1. Spirit Fanfics >
  2. Like A Dream >
  3. Eu Estou Aqui

História Like A Dream - Capítulo 1


Escrita por: Zorome

Notas do Autor


Olá!! Meu nome é Brenda mas vocês podem me chamar por Zorome mesmo!
Bom essa fic é algo que comecei por diversão, mas que por algum motivo me deu vontade de compartilhar, eu espero mesmo que vocês gostem.
Eu sou apaixonada por Gaaino então se vocês tiverem alguma fic pra me recomendar, nós tamo ae viu kkk
Não planejo falar muito, só avisar que semana que vem eu trago o próximo capítulo 🤭 Boa leitura ♡♡

Capítulo 1 - Eu Estou Aqui


Fanfic / Fanfiction Like A Dream - Capítulo 1 - Eu Estou Aqui

11/03/20, Quarta-Feira, 06:00

O dia amanheceu perfeito. O sol brilhava forte, como se quisesse que ninguém esquecesse da sua presença ali. O pouco raio de luz que atravessava a frecha da curtina janela era o suficiente para iluminar um pouco o quarto da loira que dormia pesadamente. Os pássaros cantavam como se não houvesse amanhã, como se fosse o seu último concerto.

O som do alarme ao lado da cama fez a garota abrir apenas um dos olhos olhando o aparelho. Ela o observava enquanto ele fazia seu escândalo. Passou por sua cabeça 11 formas de destrui-lo, mas resolveu dar mais um dia de vida para o pobre coitado.

Se esticou pegando o relógio e o desligou. Sentou-se na cama jogando o cabelo solto para trás e olhando para o nada. Havia se esquecido o que havia feito na noite anterior por um momento, mas logo recordou da briga com o namorado, ou bem.. ex-namorado. Havia sido o motivo de ter ido dormir chorando. Mas parando para pensar, até que estava se sentindo bem agora. Se sentia leve depois de tanto chororô.

Se levantou e caminhou até o espelho preguiçosamente e automaticamente. Ao se olhar no espelho pulou pra trás com os olhos arregalados e a mão no peito.

- Misericórdia! – soltou voltando a colar o rosto no espelho não acreditando, logo se afastou. – Isso sou eu? – sussurrou pra si mesma. Estava mais acabada do que imaginava, seu cabelo estava o bagaço, seus olhos vermelhos e inchados, a maquiagem da noite anterior toda borrada.

Fez uma leve careta para si mesma e saiu do quarto caminhando na direção do banheiro enquanto acariciava a própria barriga, havia acordado com uma fome descomunal. Parou de andar quando encontrou o seu pai que estava com um copo de café na mão. Ele arregalou os olhos vendo o estado da filha mas segurou a risada percebendo o olhar dela o avisando para não comentar sobre.

- Tudo bem, filha? Dormiu bem? Vim te acordar e chamar para o café da manhã.  – sorriu fraco, ao menos não precisaria lidar com o mal humor da filha ao ter que acorda-la.

- Estou pai, já vou descer, pode voltar pra lá. – Disse passando por ele e indo até a porta do banheiro.

Ino fechou a porta sem escutar a resposta dele. Sem pressa lavou o rosto retirando qualquer prova do seu sofrimento na noite anterior, bom... não toda, já que os olhos inchados ainda estavam ali, mas paciência.

Saiu do banheiro depois de usa-lo, agora um pouco mais disposta e apresentável, desceu as escadas indo em direção a cozinha. Assim que chegou, viu sua mãe já comendo enquanto falava ao telefone, o volume da sua voz estava mais alto que o normal por causa da animação.

Ino se jogou na cadeira de frente para sua mãe. Era uma mesa simples de quatro lugares, seu pai estava em uma das pontas enquanto as duas estavam nas laterais.

- Com quem ela está falando uma hora dessas? – perguntou ao pai que abriu o jornal sem olhar a loira.

- Bom... o de sempre né. – riu baixo balançando a cabeça.

- A mãe da Sakura de novo? – Ino perguntou revirando os olhos e pegando o que iria comer na mesa. – Sinto que a amizade delas é mais forte que a minha com a Sakura.

- Você tem dúvidas? – O homem riu e tomou um pouco do café.

- Ino, querida. – A moça ao telefone se dirigiu a Ino escondendo o celular no próprio ombro como se aquilo de alguma forma impedisse a outra pessoa na linha de escutar algo. – A Sakura falou com a mãe dela o que houve... bem, ela quer saber como você está, e eu também, claro. – disse calma a olhando – Você conseguiu dormir bem?

- Eu estou bem. – disse para a mãe que continuou a olhando preocupada, notou que agora seu pai também a olhava da mesma forma. – Gente, eu estou bem. Sério.  – disse tentando não perder a paciência, afinal, eram seus pais. – diga a ela que estou ótima, e pede pra ela falar pra Sakura parar de ser linguaruda. Como ela soube, em?

- Não fale assim, ela está preocupada. – disse cerrando os olhos para a filha – Bom... Eu ouvi você gritando com o Sai, e como você não quis me falar o que houve eu liguei pra ela pra perguntar se ela sabia de algo, acabei contando. - logo voltou para a ligação avisando a mulher do outro lado.

Ino suspirou. Ela sabia que Sakura estava preocupada, tinha sorte de tê-la como amiga, mas no momento, não estava pronta para ouvir pessoas a enchendo de “tudo bem?”, até porque não diria um “Claro que não, está tudo péssimo”, porque depois viria todo aquele momento de desabafo e alguém a consolando. Não estava afim. Queria apenas guardar pra si seus pensamentos, talvez consolar a si mesma e se distrair.

Ino tomou seu café sem pressa, sabia que não se atrasaria, colocava seu despertador mais cedo que o necessário exatamente para poder se arrumar tranquila.

Assim que terminou, beijou a bochecha de ambos os pais e subiu para o quarto, estava decidida a sair de casa o mais linda que conseguisse. Mesmo com os olhos inchados. Não era porque Sai a tinha destruído por dentro que destruiria por fora.

Depois de tomar um banho, se olhou no espelho e sorriu contente com a roupa que havia escolhido. Usava uma blusa de manga longa e gola alta de lã preta, uma saia cós alta xadrez e o all star branco que difícilmente tirava dos pés. Seu cabelo loiro estava solto.

 

Pronta para sair ela pegou sua bolsa a colocando no ombro. Pela primeira vez no dia pegou em seu celular. Estava apreensiva, provavelmente teria mensagens de Sakura, mas não era por isso que estava apreensiva.

E se tivesse massagens de Sai?

Balançou a cabeça com esses pensamentos e desbloqueou o celular abrindo o aplicativo e suspirando realmente não vendo nada dele. O que estava esperando?

Viu as mensagens de Sakura.

“ Fiquei sabendo da sua briga com o Sai, como vc tá amiga??”

“ Vc foi dormir?”

“ Provável que sim, espero que durma bem, mas você não vai fugir de mim!”

Ino suspirou, ela já sabia disso. Seria da mesma forma se a situação fosse ao contrário.

Viu mensagens da mesma que haviam sido mandadas essa manhã.

“Me chamou de linguaruda, sua vaca?”

“A gente vai resolver isso quando se encontrar hoje!”

“Mas enfim, quer que eu passe aí? Te pego de carro, a gente aproveita pra conversar.”

Ino saiu de seu quarto e passou a digitar que não precisava mas parou assim que ouviu uma buzina estridente. Riu baixo e correu para o primeiro andar descendo a escada, viu seus pais na sala.

- Estou indooo!

- Tchau, bons estudos! – disse sua mãe alto já que Ino já tinha saído de casa. Riu fraco e balançou a cabeça. – Elas ficam bringando mas se adoram, ela saiu correndo, nem parece que estava no fundo do poço.

- Vai entender né. – O mesmo riu baixo ar balançou a cabeça.

Ino bateu a porta do carro se ajeitando no banco ignorando o olhar de Sakura.

- Bom dia né, amada. – disse a mesma olhando a loira com a sobrancelha arqueada.

- Bom dia, testuda.

- Bom dia! – Ino soltou um leve grito de susto olhando pra trás e vendo Naruto com o cabelo bagunçado e com a cara amassada.

- Que susto infeliz, o que faz aqui? – perguntou franzindo o cenho.

- Ele ficou muito mal ontem e imaginei que inventaria algo pra não ir pra universidade hoje. Invadi a casa dele e o puxei pelos cabelos. – Sakura disse olhando Naruto.

- Já disse que iria ir, só que no meu tempo. – Naruto murmurou lento por causa do sono.

- Aposto que você foi na casa dele só pra roubar da comida da tia Kushina. – Ino riu olhando a amiga que deu de ombros.

- Ela me deu com biscoito de chocolate. – Sakura sorriu largo e pisou no acelerador tirando o carro dali e passando a dirigir.

- Ah, então valeu a pena. – Ino sorriu com saudade do sabor dos biscoitos de Kushina.

Naruto e Sakura eram vizinhos desde sempre, então eram como irmãos, já que cultivavam uma amizade desde a infância.

- Ah... parece que minha cabeça vai explodir. – Naruto resmungo quase deitando no banco do carro.

- Claro, você não tem limite para beber. – Disse Ino pegando o espelhinho dentro da bolsa e passando o batom.

- Parece que nunca viu álcool na vida. Olha Naruto, na próxima vez que exagerar assim de novo, eu juro que vou largar você no meio da rua. – Sakura disse irritada lembrando da noite anterior.

- Tudo bem, eu tenho o Sasuke. – Ele sussurrou quase caindo no sono.

Sakura rolou os olhos para o que ouviu e Ino segurou a risada, balançou a cabeça guardando o batom e o espelho.

- Saiba que o Sasuke e uma porta é a mesma coisa. – disse a mesma tentando disfarçar a irritação. – Tente parar de exagerar, okay? – pediu a mesma, porém elas não ouviram a resposta. Ino olhou pra trás e riu.

- E ele dormiu. É um idiota mesmo. – pegou seu celular vendo as mensagens no grupo que ainda não tinha visto. O silêncio no carro parecia que gritava com ela. Fazia sentido. – Sei que quer falar Sakura.

- Não, eu quero que você fale. O que houve ontem? Você realmente terminou? Como você está?

Ino olhou pela janela. Falaria sem chorar, bom... era o que esperava.

- Bom, ele terminou comigo. – disse direta. – depois que saímos no meio da festa ele me levou pra casa. No caminho acabamos brigando... Parece que eu sou insuportável com ciúmes.

- Pera, ciúmes? Vcs brigaram por causa de ciúmes?

Ino abaixou o olhar olhando para as próprias mãos. Lembrar daquilo a deixava frágil, envergonhada e triste.

- Ontem, a ex namorada dele estava lá. – disse calma. – Eu não ia comentar nada, quando a vi decidi apenas ignorar, mas por um momento na festa ele literalmente sumiu. Quando voltou mais de 40 minutos depois me deu uma desculpa esfarrapada que estava com os caras. – olhou para frente. Sakura a ouvia com atenção. – Depois você lembra que todo mundo se reuniu em uma mesa pra jogar conversa fora? Ela também entrou na roda, e ficava me jogando olhares irritantes, como se quisesse esfregar algo na minha cara. – Ela respirou fundo. Lembrar disso a fazia querer socar aquela insuportável. – Então eu acabei pedindo para ele me levar embora, já nem me importava se ele voltaria pra festa ou não, só não queria olhar pra cara daquela jararaca. Ele me trouxe e no carro eu o questionei, e ele explodiu, dizendo que eu era insuportável com ciúmes.

- O Sai fez isso? – Perguntou Sakura incrédula, eles não eram mt próximos mas eram colegas. Não o imaginava tratando a amiga assim.

- Sim, e eu me estressei também, Ele não iria gritar na minha cara e eu ficar ouvindo que nem uma idiota. Brigamos até chegar na frente da minha casa. Ele me disse que se fosse pra namorar comigo e eu continuar com minha insegurança e falta de confiança nele era melhor terminar.

- Nossa que babaca! – Sakura falou irritada enquanto parava no sinal. Olhou a amiga. – E então? Ele terminou e foi embora?

- Eu nunca me senti tão idiota. Tava na cara que ele ficou com ela na festa, e ainda teve coragem de mentir, colocar a culpa no meu ciúme e terminar comigo. Foi tudo tão rápido que quando cheguei no meu quarto e caí na real, que meu namoro tinha terminado que fiquei devastada.

- Ino...

- E eu ainda esperei ele me ligar, Saky... Estava com esperança que nem uma idiota. Além de corna, sou burra.

- Não diga isso de si mesma, estava apaixonada, idiota é ele. – a rosada suspirou de leve. – Queria que tivesse me falado o que estava acontecendo na festa. Mas está tudo bem agora, você não precisa desse imbecil, está muito melhor sem ele!

- Tenho medo de não o esquecer...

- Você vai! A vida é assim mesmo, a gente se apaixona e quebra a cara, aí se apaixona de novo. Vai esquecer e vai ficar bem, eu estou com você e se um dia quiser bater nele eu a ajudarei. – Sakura disse e estacionou o carro.

Ino pareceu perceber só agora que já haviam chegado na faculdade. Olhou para a amiga do lado e sorriu.

- Obrigada, Saky.

Sakura sorriu segurando a mão de Ino com carinho. Olhou pra trás vendo Naruto e resmungo um palavrão.

- ACORDA, SEU VERME! – Gritou fazendo Naruto sentar no pulo assustado.

- Você tá louca?? Achei que tava acontecendo um acidente!!! – Ele levou a mão ao peito ofegante. – quase tive um ataque cardíaco!

Ino rolou os olhos e colocou seus óculos escuros saindo do carro, agora que haviam chegado na faculdade iria fingir que nada aconteceu e esquecer de Sai. Estaria plena.

Sakura pegou suas coisas e saiu do carro apressando o amigo que mais parecia uma lesma.

Os três começaram a caminhar calmamente mas pararam de andar abruptamente quando uma Mercedes preta cruzou o caminho deles estacionando. Sakura revidou os olhos, sabia quem era, só uma pessoa se amostrava daquele jeito.

Um moreno saiu de dentro do carro, com uma jaqueta de couro preta e uma blusa branca por baixo. Ino abaixou devagar o óculos escuro admirando a imagem.

- Me surpreendo toda vez que o vejo. – Se ele fosse de alguma banda de Rock ela seria a fã número um. E ela detestava rock. Olhou a amiga ao lado e riu da cara de poucos amigos dela. Parou pra notar a roupa da amiga, era um lindo macacão jeans não muito curto e uma blusa simples verde. Adorava as roupas simples e fofas de Sakura. – Você tenta disfarçar mas sei que também acha ele gatíssimo. – comentou.

- Também? – Sakura questionou e olhou franzindo o cenho para a amiga.

- Ah então você acha? – Riu Ino quando não a ouviu negar. Soltou outra risada vendo Sakura corar e se enrolar tentando explicar. Voltou a colocar os óculos escuros. – Nem tente me enrolar, sou eu.

As duas viram o afobado do Naruto ir até Sasuke gritando o nome dele e abraçar de forma peguenta o amigo.

- Naruto, eu vou contar até 1. – disse Sasuke tentando manter o punho na lateral do seu corpo para não acertar o loiro. Naruto riu o soltando, adorava implicar com o amigo.

- Você tá de bom humor hoje, que bom! – disse ele dando um tapa no ombro do amigo.

- Vocês podem namorar depois, meus queridos, não tenham pressa. – disse Ino se aproximando deles. Naruto deu língua para a mesma e Ino tentou agarrar a língua do loiro mais ele foi mais rápido a guardando de volta na boca. – Na próxima eu arranco.

- Quero ver tentar! – desafiou Naruto.

- Vocês parecem crianças. – Sakura soltou se aproximando e entrelaçando seu braço ao de Ino ignorando os dois rapazes. – Vamos logo. – disse puxando Ino e continuando a andar.

Naruto resmungou algo que Sasuke não deu a menor atenção. Seus olhos estavam focados nas duas meninas caminhando na frente, ou melhor, em uma delas. Suspirou enfiando a mão no bolso da frente da calça e olhou Naruto, que o olhava com um olhar curioso e divertido.

- Você por acaso...?

- Não diga nada. Vamos, você precisa jogar uma água nessa sua cara feia. – disse Sasuke começando a andar largando o amigo para trás. Naruto riu e seguiu o amigo.

- Eu vi isso em! Eu vi!!! – disse alto andando rápido para o alcançar.

Assim que Ino e Sakura chegaram no pátio viram de longe a amiga, estava sentava em um dos bancos que tinha ali, ela usava um vestido azul claro e uma jaquetinha branca enquanto estudava alguma coisa em silêncio. Sakura e Ino se aproximaram rapidamente e se sentaram uma em cada lado da amiga a deixando no meio

- Oi Hina! – Sakura sorriu largo e Hinata que antes ficava no caderno as olhou surpresa por aparecerem do nada.

- Ah, Oi meninas. – Sorriu meiga as olhando. – Não vi que estavam chegando.

- Claro que não viu, tava com a cara no caderno. – Ino falou apoiando as mãos no banco e deixando seu corpo cair apoiado nos braços enquanto olhava em volta.

- Que horas você chegou Hinata? – Sakura perguntou pegando o livro que estava no colo da amiga dando uma olhada.

- Cedo demais. – Riu baixo. – hoje minha casa estava impossível de se estar.

- Só hoje? – Perguntou Ino despreocupada.

- Ino!! – Sakura chamou atenção da amiga.

- Tudo bem Saky. – Hinata riu baixo. Isso não a incomodava, era a realidade.

Ino deu de ombros. Nada além da verdade. Olhou em volta e viu Naruto e Sasuke caminhando de longe. Suspirou de leve.

- Ino você parece pra baixo. – Hinata comentou calma atraindo a atenção da loira que a olhou. Sentiu Sakura a puxar de leve pelo braço e sussurrar no seu ouvido. Ino rolou os olhos atrás do óculos. – Ah... compreendi... – Hinata mordeu fraco o lábio inferior olhando a amiga.

- Não se preocupe, Hina. Eu estou bem, só um pouco mal humorada. – Se levantou com calma. – É melhor eu ir, não quero me atrasar.

- Você vai ficar bem? Pode acabar o vendo. – Hinata perguntou de forma carinhosa.

- Sim, eu vou ficar perfeitamente bem. Até mais tarde, meninas. – disse se virando e passando a andar.

- Até.. – Sakura acenou devagar e suspirou vendo a amiga ir. Ela caminhava de forma confiante. Virou irritada para Hinata. – Juro que se pudesse pegar o Sai no murro...

- Eu entendi muito pouco, não sei porque terminaram, mas se você está com raiva dele eu provavelmente ficarei se souber.

- Sim, você ficará. Mas mudando de assunto, você falou com o seu pai? Pediu a ele? – Sakura perguntou virando seu corpo para a amiga no banco.

- Ah.. sobre isso... – Hinata sorriu amarelo desviando o olhar.

Sakura suspirou olhando para Hinata, daqui alguns dias seria o aniversário da rosada, e ela havia marcado com Ino de fazer uma noite do pijama. Parecia infantil mas Sakura preferia mil vezes um tempo com os amigos de boa do que uma festa estrondosa.

E Hinata era alguém que Sakura queria muito que fosse, mas a mesma tinha pais muito preocupados, Hinata tinha 21 anos, e ainda era controlada por seus pais.

- Amiga, seus pais me conhecem, sabe que não vai ter problema algum você dormir lá em casa. Fala com eles, sei que gosta de agrada-los, mas é o meu aniversário... – Sakura soltou apelando para o emocional, Hinata não conseguiria dizer não.

A morena sorriu fraco para a amiga. Não tinha jeito mesmo, Sakura era mesmo esperta para usar do seu coração mole.

- Não se preocupe Saky, eu estarei lá.

- E vai levar seu bolo de chocolate. – disse Sakura abrindo um grande sorriso.

- Sim, eu vou levar. – Hinata sorriu e sentiu a amiga se jogar em cima de si para um abraço de urso.

Enquanto isso, Ino caminhava pelo corredor enquanto procurava com os olhos seu melhor amigo, mas infelizmente não conseguiu encontrá-lo. Seguiu para a sala que deveria estar para seus passos cessaram quando de longe viu ele.

A pessoa que rasgou seu coração.

Sentiu um bolo se formar em sua garganta. Seu coração bateu mais forte e seu nervosismo aumentar. Deveria ignorar-lo?

Engoliu em seco e decidiu seguir seu caminho e passar por ele. Não diria nada, não estava pronta, e a raiva também a fazia querer gritar na cara de Sai, a última coisa que queria fazer era armar um escândalo por causa dele.

Assim que passou pelo mesmo sentiu a mão dele em seu cotovelo. Prendeu sua respiração e olhou para trás o vendo com o rosto um pouco abatido, porém ele não disse uma palavra.

- Pode me soltar? – Pediu descendo o olhar para a mão do mesmo.

- Nós podemos conversar? – perguntou ele tentando olhar nos olhos dela, mas ela não permitia.

- Já conversamos bastante ontem. – com um movimento brusco puxou seu braço e voltou a andar. Sai não desistiu e entrou na frente da loira.

- Ontem eu fui um imbecil, tinha bebido, não devia ter falado com você daquela maneira.

- Você estava bem sóbrio, não minta. Mas realmente, foi um imbecil. – Ino disse mantendo a postura intacta, mas seus olhos atrás do óculos escuros marejavam. – Agora saia da minha frente.

- Ino, eu não devia ter terminado com você, eu gritei atoa com você. Vamos resolver isso, hm?

Ino o encarou por alguns segundos.

- Você ficou com ela? – perguntou séria, o suspiro e silêncio de Sai confirmou sua pergunta. – Não temos nada pra resolver. Se não tivesse terminado comigo ontem, eu teria. Agora me dê licença.

Ino o empurrou para o lado e entrou na sala. Não queria escutar nada dele, nenhuma mentira a mais. Chega.

O dia passou tranquilo apesar de tudo, Ino conseguiu se concentrar bem nas aulas e ser produtiva. Ela cursava moda, tinha o sonho de ser uma grande estilista, mas nunca negou o amor que tinha por botânica, estava em seu sangue, sua mãe tinha uma floricultura onde trabalhava quando não estava ocupada com a faculdade, para ajudar a mesma. Havia crescido ajudando sua mãe então seu amor pelas flores cresceu naturalmente.

Suas paixões as vezes se misturavam e formavam lindos vestidos floridos.

Depois de sair da última aula do dia a mesma decidiu ir para a loja da mãe, conseguiria ficar um tempo lá, e fazer alguma coisa a ajudaria a não pensar demais. Enquanto andava pelo pátio viu de longe seu melhor amigo que tomava alguma coisa, Ino deduziu que seria café. Como sempre.

Caminhou calmamente até o mesmo e tirou o copo dele.

- Por que não vi você mais cedo? – Perguntou ela tomando um pouco do café.

- Tá sem.. – Ele viu a mesma fazer uma cara de desgosto pro café. – Açúcar. – soltou uma breve risada e tomou seu café de volta.

- Que coisa horrorosa e amarga. – resmungou.

- É um café, não um espelho. – Disse tranquilo tomando um pouco do café. Ino o encarou de cara com a audácia.

- Não vou me dar o trabalho de lhe responder. – Ino cruzou os braços olhando o mesmo. – Onde você estava?

- Cheguei atrasado, dormi demais.

- Não me diga. – debochou.

- Pois é. E você, por que o mal humor? – perguntou arqueaando a sobrancelha. Não que a amiga não fosse amarga geralmente, mas ela também costumava sorrir e brincar mais.

- Seu amigão do coração não te contou? – perguntou irônica.

- Está falando do Sai? – perguntou franzindo o cenho. – ces brigaram?

Ino parou para pensar por um tempo, não queria transformar seu dia apenas conversas sobre sua vida amorosa. Balançou a cabeça como se dissesse a Shikamaru para deixar pra lá.

- Não se preocupe. – Se aproximou enlaçando seu braço no dele e começando a andar. – porque não me dá uma carona para a loja da minha mãe? – Sorriu de leve.

O amigo olhou de forma desconfiada para a loira ao seu lado mas resolveu deixar pra depois.

- Você é muito cara de pau mesmo, só me usa de motorista.

- Você que deixa. – deu de ombros. – Mas quando chegar lá eu pago você com um chá, é melhor do que essa barbaridade que está bebendo.

- Você gosta de Matte e quer falar do meu café? – Ele a olhou incrédulo. – só não vou largar você aqui porque quero ver sua mãe.

Ino riu fraco, Shika amava sua mãe mesmo.

Ia falar algo sobre ele ter um crush na sua mãe mas foi interrompida pelo seu celular tocando. O pegou vendo que era Sakura e atendeu.

- Fale. – disse sentindo Shikamaru soltando seu braço, haviam chegado no carro dele.

- Você não sabe cumprimentos básicos da sociedade? “Oi, Tchau, Alô?”

- Fala, minha filha! – disse sem paciência.

- Mal educada... onde você está?

- Estou com Shikamaru, nós vamos pra loja, por quê?

- Estou te ligando para te lembrar do meu aniversário, esqueci de falar mais cedo com você e se você esque-

- Sakura – Ino a interrompeu. – Eu não vou me esquecer! É seu aniversário, minha presença está mais confirmada que a sua. Pode ficar tranquila. – Ino riu de leve e entrou no carro depois de Shikamaru o destravar.

- Okay, vou lembrar das suas palavras.

- Pode deixar, mana.

- Tá bom.. beijos, se cuida. – Sakura tomou um susto com o celular sendo desligado na sua cara. – Ah... aquela porca desgraçada, o que custa dar um tchau? – a rosada suspirou e tomou mais um pouco do seu suco de laranja, entrando no seu carro. Queria ir pra casa logo, ainda tinha muito para estudar.

Assim que Ino e Shikamaru entraram na floricultura a loira esboçou um leve sorriso. Gostava tanto dali, era tão tranquilizante, se sentia mais a vontade que em sua própria casa. Sua atencao foi roubada pela sua mãe que entrou em seu campo de visão.

- Shikamaru! – viu sua mãe abraçar calorosamente seu amigo. – Dessa vez você demorou de vir me ver!

- Foi a Ino, ela não me chama mais. – Disse culpando a menina ao seu lado.

- Não sou eu que dorme o dia inteiro e não fala com os outros. Se não fosse por mim, nossa amizade consistiria em “Oi" pelos corredores da Universidade.

- Que exagerada. - Ele disse se deixando ser levado pela mãe de Ino até a mesa delicada que tinha ali. Se sentou quando ela o obrigou.

- Bom, não importa, estou feliz que esteja aqui hoje. Como estão seus país? – Perguntou a mesma se sentando de frente pra ele.

Enquanto eles conversavam Ino deixou sua bolsa na cadeira ao lado de Shikamaru, pegando seu celular, e seguiu até a pequena cozinha que havia ali na loja. Faria um rápido chá para o amigo, assim como havia prometido.

Enquanto esperava a água ferver desbloqueou seu aparelho e entrou no instagram apenas para passar o tempo rolando o feed. Notou novas fotos que Naruto havia tirado da noite anterior. Fotos de antes de tudo acontecer, e em uma delas ela estava ali com Sai. Como um gatilho, aquilo a fez abrir a própria galeria.

Sentiu seus olhos marejarem ao ver todas aquelas fotos. Decidiu apagar todas, e assim fez. Pra falar a verdade, achou que fosse doer mais. Guardou seu celular ignorando as mensagens aleatórias nele e se dedicou ao chá.

Acabou praparando para si mesma e sua mãe também. Com isso, ficaram ali por um tempo jogando conversa fora e claro, as vezes atendendo algumas pessoas que apareciam.

Depois de um tempo Shikamaru se foi, e Ino ficou sozinha com sua mãe. Decidiu que ficaria para ajudar a mesma, então por estar tranquilo o movimento Ino passou a varrer a loja enquanto ouvia algo tranquilo no fone. Sentiu sua mãe a tocar a chamando é tirou o fone.

- Fala – tirou o fone, viu sua mãe com a bolsa dela no ante braço e o celular na mão.

- Filha, eu preciso muito ir agora, adiantar algumas coisas em casa, pode ficar aqui até dar a hora de fechar? Daqui a duas horas você pode fechar e ir.

- Ah... Tudo bem, posso sim. – Ino sorriu olhando a mesma. – Vá com cuidado.

- Obrigada, você também, não demore de fechar, ouviu? – disse calma olhando a loira e ela afirmou com a cabeça apoiando as mãos na ponta da vassoura.

Assistiu sua mãe sair da loja e logo voltou ao que estava fazendo. Depois de ter limpado resolveu ir estudar enquanto esperava clientes.

18:00

E o tempo passou assim, tranquilo até que ouviu o sino da porta indicando que alguém havia entrado. Tirou os olhos do seu caderno e pela primeira vez notou que chovia forte, estava tão focada nos estudos que não havia percebido.

Olhou para a porta e viu um cara, alto e magro. Ele estava encharcado por causa da chuva, e usava um terno escuro com uma camisa preta por baixo. Ino o olhava um pouco surpresa por estar todo molhado e também não pode deixar de notar como era bonito. Porém algo chamou sua atenção, ele levava uma expressão abalada no rosto.

Ino notou que estava parada o olhando e resolveu se mexer se levantando da pequena mesa e colocando um sorriso no rosto para atender o mesmo. Caminhou calmamente até ele.

- Olá, bem vindo a Floricultura Yamanaka. – disse calma olhando o mesmo. Ele permaneceu calado enquanto olhava para o chão. - V-Você está bem? Pegou uma chuva e tanto, acho que tenho uma toalha, posso pegar enquanto dá uma olhada em nossas flores.

Disse a mesma o olhando, mas novamente não recebeu resposta. Ela coçou a garganta e se afastou.

- Pode dar uma olhada. – indicou as flores. – Eu vou pegar uma toalha pra você, pode acabar doente se não se secar.

Se afastou e foi até o banheiro, tinha uma toalha rosa e pequena ali se não se enganava. Assim que achou a toalha voltou até o meio da loja, mas seus passos cessaram quando viu o mesmo próximo a algumas rosas vermelhas, ele as olhava com admiração. Ela orriu calmamente e se aproximou.

- Veio comprar pra sua namorada? – Perguntou, mas o homem não moveu um músculo.. – Bom, rosas vermelhas são bem clichê, mas não dá pra errar com elas. É uma boa jogada. – Riu levemente e estendeu a toalha para o mesmo. – Vai levar?

A loira encarou o mesmo e seus olhos passearam devagar pelas madeixas vermelhas de seu cabelo, depois a tatuagem que havia em sua testa. Desceu os olhos para os olhos dele e se surpreendeu por ele estar a olhando.

Os dois se encaravam calmamente. Ino sentiu tudo a sua volta desaparecer, o som da chuva era a única coisa que existia além dos olhos na sua frente. Seu coração apertou quando viu os olhos do homem a sua frente marejarem e uma lágrima grossa descer pela bochecha dele.

- Você está chorando? – perguntou baixo não acreditando. Por que aquele cara estava chorando? E por que aquilo estava, estranhamente, mexendo com ela?

- Eu cheguei a tempo...

Pela primeira vez Ino escutou a voz dele. Sua voz era tão profunda e suave, tão boa de ouvir, ela poderia gravar e escutar a noite para dormir.

Que? Ela realmente havia pensado nisso?

Ino balançou a cabeça esquecendo aquilo e se preparou para perguntar do que ele estava falando, porém em um piscar de olhos, o ruivo a sua frente a puxou pela cintura colando suas testas.

- Ei, o que está... – Ela parou de falar quando o olhou.

Ele havia fechado os olhos, sua expressão de alívio enquanto abraçava a cintura da loira a hipnotizou. Ele parecia agradecido por alguma coisa. Ela sentiu o mesmo deixar um leve beijo em sua testa, o que a fez arregalar os olhos.

Os braços da moça se encontravam encolhidos contra o peito do ruivo, enquanto ele a abraçava forte. Por que ela se sentia acolhida? Por que queria ficar mais um pouco ali nos braços dele? Sentiu o mesmo apoiar sua testa em seu ombro enquanto chorava.

Ino franziu o cenho sem entender e devagar passou a dar leves tapinhas em seu peito, numa tentativa de consolo, já que seus braços estavam presos. Apoiou o queixo no ombro do mesmo.

- Vai ficar tudo bem. – sussurrou baixo. – Eu estou aqui.

Nem o conhecia, mas sentia que deveria dizer aquilo pra ele. Que estava ali.

 

 


Notas Finais


Bom, espero que tenham gostado desse simples capítulos, desculpem qualquer erro ♡♡ obrigado por ter lido até aqui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...