História Life of crime - HOT - Min Yoongi - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Agust D / Suga, Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Hot, Imagine, Suga, Yoongi
Visualizações 509
Palavras 2.165
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpa a demora kkkkkkk.

Capítulo 17 - - A primeira pista -


Fanfic / Fanfiction Life of crime - HOT - Min Yoongi - Capítulo 17 - - A primeira pista -

Jimin on:

Minha cabeça girava, o cheiro amadeirado foi captado pelo meu olfato apurado. O chão era frio, o que me levava a crer que estava no chão, uma brisa fria caia sobre meu rosto enquanto era levemente ocultada pela claridade que iluminava pouca quantidade do lugar que eu estava. O calor que emitia no lugar era óbvio que seria uma fogueira, virei meu rosto para o lado abandonando a visão do céu que estava avermelhado indicando que já era madrugada. Esqueci esses pequenos detalhes ao ver uma pessoa sentada na beira da fogueira me olhando.

– Que… — me sento rápido me surpreendendo ao ver que já estava vestido, novamente volto a olhar para essa pessoa, a qual era uma menina que segurava um graveto nas mãos. – Quem é você? — me coloco de pé, meus instintos lupinos fazem meus olhos mudarem de cor, oscilando entre o castanho claro caramelados, isso ocorre em alguns casos, sendo esses o de alerta que estava próximo de alguma ameaça.

– Nossa, nao vou fazer nada com você. E alias eu sou a Stefany. — ela se levanta dando a volta na fogueira, era bem mais baixa que eu e seu tom de voz era pura ironia.  

– O que você fez comigo? — me aproximo dela transtornado, seguro seus pulsos e utilizo a velocidade que possuo mesmo na forma humana. A encosto na árvore ainda segurando firme em seu braço, meus olhos ainda continuam na mesma cor mas ela não demonstra medo, só reclama da forma que eu bati suas costas contra a árvore.

– Calma, eu só achei você sofrendo um piripaque no meio do caminho,  e resolvi ajudar. — felizmente posso sentir quando uma pessoa está mentindo para mim, a pressiono mais contra a árvore me segurando para não machucá-la, apesar de tudo ainda é uma mulher. E foda-se qualquer explicação que ela tentar, nao gosto do que está acontecendo.

– Normalmente eu passo aqui sempre, mas não queria procurar confusão. — uma lágrima escorre em seu rosto, a qual eu observo até que caia. – Vim procurar ajuda, eu tinha visto alguns animais grandes por aqui. E quando eu estava passando vi você..Você era um cachorro gigante, e virou um garoto, pelado ainda. Então eu consegui achar umas roupas no meio do caminho e tive que, colocar em você. — ela abaixa a cabeça constrangida. – Só nao entendi uma coisa. Como? Como que você virou um cachorro?

– Que droga. — me afasto dela e passo minhas mãos no meu cabelo instintivamente. – Onde você mora?

– Eu, moro um pouco longe daqui. Mas me conta, como você conseguiu? — ela se aproxima de mim.

– Você deveria estar com medo. — olho novamente para ela. – Viu o que eu era, viu o que eu acabei de fazer, por que não fugiu ainda? Sabia que eu posso matar você?

– Eu sei que voce nao faria isso, eu conheço um monstro quando vejo um, e nao acho que você seja. Não sinto que devo ficar com medo de você. — nego sorrindo de lado não acreditando no que ela falava, me afasto aos poucos e olho ao meu redor.

– Você ‘ta delirando. — pego algumas folhas molhadas pela neblina e jogo em cima da fogueira a apagando. – Anda, vou levar você para casa.

– Não posso voltar, fugi de casa, como eu disse conheço monstros de verdade. — saiu andando.

– Então pronto, fique aí sozinha. — indago após continuar meus passos para frente, minha visão de alfa permite que eu veja no escuro. De certa forma eu não acreditei no que ela dizia, mas ao virar para trás e a ver de braços cruzados encolhida pelo frio me bateu o arrependimento.

– Inferno. — volto novamente e a carrego. – Fala logo onde você mora.

– Eu disse que fugi de casa. — ela fala passando os braços em volta do meu pescoço. – Você está sem camisa, e ainda continua quente e o frio tá condenando. Como consegue? E como conseguiu se transformar?

– Se você falar mais alguma coisa eu te jogo nesse chão e vou embora. — Após falar isso ela se calou. A única alternativa era levá-la para minha casa até que o dia terminasse de amanhecer.

NARRADORA ON:

Ninguém falou nada enquanto percorriam o caminho. O carro andava em uma velocidade moderada, coisa que não ocorria sempre. Mas assim que chegaram na casa o carro parou em frente a ela.

– Desci, se eu chegar e você não estiver ai, ferro com sua vida. — ele disse observando ela abrir a porta sem falar nada. Yoongi estava somente testando ela, se ela fugisse a coisa ia esquentar para o lado dela. Decidiu ele que nao iria ficar mais mantendo essa puta ideia de estar gostando dela, acabou isso. Ele é um vampiro e um gângster, não planejou ser bom com ninguém, foi criado por essa raça para matar, roubar, e se alimentar. Se alimentar de sangue humano.

Acabou isso, não existe vampiro ou mafioso bom, são duas frases que não se encaixam no padrão de apaixonar. Ele começou errado, e vai continuar no errado.

– Anda droga. — disse ao perceber que a mesma parou para o olhar. Assim que ela saiu do carro ele o ligou acelerando no máximo.

Chegou o momento de agir e descobrir o que 'tá acontecendo.

.

.

.

O carro parou novamente na oficina, os carros já haviam saído, o que indica que a polícia passou por aqui. Assim que o pálido desceu do carro andou até a casa abrindo a porta procurando pelo seu irmão, já que o cheiro dele estava impregnado por todo o cômodo.

– Jungkook? Porra, eu sei que você ‘ta ai com o Taehyung. — subiu as escadas, quando abriu a primeira porta não demonstrou reação ao ver seu irmão vestindo a roupa enquanto o Taehyung fazia o mesmo. Já sabia que isso iria acontecer.

– Eu preciso de você, agora. — nao deu nem tempo dele questionar, saiu de frente da porta e desceu as escadas saindo da casa e indo para seu quarto. Alguns minutos depois ele viu o maior sair da casa e entrar em seu carro..

– Vamos fazer o que?  — Jungkook acendia um cigarro enquanto olhava seu irmão sorrir.

– Vamos atrás desse cara. Foda-se eu vou dar um jeito de descobrir o que está acontecendo, se ele ‘tá cultivando verbena é porque sabe de coisas.  — ele acelera o carro a medida que sentia estar próximo.

– Como sabe onde ele mora? — proferiu Jungkook abrindo a janela do carro para jogar o cigarro que acabava de fumar.

– Sei o endereço da amiga da ____________. — ele estaciona o carro em um lugar mais afastado.

– Você não tem medo de nada? — encararam a casa com o cercadinho de madeira tingida de branco, Yoongi acabara de acender um cigarro também o que havia retirado de sua jaqueta preta de couro.

– Tenho medo de morrer sozinho. Por isso trouxe você. — indagou irônico. – Mentira, eu já estou morto.

Ambos riram e se dirigiram para a casa, como já era de se esperar todos dormiam, o silêncio na casa reconfortava os mesmos. Apesar que quando entrassem precisariam acordar o tal cara.

– Vou entrar e ir atrás dele, você trate de vasculhar o lugar procurando a verbena - dizia ele para seu irmão, ao parar em frente a janela com um só pulo ele entrou por ela. Por sorte estava aberta, mesmo com o quarto escuro sua visão apurada para o noturno, ajudou a ele a identificar que o quarto era da garota que se dizia amiga de ____________ .

Passou em silêncio pelo quarto procurando pelo próximo sinal de vida, o qual seria do homem pelo qual estava ali. Assim que sentiu que estava próximo se preparou e entrou no quarto. O homem percebeu uma presença a mais e abriu os olhos vasculhando o quarto em busca de ligar a luz. Assim que conseguiu se assustou ao ver os olhos vermelhos em cima de si.

— Então, chegou o momento de conversarmos. — ele sorriu de lado, aquele típico e desgraçado sorriso psicopata que fazia qualquer homem abaixar a cabeça, e deixava qualquer mulher louca.

– Você é um deles. — antes do mesmo terminar de concluir seus movimentos em busca de pegar uma arma Yoongi segurou seu braço o arremessando em um canto.

– Não quer acordar sua princesinha, né? — ele debochou. O velho sentado no chão chegou ao nível de enfartar só em ouvir um vampiro falar de sua filha, a única coisa que ele dava valor e amava.

O pálido segurou a camisa do mesmo e o arremessou pela janela, seus ossos estalaram com o baque poderoso que suas costas deram no chão.  Min sorriu ao escutar os estalos dos ossos e logo pulou pela janela. – Boatos dizem que você vendeu, ou deu, verbena para um grupo de loucos. — ele fala andando em volta do homem deitado ao chão.

– Louco é voce, monstro. — esbravejava se contorcendo pela dor que sentia em seu corpo. – Nao sei do que está falando.

– É ele mesmo. — Jeongguk joga sobre o chão a verbena empacotada e lacrada em um saco plástico, as luvas na mão do Jungkook indicava que tudo estava banhado nela. – No sótão da casa o ar estava impregnado com essa caralha, quase morri. — ele tira as luvas jogando-as no chão enquanto levava seu olhar ao homem.

– Nao, nao façam nada comigo. — ele se encolheu.

– Não vamos fazer se você abrir a boca. — Yoongi olhou em volta do jardim e pegou uma cadeira juntamente a uma corda, amarrou o homem nela e acendeu mais um cigarro. – Alguém tentou matar uma pessoa, usando essas coisas com a intenção de ferir alguém a mais. — ele rodeou o cara que a essa altura estava em uma pilha de nervos.

– Nao sei do que ou de quem está falando.

– Não sabe, ou nao pode falar? — o som da arma sendo engatilhada soou próximo ao seu ouvido, o que indicava que ele tinha uma arma apontada em sua cabeça, e essa arma estava sendo segurada pelo Jungkook.

Aquele homem viu sua vida passar diante dos seus olhos, dois vampiros loucos e obviamente drogados ameaçavam sua vida, lógico que aquele cigarro não era um comum.

– 'Tá, eu vou falar. — uma gota de suor escorreu assim que a arma foi pressionada em sua cabeça. – Tinha u-uma garota, ela era baixa m-mas nao vi seu rosto, e tinha outra que era um pouco m-mais alta. — ele pausa.

– Continua caralho. — Yoongi exigiu e ele recuou fechando os olhos.

– Eram cinco ou…

– Fala logo porra. — o garoto que apontava a arma para ele estava impaciente, deixando o homem mais temeroso.

– Seis, seis. — repetiu aflito. – Eu nao vi mais nada. — mentiu. Sua situação piorou, pois Yoongi tinha uma ótima percepção em reconhecer os mentirosos.

– Ele sabe de mais alguma coisa. — ele abaixou. – Eu te aconselho que você fale.

– Não vou falar nada. — olhou no fundo dos olhos avermelhados e no mesmo instante recebeu um soco no estômago, o resultado foi na hora que começou a sangrar.

– Você sabe de mais alguma coisa. Um nome, eu sei que tem um nome.

– Não.. — foi golpeado novamente, dessa vez acima do estômago. – Rae… E-eles falavam esse nome

– Continua. — ele negou.

– Não vou falar mais nada. — a paciência dele esgotou.

Yoongi se abaixou em frente ao homem ensanguentado, se segurando para não o atacar e acabar com toda a dor do indivíduo, o plano era arrancar informações dele, se não as descem em um certo prazo teria o corpo carbonizado.

– Quer ficar calado? Vou te dar um motivo pra fazer isso. — ele pegou o recipiente de gasolina e jogou sobre o corpo do mesmo que entrou em desespero. Mas ele sabia que se falasse alguma coisa aqueles seis desconhecidos voltariam e iam matar a sua filha.

– Pega a garota Jungkook. — o moreno assentiu e voltou para dentro da casa enquanto Yoongi impaciente jogou seu cigarro nele, o contato do cigarro na gasolina iniciou as chamas, junto a isso os gritos. Para acabar com essa agonia o Min deu três tiros no mesmo ceifando sua vida enquanto seu corpo queimava.

– Já peguei ela. — Jungkook disse ao sair da casa com a garota amarrada sobre seu ombro. – O lugar vai queimar em menos de segundos. — o cheiro de gás indicou que brevemente a casa iria explodir junto a toda plantação que estava la.

– Vamos sair daqui, já temos pelo menos um nome. E se esse cara ajudava eles, com certeza não iram gostar de descobrir que acabamos com isso. Se chegarmos em um, chegaremos em todos.


Ele é um trapaceiro, ele não é bom de jeito nenhum

É um perdedor, ele é um vagabundo

Ele mente, ele blefa, ele não é confiável

                  Ele é um otário com uma armaEu sei que você me disse que eu deveria ficar longe

Eu sei que você me falou que ele é um cão vira-lata

Ele é um cara mau com um coração podre

E até eu sei que isso não é sensato


Notas Finais


Qual é a dessa menina que brotou com essas desculpas nada haver?
Quem é Rae?
Cadê o Hot?
Coisas que vcs vão descobrir nos próximos capítulos kkkkkkkk
Obrigada por lerem ~.~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...