História Ligados pelo universo - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Imagine, Jeongguk, Jin, Jungkook, Medieval, Romance, Sobrenatural, Taehyung
Visualizações 55
Palavras 4.552
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Fluffy, Hentai, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 20 - Chapter 20


A rainha acabou tendo um mal súbito, e teve que ser atendida pelo médico, agora já medicada e descansando em seus aposentos, o castelo inteiro estava alvoroçado, guardas e empregadas correndo de um lado para o outro, SeokJin estava tomando conta das buscas por Taehyung, já que sua senhora estava incapaz, Jeongguk também estava entre ele, junto a Kang-mi, os três conversavam na biblioteca, sobre alguma forma de rastrear o paradeiro do príncipe.

- Há o feitiço de rastreamento, mas vou precisar de sua ajuda Kang-mi, é necessário muito poder.

- Estou a disposição.

- Vá até os aposentos de Sunhee e pegue alguma peça de roupas dela, ou algo mais íntimo, como uma escova de cabelos, procure por algum fio de cabelos dela.

- Sim senhor. – Kang-mi correu até os aposentos de Sunhee, e procurou pela escova, a encontrando sobre a cômoda, seu coração se apertou no peito, não era tão próxima de Sunhee, mas tinha apresso pela dama, não queria que sofresse as consequências de sua fuga, mas havia de ser fiel ao reino, então apenas pegou o objeto e levou até SeokJin.

- Tem algo que eu possa fazer? – Jeongguk perguntou aflito, mas Jin apenas negou e pediu para que ele se afastasse um pouco, Jeon o fez e ficou apenas observando os dois bruxos conversarem entre si.

Jin pegou uma pequena navalha e fez um corte na palma, em seguida a deu para Kang-mi, pedindo para que a moça também fizesse um corte na palma dela, e como não teve coragem, o próprio teve que fazer, derramando o sangue dos dois sobre a escova por um tempo, em seguida ambos deram as mãos, apertando fortemente enquanto fechavam os olhos para recitar o feitiço, um vento percorreu todo o local, fazendo o fogo de dentro das lamparinas quase se apagarem, os dois não paravam de recitar o feitiço, e começavam a ver pequenas imagens indecifráveis.

Aumentaram o tom de voz, e Kang-mi conseguiu vislumbrar de relance uma cabana em meio a floresta, mas logo tudo ficou preto outra vez e nada se viu, Jeongguk se assustou ao ver que sangue escorria pelo nariz da moça, e foi até ela a forçando a abrir os olhos, quebrando o feitiço.

- Por que fizeste isso meu senhor? Estávamos quase conseguindo. – SeokJin perguntou.

- Não vê como ela está? – Jeongguk disse enquanto levava Kang-mi para se sentar.

- Estou bem, podemos continuar. – Kang-mi tentou se levantar mais Jeon a manteu sentada.

- Desculpe senhorita, não havia percebido que estava tão mal. – SeokJin se desculpou enquanto retirava um lenço para dar a moça. – Confesso que eu também me senti um tanto tonto, talvez a senhorita Sunhee tenha feito um feitiço de camuflagem, conseguiu ver algo?

- Muito pouco, apenas uma cabana em meio a floresta, mas não sei como chegar até ela.

- Já é alguma coisa, pedirei para os guardas fazerem uma busca imediatamente por todo o local. – Jin disse e se retirou rapidamente.

Kang-mi e Jeongguk ficaram sozinhos, ele segurou o lenço e limpou o sangramento da moça, enquanto segurava uma das mãos dela, em um afago, parecia perdido em pensamentos, e parou a limpeza assim que encontrou os olhos negros de Kang-mi, ela o tocou no ombro, parecendo entende-lo com apenas um olhar, em uma forma de apoia-lo.

- Não sei o que minha mãe fizeste para receber tal desgosto de meu irmão. – disse com o cenho franzido.

- O senhor Taehyung apenas cometeu um erro.

- Um não, ele cometeu vários erros ao longo da vida, mas nunca, nenhum outro foi tão terrível como este, se não encontrarmos o que iremos fazer? O que será de minha mãe? E do reino? Eu não sei o que fazer para ajudar, estou desesperado. – Jeongguk parecia mesmo desesperado, os olhos estavam marejados, e ele se virou no assento se afastando de Kang-mi, não queria parecer fraco perto dela.

- Tudo ficará bem meu senhor, a rainha tem a ti, sei que não a decepcionará, e estarei contigo para o que precisar. – Kang-mi buscou uma das mãos de Jeongguk e a apertou fazendo-o olhar para ela.

- Não sei se sou tão bom assim Kang-mi. – riu desgostoso, e retirou a mão da dama da sua, a afastando. – As vezes também tenho pensamentos egoístas como os de Taehyung, a única diferença é que ele foi corajoso o suficiente para assumi-los.

- Não compreendo.

- E é melhor que não compreenda.

Jin irrompeu pela porta, assustando ambos, que se afastaram de vez, ele informou que os guardas seguiram diretamente para a floresta, em grandes grupos, e que em breve deveriam ter alguma noticia. Enquanto isso, Jimin ouviu todas as notícias pelos empregados, e foi correndo até o quarto da irmã que ainda estava deitada, um pouco debilitada desde o dia de seu desmaio, ele trancou a porta atrás de si, e a encontrou penteando os cabelos.

- Veio sequestrar a noiva a algumas horas antes do casório? – Nahyun perguntou, enquanto ainda penteava os cabelos, mas logo seu ânimo sumiu, ainda mais quando Jimin a olhou com olhos tão aflitos. – Por favor, não me olhe assim... torna tudo mais difícil.

- Ele fugiu.

- O que?

- Seu noivo, fugiu com a serva na calada da noite, todos estão alvoroçados a procura dele.

- Espere... – Nahyun se levantou e se aproximou de Jimin com as mãos na boca, não conseguindo conter o sorriso. – Ele fugiu? Fugiu mesmo? Oh, este homem tem mais fibra do que eu imaginava!

- Não ria em um momento como esse, é uma desgraça para o reino de nossos amigos.

- Eu sei, mas não me peça isto, pois essa é a resolução para todos os nossos problemas, fui abandonada no altar, ou melhor antes de chegar ao altar, de fato, és magnífico.

- magnífico é o fato de estar feliz com isto, estará na boca do povo em todos os reinos, como uma princesa abandonada pelo noivo.

- Não me importo, por mim eu mesma gritaria aos quatro ventos, que fui abandonada por ele, vamos pra casa, uh? Vamos amor. – Nahyun se agarrou a camisa de Jimin e o abraçou.

- Não podemos, teremos que esperar a rainha se desculpar conosco, então iremos, isso se não encontrarem seu noivo e o forçarem a se casar.

- Vire está boca para lá, irei agora mesmo pegar meu terço e rezar, Taehyung merece ser feliz.

- Como se estivesse realmente preocupada com ele.

- Se ele estiver feliz, consequentemente nós também ficaremos.

Sunhee e Taehyung chegaram próximos a um pequeno vilarejo, já fora do reino de Zena, mas ainda era próximo, ainda não estavam seguros, a dama parecia cansada, descansava sobre o peito de Taehyung, sendo abraçada por ele enquanto cavalgavam, haviam algumas poucas casas, um tanto afastadas umas das outras, e várias plantações de trigo em volta, Taehyung despertou Sunhee, e a ajudou a descer no animal, ela parecia um pouco abatida, ele apenas fez um carinho no rosto da moça e a abraçou contra ele.

- Está tão abatida meu amor. – comentou beijando a testa dela.

- Estou bem, apenas um pouco cansada.

- Está vendo aquelas roupas no varal? – Taehyung perguntou enquanto apontava para os lençóis brancos no varal perto da casa, junto a algumas roupas.

- De fato, o que tem elas?

- Vamos ter que pega-las.

- Pretende rouba-las? – Sunhee se desencostou do peito de Taehyung o fitando insegura.

- É necessário, não posso andar por aí com estas roupas nobres.

- Entendo.

Sunhee não parecia concordar com o fato de roubar as roupas, mas ajudou Taehyung, segurando o cavalo, enquanto ele se abaixava entre as plantações trigo, ele se esgueirou por lá, levantando apenas para olhar se havia algum movimento, e quando viu que não, puxou as roupas de qualquer jeito do varal, e logo voltou correndo ainda abaixado para o lado de Sunhee, um cão começou a latir próximo a casa, e um homem surgiu olhando para o animal, Taehyung puxou Sunhee e o cavalo para trás de uma grande árvore e se escondeu por lá, olhando enquanto o homem ralhava com o cão e voltava para dentro, sequer percebendo o roubo das roupas.

- Foi por pouco. – comentou enquanto ainda respirava com dificuldade.

- Onde irá se vestir?

- Aqui mesmo. – disse enquanto se endireitava, puxando a camisa que usava assustando Sunhee.

- Irá se despir na minha frente? Que falta de decoro meu senhor. – disse e se virou, segurando o focinho do cavalo, tentando se concentrar em qualquer coisa, que não fosse Taehyung nu atrás de si, mas seus pensamentos eram tão férteis.

O rapaz se vestiu rapidamente, as roupas ficaram um pouco largas em si, mas haveriam de servir, se desfez de suas próprias roupas, as jogando nos galhos da árvore, terminou de fechar os botões da calça, colocando um pouco da camisa para dentro, e pediu para que Sunhee se virasse.

- Já está vestido respeitávelmente?

- Sim, pode se virar.

- Está encantador. – Sunhee zombou ao ver a quantidade de tecido sobrando em Taehyung.

- Não zombe de mim. – fingiu estar chateado, e se aproximou dela. – Estou faminto.

- Eu também.

- Vamos seguir viagem, talvez encontremos algum lugar para comer.

- Sem dinheiro?

- Teremos que dar nosso jeito.

Montaram novamente e seguiram viagem, atravessando os campos de trigo, o sol já começava a esquentar, já deveria ser a hora do almoço, e o cheiro de comida das casas não estava ajudando, por isso apenas apressou o passo do cavalo, e após algumas horas cavalgando por entre plantações de trigo, avistaram um pomar, com várias peras maduras, alguns homens trabalhavam por ali, por isso Taehyung bolou um plano, passaria correndo com o cavalo e Sunhee ficaria encarregada de pegar as frutas, e assim os fizeram, mas falharam, a dama conseguiu pegar apenas uma das frutas antes dos homens correrem atrás de ambos com seus ancinhos. E a fruta acabou indo para o cavalo, que já que os carregava era o que mais necessitava de se alimentar.

Os guardas do castelo invadiram a floresta, determinados a encontrar Taehyung, e no meio do percurso avistaram o cavalo do príncipe, estava tranquilamente bebendo água em um riacho quando foi resgatado, mas não havia sinal nem do príncipe nem da dama, por isso seguiram cortando a mata, e após muito andar encontraram a cabana que havia sido descrita por SeokJin, invadiram sem avisar, mas acabaram não encontrado nada, o que foi desanimador, certamente o príncipe havia seguido em frente, mas isto deveria ser reportado a rainha imediatamente, por isso os homens voltaram para o castelo, levando o animal de Taehyung de volta.

Cavalgavam por horas seguidas, e até mesmo o animal já estava visivelmente cansado, por isso Taehyung e Sunhee desceram dele para aliviar o peso, o sol já estava começando a se por, e andavam lentamente por um campo um pouco florido, de mãos dadas, como se fossem realmente um casal, Sunhee estava totalmente envergonhada, mas gostava de quando o príncipe a puxava para um abraço ou para um beijinho rápido, ao longe avistaram uma pequena casinha, haviam várias hortaliças do lado de fora, e uma pequena chaminé.

- Vamos pedir ajuda e informações. – Taehyung disse enquanto observava uma velha senhora regar as plantas do lado fora.

Eles se aproximaram e pegaram a mulher de surpresa, ela levantou os olhos para fita-los, e por um momento Taehyung jurou que ela conseguia reconhece-los, mas logo ela sorriu e limpou as mãos no vestido.

- Posso ajuda-los crianças?

- Oh, sim, poderia por obséquio nos dar uma caneca de água. – Taehyung pediu e se curvou para a senhora.

- Ora o que é isto menino, não precisa se curvar, esperem aqui, irei buscar água.

A senhora voltou para dentro da casinha, e logo após voltou de lá com um caneco e um jarro de barro, entregando a eles, e enquanto tomavam a água a senhora continuava a regar as plantas, procurou na terra, arrancando de lá uma cenoura e entregando ao cavalo, que prontamente comeu, enquanto era acariciado por ela.

- É um belo animal. – comentou. – Para onde estão indo crianças?

- Ainda não temos um paradeiro certo, estamos apenas viajando.

- Muito obrigada por vossa gentileza. – Sunhee agradeceu entregando o jarro e o copo.

- Ora disponha, vejo que estão cansados, não gostariam de ficar? Estou sempre sozinha para a ceia desde que meu único filho se casou.

- Oh, não podemos. – Sunhee agradeceu indo para junto de Taehyung.

- Nós aceitamos. – ele respondeu deixando a moça encabulada.

- Então irei colocar mais legumes na sopa.

A senhora comentou animada correndo para dentro de casa.

- Não deveríamos abusar meu senhor. – Sunhee comentou assim que estavam a sós.

- E também não podemos desperdiçar uma refeição.

A senhora ofereceu um pouco de água para que Taehyung e Sunhee se lavassem para jantar, claro que eles aceitaram, já estavam a quase dois dias inteiros sem se banhar, não puderam fazer muita coisa na situação que estavam, mas se banharam o suficiente para se refrescar um pouco, colocando as mesmas roupas de antes, e quando terminaram, a comida já estava pronta, se sentaram a mesa junto a senhora, e ela os serviu com tigelas cheias de sopa, Sunhee até tentou disfarçar mas quando o estômago roncou alto, sua farsa acabou e ela começou a tomar a sopa rapidamente, assim que terminaram ela repetiu, a senhora apenas observava toda sorridente os dois comerem, e quando terminaram apenas agradeceram sem parar.

- Não precisam agradecer, gosto de ajudar as pessoas, ainda mais jovens que me lembram meu querido filho.

- A senhora mora a muito tempo sozinha aqui? – Sunhee perguntou.

- A quase três anos, meu filho vem me visitar algumas vezes, mas agora tem uma família para criar.

- A senhora cozinha muito bem, estava delicioso. – Taehyung respondeu deixando a senhora ainda mais contente.

- Obrigada que gentileza a sua meu filho, fiquem está noite, descansem, o quarto de meu filho está vazio, a cama é pequena mas creio que como são um casal não teram maiores dificuldades em dividi-la.

- Oh, não somos um... – Sunhee ia dizendo mas Taehyung apertou sua mão.

- Muito obrigado, iremos aceitar, estamos exaustos, e irá servir perfeitamente.

Quando o horário de dormir chegou, a senhora apenas fechou as portas e janelas e foi para o seu quarto, deixando alguns cobertores com Taehyung, ele logo ajeitou todos na cama, e retirou os sapatos para se deitar, Sunhee ficou parada do outro lado do quarto, enquanto o observava desabotoar os botões da camisa e se abanar um pouco, as bochechas coraram com a visão, e ela se virou de costas para ele cobrindo os olhos com as mãos.

- Por favor não se dispa assim.

- Está calor essa noite, desculpe.

- Se esta com calor... abra... abra as janelas. – gaguejou e Taehyung apenas riu.

- Não tenha medo, não farei nada que não queira, não sou um homem sem palavra se é isto o pensas.

- Pois não penso nada.

- Então vire-se.

- Já está vestido?

- Sim. – Taehyung mentiu e quando Sunhee se virou o encontrou sem a camisa, a deixando de boquiaberta.

- Seu mentiroso! – disse enquanto sentia as orelhas arderem.

- Adoro ver as variações de vermelho em seu rosto enquanto está envergonhada.

- Sou uma dama de respeito! – comentou indignada.

- Sei disso, por isso, dormirei no chão para preservar sua pureza. – comentou. Enquanto levantava da cama com uma das cobertas a esticando no chão para se deitar. – Caso eu pegue um resfriado, me perdoe, é que este chão deve ser frio, mas tudo bem.

- Levante-se, se... se deite comigo. – Sunhee disse fitando o chão.

- Quer que eu durma contigo senhorita?

- Mas coloque a camisa antes.

- E se eu não colocar?

- Por favor.

- Está bem. – Taehyung concordou e se vestiu.

Logo se deitou na pequena cama, mas Sunhee continuou no mesmo lugar, então ele deu tapinhas no colchão para que ela se aproximasse, mas ela continuou como um dois de paus parada no lugar, enquanto olhava de relance para Taehyung, que apenas sorria de toda a situação.

- Acho que a senhorita não entende a gravidade do que estamos fazendo aqui. – comentou olhando para Sunhee.

- Que gravidade?

- Fugiste comigo como minha mulher, não?

- Evidente que não, não somos casados.

- Então não me quer como seu marido? Estou me arriscando para nada? Por que me tomas senhorita? Estou deixando um trono por ti.

- Ora, sou sua dama, devo andar contigo onde for. – Taehyung arqueou as sombrancelhas desacreditado.

- Por que faz tão pouco dos meus sentimentos? Quer dizer que me beijaste por ser minha dama?

- Isto não vem ao caso.

- Estou tremendamente ofendido. – Taehyung disse e se virou na cama, estava realmente chateado, mas não diria mais nada, apenas cruzou os braços e fitou a madeira da parede, emburrado como uma pequena criança.

Sunhee ficou olhando para ele ainda do mesmo local, as costas se moviam devagar, em uma respiração calma, Sunhee sentiu seu coração apertar, queria poder abraça-lo mas não queria parecer uma dama fácil, após alguns minutos ainda parada, se aproximou devagar, se sentando na cama, apenas na pontinha, Taehyung sentiu o colchão afundar e nem assim se virou, seu orgulho falava mais alto e no momento estava ferido, Sunhee o observou na esperança que ele se virasse, e quando não o fez, ela o tocou no braço um pouco receosa.

- Já dormiu? – perguntou mas não teve resposta. – Perdoe-me, não queria magoa-lo.

- Hunf. – Taehyung apenas emitiu um som indecifrável enquanto fechava mais os olhos.

- Sabes... que... meus sentimentos por ti são mais do que os de uma dama por seu senhor.

- Não, não sei. Na realidade nunca sequer ouvi sobre teus sentimentos por mim. – Taehyung respondeu mas ainda sem fita-la.

- Meu senhor! Não me faça dizer uma coisa vergonhosa como esta. – Sunhee se levantou da cama já se sentindo envergonhada.

- Então não acreditarei em uma palavra sequer que me disser, e voltaremos amanhã para o castelo.

Sunhee mordeu o lábio inferior em aflição, e juntou os dedos enlaçando-os em frente ao corpo, para si era difícil falar coisas como essas, não era como as damas que Taehyung estava acostumado, queria ser especial para ele, mas se o que ele desejava era ouvir sobre seus sentimentos, teria que ceder.

- Eu... eu... – Sunhee engoliu em seco, era difícil dizer uma frase tão pequena, e que significava tanto. – Eu...

- Se irá ficar apenas gaguejando pare, precisamos dormir.

- Eu... lhe amo, nunca amei outro homem que não fosse o senhor. – ao dizer isso Sunhee cobriu o rosto com as mãos, mesmo que Taehyung ainda não a fita-se, era demais para si.

- Sei disso. – ele respondeu ainda de costas, mas aos poucos se virou na cama com um largo sorriso no rosto.

- És tão cruel. – Sunhee disse enquanto ainda cobria o rosto.

- E tu és linda, e única, a única mulher que amei em toda minha vida. Venha, deite-se comigo. – Bateu novamente no colchão, e dessa vez Sunhee foi, se sentando na pontinha enquanto deixava a mão entre as pernas.

- O... o senhor pode se afastar um pouco?

- Me chame de Taehyung.

- O que? Não posso ter tanta intimidade com o senhor e...

- Você será minha mulher, me chame pelo meu nome, quero ouvir como ele soa em sua voz.

- Meu senhor...

- Quer brigar outra vez?

- De maneira alguma.

- Então diga.

Sunhee olhou para o rosto cheio de expectativa de Taehyung e seu coração se aqueceu, acelerando como louco no peito, apertou o tecido do vestido nas pernas e fechou os olhos.

- Tae... Taehyung. – disse e ficou orgulhosa de si, logo se virando para fita-lo, e se sobressaltou ao ver como ele estava tão próximo.

- Eu não ouvi direito. – sussurrou e segurou o rosto da moça em uma das mãos, os olhos estavam perdidos nos dela.

- Tae... – Sunhee não foi capaz de terminar pois Taehyung a beijou, a puxando sobre si na cama.

Quando conseguiu se levantar minimamente a moça se assustou, estava sobre o corpo dele na cama, enquanto os braços do mesmo a apertavam pela cintura, ele a tocava de leve no rosto, e beijava os lábios dela vez ou outra.

- Esta posição é um tanto indecente, não acha? – perguntou fazendo Taehyung gargalhar.

- De maneira alguma, mas mudarei se não a deixa confortável. – Taehyung se virou com Sunhee ainda nos braços, agora a moça quem estava com as costas coladas ao colchão, enquanto Taehyung descansava a cabeça sobre o peito dela, a abraçando forte pela cintura, Sunhee estava ficando sem ar, e não era pelo aperto.

- Irá dormir assim? – perguntou enquanto observava os fios castanhos de Taehyung sobre seu peito.

- Creio que não, as batidas de seu coração estão tão aceleradas, será difícil adormecer assim.

- Não diga isso. – Sunhee o abraçou, enterrando as narinas nos cabelos castanhos. – És tão lindo. – comentou enquanto ainda inspirava-lhe o cheiro dos cabelos. – Ainda tens o cheiro do sabão de coco do castelo.

- Não achas indecente ficar fungando em meus cabelos?

- Per... Perdão.

Taehyung riu quando sentiu Sunhee se afastar, e levantou a cabeça para fita-la.

- Não há problema, sou totalmente teu, somente teu. Claro, se quiseres um homem feito eu, não sou mais puro como em minha adolescência, mas sei respeitar uma dama, e lhe garanto que não farei nada que não queira, não precisa se preocupar e pode dormir tranquilamente.

Dito isso Taehyung soltou Sunhee, e foi para o pequeno espaço que sobrava para si na cama, usando o braço para descansar a cabeça, se virou de costas para Sunhee, se forçando a adormecer logo, pois após esse abraço estava começando a sentir o corpo formigar em desejo. A moça ficou observando suas costas por um longo tempo, seu corpo pedia para tocar o de Taehyung, era como se todo o contato que tivessem não fosse o bastante para acalmar a fúria do amor que estava sentindo por ele, então o tocou de leve no braço novamente, e o jovem sentiu uma onda elétrica passar por todo o corpo, principalmente quando sentiu a respiração quente da dama contra a nuca.

- Me faça sua.

- Tens... certeza? – Taehyung sussurrou ainda de costas para ela.

- Sim.

Sunhee se afastou e se sentou na cama sobre os joelhos, fitando o colo, Taehyung também se sentou ainda um pouco desnorteado, mas logo se aproximou da dama, a dando um beijo demorado, e até mesmo calculado, todo cuidado era pouco para não assusta-la. Sunhee se deixou levar, quando Taehyung passou os braços em volta de si, juntando os corpos, e até mesmo se sentou sobre ele, quando ele a puxou com mais força para si, as mãos foram até a nuca, prendendo os dedos por ali, enquanto os lábios percorriam a pele exposta do pescoço, Sunhee suspirou baixinho ao sentir o selar que Taehyung deixou em sua clavícula.

- És tão linda. – comentou entre os beijos, observando de perto, as manchinhas avermelhadas que Sunhee tinha por todo o pescoço descendo para a clavícula e indo para onde ele não conseguia ver pelo tecido do vestido.

Levou as mãos devagar até o feixo do vestido da moça, puxando de leve as amarras, mesmo assim ela se sobressaltou, o olhando assustada, mas logo cedeu, assim que ele lhe deu outro beijo, puxou melhor as amarras as desfazendo, e com certa prática, abriu um por um os botões do vestido dela, o vestido agora apenas se mantinha pelas mãos de Sunhee que o seguravam, enquanto Taehyung baixava-o apenas para beijar próximo aos seios da moça, que já estava toda corada.

- Se deseja parar, me diga, agora por favor... – Taehyung disse após mordiscar a pele macia de um dos seios de Sunhee.

- N...não, continue.

Dito isso o jovem apenas se afastou, e passou as mãos pela barra da camisa que usava, a puxando pelo corpo, ficando despido em frente de Sunhee, a dama o observou e admirou a visão de te-lo praticamente nu e com os fios castanhos todos bagunçados, em um redemoinho de cabelos, Taehyung se aproximou novamente, agora juntando Sunhee ao peito quente, a moça tocou o corpo curiosa, e descansou as mãos nas costas largas antes de se abraçar a ele.

Taehyung a deu um beijo na testa, e a fez soltar completamente o vestido, deixando-o deslizar sobre o corpo dela, Sunhee agora estava com o rosto totalmente ruborizado, usando apenas a roupa de baixo. Taehyung abriu os botões da calça, a puxando devagar pelo corpo, e logo estava apenas de roupas íntimas como ela.

Os dois se olharam por um tempo, até Taehyung se aproximar e colar os lábios novamente, puxando Sunhee consigo, a deitando delicadamente na cama, ficando sobre ela, os olhos se prenderam outra vez, enquanto ele descia as mãos até as coxas desnudas da moça, observando cada expressão que ela fazia ao senti-lo tocando-lhe a pele, Taehyung puxou devagar o fino tecido que Sunhee usava para cobrir a intimidade, o puxando pelas pernas da devagar, e assim que o fez, estava se livrando do seu, colocou os cobertores sobre eles, e se encaixou entre as pernas da dama, o coração a mil no peito, e a garganta completamente seca.

- Sunhee... eu... Você... Tem certeza? – mesmo já tendo perguntado, Taehyung queria se manter firme até o fim, queria ser correto com Sunhee, queria que ela o desejasse tanto quanto ele a desejava.

- Já disse que sim... Tae... Taehyung.

Taehyung assentiu, e se inclinou sobre Sunhee, a beijando, os corpos totalmente colados, foram se encaixando a cada novo selar, e quando deu por si, Taehyung já estava todo dentro de Sunhee, a dama cobria o rosto com as mãos, tanto para esconder a vergonha que estava sentindo, tanto para disfarçar a dor, era uma sensação totalmente nova sentir Taehyung dentro de si, era um pouco desconfortável mas ao mesmo tempo maravilhoso, ser preenchida por ele, poderia morrer feliz mesmo que tudo desse errado no fim.

Taehyung tirou as mãos da moça do rosto, e as beijou, delicadamente as colocando espalmadas sobe o próprio peito, ele a fitou com cuidado enquanto se movia devagar sobre ela, Sunhee passou as mãos do peitoral de Taehyung até as costas, se agarrando a ele quando o sentiu ir contra si com mais força, ele apenas deixou a cabeça pender para a curvatura do pescoço dela, enquanto tentava diminuir a força com que ia contra ela, notando o desconforto da moça, Sunhee prendeu os dedos na nuca do rapaz, o puxando para olhar para si, e o beijar por si mesma, Taehyung continuou as ondulações lentas sobre ela, os lábios fugiam dos dela as vezes por conta dos movimentos.

Após alguns minutos fazendo amor lentamente, Sunhee puxou Taehyung para que a olhasse novamente, e apenas assentiu, indicando a ele que poderia aumentar os movimentos assim que se acostumou com ele, prendeu as pernas na cintura alheia, e levantou o quadril contra o dele, Taehyung entendeu, e aumentou os movimentos, a medida que os corpos se encaixavam.

- Eu... te amo. – disse entre os beijos que trocavam, as respirações ofegantes e as testas suadas, coladas uma na outra.

- Eu também.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...