História Lips Dont Lie - Camren - Capítulo 67


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Camren, Comedia, Drama, Policial, Romance
Visualizações 726
Palavras 1.989
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, LGBT, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bom dia bolinhos, boa leitura.

Capítulo 67 - Visita


P.O.V  Camila

Deixo um beijo no topo da cabeça de minha irmã, ela acenou com um lindo sorriso nos lábios e correu em direção a funcionaria da escola, que a recebeu de braços abertos. Entro na Mercedes prata que o meu motorista particular já deixou a porta aberta para mim, então a fechou quando entrei. Ordenei que me levasse para a sede da FBI, o mesmo apenas acenou e colocou o carro em movimento. O que eu iria fazer lá? Simples, visitar os meus pais. Sei que isso é errado, já que eles fizeram muitas coisas erradas, mas eu sinto saudades deles. Além de Sofia estar sofrendo, eu também estou. Não quero que a Lauren me veja indo visita-los, ela pode brigar comigo por causa disso, mas eu tenho o direito de vê-los, são meus pais apesar de tudo. Miller parou a Mercedes em frente ao local restrito, abriu a porta para mim e eu o dispensei por hoje, depois me encontraria com a minha namorada. Logo de cara, os seguranças me deram a passagem para entrar, eu tenho total liberdade na sede graças aos casos. Busquei por um agente que me desse a permissão de ver os meus pais presos, então achei um, não o conhecia, mas ele foi educado e pediu que eu o seguisse. Entramos em uma área onde tem poucas celas, caminhamos pelo corredor silencioso.

Provavelmente eles estão dormindo ou apenas quietos, não tem muito o que fazer dentro de uma prisão, além de ficar deitado. O agente abriu a cela, chamando pelos meus pais para que nos seguissem. Alejandro está com uma calça moletom velha, uma blusa branca. Sinu está com o mesmo estilo, desgrenhada e esfarrapada. Eles ficaram surpresos ao me verem, mas nada falaram, foram de cabeça baixa até entrarmos em outra sala. O agente pediu licença, nos deixando a sós naquele lugar.

- Hija – Meu pai me olhou esperançoso, seus olhos rapidamente lacrimejaram.

- Oi – Fito os dois sem jeito.

- O que está fazendo aqui, querida? – Minha mãe indagou, sua voz saindo suave e ao mesmo tempo emocionada.

- Vim vê-los – Me sento na cadeira, ficando de frente para os dois – Como estão?

- Tentando não enlouquecer – Ele suspirou pesadamente – Se a Sinu não estivesse comigo, eu já estaria louco.

- Você mudou muito, papa – Mordo o meu lábio.

- Estou precisando de uma boa gilete – Meu pai acariciou sua barba crescida – E um corte de cabelo.

- São as consequências – Entrelaço minhas mãos.

- Eu vejo que...dou valor agora – Minha mãe tocou seu rosto seco – Eu era muito fútil, na verdade, minhas coisas são fúteis.

- Aqui vocês estão lidando sem as riquezas – Pigarreio.

- Exatamente – Minha mãe concordou – No começo foi difícil, mas depois a ficha cai e você só tem que aceitar.

- Estou feliz que vocês estejam se aceitando.

Eles assentiram lentamente, realmente, um bom tempo já na cela, fez com que os dois mudassem a aparência. A barba de meu pai está crespa e um pouco grande, dando um novo ar a ele, o envelhecendo. Seu cabelo está um pouco grande e bem enrolado, nada sedoso. A minha mãe também está com uma aparência envelhecida, a pele seca, sem creme algum para hidrata-la. Os lábios rachados, as sobrancelhas grossas, o cabelo sem vida e crespo, um pouco crescido. É notável o quão acabados estão, mas olhar em seus olhos e ver aquele brilho, fez o meu coração se aquecer no momento. Eles brilhavam por mim, por me verem ali, os visitando depois de algum tempo que estão naquele lugar. Eu sentia vontade de chorar, de abraçar os dois e me aconchegar em seus braços calorosos. Mas eu não queria que eles pensassem que tudo está bem, apesar de eu querer que estivesse tudo bem.

- Como está a nossa pequena Sofia? – Meu pai perguntou, coçando a sua barba.

- Está bem, apesar de sentir uma tremenda falta de vocês – Deixo meus ombros caírem – Estou cuidando dela, ela está em meu apartamento.

- Sentimos muito – Minha mãe choramingou – Não era para acontecer isso.

- Fazer coisas erradas, tem suas consequências – Passo a mão em meu cabelo – Mas não se preocupem, estou cuidando muito bem dela. Sofia anda se alimentando bem, indo para a escola direitinho.

- Saudades da minha princesinha – Meu pai fez um bico adorável.

- Lauren anda me ajudando muito nisso, sempre que pode, está distraindo a Sofi – Comento casualmente.

- A gente percebe a situação quando a agua bate na bunda – Meu pai murmurou – Espero que você esteja feliz com ela, hija.

- Eu estou papa – Sorrio apaixonada – Eu a amo.

- Estou orgulhosa na moça que você se tornou, mi hija – Minha mãe esticou a mão, pegando a minha.

No mesmo momento, a porta foi aberta pelo mesmo agente, dizendo que o horário de visita terminou. Lanço pequenos sorrisos em direção aos meus pais, eles não se contentaram com aquilo e me puxaram para um abraço em grupo, pela primeira vez, eu me senti segura com eles. Infelizmente ou felizmente, o agente puxou bruscamente eles para se afastarem de mim e então eu sai. Meu coração batia dolorosamente, eu engolia o choro e isso causava uma dor em minha garganta. Eu queria chorar livremente, me afundar nos braços dos meus pais e me sentir segura novamente. Estava andando distraidamente pelo corredor, perdida em meus pensamentos melancólicos e sofridos, quando trombei em um corpo. Parei bruscamente, percebendo duas pessoas em minha frente.

- Lolo? – Franzo o cenho um tanto atordoada – Desculpa.

- Está tudo bem, desastrada – Lauren deu um tapinha em minha testa – O que faz aqui, amor?

- Estava...procurando por você – Mordo o meu lábio sem jeito.

- Bom dia, Camila – Olho para o lado, vendo a tal Brianna.

- Bom dia – Fecho a expressão, não gostava daquela garota.

- Logo cedo veio me procurar? Sentiu saudades? – Lauren segurou em meu rosto carinhosamente, depositando um selinho em meus lábios, em seguida.

- Claro, meu amor – Enlaço meus braços em volta do seu pescoço – Você não dormiu comigo essa noite.

- Você sabe, eu tive plantão – Lauren bocejou – E estou um tanto cansada.

- Que horas você vai poder ir embora? – Me agarro ao seu corpo quentinho.

- Agora, eu só vou mostrar um setor para a Brianna – Lauren comentou, acariciando minhas costas.

- Oh claro – Reviro os olhos sem ela ver – Fica a vontade.

- Não vai demorar, Camila – Brianna se intrometeu – É que como eu sou novata, me perco aqui...

- Ok, ok – Desdenho com a mão – Não quero ouvir desculpas, agora podem ir.

Dou as costas, jogando o cabelo para trás e então me encaminho para longe daquele corredor, fazendo questão de rebolar a minha bunda. Aquela garota nunca vai me rebaixar, eu sou Camila Cabello, melhor que aquela mequetrefe. Vejo o agente John Wick, parado perto de um bebedouro e cafeteria. Me aproximei, vendo seus olhares sobre mim. Ele prontamente pegou um copo descartável e me serviu de café fresquinho, me estendendo em seguida. Sorri em agradecimento, recebendo um de volta. Então fico ali, esperando pela minha namorada. Eu queria arrebentar a cara de Brianna, obvio que ela da em cima de Lauren, é tão na cara. Mas deixa ela, quando eu ver alguma coisa, a casa vai cair.

- Está tudo bem? – John tocou suavemente o meu braço – Você não me parece tão contente.

- Apenas problemas – Beberico do café quentinho.

- Sinto muito pelos seus pais – John disse, me olhando atentamente – Aposto que deve ser doloroso vê-los daquela forma.

- Realmente é – Brinco com o copo descartável, me sentia sensível naquele momento – Mas eles fizeram a escolha errada.

- Vai ficar tudo bem – John sorriu – Todos tem o momento de tempestade, mas o sol chega para iluminar.

- Isso é verdade – Solto uma risadinha baixa – Você sabe filosofar.

- Apenas tento – John me acompanhou na risada – E vejo que deu certo.

- Amor... – Lauren me abraçou possessivamente pela cintura – O que está fazendo?

- Estou tomando um pouco do café – Mostro o copo quase vazio – Enquanto isso, você mostrava o setor para aquela lá.

- Vamos embora – Senti seus olhos fuzilarem o senhor Wick – Estou cansada de ficar aqui.

- Agora que a conversa está boa? – Arqueio uma sobrancelha.

- Nos vemos outro dia, senhorita Cabello.

Aceno para o agente que foi simpático comigo, termino de tomar o resto do café e jogo o copo descartável no lixo. Lauren me puxou bruscamente para fora da sede, eu apenas a seguia com um sorriso debochado nos lábios, seria ciúmes? Quando nos aproximamos de seu Tesla, a minha namorada me empurrou contra ele, pressionando as minhas costa na lataria e seus lábios veio de encontro aos meus. Afundo a mão em sua nuca, aprofundando o nosso beijo desesperado. Lauren dava aquela pegada forte em minha cintura, me puxando mais ainda contra o seu corpo, quase nos fundindo. Suas mãos foram para a minha bunda, agarrando minhas nádegas com força. Minha língua desenhava os seus lábios, os deixando úmidos, para então, capturar o superior e dar uma mordida, com direito a puxão. Depois tomei o seu inferior em meus lábios, sugando demoradamente com pressão, arrancando um gemido dela. Lauren me girou, ao mesmo tempo que enfiava a sua língua em minha boca e serpenteava com vontade. Minhas pernas se entrelaçaram em sua cintura, ela me levou até o capo do carro, onde me depositou.

- O q-que você acha que está fazendo? – Lauren indagou contra meus lábios, sua respiração ofegante.

- Eu não estava fazendo absolutamente nada – Enfio os dedos nas mechas dos seus cabelos.

- Conversando com o Wick, não é nada?

- Ciúmes? – Sorrio de lado – Meu amor, eu apenas fui pegar um café e ele ficou conversando comigo.

- Não é ciúmes – Lauren rosnou – Eu só não gosto dele.

- John foi muito cavalheiro e gentil comigo – Aperto seu cabelo – Enquanto você estava com aquela vadia.

- Eu apenas fui ajuda-la.

- E não percebe o quanto ela te quer – Grudo nossos lábios, murmurando furiosa contra eles – Brianna é louca para te ter.

- Mas eu não quero ela.

- E eu não quero o John Wick – Olho fundo em seus olhos – Ele não da em cima de mim, como a Brianna faz com você.

Lauren se afastou lentamente do meio de minhas pernas, passava a mão nervosamente pelo cabelo escuro e a expressão não está nada boa. Ela está com ciúmes e com raiva por eu ter ficado perto de John Wick, mas eu não tenho culpa se minha namorada não o suporta, ele não fez nada de mal para mim e foi gentil. Apoio minhas mãos atrás do meu corpo no capo, fico apenas a olhando, admirando a sua beleza. Lauren quando está de cara fechada, fica tão sexy e sensual, aquele ar de badgirl. Ela se aproximou novamente de mim, segurando em minhas coxas e se encaixando no meio de minhas pernas. A minha namorada me puxou contra o seu corpo, aquela pegada bruta que eu tanto amo. Seus lábios colaram novamente nos meus, mas ficaram apenas assim.

- Você é minha, Cabello.

- Então trate de deixar o aviso claro para a Brianna – Cravo as minhas unhas em sua nuca – Se ela fizer alguma coisa, eu vou arregaçar ela.

- Eu amo quando você fica brava assim – Lauren desceu a boca para o meu pescoço – É excitante.

- Cala a boca – Solto um suspiro, sentindo beijos molhados e mordidinhas em minha pele – Me olha.

- Hum? – Lauren arrastou a língua até o meu ponto de pulso, dando uma chupadinha no local.

- Me olha.

- O que foi? – Ela levantou a cabeça e me olhou, então a magia aconteceu. Aquela conexão forte de verde e castanho.

- Eu te amo – Toco o meu nariz no seu.

- Eu também te amo – Roçamos nossos narizes lentamente – Muito.

- Eu te amo mais.

- Assim não vale...eu que amo mais.


Notas Finais


Será que a Lauren vai gostar de saber da Camila indo visitar os pais? Hehe.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...