1. Spirit Fanfics >
  2. Life Recorded in a Photo >
  3. Rosas

História Life Recorded in a Photo - Capítulo 1


Escrita por: AuroraSnowflake

Notas do Autor


Oieee, vim aqui com mais um bebê, minha primeira short! Será composta por três capítulos (Capítulo extra se vocês gostarem 👀)

Sim gente, mais um referência a campo porque.....Porque sim, porque é romântico, porque a natureza é linda e porque...Eu gosto..👁️👄👁️👌🏼

Pordoem qualquer erro, as vezes passa despercebido por mim 7w7.

BOA LEITURA BABY! 💞

Capítulo 1 - Rosas


Fanfic / Fanfiction Life Recorded in a Photo - Capítulo 1 - Rosas

- Mamãe! Você roubou de novo! – A menina cruzou os braços com um bico irritadiço, apoiando os pés no banco do carro - Não é assim que brinca.

- É claro que é assim – Cait esboçou um sorriso divertido enquanto movia seu polegar na direção da garota, que tinha o desenho de uma pequena carinha com dois olhos e uma boca em sua parte frontal.

- Não! Os heróis sempre vencem os vilões, mas você sempre vence de mim – Apoiou seu corpo para frente mostrando o polegar consideravelmente menor do que ao de sua mãe, que continha uma pequena carinha desenhada por uma caneta.

- Quer tentar novamente? Pode ser a vilã dessa vez – Levantou as sobrancelhas em um tom desafiador, vendo a expressão frustrada da pequena aumentar.

- Você vai ganhar de novo, meus dedinhos são pequenos ainda – Tombou a cabeça levemente para o lado, puxando seu indicador com a outra mão, tentando mostrar o quanto eram pequenos e frágeis - E você rouba sempre.

- Eu nunca roubei em um jogo! – Caitlin fez uma feição pouco convincente de indignação, colocando a mão sobre o peito.

- Rouba sim, ela não rouba papai? – Perguntou distraída, enquanto pegava seu pequeno estojo com canetinhas e desenhava mais "personificações" para seu personagem de dedo, junto a uma pequena máquina fotográfica Polaroid, já que seus pais sempre a pegaram no flagra, segurando a câmera fotográfica que guardam no armário do quarto, resolveram dar uma a ela quando completou 5 aninhos.

- Tome cuidado em como responderá essa pergunta, Barry Allen – Ela levantou uma sobrancelha, virando de costas apenas para o ver segurando o sorriso a seu lado, enquanto prestava atenção na estrada à sua frente.

- Olha Dra.Snow…. até onde eu lhe conheço, você nunca foi muito sincera em partidas de jogatinas – Fingiu uma feição de dor ao sentir seu braço ser atingido e um olhar mau humorado o encarar - O que foi?! Na nossa época de escola, você dava suas manhas para ganhar no jogo de queimada, você fazia um jogo sujo meu amor.

- Conversamos sobre isso depois..– Ela ignorou a provocação no olhar dele, sentindo cócegas em seu dedo feita pela ponta da caneta que sua filha usava para reforçar a carinha em seu polegar, logo escutando um 'click' que a máquina fez após Aurora fotografar os dedos coloridos. 

- Promete não fazer aquele movimento doido, mamãe? – A pequena perguntou com os olhos brilhando em súplicas, se lembrando de como a Snow movimentava seu dedo para trás e para o lado, sempre que ela o conseguia apanhar.

- Eu prometo – Seu olhar sincero e sorriso terno, deixou a criança mais confiante em sua próxima rodada, que logo se iniciou, travando uma briga de polegares voraz, pelo menos para a pequena Snow-Allen, Cait por outro lado, estava totalmente tranquila, achava incrivelmente fofa a forma como as bochechinhas da menor inflavam quando ela se concentrava em algo, aumentando o tom rosado delas.


Depois de dois minutos, houve uma pequena comemoração no banco de trás por parte de Aurora, que adorava a sensação de ganhar um jogo. Caitlin não julgava isso, aliás, até admirava como o gene competitivo que sua filha havia herdado, era único e exclusivo dos Snow's, já que sabia como Barry sempre dispensava qualquer ocasião em que envolviam a palavra 'competição' no meio, ou pelo menos dispensava quando essa palavra estava junta ao nome de sua esposa, sempre perdia para ela, e bem feio. Então, sempre que podia, ela dava o braço a torcer para esses pequenos desafios apenas para ver o sorriso grande que sua criança dava.


- Estamos chegando, pai? – Aurora perguntou, após alguns minutos de silêncio se instalarem no carro, que percorria a estrada deserta - Quero ver a Dolly – Se aproximou da janela, encostando o cotovelo na porta, fazendo um pequeno esforço para conseguir olhar para a estrada, já que sua altura dificultava as coisas.

- Apenas um pouco mais, raio de sol – Barry respirou fundo, piscando forte ao sentir sua vista cansada pelas longas horas de viagem – Por que não tira um cochilo? Deve estar cansada.

Ela torceu a cara em uma careta contrariada, mas se deu por vencida ao sentir seus olhinhos pesarem – Então se acomodou no banco traseiro, deitando a cabeça em seu travesseiro e se cobrindo por sua coberta e seu elefantinho roxo. Havia parado de usar a cadeirinha de segurança desde que prometeu aos seus pais, jamais retirar os cintos de segurança enquanto o carro estivesse em movimento.

- Mamãe, conta a história dos heróis de novo? Por favor – Bocejou encarando o teto, o raso sol que batia fraco em seu rosto, dava o sinal de que logo mais a noite chegaria. Se sentia cansada de estar na estrada desde cedo, mas achava extremamente divertido a viagem em família, com as brincadeiras que faziam dentro do carro não davam brechas para desânimos ou tédio em excesso.

- Ouve ela todos os dias, não prefere algo novo? – Cait sorriu com o pedido da filha, virando o rosto para apreciar seu rostinho pensativo, que prontamente discordou.

- Não, gosto dessa história – Deu um sorriso, fechando os olhinhos como fazia todas as noites, esperando a voz suave de sua mãe começar com o conto.

- Então está bem – Ela se virou novamente para se arrumar em seu banco, pondo a mão em cima da coxa de Barry ao ver a expressão cansada dele - Quer que eu dirija até chegarmos lá? Descanse um pouco.

- Nem pensar, você conta a história e eu nos levarei ao nosso pedaço de paraíso, posso dirigir por mais meia hora – Piscou para ela com uma feição presunçosa, colocando sua mão em cima da dela, agarrando firme os dedos macios.

- Certo, mas na volta para casa, quem dirige sou eu – Deu um leve riso ao ver a expressão contrariada dele, recostando sua cabeça sobre o encosto do banco - Era uma vez um time de heróis que..– Logo a fala dela foi cortada por Aurora.

- Não mãe, comece por onde você parou ontem.

- Onde eu parei mesmo? – Fez uma expressão pensativa, tentando recordar sua linha de raciocínio da noite passada.

- Na parte em que eles lutavam..– A voz da menor saiu falha pelo bocejo, a fazendo coçar os olhos para tentar se manter acordada até o final do conto.

- Oh, certo – Caity coçou um pouco a garganta, entrando em sua personagem - Então Catherine já transformada em sua forma dupla, desviou dos carros que estavam sendo lançados no meio de seu caminho, correndo de encontro ao companheiro de equipe, as trevas os cercavam por todos os lados, consumindo cada vez mais pedaços da cidade, espalhando o caos e a negatividade – Ela gesticulava com as mãos, dando olhares vez ou outra para Barry, que apenas sorria com a situação - Enquanto Bart lutava com os monstros que surgiam no meio daquela trevosa escuridão, Catherine com suas mãos mágicas, esculpia uma linda espada de luz, sendo acobertada por Cedric que fazia escudos protetores em volta do pequeno espaço em que estavam. Seus corações estavam enérgicos, junto a todos os poros de seus corpos que suplicavam paz e...

A visão da garotinha foi cada vez mais coberta pelo escuro, podia escutar os sussurros da voz de sua mãe, mas não compreendia ou conseguia distinguir uma só palavra. Então tudo oque se lembra foi de sentir o sono embalar- lhe.



….



As primeiras frestas de luz se faziam presente no grande quarto, entrando pela janela logo acima da cama de Aurora, oque de certa forma incomodou seus olhos. Depois de alguns minutos se virando no colchão e tentando pegar a linha do sono novamente, ela se deu por vencida e abriu seus olhos, revelando as lindas íris esverdeadas.

No primeiro momento, ela estranhou onde estava - Oh, eu não estava no carro? Como eu vim parar aqui? – Perguntas que toda e qualquer criança faz ao dormir em um local e acordar em outro.

Logo de imediato sua confusão foi tomada por uma imensa alegria ao notar que haviam finalmente chego a sua casa de campo. Ela agarrou seu elefantinho e se trocou em uma grande velocidade, pondo seus sapatos e saindo correndo de seu quarto, com os cabelos totalmente bagunçados espalhados por seu rosto.

Com alguns tropeços nos próprios pés, ela atravessou os corredores e chegou até a escada de madeira, pulando os degraus até finalmente chegar no térreo da casa com um sorriso enorme, olhando em volta a data aconchegante e com grandes sofás. Ao longe conseguia escutar os assobios animados de Barry na cozinha, preparando algo para o café da manhã.

- Papai! – Deu um grito animado após sentar no chão, agarrando os pés dele, o fazendo parar de andar e olhar para baixo para encará-la.

- Bom dia raio de sol – Ele riu das roupas totalmente tortas dela, passando a mão pelos fios de cabelo bagunçados - Acordou cedo hoje em, dormiu bem?

- Uhum….Pai, como fui parar na minha cama se eu estava dormindo no carro? – Ela o observou dar de ombros com um sorriso no rosto, abrindo a máquina de waffles e os colocando sob um prato com um garfo.

- Está com fome? É melhor comer se quiser ter energia para todas as atividades do dia – Levou uma mão na direção dela, a ajudando a se levantar.

- Não muita, cadê a mamãe? – Questionou após reparar que ela não estava na cozinha ou na sala lendo um livro como sempre fazia antes do café da manhã.

- Está lá fora, sabe como ela gosta de tomar um sol pela manhã – Piscou para ela, se virando para o balcão para terminar de cortar algumas frutas e pães - Quer ir chamá-la para o café?

A última coisa que ele sentiu foi os passos apressados correndo pelo chão de madeira para fora dali, o fazendo se contagiar pela reação da pequena. Antes de sair, Aurora fez questão de parar ao lado da mesa de café da manhã e pegar uma mão cheia de amoras frescas que estavam em um pequeno pote no centro, se dirigindo logo em seguida para a porta de vidro que estava aberta, dando acesso para o jardim.

Ela seguiu pela grama verde e florida o caminho conhecido daquele enorme terreno, contando todos os passos que dava enquanto comprimentava os animais ao longe, que estavam em seus respectivos pastos e cercados, estava louca para ver Dolly, sua pequena égua, tinha finalmente idade para poder montar. Guardando os cabinhos da fruta no bolso de seu vestido amarelo florido, suas mãos e bocas completamente sujas pela polpa das amoras.

Percorreu o olhar por volta da casa, até seus olhos focarem na mulher de cabelos ruivos, seus pés e barras do vestido se encontravam manchados pela terra onde estava abaixada. Se encontrava completamente distraída enquanto segurava uma câmera na mão e tirava fotos de uma linda roseira que crescia de encontro a parede da residência.

- BOM DIA! – Caitlin virou de costas, parando oque estava fazendo para ver a menina correr em sua direção e abraçar sua cintura com força.

- Hey querida, bom dia – Ela deu risada ao ver a situação desleixada e bagunçada que Aurora se encontrava - Acho que gostou de acordar aqui, não é?

- Com certeza sim! – O sorriso dela se alargou ao sentir os dedos finos e macios de sua mãe, passando por entre os fios de cabelo, para arrumar o penteado rebelde - Mãe, papai não me disse como fui parar na minha cama – Ela brincou com os dedos enquanto esperava a mulher amarrar o laço de seu vestido amarelo que tinha desamarrado na correria.

- Hum, como você acha que foi parar lá? – Cait segurou nos ombros da menor, podendo agora sim observar sua feição doce sem todos aqueles nós e fios em seu rosto.

- Eu não sei..– Pôs uma mão sobre o queixo fazendo uma expressão pensativa, então logo seus olhos se arregalaram junto a um perfeito O em seus lábios - E se forem os ratinhos com poderes especiais que ajudaram a Catherine a achar o caminho para o portal que a levava direto para o lar?

- Talvez – Balançou a cabeça sorrindo, admirando a imaginação dela. Ela se abaixou na altura de Aurora, olhando para os lados, como se estivesse procurando alguém que as estivesse observando, mesmo sendo as únicas ali naquele horário - Ouvi barulhos de pequenos ratinhos fora de casa esta noite – Ela sussurrou perto do ouvida da menor, vendo sua expressão de surpresa e maravilha em seus olhos.

- Foram os ratinhos! Eu sabia! – No mesmo instante, ela colocou as mãos sobre boca ao constatar que tinha dito aquilo rápido demais - Deixaram até o Ellie do meu lado – Apontou com a cabeça o pequeno elefante roxo em seus braços.

- Os animais podem nos escutar, e compreender quando precisamos de ajuda ou companhia – Se levantou novamente, passando uma mecha do cabelo da menor, por trás de sua orelha, tocando se leve a ponta de seu nariz - Se for gentil e carinhosa com eles, eles serão conosco também, estão saberá que sempre poderá contar com eles.

Ela mexeu a cabeça em concordância, sempre foi ensinada por seus pais desde muito cedo, a tratar todos com muita gentileza e empatia, principalmente os animais. Desviou o olhar de sua mão ao sentir o aroma gostoso das rosas trazidas pelo vento, seus olhos ficaram na linda roseira que Cait sempre se dedicará a cuidar.

- Mamãe, as flores estão lindas esse ano – Deu um sorriso de orelha a orelha a ver que o elogio tinha deixado a Snow com olhos brilhantes - Estão bem vermelhinhas – Se aproximou dar flores, tocando com muito cuidado uma pétala, sentindo a maciez no pequeno toque.

- Estão mesmo, estava dando uma pequena podada, e aproveitei para tirar lindas fotos, deixo você dar uma olhada depois – Piscou para ela, já prevendo que ela lhe perguntaria se poderia ver como ficaram as fotos, sabia que servia como desculpa para ela pôr seus dedinhos da câmera, sempre adorou ela - Mas antes tem que lavar essa mão….E essa boquinha suja – Levou sua mão ao canto da boca de Aurora, tentando limpar os respingos da fruta que estavam quase secos sobre a pele - Gostou das amoras que papai colheu hoje?

- Sim!! Estavam docinha...Sobrou uma – Abriu sua pequena mão, chamando a mãe para mais perto, assim então pondo com cuidado a fruta na boca dela.

- Hmm... Estão boas mesmo – Deu um suspiro, colocando a guia da câmera em volta de seu pescoço, então olhando para a menor - Vamos comer todas sem ele ver.

- Vamos! – Ela deu um grito de animação, ao sentir sair do chão e milhares de beijos sendo distribuídos pelo seu rosto e pescoço - Papai disse para vir te chamar para o café.

- Então vamos lá, se demorarmos mais, é capaz de termos que pedir ao Félix que divida o feno dele conosco – Começou a andar pela grama, enquanto fazia cócegas na barriga da criança, que apenas dava um riso gostoso de se ouvir.

- Mamãe, Félix não gosta de dividir a comida com ninguém, aquele cavalinho é malvado – Segurou a mão de Cait para conseguir respirar pelas cócegas, lembrando como da última vez que estiveram ali, Félix comeu o laço de seu cabelo.

- Eí! Achei que teria que ir chamar as madames – Barry apareceu na porta de entrada da casa, usando um avental com as mãos na cintura, ao ver elas se aproximarem.

- Não exagere, demoramos só um pouquinho – Cait fez uma careta divertida, se aproximando do marido e lhe dando um selinho demorado, oque fez Aurora colocar as mãos nos olhos com uma careta desgostosa.

- Hum...Achei que teria de comer todas aquelas coisas gostosas sozinhos – Fez um bico ao ver Cait desviar de outro selinho e adentrar a casa com Aurora - Malvada.

- Isso não seria um problema para você, Barr – Sorriu com a expressão de descrença dele, indo até a pia da cozinha, lavando suas mãos junto à pequena.

- Está me chamando de guloso? – Retirou o avental com indignação, pondo ele no encosto de sua cadeira.

- É exatamente isso oque estou querendo dizer, e nós dois sabemos bem disso – Lançou um olhar para ele o fazendo bufar - Conseguiu comer quase todas as sobremesas na nossa lua de mel.

- Nunca esquecerei aquela torta cremosa de nozes... Nunca – Colocou a mão sobre o peito, olhando para cima ao se recordar do doce de anos atrás.

- Podemos fazer essa torta? – Aurora que até o momento estava calada, pronunciou com curiosidade enquanto se sentava em uma das cadeiras da mesa.

- Mais tarde podemos ver se a nogueira deu frutos, se conseguirmos colher algumas nozes podemos tentar fazer – Cait deu de ombros se sentando junto a Barry na mesa.

- Ebaaa! Agora vamos agradecer ao papai do céu pelo alimento, e vamos comer – Deixou Ellie na cadeira ao seu lado, assim começando a oração com seus pais, para então, poderem desfrutar daquele alimento e da companhia um do outro.





Notas Finais


Espero que tenham gostado!!

Pegaram as referências? 👀👀👀

Bom, aí vai;

"Elefantinho roxo" – Roxo? É amor.

"Raio de sol" – My Little Sunshine.

"Competição" – Luzes de Benquerença.

Querem mais?? Digam nós comentários oque acharam 🥰, adoro ouvir a opinião de vocês.

Beijinhos gelados.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...