História Lithium - Eu não quero me curar - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren
Visualizações 295
Palavras 2.136
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 28 - Resgate


Fanfic / Fanfiction Lithium - Eu não quero me curar - Capítulo 28 - Resgate

CAMILA POV:




- MAS QUE MERDA!!!!! - gritou Dinah, batendo sua mão no voltante do carro enquanto dirigia o mais rápido possível, ultrapassando os carros que estavam em seu caminho.  


- O que eles disseram?... 


- Não me deram muita credibilidade quando falei que suspeitava que minha amiga estava em perigo por causa de uma ligação. Mas disseram que estariam encaminhando uma viatura para verificar o local “assim que possível”, 


Suspirei agoniada. Meu coração já estava quase saindo pela boca e juro que se tivesse mais força, teria esmagado meu celular com minhas mãos de tanto que o apertava. Tentei ligar para Lauren tantas vezes que havia perdido a conta. 


- Só... vai mais rápido, por favor...



Dinah estacionou do outro lado da rua e eu pude reconhecer a casa da Lauren pela última vez que havia ido até lá. 


- Sabe dirigir? - Dinah perguntou, desligando o carro e tirando a chave do contato.


- Sei sim... 


- Ótimo. Eu vou sair, você vem pro meu lugar e fica abaixada. Se ouvir eu gritar, você já liga o carro e fica pronta. 


- Espera um pouco...você não acha que eu vou ficar aqui no carro esperando, né?


Ela bufou.


- Camila, eu não faço a menor ideia do que está acontecendo ou...do que pode ter acontecido. Eu não vou te colocar em risco também, seria totalmente imprudente por dois motivos: Você não tem nada a ver com isso e além disso, você é minha paciente agora. Então fica no carro. - me entregou a chave do carro e saiu antes que eu pudesse discutir com ela.


A porta do carro bateu e eu fiz o que ela havia pedido. Passei para o banco do motorista e já deixei a chave no contato caso precisasse ligar o carro rapidamente. Observei Dinah se aproximar da casa meio abaixada, mas primeiro ela caminhou em direção ao carro da Lauren que estava estacionado ali perto. Encostei meu rosto no vidro desesperada para conseguir enxergar melhor, porém só consegui ver Dinah olhar para a porta do carro e colocar a mão por cima da boca, como se estivesse surpresa. Por um instante, eu me preparei para sair do carro, mas então lembrei do que ela havia pedido e tentei ficar calma.


“ Ela já fez muito de ter me trazido aqui com ela... não vou ficar desobedecendo... pelo menos... por enquanto...”


Continuei atenta aos passos de Dinah e vi que ela entrou pela porta da frente com muito cuidado. 


“Não... ela...deveria ter entrado pelos fundos...” - pensei, graças aos milhares de filmes de suspense de Normani me obrigou a assistir com ela. 



Esperei aproximadamente 5 minutos. Nenhum sinal da Lauren, Dinah ou muito menos de alguma viatura de polícia. Estava tudo muito... quieto. As luzes da casa da Lauren apagadas. Fui capaz de me controlar por alguns instantes, mas depois de minutos de agonia, fui capaz de mudar todos os meus conceitos e julgamentos sobre as pessoas dos filmes de suspense que simplesmente não aguentavam ficar sentadas em um lugar protegido.


5 minutos.


5 malditos minutos dentro daquela cena de espera foram o suficiente para eu me lembrar do último filme de suspense que assisti com Normani, onde me arrastei pelo tapete da sala e apoiei as duas mãos na tela da TV, gritando para que a namorada do rapaz não saísse do armário para ir procurá-lo enquanto o assassino estava o perseguindo.


“SUA LOUCA, NÃO FAZ ISSO, É PERIGOSO PRA VOCÊ TAMBÉM!!! “ - minha própria voz ecoava em minha mente com o resgate daquela lembrança.


Então eu voltei da minha súbita lembrança, com calafrios no meu corpo. 


Simbolicamente, agora eu era a louca que havia optado por abandonar o lugar seguro, e por mais que minha mente gritasse o que era seguro, meu coração apertado e preocupado com o bem estar da Lauren era agora a tela que me impedia de ouvir a voz da razão. 




~FLASHBACK ON~





- ...Não julgue, a não ser que você saiba exatamente o que é isso. Quando a voz da pessoa que você ama ecoa em sua mente, pedindo por socorro, pode acreditar em mim: você esquece toda e qualquer possibilidade de se machucar. Quando você ama de verdade alguém, nenhuma dor seria tão relevante quanto a dor que você sabe que sentiria se perdesse aquela pessoa. - disse Dinah, me olhando com serenidade, como se fosse uma mãe explicando algo para uma criança ingênua.


 - ...mas isso é... insano. - resmunguei.


- Quer ver uma coisa que eu aprendi? - ela disse, procurando algo em seu celular


Me aproximei e assim que ela virou a tela de seu celular para mim, pude ler um pequeno texto:


“...É o nosso impulso mortal mais antigo...
A necessidade de proteger outra coisa viva à custa de nosso próprio bem estar...
...e nós damos a esse impulso um nome tão legal, não é?...

...amor.”




~FLASHBACK OFF~




Bati as duas mãos contra o volante, fechando os olhos com força e tentando respirar fundo. 


- Eu detesto assumir, mas você estava certa, Mani...




Abro a porta do carro e saio o mais silenciosa possível.  Fiz o mesmo percurso que Dinah havia feito. Porém, ao me aproximar da porta da frente do carro da Lauren, pude ver sangue. Apoiei as mãos no carro, sentindo meu estômago embrulhar e me senti um pouco tonta ao pensar que aquele sangue poderia ser da Lauren. 


“Calma, Camila. Lauren é uma mulher espera e forte. Seja lá o que aconteceu, ela está bem. Ela...tem que estar bem.”


Caminhei meio abaixada até a porta dos fundos e consegui entrar, pois a porta estava destrancada. Adentrei a cozinha, onde haviam vários pedaços de vidro quebrados e espalhadas pelo chão. 


“Mas...que droga aconteceu aqui?”


Caminhei tomando o máximo de cuidado possível para meu tênis não fazer tanto barulho ao pisar em alguns dos inevitáveis cacos de vidro. Assim que fui chegando perto da sala, comecei a ouvir barulhos vindos do andar de cima. Encostei na parede e tentei apurar os ouvidos. 


- SUA PSICOPATA DOENTE, ME SOLTA!!!!!!!!!!! - Era Dinah.


- VOCÊ ACHOU MESMO QUE IA CONSEGUIR VIR AQUI E DAR UMA DE SUPER HEROÍNA?!?! EU TO CANSADA DE VOCÊ SE METENDO NA MINHA RELAÇÃO COM A LAUREN E VOU ACABAR COM ISSO DE UMA VEZ POR TODAS!!!!!!!


“Espera um pouco... essa voz... não, não pode ser. É a...”


- LUCY, ACORDA SUA PSICOPATA! NÃO VÊ QUE A LAUREN SE CANSOU DE VOCÊ?!?! OLHA O QUE VOCÊ FEZ COM ELA, PORRA!!!!!!!


- EU NÃO TERIA FEITO NADA SE ELA TIVESSE FICADO QUIETA!!!!!



Meu coração apertou mais uma vez e eu meu perguntava constantemente o que ela fez com Lauren. De qualquer maneira, pelo jeito Dinah precisava da minha ajuda também, então respirei fundo, criei coragem e peguei uma das facas que estavam no balcão da cozinha com cuidado. 


“Vamos Camila, seja forte... “


Subi as escadas lentamente, tomando todo o cuidado do mundo para Lucy não notar minha presença.


“Eu nunca fiz nada do tipo, então que me perdoem as pessoas que sabem lutar, mas vou precisar pegar ela desprevenida mesmo”



- EU VOU ACABAR COM VOCÊ, SUA PIRANHA!!!!! 


Fui seguindo o som da voz da Dinah gritando com ela, além dos sons de batidas nos móveis. 


Me aproximei do quarto de onde estavam vindo os barulhos e encostei na parede ao lado da porta. Respirei fundo e estiquei um pouco meu pescoço para olhar para dentro do quarto. 


- MAIS UM PASSO E EU...ACABO COM ELA DE UMA VEZ POR TODAS, SUA MALDITA!!!!! - gritou Lucy, com o rosto cheio de marcas de unhas e sangrando. Observei melhor e pude ver ela pressionando uma faca contra o pescoço de Lauren, que estava deitada, inconsciente e toda ensangüentada.


Meu coração apertou muito e tive que tampar minha boca com minha própria mão para não gritar.


- Sai... de perto dela... - Disse Dinah, segurando o braço com sua mão, então pude ver que ela estava sangrando também. 


“Cadê a porra da polícia?????”


Lucy começou a rir freneticamente e céus, ela era assustadora. 


- Agora... seja uma boa garota e ajoelhe no chão, de costas. 


- Vai se foder!!!!!! - ela resistiu e Lucy apertou ainda mais a faca no pescoço de a Lauren, fazendo um pequeno corte. 



Pressionei ainda mais a mão em minha boca. 



- PARA COM ISSO, PORRA! Eu vou fazer o que você falou, mas solta ela!!!!!!


Lucy sorriu, então Dinah virou de costas para ela lentamente, então se ajoelhou e ficou com as mãos para cima, demonstrando que havia se rendido. 


- Sabe, poderíamos ter sido boas amigas, se você não tivesse uma queda pela Lauren... - Lucy começou a se aproximar lentamente da Dinah.


- Você é louca... eu nunca...


- CALA A BOCA!!!!! Você acha que eu nunca percebi o jeito que você olha pra ela??? E por qual outro motivo você teria se intrometido tantas vezes no nosso relacionamento????


“Não... isso é loucura... Lauren e Dinah são amigas...”


- Eu... só fiz o que eu fiz... por que a Lauren é uma irmã pra mim... e eu sempre vi o que ela não viu...


- Que porra que você tá falando? - ela se aproximou ainda mais da Dinah.


- ...a questão é que... eu sabia desde o começo que você era uma louca fodida, coisas que a Lauren demorou pra ver... 


- SUA VACA!!!!!! - assim que Lucy levantou a faca na intenção de apunhalar Dinah, não pude me conter e adentrei o quarto rapidamente.


- LUCY, PARA!!!!!!! 


Ela olhou para trás, tomando um pequeno susto. Mas assim que me viu, seus olhos brilharam como o de um predador avistando sua presa mais desejada. 


- Ora ora, o que temos aqui... - ela riu, nervosa - eu achei que você só fazia merda, Dinah, mas pela primeira vez você facilitou minha vida...


- D-deixa elas em paz, pelo amor de Deus! Chega dessa loucura, se você está brava com o que aconteceu no hospital, resolva comigo!!!!!!


Ela sorriu e se aproximou lentamente de mim, apontando a faca na altura da minha barriga. Conforme ela se aproximava, eu recuava lentamente.


- Que pena que você não vai ver isso, Lauren. Mas eu vou acabar com a sua amada paciente bem aqui...


- O que você fez com ela?!


- Ah amorzinho, não se preocupe. O que eu fiz com ela, não foi nem metade do que eu pretendo fazer com você... - sorriu maliciosa. 


- CAMILA, SAI DAQUI!!!!!!! - gritou Dinah, dando um salto e dando um mata Leão na Lucy. 



Tentei aproveitar a deixa e me aproximei para tentar esfaquear a Lucy, porém enquanto ela se debatia para se soltar da Dinah, acertou um chute na minha mão, o que fez com que a faca voasse para longe. Então ela fez um corte na mão da Dinah, virou de frente para ela, acertou um chute em sua barriga e quando ela se encolheu, Lucy deu uma joelhada com força em seu queixo que vez Dinah cair no chão, apagada. 


- NÃO!!!!!! DINAH!!!


Me aproximei e Lucy me empurrou. 


- Agora chega essa bagunça toda!!! Você vai se arrepender por ter chegado perto da Lauren, e ela vai se arrepender por ter se deixado encantar por uma vagabunda como você!!!!


Fui recuando, porém ela me encurralou em uma das paredes, se aproximou apontando a faca na minha barriga. 


- Faça o que quiser comigo, mas deixe ela em paz, eu imploro!!!! - disse, com meus olhos cheios de lágrimas e meu coração batendo mais forte. 


Ela me puxou pelos cabelos e me jogou na direção da cama.


- Pra mostrar como eu sou... piedosa... vou deixar você ter a última visão da Lauren antes de morrer, como um... último pedido... - disse, rindo. 


Me aproximei da Lauren na cama e passei a mão em seu rosto.


- Lauren... a-acorda... por favor... você precisa... sobreviver...


Porém, ela nem se mexia e seu rosto estava mais pálido que o normal. Olhei para seu corpo na tentativa de entender o que havia acontecido com ela, então consegui ver um corte profundo perto de sua costela e ela não parava de sangrar. 


Seus lábios roxos já e sua pele fria por ter perdido tanto sangue fez meu sangue ferver. Fechei os olhos com força, sentindo eles arderem pela quantidade de lágrimas. Um ódio imenso foi se instalando no meu peito, ao ponto de fazer meus pulmões queimarem todas as vezes que eu tentava respirar. Comecei a me sentir perdendo os sentidos aos poucos e a risada da Lucy de fundo foi ficando cada vez mais distante. Era como se eu estivesse... adormecendo...



- Que bom que você foi piedosa, minha querida... - as palavras saíram da minha boca e eu não tinha controle algum. 


- Que...?




- ... Porque eu não serei com você. 


Notas Finais


E aiii? Estão gostando?? Me animem com seus comentários pra eu saber se continuo ou não ta bom?


Ah... fiquem de olho nas Atividades do spirit, tô sempre avisando por lá como está o andamento dos capítulos e tal, e até rola uns spoilers vez ou outra :3

<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...