1. Spirit Fanfics >
  2. Liga da Justiça: Luta pela Paz >
  3. Vingança contra Gotham

História Liga da Justiça: Luta pela Paz - Capítulo 36


Escrita por:


Notas do Autor


Continuação do arco anterior.

Capítulo 36 - Vingança contra Gotham


Fanfic / Fanfiction Liga da Justiça: Luta pela Paz - Capítulo 36 - Vingança contra Gotham

DUPARTAMENTO DE POLICIA DE GOTHAM CITY, 22:00 PM

Jim Gordon espera pelo Cruzado Encapuzado com o bat-sinal aceso, como de costume. O morcego aparece.

Gordon: Assaltaram seu orfanato hoje, ficou sabendo?

Batman: Estou investigando. Mas estou ocupado com outro caso.

Gordon: O mais engraçado foi a roupado sujeito e o nome com o qual ele se apresentou. Homem das Bolinhas. O cara deve ser um obcecado. Quando ele assaltou o lugar, tavam decorando com bolinhas também. 

Batman se lembrou. O evento beneficente onde aconteceu o sequestro, era pra arrecadar fundos para a Páscoa da Fundação Wayne. E curiosamente estava decorado da mesma forma. Batman a princípio duvidou que houvesse uma conexão, mas preferiu seguir seu instinto. Quando Gordon virou de costas, ele aciona o gancho e some.

Gordon: Bom, de qualquer forma... aff. Não sei como ainda não me acostumei. 

O morcego anda com o Batmóvel.

Batman: Alfred, o que mais descobriu sobre Krill.

Alfred: Agora que falou, estava lendo que ele passou por várias sessões psiquiátricas quando criança e foi constatado com esquizofrenia. De acordo com os laudos médicos, ele se distraía fortemente quando via...

Batman: Esferas coloridas?

Alfred: O senhor já sabia?

Batman: Alfred, pode parecer loucura, mas Abner Krill assaltou o orfanato. É assim que ele consegue dinheiro para armamento e para contratar capangas. Ele fez isso durante anos, mas sempre passou despercebido no meio de toda a criminalidade. Ele pode ser esquizofrênico, mas é um gênio.

Alfred: Admiro toda a engenhosidade dessa tese, mas se ele gosta de bolinhas, por que criaria confusões em lugares com tal característica?

Batman: Vingança, talvez? Isso ja não interessa. O que interessa agora é encontrá-lo.

Alfred: Já ia falar disso. Ele foi visto entrando num barco particular no porto da cidade. Segundo os satélites, ele está indo agora para Metrópolis.

Batman: Envie o jato. Estou indo pra lá .

Batman acelera e vai em direção ao porto. Ele para e corre em direção à água. O Batwing chega e ele pula em cima dele e entra. Ele traça o curso pra Metropolis. Que também está sendo decorada pra Páscoa. Uma grande feira no Centro da cidade está sendo organizada. A imprensa está lá. E isso inclui Clark Kent, Lois Lane, Conner Kent e Jimmy Olsen. Chega uma van preta, que se abre e vários terroristas saem armados, rendendo todos os que estavam lá. Entre eles estava Abner Krill. Um deles apontou uma arma para Clark e Conner, impedindo eles de agir sem se expor. O Batman aparece com o Batwing e atira na van, e esta explode. Ele sai do veículo e salta em meio aos bandidos. Ele segura a arma de um e chuta ele. O outro dispara contra ele, mas ele se defende com as mãos e dá um soco no atirador. Ele joga um bat-rangue em outro atirador. Krill segura Lois e aponta uma arma pra ela.

Abner Krill: Não se mexa. Ou eu atiro nela.

Batman: Você não quer fazer isso.

Abner: Ah, como eu quero.

Batman: Por que?

Abner: Aquela maldita cidade me trato como lixo! Chegou a hora da vingança.

Batman: Se seu problema é com Gotham, por que trouxe as coisas pra cá? 

Abner: Tudo o que for preciso pra fazer aquela cidade queimar.

Num momento de descuido, Conner corre e veste seu traje, e volta, tirando Lois das mãos dele.

Abner: Não!!

O Homem das Bolinhas atira contra ele, mas o Batman entra na frente, tira a arma da mão dele e dá um soco no rosto dele, derrubando-o. Batman ajoelha em cima dele e dá socos sem parar no rosto dele. Alfred acompanha tudo pelo rádio. 

Alfred: Patrão Bruce!! Pare! Ele é louco! O senhor está exagerando.

Batman continua.

Batman: O Coringa também! Isso me faz ter que ter pena dele?!

Alfred: É diferente! E aquele papo de matar assassinos?

Batman para. Aquilo que ele está fazendo vai contra seus próprios princípios. O que Prometheus fez com ele o afetou profundamente. Ele se levanta, aciona a pistola de gancho e desaparece no meio dos prédios. Ele aciona a Polícia com um aparelho que criou para tal. Ele encontra o Superman.

Superman: O que aconteceu? Aquilo não foi normal.

Batman: Eu... só estava protegendo a cidade.

Superman: Eu sei quando está mentindo.

Batman: Depois conversamos.

Batman volta pra caverna.

Alfred: Aquilo não foi o senhor.

Bruce: O que?

Alfred: Não foi o Batman. O senhor agrediu um sujeito sem escrúpulos e sem noção do que estava fazendo de forma brutal. Isso não é o que o senhor faz.

Bruce: Olha, Alfred, eu vou aceita você me questionar. Se Prometheus me ensinou algo, é que qualquer um pode ser tão hostil quanto o pior dos criminosos. Somos humanos, funcionamos assim.

Alfred: Inclusive o senhor.

Os dois se olham.

Alfred: Mas se o senhor vai se corromper, me desculpe (cai uma lágrima de seus olhos), mas não farei parte disso.

Bruce: Você... você vai embora? Depois de tanto tempo, vai me abandonar por que espanquei um maluco?

Alfred: Não vou abandonar o senhor. Quando o senhor enxergar que isso não vai resolver o problema, e que se rebaixar ao nível dos psicopatas não ajuda a combatê-Los, poderá contar comigo novamente.

Bruce: Somos criminosos Alfred, sempre fomos. Nada mudou.

Alfred: Tudo mudou, senhor. O senhor era um homem bom.

Alfred entra no elevador e sobe. Do outro lado da cidade, a Polícia entra num galpão onde foi dito que houve uma denúncia de agressão e violência. Os policiais ligaram a lanterna e viram um monte de corpos nus, com marcas de facas e uma grande cicatriz em forma de suástica no peito de cada um.



Notas Finais


No próximo, um arco focado na Mulher Maravilha. Devo postar amanhã.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...