1. Spirit Fanfics >
  2. Lil Sis >
  3. Tão perfeito...

História Lil Sis - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Oioi, voltei!🤡
Me perdoem por ficar tanto tempo sem postar... tentei compensar com um cap maiorzinho...
Me perdoem também pelos erros a seguir...mais tarde vou tentar corrigí-los.
E agora, sem mais delongas, vamos pro cap!

UwU

Capítulo 6 - Tão perfeito...


Fanfic / Fanfiction Lil Sis - Capítulo 6 - Tão perfeito...

           *03:07 AM*

- Caralho, 'vei, não é possível. - sussurro (por estar bem tarde) sonolenta e irritada, sentada entre os dois. - Estamos aqui a quase quatro horas SEGUIDAS e vocês ainda não conseguiram terminar isso.

- Não temos culpa, essa porra é muito difícil. - Subaru retruca, também sussurrando.

- Alá, você já acabou, por que não cria um poema 'pra gente também? - Ayato cruza os braços.

- Eu não, isso é pessoal, tem que colocar sentimentos...- dramaticamente falando... cruzo os braços também. - Aliás, se vocês usassem as dicas que eu dei, também já teriam terminado. *suspiro* Ok, deixem-me ver o que escreveram até agora.

Os garotos, em um movimento bem lento e cansado, viraram seus cadernos para mim.


~Ayato

"Vamos, chore!
Grite!
Esqueça tudo de uma vez
hoje à hoje, sob a lua vermelha.
Expresse em sua volta o quanto está
sofrendo miseravelmente...
A felicidade é um pecado?"


-... amado? - olho perplexa 'pra ele.

- 'Tá ficando massa, né não? - ele dá um sorriso orgulhoso.

- Deixa eu ver. - Subaru diz e eu logo viro o caderno para ele. Dentro de alguns segundos, a expressão dele muda 'pra algo como "é exatamente o tipo de poema que eu leria". - Curti.

-Eu sei, eu sei, sou incrível. - diz convencido.

- Depois comento sobre isso. Vamos ver o seu agora. - falei baixinho (na verdade, em nenhum momento eu saí desse tom de voz; igualmente em relação aos menino.), pegando o caderno de Subaru e devolvendo o de Ayato.


~Subaru

"Tarde demais,
já passamos da dose letal de sangue,
que quase te leva ao êxtase.
Seus olhos se abrem,
enfraquecida por tanta oposição...
A raiz da infecção que destruiu nosso amor,
foi você?"


- ...vocês sabem que é pra falar de amor, 'né? - arqueei a sobrancelha e os dois assentiram. - Mas esses poemas falam de amor??

- Claro que sim. - disseram juntos.

- Vocês devem ter algum distúrbio mental, não é possível, man. - falei e eles fecharam a cara. - Tipo, eu nem posso dizer que 'tá ruim...porque 'tá realmente bom. - Devolvo o caderno ao albino. - Só que tem nada haver com amor.

- É um amor sádico, poxa. - Ayato diz, sorrindo e Subaru concorda com a cabeça.

- Não acho que o professor terá a mesma visão que vocês. - arqueei a sobrancelha. - Olha, podemos apenas trocar algumas palavras e vai ficar ótimo. Não é necessário mudar tudo. - falei e eles assentiram, entediados. Bom, eu os entendo... estão cansados e eu também estou.

- Espera aí, deixa a gente ler o seu antes de modificarmos os nossos. - Subaru disse e, assim, eu entrego o meu caderno ao mesmo. Ayato se aproxima um pouco dele para conseguir ler também.



~Samari

"E as feridas do coração
me fazem sofrer cada vez mais;
E eu aqui, estou tão só,
preso na escuridão,
e só consigo pensar em você.
Eu te encontrei por acaso
e o meu destino começou a mudar.
Um segredo que ninguém pode saber;
Nos meus sonhos vai se revelar.
Não posso mais voltar,
já cometi o pecado de
te amar."


- Parece que alguém está apaixonada...? - Ayato abriu um sorrisão, me provocando.

- Não, tá doido? Curto essas paradas aí não, anh. - falei orgulhosa, fazendo uma careta de nojo.

- Será cunhado ou cunhada...? - Subaru comenta com Ayato, ignorando completamente o que eu falei.

- Ei, eu não sou lésbica! - sussurrei gritante, expressando minha raiva.

- Já pegou alguma garota, por acaso? - Ayato se dirige a mim, desconfiado.

- Não, mas eu- fui cortada pelo mesmo.

- Então não pode dizer que não gosta de algo sendo que nunca provou. - ele sorri maldoso. - Se bem que é bem difícil te imaginar pegando alguém.

- Ow! - cruzei os braços - Eu sei que não sou tão bonita quanto vocês, mas não sou tão feia.

- *cof cof* gostosa. - Ayato tosse forçadamente.

- *cof cof* muito. - Subaru imita o ruivo.

- Ei, eu ouvi! - prendi o riso, fazendo os dois se fingirem de desentendidos. - Mas ué, que bipolaridade é essa que primeiro tu me xinga e depois me elogia?

- Eu não te xinguei. - ele franze o cenho. - Não te imagino com alguém porque você é muito infantil pra fazer algo assim. - eu dou língua pra ele. - Aí ó.

- Eu não sou SEMPRE infantil... eu sei ser madura também, ok? - cruzo os braços.

- Ok, chega desse assunto e vamos logo terminar essa porra. - Subaru fala, nos relembrando dos poemas.

- *suspiro* Tudo bem, vamos terminar... Mas antes, só uma pergunta. - eles me olham curiosos. - Vão dedicar seus poemas à quem?

- O quê? - Ayato franze o cenho novamente.

- Como assim? - Subaru coça a cabeça.

- Vocês não se lembram? O profe disse que os poemas vão ser escritos anonimamente, ou seja, sem dizer quem é o remetente, com somente o nome do destinatário e, assim, os "cupidos" irão entregar as cartas e tals. - explico entediada.

- Ah, lembrei. - Ayato estala os dedos. - Não tenho ninguém em mente.

- Muito menos eu. - Subaru dá de ombros. - Aquelas garotas só se interessam pela gente por sermos populares, não porque gostam realmente de nós.

- Digo o mesmo dos garotos... tirando os meus amigos. - falei assentindo.

- Yuuichiro e Haruka? - o ruivo pergunta e eu confirmo com a mão, fazendo um "ok", piscando um olho.

- O que 'tá rolando aqui entre vocês que ainda estão acordados? Um ménage? - Laito sussurra, brotando ali, sentado entre eu e Ayato.

- É isso aí! Como você pode ver, eu estou dando 'pros dois. - sorrio, ironicamente. Meu comentário fez com que Subaru prendesse o riso e com que Ayato pegasse um dos meus travesseiros, tampando a própria cara, por estar rindo muito.

- Posso participar? - ele continuou, com um sorriso cheio de malícia e eu logo olhei daquele jeito pra ele, assustadoramente. - Ok, ok, parei...

- Aproveitando que você tá aqui, pode nos ajudar aqui com essa merda de poema? - Subaru diz, se recompondo. - É sobre amor.

- Hmm se fosse sobre sexo seria mais fácil. - ele faz uma pose pensativa, me fazendo revirar os olhos. - Mas acho que não é tão difícil. Vamos ver...


          *04:38 AM*


- Aeeeee desgraçaaaa!! - comemoro me jogando na cama, quase gritando, tendo minha voz abafada pelo travesseiro.

- Puta que pariu. - Subaru sussurrou gritante, também comemorando.

- Já estava na hora... - Laito suspirou, cansado. Me sento na cama.

- Obrigado, essa merda 'tava muito irritante já. Agora eu vou dormir, então... 'falow - Ayato diz com uma voz arrastada e sonolenta, com os olhos quase fechados. Damos um tchauzinho 'pra ele e, assim, ele se teletransporta para, provavelmente, seu quarto.

- Eu também vou indo, já está muito tarde. -Subaru se levanta e olha pra mim e pro Laito, que também se levanta, assentindo em sinal de "também vou". - Obrigado. - da um sorrisinho. Sua voz saiu falhada (assim como a de todos que estavam acordados até agora).

- Não tem de quê. - sorrio de volta. Laito também da um sorrisinho para o mais novo. E assim, os dois somem.

Aahh vamos finalmente pregar os olhos... Me deito novamente em minha cama, logo me cobrindo. Hoje 'tá tão frio que chega a parecer que os graus estão negativos... mas eu duvido que realmente estão...


          *07:32 AM*


- BOOM DIAA, O SOL JÁ NASCEU LÁ NA FAZENDINHAAA...- acabo despertando no susto ao ouvir uma voz cantando, ou melhor, GRITANDO no meu ouvido.

- Mas que porra é essa...? - digo arrastada e irritada, abrindo lentamente os olhos. Laito estava sentado ao lado da minha cabeça. Ao ver que acordei, abriu um sorriso satisfeito.

- Parece que seu plano funcionou, Kanato-kun. Eu realmente não estava botando muita fé. - falou se levantando, ainda com um sorriso.

- Eu falei que ía dar certo. - Kanato falou, dando um sorriso orgulhoso. Ele estava do outro lado da cama, meio inclinado pra perto de mim. Logo ele se encaminha para ficar ao lado do ruivo.

- Por qu...man, por que vocês fizeram isso??? SÃO SETE FUCKING HORAS...- falei irritada, olhando para o relógio pendurado na parede. Me sento na cama, coçando o olho direito.

- Reiji mandou te acordar. - o pequenino deu de ombros.

- Reiji...? - de repente, me dá um branco na mente, mas logo me lembro que íamos sair pela manhã. - Não sabia que seria tãooo cedo...

- Recomendo você ir se arrumar logo, vamos sair daqui a uns 20 minutos mais ou menos. - Laito diz, se apoiando na parede, pegando seu celular do bolso de seu casaco, mexendo no mesmo.

- É verdade. Reiji não gosta muito de atrasos... - Kanato se senta na minha cama, colocando Teddy sentado de frente para o mesmo. Acaba se distraindo com o ursinho, conversando com ele.

Agora que reparei, mas eles estão com umas vestes diferentes das do dia à dia. Bom... tenho menos de 20 minutos.

Me levantei na maiooor coragem do mundo, indo direto pro banheiro e deixando os meninos sozinhos no meu quarto. Tiro minhas roupas, indo direto para debaixo do chuveiro (tem banheira e chuveiro... só fui de chuveiro porque é mais rápido). Tomo uma ducha rápida, fazendo com que meu sono "vá embora". Esse banho deve ter durado uns, sei lá, 5 minutos?

Me seco rapidamente, logo vestindo minhas roupas íntimas. Enrolo-me na toalha, indo para meu quarto e, bom, os meninos já saíram. Penduro a toalha em algum lugar dali e vou direto para o guarda-roupa.

- Hmm o que vou vestir? - pergunto a mim mesma, olhando cada peça ali presente.

- Que tal aquela blusa branca larga com a calça preta rasgada nos joelhos e o moletom violeta? - uma voz ecoa pelo meu quarto.

- É, boa sugestão. - peguei as roupas que a pessoa citou. - Não sabia que era bom nessas coisas de combinação, Subaru. - me virei, colocando o que ía usar encima da cama, vestindo uma por uma. O albino estava encostado no vidro da grande janela, olhando através da mesma. Acho que ele é o único dos irmãos que não fica encarando o meu corpo quando me troco. (Obs: Reiji e Kanato também não fazem isso, porém é muito raro eles irem até meu quarto...ainda mais se é no momento que estou me trocando.)

- Não sou. - dá de ombros. - Apenas falei o que eu iria usar caso fosse uma garota.

- Hmm... faz sentido. - termino de me vestir, penteando meu cabelo rapidamente (por não estar tão embaraçado), fazendo um coque bagunçado.

- Hm-Hum. - Subaru nega, andando até mim e soltando meu coque. - Assim é melhor.

- Ah, tá bom. - dou de ombros. Calço meu all star preto e logo olho pro mesmo, aguardando mais uma reprovação... porém, nada. Vou até a penteadeira, pegando uma gargantilha. - Ér... me ajuda aqui? - digo, arrancando um revirar de olhos do mesmo. Ele vem e eu seguro o meu cabelo para que ele conseguisse prender meu cordão sem complicações...e assim foi feito. - Brigadinha.

- Tá, tá... - ele vai até a porta, sem dar muita importância. Parece estar bem entediado hoje. - Pronta?

- Só um perfuminho. - peguei o primeiro perfume que avistei encima da penteadeira, dando algumas borrifadas em mim mesma. Aproveitei que já estava ali e passei rapidamente um lip tint, ouvindo um suspiro impaciente do albino. - Ok, ok... pronta.

Saímo do meu quarto e, bom, faltavam 5 minutos ainda. Sim, me arrumei completamente em 15 minutos... Acho que é um bom tempo. Me teletransporto até a cozinha e pego aquele prato com cookies que fiz ontem. Me sento no sofá de três lugares, já pegando um dos dez biscoitos.

- Caralho, isso tá muito bom. - falei pra mim mesma, terminando de comer o primeiro.

- Que isso? - Ayato brota sentado do meu lado e, assim, dou um cookie pra ele, que logo dá uma mordida. Sua expressão mostra o quão satisfeito com o gosto ele estava. - Seu sangue deixou isso tão perfeito...

- Eu sei, eu sei, sou incrível. - repeti a frase que o ruivo usou ontem, em tom de orgulho, fazendo com que o mesmo revirasse os olhos. - Pode pegar mais, não vou conseguir comer tudo em 5 minutos. - e ele assentiu.


           *Depois desses 5 minutos*


E lá estava todo mundo reunido no hall de entrada, esperando Reiji falar "vamos indo" ou algo do tipo. E assim aconteceu.

- Antes de irmos, quero que estejam cientes que não podemos demorar. Voltaremos em média de uma hora. - ele falou e todos assentiram, entediados. - Agora vamos.

Assim que ele terminou de falar, nos dirigimos à limousine. Hoje o dia está tão frio... coloco minhas mãos dentro do bolso do meu moletom, observando o céu nublado pela janela.

- Hoje...vai chover. - sussurro após sentir meus olhos pesarem cada vez mais, até se fecharem por completo.


           *20 minutos depois...*


- Mari-chan....Marii~ - ouço uma voz aveludada e risonha a me chamar de longe. Seria um anjo?

- Man, desse jeito ela não acorda. - ouço uma outra voz, um pouco mais orgulhosa e menos suave. - Tem que ser assim: PUTA MERDA SAMARI, OLHA OS BITIESI DANDO SHOW BEM ALI, TÃO CANTANDO "OH M-M-MAI", AQUELA MÚSICA LÁ QUE VOCÊ GOSTA E- o interrompo, abrindo os olhos.

- Ayato, o "Bitiesi" só vai dar show no Japão daqui a uns 5 meses. - olho pro mesmo.

- Ah, pelo menos você acordou. - ele deu um sorriso orgulhoso.

- Sim, mas não foi você que me acordou. Foi algum ser divino, sei lá. - falei pensativa.

- Ah Mari-chan, fico lisonjeado~ - Laito diz, com um sorrisinho fofo.

- O Laito?! Uma figura divina??! - Ayato cai na gargalhada. - Vai nessa.

- A voz dele é linda, o que que eu posso fazer. - coloco as mãos na cintura e Laito cruza os braços.

- Não liga pra ele, Mari-chan; somente um anjo reconhece o outro. - ele diz sorrindo e eu sorrio de volta.

- Os demônios também reconhecem os anj-assim que Ayato ía terminar a sua gracinha, Reiji o interrompe.

- Quanto tempo mais vocês vão ficar aí? Conversem durante o trajeto. - ele remexe seu óculos, sério.

- Desculpe, Reiji. - falei e ele assentiu, e logo nós três saímos (só faltava a gente).

Fomos caminhando os sete juntos até a loja, que não era muito longe. Adentramos e a moça atendente foi muito gentil, me senti confortável ali com ela. Explicamos o que queríamos exatamente e parece que ela entendeu bem, pois já foi logo recomendando a cada um uma roupa diferente. Em relação a cor, eu preferi preto ou vermelho e ela foi correndo buscar alguns vestidos. Os meninos preferiram se virar, disseram que não precisavam de ajuda. Bom, eu preciso... não costumo usar vestido, então vou precisar de opiniões femininas.

- Eu achei esses aqui a sua cara! - ela disse animada.

- Hmm moça, esses daqui são muito exagerados... - acho que são muito "Pah! Cheguei."

- Não mesmo! Não chamam tanta atenção, mas também não são completamente simples e apagados. Olha, que tal esse preto aqui? - ela ergueu um vestido preto longo, com um sorrisinho.

- É, acho que esse deve servir. - sorri de volta.

- Agora vamos experimentar para ver se este tamanho está bom. Por aqui, por favor. - ela falou, me guiando até um provador.


        *Depois de ter experimentado e já tirado o vestido*


- Ficou tão perfeito...! Parece que foi feito especialmente para você.- falou ainda mais animada, o dobrando e colocando dentro de um plástico, logo o enfiando dentro de uma sacola.

- Nunca achei que diria isso de um vestido mas... esse é bem bonito mesmo. - dou um sorrisinho.

- Já se decidiu? - Reiji veio em minha direção. Eu acabei nem precisando de sua ajuda... mas acho que foi sim uma boa escolha.

- Já sim. E vocês? - perguntei de volta.

- Mais ou menos. Ja decidumos que roupa vai ser e vamos todos iguais, com cores diferentes. Eles ainda estão vendo que cor vão usar. Eu vou com esse daqui. - falou me mostrando o modelo com a cor que ele vai usar. Achei magnífico! Vamos ficar tão lindos...

(Obs: nas notas finais, deixarei os links da roupa dos meninos e também do vestido da Samari.).

- Hey, Subaru! - o chamo, animada. Parece que está tentando imaginar que cor cairá melhor nele, observando o modelo que Reiji acabou de me mostrar. O albino muda seu olhar para mim, em sinal de "o que foi?" - Vamos combinando!

- Huh? Por quê? - ele parece confuso.

- Porque somos gêmeos, aí vai ficar bonitinho. - dei um sorrisinho. - Ao menos que não queira, claro... - essa parte eu falei mais baixo, um pouco constrangida.

- Tanto faz. - ele faz uma expressão de "não me importo", porém corou um pouquinho. Por que será? Bato palminhas, pulando alegre. - Qual a cor do seu vestido?

- É todo preto. - assim que falei isso, ele pega um modelo igual o do Reiji, porém completamente preto. Tão...lindo...

- Aah~ vamos ficar perfeitos. - falei abrindo um sorriso maior ainda. O mesmo revira os olhos, dando um sorrisinho.

- Não entendo o motivo de tanta felicidade. - ele ri, me achando completamente boba.

- Sei lá, só 'tô besta. - sorri de lado. Ele foi levar a roupa escolhida até a moça, que adorou e ficou super animada (igual a quando eu experimentei o vestido...) e eu fui até Kanato e Laito, que estavam se decidindo também. - Yo! - sorrio.

- Oie Mari-chan~ - Laito sorri pra mim.

- Olá maninha. - Kanato da um sorriso também, porém mais tímido.

- Precisam de ajuda para decidir? - os dois assentiram. - Hmm Laitito, que tal verde?

- Verde? Uma cor tão... - fica com uma expressão "???". Talvez nunca tenha passado essa cor pela cabeça dele.

- ...destacante. Acho que lhe dará destaque, pois a maioria dos garotos deve estar de vermelho ou, sei lá, preto e branco.

- Acho que tem razão. Obrigado, Samita. - ele sorri e eu sorrio de volta. - Ladies, aguardem o príncipe Laito. - o ruivo pegou a roupa e levou até a moça, que achou que combinou bastante. Ele...ah não, ele está cantando ela. Puta merda, ele não perde uma.

- E para você, Sir Kanato, que tal...- olho pra ele, que olha de volta pra mim...logo falamos juntos: - Roxo!

- É, vai ficar ótimo! - ele sorri, adorável. O mais velho pegou sua roupa e levou até a moça também. Ela achou que vai ficar super fofo.

Bom, agora que todos escolheram, Reiji foi até o caixa e pagou tudo. E lá estávamos nós, com várias sacolas. Saímos da loja, dizendo "obrigada" para a moça e a mesma dando tchauzinho e dizendo "voltem sempre". Fomos até a Limousine e deixamos tudo lá dentro, logo voltando pra rua.

- Onde vamos...agora? Pensei que fosse apenas a roupa. - Shuu disse praticamente dormindo em pé, enquanto vamos andando, seguindo Reiji.

- É um baile de MÁSCARAS. Não entramos se não estivermos a caráter, baka. - Ayato o respondeu ironicamente, recebendo um "af" do loiro.

Logo entramos em uma loja de festa a fantasia e, bom, admito que a maioria das máscaras eram bem ruinzinhas... mas tinha algumas que eram bonitas.

- Ah~ máscaras que tem que ficar segurando por um cabinho são tão chiques... - falei olhando uma, admirada.

- Concordo, pena que você não vai conseguir ficar segurando ela a festa inteira. Recomendo uma de elástico. - Reiji falou e, bom, ele tem razão. Peguei uma preta de elástico, assim como os meninos. Pagamos e finalmente voltamos para a Limousine, nos encaminhando para casa.

- Ufa~ tô completamente cansada... - bocejei e fechei os olhos, deitando a cabeça no ombro de quem estava ao meu lado direito: Shuu. O mesmo, que sempre está cansado tambem, deitou a sua cabeça sob a minha.

- Cansada? Mas o dia mal começou. - Kanato falou, sem me olhar e dando atenção ao seu ursinho.

- Em compensação, a noite foi beeem longa, não é Subaru? Ayato? Laito? - falei ainda de olhos fechados.

- Hah nem me lembre. Ainda nem decidi pra quem será minha carta. - Ayato falou, entediado.

- Grita, mano. - Subaru revira os olhos.(Nt.Esc.:grita ou gritou é uma gíria que funciona como um rt ou concordo.)

- Aí, por que não mandam essas cartas pra mim? Melhor que iludir umas garotas aleatórias que gostam de vocês. - falei sem dar muita importância.

- Tanto faz. - Ayato diz e Subaru dá de ombros. Acho que eles só queriam uma solução qualquer.

E então, quando eu finalmente ía pegar no sono, ouvi uma voz me chamando.

- Samari? - era Reiji. Abro os olhos lentamente, mirando-o. - Você tem algum sapato que combina com esse vestido, certo? - me olhou desconfiado.

- Ah, eu estava pensando no meu all star branco. - falei pensativa. Por um momento, juro que vi o mais velho tendo um tique nervoso no olho direito.

- Não mesmo. - ele diz por fim, ajeitando seu óculos, ainda sério.

- Por quê?? - pergunto indignada.

- Não combina: seu vestido é preto, sua máscara é preta e seu sapato vai ser branco? Não. Aliás, all star é simples demais para um baile de máscaras.

- Ok, ok, concordo que não combina. Mas all star não é "simples", como voce citou. Ele é bem estiloso, inclusive tenho uma coleção de quase todas as cores. - falei orgulhosa, com um sorrisinho. Aah ninguém se mete com meu all star. - Então irei com uma bota preta, sei lá.

- Perdão?? - Reiji, mais uma vez indignado, indagou.

- Aaah~ ninguém vai ver, meu vestido é enormee.... Aliás, é uma bota com saltinho, é bonitinha, tu vai curtir. - dei uma piscada pra ele, que ainda não gostou da ideia, mas achou melhor a bota do que o tênis. E assim, pude seguir o caminho todo cochilando...


          *20 minutos depois*


- Como é que acorda esses dois agora? - ouço uma voz de longe, reclamando. Acho que era o Laito.

- Talvez se eu cantar igual de manhã...- bom, agora tenho certeza que esse é o Kanato porque ele que me acordou hoje.

- Ou talvez anunciar o show do Bities de novo. Vai que né. - e esse, de fato, o Ayato.

- Ahh~ não me acorde não... - reclamei de volta, arrastada, sem abrir os olhos.

- *suspiro* Ela não vai sair agora. - desistiram. Essa voz é do Subaru. - Shuu?

- Hm? - o loiro "respondeu" também arrastado, abrindo somente um olho.

- Isso fica por sua conta.

- Hm... - não deu muita importância, fechando novamente o olho.


          *Cerca de 7 horas depois*


Acabei por despertar sozinha... que soninho bom, viu? Abro os olhos lentamente e logo percebo que não estou mais no carro, e sim num quarto...

Sento-me na cama, um pouco confusa. Me espreguiço, com uma sonolência comum. Um fino cobertor cobria meu corpo do peito para baixo e, como eu me sentei, agora só cobre minhas pernas. De repente, ouço um barulho de porta abrindo,fazendo com que minha concentração se foque na mesma. E lá estava Shuu, parado com uma maçã nas mãos.

- Ah, você acordou. - fechou a porta ainda de frente para mim, jogando a maçã em minha direção. Eu, por reflexo, a pego rapidamente.

- É... obrigada. - dei uma mordida na mesma. Tão docinha... dei um sorrisinho. Ele veio e se sentou ao meu lado. - Que horas são?

- 16:27. - diz simplesmente, ajeitando o fone esquerdo.

- O quê??? Já??? - dou mais uma mordida, completamente indignada.

- Você dorme demais. - suspira cansado.

- Olha só quem fala... - falei baixo, mordendo novamente.

- Ta dizendo que eu durmo demais, é? - olhou para mim.

- Se a carapulça serve... - dei um sorrisinho, o provocando.

- Ah é? Repete. - cerrou os olhos.

- S e a c a r a p u l ç a s e r v e. - falei devagar ainda sorrindo.

- 'Tá certo. - deitou a cabeça no meu colo, olhando para cima. Fechou os olhos, aproveitando cada nota suave que saía dos instrumentos que constituíam a música clássica que soava de seu fone.

- Preguiçoso. - falei baixo, colocando o resto da maçã no criado-mudo que estava ali ao lado da cama (sem me levantar). - Meu preguiçoso favorito. - olhei para baixo, encarando o rosto perfeito do mais velho. Após minha fala, Shuu abriu os olhos novamente, olhando no fundo dos meus. Era um azul tão penetrante que eu sentia na minha alma...

- "Meu". - deu uma risadinha, me fazendo sorrir de lado.

- É verdade, ué. No dia que você ou outro Sakamaki começar a namorar, eu vou perturbar muito...- continuei sorrindo, mexendo em seus cabelos loiros delicadamente.

- E se eu ou eles quisermos um relacionamento a três? - ele continua sorrindo. - Você participaria?

- Não, enlouqueceu? - rio de leve, corando um pouquinho. - Isso seria incesto... seria errado.

Tudo bem que eu vivo pensando coisas incestuosas em relação aos meus irmãos, mas... não sei se eu teria coragem de beijá-los ou...ou...fazer qualquer outra coisa ilícita.

- Ara, ara... - solta sarcástico, porém sempre com o tom de voz calmo. - Não banque a santa.

- Não banco e nunca banquei a santa. - sorri. - Só... não sei se eu faria isso.

- Uma resposta incerta? Uau, ela é misteriosa...- fechou os olhos, com um leve sorrisinho, me fazendo sorrir também.

O silêncio então tomou conta do quarto... até que eu resolvo o quebrar.

- Shuu, 'tô com fome.

- 'Tá nada não, só...fica quieta aí. - ele diz sem abrir os olhos.

- É sério, eu tô com fome. - falei manhosa e chorosa.

- *suspiro* Ok, ok... vaza logo. - ele retirou sua cabeça do meu colo e a deitou no travesseiro, me liberando.

- Obrigadaa~. - me levantei, sorrindo. - Outro dia aí eu posso ser seu travesseiro de novo.

- 'Tá bom, 'tá bom, só não me enche. - falou dando um língua. E assim, me teletransporto pra cozinha.

Hmm hoje eu quero provar algo novo. Ah, pelo que eu me lembre, Subaru falou que não se importaria de deixar eu provar um pouco do seu sangue... vou cobrá-lo agora.

Pelo que vejo aqui, ele não está na cozinha. Me teletransporto 'pro jardim e...nada. Em minha última tentativa, vou para seu quarto. E lá estava ele! Estava meio sentado-deitado em sua cama, lendo. Lendo?? É o que??? Tá, tá, isso não importa agora. O albino está tão concentrado que nem notou minha presença, em frente a sua porta. Me aproximo de sua cama fazendo com que ele se distraia do livro, olhando para mim.

- Nii, me dê seu sangue. - tentei falar calma, porém minha voz saiu um tanto animada.

- Hah, 'tá fácil. - diz irônico, voltando a ler seu livro. - Agora não, 'tô ocupado.

- Aah mas você prometeu, agora vai ter que cumprir. - sorri, me sentando ao seu lado. Ele continua apenas dando atenção ao seu livro. - Eii me dá atenção...! - balanço minha mão na frente de seu rosto, falhando miseravelmente. - Ah é? Vai ser assim? Beleza. - me sento rente a sua cintura, apoiando meus braços na cabeceira da cama, uma de cada lado da cabeça do albino. Estava preso. E então finalmente, Subaru fecha o livro e o coloca ao seu lado, direcionando sua atenção à mim.

- O que você quer? - pergunta um pouco irritado, porém com as bochechas rosadas.

- O seu sangue...- minha voz acaba saindo baixa, pelo fato de eu estar com uma vergonha suprema e com o rosto vermelho.

- ....Você é chata 'pra caralho. - diz com a voz mais baixa, porém ainda meio irritada e, assim, vira a cabeça pro lado, me dando espaço. - Precisava subir encima de mim?

- Você não estava me dando atenção... precisei chegar a esse nível. - falei encarando a pálida pele de seu pescoço. Me aproximei mais dele, fazendo com que fiquemos com os corpos quase colados. Vampiros possuem o corpo meio gélido, porém consegui sentir um ar um pouco quente vindo do albino. Isso se chama "vergonha extrema". Eu sei disso porque o que ele sente, eu sinto...então espero que eu não esteja assim também. Passo a apoiar minhas mãos na cama, ao lado do seu corpo. Me aproximo mais da área do seu pescoço, sentindo o cheiro que exalava de lá... estava me deixando louca. Eu...preciso disso. Imediatamente, meio sem jeito, abro minha boca, me direcionando à área entre o pescoço e entre o ombro direito. Consigo sentir minhas presas perfurando sua pele... é extremamente satisfatório. E logo que eu acabo de machucar o mesmo, seu sangue começa a fluir mais e mais rápido pela minha boca e descendo por minha garganta. É...É um sabor incrível e...tão doce e...viciante.... tão perfeito que dá até vontade de chorar. Então esse seria o gosto de "sangue bom" que ele mencionou antes. É um sabor indecifrável.

Retiro minhas presas de lá, observando sua face. Estava tampando com sua mão esquerda a sua boca, muito vermelho... mas não expressava raiva.

- É tudo o que você tem? - ele retira a mão da boca, e dá um sorrisinho para me irritar.

- Minha boca vai estar ocupada demais 'pra te responder. - sorri de volta, mordendo dessa vez seu ombro direito com mais força, porém sem tanta brutalidade. Eu sei que essa frase ficou estranha, mas eu não me importo agora. Consegui sentir o mesmo se arrepiar, o que fez com que eu sorrisse durante a mordida. Um pouco de sangue acabou escorrendo pelos cantos da minha boca. Cara, é sério, esse sangue tem um sabor inimaginável. Subaru passa a segurar o lençol da cama com força. Bom, eu o entendo, isso dói pra cacete. Tadinho, dá até dó haha. Finalmente, o solto, nos desaproximando um pouco.

- Acho que já deu por hoje. Não quero te desmaiar. - sorri. Eu sempre quis falar isso.

- Você não tem moral pra isso. - ele sorri minimamente. - Aliás, até quando vai ficar encima de mim? - ele arqueia a sobrancelha, bloqueando um vermelhidão em seu rosto.

- Eu...eu... - de repente, me cai a ficha, fazendo-me abaixar a cabeça, muito vermelha e envergonhada. Eu não estava em um lugar muito favorável... quero dizer, talvez seja favorável até demais...não! Sem sair do meu lugar, me inclino mais para frente, deitando encima dele. Sabe, tipo, deitada por cima dele, praticamente. - Eu 'tô com sono. - fecho os olhos, imaginando que ele é o meu travesseiro, e não uma pessoa (pessoa não né, vampiro).

-...Sério isso? - ele revira os olhos, ainda um pouco vermelho. - Você sabe que já está quase na hora de se arrumar para escola, 'né? Não da tempo de dormir.

- Ah, só 10 minutinhos...todo esse sangue me deu soninho~- bocejei, olhando pra ele. - Que tal ser meu travesseiro hoje? Você é tão macio...- aconchego minha cabeça em seu peito.

- Tch, ainda não acho uma boa ideia. Já vai dar 17 hrs. - ele falou, porém não movi um músculo se quer, fazendo o albino suspirar. - Ok, só um pouquinho.

E então, ele pegou seu livro, o segurando com uma mão, enquanto me fazia lento cafuné com a outra. Aquilo estava tão gostoso... quando eu estava quase cochilando, alguém abriu a porta bruscamente; mas eu estava tão relaxada, que movi nem um músculo. Abri nem sequer os olhos.

- Subaru, você viu o meu- era a voz do Ayato. De repente ele parou de falar. Deve ter reparado a minha presença ali. Imagino que está confuso. - Mas que porra?

- Shh, fala baixo. - ele usa um tom de voz bem menos elevado que o ruivo. Awnt... - O que você quer?

- Queria saber se viu aquela minha jaqueta preta. - o ruivo diz baixinho, ainda sem entender o que está acontecendo aqui.

- No varal, sei lá. Reiji que cuida dessas coisas.

- Vou ir lá falar com ele. Obrigado por nada. - ele saiu do quarto. Eu hein, esse povo. Depois disso, caí sono.

           *Um temto depois*


- Kim... Já está na hora... Acorda...- ouço uma voz de longe. Que voz bonita, tão calminha...- Kimiyaa... porra, acorda logo. - ok, talvez nem tão calma.

- Aah só mais um pouquinho~...-sussurrei, tentando dormir.

- Não, não. Já são 17:34. Levanta logo, antes que você se atrase e ME atrase. - fiquei quietinha ali. - *suspiro* Quer que eu te dê banho, é?

- Tanto faz, só me deixe dormir... - e então, sinto meu corpo ser levantado. Logo pude sentir que ele estava me carregando para algum lugar. Espera aí, ele disse que ía me dar banho? Abro os olhos no susto, ficando vermelha. - N-Não, não precisa não! Eu tomo banho sozinha mesmo.

- Ok, então vai logo. - ele me soltou, sorrindo vitorioso.

- Claro, claro. - dei um sorrisinho, correndo até meu quarto (que não estava longe). Preciso ser rápida. Droga, não era pra eu ter dormido mesmo...tudo bem. Separei meu uniforme, o deixando encima da cama. Peguei um conjunto de lingerie preta, indo direto 'pro banheiro. Tomo um banho rápido, logo me secando com a toalha que uá fica no banheiro. Visto rapidamente minha lingerie, indo quase correndo até meu quarto. Hoje, por algum milagre divino, nenhum irmão veio aqui ver eu me trocar. Visto meu uniforme o mais rápido possível. Olho 'pro relógio que fica pendurado ao lado da porta e, bom, tenho mais 10 minutos. Penteio o meu cabelo rapidamente, o deitando solto mesmo. Ele tem crescido rápido...preciso cortar ele um dia desses. Calço minha meia (que vai até acima do joelho) e calço o sapato padrão da escola. Coloco também meus dois brincos de pressão (no caso, um par) pretos de cruz invertida. Passo perfuminho e, bom, entou pronta... Só falta essa maldita gravata, eu odeio ela. NUNCA CONSIGO COLOCAR ESSA BOSTA.

Me teletransporto para o hall e só tinha Reiji, Kanato e Shuu. Hmm, pra quem eu peço ajuda? O Kanato 'tá conversando com Teddy, ele não vai querer agora; Shuu 'tá dormindo; Reiji vai ficar me chamando de irresponsável... aaah, tanto faz.

- Ér...Reiji. - andei em sua direção. O moreno que observava seu relógio de bolso mudou sua visão para a garota, bom o mesmo olhar sério de sempre. - Pode...me ajudar? - me viro de costas, o entregando o laço.

- Como que você ainda não consegue fazer isso? -ele resmunga, prendendo o adereço com muita facilidade. - Feito.

- Muito obrigada. - me viro de frente para ele novamente, fazendo uma pequena reverência, sorrindo. - Ainda não sei como consegue fazer isso.

- Não é algo complicado. - ele diz calmo, voltando a encarar seu relógio. - Está na hora. - e quando olhei em volta, lá estavam todos os irmãos reunidos.

Fomos indo lá para fora, entrando na Limousine um de cada vez. Eu, como sempre, me sentei na janela ao lado de Shuu (pois é em seu ombro que costumo cochilar hehe...). Fiquei a observar a leve garoa que caía lá fora, enquanto o carro se movia na direção do nosso destino. De repente, me vem na boca o sabor do sangue de Subaru... aahh, eu preciso de mais. De fato, algum dia desses eu vou convencê-lo a ceder novamente...

          *Chegando na escola*

Finalmente, após atravessar aquela multidão junto com os meninos, vou andando calmamente pelo corredor, já que ainda falta cerca de 15 minutos para bater o sinal de entrar nas salas. Eu estava meio distraída, limpando meu óculos (não costumo usá-los, porém às vezes acho até melhor que minhaa lentes), até que sinto alguém se esbarrar em mim. O impacto foi tão forte que meu óculos caiu no chão. Por que só comigo, Pai?

- Olha por onde anda, criança idiota. - a pessoa falou em um tom superior. Olho em sua direção e era um garoto beem alto (quem não é mais alto que eu?), de pele pálida e cabelos acastanhados, com olhos que pareciam ter um tom rosado com um toque de verde. É bem diferente para um humano...porém, bem comum para um vampiro; que é o caso dele. É, eu sei que ele é um vampiro. É fácil de diferir: humanos tem um cheiro específico, assim como vampiros e lobos (ou qualquer outro ser), porém, nunca encontrei um lobo, então identifico os vampiros e humanos.

O garoto a minha frente possuía uma face irritada e, bom, eu tenho que admitir que ele fica lindo assim... na verdade, ele É lindo. Será um aluno novo? Não me lembro de ter o visto em nenhum lugar nessa escola esses dias... bom, deixando isso tudo de lado, ELE DERRUBOU MEU ÓCULOS.

- Porra, olha você por onde anda. - irritada, me abaixei e peguei meu querido item caído, logo me levantando. - Se estiver arranhado você vai ver... - falei verificando se tinha algum dano.

E então, DO NADA, essa criatura me pega pela gola da blusa, levantando-me e fazendo com que eu precise olhar para baixo para encarar seus olhos. Meus pés nem sequer tocavam o chão. Ele tinha fúria no olhar, mas eu não entendi o porquê. ELE que derrubou o meu óculos e ELE que se irrita? Excuse me?

- Vou ver o quê? Huh? - ele deu um sorriso maldoso. E então, com uma certa facilidade, miro um soco com meu punho esquerdo em seu rosto. Não usei tanta força porque seria desnecessário, apenas o suficiente para me soltar e ele bambear para trás. Se fosse um humano já estaria caído, desmaiado no chão. - Ora sua...- ele vem 'pra cima novamente e eu o lanço um olhar entediado.

- Hey, Yuma! Vamos logo, já vai bater o sinal~ - ouço uma voz masculina adocicada e alegre chamando alguém. O garoto qur estava prestes a "me bater" olhou para trás, ainda irritado. Olho por detrás dele também, avistando um garoto dos cabelos loiros até os ombros, olhos azuis e, preciso admitir, bem estiloso... ele usava vários acessórios como pulseiras, cordões e brincos. Possuía um sorriso radiante, enquanto balançava seu braço, chamando o "menino facilmente irritável".

- Tch, tá. - ele se virou para ir em direção do outro garoto, mas logo parou e olhou por cima do seu ombro, para mim. - Na próxima você me paga.

- Vem pro fut, bebê. - falei com um sorrisinho, colocando uma mão na cintura. O tal de Yuma então revirou seus olhos e voltou a andar junto com o loiro. Tch, é cada um que me aparece. Volto a andar, dessa vez em direção da minha sala. Aproveito para desamarrotar minha roupa. Espera...cadê meu óculos? Não 'tá na minha cara e nas minhas mãos...

Volto para aquele corredor em que quase houve briga e não, ele não estava no chão.



Ah, desgraçadinho.












                                         Continua...


Notas Finais


Aut- Parece que os papéis se inverteram, né não Susu? haha

Sub- Cala a boca >:T

Hmm os Mukami começaram a aparecer... no próximo capítulo se manifestarão mais.

>>O vestido da Sam é tipo assim:
https://images.app.goo.gl/sn43nMe4ADNKE9ZY6

>>A roupa dos Sakamaki é tipo assim:
https://pin.it/4zrWxl2
(Essa em específico é como a do Subaru, em questão de cor)

Então...estou sumida, mas aqui estou eu! Heheheh me perdoem;u;.... juro que vou tentar postar mais rápido os caps. É sério. Não acredita? Vamos ver então...

{Obs: os poemas não foram criados por mim. Na verdade, são trechos de músicas já existentes que seriam, respectivamente: Mr. Sadistic Night (abertura da primeira temp. de DL), Kindan no 666 (abertura da segunda temp de DL) e Futatsu No Kodou to Akai Tsumi (abertura de Vampire Knight).}

Abraço~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...