1. Spirit Fanfics >
  2. Like A Virgin - HunHan >
  3. Capítulo Único

História Like A Virgin - HunHan - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Tem uma grande diferença de idade aqui, então quem não gostar, não leia (Hun: 35anos e Han: 20anos).

Ouçam o hino Like A Virgin da rainha Madonna.

Boa leitura e espero que gostem <3

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Like A Virgin - HunHan - Capítulo 1 - Capítulo Único

O poderoso Oh Sehun dirigia sua linda Maserati azul-cobalto pelas ruas movimentadas da capital coreana, Seul. Ao seu lado, no banco do passageiro, estava seu namorado, olhando o movimento noturno da cidade através do vidro da janela. 

Lu Han era um jovem chinês que fazia intercambio na Coreia, cursava inglês para que pudesse ser professor algum dia. Han era tão inteligente quanto bonito, seu rosto parecia ser feito de pura porcelana, lhe dando um ar mais jovial do que realmente era. Talvez tenha sido isso que tenha feito o Oh se apaixonar, mas na verdade, ele não podia apontar apenas uma coisa que amava no chinês. 

Sehun era um grande advogado criminalista e com seus trinta e cinco anos de idade já poderia ser eleito o melhor no que faz. No entanto, o foco de hoje não é sua profissão, mas sim seu relacionamento com o Lu. 

Mesmo tendo quinze anos de diferença na idade deles, sua relação era visivelmente firme, bem construída e nenhum pouco toxica, eles se respeitam e se entendem perfeitamente. Sehun fora o primeiro namorado de Luhan, já que o chinês não pensava em se juntar a ninguém antes de conhece-lo. 

A criação que Luhan teve de seus pais resultou num menino tímido, quieto e reprimido, não gostava muito de falar e tinha problemas sociais para fazer amizades. Mesmo assim, conseguiu uma bolsa pra cursar sua faculdade em outros país e aproveitou isso, tendo que enfrentar até seu medo de avião para conseguir o que queria. 

Ele conheceu o poderoso Oh Sehun totalmente por acaso, mas fora graças a seu melhor amigo, Byun Baekhyun. Baekhyun era o extrovertido que tinha praticamente o adotado na faculdade, ele e o namorado Park Chanyeol realmente o tratava como filho, sendo assim, um dia o levaram a uma boate em Hongdae, onde encontrara Sehun na área vip do local. 

Dizer que tinha sido amor à primeira é mentira, mas atração à primeira vista é a mais pura verdade. Quando os olhos dos dois se encontraram, ambos sentiram um calor inexplicável correr por seus corpos. 

Sehun encarava Luhan, que aquela noite estava apenas bebendo tranquilamente no balcão do bar. Seu melhor amigo, Jaehyun, o chamou de papa-anjo ao vê-lo encarando um jovem de dezenove anos. Mas que culpa tinha Sehun se aquele menino com rosto de boneca o encarava de volta com olhos de cervo assustado? 

Como uma chita rápida, Sehun foi até o menino, começando então a desenvolver uma conversa, onde então percebeu que Luhan não era uma pessoa para apenas foder por uma noite, mas sim alguém para se levar pra casa, para sair em encontros, para dar presentes, beijar levemente e todas as coisas que filmes de romance mostram. 

No começo foi como um cortejo antigo, regado apenas a beijinhos na bochecha, ele apresentou ao estrangeiro a vários lugares de Seul, lhe mostrando coisas que nunca tinha visto. Sehun investia com paciência, como se não quisesse machucar o pequeno cervo. Mas por outro lado, Luhan, vivendo a primeira vez uma experiência que seu pai sempre lhe proibia, sentiu vontade de ir mais rápido. Por isso, depois de um jantar num restaurante chique, Luhan pediu que Sehun tirasse sua virgindade. Sehun, que quase teve um infarto ao ouvir tal coisa vinda da boca do tímido Luhan, não negou, mas fez daquela primeira vez a mais especial que pode: O pedindo em namoro no final da noite. 

Agora, quase dois anos depois do começo, eles estavam mais firmes do que nunca, vendo que o amor superava as diferenças gerações. No entanto, a família de Luhan não sabia sobre o namorado, pois era melhor assim, enquanto a de Sehun, o apoiou livremente. 

Contudo, o evento narrado na cena de hoje se deu porque Sehun precisou passar duas semanas em Busan, resolvendo um de seus casos criminais. A saudade era tanta que ele teve a idade de passar dois dias com Luhan num motel, logo após ter chegado de viagem. 

Era a primeira vez de Luhan num lugar como esse, ele queria fazer tudo perfeito, como sempre gostou de fazer para Luhan. 

Sweet Lover era um motel de luxo localizado na melhor parte da cidade, era procurado por muitas pessoas famosas como cantores e até mesmo jogadores de futebol. O lugar era incrivelmente lindo e consequentemente caro, era enorme, maior do que o prédio velho da república de universitários que Luhan mora. 

O carro passou pelo pedágio na entrada do motel, após Sehun, pela janela do carro mesmo, jogar algumas notas na atendente do local, que também jogou de volta para ele o cartão para o quarto onde ficariam. Luhan ficou com vergonha pelo olhar que a senhora jogou neles, provavelmente era somente mais uma homofóbica. 

O mais velho estacionou o carro em uma das vagas disponíveis no lado direito do lugar, parando ao lado de um Audi preto. Ele desceu do carro rápido e correu para abrir a porta para Luhan, o ajudando a carregar sua mochila também enquanto já segurava a sua própria mala na outra mão. 

O plano era passar no mínimo três dias isolados no motel, apenas curtindo a presença um do outro. 

O número do quarto deles era quinhentos e vinte e o quarto ficava no último prédio dos quatro que pertenciam ao motel. Sehun segurou sua mão o percurso inteiro enquanto caminhavam pelos corredores e passavam no elevador. 

— Estou louco para usar a hidromassagem. — Luhan comentou ao entrar no quarto, enquanto ouvia seu namorado trancar a porta. Colocou as malas na poltrona no canto do quarto e andou pelo lugar para analisar tudo. 

Observou atentamente o lugar, notando o quão grande era. Estava ambientado com luzes vermelhas, deixando a atmosfera muito mais sexual do que já era. Havia uma grande cama king size e até uma televisão de cinquenta polegadas na parede de frente para ela. O banheiro ficava ali mesmo, como se tudo fosse um cômodo único, a banheira de hidromassagem estava à esquerda, sendo separada apenas por uma cortina fina e quase transparente, juntamente com o vaso sanitário e no canto uma pia com espelho na parede. 

Era tudo tão caro e luxuoso, não era atoa que Baekhyun dizia que Sehun era seu sugar daddy. 

Luhan logo sentiu braços grandes e musculosos o agarrando por trás, o puxando para perto enquanto uma boca começava a deixar beijos por seu pescoço, fazendo seu corpo inteiro se arrepiar. Sehun subiu os beijos até a orelha do menor, onde sussurrou as seguintes palavras: 

— Primeiro vamos aproveitar a cama, depois teremos todo tempo para a hidromassagem. Quero começar matando a saudade de um jeito bem gostoso. — Luhan sentiu uma corrente de excitação percorrer todo seu corpo imediatamente, imaginando quais seriam os planos do namorado. — O que me diz, Lu? O que você quer? — Sehun de repente o virou, segurando seu rosto com sua mão grande e forte, enquanto o olhava diretamente nos olhos. Luhan não vai negar que sempre se sentiu uma presa fácil e exposta quando Sehun lhe olhava com aqueles olhos famintos de caçador, mas ele amava tanto aquela sensação. — Não vai me dizer o que você quer? Você sabe que amo ouvir sua voz. 

Luhan engoliu a seco, sem tirar os olhos dos olhos de Sehun. 

O menor não respondeu com palavras, apenas sorriu docemente como de costume e empurrou Sehun até faze-lo cair deitado na cama, onde se sentou em seu colo. Luhan ficou mais corajoso, aproveitando para beijar o advogado de forma mais dominante. Sua língua rapidamente entrou na boca de Sehun e procurou pela dele, onde em seguida ele chupou e mordeu. 

Sentado bem em cima de sua ereção que cresceu lentamente, Luhan começou a rebolar devagar, como se ainda tivesse timidez. As mãos de Sehun logo se guiaram até a bunda do chinês, ainda coberta pela calça jeans, ele ajudou Luhan com os movimentos leves, se esfregando como dois adolescentes virgens. 

Luhan se afastou quando o beijo foi parado pela falta de ar, ele encarou Sehun mais uma vez, enquanto lambia seu lábio inferior vermelho e molhado. 

— Eu quero que você me devore hoje, Oh Se Hun. 

Ah, ouvir a doce e melódica voz de seu namorado que casualmente era tímido e retraído dizer aquelas palavras era como morrer e renascer como um rei no mesmo instante. Para Sehun nunca existiria nenhuma pessoa mais excitante do que Luhan, nunca. 

Sehun segurou Luhan pela cintura e num movimento rápido o girou na grande cama macia, ficando por cima dele enquanto ele enrolava suas pernas em seu tronco. Luhan soltou um gritinho assustado, mas logo sorriu para Sehun, que começou a beijar seu pescoço. 

— Por que você cheira a morangos? — Perguntou o maior, enquanto fungava no pescoço do chinês. — Me faz querer te devorar de verdade. 

Luhan riu, a barba rala do mais velho lhe fazia cócegas, era gostoso. 

Sehun voltou a beija-lo, dessa vez dominando sua boca. Esse beijo acabou mais rápido, o Oh se levantou rapidamente e mandou Luhan tirar suas roupas, enquanto ele mesmo tira as suas. 

Luhan obedeceu prontamente, jogando sua calça jeans e camisa de malha preta no chão do quarto, mas preferindo se manter com a cueca vermelha. Sabia que Sehun gostava de vermelho, então seria melhor ele mesmo tirar. Ele voltou para cama, se sentando na ponta enquanto observava o namorado. 

Logo após se livrar do seu terno Hugo Boss preto e da sua roupa intima, Sehun foi até a banquinha ao lado da cama, onde tirou uma garrafa média de lubrificante com sabor de morango. Havia um balde de gelo em cima do móvel, ele nem se importou em descobrir qual bebida estava lá dentro, pegou apenas algumas pedras de gelo num copo e levou as coisas pra cama. 

O chinês observou tudo atentamente, mas ficou confuso por Sehun ter colocado um copo com gelo no chão ao lado da cama. 

— Pra que isso, Hunnie? — Perguntou ele. 

Sehun não respondeu, apenas pegou um cubo de gelo e levou a sua boca. Ele voltou para cama, ficando de joelhos no meio dela, Luhan o acompanhou nos movimentos, ficando de joelhos a sua frente. 

O advogado colocou as mãos na sua cintura e se inclinou para beija-lo, o gelo passou por suas bocas, deixando tudo mais frio, mas de certa forma mais quente. Luhan sentia o pênis meio duro do maior bater em sua coxa, o deixando animado para tudo o que iriam fazer. 

A boca de Sehun se afastou da sua, mas desceu por ser pescoço mais uma vez, a friagem dela o deixava cada vez mais arrepiado conforme Sehun ia beijando e chupando sua pele. 

— Deite-se corretamente. — A voz do maior tinha saído dura como uma ordem e Luhan obedeceu rapidamente, se deitando de forma correta na cama. — Agora feche seus olhos. 

Sehun desceu da cama para pegar mais gelo no copo, o levando novamente a sua boca. Ele sumiu em cima do menor lentamente, começando a passar o gelo por suas coxas. Luhan, que estava de olhos fechados e não tinha esperado a pressão gelada nas suas coxas, gemeu baixinho pela surpresa enquanto seu namorado subia com sua boca gelada por seu corpo. Ele parou no seu umbigo, onde deixou o gelo parar, mas logo subiu mais até seu mamilo direito, onde pressionou a agora pequena pedra de gelo, fazendo Luhan soltar um gemido alto. Ele chupou o mamilo, mordendo com certa força, até o gelo sumir totalmente. Mesmo sem gelo, o maior passou para o mamilo esquerdo. 

— Oh, céus... — Luhan gemeu alto, agarrando os cabelos negros do namorado enquanto tinha seu peito mordido. Sentiu Sehun sorrir contra sua pele e logo se afastar. 

— Hora de usar sua boquinha bonita para outra coisa, não acha? — Luhan logo entendeu o que o namorado queria, então se levantou da cama enquanto Sehun se sentava na beira dela. Luhan estava prestes a tirar sua cueca quando Sehun o impediu. — Nada disso, continue com sua roupa e não se toque até que eu mande. 

Aquilo não deveria ter o excitado como fez, Luhan sentiu seu pau doer dentro da cueca, necessitado de liberdade e toques, mas foda-se, amava quando Sehun lhe dava ordens ou lhe proibia brevemente de gozar ou se tocar, significava que as coisas seriam selvagens. 

O estudante se colocou de joelhos diante do Oh, encarando bem seu pênis, que estava duro e firme apontando para cima. Mesmo nunca tendo visto muitos pênis em sua vida, ele sabia que Sehun era mais dotado que a maioria dos homens, e isso só lhe deixava mais animado e sortudo ainda. 

Luhan segurou o grande membro do advogado em sua mão, que até parecia pequena perto daquele mastro, começando a masturba-lo apenas para espalhar o pré gozo pela extensão. O pau estava tão vermelho na ponta e as veias ficando mais pulsantes conforme ele mexia sua mão, ele ouviu Sehun gemer baixo, agarrar seus cabelos e empurrar sua cabeça  

— Calma, Hunnie, você tem que ser paciente comigo. — Luhan lhe lançou um olhar inocente, tirando totalmente a sanidade do maior. 

A pequena e bonita boca de Luhan se abriu e sua língua foi para fora, indo de encontro com a cabeça do pau de Sehun para provar seu sabor salgado. A língua vagou pela extensão, tateando as veias apenas para provocar, antes de colocar tudo o que podia na sua cavidade bucal. 

O mais velho gemeu e fechou os olhos, o calor que envolveu seu pênis era demais. Mesmo não sendo muito experiente em boquetes, Luhan sabia saber algo excelente para agrada-lo, mesmo não conseguindo levar até o fim sem engasgar. 

Luhan apoiou suas mãos nas coxas nuas do maior, enquanto subia e descia com sua boca rapidamente, suas bochechas faziam vincos pela pressão que colocava no seu trabalho. 

— Porra, Lu Han... — O Oh gemeu, fechando seus olhos fortemente enquanto jogava sua cabeça para trás. 

Luhan sentia seu próprio pênis arder cada vez mais preso na sua roupa intima, mas estava ignorando aquilo, focando somente em dar prazer ao seu homem, este que gemia rouco e baixinho, sinalizando que o empenho de Luhan estava valendo a penas. 

Sehun sentiu que estava próximo de gozar, por isso puxou a cabeça de Luhan por seus cabelos, o afastando de seu membro. A boca do menor estava toda babada, vermelha e inchada, assim como seu pênis. Sehun suspirou fundo por ter tido o contado interrompido.  

— Hunnie... — Luhan reclamou como se tivesse perdido seu pirulito favorito, fazendo até um biquinho fofo. Mesmo que nunca admitisse, Sehun sabia que ele amava chupar seu pau, como o pequeno pervertido que era. 

Contudo, a expressão do maior ficou mais selvagem e bruta. 

— De quatro. 

A ordem tinha sido feita, o pênis de Luhan repuxou na sua cueca e vazou pré gozo, a deixando manchada. Ele então fez o que foi pedido, se apoiando nas mãos e joelhos na cama. A ansiedade de não saber o que Sehun planejava tomou conta de seu corpo, mas de uma forma boa, ele queria receber tudo o que Sehun queria lhe dar logo. 

A cama afundou um pouco atrás de si e o estudante sentiu as mãos do namorado chegarem ao cós de sua cueca, a rasgando no meio de uma vez só. 

— Oh Sehun! — Luhan exclamou ao ter o resto da roupa íntima rasgada. 

Totalmente exposto o chinês estava para si, sua bunda estava empinada e quase revelava a entrada. Luhan era sempre limpo e muito cheiroso, sua bunda estava sempre bem depilada, Sehun agradecia. 

Sehun novamente alcançou o copo com gelo e levou mais um a sua boca. Começou passou passando pelas nádegas do menor, o fazendo tremer, em seguida segurou-as e revelou sua entrada rosada, onde ele começou a chupar. 

 Luhan gemeu alto, a língua gelada causava arrepios em seu buraco, que piscava em excitação. O advogado ora lambia, ora chupava, tentando penetrar sua língua naquele canal muito apertado. O chinês rebolou sua bunda, desejando sentir mais e mais, tentou se apoiar em apenas um braço para que com o outro pudesse segurar os cabelos de Sehun, mas acabara caindo de cara no colchão macio, deixando sua bunda mais empinada ainda. 

 Sehun levou suas mãos até as bochechas de sua bunda, as alisando enquanto sugava seu buraco. Deu alguns tapas leves apenas para testar Luhan, já haviam conversado sobre tapas, mas gostava sempre de permissões claras. Contudo, Luhan rebolou ainda mais na sua cara, mostrando que aceitaria qualquer coisa que ele desse. 

 — C-coloca seus dedos, H-hunnie... — O chinês disse, sua voz saiu fraca e arrastada. Seu coração batia tão rápido com toda a tensão que estava passando, que tudo o que podia fazer era implorar por mais. — P-por favor, me come com seus dedos. 

 Luhan poderia listar todas as coisas que amava em Sehun e seus dedos estavam inseridos na lista. Eles eram grandes e grossos, faziam tanto estrago em si que ele amava. Certa vez, Sehun o fez gozar no carro usando apenas seus dois dedos centrais. Luhan nunca poderia resistir, mesmo com certa timidez. 

— Ah, então meu pequeno pervertido quer ter meus dedos dentro de si? — Perguntou ele, vendo Luhan assentir imediatamente várias vezes. 

 Sehun se afastou do corpo do menor, tendo que masturbar seu próprio membro algumas vezes para aliviar a tensão, seu pau até chegada a doer de tanto tesão que tinha no seu Luhan implorando por seu corpo. 

O Oh pegou o tubo de lubrificante caído no chão ao lado da cama e do copo de gelo, passou em alguns dedos de sua mão direita e os levou a entrada do menor, massageando bem a borda para em seguida penetrar seu dedo indicador. Movimentou lentamente o dedo, entrando e saindo devagar enquanto via Luhan tremer inteiro. 

O estudante rebolou no dedo do maior quando a dor inicial foi passando, pediu para Sehun colocar mais dedos dentro e assim recebeu. Agora, os três dedos dentro de si faziam a dor ser um pouco mais significativa, mas Sehun também adicionou mais lubrificante a sua mão, para facilitar a passagem. 

Em seguida foram quatro dedos da mão direita do advogado no seu buraco, o esticando para que algo muito maior pudesse entrar com facilidade. Luhan gemeu manhoso e alto quando Sehun agarrou seu pênis com a mão esquerda, quase fechando inteira na sua extensão pequena. Ele moveu seus dedos mais agilmente enquanto o masturbava, deixando Luhan uma bagunça total. 

— H-hunnie... — Luhan chamou, gemendo manhoso, seu corpo tremia de prazer, mas precisava de algo muito maior dentro de si. — Q-quero seu pau... 

Sehun parou os movimentos imediatamente, fazendo Luhan suspirar. Logo Luhan ouviu o barulho do lubrificante e em seguida sentiu a cabeça do pau do Oh ser esfregada contra seu buraco, o deixando mais ansioso e necessitado. 

— Você terá que pedir mais, Lulu... — Sehun continuou passando seu pênis pela entrada do menor, o assistindo se contrair várias vezes, enquanto o próprio Luhan tremia de ansiedade. — Se você quiser que eu te coma bem gostoso como você gosta, terá que implorar mais. 

Nem era preciso repetir mais vezes, logo Luhan estava rebolando sua bunda para trás em buscar de mais contato. 

— Hunnie, por favor... 

Sehun queria provocar mais o namorado, mas nem podia mais se segurar. Tratou de segurar seu pau pela base para começar a introduzir no buraco do menor, entrou bem devagar pois era muito apertado. Luhan tremeu inteiro, sentindo sua entrada se alargar cada vez mais para receber o grande membro do Oh, lagrimas de formaram nos cantos de seus olhos e apesar de ter sido preparado com quatro dedos anteriormente, ainda sentia-se partindo no meio, mas até gostava da dor. 

Depois de um tempo, o mais velho saiu lentamente e logo voltou para dentro com tudo, impulsionando o corpo do chinês para cima. Os movimentos aumentaram gradativamente, fazendo o quarto virar uma zona erótica pelos gemidos de ambos e pelo som das peles se chocando. 

As mãos de Sehun estavam em sua cintura, o segurando firmemente, afinal Luhan não podia fazer mais nada a não ser gemer, gritar e implorar por mais a cada nova estocada. Sehun continuou entrando e saindo, como se estivesse com pressa, e num desses movimentos, a cabeça de seu pau encontrou diretamente a próstata do menor, causando choques por seu corpo e o fazendo soltar o um grito agudo e falho. Ele investiu mais e mais naquele ponto, deixando Luhan ofegante e extasiado. 

— Nossa, como eu tava com saudade dessa sua bunda gostosa. — Disse o Oh, apreciando bem o calor e aperto que recebia no seu pênis, como se estivesse sendo envolvido por um veludo muito sensível. 

A mão direita de Sehun se guiou para os cabelos negros do estudante, os puxando com força enquanto continuava a bater na sua próstata sem parar. Ambos gemiam auditivamente, mas os gemidos de Luhan estavam mais esganiçados, seus olhos estavam fechados, mesmo assim suas orbitas ainda se reviravam dentro das suas pálpebras. 

Ele não pode nem descrever o quanto adorava ser fodido por Sehun, não é algo simples como tocar o céu como geralmente descrevem, é mais como governar o universo inteiro. Todo prazer que é lhe dado, é insubstituível. 

No entanto, ele poderia ser fodido mais tarde, agora queria sentar com força no homem que tanto amava. 

— M-me deixa montar em você, Hunnie. — O Lu reuniu as forças para pedir. 

Como negar um pedido desses? Nem se Sehun quisesse, ele poderia dizer não a Luhan. Saiu de dentro do mais novo, se afastando para em seguida se deitar na cama, após ter pegado um dos travesseiros que estava no chão e colocar para escorar suas costas. 

Luhan estava uma bagunça só, os cabelos todos desarrumados, os lábios vermelhos e inchados por estar mordendo sem parar e sua face estava corada e suada. Luhan estava mais bonito do que nunca na visão de Sehun, que também não estava num estado diferente. 

O chinês logo pulou em cima do Oh, apressado para ser preenchido novamente, o vazio em seu buraco não o agradava. Olhando Sehun atentamente, Luhan pegou o seu pau com a mão direita e alinhou com sua entrada, sentando de uma vez só, ato que fez Sehun gemer. 

— Caralho, Luhan, vai devagar ou vai se machucar. — Mas Luhan não se importava, só queria rebolar naquele pau grande logo, como se fosse necessário para sua sobrevivência. 

O mais novo se apoiou no seu peito, começando a subir e descer em seu pau, Sehun se deliciava com a visão de um Luhan completamente focado no prazer, era a melhor parte de tudo. Ele levou suas mãos até a bunda do chinês, o ajudando com os movimentos, mas não resistiu e deixou vários tapas de cada um dos lados, fazendo Luhan gemer mais e jogar sua cabeça para trás. Sehun se aproveitou e atacou seu pescoço, deixando beijos e mordidas leves. 

— H-unnie... 

O Lu se abraçou mais ao namorado, passando seus braços por sua cabeça enquanto seguia rebolando naquele pau gostoso, seu próprio pênis esquecido foi pressionado entre os corpos e isso só agravou sua tensão. O Oh sentia-se muito entorpecido pelo prazer em suas veias, era bastante para Sehun ser engolido pelo canal que o envolvia, estava quase gozando, ele podia sentir suas bolas contorcerem. 

— Eu te amo tanto... Porra! — Sehun disse perto de seu ouvido. 

Aquilo havia sido o clímax para Luhan, que gemeu alto e tremeu mais forte, sua respiração descontrolou, seu coração aumentou mais e sua entrada se contraiu de um jeito que o fez amolecer nos braços de Sehun, este que sentia o pau ser mais esmagado pelo buraco que o envolvia. Luhan gozou entre seus corpos, sem nem tocar seu próprio pau, havia sido tão forte que sua visão ficou turva e sua cabeça toda borrada e tonta. 

Sehun não aguentou mais a pressão que sentia no seu pau, segurou fortemente os quadris do menor enquanto gozava dentro dele, gemendo roucamente e fechando bem os olhos no processo. Luhan também gemeu ao sentir seu interior sendo praticamente inundado, enquanto ainda sofria o seu orgasmo. 

Passaram alguns momentos assim, ligados, mas Luhan logo sentiu Sehun puxar seu pau com cuidado e em seguida a sua porra escorrer por sua entrada. O advogado o colocou deitado em seu peito e o abraçou forte, enquanto tentavam acalmar suas respirações e batimentos cardíacos, acabaram adormecendo assim mesmo do jeito que estavam. 

A banheira de hidromassagem iria esperar, mas com certeza, também seria testemunha de uma cena tão selvagem quanto essa. 


Notas Finais


https://youtu.be/2qCfnL8FsoQ

***A ideia do gelo veio de TharnType rsrs, só quem viu vai entender hihi

Leiam minhas outras fanfics hihi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...