História Liberosis - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 2
Palavras 1.870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Fluffy
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Longos, escuros e brilhantes cabelos


Nessa manhã eu acordei com o despertador. A vontade de não comparecer a aula apareceu justo no  segundo dia. Depois de um tempo, eu tomei coragem e me levantei, fiz minha higiene pessoal e desci as escadas para tomar o café.

-Bom dia pessoal!-Exclamei forçando um animo inexistente.-Galera? Paiee, manheee!- 

ELES FORAM SEQUESTRADOS? 

   Eu estava entrando em um aspiral de pensamentos. Onde eles se enfiaram? Caminhei em direção a geladeira e la notei um bilhete que dizia: "Filha, nós tivemos que levar a vovó pro hospital, estamos bem. Deixei um lanche pronto na geladeira, esquente ele e escove os dentes." Vovó? Doente? Que estranho.

Tomei meu café e logo fui me arrumar. A noticia da vovó me deixou preocupada... Obviamente isso afetou na maneira de me vestir. Coloquei uma calça jeans azul e uma camiseta marrom. Optei por deixar o cabelo solto e não passei nada do rosto. Não estava disposta o suficiente para me arrumar muito. será que vovó está bem? 

O caminho pra escola foi ao som de Nico and The Niners, Twenty one Pilots parecia ser uma opção agradavel aos meus ouvidos. Fui caminhando e quando eu cheguei no estacionamento, me deparei com Aurora treinando manobras com seu skate. A cena era incrivel, estva tudo vazio e a cidade estava nublada, Aurora era ótima naquilo. Por um momento, ela sumiu, desapareceu.

-Aurora?- Sera possivel? Todos estão sumindo

-HEEYY YOO!- Era ela, me empurrando pra frente.

-CARALHO! Desculpe.. Você me assustou muito agora..

Observei seu belo sorriso e a sua cara de vencedora.

-Você é assustadinha demais.-Ela disse com um ar de deboche cômico- Você tá bem? Parece quieta.

Ao mesmo tempo que eu estava quieta, minha mente estava a mil. Ao mesmo tempo que eu estava observando cada detalhe a minha volta, eu estava absurdamente perdida, em outro lugar, minha mente vagava por varios lugares em um curto periodo de tempo.

-Meus pais deixaram um bilhete na geladeira dizendo que levaram a minha vó ao hospital..

-Pode ser só uma gripe.-Ela disse arqueando uma de suas sobrancelhas.

-Pode ser um cancer.

-Ok, eu sei que você ta apreensiva , mas.. Você quer ir no cinema com a gente esse final de semana?

-Claro, é uma boa opção.

...

 

-Se preparou pra prova?- Aya disse sorrindo.

-Prova?- Perguntei um pouco perdida.

-A prova de fogo de hoje, temos um debate sobre o Internet lidando com a Depressão. Um grupo é a favor da internet e outro não.

-Um debate?

-Um saco.. Mas eu quero vencer, tenho sede de sangue...-Naomi disse isso com forçando a graça e falhou.

-Ok, os grupos são escolhidos na aula?

-Sim.-Aurora disse.

-Ótimo. Precisamos ficar a favor da internet.

-Yeah.-Aurora disse

...

Pegamos nossas coisas e partimos em direção aos armários. Quando eu abri o meu, um turbilhão de papeis caíram. Naquele momento, todos pararam e observaram. Grupinhos riam e alguns só observavam. Eu travei, nem sabia como reagir e...

 

-Oi... Poderia te ajudar? -Disse um garoto de cabelos longos e escuros.

-Ahn... S-Sim, eu... Caramba, que bagunça...-Disse entrelaçando as minhas mãos atrás do meu pescoço.

 

GAGUEJANDO? FALA SÉRIO AMY!

 

-Meu nome é Gustav.

- Meu nome é Amy.

-Não é americana, né?

-É tão notável? O sotaque?

-Não, eu digo pelas curvas.

 

CURVAS?

 

-Vai me ajudar a pegar os papéis ou não? -Eu disse tentando disfarçar o nervosismo.

-Ah... Sim, desculpe.

 

Talvez ele não seja tão nojento quanto aparenta. Ele pelo menos pediu desculpas.

 

 O silêncio pairou sobre nós dois. Eu senti que fui grossa, mas não queria aparentar ser uma pessoa fácil, por mais encantador que ele fosse. Juntamos os papeis e ele logo fez uma pequena pilha e me entregou.

 

QUE VERGONHA! Amy, você é um ser humano muito burro.

 

-Eu, olha... Desculpa pelo modo com que eu falei com você, sobre seu corpo.

-Eu vou pensar. -Eu disse olhando pra ele enquanto ele ajeitava o cabelo. Logo houve um contato visual e nós rimos, timidamente.

 

Que sorriso encantador. Olha essa pele clara...

 

Ele continuou a me olhar e eu sorri.

 

-Cadê minha garota? - Disse Naomi tapando meus olhos.

-Eu sei que é você Naomi. - Eu disse tirando as mãos dela dos meus olhos na esperança de ver o garoto.

 

Droga, ele sumiu. Tanta gente em um só corredor...

 

-Fala sério, o Benjamin? -Aya estava saindo de trás de mim.

 

Benjamin?

 

-Nada mal, na minha opinião. Naomi disse

-Isso não é sobre vocês. -Aurora disse fechando a porta do meu armário. -Só não seja muito fácil com ele. Antes de tudo você tem que testar ele.

 

Ser fácil? Como assim?

 

-Benjamin? -Perguntei

-É, o Gustav. - Aurora disse -Gustav Benjamin- ela repetiu o nome falando com um tom de voz fino.

-Ele não é nada famoso. Conhecemos ele por causa de uma peça na qual ele cuidou da iluminação. -Naomi completou.

-Hunn, vamos mudar de assunto. -Eu estava muito desconfortável.

 

 *O celular toca*

 

-Bom dia abelhinha! Tomou o café?

-Tomei sim. - Eu falei em inglês

-Tá na escola?

-Sim pai. -Eu respondi meio desanimada

-Agora eu entendi...-Ele se referia ao fato dele estar falando português e eu inglês. - Ainda falta 20min pra aula meu amor.

-Depois do susto que eu levei ao saber que a vovó estava no hospital, eu decidi vir cedo pra escola.

-Tá aí há quanto tempo?
-Uns quarenta minutos, por aí.

-A sua avó está bem filha, ela estava sentindo muitas pontadas na barriga e dor no peito.

-O que era?

...

-Só pra explicar aqui gente- Aurora dizia baixinho para as outras- A avó da Amy foi pro hospital.

-Nossa... Isso explica o desanimo. -  Escutei Aya dizer isso

...

-Eram gases. - Ele riu

-GASES? - eu disse em português mesmo, chamando a atenção das três por causa do volume da minha voz. - Me preocupei com gases? Todo esse desespero por isso...? E isso é possível?

-É sim, já passei por isso quando eu era moleque. Mas está tudo bem. Eu já vou desligar. Beijos.
-Ahn... OK. Beijos.

...

                Durante o caminho eu expliquei pra garotas sobre o acontecimento e todas rimos, que situação... Escutei coisas do tipo “Português é legal.”, “Nossa, nunca ouvi alguém falar português do meu lado.” Nós conversamos sobre o cinema no final de semana e logo entramos na sala de história.

...

-Bom dia alunos. Como vocês sabem, eu estou bem cansada e nem planejei algum conteúdo. Mas, se vocês foram responsáveis, notaram que eu coloquei um aviso de um debate no mural para os alunos dessa aula. - A professora era uma moça jovem e parecia ser bem “Nem aí”.
 

-Ignorada com sucesso hein Amy. - Aurora disse. - Essa mulher é bem doida, só ignora. Acho que ela usa drogas.

-Ainda bem que ela não me viu, não preciso me apresentar.

 

                Logo a gente se sentou em duplas: Naomi e Aya, eu e Aurora. Eu gostava da Aurora, ela tinha uma personalidade forte e era super descolada. A garota era um mistério, mas eu gostava dela. No grupinho, ela era uma das mais inteligentes e com mais juízo possível.

-Essa parte da sala- ela disse apontando pro lado direito- vai ficar contra o uso da internet. Esse lado vai ficar contra a internet. Quero argumentos bons, por favor. Quinze minutos pra montar um esboço e nada mais.

 

-YOO- Aurora disse no meio de pequenas risadas- Estamos a favor da internet.

 

                Logo montamos um grupo com a nossa parte e eu fui responsável por ser ajudante da representante. Era pra eu ser a representante, mas fiquei com medo de errar alguma coisa ou ter um ataque no meio do debate. Montamos argumentos muito bons e totalmente validos.

...

-Muito bem pessoal, o debate foi incrível. - A professora dizia enquanto pegava alguns papeis.

-Deve ter sido mesmo, ela não dormiu durant...-Aurora foi interrompida por Aya com uma cotovelada nas costas.

-Caralho, fica quieta Aurora.

-Vai se foder, putinha. - Disse a ruiva apontando o dedo do meio na cara da outra.

-Chega gente, ela vai falar. - Naomi apontava pra frente da sala

 

Criancinhas...

 

-Ei, garota.

-E-Eu?

 

Apresentação novamente? Que merda.

 

-Qual seu nome?

-Amy, -eu me levanto- Amy Charlotte.

-Muito bem, bonitinha. Você se destacou bastante. Vem de onde? Nunca te vi aqui.

-Eu vim do Brasil.

-Como? -Ela fez um gesto com as mãos mostrando que eu devia falar mais alto.

-Eu sou brasileira. -Disse aumentando o volume da voz.

-Wow, legal. Parabéns pelo desempenho. Alunos, liberados.

...

                Tive sociologia. Nas aulas de inglês eu fui acompanhada das garotas e fiz aula de culinária com a Ayanna, foi bem divertido.

Na minha escola, eram oito horas de aula e quarenta e cinco minutos de intervalo. No intervalo era liberado dar uma voltinha. O estacionamento era grande e há uma área para fumantes onde eu quase não encontro ninguém lá. Eu, por incrível que pareça, ainda não entendo muito sobre High School. Eu sou Uma Junior.

 

High School

9th grade (Freshman)14-15

10th grade (Sophomore)15-16

11th grade (Junior)16-17

12th grade (Senior)17-18

  …

 

                Chegamos ao intervalo e eu me deparei comigo mesmo procurando Gustav.

 

MAS QUE PORRA AMY?!?

 

                Aya estava me acompanhando enquanto as outras iam para loja de cupcakes. A cafeteria da escola lotava bastante, era tantos estudantes. Era claro que tinha divisão de grupos. Jocks, os arrogantes, do time de baseball ou futebol americano, nojentos que adoram fazer bullying. Quando sozinhos, jocks são daminhas indefesas e andam sempre em grupo exalando um ar de poder, só saem com cheerleaders. Já as cheerleaders são as lideres de torcida. Sem querer generalizar, são metidas e amam a atenção. A gente vê alguns mais obscuros e alguns nerds. Tem descolados e etc... Bem cena de filme mesmo.

               A gente tinha conseguido uma mesa só pra gente, em paz. Até agora ninguém havia mexido coma gente e eu estava bem aliviada. O intervalo foi legal, eu experimentei um bolinho com recheio de marshmellow. Em meia hora atacamos tudo e eu, sentada, me peguei novamente a procura do garoto dos cabelos longos.

                Meu coração bateu tão forte que eu sentia uma explosão de eletricidade percorrendo minha espinha e me fazendo sentir um calafrio. O motivo? Alvo encontrado. Era ele, na mesa logo na frente. Ele ria. Ria pra mim ou ria de mim?

 

-Minha boca está suja?

-Não.

-E meus dentes? -Sorri disfarçadamente

-Não. -Aurora respondeu novamente aliviando meu nervosismo quanto a minha aparência.

 

ELE ESTÁ DANDO AQUELE SORRISINHO POR QUAL MOTIVO?

...

 

-Estava me procurando hoje?

 

Puta merda

 

-Eu? Não.

-Ficou levantando toda hora. Você não sabe disfarçar.

-Estava me observando, Benjamin?

-De onde você tirou Benjamin? Comentou sobre mim com as suas amigas?

-Não. Elas viram você me ajudando e comentaram sobre você ajudar na iluminação de uma peça, algo do tipo.

-Hum...

-Estava me observando?

-Talvez. - Ele sorriu novamente fazendo meu coração bater mais rápido ainda. -Todos olham muito pra você por aqui. Muito mesmo.

-Merda...

-Qual o problema?

-Isso, olhares, me deixam desconfortáveis.

-Você não poderia ser uma líder de torcida de jeito algum.

-Eu sei. E agora eu preciso ir. - Eu digo saindo.

-Tchau, Amy Charlotte.

 

Como esse desgraçado sabe meu nome?

         

             Por um momento senti meu coração acelerar e apressei meu passo. Que situação mais desagradável...

 


Notas Finais


Espero que gostem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...