1. Spirit Fanfics >
  2. Like a Vampire 3: Lost Memories >
  3. Capítulo 3- Microfone ligado

História Like a Vampire 3: Lost Memories - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Capítulo 3- Microfone ligado


Narração Daayene

—Ou, criatura!- Acordei sentindo um pé chutando minhas costas- Acorda aí, não pode dormir pelo resto do dia!

—Ih, me deixa em paz, Priya!- Eu reclamei, me encolhendo mais ainda na cama- Eu tô de férias, e ainda tá cedo!

—É, mas se você não lembra, a gente não dormiu no castelo ontem e temos uma criança que diz ser filha do Sakamaki Pai!- Priya insistiu em me chutar- E ainda por cima não fomos ao baile de abertura, o que significa que os Mukami vão matar a gente e a gente vai se fu-

—Eles não vão matar a gente- Senti vontade de revirar os olhos- Eles são bestas demais pra matar as meninas que alimentam eles! Agora me deixa dormir!

Senti Priya respirar fundo e tirar meu lençol de mim.

—Ei!- Me deitei de costas, olhando pra ela com raiva- Pra que isso, mana?

—Daayene Hudison, você vai levantar A.G.O.R.A!- Ela olhou pra mim com mais raiva ainda, e eu bufei enquanto me levantava:

—Ó, pronto, tô levantadíssima! Agora, me devolve meu lençol, por obséquio?

—Não vou devolver seu lençol, obviamente- Priya jogou a coberta em algum canto do quarto- Troca de roupa, eu e as meninas já estamos esperando você lá em baixo pra voltarmos pro castelo.

E com isso ela saiu do quarto, batendo a porta.

Palhaçada.

Tirei minha camisola, colocando por cima um vestido rosa choque qualquer que eu tinha levado na minha bolsa. Resmungando pra mim mesma pelo péssimo jeito de acordar e pela falta de um corretivo pra tampar as espinhas e olheiras horríveis que existiam na minha cara. Peguei minha bolsa com uma das mãos, e corri até o lobby da pousada.

—E então, BUM, tinha uma borboleta na minha rede!- Eu conseguia escutar a risada de Mun e sua voz fina- Foi tipo mágica, sabe? Eu e meu irmão nos divertimos muito naquele dia.

—Uau, que máximo- Sofie respondeu com o entusiasmo mais fácil do universo, e só então eu percebi que era pra ela que Mun estava contando a história, enquanto sentava nas pernas da gêmea mais nova.

—Perdi muita coisa?- Eu perguntei, um sorrindo já chegando em meu rosto.

—Ah, Mun só estava contando pra gente uma história MARAVILHOSA sobre ela e o tal Kino caçando borboletas- Brunna me respondeu, sorrindo na minha direção- Eu acho que ela gosta da Sofie.

—Pelo menos uma criança no mundo gosta de você, irmã- Sarah abafou uma risada.

—...Eu vou tentar levar isso como um elogio- Foi a única resposta que Sofie deu.

—Enfim, garotas, bom dia!- Victoria desceu as escadas pulando, recebendo um "Bom dia" levemente preguiçoso de nós todas- Vocês estão muito desanimadas, cruzes!

—Você notou que SÓ você tá animada aqui, né?- Nikki perguntou, apontando pra todo lobby- Quer dizer, tem a Mun também, só que eu acho que a bateria dela nunca acaba.

—Ela é uma criança, Nikki- Marie a repreendeu- E o único motivo de Vic estar tão elétrica é que ela é a única que não tem chance de morrer hoje.

—Por causa do Reijii?- Victoria parecia ofendida- Isso não é verdade! Eu tô feliz porque...

—Boa sorte tentando arrumar desculpa- Lua soltou uma risada- Nada passa batido pela Marie.

—Quando se trata de vocês, realmente nada passa batido por mim- Marie deu de ombros- Enfim, é melhor andarmos rápido. Vocês sabem como os meninos são: Um minuto de atraso pra eles já é considerado traição.

—EU VOU CONHECER MEUS IRMÃOS!- Mun gritou, pulando das pernas de Sofie e começando a dançar no meio do lobby- Ahá! Uhu! Eu tenho sete irmãos!

—A gente....- Anna sussurrou- Não deveria ficar de olho nela?

—Definitivamente- Sofie respondeu quando se levantava- Se essa garota tiver o mínimo de sede por encrenca que nem certos irmãos dela, sabe-se-lá o que ela poderia arrumar nesse festival.

E lá fomos nós. Todas caminhando com caras de sono (mesmo Mun, que cumprimentava e apontava pra qualquer pessoa que visse na rua) pelas esquinas do festival. A sorte é que ainda estava de manhã, o que basicamente significava que as ruas estavam super vazias, o que significava que não tínhamos que lidar com pessoas nos olhando a cada dois passos.

Logo estávamos na frente do castelo. Os guardas nos olharam dos pés das cabeças, e então encararam Mun que estava de mãos dadas com Victoria, que deu de ombros com um sorriso simpático. Eles então abriram os portões, dizendo que os Sakamaki e os Mukami estavam reunidos na sala de jantar.

Após uns quinze minutos tentando achar a sala de jantar (E o aumento da certeza que eu não serviria pra viver num castelo daqueles), nós chegamos ás escadas que levavam até lá. Eu já conseguia ouvir alguns gritos e brigas vindo dos garotos, coisa que me fez revirar os olhos com uma risada.

—A gente devia se dividir- Marie sugeriu, pegando Mun pela mão- Olha, Mun, nós vamos ficar com você aqui enquanto as outras vão... preparando seus irmãos pra... notícia, ok?

Ela concordou com a cabeça animadamente, suas bochechas adquirindo um tom meio rosado e seus olhos vermelhos brilhando de agitação.

Gente... Ela mal sabia o que esperava ela.

—Só pra constar, quem é "nós" e quem é "elas" nessa frase?- Priya perguntou.

Sofie respirou fundo:

—Marie, eu, Sah, Brunna e Anna podemos ficar aqui com Mun. Nikki, Lua, Vic, você e Daay podem ir lá acalmar as criaturas.

—Valeu pela confiança, sister!- Lua estalou os dedos na direção de Sofie.

—Você sabe que ela te mandou pra lá só porque você consegue acalmar o Subaru, né?- Eu perguntei pra ela- Quer dizer, pelo menos você evita que ele quebre todas as paredes da casa.

—Eu devia levar isso como um elogio?- Lua ajeitou os óculos de um jeito desengonçado- Porque isso não é nem um pouco fácil, sabe?

—Tá... Por que eu não posso subir mesmo?- Mun perguntou, e eu vi Marie respirar fundo:

—Porque seus irmãos são... intensos. E eu acho melhor as meninas acalmarem um pouco aquelas feras antes de... apresentarem mais um irmão. Ou melhor, mais dois.

—Só nos dê um minuto, Mun- Eu baguncei um pouco o cabelo dela- Tenho certeza que depois de verem nossos lindos rostos, eles vão ficar de bom humor!

—...O otimismo de vocês me assusta de vez em quando- Priya revirou os olhos.- Vamos logo.

Eu, Nikki, Priya, Vic e Lua subimos lentamente a escada. Assim que chegamos no último degrau, Lua saiu correndo e pulando:

—BOM DIA, MINHAS FLORES DO DIA!

Na mesa do centro, surpreendentemente, todos os Sakamaki e Mukami estavam sentados, com caras irritadas e suas comidas quase intocadas.

—ONDE DIABOS VOCÊS ESTAVAM?- Kanato gritou, e eu tampei meus ouvidos no susto. Caramba, eu tinha esquecido a altura do grito dele- VOCÊS FALAM QUE VÃO NOS REENCONTRAR NO BAILE E SOMEM DE REPENTE PELA NOITE INTEIRA!

—Deixa eu adivinhar, você vai acusar a Sarah de traição?- Nikki cruzou os braços, e antes de Kanato responder ela continuou- Sério, vocês precisam aumentar essa criatividade de vocês.

—E onde vocês estavam, afinal?- Ruki arqueou as duas sobrancelhas.

—Isso é uma boa pergunta- Victoria respondeu com um sorriso- Olha, nós REALMENTE íamos pro baile, só que quando nós chegamos na frente do castelo, a gente encontrou uma coisa bem curiosa...

—Então, vocês não foram pro baile porque resolveram brincar de caça ao tesouro?- Subaru enrolou seu colar de rosa vermelha no dedo- E onde vocês dormiram?

—A gente fez uma amiga SUUUPER legal e humana aqui no festival- Eu expliquei- Ela é meio francesa e se casou com um vampiro, o nome dela é Charlotte. Como a gente imaginou que seria indelicado a gente aparecer atrasadas no baile com o que achamos, perguntamos pra ela e dormimos numa pousada.

—E nunca passou na cabeça de vocês de avisarem, Chichinasis?- Ayato revirou os olhos- O otaku das louças aqui tava preocupado com a mulher dele.

Percebi Reijii e Victoria trocarem um olhar apologético de lados opostos da mesa, mas mesmo assim não comentaram nada.

—Ô GENTE!- Ouvimos o grito de Mun do andar de baixo- JÁ PASSOU UM MINUTO, POSSO SUBIR? 

—Quem é que tá aí?- Shu acordou de repente.

—Pelamor de Deus, alguém cala a boca dessa menina- Consegui ouvir Sofie reclamando.- AI! Por que você me bateu?

—Porque você não pode ser grossa com uma criança, SOFIE HERBERT!- Brunna brigou- Alá, olha ela, já tá subindo.

Mun então aparecendo pulando no andar de cima:

—OI GENTE,EU SOU A MUN!

Os garotos olharam pra ela calados por alguns segundos:

—Quem é essa menina?- Kanato piscou os olhos lentamente.

—Lhes apresento sua nova irmã- Lua fez um gesto dramático na direção de Mun- TÁ DÁ!

—Eu achava que o plano era ser mais discreta- Marie subiu as escadas junto das outras garotas.

—O plano foi arruinado já que CERTAS PESSOAS não sabem cuidar de criança- Brunna revirou os olhos na direção de Sofie.

—A culpa não é minha. Eu não tenho obrigação nenhuma de saber cuidar de uma criança- Sofie bufou de volta.

—Espera um segundo- Ruki se levantou- Como assim, nova irmã?

—Ao que parece ela recebeu um convite de Você-Sabe-Quem- Victoria explicou- E o aparente meio-irmão dela, apesar de não ser convidado, jurou de pé junto que ele é o pai dos dois.

—Outro irmão?- Shu cerrou os olhos- Quantos anos que essa peste tem?

—Eu tenho dez anos- Mun colocou as mãos na pequena cintura- Eu posso ser criança, mas eu não sou surda, sabe?

—Dá pra vocês TENTAREM ser legais com a garota por pelo menos cinco minutos?- Eu suspirei- Ela fugiu do mundo humano sozinha pra tentar encontrar o pai dela. E como a gente não vai fazer isso pois somos contra traumas na infância, pelo menos não deixem ela se decepcionar com os próprios irmãos!

Diana, fica calada.- Subaru brigou, e eu fui impedida de corrigí-lo por causa de Priya que me segurou.- Não me diz que nós vamos ter que cuidar dela agora.

—E qual a sua sugestão, gênio?- Victoria colocou as mãos na cintura- Ela não tem ninguém.

Após alguns segundos, Reijii suspirou:

—Ok, ok, nós vamos cuidar dela.

—Vamos?- Kanato olhou meio assustado pra seu irmão.

—Vão?- Yuma bateu na mesa com força.

—UEBA!- Mun deu um pulinho- Brigada brigadinha irmão!

—...Mas eu acho melhor ela não sair muito no festival. Pra poupar algum evento dela acabar encontrando aquele homem- Reijii completou.

—Eu conheço um casal antisocial que vai vir daqui a uns dias, que amam crianças e vão adorar cuidar dela- Marie sorriu pra si mesma, os olhos azuis brilhando com certa certeza.

—Ok, então.- Shu grunhiu- Desde que ela não faça muito barulho.

—Prometo que não faço!- Mun deu alguns pulinhos- Eu posso ficar lendo aqui. Eu gosto muito de ler! E de desenhar! E de escrever!

—Já disse que amo essa garota?- Brunna perguntou- Enfim, senhorita, agora você vai pro seu quarto... Que eu não sei exatamente qual é, você pode escolher qual dos nossos quartos você acha mais bonito, eu acho. Não podemos perder o resto do festival então eu quero dar umas voltas por aqui.

—Nós iremos dar uma volta com você- Sarah sorriu.

—E vocês vêm junto, Sakamakis e Mukamis- Priya os chamou.

—Uh? Por que a gente?!- Yuma parecia bravo.

—Por que a gente tá pedindo...?- Eu cerrei os olhos como se fosse óbvio- Por favor?

Kou pulou da cadeira:

—Ótima ideia, talvez assim eu possa comprar mais roupas rosas!

—O seu armário inteiro já é rosa- Subaru resmungou.

—Você podia apostar em outra cor, a nossa Legalmente Loira daqui já é a Daayene, meu amor- Lua brincou, e Kou bufou:

—Por acaso Daayene sabe cantar e dançar?

—Na verdade eu sei dançar. Fui capitã das líderes de torcida da minha escola.

—NINGUÉM LIGA PRAS ROUPAS DE VOCÊS OU SUAS DANÇAS RIDÍCULAS- Kanato gritou de repente- SE VAMOS SAIR JUNTOS, PODEMOS NOS APRESSAR.

—Mas são vocês que tão sentados- Sofie comentou, e os garotos se levantaram em um instante.- Bem, parece que agora não mais. Podemos ir, então?

Mun rapidamente saiu correndo pra subir as escadas, e finalmente respirei fundo. Estávamos livres pra ir.

—E então, qual vai ser a primeira parada?- Lua perguntou num sorriso.

—----------------------------------------------------------------------------

Realmente, era um milagre que estava acontecendo hoje. Quem diria: Eu e minhas irmãs, as Herbert, os Mukami e os Sakamaki andando juntos pelo festival SEM UMA BRIGA SEQUER.

Claro, de vez em quando rolavam olhares sinistros entre as duas famílias de irmãos e várias bufadas de Subaru quando Kou ficava o zombando. Mas tirando isso, tudo estava absolutamente perfeito e sob controle!

—Você tem certeza que deveria estar bebendo?- Reijii perguntou para sua esposa- Está só anoitecendo.

—Ih, meu amor, relaxa. Eu tô bem!- Victoria riu- É só uma tacinha de vinho, não vai me matar.

—Eh... O que está acontecendo ali?- Anna apontou pra frente.

Na esquina de uma rua, um homem de aparentes trinta anos estava segurando uma garota pelos pulsos. A garota parecia jovem, tinha os cabelos ruivos até a cintura e os olhos eram castanhos claros, além da pele pálida cheia de sardas.

—Eu posso repetir essa pergunta?- Marie colocou as mãos na cintura- O que DIABOS tá acontecendo ali.

—Por favor, não digam que vocês vão lá- Ayato grunhiu.

—Nós vamos lá E vamos ver DIREITINHO o que está acontecendo- Priya pareceu brava- Vamos lá,garotas.

E lá nós fomos. Obviamente. Da forma mais discreta possível ( o que não era TÃO discreta assim, já que nós éramos um grupo de 10 pessoas), nós nos aproximamos mais da dupla pra ver o acontecido.

—Senhor, por favor, eu já te pedi pra sair.- A garota dizia com uma voz doce como mel.

—Ah,mas uma menina tão bonita como você não devia estar sozinha por aqui- O homem respondia, a voz rouca e claramente embriagada.

—Não estou sozinha- A ruiva tentava explicar calmamente- Estou esperando minhas irmãs aqui fora.

—Irmãs?- O homem riu- Tão bonitas quanto você?

—Ai, que cantada horrorosa- Nikki revirou os olhos- Não, sério, se você quer pegar uma menina, pelo menos elogie ela direito.

—É com isso que você está preocupada?- Sofie perguntou, arqueando a sobrancelha.

Pelo canto do olho vi o homem puxando a garota pra mais perto de si pela cintura, e de repente tive uma dor de cabeça horrível. Minha mente virou preto por alguns segundos, e de repente vi flashes muito rápidos: Aquela mesma rua, cheia de sangue. Choro e gritos. Um corpo de mulher todo machucado e literalmente devorado.

Quando voltei aos meus sentidos, olhei para os lados e pisquei algumas vezes quando vi que as garotas ainda estavam do meu lado. Respirei fundo, e senti um cheiro enjoativo de sangue:

—Temos que interromper.

—Espera aí, o quê?- Brunna olhou pra mim assustada- Você nos quer morta?

—Acredita em mim, a única que vai acabar morta aqui se não fizermos nada é essa moça aí- Ajeitei meu casaco rosa- Vocês vem comigo?

As garotas se entreolharam, e então concordaram com a cabeça. Eu então comecei a andar na direção do homem:

—Ei, você aí!

O rapaz e a garota olharam pra mim então, e ele deu um sorriso psicótico:

—Essa é uma das suas irmãs, querida?

—Não, eu nem conheço essa moça na verdade- A ruiva respondeu sinceramente.

Péssima resposta, ruivinha. Péssima resposta.

—Mas eu tenho certeza que deveriam me conhecer- Victoria chegou logo atrás de mim- É um prazer vê-los. Meu nome é Victoria Sakamaki, também devem me conhecer por ser a esposa de Reijii Sakamaki, que devem conhecer por ser o segundo filho do nosso rei.

Ele de repente soltou a garota, que caiu no chão. Ele se jogou numa reverênca:

—Minha rainha.

—Ok, agora isso é exagero- Victoria olhou pra mim- Então, só viemos aqui pra falar pra você soltar a menina que CLARAMENTE não quer nada com você e sair daqui antes que minha irmã resolva te fuzilar inteiro.

—Não se preocupe,o fuzil dela não mata- Eu expliquei- Só machuca. Gravemente. Talvez você tenha que ir prum hospital depois, mas isso é só um aviso amigável.

—Mas... Estávamos nos divertindo!- O homem explicou.

—Não, não estavam- Eu ouvi uma voz atrás de nós, e quase pulei quando vi uma garota de cabelos pretos e olhos castanhos claros olhando diretamente pra nós, com um arco e flecha mirando pro homem- Conheço Eliza, ela nunca se meteria com um homem do seu baixo nível. Agora, se afaste da minha irmã e nunca mais se aproxime dela de novo.

O homem se levantou:

—E se eu não obedecer vocês.

—Você vai ter que lidar com nossa pequena raiva- Nikki foi ao nosso lado, mirando o fuzil pra ele- Eu tenho bons contatos,como pode perceber.

—E eu posso atirar uma flecha em você- A garota de cabelos escuros completou- E eu te garanto, eu nunca erro.

O homem pareceu assustado e sem palavras, e então saiu correndo gritando.

—Eliza, você está bem?- A de cabelos escuros guardou seu arco e flecha em suas costas e correu ao lado da sua possível irmã.

—Eu dava conta dele sozinha, Cousie- A tal Eliza respondeu se levantando e sacando a poeira do corpo- Não precisava deixar a Haruka lá sozinha pra vir pra cá. Ah, Oi meninas que eu não conheço mas parecem legais!

A tal Cousie sacou o arco e flecha na nossa direção:

—Quem são vocês e o que querem com a gente?

—Eita,calma, coleguinha!- Victoria se aproximou- Viemos em paz. Vimos a sua irmã sendo assediada por... Quem quer que aquele lá seja, e decidimos intervir.

—Ela disse que era esposa do Reijii Sakamaki.- Eliza disse.

—O que? Você é uma princesinha?- Cousie olhou Vic de cima a baixo- Certamente não se veste como uma.

—Primeiro, eu não sou uma "princesa"- Victoria bufou- Segundo, muito rude da sua parte falar assim das minhas roupas. Sim, eu sou casada com Reijii, mas você não precisa fazer ele ficar viúvo por causa disso!

—Elas parecem legais!- Eliza puxou Cousie pela saia azul- Até você tem que admitir isso!

—Tem certeza que vocês duas são irmãs?- Eu perguntei- Tipo, sem querer ofender, mas a única coisa que vocês têm de parecido são a cor dos olhos.

—Não é uma ofensa! Ah, será que eu fico mais parecida se eu fizer isso?- Ela passou a mão pelo cabelo, que ficou automaticamente preto- Que tal?

—UOU!- Eu engasguei- Ok, agora vocês estão idênticas! Pera aí, você consegue mudar de aparência? Por acaso são feiticeiras?

Cousie guardou o arco e flecha:

—Não interessa vocês.

—Somos de uma linhagem de bastardos demônios- Eliza explicou- Ganhamos alguns... Poderzinhos especiais. Acontece com todos os descendentes de seres mágicos que foram deserdados de seus poderes ou são bastardos.

—Ah,eu e minhas irmãs aparentemente somos resistentes a fogo ou algo assim. Então, estamos quites- Nikki estalou a língua- E o que significa "deserdados de seus poderes"?

—Vocês são resistentes a fogo?- Cousie puxou Nikki no braço, como se não acreditasse- E são completamente humanas?

—Sim.- Nikki respondeu- Mãe humana, pais humanos. A não ser que seja um sangue mágico bem perdido na família, o que eu duvido muito.

—Tem alguma prova que vocês são mesmo resistentes a fogo?- Cousie perguntou novamente.

—Saímos vivas de uma fogueira- Victoria se intrometeu- Acho que isso é prova o suficiente pra gente.

—Um ser mágico que é deserdado de seus poderes é um... Ser mágico que perde os poderes.- Eliza explicou, mudando de assunto- Pode ser em forma de sacrifício por outro ser, pode ser uma espécie de tortura.

—Nossa, que passado legal- Eu murmurei.

—Disse alguma coisa?- Cousie me encarou.

—Você tem algum poder mágico?- Victoria perguntou pra Cousie- Ou só diva com um arco e flecha.?

—Dizem que me concederam a habilidade dos humanos- Cousie disse- Sim, eu só "divo com um arco e flecha".

—E nossa irmãzinha Haruka controla a água.- Eliza disse sorrindo- Por falar nisso, cadê ela?

—Deve ter ido embora quando nos viu falando com desconhecidas- Cousie bufou- Sabe, ela tem noção.

—Ah, vocês são um trio de irmãs?- Eu suspirei- Eu tenho MAIS três irmãs. E essas duas aqui fazem parte de um grupo de sete irmãos.

—Ahn... Ok, então- Cousie se virou pra Eliza, que de repente estava com os cabelos rosa-choque e os olhos cinzas- Deuses, você precisa parar de fazer isso toda hora!

—Não é minha culpa na maioria das vezes, sabe?- O cabelo dela então voltou a ser ruivo, mas seus olhos permaneceram cinzas-... Eu realmente tenho que treinar essas transformações.

—Ora, ora, ora, olha quem está aqui- Vimos uma outra garota atrás de nós, sua pele era extremamente bronzeada, seus cabelos eram pretos e cacheados até os ombros e seus olhos eram dourados- As aberrações Creedley resolveram passar um tempinho com as Hudison e as Herbert?

Cousie revirou os olhos:

—Dá um tempo, Meg.

A tal Meg se virou pra nós com um sorriso falso:

—Olá amigas das aberrações, sou Meghhany Pann. A mais jovem profeta dos Feiticeiros e futura rainha.

—Você é quem?- Nikki cerrou as sobrancelhas- Eu não entendi seu nome.

—A gente também não sabe falar o nome dela, por isso só chamamos ela de Meg- Eliza explicou- Poupa saliva e neurônios.

—Meu nome só pode ser falado pelos dignos- Meg sorriu- Deve ser por isso que criaturinhas como vocês não conseguem. Agora deixem-me ver- Ela me segurou pelo rosto- Nossa, ex-stripper? E alguns servicinhos a mais! Realmente não é digna.

Revirei os olhos, ela então segurou o queixo de Nikki:

—Nossa, brutal! Formada em escola militar, sérios problemas com afeto, um crush impossível, apesar da força física precisa cuidar mais da agressão e do potencial de beleza que tem.

—E se eu não quiser cuidar do "potencial de beleza" que eu tenho?- Nikki perguntou.

—Não precisa- Meg riu- Mas então não vai ter o garoto dos seus sonhos, não que você mereça ele de qualquer jeito- Ela então segurou Victoria pelo cabelo- Nossa, isso sim que é história! Casada com um príncipe, e ainda com um...

—Nós não precisamos de suas análises dos nossos passados, querida "Meg"- Eu interrompi antes que ela pudesse falar o segredo de Vic- Talvez você pudesse ir embora agora.

—Bem, eu já andei conversando com seus homens e irmãs lá atrás- Ela riu- E por falar nisso, os homens são mais lindos que eu imaginava. Quem sabe um deles não precisa de uma amante pra... Apimentar a vida deles? Porque eu posso garantir que uma humaninha não sabe fazer o serviço direito!

—Sério?- Victoria riu- Você vai tentar me amedrontar falando que vai roubar MEU marido? Você não me dá medo, "Meg". Ele me escolheu, eu escolhi ele. Mesmo que não seja pra sempre, eu sei que é verdadeiro. Eu me apaixonei por ele, não pela rola dele, que nem você fez.

—Ah, não é comigo que você tem que se preocupar- Meg se aproximou de forma assustadora de Victoria, seus olhos brilhando- É com ele. Acho que já sabe que Sakamaki não tem muita fama de serem fiéis, não é mesmo? Principalmente á criaturinhas medíocres que nem você.

Eu senti que Victoria ia avançar na garota, e então a segurei pela cintura enquanto Nikki afastava as duas:

—Ok, garota. Eu vou ser BEM clara com você pra ver se tu me entende. Cai pra fora daqui. Eu não me importo se você tem peitos de silicone e um cabelo de aplique ou uma barriga negativa e por isso se acha melhor do que todas nós, você não vale a pena o tempo de ninguém aqui.-E então segurou Meg pela gola da blusa- E se você se aproximar de alguma irmã minha de novo, a minha proposta do fuzil ainda tá de pé.

—Ui, agressiva. Gosto disso- Meg então saiu do caminho e segurou meu braço com força, me queimando de repente e me fazendo cair no chão- Mas se você quer brincar com fogo, Nikki Herbert, eu consigo fazer um incêndio.

—Eu te garanto que de incêndio a gente manda bem.- Nikki respondeu.

—Ah, eu não tenho dúvidas- Meg sorriu de forma sádica- Eu sou quente em todas as formas possíveis, minha querida, não se esqueça disso.

—Meg- Cousie mirou seu arco e flecha na garotas- Se você não notou, você já se tornou uma presença desagradável aqui desde quando chegou. Agora se manda. Eu também não estou a fim das suas brincadeiras e provocações.

Ela sorriu e saiu andando e requebrando.

—Que garota... Detestável!- Victoria colocou as mãos na cintura- Eu sou completamente contra qualquer tipo de rivalidade feminina, mas isso é outro nível de horror! Quem é ela?

—Uma profetinha meia-boca que se acha melhor que todo mundo- Eliza suspirou- Parece que o pai dela casou com a Lady Duncan e de repente ela surgiu e começou a se achar. Agora ela tem o objetivo de ir pra cama com qualquer membro da realeza vampira.

—Se não for o rei, ela diz que aceita os príncipes- Cousie bufou.- Mesmo que só os vampiros tenham príncipes.

—Vocês não tem ideia do quanto eu estou me segurando pra não soltar um xingamento muito machista aqui- Eu me levantei- Ok ela querer ir pra cama com geral, mas ela podia ter um pouco de respeito com alguém que é casado!

—Nem me fale- Nikki cerrou os punhos- Ela é assim com todo mundo?

—Toda garota que incomoda ela- Eliza deu de ombros- Não se preocupem, tenho certeza que ela não vai roubar nada de vocês. Cão que ladra não morde.

—Mas se ela morder, eu vou estar mais do que preparada pra morder de volta- Nikki disse com raiva.

—Ok, pode parar com isso- Victoria colocou as mãos nos ombros da irmã- Eu adoro ver Nikki Pistola em ação, mas a gente não pode deixar ela atrapalhar nossas férias. Lembra que nós estamos pegando aulas online pra nossa faculdade e escola só pra podermos curtir aqui?

Nikki grunhiu:

—Ai, tá bom.

Nos despedimos das Creedley, e então voltamos ao nosso grupo. Ouvi algumas coisas durante a volta pro castelo. Principalmente Nikki e Victoria reclamando sobre Meg, e contando sobre como descobriram sobre as Creedley. Apesar dos garotos duvidarem bastante de que tínhamos conhecido uma arqueira, uma transformaga que também tinham uma irmã controladora de água, as garotas diziam que viram Cousie com o arco e que, de acordo com Lua, "foi top".

Depois ainda ouvimos sobre Meg sendo simpática com os que estavam esperando, o que eu achei estranho mas resolvi não comentar. Tirei o casaco e olhei pra queimadura em meu braço. Extremamente vermelha e em formas de garra, como se Meg estivesse me mandando uma espécie de sinal.

—O que é isso, M-Neko Chan?- Kou se aproximou de mim- Queimadura?

—Não é nada que importe- Eu abaixei meu braço- Pelo menos assim eu espero.

Kou então começou a assobiar, os dedos passando levemente pela minha queimadura como se tentasse desvendar alguma coisa sem parecer que estava preocupado. Sorri discretamente pra ele, mas não consegui deixar um sentimento ruim deixar de existir em mim.

Assim quando voltamos do castelo, passamos horas e horas sem fazer nada. Eu fiquei sentada no meu quarto enquanto lia alguma coisa, de vez em quando olhando pra uma Mun adormecida no sofá (aparentemente, ela tinha escolhido o quarto cor de rosa, já que era a cor favorita dela). Quando me bateu fome, eu me levantei da cama nas pontas dos pés e com cuidado pra não acordar Mun, abri a porta e saí pelo corredor.

Sofie havia me ensinado uma entrada secreta pra cozinha que ela junto á Brunna tinham descoberto, agora eu só precisava ir pra lá...

Alguns passos á frente e vários pensamentos sobre como diabos estava frio demais pra um verão, eu percebi uma gritaria de dentro do quarto de Reijii e Vic.

—Você está sendo patética- Eu ouvi a voz de Reijii sob a porta- E bêbada. Será que dá pra você parar de beber vinho por um segundo enquanto a gente discute?

—Eu não estou sendo patética ou bêbada- Victoria se defender- Eu tô tentando te falar sobre o que essa Meg sei-lá-das-quantas me falou, mas você não me escuta! Como sempre, aliás.

—Você está dizendo idiotices.- Reijii suspirou- A senhorita Meg foi extremamente delicada em simpática quando falou comigo!

—CLARO, PORQUE ELA QUER TE PEGAR, SÓ QUE EU ESTOU NO CAMINHO E SÓ VOCÊ NÃO NOTOU ISSO AINDA!- Victoria gritou, e eu percebi que ela parecia estar começando a chorar.

Após alguns segundos em silêncio, Reijii respondeu:

—Você deveria parar de falar assim sobre pessoas que você mal conhece e sobre mim. Por acaso eu sou o que pra você?

—Você é meu marido!- É, ela definitivamente estava começando a chorar- E se você me considerasse realmente sua esposa, você deixaria eu falar ao invés de só me interromper com o que você mesmo pensa.

Ouvi alguns barulhos estranhos, então a voz de Reijii surgiu novamente:

—Eu vou embora. Darei uma volta e espero que quando eu chegar você tenha parado de ser tão histérica e paranoica para ver coisas onde claramente não têm nada.

Ele então abriu a porta, todo vestido, e então ele me viu.

—Boa noite, Senhorita Hudison- Reijii disse simplesmente- Procura algo?

—Eh...eu...- Comecei a procurar uma mentira- Vim pedir emprestado um brinco pra Vic. Eu vou sair com o Kou hoje.

Sério, Daayene?

Sério?

—Jura?- Ele arqueou as duas sobrancelhas.

—Juro! Sabe como é, né- Eu me apoiei na parede- Estamos tentando recomeçar.

Ai meu Deus, Daayene, só cala a boca de uma vez.

—Hm- Foi a resposta de Reijii- Não se incomode com o estado de Victoria, ela está um pouco... Fora de si.

—FORA DE SI É SUA MÃE!- Victoria gritou do quarto.

—Como eu disse, fora de si.- Reijii continuou- Bom encontro pra você e pro Kou.

Agradeci com a cabeça, e então ele saiu andando do meu campo de visão.

Entrei no quarto,vendo Victoria deitada na cama de casal com uma taça de vinho na mão, usando uma camisola roxa e maquiagem toda borrada:

—Oi.

—Oi.- Respondi- Eu ouvi a briga sua e do Reijii. Parecia...violenta.

—Ele não acredita em mim.- Victoria então pegou a garrafa de vinho, começando a beber no bico- Ele não acreditou em mim quando eu falei que a Meg me ameaçou de ficar com ele. Eu só quis dizer pra ele ficar ligado, mas agora ele acha que eu não confio nele e que ainda por cima estou ficando paranóica e possessiva.

Mas ela disse com todas as palavras que queria ser a amante do Reijii- Eu respondi.

—EU SEI!- Victoria voltou a chorar- E ele não acredita em mim! Ele acha que a Meg é uma menina simpática que quer ser amiga de todo mundo! Ela me zombou na minha cara, Daayene, você viu!

—Eu vi.- Respondi.

—EU SEI QUE VIU!- Victoria gritou de novo- O que tem de errado comigo?

—Nada, não tem nada de errado com você- Eu segurei a mão dela enquanto ela tomava outro longo gole da garrafa, começando a soluçar agora:

—Eu fiz TUDO por ele. Eu me esforço pra ser a mulher mais linda de cinco

raças inteiras, o que não é fácil, eu tento ser mais inteligente e engraçada, o apoio e acompanho em tudo que eu faço. Eu até comecei a usar vestidos longos! EU ME FORÇO A USAR PORTUGUÊS CORRETO AGORA!

—Então a questão é que você está mudando sua essência pra poder ser a mulher perfeita pra ele?- Perguntei.

—Algo assim- Ela respondeu- Mas era só questão de tempo pra alguém mais poderoso, rico, bonito e sei lá mais o que aparecesse pra tomar ele de mim.

—Ele só defendeu ela, Vic, ele não tá se divorciando de você e pegando o Heisuke pra ele- Eu falava enquanto ela dava um último gole na garrafa. Ela então parou por alguns segundos:

—Bora sair pra um bar?

—Tipo agora?- Perguntei.

—Tipo nesse exato momento- Victoria colocou um robe sobre o corpo- Você sabe um bar legal?

—Eu ouvi Kou falando de um aqui perto que vai ter uma open mic night hoje.- Eu respondi.- Mas você tem certeza que quer ir assim? Você tá de pijama e... Bêbada.

—Tem problema no que eu tô vestindo?- Victoria perguntou, os olhos se estreitando. Eu suspirei: 

—Claro que não. Vamos embora.

E lá fomos nós. A sorte era que o bar realmente não era longe do castelo, então foi uma caminhada curta pra se fazer com uma bêbada ao seu lado. Em compensação, as ruas estavam cheias, e todos encaravam Victoria pelo canto do olho.

O bar não era dos mais chiques, mas logo fomos entrando e eu fiz Vic se sentar numa mesa mais no fundo:

—Vai querer beber alguma coisa?

—Tem vodka?

Era uma pergunta retórica, mas eu te pago uma cerveja- Eu revirei os olhos enquanto fazia o pedido.

—Sabe, meu pai me ensinou que quando alguém paga uma cerveja pra mim significa que eles tão dando em cima de mim- Victoria disse quando uma lata de cerveja foi colocada na frente dela.

—Na minha casa, me ensinaram pra comprar uma cerveja pra uma amiga minha caso eu queira que ela feche a boca sobre seu marido- Eu respondi.

—Faz sentido- Victoria estalou os dedos- Eu devia dar uma dessas pra Marie, faz uns três anos que ela fala mal do Laito

—Não foi exatamente isso que eu quis dizer, mas é mais ou menos por aí- Eu disse, pegando um refrigerante- Eu tenho que ficar sóbria pelo menos, se quero voltar viva com você.

—Claro...- Victoria riu- Eu vou no banheiro.

Quando ela se levantou, eu me levantei junto:

—Consegue chegar lá sozinha?

—Eu sou uma MULHER forte e independente!- Victoria começou a cambalear- Onde você disse que era o banheiro mesmo?

—Eu não disse, mas é perto do palco de open mic- Eu apontei pro palco, onde o apresentador tinha acabado de sair pra procurar uma lista de participantes.

Eu me sentei e Victoria começou a cambalear pelas escadas, até ela ir até o palco ao invés de entrar no banheiro. Ela então ficou de costas, e eu(pra não gritar o nome dela e pagar um micão) acabei indo sentar numa das mesas da frente.

—Então esse é um grande sonho-Ela começou a murmurar- Ficar nos holofotes sendo glorificado como um rei. Literalmente um rei. Meus parabéns, Reijii.

—Quem é Reijii?-Quando uma mulher do fundo perguntou isso, eu sabia que estávamos ferradas.

—Com licença?- Victoria se virou pro público.

—Quem é esse Reijii que você tá falando?- A mulher voltou a perguntar.

—Meu marido que foi embora.- Victoria respondeu ainda baixo

—Não conseguimos te ouvir!- Um homem gritou- Fala no microfone!

—Meu marido de quase dois anos, Reijii e eu brigamos hoje e ele foi embora- Victoria pegou o microfone, e alguém assobiou na plateia- Ah, muito obrigada.

—Eu não estou entendendo- Uma mulher comentou.

—Nem eu, irmã, nem eu. Eu tenho tantas perguntas voando pela minha cabeça nesse exato momento...- Victoria respondeu, e então olhou com uma careta pro lado- Por exemplo, por que diabos eles não colocaram esse palco naquela esquina perto do bar ao invés DE PERTO DO BANHEIRO ONDE VOCÊ CONSEGUE OUVIR CADA MOVIMENTO INTESTINAL QUE ACONTECE LÁ DENTRO?- Altas gargalhadas se passaram- SÉRIO! TODOS os movimentos intestinais.

Logo que ela terminou de falar, um homem saiu do banheiro, e Victoria foi rápida em responder: 

—Se sentindo melhor agora?

Após mais risadas, Victoria continuou:

—E ainda tem a minha família pra continuar a situação. Uma irmã mais velha, quatro mais novas e um irmão mais novo. Não questionem, minha mãe estava passando por um processo de várias complicações e garrafas de catuaba provavelmente.- Ela deu uma risada- Na minha família, a minha irmã mais velha é uma dinossaura ultra-protetora que daria pra chamar de "pai" se ela não fosse... Sabe,um ano só mais velha que eu. Depois tem duas gêmeas mais novas, meio doidas porém ok. A segunda mais nova, sérios problemas de TPM, favor checar dose hormonal dela. E a mais nova... melhor não comentar.

Percebi Reijii na porta, cobrindo um sorriso com sua mão. Tive que me controlar com a vontade de ir pulando até ele perguntando como ele foi parar lá e por que diabos ele só estava vendo Victoria dar seu show e não a interrompendo.

Logo então, uma mulher se levantou para ir ao banheiro, e Victoria não perdeu a oportunidade:

—Sério? Depois do que eu falei sobre o banheiro?

Depois de mais risadas e a mulher se afastar, Victoria se apoiou numa mesinha.

—Bem, eu contei pra vocês que meu marido brigou comigo e saiu de casa né?- Victoria começou- Mas eu contei que ele fez isso por causa de uma profeta? E nem era uma profetinha esperta, não. Ela é uma profeta BURRA. Ela deve ter medo de um apontador elétrico! Ou não saber usar, ainda não saquei ela, até porque nós dois conhecemos ela hoje na real! E não me levem a mal, homens gostam das mulheres burras, não gostam?

Ela então apontou para um homem em sua frente que estava de mãos dadas com uma mulher, ele olhou nervoso pra ela e disse:

—Eh...

—O que é bizarro- Victoria pegou o microfone, o soltando do tripé- Porque eu sou casada com ele a QUASE DOIS ANOS! Eu dei um filho pra ele! E tudo bem que nosso filho está a cada dia mais parecendo uma espécie de procuração do Lula Molusco, com aquela cabeça gigante e a testa enorme que provavelmente pressionam os ouvidos do pobre garoto, mas fala sério! Isso não é motivo pra sair!- Ela apontou para a mulher em sua frente, ao lado do homem de antes- É motivo pra sair?

—Eh...- Foi a resposta dela.

—Deuses, vocês vão ficar juntos pra sempre- Victoria afirmou- E como se não bastasse isso, sabe qual é o nome dela? O raio do nome da profeta burra? MEGHHANY PANN!

A platéia riu, e Victoria continuou, parecendo indignada:

—MEGGHANY PANN! Esse era o raio do nome da garota burra! Eu nem sei escrever esse nome, talvez nem saiba FALAR ele! Tudo que eu sei é que parece um nome de um prato típico judeu. Tipo, você tá num restaurante judeu, vira pro garçom e fala "Meu consagrado, me traz um MEGHHANY PANN?"! Ah, façam-me o favor!

A platéia explodiu em risadas e aplausos, e Victoria começou meio triste:

—E vocês sabem a pior parte? E isso vai soar extremamente fútil, superficial e falso.... É que ela nem é tão bonita.- A plateia ficou em silêncio enquanto Victoria de repente ficou furiosa de novo e tirou o robe, ficando só de camisola- E VAMOS COMBINAR, QUEM NÃO GOSTARIA DE TER ESSE CORPO MEU? A panturrilha dela é da mesma grossura do pescoço dela! Eu tô com as mesmas medidas desde a primeira vez que conheci meu marido!- Mais um assobio da plateia- Muito obrigada, assobiador desconhecido! VEM CÁ, ENTÃO, QUEM NÃO IA QUERER CHEGAR EM CASA PRA UM CORPO ASSIM?

Um silêncio reinou na plateia, e Victoria continuou, pegando um prato da parte da frente:

—Ok, talvez hoje não seja meu melhor dia. Eu tô com a cara inchada de tanto chorar e minha maquiagem tá toda borrada... Mas ok!- Ela colocou o prato na frente do rosto- Ignore o rosto! Quem não ia querer voltar pra casa e pra um corpinho assim...?- De repente ela parou e pegou sua bolsa do lado- Pensando bem, eu bebi muito vinho e minha barriga tá toda inchada.

Ela então cobriu sua barriga com a bolsa:

—Ok, ignora o rosto, ignora a barriga! Quem não ia querer voltar pra um corpinho assim?- A plateia explodiu em assobios, gritos e palmas- Eu sei! É bom demais, né? E deixa eu falar uma coisa pra vocês...

Ela então soltou as alças da camisola, ficando completamente nua da barriga pra cima:

—ESSES MEUS AMIGOS AQUI ESTÃO SENDO SUSTENTADOS SOZINHOS, MEUS AMORES!- A plateia gritou mais ainda, e eu olhei pra porta pra ver um Reijii completamente vermelho,aparentemente horrorizado, porém parecendo segurar uma risada.- ISSO MESMO, OLHA ESSAS BELEZAS!

De repente, os guardas começaram a entrar, e Victoria ajeitou as alças da camisola de novo:

—Ah, mas o que?- Ela reclamou enquanto era arrastada pelos guardas- Vocês não sabem se divertir! Tchau, pessoal!

Enquanto Victoria estava sendo levada pelos guardas, eu soltei a risada que estava segurando e corri até Reijii:

—Gostou do show?

—Tirando a última parte, foi ok.- Ele respondeu- Você planejou isso?

—Acredita em mim, isso foi tudo espontâneo- Eu respondi- Sem querer ofender, mas acho que ela bêbada libera toda a loucura que ela escondeu desde que casou com você.

—É. Eu também acho- Reijii disse- Obrigado por cuidar dela. Eu vou ver se consigo tirar ela da... Prisão por indecência pública.

—Ih, foi nada- Eu bati no ombro dele- Vai lá salvar sua esposa bêbada, rapaz.

Ele só concordou com a cabeça e saiu do bar, me deixando sorridente.

Ah,nada como um casal fazendo as pazes e uma mulher bêbada fazendo comédia pra animar uma noite. 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...