1. Spirit Fanfics >
  2. LILITH - The Devil Within You (T1) >
  3. Chapter XI: Gossip and Broken Hearts

História LILITH - The Devil Within You (T1) - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


1 - A música que Lívia vai tocar é I Don't Care, do Ed Sheeran e seria bom vocês escutarem enquanto lê;

2 - Por favor, peço que leiam nas notas finais, pois precisei mudar algumas coisas e só vou poder explicar lá no finalzinho;

3 - Boa leitura! ♡

Capítulo 11 - Chapter XI: Gossip and Broken Hearts


Fanfic / Fanfiction LILITH - The Devil Within You (T1) - Capítulo 11 - Chapter XI: Gossip and Broken Hearts


Seoul, South Korea - August 26, 2021

Point of View - Lívia


Já faz exatamente uma semana que estou morando na Big Hit e parece que ela passou voando, não teve nada de interessante ou inovador, muito menos uma chegada triunfal como planejei, só tive muitos ensaios, treinos vocais, conheci alguns médicos que me acompanhariam e resolvi várias papeladas.

Minha única amiga por aqui até este momento é minha professora de dança: Kang Soon-ae; ela é um pouco mais velha que eu, beirando os 28 anos, é baixinha e esbanja os cabelos ondulados de cor castanho-claro, ela é muito bonita, juro por Deus.

Apesar de ter dado tudo certo durante minha primeira semana como trainee, o que estava me incomodando era que, depois que Taehyung saiu do meu quarto de madrugada, eu nunca mais o vi. Descobri poucas horas depois que ele e os outros garotos haviam feito uma viagem para Paris, fazer uma propaganda, ele nem sequer avisou, nem mandou uma mensagem, pois é, nem um sinalzinho de vida.

O único lado bom disso é que percebi que não estou tão caidinha por ele como eu pensava, apenas quando ele está por perto, quando está longe, consigo facilmente seguir minha vida, mas achei muita mancada da parte dele não me enviar pelo menos um 'Oi' para que eu certificasse estar tudo ok.

Hoje eu iria apresentar tudo o que eu consegui aprender durante a semana, me dirijo até o ginásio, me sentando numa espécie de arquibancada e, poucos minutos depois, vejo Taehyung se sentar ao lado do um garoto que estava bem na minha frente.

Hora de descobrir os segredos desse safado.

Mantenho o maior silêncio possível para escutar tudo sem ser notada.

— Ora, ora, você finalmente deu às caras. — o garoto que não me parecia desconhecido diz, ele era mais alto que Taehyung, só não digo que mais bonito porque no meu mundo, ninguém chegava perto da beleza dele.

— Eu sempre volto, Minho. — Taehyung responde, junto ao nome do garoto e me lembro quem é o tal garoto: é o Choi Minho do grupo Shinee.

— Mas você é apaixonado por Paris. — Minho rebate, com um olhar desconfiado e um sorriso.

— É aí que você se engana meu jovem, eu sou apaixonado pelas francesas, não por Paris. — a resposta de Taehyung, na qual eu não esperava, de certa forma, doeu em mim.

— Você não toma jeito, né? — o amigo balança a cabeça, rindo do comentário.

— Não mesmo. — o sorriso convencido de Taehyung me mostrava outra versão dele, diferente da qual ele me mostrou naquele restaurante e neste mesmo ginásio.

— Pegou muita gente? — Minho pergunta.

— A palavra “muito” ainda é pouco pra descrever. Eu varri, passei o rodo e ainda me certifiquei se tava tudo limpo. — Taehyung responde, se gabando.


Enquanto eu estava preocupada, ele estava pegando geral em Paris, eu sou MUITO idiota.

— Hoseok disse que você estava super apaixonadinho por uma menina, o que aconteceu com ela? — Minho pergunta e então me questiono se essa garota era eu.

— Eu até achei estar, mas era só um delírio, não posso me apaixonar por absolutamente ninguém daqui, se não já viu né? — Taehyung responde, mas continuo com dúvidas se sou eu, e se ele pegar outras garotas daqui?

— Depende, se a menina realmente gostar de você, não vejo problemas.


Esse Minho é muitíssimo sensato, gostei dele.


— Eu vejo muitos, se apaixonar é um problema Min, se apaixonar é um problemão, só dor de cabeça. — eu realmente não sei que Taehyung era esse, parecia até abominar o amor.

Escutar tudo o que ele disse sem poder derrubar uma lágrima sequer ou demonstrar que fiquei chateada doeu muito, me nego a aceitar que eu estava apaixonada por ele, mas eu tinha realmente me apegado e pensava que ele fosse alguém gentil, fofo e respeitoso. Todos eles são péssimos, não é nenhuma novidade.

Meu nome é chamado e a parte mais difícil será me apresentar depois desse baque, a expressão de choque de Taehyung ao ver que eu estava bem atrás dele foi hilária se não fosse tão trágico. Me levanto e sigo até o meio do ginásio, onde ela pede que eu apresentasse a mesma música que estávamos ensaiando durante a semana, Crazy, do grupo 4Minute. Dançar essa música vai ser a melhor forma de acalmar meu coração da bagunça que Kim Taehyung causou.

— Você sabe que o foco dessa apresentação é que você se sinta em um MV, quero que interaja com a câmera, que será o espelho nesse caso, quero ver como se sairá em um futuro clipe. — ela diz e aponta para qual direção eu deveria olhar. — Tudo certo? Vamos começar!

— Tudo certo, vamos! — digo e forço um sorriso.

Ela põe a música para tocar e então começo a coreografia que dias atrás ela me ajudou a criar, eu estava orgulhosa de mim mesma, pois consegui pegar a coreografia com muita perfeição, imagina a vergonha que seria caso eu errasse tudo bem no meio da primeira apresentação?

Os passos eram rápidos, a música tinha uma vibe mais sensual em certas partes e era minha maior especialidade, eu era boa com câmeras, com dança melhor ainda.

Interajo com o enorme espelho, principalmente nas partes que contém rap, era as melhores para fazer expressões faciais, uma espécie de 'peitar o público'. Eu escutava algumas palmas e gritinhos, aquilo só me deixava mais inspirada para o que eu estava fazendo.

Faço uma referência a coreografia original da música no último refrão e então finalmente ela acaba. A professora que estava sentada, agora vem em minha direção, me dando um abraço apertado e dizendo estar muito orgulhosa de mim, isso fez meu dia.

Curvo-me em agradecimento a todos e principalmente para Soon-ae.

— Você foi perfeita, como em todos os ensaios, parabéns, Lívia! — ela diz com um sorriso orgulhoso.

— Muito obrigada, professora Kang! — meu sorriso agora era real, dançar fazia com que a dorzinha no meu coração ficasse mais fraca.

 Viajarei amanhã e só tenho previsão de voltar na segunda-feira, mas você não terá sossego, ok? Escolha uma música agitada e me traga alguns passos prontos para que eu avalie quando voltar. — ela diz.

— Ok. — respondo, um pouco ofegante.

— Tenha uma boa sorte e um bom final de semana. — ela vai até outros trainees e lá estou eu, no meio daquele ginásio lembrando de tudo que o merda, cujo nome é Taehyung, falou.

Não vou ficar aqui com cara de palhaçada não, vou estravazar.

Ando rápido para meu quarto, tive uma ideia maravilhosa e preciso compartilha-la com meus melhores amigos. Ao chegar, fecho a porta e me jogo na cama, pego meu celular e ligo por vídeo-chamada para Sooyoung e Baekhyun, que atendem alguns segundos depois.

— Fala, porquinha. — diz Baekhyun sorrindo, ele estava usando uma máscara de hidratação no rosto.

— Parece um fantasma com esse negócio no rosto. — digo e dou risada, enquanto isso Sooyoung coloca o fone.

— Oiiiii, amiga! Meu deus Baekhyun, você tá hilário. — Soo diz e logo começa a rir de Baekhyun.

— Muito engraçadinha você hein Park Sooyoung. — ele mostra a língua, Soo responde com o dedo do meio.

— Calem a boca e escutem o que tenho a dizer, porque é babadeiro. — digo animada.

— Amo essa sua gíria, mesmo não entendendo o significado. — Soo diz.

— Então… Vamos para uma balada hoje? — digo batendo palminhas.

— Você só quer ir para balada quando está de coração partido, quem foi o arrombado? — sua expressão agora é séria, Baekhyun me protegia muito, não só eu, como Sooyoung também, ele é como nosso irmão mais velho.

— Kim Taehyung. — digo revirando os olhos.

— Ih, o que esse merda fez? — Baekhyun pergunta.

— Nasceu. — digo e eles começam a rir.

— Vamos cometer um assassinato, Sooyoung. — Baekhyun diz, levantando um garfo.

— Eu topo, matar homem é que nem matar barata, satisfatório. — Sooyoung diz e tenho uma crise de riso, Baekhyun se encontra chocado.

— Caralho, até eu? — ele coloca a mão no peito, de forma dramática.

— Você não é homem Baekhyun, você não conta. — Soo responde.

— Nossa, vai se foder. — ele diz rindo.

— Já acabou as duas margaridas? — pergunto ao me acalmar. — Vamos ou não?

— Se você prometer não ficar bêbada, a gente até vai, né meu amor. — ela diz e me lembro que dá última vez, eu estava muito triste por levar um fora e acabei passando dos limites.

 NOSSA SOOYOUNG, eu nem sou tão insuportável assim, eu estava triste ok! — digo com uma voz manhosa.

— Verdade, você é horrível. — ela diz e bufo em desaprovação.

— Eu topo, meu coração também tá partido. — os olhos de Soo se arregala, assim como os meus, Baekhyun de coração partido? Impossível.

— Quem foi o corno? — pergunto.

— Chanyeol e ele não é corno. — ele diz me repreendendo, essa relação de amor e ódio deles é complicada.

— Você conta esse rolo todo quando estivermos todos juntos, bebendo e dançando naquela pista enorme. — digo.

— Também tenho fofoca amorosa pra contar viu? E é sobre a Seungwan, falei e saí correndo. — ao escutar a fala vinda de Sooyoung, minha boca e a de Baekhyun abre em perfeito “O”, era raríssimo Sooyoung ter qualquer fofoca amorosa com alguém.

— QUÊ?? — digo incrédula.

— BICHA, EU TÔ CHOCADO, PASSADO, MORTO. — Baekhyun grita em comemoração.

— SOYOOUNG 'NERA' HÉTERO 'NERA'? — digo me referindo a um meme brasileiro que eu havia apresentado para Soo.

— Como você dizia Lívia, eu sou bi, sexy, uau. — ela diz e nós continuamos chocados.

— Você solta uma bomba dessas, tô até desnorteada, como vou me arrumar depois de uma revelação assim. — digo rindo.

— Sei nem como vou tirar esse treco da cara, porque meu corpo está estirado no chão, morto, falecido, empacotado. — Baek completa, fazendo um drama.

— Gente, vou desligar por questões de ser pontual e preciso ir resolver algumas pendências. — Sooyoung diz.

— E eu vou tirar essa hidratação, tá começando a arder, é normal? — Baek diz enquanto está de frente para o espelho.

— Não, vai ficar sem rosto, toma seu otário. — Sooyoung diz rindo.

— Estejam aqui às 19 horas, bye. — digo e desligo a chamada.

Vejo que ainda é 11h da manhã, pensei que já fosse tipo umas 15h, o tempo está passando devagar e isso é ruim, logo vou ter um surto. Pelo menos o horário de almoço estava chegando, mas até lá, fico mexendo em meu celular.


[…]


Após o almoço, o ginásio costuma ficar completamente vazio, então era um dos meus lugares favoritos até agora para pensar, para tomar decisões, então começo a me ajeitar para sair do quarto novamente quando escuto batidas na porta.


Eu não tenho um minuto de paz.


Abro a porta e me deparo com um homem mais velho, segurando uma caixa.

— Você é Lívia Bittencourt? — ele pergunta olhando numa folha.

— Sim, senhor. — respondo.

— Chegou isso dos correios para você. — ele me entrega e a pego, colocando-a no chão.

 Oh, muito obrigada! — digo e ele me entrega uma folha e uma caneta.

— Assine isto. — ele pede e deixo minha assinatura no final da folha, entrego de volta para ele e ele vai embora.

Fecho a porta e fico extremamente desconfiada, quem me enviaria algo pelos correios? Decido abrir a caixa e de início, pego uma carta.

“Você se lembra de quando sem querer seu pai quebrou uma coisa que você amava muito e quando isso aconteceu, ficou tão magoada que queria até ficar sem falar com ele? Nós nunca conseguimos repôr aquilo porque, aos poucos, você foi se esquecendo e trabalhava mais com sua voz, mas sabemos que ainda sabe tocar, então aceite esse presente com todo carinho, esse pode ser seu começo. Te amo! — Com amor, papai e mamãe.”

Abro o pacote, quase desesperadamente, e penso ser impossível ser o que imagino. Fico incrédula quando vejo o violão, mil lembranças voltam para minha cabeça e sinto uma enorme saudade de casa.

Quando eu era pequena, ganhei um violão rosa do meu tio e ao longo dos anos fui aprendendo com ele, mas certo dia meu pai quebrou ele sem querer e eu quis literalmente pegar o violão quebrado e tacar na cabeça do meu pai, era meu maior amor da vida. Eu superei, mas fiquei decidida que compraria outro quando tivesse condições o suficiente.

Esse violão era de cor preto fosco, com pouquíssimos detalhes, meus pais sabem que não gosto de nada muito decorado ou chamativo, eles acertaram muito ao escolher.

Toco trechos de músicas nas quais já sei, apenas para testar as cordas e percebo que ele já estava preparado, imagino que meus pais pediram ao meu tio para deixá-lo assim.

Decido aproveitar o ginásio vazio e tocar por lá, saio do quarto e levo comigo meu violão, subo as escadas e chego até lá, me sento no centro dele e começo a tocar I Don't Care, do Ed Sheeran.


“I’m at a party I don’t wanna be at

And I don’t ever wear a suit and tie

Wondering if I can sneak out the back

Nobody's even looking at me in my eyes

And then you take my hand

Finish my drink, say: Shall we dance? Hell yeah!

Y’know I love you, did I ever tell you?

You make it better like that”


Estou em uma festa que não quero estar

E eu nunca uso terno e gravata

Me pergunto se daria pra sair de fininho

Ninguém nem me olha nos olhos

E então você pega minha mão

Termina a minha bebida, diz: Vamos dançar? Com certeza!

Você sabe que eu te amo, eu já te disse isso?

Você deixa tudo melhor


“Don’t think I fit in at this party

Everyone’s got so much to say, yeah

I always feel like I’m nobody

Who wants to fit in anyway?”


(Não acho que me encaixo nessa festa

Todo mundo tem tanta coisa a dizer, é

Eu sempre me sinto como se fosse um ninguém

Mas afinal, quem quer se encaixar?)


“Cause I don’t care

When I’m with my baby, yeah

All the bad things disappear

And you making me feel that maybe I am somebody

I can deal with the bad nights

When I’m with my baby, yeah (ooh, ooh, ooh)”


(Porque eu não me importo

Quando estou com meu amor, é

Todas as coisas ruins desaparecem

E você me faz sentir que talvez eu seja alguém

Eu consigo lidar com as noites ruins

Quando estou com meu amor, sim (uh, uh, uh)


“Cause I don’t care

As long as you just hold me near

You can take me anywhere

And you making me feel like I’m loved by somebody

I can deal with the bad nights

When I’m with my baby, yeah (ooh, ooh, ooh)”


(Porque eu não me importo

Contanto que você me segure perto

Você pode me levar a qualquer lugar

E você me faz sentir que sou amada por alguém

Eu consigo lidar com as noites ruins

Quando estou com meu amor, sim (uh, uh, uh)


[…]


♡ AVISOS IMPORTANTES


1. Mudança de Ano: Inicialmente, nossa fanfic se passaria por 2020, mas por alguns problemas que isto causaria em todo o planejamento da fanfic, precisei mudar para nosso ano atual. Isso fará com que algumas idades acabem mudando, logo abaixo estará a lista atualizada da idade dos personagens.

Lívia: 23 anos — 07.01.1998

Taehyung: 25 anos — 30.12.1995

Sooyoung: 24 anos — 03.09.1996

Lana: 19 anos — 04.04.2002

Hyunjae: 28 anos — 04.03.1993

Eunbi: 23 anos — 03.06.1998

Baekhyun: 23 anos — 06.05.1998


2. Novos Personagens: 

Choi Minho, 29y — 09.12.1991

Kim Jongin, 27y — 14.01.1994 


3. BTS: Os demais membros apareceram ao decorrer da história;


4. Esse capítulo era pra ser enorme, mas decidi dividir ele em 4 capítulos, pra não ficar tão grande.


—— ♡ ——


Notas Finais


Acho que é isso, caso eu tenha outros avisos, darei no próximo. Espero que tenham gostado, perdão por qualquer erro e interajam, pleaseee.

Kisses. — E.L ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...