blackpink, EXO, Red Velvet, TWICE
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Chaeyoung, Dahyun, Do Kyung-soo (D.O), Huang Zitao (Tao), Irene, Jennie, Jeon Jungkook (Jungkook), Jeongyeon, Jihyo, Jisoo, Joy, Jung Hoseok (J-Hope), Kim Jong-dae (Chen), Kim Jong-in (Kai), Kim Jun-myeon (Suho), Kim Min-seok (Xiumin), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Lisa, Lu Han (Luhan), Min Yoongi (Suga), Mina, Minnie, Miyeon, Momo, Nayeon, Oh Se-hun (Sehun), Park Chan-yeol (Chanyeol), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Rosé, Sana, Seulgi, Shuhua, Soojin, Soyeon, Tzuyu, Wendy, Wu Yifan (Kris Wu), Yeri, Yuqi, Zhang Yixing (Lay)
Tags Amor, Bangtan, Bangtan Boys (BTS), Blackpink, Coréia, Exo, Got7, Ikon, Jennie, Jeon Jungkook, Jisoo, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Kpop, Lisa, Min Yoongi, Park Jimin, Red Velvet, Romance, Rose, Twice
Visualizações 19
Palavras 2.421
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLAAAAAAAAAA!!! Bem, não tenho tanta coisa para falar. Apenas que não estranhem esse capítulo estar tão ruim, eu escrevi ele faz um tempinho... (Vou nem falar quando) me perdoe 💜 boa leitura, anjinhos! ^-^

Capítulo 13 - Chapter Twelve


Fanfic / Fanfiction Level Up ( Park Jimin, Kim Taehyung and Jeon Jungkook) - Capítulo 13 - Chapter Twelve


- Mas diretora! - reclamo lendo o absurdo que estava escrito naquele papel. Eu não posso ser suspenso! Eu? Kim Taehyung?! Suspenso?! Tá' de brincadeira com a minha imagem!

- Quem mandou aprontar? Agora terá que sofrer a consequência do seu ato. - respondeu friamente.

- Mas estamos em últimas semanas de prova! Você não po-

- Posso sim, como já fiz. - me interrompeu já impaciente.

- Tudo bem, vamos fazer um trato.

- Kim, acho melhor você dar o fora por aquela porta, antes que eu te dou mais algumas semanas de vergonha para a família Kim. - disse seriamente, enquanto o seu óculos descia lentamente pelo seu nariz.

Levantei as mãos em sinal de rendição e rapidamente me levantei. Pedi licença saindo da sala, e rumei pelo corredor até a sala de química. Onde está acontecendo a minha próxima aula.

A culpa não é minha que aquela bolsista tenha jogado suco no meu uniforme, ela mereceu aquele grito e foi muito dramática em chorar, não era pra tanto. Okay, a minha voz pode ser um pouco assustadora quando eu estou com raiva. Mas era o meu uniforme, o meu uniforme favorito! E aquela bolsista fez questão de deixá-lo com uma mancha enorme de cor laranja, que mais parece vômito. Eu desconfio que tenha sido de propósito. Troquei de uniforme, mas ainda não me sinto totalmente limpo. A raiva ainda corre pelas minhas veias, eu não posso ser suspenso nunca na minha vida. Eu sou Kim Taehyung, e um Kim nunca é humilhado. Meu pai e minha mãe, vão surtar quando souberem. Isso é tudo culpa daquela bolsista desastrada! Respirei fundo e entrei na sala sem bater na porta, atraindo os olhares de todos os alunos que estavam ali, inclusive a do professor que lia algum livro sobre bactérias. Não espera... É, é mesmo sobre bactérias.

- Atrasado de novo, Kim Taehyung. - ele arrumou o seu terno, enquanto eu me aproximava de sua mesa.

- Pois é, quem é a minha dupla? - digo em tom de tédio, com as mãos em cima de sua mesa.

- Kim Young Jenny.

Ah não, é só o que me faltava. O meu dia, não poderia ter ficado melhor! Eu queria retrucar queria xingar até minha saliva acabar, mas me contive. Enfrentei logo esse destino cruel. Eu não acredito que estou diante da mesa dela. Olhando por um lado...vai ser divertido essa aula de química.

- Somos uma dupla agora. - digo sorrindo quadrado. Todos sabem que eu e a madame, não nos damos bem desde o nosso nascimento. O que é meio irônico, já que estamos "comprometidos" desde o nascimento.

- COMO ASSIM UMA DUPLA? - gritou indignada. Todos pararam seus experimentos para fitar nós dois. Fiquei um pouco incomodado, claro que eu gosto da atenção das pessoas no meu belo corpo, porém nesse momento eu queria ser invisível. Já recebi atenção demais por hoje. Mesmo que eu quisesse gritar pra essa garota histérica parar de me olhar como se aquilo fosse um absurdo, ela iria ignorar e não posso levar outra suspeição. Ela bem que poderia ser mais discreta, mas estamos falando de Kim Jenny.

A maldita ainta tem o meu sobrenome pra variar...

- O professor me colocou, e pode parar de gritar? Muito obrigada senhorita Kim. - digo com tédio, dando a volta por sua carteira e tirando sua bolsa do assento ao lado, logo me sentei.

- Kim Young Jenny pra você. - puxou sua bolsa bruscamente de minhas mãos. - E quem te autorizou a sentar aí?

- Nome cumprido não acha? E essa cadeira pertence a escola e não a você. - pisquei pra ela. - Então o que temos que fazer?

- Eu já fiz tudo sozinha. - disse fria. - Eu não preciso da sua ajuda.

- Hum...legal, menos coisa pra fazer. - dei de ombros, agradecendo aos deuses por minha futura esposa ser tão prestativa. Me espreguicei, tudo o que aconteceu hoje me deu sono. - Como minha namorada é prestativa. - Não perdi tempo em provocar.

- Professor! - levantou a mão e gritou chamando sua atenção. - Eu me recuso a fazer o trabalho com o Kim Taehyung!

Já estava demorando.

- Algum problema senhorita Kim? - o professor arrumou seus óculos no seu rosto.

- Muitos professor. - respondeu ela de imediato. - Eu e ele não nos damos bem e...

- Independente de vocês se darem bem ou não, vocês tem que agir como profissionais. O trabalho é em dupla Jenny, e se você fizer sozinha ficará com menos pontos que os outros. Taehyung precisa de pontos na minha aula. - O professor já sabia, a escola toda sabe que eu e a madame, somos como gato e rato. Uma dupla sem química. 

Mas o velho se faz de desentendido, repetindo que não é um problema. Infelizmente é sim, e um dos grandes.


- Isso é injusto! - disse Jenny indignada. E como é. - Por que logo eu?!

- Seria injusto se você ganhasse mais pontos que os outros por ter feito sozinha. Até o Chanyeol está junto com a Eunha, e você sabe que eles se odeiam.

- É o que todo mundo pensa. - riu sarcástica. Eu me segurei para não rir. Já está estampado na cara dos dois que eles se pegam, essas brigas são só desculpa. - E eu já terminei tudo, não seria justo ele ganhar pontos.

- Ele pode fazer a conclusão do trabalho. - sugeriu. - Você não tem escolha, terá que fazer com o Kim Taehyung.

- Eu disse amor que você não fugiria de mim... - sussurrei em meu ouvido.

- AH, CALA A BOCA! - gritou me dando um forte empurrão. Isso era para me deixar com raiva, mas eu só senti vontade de rir mais ainda.

- Senhorita Jenny! - O professor a repreendeu. - Se comporte em minha aula! Ou irá ter que dar uma passadinha na sala do diretor!

Assentiu com a cabeça, mesmo que a sua vontade fosse de continuar a debater sobre aquele assunto. Até que isso pode ser divertido...sabe, eu posso não conhecê-la muito, mas já estivemos em tantos jantares em família, que esse jeito vingativo dela já ficou bem claro pra mim. Ela vai se vingar do professor.

- Você que irá dar uma passadinha na sala do diretor, pra assinar a sua demissão... - falou baixo apertando com toda sua força a caneta em suas mãos.

- Jenny, Jenny...sempre consegue o que quer. - comecei a cutucá-la. - O que vai fazer para o diretor demitir o professor Buy?

- Isso não é da sua conta, idiota, vê se me esquece! - falou entre dentes. Hum... isso vai ser interessante.

- Não tem como Jenny. - ela finalmente me encarou, quando virei seu rosto delicadamente em minha direção. Estamos tão perto, que eu consigo ver os detalhes do seu rosto... - Você é única.

O sinal havia tocado e toda a sala já se levantava em direção a saída da sala de aula.

- Taehyung. - tirou minha mão bruscamente do seu rosto. - Dá pra parar de gracinha? - percebi que todos já haviam saído, inclusive o professor. Acho que ela também percebeu, pois olhou para todos os lados confusa. Ou talvez ela estava procurando uma forma de fugir da situação. A respiração dela estava pesada, Jenny estava nervosa. Sorri com isso. - Garoto chat-

Num piscar de olhos, juntei os seus lábios aos meus. Nem eu sei porque fiz isso, porém agora que comecei, não quero parar. Não vou mentir, sempre quis sentir o gosto dos lábios da mais nova. Quando eu era mais jovem, comecei a sentir uma coisa estranha por ela. Eu fiquei assustado com aquilo, eu não queria aceitar que estava possivelmente me apaixonando por ela. Então passei a trata-la com mais grosseria do que antes. Eu gosto de irrita-la, ela me olha com tanto ódio e vontade de me matar. Parece estranho, mas desse jeito eu tenho certeza que ela nunca gostou de mim. Já pensou se fosse calada e aguentasse as provocações? Iria ser muito sem graça. Bom, aquilo só era coisa de pré adoslencente. Eu não sinto nenhum tipo de afeto por ela, e espero que continue sempre assim. Esse beijo até que não estava ruim, mesmo ela não correspondendo. Jenny empurrou os meus ombros acabando com o momento. O local estava quente, muito quente. E algo dentro de mim gritava por mais.

Eu a olhava ofegante, enquanto ela me olhava assustada. Deve estar pensando em mil coisas e provavelmente, deve estar pensando em várias formas de me matar. Quando eu já me aproximava novamente, ela se levantou rapidamente, pegando seus matériais de um jeito desastrado e indo em direção a porta. Acompanhei a mesma com o olhar, até sua silhueta sumir pelo corredor. 

Coloquei as mãos na nuca. Onde eu estava com a cabeça? E que calor é esse?! Só foi um beijo, fala sério!

Eu não posso estar com esse calor todo por causa da Jenny. Isso é horrível e...nojento. Só foi um beijo, nunca mais vai se repetir...eu espero.

Procurei meu celular em meu bolso e cliquei no contato da primeira pessoa que apareceu.

- Alô?... Tae?

Sorri reconhecendo aquela voz. Passei a língua em cima dos lábios, antes de sorri para responder.

- Olá Jeonhee! Está ocupada?


~ (...) ~             


Os anos se passaram. Quando terminei o ensino médio, de imediato fui para os Estados Unidos começar minha faculdade. Não tive muito contato com os meus amigos por anos, pois vivia ocupado estudando e as vezes nem me sobrava tempo para me divertir. Comecei a administrar a empresa de meu pai. Acho que estou me dando bem. Pode não parecer, mas trabalhei muito todos esses anos para honrar meu sobrenome, me esforcei para cada dia dar o meu melhor. As ações estão cada vez maiores e o nome de nossa família cada vez mais no topo da popularidade. A única coisa que não mudou todos esses anos, foi a obsessão de meus pais com o meu casamento com a senhora enjoada. Não só meus pais, mas sim, todos os meus familiares ainda acreditam que entre mim e a Jenny rola um clima.

Só se for uma tempestade. Ah, por favor! Ela é uma mimada, uma ignorante bancando de independente. Que na verdade, ainda não saiu totalmente do controle dos seus pais. As vezes sinto um pouco de pena desta criatura, sendo honesto.

Estou fingindo gostar dela, para que meus pais deixem-me em paz por alguns instantes e esqueçam um pouco deste assunto. E bem, tem funcionado já a algum tempo. Mas não adiantou muita coisa, eles querem logo marcar a data do casamento.

Jenny e Kim Taehyung, são duas peças de quebra cabeça totalmente diferentes, que jamais irão se encaixar.

No entanto, como eu disse eu honro muito o nome da minha família. Respeito a decisão de meus pais, porém já sou adulto. Não vou casar com alguém que não estou apaixonado, mesmo que seja uma ordem.

Aproximadamente um ano atrás, eu conheci a mulher que estou completamente apaixonado. Ela é amorosa, tentadora e muito linda. É a mulher com quem sempre sonhei em me casar. Não posso apresentá-la para os meus pais por dois motivos. O primeiro: É por causa desse casamento arranjado que estão tentando negociar. Segundo: A moça é pobre. Para os meus pais isso seria um enorme problema. E isso me deixa abatido, por não se preocuparem realmente com a minha felicidade.

Eu entendo o porque de agirem desta forma, mas eu a amo com todo o meu coração. Independentemente da sua condição. Eu estou apaixonado pela mulher mais doce que já conheci e pretendo me casar com ela mesmo que seja as escondidas.

Mesmo que eu tenha que fingir um casamento e fugir no dia seguinte com o amor da minha vida, para bem longe, para um lugar onde nunca conseguirão encontrar-nos. 


Por ela, eu seria capaz de tudo.


- Amorzinho… - chamou-me baixinho virando a cabeça em minha direção. Sorriu alegremente. - Já terminou as coisas com a Jenny?

- Infelizmente, ainda não... - suspiro fazendo carinho em seu couro cabeludo. - Você sabe como ela é irritante.

- Não está funcionando tentar conquista-la com seu charme? - neguei com a cabeça. - Mas comigo funcionou num segundo! - soltei uma risada fraca, dando-lhe um selar breve na cabeça em seguida. - O que custa assinar um papel falso? - revirou os olhos. - E se você disser a verdade? Que o papel é falso, apenas para enganar a mídia?

- Eu não posso arriscar, princesa… - me afasto dela, sentando-me na cama com as costas apoiada na cabeceira da mesma. - Já está sendo difícil enganar meus pais. As vezes eu perdo o controle e quero contar toda a verdade.

- Não! - logo protestou, ficando ao meu lado. - Olha, eles não entenderiam… Lembre-se que estamos fazendo isso, porque não há outra forma de conseguir dinheiro para fugirmos juntos…

Este é outro pequeno detalhe de nossa fuga. Para chegar a ilha que queremos nos esconder, precisamos de muito dinheiro. E bem, eu tenho o dinheiro suficiente para isso, mas não quero fazer isso com o dinheiro dos meus pais. Com o dinheiro da empresa. Não seria justo com eles.

Então ela me deu uma idéia perigosa, que pode até nos levar a prisão. Entretanto, não há outra escolha.

Estou cegamente apaixonado e odeio ter que admitir isso.

Agora que comecei, não quero mais parar, não tem como. Minha futura esposa é como uma droga, doce e viciante.

- Por que me olha tanto, hum? - colocou as mãos em meus ombros, entrelaçando-as atrás de meu pescoço. Puxou-me para mais perto. - Eu sei que é errado, mas vamos pagar tudo de volta um dia.

Assenti sorrindo pequeno. Ela rapidamente juntou nossos lábios, um beijo acelerado e prazeroso.

A primeira vez que a vi, foi como um amor a primeira vista. A mulher mais linda que já vi, que me puxou como um ímã. Ela é como uma sereia, que me encantou com seu canto. Todos os seus beijos são únicos. A forma que me toca é única. Este sentimento é único, não quero perder-lo tão facilmente. Quero lutar por ele até não seja mais possível. Mesmo que eu tenha que passar por cima das ordens de quem tanto amo.

Que seja escrito o destino de nossas histórias.

O que tiver que acontecer conosco no futuro, saiba que nunca esquecerei de você.




Meu amor, Lalisa Manoban.


Notas Finais


Acho que por essa vocês não esperavam KKKKK gente, deixem aí nos comentários o que acharam, por favor. Não estou muito confiante com minhas histórias, mas irei continuar por vocês 💖💖 obrigada por tudo, desculpa qualquer coisa.

Até a próxima! Byeee! ^-^💜

Without Passion: https://www.spiritfanfiction.com/historia/without-passion--jeon-jungkook-17220260

🍕✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...