1. Spirit Fanfics >
  2. Lewd Turma da Mônica Jovem - Casgali >
  3. Capítulo Único

História Lewd Turma da Mônica Jovem - Casgali - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Spirit segue me f*dendo com esse problema de não poder fazer copilado de one shots né?
Anyway, tem uma lista de leitura no meu perfil com todos os hots que já lancei de Tmj. Aceito pedidos (。・ω・。)ノ♡

casgali eh VIDA

[Aviso: os dois estão solteiros aqui]

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Lewd Turma da Mônica Jovem - Casgali - Capítulo 1 - Capítulo Único

 

— E eles só voltam amanhã a noite. Meus pais quase nunca tem um tempo juntos, não quero estragar tudo só porque fui absolutamente burra e perdi as chaves na escola. — Magali cruzou as mãos, enquanto mantinha seus olhinhos de gatinho abandonado. — Eu até pensei em ficar do lado de fora mesmo, mas começou essa tempestade antes que pudesse chegar em casa. — Cascão suspirou, olhou pro lado, encarando a menina sentada a sua direita no sofá.

 

— Magá, não tenho nenhum problema com isso, mas meus pais também não estão em casa, foram visitar minha tia em Osasco e só voltam domingo. Não é melhor ficar com a Mônica?

 

— Não posso, ela viajou com a Denise, Sophia e Xaveco para a casa de praia dele. — a garota tinha um biquinho extremamente fofo, Cascão mal acreditava que ela realmente havia perdido a chave de casa justamente quando seus pais resolvem passar a noite fora. Um trovejo se fez ouvir novamente.

 

— Puts, tudo bem. Eu realmente não ligo, a casa é sua. Quer que eu guardo sua bolsa? — Magali assentiu, ainda olhando pra baixo. Por muitos motivos era difícil encará-lo nos olhos. Era como se seu estômago a avisasse que algo daria muito errado — ou muito certo. 

Cascão por outro lado, mordeu o lábio de satisfação. Se esse era o destino jogando a seu favor, ele agradeceria. Colocou a mão em sua coxa, poucos centímetros abaixo da sua saída, segurando suavemente. Ela prendeu o ar e sua pele se arrepiou no mesmo instante. — Você parece estar com frio. Eu vou ficar lá em cima jogando um pouco, mas se quiser sobe lá. 

E se levantou, como se nada tivesse acontecido.

 

Magali finalmente soltou o ar, esfregou as pernas suavemente esperando que o calor passasse.

Precisava convencer a si mesma de que era sua melhor escolha e que não era nada demais. Cascão era seu amigo. Tudo ficaria bem.

Ligou a televisão, colocando em qualquer canal mal percebendo enquanto tempo passava.

Tudo ficaria bem.

 

— Filme chatinho esse hein?

Ou não.

 

Cascão se aproximou do sofá, e Magali sentiu o calor se elevar novamente. Ele usava apenas uma bermuda solta, de moletom, estava nu da cintura para cima e o peito ainda possuía gotas de água escorrendo por ele. Usava a toalha para secar os cachinhos e ela podia girar que haviam sorriso de lado em seus lábios. 

 

— Oxe, que foi? — ele riu, se sentando ao seu lado. —Pode fechar a boca.

Eu disse pra vocês que eu tomava banho de verdade!

 Ela notou, poderia jurar que havia acabado de se viciar no cheiro fresco de sua pele. Ele manteve os olhos nela, lábio inferior entre os dentes. O modo como ele a olhava fez com que Magali sentisse uma excitação na barriga, suas bochechas coraram.

Precisou sacudir a cabeça pra voltar a pensar claramente. 

 

— Tá com fome Magá? 

— A-Acredita que não? Passei numa lanchonete entre a escola e aqui. — soltou um riso nervoso enquanto Cascão se inclinava para pegar um doce do pote na mesinha de centro (que Magali sequer havia notado). Ele desembrulhou o pirulito, colocando na boca de uma vez.

— hmmmm — ele sorriu, voltando a segurar o doce. — É de melancia, seu favorito! — aquele sorriso pervertido voltou a dançar em seus lábios, ele aproximou o pirulito em formato de esfera de seus lábios rosados, fazendo o sabor invadir sua boca antes que pudesse protestar. Seu sorriso aumentava a medida que esfregava suavemente o doce em seus lábios, em seguida forçando a entrada. Magali ofegava, apertando as coxas cada vez mais.

 

— Eu só desci pra dizer que arrumei o quarto para que durma lá em cima. Eu fico aqui na sala de boa… — Sem pensar muito bem, Magali chupou o doce, e pode ver como o rosto dele também ficava cada vez mais avermelhado (embora ele não demonstrasse qualquer vergonha). — Também posso pedir algo… — um gemido suave escapou dos lábios de Magali quando ela colocou os olhos no volume em sua bermuda. De repente o pirulito não parecia o bastante. — pra gente comer. — puxou o doce, fazendo um som de "pop" que pareceu acordar a garota de um transe. Rapidamente suas mãos cobriram a boca e ela se levantou, correndo em direção ao quarto.

Cascão sorri, sabendo que tudo era uma questão de tempo.

 

 

Magali não sabia quanto tempo havia se passado desde que correu para dentro do quarto e fechou a porta, se jogando na cama. Sequer se opôs a ideia de dormir na cama de Cascão desde que isso significasse um tempo sozinha. Não que fosse nenhuma puritana, mas haviam terminado seus relacionamentos há apenas poucos meses e não aprecia certo. Ainda assim, a imagem dele saltava em sua mente, enviando um choque para cada parte de seu corpo.

Seus mamilos estavam durinhos, roçando o sutiã de uma forma desconfortável e o calor entre as pernas já era insuportável.

 

Talvez ela fosse mesmo uma garota suja no final das contas.

 

Esperou mais um tempo, talvez se acalmasse, e quando isso não aconteceu, decidiu que apenas tiraria o sutiã, para ficar mais confortável e dormir de uma vez.

Isso é claro, só piorou tudo. Seus peitos roçaram contra o pano da blusa e estava tão sensível que isso foi o suficiente para lhe arrancar um gemido.

 

Ela tinha certeza que pelo menos uma hora havia se passado, certo? Então Cas com certeza já teria se entretido com algum filme. Ela só precisava de um alívio rápido e tudo isso acabaria.

Ela só não sabia, é claro, que olhos atentos a observavam através da fresta da porta desde o início.

 

Ainda por cima da blusa, Magali passou os indicadores sobre seus mamilos eretos, acariciando levemente, de olhos fechados. Podia ser ele ali, tocando seus seios, tão indecentemente excitados na casa de um amigo. 

Era mais difícil segurar os barulhos e logo ficou claro que aquilo não seria suficiente. Seus dedos correram para a barra da saia, esfregou suavemente por cima do tecido fino de sua calcinha que, sem qualquer surpresa, estava ensopada. Talvez ela tenha perdido a consciência de onde estava, porque seus gemidos foram ficando gradativamente mais altos, deitada de costas, com os olhos fechados e a mão entre as pernas, ela não notou quando Cascão se aproximou da cama para apreciar ao show mais de perto. 

 

— Cas… — isso o levou ao limite, se abaixou para acariciar seus rosto, e a reação que teve foi obviamente um grito estridente de surpresa e a tentativa imediata de retirar a mão da calcinha.

 

Só que ele foi mais rápido, segurando-a no lugar. 

— Nem fodendo que você vai parar agora que eu estou aqui. — o rosto dela era uma bagunça avermelhada, seu coração espancava o peito de modo que poderia sair a qualquer momento, mas vê-lo ali, com aquele olhar predador enquanto segurava sua mão entre as pernas, fez com que ela gemesse mais uma vez. — Minha mãe ensinou que roupa molhada pode te deixar doente, sabia? — num movimento rápido, ele puxou sua calcinha de seu corpo, e abriu suas pernas, expondo sua buceta molhada totalmente. Ela gemeu algo inteligível e ele sentiu seu pau latejar contra a bermuda. 

Ele sempre achou Magali extremamente gostosa, mas vê-la de pernas abertas, molhada e rosada devido a masturbação recente e isso tudo devido a ele, fez com que quisesse foder Magali por toda aquela noite até que ela se esquecesse o próprio nome. 

— O que foi Maga? Precisa de ajuda? — ele a puxou bruscamente, a sentando em seu colo, de costas pra ele. Tirou sua camiseta, deixando seus peitos expostos e os agarrando em seguida, cada um enchendo uma mão. — Hey, olhe pra frente. — relutante, ela ergueu os olhos e notou que na posição que estavam, podiam se ver refletidos no grande espelho do guarda-roupas dele, ela apenas com a saia, em seu colo e de pernas abertas, ele segurando seus seios. — Preste atenção em como seus peitos estão sexys assim. — ele sussurrou em seu ouvido, enquanto brincava com os mamilos. Ela fechou os olhos de novo e Cascão desceu a mão até sua saia, a erguendo e apertando de uma vez seu clitóris. A estimulação repentina fez Magali gritar e pular em seu colo, esfregando contra ele. — Eu mandei olhar, porra! Você realmente quer perder essa visão deliciosa? — ela não conseguiu formular qualquer resposta, Cascão voltou a masturba-la, fazendo movimentos suaves em seu clitóris, enquanto outra mão ainda brincava com seu mamilo. Ela assistia tudo, vendo como os dedos dele estavam molhados e como o líquido escorria pelo colo dele. 

Sem se importar mais com qualquer coisa, Magali se ergueu levemente, puxando a bermuda, Cascão entendeu o pedido e deixou a peça deslizar até seus pés. Agora seu pau estava entre as pernas dela e Magali soltou um gemido longo e necessitado ao vê-lo. A glande rosada já brilhava com pre-gozo, e ela levou uma das mãos até ele, acariciando seu comprimento. 

— Você está muito grande. — ela sussurrou, os olhos mel finalmente encarando ele através do espelho.

 

— Como eu poderia não estar depois de brincar com esse seu corpo? — ele mordeu seu ombro, Magali botou os braços e a cabeça pra trás, de modo que ele teria maior acesso a seu pescoço, onde ele continuou a morder e chupar. Ela começou a rebolar em seu colo, seus sexos se tocavam intensamente, enviando ondas de prazer intensas e preenchendo o quarto de gemidos altos. Ela virou o rosto e seus olhos se encontraram diretamente, os dela semicerrados numa súplica. Ele a beijou no exato momento em que também a penetrou. Magali gritou em sua boca, o carinho do beijo e a força com que ele começou a meter fazia seu cérebro revirar, Cascão voltou a masturbar seu clitóris, pressionando com uma força que levou Magali a um limite delicioso entre dor e prazer. O espelho mostrava que cada vez que seus sexos se chocavam, Magali escorria ainda mais e se antes ela gemia alto, agora sua voz cada vez mais erótica em gemidos desprovidos de vergonha estavam deixando Cascão louco.

 

— Cas… Hmm, você está indo tão fundo. — ela formou essas palavras entre os lábios dele e Cascão respondeu beliscando mais uma vez seu ponto sensível. Mais um grito, seguido de gemidos incontroláveis. 

— Eu esperei tanto por esse momento, eu vou te foder até você enlouquecer. Você não vai conseguir sustentar seu corpo quando eu acabar. — essas palavras foram seladas com uma investida ainda mais forte, que enviou Magali ao limite. Ela engasgou seu nome, tremendo em seu colo e segurando suas mãos até deixar as marcas das unhas. Seu corpo ainda tremulava e os olhos permaneciam fechados enquanto ela tentava, em vão, recuperar a respiração. 

Ele sorriu pra ela pelo espelho.

 

— Droga, vou ter que tomar outro banho. — Cascão já parecia feliz por te-la feito ir só clímax, mas Magali fez um biquinho fofo e negou com a cabeça. 

— Você precisa gozar em mim também. — sem muitas forças, ela saiu de seu colo e se apoiou de quatro na cama. — Por favor, me fode mais. — Magali falou numa voz melodiosa, enquanto apontava pra ele sua buceta agora escorrendo ainda mais.

 

Ele lambeu os lábios, ofegante, seu pau ainda completamente duro.

Agora era ele quem estava prestes a perder a consciência. Voltou pra dentro dela como um ímã, seu interior o apertava, e seus gemidos que logo retornaram, o seduziam demais. 

 

— Eu sabia que deveria ter feito isso antes. — ele gemeu entredentes, apertando sua bunda com força, deixando marquinhas arroxeadas. — você gosta de ser fodida por trás, hmm?

Magali responderia se conseguisse falar, é verdade que queria que ele também se sentisse bem, mas ela novamente se sentia perto da borda. Era gostoso demais sentir o membro dele a alargando, ela formigava e sua mente era uma bagunça onde apenas cabia o prazer. 

 

Dessa vez, ela o ouviu gemer mais alto, e quis reclamar quando ele retirou, gozando em suas costas. Ela podia ouvi-lo ofegar, e tinha lágrimas de prazer nos olhos de tudo perto que chegou de gozar pela segunda vez.

Isso, é claro, não foi um problema. Todo seu corpo estremeceu num orgasmo quando ele segurou sua cintura com força, inclinando pra sussurrar em seu ouvido.

 

— Eu acho que você é uma garota realmente muito, muito má.

 

 


Notas Finais


hahajajajaj ninguém tinha feito então eu surtei e fiz.
Desculpem qualquer erro, eu morro de vergonha de ler quando escrevo hot
Aceito pedidos de shipp e situações (qualquer um, não sejam tímidos)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...