História Ligados pelo Amor (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Amor, Bangtan Boys, Bts, Casamento, Filhos, Hentai, Hoseok, Imagine Jungkook, Jeon Jungkook, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Papais De Primeira Viagem, Romance, Segunda Temporada, Sexo, Taehyung, Violencia, Xputh, Yoongi
Visualizações 1.630
Palavras 2.729
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amores! ❤

Mais uma vez, obrigada por todo o carinho e apoio a continuação de Ligados pelo Desejo.

Eu amo vocês e não é pouco! 🤧💕

Tenham uma boa leitura. 🌸🌸🌸

Capítulo 3 - Festa de inauguração da empresa.


Fanfic / Fanfiction Ligados pelo Amor (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 3 - Festa de inauguração da empresa.

Durante o caminho de volta para a nossa casa, algumas lágrimas molharam o meu rosto e Maia não me questionou em momento algum. A minha melhor amiga fez o contorno e eu arqueei as sobrancelhas confusa, logo percebi que estávamos indo para a sua casa. Enzo dormia tranquilamente em sua cadeirinha, enquanto uma confusão predominava em meu peito. Justo a Melanie? Por que ela estava com ele? Por que Jungkook tinha que ser daquele jeito? Quando chegamos a residência da Maia, nós fomos diretamente para o seu quarto em um silêncio profundo. A loira colocou um colchão no chão e deitou-se ali com o Enzo, deixando sua cama para mim.

— Maia... — Choraminguei.

— Vai ficar tudo bem. Não chore, por favor. — Pediu calma, exibindo um sorriso para me confortar. — Você tem a mim, então fique tranquila.

— Obrigada. — Sussurrei sem graça.

— Descanse um pouco. Vou ficar aqui e velar o sono do Enzo. — Sorriu.

— Tudo bem. — Assenti, me enrolando no cobertor quentinho e fechando os olhos.

Acordei um tempo depois sozinha no quarto. Cocei os olhos e me levantei, indo até o banheiro. Olhei a hora em meu celular e era quase dez da noite. Desci a escada silenciosamente, ouvindo a voz do Jungkook e da Maia. Ambos se encontravam na cozinha. O Jeon segurava o nosso filho nos braços o balançando com delicadeza, depositando pequenos beijinhos em sua testa. Entrei no cômodo e fui até a geladeira, enchendo um copo com água e o bebendo de uma vez. Enxaguei o copo e fitei o Jeon, este sorriu fraco e murmurou um “desculpa”. Senti meu sangue ferver, no entanto, a dor ainda era maior. Segurei as minhas lágrimas e olhei para a minha melhor amiga, esta suspirou e deixou a cozinha depois de pegar o Enzo.

— Meu amor, eu posso explicar o que aconteceu? — Perguntou, se aproximando até deixar os nossos corpos em uma distância perigosa.

— Explicar que você estava mentindo e que foi se encontrar com a sua ex namorada? — Cruzei os braços, sorrindo irônica. — Jungkook, eu pensei que você...

Calou-me ao colocar o seu indicador em minha boca, fixando seus olhos escuros nos meus.

— Eu almocei com o Derick, com o Joel e com alguns sócios do seu pai. — Começou, acariciando minha bochecha. — Decidimos tudo e até olhamos o lugar para construirmos. Cada um entrará com uma quantidade de capital e o contrato já está em andamento. O Joel disse que na segunda-feira já estará pronto.

— E a Melanie entra aonde? — Afastei a sua mão, dando alguns passos para trás.

— Eu a encontrei por acaso no shopping, amor. Passei para comprar alguns presentes pra vocês e depois nós iríamos comemorar o sucesso do almoço de negócios. — Coçou a nuca, sorrindo sem jeito. — Você, o Enzo e eu.

— Aí você pensou em comemorar com a Melanie. — Ri desacreditada, desviando o olhar. — Não acredito em você.

— Por quê? — Ofegou surpreso.

— Ainda pergunta, Jeon? — Senti meus olhos marejarem. — Eu amo você e jamais pediria para algum ex me ajudar a escolher o presente do meu filho! — Cuspi as palavras.

Jungkook suspirou e esfregou as mãos em sua face, se aproximando. Ele ainda usava a mesma roupa de cedo e demonstrava sinais de cansaço. Apenas o observei em silêncio e a vontade de chorar aumentou. Ultimamente venho estado muito frágil.

— Acredita em mim, por favor. — Pediu, se aproximando e me encurralando contra a mesa. — Eu jamais vou te deixar, amor. Em hipótese alguma. — Segurou o meu rosto. — Não senti nada ao conversar com a Melanie. Ela apenas foi gentil e me ajudou a encontrar o presente perfeito pra você. — Enxugou o meu rosto com carinho, me dando um selinho. — Acha que eu trocaria o meu casamento, a minha mulher e o meu filho por ela? — Indagou, olhando em meus olhos de maneira profunda.

— Você não atendeu as minhas ligações e nem me retornou, Jungkook. — O empurrei de leve, saindo daquele aperto.

— Eu estava ocupado, desculpe. — Suspirou pesado. — Eu te amo. — O encarei com o coração derretido, sentindo o meu corpo estremecer. — Vamos pra casa, meu amor?

— Tudo bem. — Concordei baixinho e antes que ele me abraçasse, deixei a cozinha.

Subi até o quarto da Maia, pegando a bolsa do meu filho e retornei para a sala. Jungkook me olhou um tanto quanto cabisbaixo, com as mãos nos bolsos de sua calça social. Peguei o Enzo nos braços e dei um beijinho em sua bochecha, fazendo o pequeno se remexer. Meu marido colocou a cadeirinha no banco de seu carro e eu coloquei o nosso filho ali. O caminho até a nossa casa foi silencioso, apenas trocamos olhares rápidos. Assim que chegamos, desci do veículo e peguei o Enzo no colo. Após colocá-lo no berço, tirei toda a minha roupa e vesti uma camisola de ceda, prendendo meu cabelo em um coque. Jeongguk entrou no banheiro e ouvi o barulho do chuveiro sendo ligado. Suspirei profundamente, sentando sobre o colchão macio e olhando as fotos do nosso casamento na cômoda.

— Amor? — Ouvi a voz do Jeon e olhei na direção da porta, engolindo em seco. — Pode pegar a toalha pra mim?

— Ok. — Falei baixo.

Peguei a toalha e fui até ele, buscando não olhar para o seu corpo forte e que tanto me atraía. Lhe entreguei e retornei para a cama. Jungkook saiu do banheiro e vestiu-se rapidamente, ocupando o seu espaço no colchão. Deitei de costas para ele encolhendo o meu corpo. Kook me cobriu e beijou a minha bochecha, no entanto, não me abraçou como costumava sempre fazer. Adormecemos assim, um de costas para o outro. Acordei de madrugada sentindo meus pés gelados, até a pontinha do meu nariz estava gelada. Jungkook por sua vez dormia tranquilamente, apenas com a cintura coberta pelo cobertor. Não resisti e me aproximei dele, dando um beijo em sua bochecha e deitando em seu peito. Seus braços logo me rodearam e eu sorri fraco, fechando os olhos e me entregando ao sono.

— Boa noite, meu amor. — Kook murmurou e me apertou, depositando um beijo em meus cabelos.


Dois Meses Depois.

Sexta-Feira, às 14h30min.

Enzo brincava com os carrinhos no colchão inflável, enquanto a costureira fazia os últimos ajustes em meu vestido. Jungkook ainda não tinha chegado do salão, pois a equipe da decoração tinha errado em algumas partes e o Kook queria que tudo ficasse perfeito na festa de inauguração da empresa. Ele trabalhou duro e a empresa foi construída em menos de dois meses. Tudo voltou ao normal entre nós e mesmo o meu marido passando algumas horas fora de casa, tenho confiado nele como nunca confiei antes. Jeongguk é um ótimo pai e um perfeito marido, não posso julgá-lo nesses quesitos.

— Quantos anos tem, querida? Parece tão jovem. — Eliza, a costureira, perguntou sorrindo.

— Fiz vinte e um. — Sorri fraco.

— E o seu marido? — Torci o nariz. — Desculpe. Estou sendo invasiva demais.

— Não, tudo bem. — Sorri fraco. — Jungkook tem trinta e quatro.

— Vocês formam uma linda família. Parabéns! — Sorriu.

— Obrigada Eliza. — Sorri. — Tudo pronto com o vestido?

— Sim. — Assentiu. — Passe mais vezes na loja. Você tem o corpo lindo, nem parece que tem uma fofurinha daquela. — Olhou para o meu filho.

— Obrigada. — Ri de seu comentário. — Vou te acompanhar até a saída.

— Não precisa. — Negou sorrindo. — Tire o vestido e o pendure, está bem?

— Certo. Obrigada novamente. — Agradeci.

Depois que Eliza foi embora tirei o vestido e o pendurei, assim como ela disse. Deitei ao lado do meu filho cheirando os seus cabelinhos negros e lisos, arrancando uma risadinha gostosa do meu homenzinho. Marina trouxe algumas maçãs sem casca e cortadas em pequenos pedaços para que o Enzo não engasgasse. Comi alguns pedaços e incentivei o meu filho a colocar os pedaços em sua boquinha, porém ele não conseguia, o que me fez rir baixinho. Ao escutarmos o barulho do conversível, o meu bebê bateu palminhas e vi os seus olhinhos redondos ganharem um lindo brilho.

— O papai chegou, meu filho. — Sussurrei, colocando o bebê sentado em minhas coxas.

Enzo começou a pular empolgado, batendo palminhas e fazendo um barulhinho com a boca. Jungkook surgiu em nosso campo de visão, com um sorriso enorme no rosto. Eu podia visualizar o seu cansaço a metros de distância. O meu marido veio até nós e tomou o garotinho de meus braços, o rodando e beijando suas bochechas gordinhas. O nosso menininho riu manhoso e abraçou o pai todo sorridente, deixando transparecer o quão importante Jeongguk era. Jungkook olhava para o pequeno todo babão, acariciando o rostinho do garotinho sorridente em seus braços.

— E eu não ganho nenhum beijo? — Perguntei manhosa, me colocando de pé.

— Ganha até dois, hm? — O moreno sorriu e colou nossas bocas em um beijo gostoso. — Como você pode, hein?

— Posso o quê? — Questionei confusa.

— Ser tão linda assim. — Sorriu ladino, me cantando.

— Idiota. — Dei um tapa em seu peitoral rígido, sorrindo derretida com o seu elogio.

— Estava morto de saudades de vocês. — Me abraçou com apenas um braço, o outro segurava o nosso menininho. Beijou minha testa e sorriu. — Arrumou o vestido?

— Sim. — Sorri, encostando em seu corpo. — Tenho que estar bem linda, não?

— Você já é linda. — Ditou sério, olhando em meus olhos de maneira profunda.

— Tenho que ficar mais linda. — Mordi os lábios.

— Só se for pra eu bater em alguns caras hoje. — Semicerrou os olhos.

— Só tenho olhos pra você, Kookie. — Beijei sua bochecha.

— Mas existem muitos que têm olhos pra você, amor. — Suspirou. — Enfim... — Pigarreou. — Tudo pronto para hoje à noite.

— Você está tão abatido... — Segurei o seu rosto entre as mãos. — Por que não toma um banho quente e descansa um pouco?

— Tudo bem. — Deu um beijinho na testa do Enzo.

— Vou pedir para a Marina preparar um chocolate quente e aqueles biscoitos que você adora. — Apertei suas bochechas, o fazendo resmungar.

— Obrigado. — Me deu um selinho demorado deixando a sala e indo para o nosso quarto, levando o nosso filho consigo.

(...)

Jungkook abriu a porta e desci do veículo, pegando o Enzo no colo. O nosso filho estava mais animado do que todos os outros dias. Ele batia palminhas a cada segundo e sorria sem parar, fazendo alguns barulhinhos com a boca. Kook pegou a bolsa do Enzo, a qual tinha fraldas, lenços, bolachinhas de água e sal e uma roupinha. Entramos no salão e a atenção de todas as pessoas foram para nós. Cumprimentamos as pessoas que ali estavam e confesso que eu não conhecia nem metade de todos os convidados. Depois que o contrato se firmou, outros empresários procuraram o meu marido para também ingressarem como sócios e a associação cresceu bastante.

— Como é o nome dele mesmo? — Joel indagou sorridente, olhando para o meu filho.

— Enzo. Jeon Enzo. — Kook respondeu, passando o braço ao redor de meus ombros. Ele parecia incomodado com algo desde que chegamos no salão. — Vamos sentar com o seu pai?

— Vamos. — Sorri.

— Você está linda, minha filha. — Papai me elogiou assim que sentamos na mesa que ele ocupava.

— Obrigada. O senhor também está lindo, pai. — Sorri.

— Me deixe pegar o meu neto. — Pegou o garotinho do meu colo beijando suas bochechas gordinhas, as quais me lembravam as do Jeon. — O vovô é um vovô novo, não? — Brincou o mais velho, arrancando um riso meu e do meu marido.

— Eu já disse que você está linda? — Kook sussurrou em meu ouvido de forma rouca e sensual.

Mexi as pernas levemente excitada com a sua voz.

— Já. — Sussurrei de volta, beijando sua bochecha demoradamente. — Você está muito gostoso nessa camisa.

— Gosto do seu atrevimento, meu amor. — Riu sacana, mordiscando o lábio.

— Gosto do que tem embaixo de todos esses panos. — Falei sapeca, apertando sua coxa grossa.

— Por que está me provocando assim? — Reclamou em um tom manhoso, fitando os meus lábios.

— Porque é muito bom te provocar. — Respondi simplista, dando de ombros. — E porque gosto de ser punida.

— Cala a boca. — Ditou autoritário, arfando. — É sério, amor. Cale essa boquinha, ok?

Aproximei minha boca de seu ouvido, logo sussurrando.

— Não quer calar com a sua?

— Vocês dois! — Papai nos repreendeu. — Parem com isso, por favor.

— Desculpe Ryan. — Kook segurou o riso e me deu um selinho, passando sua grande mão pela fenda do meu vestido. — E você mocinha, irá me pagar depois. — Apertou a minha coxa, me fazendo suspirar.

— Pode deixar. — Sorri manhosa fitando os seus braços musculosos, os quais estavam devidamente marcados pela camisa branca que o Jeon usava. — Não vai conversar com os seus amigos, amor?

— Agora não. — Entrelaçou nossas mãos. — Prefiro ficar aqui, ao lado da minha mulher.

— Adoro quando me chama assim. — Lhe dei um beijo rápido.

— De minha mulher? — Arqueou as sobrancelhas. Assenti em resposta. — Você é minha mulher. Minha, totalmente minha.

— O que vocês têm que estão nessa melosidade toda? — Escutamos a voz do Yoongi e nos separamos.

— Deixe eles, Yoongi. — Jimin repreendeu o pálido, soltando um risinho.

— Não acredito que vocês vieram! — Jungkook exclamou surpreso, levantando e cumprimentando seus amigos. — Por que não me avisaram?

— A (S/N) disse que queria fazer uma surpresa. — Taehyung sorriu quadrado.

— Essa mulher é demais, não? — Namjoon me abraçou carinhosamente, beijando a minha testa.

— Namjoon... — Kook semicerrou os olhos, fazendo todos rirem. — Estou brincando. — Soltou um riso divertido. — Obrigado pela surpresa, amor. — Me abraçou de lado.

— Não foi nada. — Sorri.

— E vocês todos mentiram que não poderiam vir! — Jungkook estalou a língua, balançando a cabeça em sinal de negação.

— Fazia parte do nosso plano. — Hoseok gargalhou.

— Vamos juntar as mesas? — Jimin sugeriu sorridente.

— Vamos. — Os rapazes concordaram e juntaram mais duas mesas com a nossa.

— Passamos na porta da empresa e é realmente grande, Jeongguk. — Jin comentou. — Parabéns.

— Obrigado. — Kook coçou a nuca, com um sorrisinho.

— Jungkook está corado! — Yoongi apontou e todos rimos, deixando o meu marido ainda mais vermelho.

— Não só de safadezas vive um homem! — Taehyung gargalhou.

— Tae! — Namjoon o cutucou.

— Tudo bem, Namjoon. — Sorri.

— Quando será inaugurada mesmo? — O Jung questionou.

— Na segunda-feira. — Jungkook respondeu. — Já estamos com mais de cem funcionários.

— A propósito, contratou uma secretária? — Jin indagou.

— Ainda não. — Jeongguk me olhou rapidamente. — Acho que ainda não preciso de uma secretária.

— Contanto que ela tenha mais de cinquenta. — Comentei, dando de ombros.

— Por isso que eu adoro ela! — Jimin riu soprado, estendendo sua mão esquerda.

— Aquele não é o Charlie? Pai do Bradley? — Sussurrei para o Kook.

— Sim. Ele é um dos investidores. — O meu marido explicou.

— Jeon! — Charlie sorriu. — Senhorita (S/N), encantadora como sempre. — Pegou a minha mão esquerda, beijando o dorso desta.

— Charlie Carter. — Jungkook sorriu sem mostrar os dentes. — Como vai?

— Bem, obrigado. — Respondeu educado. — Olá Ryan.

— Charlie, amigo! — Ambos cumprimentaram-se.

— O seu netinho é uma graça. — Constatou. — Posso pegá-lo em meus braços?

— Pode. — Papai consentiu.

— Vou ao banheiro, Kookie. — Avisei, deixando um beijo em sua bochecha.

— Vou com você. — Ditou sério.

No caminho até o banheiro cumprimentamos os outros convidados e todos nos desejaram felicidades por nossa família. Após retocar o meu batom, saí do banheiro e encontrei meu marido do lado de fora, me esperando. Entrelaçamos nossas mãos e voltamos para a mesa. Interagi com os seus amigos, os quais também tinham se tornado meus amigos e em meio a uma conversa e outra, Yoongi perguntou.

— Quando terão mais filhos? Aposto que praticam o ato todas às noites.

Papai engasgou, Jungkook engasgou e eu quase caí da cadeira.

— Yoongi! — Jimin repreendeu o amigo. — Deixa de ser inconveniente, pelo amor de Deus.

Depois do momento de tensão, todos rimos e Jungkook me olhou de forma diferente, fitando o meu ventre com um sorrisinho indecifrável.

— Quem sabe, Yoongi. Quem sabe... 


Notas Finais


Yoongi é muito atrevido, socorro! 😂🆘️

Será que teremos mais um baby??? A (S/N) é uma esposa maravilhosa. Jungkook tem muita sorte, manas. 💕

Eu morro de amores pelo Enzo, sério mesmo. Só eu que sou assim? 😍

Estão gostando? Comentem para me deixar feliz. Adoro ler a opinião de vocês. 🌻💛

Beijos e até o próximo! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...