História Ligados pelo Destino - Interativa - Capítulo 3


Escrita por: , Sulli_- e Cloreto-

Postado
Categorias Mitologia Grega, Saint Seiya
Personagens Albafica de Peixes, Asmita de Virgem, Aspros de Gêmeos, Atena (Sasha), Defteros de Gêmeos, Dohko de Libra, El Cid de Capricórnio, Hades, Hasgard de Touro, Hypnos, Kagaho de Benu, Kardia de Escorpião, Minos de Grifon, Personagens Originais, Regulus de Leão, Shion de Áries, Sísifos de Sagitário, Tenma de Pégaso
Tags Interativa, Saint Seiya, The Lost Canvas, Universo Alternativo
Visualizações 72
Palavras 3.927
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


YOOOOOOY
Lá vai o primeiro capítulo dessa coisa linda!!
Lembrando que ainda estou aceitando fichas, então manda brasa ^^

Capítulo 3 - Um: Cabelos de Fogo


Fanfic / Fanfiction Ligados pelo Destino - Interativa - Capítulo 3 - Um: Cabelos de Fogo

Uma longa viagem começa por um passo.

 

──Provérbio Chinês

 

 

Desde as longínquas eras mitológicas, a deusa Athena protetora da Terra e Hades o imperador do inferno, enfrentam-se a cada dois séculos pelo domínio da Terra, sendo conhecida como a Guerra Santa. Neste século, mais uma batalha sagrada estava prestes a começar, e sempre que as forças do mal ameaçam a Terra, os guerreiros da esperança surgem para defendê-la, esses são os lendários cavaleiros de Athena, que lutam arriscando suas vidas usando poderosas armaduras que recebem o nome de cada uma das 88 constelações protetoras. Dentre os cavaleiros, os mais poderosos e próximos a Athena são os doze Cavaleiros de Ouro, sendo que suas armaduras são todas regentes das constelações do zodíaco.

 

 

Afrodite não conseguia controlar tamanha felicidade que sentia naquele instante em que Cassandra aceitou fazer parte de seu plano, era a peça que se encaixava perfeitamente ao quebra-cabeça. Com isso, lhe deu um forte abraço que chegou até a tirá-la do chão, e um beijo bem demorado em sua testa, o que fez com que a jovem ficasse um pouco envergonhada com tal demonstração de afeto.

 

— Você realmente é uma deusa um tanto quanto amorosa... - resmungou em um tom bem baixo para que Afrodite não escutasse.

 

Nesse momento só estavam as duas na enorme biblioteca, em um silêncio que permitia até mesmo escutar os pássaros cantando do lado de fora. Hécate havia saído por um curto tempo para buscar os itens necessários que dariam o último toque ao feitiço.

Aquilo tudo foi tão repentinamente que deixava Cassie nervosa. Quando iria passar por sua cabeça que precisam de sua ajuda? Exatamente, nunca. Sua cabeça estava cheia de pensamentos ao mesmo tempo, só sabia ficar balançando seu corpo para tentar se acalmar e processar tudo aquilo, o que foi muito em vão.

A Guerra Santa, Athena e Hades, tudo aquilo parecia ser semelhantes aos sonhos que estava tendo, então ela infelizmente teria que admitir que Hades estava certo.

 

— Creio que vai precisar de alguma bolsa ou algo do tipo para carregar essas coisas. - surgia das sombras a deusa da magia com uma grande quantidade de frascos em seus braços. - Se não for tomado o cuidado necessário, você pode fazer com que eles percam o seu efeito, então... - distribuía os vidros um por um para os braços de sua filha, que quase os deixava cair conforme a quantidade ia aumentando. - Seja muito cautelosa.

 

— Não acha que são coisas demais para um só feitiço? - questionava à sua mãe. - Com certeza há coisas aqui que não utilizarei em momento algum.

 

— Eu sei muito bem das coisas. - terminava de lhe dar o último vidro. - Tanto que, o templo de Athena deve estar cheio de espectros que com certeza vão querer te matar, e também pelo o que sei, você não tem muita habilidade em combate. - aquelas palavras sinceras flechavam o pobre coração da loira.

 

— Amores, não querendo atrapalhar mas já atrapalhando. - Afrodite interrompia a conversa em um tom sereno. -Precisamos nos apressar, não temos todo o tempo do universo. - sua doce voz era tão encantadora - Mas, sobre os espectros que sua mãe disse, eles são muito poderosos, tanto que perdi uma pessoa que considerava amiga por conta deles. - seu olhar rapidamente se tornou meio abatido.

 

— Hulda, ou melhor Côme, não é? - perguntava Hécate curiosa. - Se for ela, já ouvi muitos falarem de seu jeito bruto e de seu final, foi um tremendo choque até onde sei.

 

— Exatamente, e foi em defesa de um de seus discípulos. - Afrodite soltava um suspiro de tristeza - Cassie, imagine que até mesmo ela sendo uma das amazonas mais fortes, teve como final a morte. - agora encarava Cassie com um olhar preocupado. - E nós... nós não queremos que o mesmo aconteça com você, então por favor tenha cuidado e use tudo isso que sua mãe te entregou para sua proteção, você sabe muito bem usar cada coisa que está aí.

 

Hécate apenas fitava a sua filha com um olhar preocupado, muito preocupado. Era um pouco difícil para ela deixar com que vá sozinha à essa guerra, e ainda mais sem saber qual seria o destino dela, mas ela deveria confiar em seu potencial a todo custo.

 

— Acho que esse lugar é ótimo. - a deusa da magia solta as palavras do nada enquanto olhava para o chão. 

 

Os olhos da deusa emitem um brilho extremamente forte enquanto analisava todo o lugar em que estavam, as outras duas mulheres só sabiam olha-lá se perguntando o que diabos ela estava fazendo.

 

— Hum? Ótimo para que? - a jovem loira agora encarava o chão juntamente a sua mãe.

 

— Para isso aqui.

 

A deusa, de forma ágil, empurra sua filha em direção ao chão, para que caísse de frente, e a reação de Cassandra foi, nada menos que, gritar de forma desesperada à espera da dor que iria sentir conforme entrasse em contato com o chão.

 


 

Rodorio, um lugar que era tão calmo e lindo, transmitia uma paz com seus moradores, tudo ali era muito agradável. Agora, não passava de ruínas, quase todas as casas totalmente destruídas, pessoas caídas no chão feridas gravemente ou escondidas nos escombros rezando para que tudo aquilo acabasse logo.

 

— Para onde estamos indo? 

 

— Eu sinceramente não faço ideia, mas torça para que nenhum de nós dois morra até lá.

 

Duas pessoas encapuzadas, com uma grande diferença de altura, eram vistas correndo por entre os destroços de Rodorio na tentativa de achar algum lugar e se esconder. Pareciam estar perdidas em meio à toda aquela bagunça, não sabiam ao certo para onde ir e acabaram por entrar em um local sem saída alguma entre duas casas, para o grande desespero delas.

A pequena figura só sabia tremer e ficar abraçado a perna da figura maior, que não parava de olhar ao seu redor em alerta caso alguém aparecesse. Tudo estava "calmo", aparentemente nenhum inimigo estava próximo, era o que pensavam.

Em questão de segundos algum material atingiu o chão de Rodorio, causando um tremor por toda a vila.

 

— ERICK, ATRÁS DE MIM AGORA! - ordenava uma figura encapuzada ao pequeno.

 

— NÃO, EU NÃO VOU DEIXAR VOCÊ MORRER! - a criança berrava com lágrimas surgindo em seus olhos.

 

— Erick, me ouça atentamente. - falava a outra pessoa calmamente, enquanto retirava seu capuz. - Eu não quero que nada, nada mesmo, aconteça com você. Já perdi Hulda para um desses demônios e não vou perder você também. - a figura se revelou sendo uma mulher, seus cabelos vermelhos que se assemelhavam as brasas quentes do fogo, com belos pares de olhos com um tom roxo um tanto incomum.

 

— Lilith... e-eu...

 

— Vejo que só facilitaram o meu trabalho de encurrala-los. - uma voz surgiu do nada, algo que assustou os dois instantaneamente.

 

— QUEM É VOCÊ?ESTÁ COM MEDO DE MIM? ANDE, REVELE-SE! - gritava a ruiva com um sorriso estampado em seu rosto.

 

— Está se achando a corajosa, interessante. - a voz parecia ter se distanciado.

 

A cabelos de fogo pode sentir sobre si uma energia estranha, "Então o ataque seria por cima?" tentava ser mais rápida que seu inimigo e evitar o possível golpe.

Rapidamente empurrou Erick para o canto com todas as suas forças, no mesmo instante já dando de cara com um espectro a jogando com toda força contra o chão, resultando em uma enorme cratera.

Ela podia sentir suas costas quebrando cada camada que existia ali, que não era nada difíceis de quebrar por sinal. De forma alguma conseguia inverter a posição em que estava, o espectro segurava seu pescoço e isso tornava cada vez mais complicado respirar.

O último impacto ocorreu, a camada era dura o suficiente para ter causado uma grave lesão em suas costas.

 

— Ah, que pena, você ainda está respirando. - o espectro levantava de cima de Lilith.

 

— S-s-seu...

 

— Seu? - dizia na espera da garota termina a frase. - Lindo? Forte? Brilhante? Poderoso? Ora ora, eu sei que sou, mas obrigado pelo elogio mesmo assim.

 

Lilith tentava obter novamente o controle de sua respiração, a cada vez que inalava o ar sentia a enorme dor percorrer seu corpo e logo diminuído com rapidez. 

Lentamente começava a se levantar do chão, suas pernas tremiam muito para manter o equilíbrio, e estava curvada pela intensa dor em suas costas não deixá-la manter sua postura normal. Pelo canto de seus olhos analisava o buraco ao seu redor, era maior do que havia imaginado.

Sua armadura, por sorte, não estava tão longe assim de onde ela estava, só precisava de energia e ser rápida para chegar perto da mesma.

 

— Por que você não desiste? Já sabe que não vai aguentar, até porque não passa de uma mulher fraca. - seu tom de deboche só a deixava com mais raiva ainda.

 

Abaixando-se tranquilamente, Lilith pegou uma pedra do um pouco maior que sua mão, analisou-a por alguns segundos, possivelmente estava pensando no que fazer. O espectro apenas sabia rir, o que ela iria fazer afinal, tacar uma "pedrinha" com a esperança de matá-lo? Sua risada era tanta, que chegou a se tornar fortes gargalhadas, e colocava a mão sobre o seu estômago tentando se controlar.

Repentinamente, Lilith arremessou a pedra com a força que tinha naquele momento sobre a cabeça de seu inimigo, conseguindo atingir a mesma com sucesso.

 

— SUA RATA! - quem estava morrendo de rir agora estava agachado no chão com as mãos em sua cabeça.

 

Aproveitando a brecha que tanto queria, Lilith correu um pouco manca até sua armadura, parte dela estava presa em meio de algumas pedras, o que complicou um pouco seu plano.

 

— Hah, cansei de brincar com você! - seu inimigo levantava dando passos lentos e pesados.

 

Antes que ele conseguisse chegar perto dela, sua armadura saiu do aperto finalmente, Lilith a encarava com um brilho nos olhos e alívio, se levantando para dar novamente de cara com o espectro há uns 6 metros de distância vindo em sua direção.

 

— P-pois bem, vamos ser justos... - um sorriso se formava no rosto da mulher. - Agora é minha vez de brincar. - já em sua posição, erguia seu famigerado dedo do meio mostrando para a figura. - VÁ À MERDA SEU DEMÔNIO! ARMADURA DE LOBO!

 

A caixa da armadura de lobo se desmanchava em uma velocidade que não era nem possível de se acompanhar com os olhos, as peças se encaixavam com rapidez e de forma perfeita no corpo da amazona, enquanto uma forte luz azul era emitida.

 

— Uma armadura de bronze? Sério? Contra mim, Minos de Griffon? - seu semblante sério novamente voltava a ser debochado. - Pobre coitada, frágil como Albafica.

 

"Albafica, um cavaleiro de ouro morreu por suas mãos?" pensava aterrorizada.

 

— Tsk, não me subestime. - se abaixando ao chão, Lilith coloca suas mãos sobre o solo. - Lobo Destruidor! 

 

A terra abaixo dos dois começa a tremer, abrindo uma fenda enorme, e de lá, saindo enormes blocos de pedra em formatos de lobos com presas extremamente afiadas indo em direção à Minos, que infelizmente consegue se esquivar com destreza do ataque.

 

— Marionete Cósmica! - fios são lançados sobre o corpo de sua oponente. - Com isso você não moverá um músculo por pura e espontânea vontade, você está inteiramente sobre o meu controle, minha pequena marionete.

 

Um olhar de espanto é visto no rosto de Lilith, não esperava de forma alguma que seu inimigo iria ter um ataque um tanto quanto poderoso. Ela lutava internamente para conseguir o controle sobre si mesma de volta, mas seus esforços foram em vão.

Minos bastou mexer dois de seus dedos para que, involuntariamente, Lilith começasse a se esmurrar com muita força. Sua cara estava ficando ensanguentada, o gosto do ferro em sua boca era predominante.

 

— Por que está se esmurrando?HAHA TOLA! - Minos coloca uma mão em seu queixo pensativo. - O que prefere, perfurar seus olhos? Quebrar suas pernas? Torcer seu pescoço?

 

— Eu quero que você morra! - pelo menos a mulher era capaz de ter o controle sobre sua fala ainda.

 

— Podemos dizer que quero o mesmo de você, só que antes uma tortura lhe cai bem. - o espectro caminhava em sua direção, colocou a mão em seu queixo e a obrigou a encará-lo.

 

Minos ergue seu punho, emitindo chamas roxas do mesmo, quanto maior ficavam as chamas os membros de Lilith eram quebrados de uma forma horrenda. Primeiro foram suas pernas que se torciam ao máximo para trás, e depois seu braço direito que se deslocou em míseros segundos, por digamos "misericórdia" Minos poupou seu braço esquerdo.

O grito de dor de Lilith nunca foi ouvido, e isso o deixava mais irritado ainda, como alguém que está sendo torturado não solta ao menos um grito? Parecia até mesmo que não sentia mais dor alguma.

 

— Sabe, eu me lembro muito bem de você estar acompanhada de um pequeno garotinho. - as palavras saíam de sua boca como veneno. - Acho que deve ser mais interessante fazer algo a ele do que a você, ou melhor, fazer algo a ele com você olhando sem poder fazer nada! Eu sou brilhante! 

 

— Não ouse mexer com Erick! Pode me matar, me torturar, fazer o que quiser, mas não mexa com ele! - os berros de Lilith agradavam os ouvidos de Minos.

 

— Está tão disposta assim? Impressionante o seu espírito, ao ponto de querer se sacrifi...

 

De repente, trovões poderiam ser escutados por todos, as nuvens ficaram totalmente carregadas em um tom cinza escuro intenso, com pequenas iluminações de raios internamente delas.

O espectro de Griffon estava mais uma vez distraído, ao ponto de não perceber que sua oponente estava liberando pequenos raios de energia de si mesma. Não pareciam ser uma energia qualquer, os raios eram em tons de verde e rodeavam toda a sua figura.

 

— Punho do Lobo: Presas do Lobo Branco! - mais uma vez a jovem tenta um ataque.

 

Lilith utiliza o seu cosmo, que agora estava estável, e consegue criar a figura de um poderoso lobo branco enorme. Minos se vira bruscamente para a mulher, e quando se dá conta, o enorme lobo vem em sua direção com sua boca aberta prestes a devorá-lo, antes que pudesse fazer qualquer coisa o ataque de Lilith supera a rapidez de Minos, o lobo o devora e no mesmo instante se destrói sozinho.

Uma grande quantidade de poeira fica no ar, impossibilitando a visão do corpo do espectro. Com isso, Lilith ficou mais atenta sabendo que pode não ter o derrotado tão fácil, ele foi um dos mais poderosos inimigos que já enfrentou em toda a sua vida, não poderia acabar tão rápido assim. A poeira havia abaixado, revelando Minos com suas asas protegendo o seu corpo, e quando as asas se abriram, era capaz de ser vista sua face cheia de raiva.

 

E mais uma vez os trovões surgem, sem que Lilith estivesse se preparando para qualquer ataque. Os dois encaravam o céu mais uma vez, um buraco enorme foi aberto ao meio das nuvens acinzentadas e uma luz semelhante aos raios de Sol atingiu o chão, que por surpresa dos dois causou um tremor e tanto.

Quando a luz se apagou, uma pessoa caída ao chão estava em seu lugar, e aos poucos a mesma ia se levantando com facilidade, mas Lilith e nem Minos perceberam a mesma.

 

— Oush! - reclamava a pessoa com a dor que sentia. - Hum? As coisas por aqui estão feias mesmo, o trabalho não será nada fácil. - dizia quando se deu de cara com os outros dois seres brigando de longe.

 

Minos, já cansado de toda aquela enrolação, abre totalmente suas asas e corre em direção a Lilith, lhe estendendo a perna e dando um chute em cheio em seu estômago. A garota recua para trás cobrindo o local atingido e cuspindo sangue, se recompondo rápido decide ir em direção ao inimigo com uma sequência de socos, que para sua felicidade conseguiu acertar sua cara, deixando o nariz e boca com uma pouca quantia de sangue saindo, isso o deixou bastante irritado agora. Com agilidade, Minos consegue prender o pescoço de Lilith em seu braço como um golpe de mata leão, ele queria se divertir só mais um pouco então não usaria seu poder de novo. Tentou dessa vez algo mais ousado, pegou o corpo de Lilith e foi voando com ela para o mais alto possível no céu, ultrapassando até mesmo as camadas de nuvens que haviam ali.

 

— Foi um prazer ter brincado com um cavaleiro de bronze inútil como você. - dizia o espectro em meio às gargalhadas.

 

Sem piedade e nem hesitar, Minos joga o corpo de onde estava, para que atingisse o chão e morresse logo com o impacto. Porém, sabendo do final que a mesma teria, não pensou sequer em ficar naquele lugar, saiu voando em uma velocidade absurda em direção ao templo de Athena.

Era sua hora.

O corpo de Lilith caia do céu como um meteoro, "Pelo menos irei morrer rápido." seu último pensamento foi esse.

 

— Aquilo é um corpo caindo do céu? - dizia a figura de momentos atrás estreitando os olhos.

 

— POR FAVOR, AJUDE LILITH! - era Erick, ele finalmente desceu para a cratera visto que Minos havia ido.

 

A figura falava coisas que o pequeno garoto não entendia, mas em instantes o corpo estava com uma grande quantidade de energia emergindo, com isso a mesma foi capaz de correr o mais rápido possível para pegar o corpo de Lilith pouco tempo de cair no chão.

Ela ficou analisando a garota desacordada. 

Não estava morta.

Aparentemente ainda estava viva, porém estava em um péssimo estado para continuar lutando.

 

— AH, MUITO OBRIGADO MOÇA! - o garotinho vinha correndo quase sem fôlego para perto delas.

 

— Imagina, estou aqui para ajudar vocês! - falava indo em direção a Erick, para abraçá-lo visto que estava com lágrimas em seus olhos. - Ela vai ficar bem, não se preocupe. Vou cuidar dela bem rapidinho, tudo bem?

 

— S-sim, com certeza, é...

 

— Pode me chamar de Cassie, é um prazer te conhecer...

 

— Erick, moça. 

 

— Belo nome, Erick. - falou Cassie, vendo um sorriso tímido aparecer no rosto do pequeno.

 

 

Os olhos de Lilith se abriam lentamente, com uma pequena dificuldade por estarem doendo.

Ela analisava tudo ao redor, "Como consegui sair viva disso?".

Cassie e Erick não a notaram porque estavam distraídos conversando sobre o acontecido, e claro que Lilith estranhou a figura próxima a criança, poderia ser mais um demônio.

Com cautela se levantou silenciosamente, indo em direção a loira e passando seu braço em volta de seu pescoço.

 

— Eu vou perguntar uma só vez. - dizia Lilith friamente. - Quem é você e o que está fazendo aqui?

 

Ao contrário do que Lilith esperava, Cassie não parecia nada abalada com tal "ataque" surpresa que recebeu.

 

— Lyly, não! - Erick gritou em espanto.

 

— Veja, era para você estar morta nesse exato momento, mas por sorte eu consegui te salvar a tempo de cair no chão. - as palavras fizeram Lilith afrouxar o aperto em seu pescoço. - E eu curei seus ferimentos com um pouco, digamos assim, magia. - Lilith rapidamente se afastou de Cassie e puxou Erick para perto de si.

 

— Uma bruxa! - apontava o dedo para a loira.

 

— Ei! Eu sou tecnicamente uma bruxa boa, e Erick está de acordo com isso! - Cassie dizia dando brecha para a declaração de Erick.

 

— Lyly, é verdade! Ela é filha de uma deusa e veio aqui para ajudar a gente, ela me explicou tudo! - falava desesperadamente para evitar alguma confusão pior.

 

— Verdade, Erick? Jura mesmo?

 

— Te juro!

 

— É Lyly, estamos falando a mais concreta verdade. - a loira interrompia.

 

— Olha aqui sua bruxa. - Lilith agarrava a gola da camisa de Cassie. - Não me chame de Lyly sem ao menos me conhecer direito, está ouvindo? - o sorriso malicioso da cabelos de fogo surge.

 

— Ah, c-claro, me desculpe.

 

— Tsk, só não acabo com você por ter me ajudado, mas se você se mostrar ser igual aqueles demônios, eu te mato. - a ameaça fez com que um frio percorresse a espinha de Cassie.

 

— Não é como se você fosse aguentar aplicar mais algum golpe sobre mim... - murmurava em resposta para si mesma.

 

— Enfim, qual é o seu plano e você é filha de qual deus exatamente?

 

— Primeiramente, meu nome é Cassandra mas se quiser me chame de Cassie, não vou querer te matar. - um tom de deboche se tornou notável. 

 

— Tanto faz, prossiga Cassie. - dizia Lilith com indiferença.

 

— Minha mãe é nada menos que Hécate, conhecida por ser deusa da magia. -  um "uau" pode ser ouvido vindo de Erick. - Por ela e por Afrodite, fui mandada aqui para ajudar a deusa Athena em meio a Guerra Santa, visto que sozinha e mesmo com seus cavaleiros, ela não consiga ter uma chance de derrotar Hades. 

 

 — E como vai ajudar? - perguntava Lilith.

 

— As duas deusas que me deram as ordens, fizeram um feitiço que quando conjurado completamente irá resolver tudo em um passe de mágica. O problema é, precisamos chegar até Athena para que ela contribua com sua parte do feitiço, assim será executado com perfeição. - Cassie retirava o pergaminho de sua bolsa. - E o feitiço está escrito aqui, mas ainda não sei exatamente o que faz.

 

— Como planeja chegar até Athena? - Lilith levantava uma de suas sobrancelhas. - Não sei se sabe, mas há milhares de espectros espalhados por aí e é inevitável evitá-los.

 

— Por isso iria sugerir que viessem junto à mim, o que acham? Aparentemente você é uma amazona, sua armadura pode estar meio quebrada mas posso ajudar.

 

— Vamos Lyly! Vamos lutar lado a lado e salvar todo mundo! - Erick erguia o punho no ar entusiasmado.

 

— Olha, eu já quase morri ali e iria deixar Erick sozinho, você acha mesmo que sou capaz de lutar mais um pouco? 

 

— Eu acho. - dizia a loira brevemente. - Você é uma amazona, vocês lutam até a morte por Athena.

 

— Eu não sei... - Lilith não queria admitir, mas estava com tanto medo do que poderia acontecer.

 

— Eu protejo vocês.

 

— Como?

 

— Eu meio que sou uma deusa, então tenho conhecimento e poder em mim. - Cassie fez uma pausa pensando em mais argumentos. - E, sinto que vamos encontrar mais pessoas para nos ajudar nisso.

 

— Promete que irá proteger Erick caso aconteça algo comigo? - Lilith se rendeu.

 

— Sim! - disse Cassie estendendo sua mão para um aperto, que logo foi retribuído pela outra garota. - Eu prometo Lyly.

 

— Não me provoca não! - Lilith dá um soco no ombro da sua companheira, ela iria nomeá-la assim agora.

 

Os três saíram do buraco em que estavam e traçaram o caminho até a saída de Rodorio em direção ao templo, a caminhada iria ser um pouco longa graças às lutas que possivelmente iriam travar. 

O relógio estava passando rápido, o tempo estava se esgotando em um piscar de olhos, e o sentimento de esperança nascia no coração de cada um.

Uma luz estava indo para a ajuda.


Notas Finais


Até mais ver


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...