História Light in the Darkness - Capítulo 8


Escrita por:

Visualizações 23
Palavras 1.817
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Katelyn Vancouver: (Lili Reinhart)
Verônica Lloris: (Madelaine Petsch)
Alice Grundy: (Lucy Hale)

A música do capítulo é Radioactive de Imagine Dragons

Capítulo 8 - (1.08)Blood...again


Fanfic / Fanfiction Light in the Darkness - Capítulo 8 - (1.08)Blood...again

Pov. Ethan

Olhei para o céu e deixei os pingos de água molharem o meu rosto e cabelo. Aí me apercebi que o tempo passa... Mesmo quando isso parece impossível. Mesmo quando cada batida do ponteiro dos segundos dói como o sangue pulsando sob um hematoma. Passa do modo inconstante, com guinadas estranhas e calmarias arrastadas, mas passa. Até para mim...

Saí da floresta antes que começasse a chover mesmo a sério e volto para a escola…

[…]

Quando lá chego ouço o toque de entrada e corro a pegar o meu livro de português do meu armário. Pego ele e vou para a sala encontrando já toda a gente sentada nos seus lugares e uma professora nova prestes a começar a aula.

Professora: Está atrasado.... (me olha)

Ethan: É, eu sei… posso entrar?

Professora: Entre e sente-se no seu lugar.

Me sentei no meu lugar, do lado da Kayla.

Professora: O meu nome é Alice Grundy. E sou a vossa nova professora de português, venho substituir a vossa antiga professora, Sarah Hale, que se demitiu por razões pessoais.

Ela me olhou por um bom tempo e começou a escrever a lição no quadro.

Kayla: Mas onde é que você estava? (susurra baixinho pra mim enquanto passava o sumário para o caderno)

Ethan: Estava na floresta…

Kayla: Na floresta a fazer o quê!? Posso saber?

Ethan: Depois eu te conto.

Kayla: Ok…

Prof. Grundy: Eu espero seriamente… (fala parando na frente da nossa mesa) Que vocês os dois estejam a falar sobre o tema da aula.

Kayla: E estamos…

Prof. Grundy: Hum… já que estão prestando atenção na aula... sobre quem eu estava a falar?

Kayla: Ah…

Ethan: A professora estava a falar sobre Pablo Neruda… (falo interrompendo a Kayla) Um dos poetas mais importantes na língua castelhana.

Prof. Grundy: Muito bem Ethan… e sabe algum poema dele?

Ethan: Eu acho que sim…:

Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde,

amo-te diretamente sem problemas nem orgulho:

a não ser deste modo em que nem eu sou nem tu és,

tão perto que a tua mão no meu peito é minha,

tão perto que os teus olhos se fecham com meu sono.

Prof. Grundy: Hum… muito bem. (sorri pra mim e depois olha para os outros) Pelo menos alguém presta atenção na minha aula. (depois que fala isso volta para a sua secretária)

A Kayla me olha com a testa franzida me fazendo rir baixo.

Kayla: Como é que tu sabias isso?

Ethan: Tenho um sexto sentido doçura (pisco pra ela e começo a passar o sumário para o meu caderno)

Rapidamente ouvimos o sinal de saída e comecei a arrumar as minhas coisas dentro da minha mochila.

Kayla: Me encontra lá fora, ok?

Ethan: Ok

Ela pegou na sua mala e saiu da sala me deixando sozinho com a Sr. Grundy.

Acabei de arrumar as minhas coisas e ao me levantar da minha mesa, ela chegou perto da porta, a fechou e trancou a mesma.

Ethan: Porque fez isso? (franzo a testa)

Vejo ela se aproximar e comecei a dar passos pra trás até bater com as costas na parede.

Ethan: merda… (penso em voz alta)

Ela continua andando na minha direção e segura o meu rosto o puxando para mais perto do seu me beijando. Tentei me separar mas não consegui.

Sr. Grundy: Se tentar alguma coisa, vai ser bem pior pra você.

Me tirou o casaco e a camisa, começando a beijar o meu ombro esquerdo e dando um chupão forte nele.

Ethan: Eu juro, se ficar uma marca roxa…

Sr. Grundy: Você não pode fazer nada mesmo por isso (ri e vai até à porta a destrancando) Se veste antes que alguém chegue. (agarra na sua pasta e sai da sala)

Vesti rapidamente a minha camisa branca e o meu casaco preto com um R em verde, peguei a minha mochila e saí quase que correndo da sala.

Olhei os corredores vazios e estranhei… ainda não deu o sinal de entrada…

Ouvi novamente o Beliver e peguei no meu celular vendo uma chamada do Bryan. Atendi a chamada e coloquei o celular perto do meu ouvido.

Ethan: O que você quer? (falo rude)

Bryan: Lembra do que você disse ainda à pouco…?

Ethan: Como assim?

Bryan: Que esta coisa do Bryan estar desaparecido podia ser bem sério?

Ethan: Lembro…

Bryan: Bom, encontrámos ele.

Ethan: Sério!? E ele está bem?

Bryan: Venha ver com os seus próprios olhos ao refeitório…

Ethan: Ok. (desligo a chamada)

(Music on)

Guardei o celular no meu bolso das calças e corri para o refeitório. Abri as portas do mesmo me deparando com uma cena não muito boa… sim, o Oliver estava ali… mas com um tiro na cabeça e todo ensaguentado no chão… com a maioria da escola em volta dele.

Paralisei por completo ao ver aquilo que não reparei numa Katelyn furiosa e com várias lágrimas rolando pelo seu rosto vindo na minha direção.

Continuei olhando o corpo do Oliver sem saber o que fazer até sentir alguém me dar um soco na cara… olhei pra esse alguém, vendo a Kate.

Ethan: Porque fez isso!? (falei levando a mão ao rosto e sentindo o gosto de sangue na minha boca)

Katelyn: Não te faças de desentendido Ethan! Eu sei bem que tu tens alguma coisa a ver com o desaparecimento e a morte dele! Ele era o meu irmão, tenho o direito de saber o que aconteceu com ele!

Ethan: Kate, eu lamento imenso, mas eu não tenho nada a ver com isto.

Kate: Porque mentes? (encosta a cabeça no meu ombro se acalmando um pouco e ainda chorando)

Ethan: Eu tô falando a verdade, ele era o meu amigo, porque eu haveria de lhe querer fazer mal?

Kate: Sei lá… vocês se calhar discutiram ou…

Ethan: Eu não discuti com ele nem ele discutiu comigo, eu vou te contar tudo o que aconteceu no dia que ele desapareceu, mas só te peço um favor.

Kate: Depende de qual favor você vai pedir (ri um pouco sem ânimo)

Ethan: Me promete que não volta a socar o meu rosto.

Kate: (ri baixinho) Nunca mais vou socar o seu rosto, mas se você merecer mesmo… eu não vou exitar em te dar um. (continua com a cabeça no meu ombro sem parar de chorar)

Ethan: Combinado… (suspiro pesado e a abraço sentindo ela retribuir)

(Music off)

[Quebra de tempo]

Pov. Bryan

Depois do ocorrido no refeitório, o director chamou o xerife para investigar a morte do Oliver… o Ethan e eu fomos com as garotas para um local com menos pessoas e decidimos lhes contar o que tinha acontecido na noite do desaparecimento. Tentei também contar a elas acerca de -O mas o Ethan só me cortava na frase… percebi que ele não quer que elas saibam acerca disso mas elas têm todo o direito de saber.

Percebi também que a Darla não retirava o seu olhar de mim… passou a conversa toda me olhando sem falar nada…

Pov. Ethan

Cheguei em minha casa, que neste momento estava vazia, com a Kayla e ela se sentou no sofá. Me sentei do seu lado e ela subiu em cima de mim, olhando os meus lábios. Ela aproximou o seu rosto do meu e cheirou os meus lábios.

Kayla: Os seus lábios cheiram a cereja. (fraze uma sobrancelha me olhando bem séria...)

Ethan: E…? (a olho confuso)

Kayla: Eu não uso batom com cheiro a cereja, nem você obviamente. (me olha brava) Quem é que te beijou?

Ethan: Ninguém me beijou, Kayla.

Kayla: Se você não contar a verdade agora mesmo… eu vou te castigar… (ela me tira o casaco e a camisa, olhando com os olhos arregalados para o forte chupão que eu tinha no meu ombro) Quem foi que fez isto Arezzo!?

Ethan: Foi a Mss. Grundy... (vejo os seus olhos ficarem vermelhos… de raiva eu acho) Se-se acalma por favor

Kayla: Só vou ficar calma quando eu matar essa professora filha da p*ta! (não se apercebeu mas acabou cravando as suas unhas nas minhas costas e acabo dando um pequeno grito de dor)

Ethan: Eu disse pra você ter calma ok! Está tudo bem.

Kayla: tá tudo bem!? ESTÁ TUDO BEM!? Eu vou é fazer queixa dessa pedófila à escola agora mesmo, Ethan!

Ethan: É sério, deixa quieto… não foi uma coisa muito grave… ela não me violou nem nada. Relaxa e mantém a cabeça fria, eu resolvo isto.

Kayla: Ok… mas se ela voltar a fazer o isso, eu juro que a mato.

[…]

Pov. Bryan

Dias se passaram… neles ocorreram, o funeral do Oliver e o início de um romance entre mim e a Darla. Ela ao princípio foi um pouco agressiva comigo mas… depois de ganhar confiança em mim, me apercebi que ela apenas fazia aquilo para se proteger. Ela agora está uma pessoa totalmente diferente, meiga e gentil são as palavras que a definem.

Após sair de minha casa, entrei no meu carro(Opel Corsa) e dirigi até à escola.

Estacionei o carro no parque de estacionamento e saí do mesmo vendo apenas uns dois carros e a moto do Ethan. Olhei o meu relógio de pulso vendo que ainda eram 7:00 a.m… para quem costuma chegar sempre às 8:10, hoje até que vim muito mais cedo que o normal. Entrei na escola e me dirigi até aos balneários masculinos, vendo o Ethan fazendo a barba num lavatório e apenas com uma toalha tapando as partes debaixo…

Bryan: Ethan?

Ethan: Oi? (olha pra mim)

Bryan: O que você faz aqui?

Ethan: Bom…

O olhei confuso.

Ethan: Espera um pouco, eu já te explico.

Ele terminou de fazer a barba e vestiu uns calcas jeans brancas, uma camisa azul e calçou uns tênis Adidas brancos.

Ethan: Vem comigo… (disse saindo dos balneários)

O segui até um armário das limpezas e abriu a porta, me mostrando um colchão e algumas roupas lá.

Bryan: O teu pai voltou a beber e se drogar?

Ethan: É… já não aguentava aturar mais ele.

Bryan: Porque você não me falou nada acerca disso? Eu tenho um quarto a mais em minha casa, eu posso te ajudar. Os meus pais não se importam.

Ethan: Não preciso ok… tô bem aqui.

Bryan: De certeza mesmo?

Ethan: De certeza.

Bryan: Bom, (suspiro pesado) se mudares de ideias, tenho as portas da minha casa sempre abertas pra ti.

Ethan: Obrigado (sorri)

Bryan: A Kayla sabe disto? (ele desfez o sorriso rapidamente)

Ethan: Não, e não quero que ela saiba disto ok. Não lhe contes.

Bryan: Porquê? Ela não é tua namorada?

Ethan: Sim, ela é minha namorada, mas mesmo assim… ela também ia tentar me ajudar. E… pronto, ela consegue sempre o que quer de mim. Não fala nada acerca disto a ela ok?

Bryan: Ok…

Ele pegou o seu casaco do time e o celular de dentro do armário e fomos para o refeitório.


Notas Finais


Espero que tenham gostado...
Me sigam no Insta @Descendants_Portugal
Purple kisses 😘💜🔥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...