1. Spirit Fanfics >
  2. Like A Dream >
  3. Está Tudo Bem

História Like A Dream - Capítulo 5


Escrita por: Zorome

Notas do Autor


Olá!! Estou aqui novamente haha Deveria ter postado no domingo, mas acabei me atrasando, não queria postar na correria e fazer de qualquer jeito! Mas ainda ainda bem, aqui está o capítulo 5 ♡♡

Capítulo 5 - Está Tudo Bem


Fanfic / Fanfiction Like A Dream - Capítulo 5 - Está Tudo Bem

A jovem passou suas mãos por seus braços numa tentativa de se aquecer, estava realmente frio e estava apenas com uma camiseta de manga curta embaixo da jardineira. Talvez aquele gesto também fosse uma forma de acalmar a si mesma. Estava no parque que era logo ao lado de sua casa, sentada num banco simples e com o motivo de seu nervosismo ao seu lado.

Havia aceitado conversar com Sai, não queria adiar mais, imaginava que quanto mais rápido resolvesse aquilo, mais rápido o superaria de vez. Com sua visão periférica, percebeu ele se virar em sua direção. Ele se preparou para falar algo, porém a loira foi mais rápida.

- Não irei desculpar você. – Disse firme olhando para frente, porém sem nenhum ponto fixo. Só não queria encarar o mesmo. O silêncio durou um pouco.

- Lembro quando nos conhecemos. – Ele disse de repente fazendo Ino franzir o cenho e olhá-lo. Ele olhou pra frente com um sorriso tristonho. – Você estava linda. Estava lutando contra a lã enquanto tentava tricotar uma toca, eu acho. No chão da casa de Naruto. – Ele sorriu. – Naquela noite, quando cheguei em casa, fiz um desenho seu com a imagem que ficou na minha cabeça.

- Sai...  – Tentou interromper mas não conseguiu.

- No dia seguinte, pedi a Naruto para me levar até você, e quando a encontrei na universidade, entreguei o desenho. Ainda lembro do seu sorriso. – Ele abaixou o olhar olhando as próprias mãos como se continuasse a reviver as memórias.

- Onde quer chegar? – Perguntou a mesma desviando o olhar de volta para frente. Lembrar do passado não fazia bem a ela, a deixava desestabilizada.

- Sei que fui um idiota... – Lamentou voltando a olhar a mesma. – Mas não consigo viver sem aquele sorriso que me deu naquele dia, e também nos outros dias ao longo do nosso namoro. – Disse se aproximando.

Ino se afastou no mesmo instante e engoliu em seco.

- Se isso fosse verdade, teria me valorizado mais. Eu não acredito em palavras e suas ações não foram exatamente as de alguém que diz amar.

- Eu.. – Fechou os olhos tentando controlar suas emoções. – Eu estava bêbado, Ino. Estava fora de mim. Um momento de embriaguez não define o que sinto por você.

- Quantas vezes esse “momento de embriaguez” aconteceria no futuro? – Ino perguntou o olhando nos olhos com mágoa. – Quantas vezes esse momento aconteceu antes? – Ino perguntou prestando atenção na reação do mesmo. Seu peito apertou com o silêncio dele. – Você me traiu antes, não foi?

Sai permaneceu em silêncio e se virou pra frente apoiando os cotovelos em seus joelhos e apoiando a cabeça em suas mãos.

- Se eu não estivesse lá e não tivesse visto com meus próprios olhos... Continuaria sendo corna. – Riu sem acreditar. – Não sei porque estou surpresa, na nossa briga você mentiu tão tranquilamente sobre sua ex. – Sussurrou.

- Foram poucas vezes, Ino. – Ele levantou a cabeça a olhando, seus olhos estavam marejados. Ino riu irônica. – Realmente não significou nada, eu amo você.

- Jura? Que amor de merda é esse? – perguntou irritada e se levantou ficando de costas pra ele. Ainda estava processando a informação. – Você só pode ser louco. Vem aqui, achando que por algum milagre eu possa voltar que nem uma cadela pra você, mesmo confessando que me traiu mais de uma vez. – Riu. – Inacreditável.

- Eu realmente amo você. – Ele disse baixo.

- Se é dessa forma que você ama, obrigada, mas eu não quero seu amor. – Se virou o olhando. – Aceitei conversar com você agora pra dizer uma coisa. – Cruzou os braços.

Sai olhou a mesma. Ele não entendia porque ela não o aceitava de volta, não tinha um único dia que não havia pensado na mesma, se amaldiçoada pela cagada que havia feito. Sabia que Ino era compreensiva, havia vindo com pingos de esperança em voltar. Ele observou a loira devagar, queria ouvir o que ela queria dizer.

- Não me procure mais. – Disse o encarando firmemente de cima. – Eu não mereço sofrer por sua causa. Mesmo agora você não pensa em mim, apesar de dizer que me ama, só pensa em você e no que você quer.

- Não é isso, eu..

- Se realmente me ama, colabore para que eu possa ter ao menos paz. Não me procure, não ligue, siga sua vida. Essa é a única demonstração de amor que posso aceitar de você agora. Distância.

Aquelas palavras doeram no peito do moreno que a olhava em choque. Sentiu uma lágrima cair em sua bochecha. Os olhos da loira marejavam, mas ela não permitia deixar cair uma lágrima.

- Você vai esquecer tudo?

- O que você fez comigo é um grande incentivo pra isso.

- Não conseguirá esquecer.

- Eu espero que você que não esqueça. Pra que não faça o mesmo com o seu próximo “amor". – Fez aspas com as mãos. – Vou pra casa. – Disse e abraçou o próprio corpo. – Vá também. – Sem mais nem menos se afastou andando em direção a sua casa deixando-o para trás.

Sabia que não o superaria tão fácil, mas tinha que se ajudar, sendo firme com ele, também mostrava a si mesma que estava firme em sua decisão de seguir em frente. Por mais que quisesse chorar, mostraria a si mesma que era forte. Namoros terminam, estava tudo bem. Afagou seu braço repetindo um “Está tudo bem" baixo.

- Ino! – Ouviu a voz do mesmo, alta, a chamando.

Continuou sem dar atenção a ele e logo chegou na sua casa entrando rapidamente, fechou a porta e se encostou na mesma respirando fundo. Agora, apenas esperava que ele a entendesse e se afastasse. Era o melhor pra ela, e de alguma forma, pra ele também. Vai saber né. Notou o silêncio da sua casa e imaginou que seus pais haviam aproveitado o feriado para irem jantar juntos, faziam bastante isso. Subiu para seu quarto depois de trancar a porta e se apressou em ir tomar um banho quente. Tinha que relaxar um pouco.

 

21:37

 

O som da última música ecoava pelo local, era provavelmente uma das músicas mais calmas da banda. O lugar era escuro e grande, estava lotado, apesar de no dia seguinte todos terem compromisso. Na frente do mini palco um grupo de pessoas estava reunidas dando toda atenção a banda, mas também haviam pessoas nas mesas e no grande balcão, bebendo e conversando.

A música terminou deixando um acorde da guitarra se estender como final. O cantor voltou a se aproximar do microfone e agradeceu a atenção do público dando a entender que haviam terminado. As pessoas lamentaram mas entenderam, alguns se afastaram voltando para suas mesas e outros ficaram conversando sobre como havia sido o show. Já outros, ainda estavam eufóricos, como Naruto.

- Ah, hoje foi animal!! Aquela penúltima música é sensacional! – Disse para Hinata que ria ao observar o amigo.

- Não vou discordar de você, eles realmente são bons. – Hinata observou a banda começar a desconectar os cabos de seus instrumentos enquanto conversavam. - O seu amigo é o baterista, né? – perguntou.

Naruto não teve chance de responder já que no mesmo instante viu seu amigo correr pelo pequeno palco na sua direção. O loiro tentou se mexer mas não conseguiu, o baterista pulou no colo do amigo o abraçando fazendo os dois caírem pra trás. Hinata arregalou os olhos olhando o loiro e o rapaz no chão.

- VOCÊ É LOUCO, PESTE? – Naruto gritou empurrando o rapaz para o lado.

- Não, não sou louco, só tô feliz por ver sua cara feia. – Riu o moreno ainda jogado no chão.

- Precisa disso? Quase quebrou uma costela minha. – Naruto se levantou do chão e estendeu a mão para o amigo, o ajudando a levantar.

- Você aguenta, tá aí todo monstrão. – bateu forte no ombro de Naruto e pela primeira vez o baterista notou a presença de Hinata ali. Se aproximou mais do loiro apoiando o braço no ombro do mesmo e sorriu galanteador. Ou tentou. – E quem é essa belezura?

Hinata sorriu desconcertada e uniu suas mãos nervosa, sabia que podia ser o jeito extrovertido do menino, mas não ficava confortável com meninos que falavam com ela daquela forma. Só não... sabia o que fazer. Naruto resolveu intervir quando percebeu o constrangimento da amiga.

- Essa é Hinata, é uma amiga da universidade. – Naruto disse encarando Hinata, ele a olhava de forma acolhedora, como se dissesse que está tudo bem. – Hina, esse é Rock Lee. – Rock Lee sorriu para ela girando sua banqueta entre os dedos. – O baterista que ninguém gosta, o conheci na universidade também, fazemos o mesmo curso.

- Ah sim... – Ela disse baixo entendendo. – Prazer. – Ela sorriu esticando a mão o cumprimentado. – Você é muito bom na bateria. Parabéns. – Sorriu.

- Obrigada, foram muitos anos de treino e esforço! – Ele falou como se as memórias fossem vivas em sua mente. – Vocês gostaram de hoje?

Naruto animado passou a falar de como gostou das mudanças que fizeram em algumas músicas. Hinata sorriu calma ao lado do loiro, ele realmente admirava o amigo e o talento dele, também admirava os outros da banda, falava sobre o baixo e o teclado a todo momento.

A morena olhou na direção do palco procurando uma pessoa, não havia perguntado a Naruto pois ele estava muito focado no show antes, mas quando ela viu pela primeira vez, teve certeza que conhecia o cantor principal. Minutos depois assistindo ao show, lembrou quem era. Era o funcionário da sorveteria que ia com Tenten. Era uma coincidência muito interessante, mas também lembrava do mico que Ino a tinha feito pagar. Jesus.

Conseguiu achar de longe o ruivo. Ele estava guardando sua guitarra enquanto conversava com um menino moreno. Será que ele reconheceria ela? Esperava que não, sinceramente. Voltou sua atenção para Naruto e Lee que conversavam alto.

Gaara que havia acabado de arrumar suas coisas se aproximou de Kankuro, que estava ainda terminando de guardar seu contra-baixo.

- Você vai ficar por aí?

- Devo ficar, durante o show tinha uma ruivinha me paquerando de longe. Eu não vou perder a oportunidade, vai que um dia não me reste vigor, né.

- Acho que tô começando a entender Temari. – Sussurrou para si. – Eu vou pra casa, estou morto de cansado, você cuida do resto com o pessoal?

- Pode deixar, mano. Tem certeza que não quer ficar? A gente toma uma e eu posso te arranjar umas gatas. – Gaara olhou o amigo com preguiça.

– Quem sabe outro dia. Vou me despedir da galera. – Disse e os dois usaram o famoso “bate aqui" para se despedir.

Gaara se dispôs a falar com todos da banda para se despedir. Kiba, o guitarrista, pediu para que ele ficasse mais, mas o ruivo deu a mesma resposta dizendo que não pois estava cansado. Gaara se aproximou do tecladista também se despedindo.

- Você é vacilão, abandona na melhor parte.

- Aproveite por mim, Deidara! Essa é  a sua responsabilidade hoje.

- Mas aí não precisa nem pedir, né. - Gaara sorriu com a resposta e acenou, logo se afastou. Olhou em volta procurando Lee e assim que o achou andou até sua direção, mas seus passos desaceleraram quando ele percebeu com quem ele conversava.

Lee conversava com um cara loiro e uma menina morena. Gaara se lembrou no mesmo momento daquela menina. Ela era cliente da sorveteria, ela estava com aquela loira maluca. Tinha certeza. Talvez, ela pudesse ajudar a encontrá-la, mesmo sabendo onde ela supostamente trabalhava, não queria chegar do nada e também não sabia quando ela estaria lá. Infelizmente a história louca dela havia ficado em sua mente, queria escutar com mais detalhes. Se aproximou ficando ao lado de Lee podendo agora ser notado por eles.

- Fala tu, meu rouxinol! – O baterista falou alto abraçando o ruivo que fez uma careta engraçada.

- Precisa disso? – Perguntou tentando se afastar. Assim que foi solto, Gaara olhou o amigo. – Você arrebentou hoje em. – Elogiou.

- É claro, muito talento e prática dá nisso.

Enquanto conversavam, Hinata se encontrava nervosa. Se perguntava se ele se lembrava dela. Resolveu que se ele não falasse nada, não seria ela que iria falar. No meio da conversa Rock Lee falou que precisava mostrar algo a eles dois (Naruto e Hinata), porém, o ruivo Interviu.

- Bom, e eu preciso ir, não quero chegar muito tarde em casa. – Gaara se pronunciou mas logo se virou para Hinata. – Mas antes, posso perguntar uma coisa?

- Pode... Claro. – Respondeu a mesma hesitante.

- Você é cliente na sorveteria em que trabalho, certo? Ice Haeven – Perguntou mantendo o tom simpático. Hinata quase suspirou em lamentação.

- Claro. – Sorriu fraco. – É uma ótima sorveteria!

- Obrigado! – Sorriu – Você que estava com uma loira que me fez perguntas estranhas, não é??

- Ah.. Sim, sou eu. Sobre isso... é, nos desculpe. – Riu sem graça. Naruto a cutucou querendo saber o que estava acontecendo mas ela voltou a atenção para o menino que voltou a falar.

- Tudo bem, sem problemas. Eu gostaria de falar com ela novamente. Poderia me ajudar? – Nesse momento Lee arregalou os olhos.

- Gaara tá atrás de uma menina?? – Perguntou assustado. – Essa é nova. – Levou a mão a boca ainda surpreso. O ruivo rolou os olhos mas manteve a atenção na menina.

- Seu nome é Hinata, certo? – Perguntou pois ouviu no meio da conversa. – Se puder me dar o número dela ou dizer onde posso encontrá-la eu agradeceria.

- Bom, não sei se é legal dar o número dela para um estranho, então... Você pode me dar o seu e eu falo com ela. Não sei se ela permite dar o número assim... – Dizia calma tentando não parece grossa.

Gaara suspirou. Não reclamaria da preocupação dela, apesar de achar desnecessária. Ele concordou e Hinata lhe entregou seu celular para que ele digitasse o número. Enquanto isso Naruto olhava Gaara suspeitando do mesmo. O conhecia mas não eram próximos. Se perguntava o que o ruivo queria com sua amiga. Claro, sabia de quem estavam falando, só tinha uma loira que fazia Hinata passar vergonha. Assim que Gaara terminou, voltou a olhar a morena com um leve sorriso.

- Obrigado. Eu já vou indo, tenham uma boa noite, obrigado por assistirem ao show. – Sorriu. – Ah, qual o nome dela mesmo? – Perguntou a morena.

- Ino. Ino Yamanaka. – Ela respondeu sorrindo fraco.

- Ino... Certo. Agradeço de novo. Vou indo. – Olhou o baterista e bagunçou o cabelo dele. – Até o ensaio de terça. – Lee ainda olhava o amigo sem reação que saiu em seguida indo para a saída.

- Eu vou ter que contar isso pro pessoal. – O baterista sussurrou e em seguida riu baixo.

Gaara se perguntava se receberia uma ligação ou uma mensagem. Talvez ela tivesse desencanado e esquecido o que houve. Mas esperava que não, afinal estava curioso para saber mais.

Depois de Gaara ter saído do bar, Hinata e Naruto aproveitaram o restante da noite para se divertirem com Lee. A morena até então estava preocupada em não conseguir se divertir, mas o loiro a incluía e a deixava mais tranquila o que permitia a mesma se soltar. Às 23hrs, decidiram ir embora, afinal ficaria tarde. Hinata ofereceu uma carona a Naruto que sorriu aceitando. Eles entraram no carro e pelo caminho conversavam como havia sido a noite, acabaram falando sobre Gaara e Ino, Hinata contou o episódio para o loiro que caiu na gargalhada imaginando a morena com vergonha. Ao chegar na casa de Naruto, ela estacionou logo em frente.

- Obrigada por me levar, eu adorei. – Hinata disse apertando de leve o volante.

- Não precisa agradecer, devemos sair mais juntos. Afinal somos amigos. – Naruto abriu seu costumeiro sorriso gigante. Ela sorriu afirmando com a cabeça.

- Só chamar na próxima.

- Vá com cuidado, Hina. – Pediu e saiu do carro fechando a porta. Se pudesse a acompanharia.

- Pode deixar. – Sorriu e acenou. – Até amanhã!

- Até! – Ele se afastou sorrindo e observou o carro sair. Naruto suspirou cruzando os braços enquanto assistia o carro ir embora.

“Melhor entrar logo.” Pensou e assim fez.

 

23:30

 

Colocou sua tigela de lámen em cima da mesinha da sala e fez um coque no cabelo para não cair na tigela quando fosse comer. A TV estava ligada na sua frente. Desde que havia entrado em casa ela já havia tomado seu banho, lavado o cabelo, arrumado seu quarto ouvindo música, desenhado um vestido que odiou e agora havia feito um lámen para comer enquanto via seu reality. Ela se negava a ficar sem fazer nada e deixar seus pensamentos se inundarem do ex-namorado. Só não queria ir dormir chorando.

Enquanto via TV e se preparava para a primeira provada na comida, seu celular vibrou na mesinha. Suspirou e antes de pegar o mesmo, comeu o ramen. Uma delícia. Assim que desbloqueou o celular notou ser um mensagem de Hinata.

“Hinata do crime

Amiga, eu estava no show, e encontrei o atendente da sorveteria. Ele se lembrou de você e pediu seu número, mas não dei, por não saber se podia. Ele me deu o dele e me pediu para te dar, parece que ele quer falar com vc.

Estou mandando.”

Ino franziu o cenho lendo aquela mensagem. Antes de responder, Hinata mandou o número.

“Que estranho... Mas obg amiga!

Hinata do crime

Estranha é você, lembra o que fez??

Ino

Tá, tá, desculpa kk

Como foi lá com Naruto??

Hinata do crime

Podemos falar disso amanhã? Preciso urgente tomar banho pra me deitar.

Ino

Tudo bem, mas não esqueça de me contar!!

Hinata do crime

Tudo bem, boa noite ♡

Ino

Boa noite ♡♡♡”

 

Ino suspirou e voltou um pouco a conversa vendo o número. Devagar clicou nele para mandar uma mensagem. Com o chat aberto hesitou. Ele era um estranho ainda, aquilo era estranho. O que diria? Seus dedo passearam pelo teclado sem digitar nada. A loira mordeu o lábio inferior se decidindo. Rolou os olhos por causa de si mesma e clicou e ligar de uma vez. Esperava que ele estivesse acordado. Por que se não estivesse, ela o acordaria.

O celular demorou um pouco chamando, já estava pronta para desistir quando uma voz a impediu.

- Alô? – Uma voz baixa atendeu. Estava rouca, como se realmente o dono tivesse acabado de acordar. Ino por um instante esqueceu de respondeu por prestar atenção na voz. – Alô?? – Chamou novamente.

- Não parece que estava esperando minha ligação. – Brincou por costume mas se arrependeu batendo rapidamente em seus lábios. O silêncio durou uns 2 segundos até ele responder.

- Então você é a Ino? A menina louca da sorveteria?

- Louca não é um pouco demais? – Se segurou pra não dar uma de louca e dar razão a ele. Ouviu um suspiro da parte do mesmo.

- Gostaria de ouvir um pouco mais do que estava falando na sorveteria. – Disse direto.

- Você se lembrou ou agora tem coragem de confessar? – Ino brincava despretensiosamente com seu lámen.

- Nenhum dos dois, eu só estou curioso. Você está disposta a me contar?  – A voz dele estava calma e um tanto sonolenta.

- Realmente não lembra? – O silêncio foi a resposta da mesma. – Bom, não acho que seja um assunto para se conversar por celular. O que acha de me encontrar? Amanhã.

- Seria muito mais simples você apenas dizer logo.

- Eu quero olhar nos seus olhos! Quero saber se realmente não se lembra de nada, se está tirando uma com minha cara. – Ela ouviu outro suspiro dele, dessa vez parecia de cansaço. – É pegar ou largar, querido. – Sorriu e olhou as próprias unhas.

- Ok, amanhã a tarde irei na floricultura.

- Certo. – Sorriu vitoriosa mas seu sorriso logo desapareceu. – Espera, você por acaso sabe onde é? – Seu tom soou meio acusador e suspeito.

- Posso explicar para você depois como sei, mas por favor, tire da sua cabeça que estive lá, porque eu realmente não estive. Estou indo conversar com você exatamente por isso, para esclarecer e saber mais detalhes sobre o que você se lembra. Talvez possa até ajudá-la a achar um bom psicólogo. – A boca da loira se abriu em indignação.

- Não estou louca! Ouviu?? Se eu ouvir isso de você mais uma vez você vai realmente me ver agindo como uma! – Ameaçou. A risada irônica dele do outro lado não passou despercebida pela loira. Coçou a garganta e continuou firme. – Enfim, tentarei não pensar nisso por enquanto, mas lembre-se, não confio em você. Eu SEI  que foi você.

- Falaremos sobre isso amanhã. Às 18hrs está bom pra você? – Perguntou ignorando tudo o que a Yamanaka havia dito antes.

- É... Pode ser.

- Certo. Até amanhã então.

- Já que deve ir depois do trabalho, por acaso você faz entrega de sorvete? Eu queria um de... Alô?? - Não terminou de falar pois o mesmo havia desligado na sua cara. Olhou para o celular indignada. – Ele desligou na minha cara?? Que absurdo. – Sussurrou.

Abaixou o olhar e olhou para sua tigela. Ele parecia ser um saco, mas ainda assim estava nervosa por ter que encontrá-lo, afinal se lembrava daquele dia. Ele havia marcado num horário próximo àquele em que aquela coisa estranha havia acontecido. Suspirou. Balançou a cabeça, não ia ficar nervosa pra ver um ogro daquele. Olhou seu celular vendo o número do mesmo e decidiu salvar por precaução. Espera... Qual era o nome dele mesmo?

 

Gaara depois de colocar seu celular no móvel ao lado de sua cama deitou novamente a cabeça no travesseiro. Devagar colocou sua mão atrás da cabeça olhando para o teto. Lembrava a forma autoritária da menina falar e deduziu que amanhã seria um pouco complicado. Mas sua curiosidade o estava matando. Se não era ele, quem poderia ser?


Notas Finais


Hehehe Estou deixando os capítulos mais ou menos nesse tamanho, gostaria de saber se acham melhor maior ou se assim está bom ^^ De qualquer forma, obrigada por ler até aqui, de verdade ♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...